IFE.H2 86

Informativo Eletrônico – Geração de Energia com Hidrogênio nº 86 – publicado em 20 de julho de 2022.

IFE: Informativo Eletrônico de Hidrogênio – GESEL-UFRJ <!–

l

IFE: nº 86 – 20 de julho de 2022
http://gesel.ie.ufrj.br/
gesel@gesel.ie.ufrj.br

Editor: Prof. Nivalde J. de Castro

Índice

Políticas Públicas e Financiamentos
1
Alemanha: Governo apoia conversão de resíduos em hidrogênio para abastecer a nação
2 EUA: Anúncio de financiamento de Hubs de Hidrogênio do DOE levanta questões sobre o armazenamento de hidrogênio
3 EUA: DOE garante empréstimo de US$ 504 milhões para projeto de armazenamento
4 Mundo: ‘Políticas não correspondem à importância do hidrogênio’ – constata relatório da DNV
5 Reino Unido: Governo financia desenvolvimento de geradores de célula a combustível hidrogênio
6 Reino Unido: UK HFCA apela à ação do governo para facilitar o hidrogênio habilitado para energia nuclear

Produção
1 Escócia: Peel NRE planeja produzir hidrogênio a partir de plásticos
2 França: Parceiros estabelecem metas de produção offshore de hidrogênio em larga escala
3 Índia: Empresas firmam parceria para construir 1 Mt de capacidade de hidrogênio verde
4 Paraguai: ATOME Energy avança em projeto de H2V
5 Reino Unido: Terrestrial Energy e KBR firmam acordo para produzir H2 a partir de energia térmica

Armazenamento e Transporte
1 EUA: DOE garante empréstimo para o maior projeto de armazenamento de energia e hidrogênio limpo do mundo
2 Suécia: Empresas em parceria inauguram instalação subterrânea de armazenamento de hidrogênio

Uso Final
1 Alemanha: Estação de abastecimento de hidrogênio estratégica abre para clientes
2 Estados Unidos: Sucesso da mistura de hidrogênio na usina de energia da Geórgia
3 Estados Unidos: Relatório sugere que aeroportos devem investir em infraestrutura de hidrogênio agora
4 Holanda: Terminal de amônia de Roterdã será dimensionado para três milhões de toneladas por ano

5 Itália: Veneza inaugura seu primeiro posto de abastecimento de hidrogênio

Tecnologia e Inovação
1 Alemanha – Reino Unido: Caixa de ferramentas digital de produção de hidrogênio a ser desenvolvida
2 Coreia do Sul: Universidade desenvolve catalisador mais barato e eficiente para produzir hidrogênio
3 EUA: Projeto que produz hidrogênio a partir do biogás busca reduzir os custos para US$ 1,39/kg
4 EUA: Pesquisadores desenvolvem célula a combustível para operação com alimentação direta a etanol

Eventos
1 Wind, Green Hydrogen and The Energy Transition

Artigos e Estudos
1 Analysis of effects of the hydrogen supply chain on the Korean energy system
2 Jacobs Engineering Group publica nova pesquisa: Airports as Catalysts for Decarbonisation
3 Novo relatório da Guidehouse: Hydrogen Preparedness Index for 20 countries
4 Catching the hydrogen train: economics-driven green hydrogen adoption potential in the United Arab Emirates



 

 

Políticas Públicas e Financiamentos

1 Alemanha: Governo apoia conversão de resíduos em hidrogênio para abastecer a nação

O governo alemão, após a conferência MENA Europe Future Energy Dialogue (MEFED), acordou em facilitar a compra de hidrogênio produzido a partir de resíduos orgânicos na região do Oriente Médio e Norte da África (MENA). Isso será feito auxiliando a conexão entre os off-takers de hidrogênio e a H2-Industries, empresa de tecnologia e soluções para combustíveis avançados. Os projetos da H2-Industries planejados na região MENA esperam produzir até dois milhões de toneladas de hidrogênio verde anualmente até 2030, que será fornecido para à Alemanha para atender a sua demanda por hidrogênio verde continuamente. O acordo, assinado por Robert Habeck, Ministro Federal de Assuntos Econômicos e Ação Climática da Alemanha, consideras as estimativas de que a Europa precisará importar mais de 10 milhões de toneladas de hidrogênio por ano até 2030. (Hydrogen Central – 10.06.2022)

<topo>

2 EUA: Anúncio de financiamento de Hubs de Hidrogênio do DOE levanta questões sobre o armazenamento de hidrogênio

A empresa de tecnologia de infraestrutura de hidrogênio com sede na Flórida, GenH2, levantou questões sobre como o hidrogênio líquido será armazenado, após o Departamento de Energia dos EUA (DOE) anunciar que financiará o programa de US $ 8 bilhões da Lei de Infraestrutura Bipartidária para Hubs de Hidrogênio nos EUA. Em um comunicado, alegou que as “giga-esferas” podem ser a resposta para garantir que o armazenamento seja suficiente. Cody Bateman, CEO e fundador da GenH2, disse que o plano de infraestrutura inclui até seis Hubs de Hidrogênio e que as giga-esferas se tornarão a âncora para cada hub à medida que o país começar a implantá-las na próxima década para atender às necessidades contínuas de hidrogênio. (H2 View – 08.06.2022)

<topo>

3 EUA: DOE garante empréstimo de US$ 504 milhões para projeto de armazenamento

O Departamento de Energia dos EUA (DOE) anunciou, no dia 8 de junho, que fechou uma garantia de empréstimo de US$ 504,4 milhões para um projeto de armazenamento de hidrogênio e energia limpa no estado de Utah. O empréstimo deve ajudar na construção do projeto Advanced Clean Energy Storage (ACES) na cidade de Delta, lançado pela Mitsubishi Hitachi Power Systems e Magnum Development. Definido para produzir e armazenar hidrogênio a partir de eletricidade renovável em uma série de cavernas subterrâneas de cúpula de sal, o ACES possui uma capacidade de 150 GWh. (DOE – 08.06.2022)

<topo>

4 Mundo: ‘Políticas não correspondem à importância do hidrogênio’ – constata relatório da DNV

A DNV, empresa de gestão de risco, lançou no dia 14 de junho, um relatório solicitando aos governos que façam intervenções políticas urgentes e significativas para garantir que o hidrogênio não fique aquém da descarbonização da economia. De acordo com o relatório, o hidrogênio corre o risco de ser a grande oportunidade perdida da transição energética e a quantidade de hidrogênio na matriz energética até 2050 será de apenas 5%. Ele afirma que, para cumprir as metas climáticas do Acordo de Paris, a absorção de hidrogênio precisará triplicar para atender a 15% da demanda de energia. (GNV – 14.06.2022)

<topo>

5 Reino Unido: Governo financia desenvolvimento de geradores de célula a combustível hidrogênio

O Departamento de Negócios, Energia e Estratégia Industrial (BEIS) do governo do Reino Unido concedeu financiamento a um projeto, que desenvolverá geradores de células a combustível de hidrogênio, em um esforço para substituir os geradores a diesel no setor de construção. A Bramble Energy revelou no dia 13 de junho que recebeu o financiamento de £ 40 milhões (US $ 48,7 milhões) do BEIS, que irá apoiar o desenvolvimento e demonstração de combustível de baixo carbono e alternativas de sistema ao diesel vermelho. Ao longo do chamado projeto Gen-ZE, a empresa deve trabalhar com empresas de construção do Reino Unido, que adicionarão informações aos requisitos de design e atuarão como adotantes iniciais para testar a tecnologia. (Bramble Energy – 13.06.2022)

<topo>

6 Reino Unido: UK HFCA apela à ação do governo para facilitar o hidrogênio habilitado para energia nuclear

A Associação de Hidrogênio e Células de Combustível do Reino Unido (UK HFCA) fez um requerimento para que o governo do Reino Unido adote o hidrogênio habilitado para energia nuclear (NEH), no intuito de cumprir as metas de descarbonização. O documento de manifesto, divulgado no dia 7 de junho pelo UK HFCA, pediu ao governo que apoie o NEH com legislações, apoio financeiro e mais instalações nucleares para ajudar na corrida do país para o Net Zero. Além disso, o documento revelou como uma usina nuclear tem o potencial de gerar hidrogênio suficiente para descarbonizar o aquecimento em um milhão de residências ou abastecer 40 mil ônibus de hidrogênio. Também enfatizou que o NEH tem potencial para desempenhar um papel fundamental no cumprimento da meta de produção de hidrogênio de baixo carbono do Reino Unido de 10 GW até 2030. (UK HFCA – 08.06.2022)

<topo>

 

 

Produção

1 Escócia: Peel NRE planeja produzir hidrogênio a partir de plásticos

A Peel NRE, uma empresa de energia que faz parte da Peel L&P, recebeu aprovação para desenvolver um projeto que vai construir uma unidade de produção de hidrogênio em Rothesay Dock, Escócia. A planta vai produzir o hidrogênio a partir da gaseificação de plásticos não recicláveis destinados a aterros sanitários, um hidrogênio classificado como limpo. Espera-se que sejam produzidas 13,5 mil toneladas de hidrogênio, que serão usados como combustível para caminhões, ônibus e carros, com uma estação de reabastecimento no local. É a segunda instalação planejada desse tipo, com a construção da primeira prevista para começar este ainda em 2022 no local de Protos da Peel NRE em Cheshire, Inglaterra. (Peel L&P – 08.06.2022)

<topo>

2 França: Parceiros estabelecem metas de produção offshore de hidrogênio em larga escala

Lhyfe e Chantiers de l’Atlantique firmaram uma parceria, que visa desenvolver plataformas offshore de produção de hidrogênio, com capacidade mínima de 100 MW. As plataformas de produção devem ser alimentadas por parques eólicos offshore ligados ou fora da rede. A Chantiers de l’Atlantique deve projetar, construir e instalar as plataformas, enquanto a Lhyfe projetará e operará a tecnologia de produção de hidrogênio. As plataformas estão previstas para serem instaladas em estruturas fixas existentes, montadas no fundo do mar, ou em plataformas flutuantes, esperando atender a cadeia de combustível de hidrogênio renovável no mar, bem como nos portos. (Lhyfe – 15.06.2022)

<topo>

3 Índia: Empresas firmam parceria para construir 1 Mt de capacidade de hidrogênio verde

A Indian, a Adani e a TotalEnergies, esta última empresa sendo da França, anunciaram no dia 14 de junho, que firmaram uma parceria para criar o maior ecossistema de hidrogênio verde do mundo, visando fornecer o vetor energético pelo menor custo aos consumidores. A Adani New Industries Ltd (ANIL) pretende investir mais de US$ 50 bilhões nos próximos 10 anos em hidrogênio verde e no seu ecossistema, com planos iniciais para que a Adani desenvolva uma capacidade de produção de um milhão de toneladas por ano até 2030. A parceria busca ajudar a Índia em suas ambições de construir sustentabilidade econômica por meio da descarbonização da indústria, geração de energia, mobilidade e agricultura. (Total Energies – 14.06.2022)

<topo>

4 Paraguai: ATOME Energy avança em projeto de H2V

A ATOME Energy, uma empresa que atua no segmento do hidrogênio e amônia, anunciou que seu projeto de hidrogênio verde (H2V) localizado em Villeta, Paraguai, está avançando rapidamente, uma vez que foi contratada uma empresa de consultoria de infraestrutura. Além disso, a decisão final de investimento já está prevista para o final deste de 2022. A planta vai contar com a tecnologia de eletrólise, que será alimentada pela energia disponível da barragem hidrelétrica de ITAIPU, com produção de H2V em larga escala até 2025. O hidrogênio produzido utilizado para produzir amônia a partir da síntese de Haber-Bosch, com possibilidade para ampliar o uso final para as empresas de cimentos e até exportação. (ATOME Energy – 04.06.2022)

<topo>

5 Reino Unido: Terrestrial Energy e KBR firmam acordo para produzir H2 a partir de energia térmica

A Terrestrial Energy, uma empresa de tecnologia nuclear, e a KBR, uma subsidiária da empresa Halliburton, anunciaram um acordo para desenvolver um projeto, que tem por intuito produzir hidrogênio a partir de energia térmica no Reino Unido. O hidrogênio será produzido por meio da integração da tecnologia de cogeração nuclear do Reator de Sal Fundido Integral (IMSR) da Terrestrial, A planta IMSR fornece energia térmica de emissão zero a 585 o C para uso direto em processos industriais e para geração de energia elétrica no local. No que concerne ao uso final, o hidrogênio será utilizado para produzir amônia pela síntese de Haber-Bosch. Esse projeto pretende inovar a forma de produção de hidrogênio por meio de um processo limpo, que pode descarbonizar a indústria. (Terrestrial Energy – 08.06.2022)

<topo>

 

 

Armazenamento e Transporte

1 EUA: DOE garante empréstimo para o maior projeto de armazenamento de energia e hidrogênio limpo do mundo

O Departamento de Energia dos EUA (DOE) fechou uma garantia de empréstimo de US$ 504,4 milhões para o projeto Advanced Clean Energy Storage em Delta, Utah (ACES Delta), uma joint venture entre a Mitsubishi Power Americas e a Magnum Development. A garantia de empréstimo ajudará a financiar a construção da maior instalação de armazenamento de hidrogênio limpo do mundo, capaz de fornecer armazenamento de energia sazonal de baixo custo e longo prazo, promovendo a estabilidade da rede. O hub será inicialmente projetado para converter energia renovável através de 220 MW de eletrolisadores alcalinos para produzir até 100 toneladas métricas por dia de hidrogênio verde, que será armazenado em duas enormes cavernas de sal, cada uma capaz de armazenar 150 GWh de energia. (ACES Delta – 09.06.2022)

<topo>

2 Suécia: Empresas em parceria inauguram instalação subterrânea de armazenamento de hidrogênio

SSAB, LKAB e Vattenfall estão inaugurando a instalação piloto do HYBRIT para armazenamento de gás hidrogênio livre de fósseis em Svartöberget em Luleå, Suécia. A instalação de armazenamento de cavernas rochosas é a primeira desse tipo no mundo. A cerimônia de inauguração marca o início do período de testes de dois anos, que vai até 2024. A iniciativa HYBRIT foi lançada em 2016 pelos três proprietários. A instalação de armazenamento de hidrogênio desempenhará um papel muito importante na cadeia de valor geral para a produção de ferro e aço livre de fósseis. A planta piloto tem um tamanho de 100 metros cúbicos. Numa fase posterior, poderá ser necessária uma instalação de armazenamento de gás hidrogênio em grande escala com 100.000 a 120.000 metros cúbicos, caso em que poderá armazenar até 100 GWh de eletricidade convertida em gás hidrogênio, o que é suficiente para fornecer uma fábrica de ferro esponja de tamanho médio por três a quatro dias. A SSAB, LKAB e Vattenfall investiram um total de SEK 259 milhões no próprio armazenamento de hidrogênio, dividido em três partes iguais, e a Agência Sueca de Energia contribuiu com SEK 72 milhões. (SSAB – 14.06.2022)

<topo>

 

 

Uso Final

1 Alemanha: Estação de abastecimento de hidrogênio estratégica abre para clientes

Um projeto conjunto de estação de reabastecimento de hidrogênio entre a TotalEnergies e a H2 Mobility Deutschland em Freiburg, sul da Alemanha, está agora aberto aos clientes enquanto o trabalho final é realizado. Este projeto é um passo importante para fechar uma lacuna na rede de hidrogênio da Alemanha entre Baden-Baden e Basel, Suíça. Atualmente no ‘modo de otimização’, os motoristas de veículos movidos a hidrogênio podem abastecer com as bombas de 700 bar. (H2 View – 14.06.2022)

<topo>

2 Estados Unidos: Sucesso da mistura de hidrogênio na usina de energia da Geórgia

A mistura de hidrogênio e gás natural na Geórgia, EUA, foi bem-sucedida em cargas parciais e completas em uma turbina a gás natural M501G na Usina McDonough-Atkinson da Georgia Power em Smyrna, Geórgia. A Mitsubishi Power, a Georgia Power e o Electric Power Research Institute (EPRI) validaram a mistura de 20% de hidrogênio em uma turbina a gás avançada, resultando em uma redução de cerca de 7% nas emissões de carbono, anunciado no dia 10 de junho. As instalações da Plant McDonough-Atkinson estão localizadas a menos de 16 km do centro de Atlanta, alimentando até 1,7 milhão de residências, com suas seis turbinas a gás da série M501G. Espera-se que a mistura de hidrogênio seja lançada após o sucesso do teste, para reduzir as emissões operacionais, contribuindo para as metas Net Zero. Allen Reaves, vice-presidente sênior e diretor de produção sênior da Georgia Power, disse: “Esta demonstração ajuda a preparar o caminho para o uso limpo e livre de carbono a longo prazo para a infraestrutura já existente. Fazer esses investimentos inteligentes hoje em nome de nossos clientes garante que possamos continuar fornecendo energia limpa, segura, confiável e acessível à medida que a Geórgia cresce e prospera nas próximas décadas”. (H2 Bulletin – 13.06.2022)

<topo>

3 Estados Unidos: Relatório sugere que aeroportos devem investir em infraestrutura de hidrogênio agora

A empresa sediada no Texas, nos EUA, divulgou no dia 15 de junho sua pesquisa intitulada Aeroportos como catalisadores para a descarbonização, que se baseia no relatório FlyZero do Instituto de Tecnologia Aeroespacial, fornecendo um roteiro para os aeroportos implementarem a tecnologia de abastecimento de hidrogênio. De acordo com a pesquisa, os aeroportos devem fazer investimentos em planejamento, projeto, consultoria e implementação de novas infraestruturas, antes das primeiras aeronaves movidas a hidrogênio comercialmente disponíveis, previstas para meados da década de 2030. A pesquisa de Jacobs identificou três cenários para o fornecimento e armazenamento de hidrogênio para aeroportos: a entrega de hidrogênio líquido diretamente ao aeroporto por caminhão; o uso de um gasoduto de hidrogênio com liquefação no local; e o uso de eletrólise para produção de hidrogênio no aeroporto. No relatório consta: “Portanto, o investimento inicial com base na abordagem do Cenário 1 terá um custo menor do que os gasodutos de hidrogênio ou eletrólise de capital intensivo. (H2 View – 15.06.2022)

<topo>

4 Holanda: Terminal de amônia de Roterdã será dimensionado para três milhões de toneladas por ano

A OCI NV deve aumentar drasticamente a capacidade de processamento de seu terminal de amônia no Porto de Roterdã, para mais de três milhões de toneladas por ano, para atender à demanda de hidrogênio e amônia de baixo carbono. Anunciado no dia 15 de junho, a OCI tomou uma decisão final de investimento (FID) em seu projeto de expansão do terminal de importação de amônia para facilitar a demanda emergente de amônia e atuar como hub para o hidrogênio importado na forma de amônia. A expansão planejada desenvolverá o terminal sob investimento faseado, com uma fase inicial para triplicar a capacidade de produção dos atuais 400 quilotoneladas por ano, para 1,2 milhão de toneladas anuais, com foco na modernização da infraestrutura existente. (H2 View – 15.06.2022)

<topo>

5 Itália: Veneza inaugura seu primeiro posto de abastecimento de hidrogênio

A “primeira” estação de reabastecimento de hidrogênio foi aberta em Mestre, Veneza, Itália, marcando um marco nos passos para uma rede de abastecimento de hidrogênio no país. Com capacidade de mais de 100kg de hidrogênio por dia, o San Giuliano Enistation está equipado com dois pontos de distribuição, que dizem reabastecer veículos em aproximadamente cinco minutos, incluindo ônibus. Construída pela multinacional italiana de petróleo e gás Eni, a estação também fornece combustíveis tradicionais, além de facilitar os serviços de recarga de veículos elétricos. Em 2019, o Município e a Cidade Metropolitana de Veneza, a Eni e a Toyota Motor Italia, assinaram um acordo que permitiria um mínimo de 10 carros movidos a célula de combustível de hidrogênio Toyota Mirai nas estradas da cidade. Três já foram entregues, com outros três previstos para serem dedicados ao serviço de compartilhamento de carros KINTO na cidade de Veneza. (H2 Bulletin – 10.06.2022)

<topo>

 

 

Tecnologia e Inovação

1 Alemanha – Reino Unido: Caixa de ferramentas digital de produção de hidrogênio a ser desenvolvida

A Technische Universität (TU) Braunschweig, da Alemanha, e a Universidade de Strathclyde, de Glasgow, no Reino Unido, concordaram em criar uma ‘caixa de ferramentas digital’ para acelerar a produção de hidrogênio. Os parceiros estratégicos estão trabalhando no projeto DiTo-H2 para pesquisar a produção de hidrogênio, financiado pelo Esquema de Pesquisa de Hidrogênio Escócia-Alemanha (SGHRS), que concedeu £ 97.000 (US $ 120.800) a quatro universidades escocesas e alemãs. A chamada caixa de ferramentas digital deve fornecer estruturas de modelagem, mapeamento dos avanços tecnológicos e como eles se traduzirão em melhorias de desempenho nos eletrolisadores e na rede de energia. Espera-se que a estrutura facilite a tomada de decisão acelerada sobre a integração de novas tecnologias e materiais à medida que estiverem disponíveis. (University of Strathclyde Glasgow – 10.06.2022)

<topo>

2 Coreia do Sul: Universidade desenvolve catalisador mais barato e eficiente para produzir hidrogênio

Pesquisadores da Universidade Chung-Ang desenvolveram um novo catalisador para produzir hidrogênio a partir da separação da água. A Universidade Chung-Ang afirma que o novo catalisador é mais barato e mais eficiente do que aqueles com métodos tradicionais, podendo melhorar a escalabilidade da produção de hidrogênio. Adicionalmente, foi informado que o catalisador foi capaz de fornecer alta densidade de corrente em baixas tensões e 100 horas de durabilidade em testes. Seung-Keun Park, professor assistente da Universidade Chung-Ang, as propriedades eletrocatalíticas aprimoradas do catalisador se devem à sua heteroestrutura hierárquica única e à sinergia entre seus componentes. (CISION PR Newswire – 13.06.2022)

<topo>

3 EUA: Projeto que produz hidrogênio a partir do biogás busca reduzir os custos para US$ 1,39/kg

O hidrogênio produzido a partir do biogás teve um salto inicial, pois a Comissão de Energia da Califórnia concedeu à Southern California Gas (SoCalGas) uma doação de US$ 750.000 para desenvolver seu novo sistema de produção de hidrogênio. O projeto espera aproveitar as inovações da tecnologia modular de produção de hidrogênio para criar um sistema movido a eletricidade renovável para usar biogás de aterros sanitários, estações de tratamento de águas residuais ou fazendas de laticínios como matéria-prima. A SoCalGas espera que o sistema facilite a produção de hidrogênio renovável a US$ 1,39 e, ao exigir temperaturas operacionais mais baixas sem a necessidade de combustão, é capaz de reduzir as emissões em até 95%. O sistema de demonstração, que deve começar a ser testado em 2023, deve ser projetado para produzir cinco quilos de hidrogênio com baixo teor de carbono ou carbono negativo por dia. (SoCalGas – 09.06.2022)

<topo>

4 EUA: Pesquisadores desenvolvem célula a combustível para operação com alimentação direta a etanol

Uma equipe da Washington State University (WSU) e da Nissan integrou uma camada de catalisador na célula a combustível de óxido sólido (MS-SOFC), permitindo uma operação bem sucedida com a alimentação direta de etanol. A equipe introduziu uma camada de catalisador de reforma interna Rhodium-Ceria-Zirconia (Rh/CZ) no MS-SOFC, infiltrando precursores de Rh, CeO2 e ZrO2 no suporte de aço inoxidável (SS 430). Com uma alimentação direta de uma solução de etanol (45% em volume) no ânodo a 600 °C, os resultados experimentais mostram que a célula com 5% em peso de Rh/CZ infiltrado demonstra um desempenho aprimorado sobre uma célula sem a camada de catalisador, aumentando a atividade de reforma interna do etanol para a produção de gás de síntese. Para ler o artigo sobre esse trabalho na íntegra, clique aqui. (Green Car Congress – 12.06.2022)

<topo>

 

 

Eventos

1 Wind, Green Hydrogen and The Energy Transition

No dia 20 de julho de 2022, ocorrerá um evento online, organizado pela Strategic Decisions Group (SDG). No evento, será discutido como a cadeia de valor do hidrogênio está sendo estruturada no que tange a produção, transporte, armazenamento, aplicações; às principais incertezas que impulsionam a evolução da economia do hidrogênio (mercado, tecnologia, regulamentação); e, por fim, como construir cenários de hidrogênio e usá-los para construção de uma estratégia satisfatória. Salienta-se, que o uso em escala comercial do hidrogênio limpo exigirá avanços tecnológicos em toda a cadeia de valor do hidrogênio e avanços em outras tecnologias de baixo carbono, como CCUS e energia renovável. Esses requisitos apresentam enorme incerteza sobre como a economia do hidrogênio evoluirá., de forma que, quando combinada com aplicações aparentemente ilimitadas de hidrogênio, é um desafio decidir onde e como participar da cadeia de valor do hidrogênio. (Strategic Decisions Group – Julho de 2022)

<topo>

 

 

Artigos e Estudos

1 Analysis of effects of the hydrogen supply chain on the Korean energy system

Neste estudo, os efeitos energéticos e ambientais dos cenários da cadeia de fornecimento de energia de hidrogênio no sistema energético nacional foram analisados quantitativamente usando o modelo TIMES, um modelo representativo de análise de sistema de energia. Os cenários foram definidos em três perspectivas: o nível de desenvolvimento das tecnologias-chave, a contribuição das futuras energias renováveis para o setor de geração de energia e a importância relativa de cada portfólio de métodos de produção de hidrogênio. Todos os cenários foram baseados nas políticas consideradas pelo governo coreano. Os resultados das análises de cenário mostram, entre outros, que o hidrogênio verde, ou seja, a produção de hidrogênio orientada pela eletrólise da água, consome uma quantidade bastante grande de eletricidade. Portanto, na perspectiva de todo o sistema energético nacional, a transição do setor elétrico para as energias renováveis, principalmente solar e eólica, e o avanço da eletrólise da água são necessários para reduzir as emissões nacionais de GEE. (ScienceDirect – 2022)

<topo>

2 Jacobs Engineering Group publica nova pesquisa: Airports as Catalysts for Decarbonisation

De acordo com a pesquisa, os aeroportos devem fazer investimentos em planejamento, projeto, consultoria e implementação de novas infraestruturas antes das primeiras aeronaves movidas a hidrogênio estarem comercialmente disponíveis, previstas para meados da década de 2030. A pesquisa identificou três cenários para o fornecimento e armazenamento de hidrogênio para aeroportos: (i) a entrega de hidrogênio líquido diretamente ao aeroporto por caminhão; (ii) o uso de um gasoduto de hidrogênio com liquefação no local; e (iii) o uso de eletrólise para produção de hidrogênio no aeroporto. Ademais, o relatório também identifica que o investimento inicial com base na abordagem do Cenário (i) terá um custo menor do que os gasodutos de hidrogênio ou eletrólise de capital intensivo. (Jacobs – 2022)

<topo>

3 Novo relatório da Guidehouse: Hydrogen Preparedness Index for 20 countries

O relatório “Hydrogen Preparedness Index for 20 countries” fornece uma avaliação de 20 países influentes no setor, baseando suas análises questões políticas e de atividade de projeto. Dada a distribuição mais ampla de energia renovável, as características de uma economia global de hidrogênio provavelmente vai diferir substancialmente daquelas do setor de combustíveis fósseis, com uma reconfiguração significativa das relações de importador e exportador provável, afirma o relatório. É perceptível, ainda, que os governos nacionais estabelecem metas cada vez mais ambiciosas para a implantação da tecnologia de hidrogênio, motivadas por metas de redução de emissões e potencial liderança tecnológica, dependência econômica e maior segurança de fornecimento. Como destaques, o relatório identificou a Alemanha, Holanda, Austrália, República da Coreia e Japão como líderes no mercado mundial de hidrogênio. (Guidehouse – 2022)

<topo>

4 Catching the hydrogen train: economics-driven green hydrogen adoption potential in the United Arab Emirates

Este artigo quantifica o potencial do hidrogênio verde nos Emirados Árabes Unidos, usando um modelo de adoção integrado baseado em tendências tecno-econômicas globais e custos locais. Foi considerado o impacto da variação dos preços de hidrogênio, petróleo, gás natural e carbono na economia do hidrogênio verde. Também foi observado que a viabilidade econômica nas indústrias dos Emirados Árabes Unidos se dará entre 2032 e 2038 a preços entre US$ 0,95/kg e US$ 1,35/kg com base em premissas de custo de eletrolisador, previsões solares e taxas de aprendizado. Além disso, o artigo interpretou que há uma rápida expansão para grandes capacidades de produção orientadas para exportação em todos os cenários estudados. No entanto, se as reduções de custos desacelerarem ou os preços do gás retornarem aos mínimos históricos, seriam necessárias intervenções adicionais, como a precificação do carbono, para descarbonizar totalmente em alinhamento com a transição energética e o zero líquido em 2050. (ScienceDirect – 2022)

<topo>


Equipe de Pesquisa UFRJ
Editor: Prof. Nivalde J. de Castro (nivalde@ufrj.br)
Subeditores: Fabiano Lacombe, Luiza Masseno e Sayonara Andrade Elizário
Pesquisadores: Allyson Thomas,
José Vinícius S. Freitas, Kalyne Silva Brito e Luana Oliveira 
Assistente de pesquisa: Sérgio Silva

As notícias divulgadas no IFE não refletem necessariamente os pontos da UFRJ. As informações que apresentam como fonte UFRJ são de responsabilidade da equipe de pesquisa sobre o Setor Elétrico do Instituto de Economia da UFRJ.

POLÍTICA DE PRIVACIDADE E SIGILO
Respeitamos sua privacidade. Caso você não deseje mais receber nossos e-mails,  Clique aqui e envie-nos uma mensagem solicitando o descadastrado do seu e-mail de nosso mailing.


Copyright UFRJ

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: