IFE.H2 82

Informativo Eletrônico – Geração de Energia com Hidrogênio nº 82 – publicado em 28 de junho de 2022.

IFE: Informativo Eletrônico de Hidrogênio – GESEL-UFRJ <!–

l

IFE: nº 82 – 28 de junho de 2022
http://gesel.ie.ufrj.br/
gesel@gesel.ie.ufrj.br

Editor: Prof. Nivalde J. de Castro

Índice

Políticas Públicas e Financiamentos
1
Austrália: Governo da Austrália Ocidental estuda o estabelecimento de metas para implantação de hidrogênio renovável.
2 Austrália-Europa: Exportações de hidrogênio podem ser impulsionadas sob novo acordo
3 Europa: A Hydrogen Europe revela posição sobre as políticas do “Fit for 55”
4 Reino Unido: Novo financiamento para pesquisa com hidrogênio na aviação sustentável
5 Reino Unido: Reações do anúncio da conta de energia geram mais pedidos para ampliações do hidrogênio verde

Produção
1 Brasil: Shell assina MoU (Memorandum of Understanding) para desenvolver planta de hidrogênio verde no Porto de Açu
2 Espanha: Novo eletrolizador de 20 MW é inaugurado
3 Estados Unidos: Estado de Ohio desenvolverá usina de hidrogênio no local de antiga instalação de enriquecimento de urânio
4 Estados Unidos: BP e Linde lançam projeto de captura de carbono para produzir hidrogênio de baixo carbono
5 Estados Unidos: FFI possui interesse em converter antiga mina de carvão em uma unidade de produção de H2V
6 Holanda: RWE apresentou propostas para desenvolver planta de hidrogênio de 600 MW
7 Índia: GAIL está desenvolvendo planta de H2V de 10 MW

Armazenamento e Transporte
1 Alemanha: HH2E arrecada fundos para apoiar oleoduto de hidrogênio no valor de € 500 milhões
2 República Tcheca: DNV explorará adequação de hidrogênio em gasodutos

Uso Final
1 Austrália: Poseidon Marine H2 pretende garantir grandes contratos industriais para seu barco movido a hidrogênio
2 Colômbia: Novo acordo para apoiar a mobilidade do hidrogênio
3 Europa: Everfuel lança unidade móvel de abastecimento
4 Reino Unido: Projetos de amônia verde financiados pelo governo do país esperam melhorar a distribuição de hidrogênio

Eventos
1 iH2Brasil apresenta startups e projetos de hidrogênio selecionados
2 O potencial do hidrogênio como armazenamento de energia
3 O papel da amônia em um ecossistema livre de carbono

Artigos e Estudos
1 Abordagem experimental e de modelagem para propriedades morfológica de células a combustível
2 Captura parcial de carbono e sua inserção nas instalações de produção de hidrogênio cinza para descarbonizar as refinarias
3 Geração de hidrogênio a partir da pirólise da biomassa
4 Liquefação de hidrogênio: uso de materiais adequados para a técnica de refrigeração magnética

5 World Energy Council: percepções regionais do hidrogênio com baixo carbono



 

 

Políticas Públicas e Financiamentos

1 Austrália: Governo da Austrália Ocidental estuda o estabelecimento de metas para implantação de hidrogênio renovável.

O governo da Austrália Ocidental (WA) pretende impulsionar por meio de investimentos o crescimento da produção de hidrogênio renovável em uma indústria da região. Ao fazê-lo, o governo de WA acredita que a criação de metas para o aumento da produção de hidrogênio renovável ajudará a impulsionar a demanda local além de auxiliar projetos emergentes de produção de hidrogênio, que são reconhecidos como essenciais para o desenvolvimento da indústria de hidrogênio. A legislação proposta estabelece metas para que os varejistas do Sistema Interconectado do Sudoeste substituam uma porcentagem de energia elétrica por energia de hidrogênio renovável. Isso criaria um mercado local que apoiaria projetos emergentes de hidrogênio e melhoraria a estabilidade da rede. Espera-se que o trabalho conduzido pela Energy Policy WA, seja finalizado no final de 2022 com a integração da meta prevista para 2024. (Governo da Austrália Ocidental – 06.05.2022)

<topo>

2 Austrália-Europa: Exportações de hidrogênio podem ser impulsionadas sob novo acordo

O governo de Queensland assinou um Memorando de Entendimento (MoU) com o Porto de Roterdã para desenvolver conjuntamente cadeias de fornecimento de exportação de hidrogênio verde. Ao fazer o anúncio no dia 11 de maio, Mick de Brenni, Ministro de Energia, Renováveis e Hidrogênio de Queensland, relatou que este acordo entre os países, poderá tornar Queensland uma grande potência na exportação de hidrogênio verde entre a Austrália e a Europa. A notícia vem depois que a Autoridade do Porto de Roterdã apresentou planos a um comissário europeu que veria 4,6 megatoneladas de hidrogênio fluindo pelo porto anualmente até 2030. Dirigindo-se à Cúpula Mundial do Hidrogênio por videoconferência , Brenni disse que o Porto de Roterdã tem como meta importar até 20 milhões de toneladas de hidrogênio até 2050, começando com as importações de amônia em 2025. A mudança do governo de Queensland coincide com seus planos de energia renovável que detalham o desenvolvimento de uma cadeia de fornecimento de energia renovável sustentável e a criação de empregos nessas indústrias. Também houve outros projetos significativos de hidrogênio em Queensland, incluindo uma planta que visa produzir 50.000 kg de hidrogênio renovável anualmente. (Governo de Queensland – 11.05.2022)

<topo>

3 Europa: A Hydrogen Europe revela posição sobre as políticas do “Fit for 55”

A Hydrogen Europe revelou, no dia 16 de maio, em que posição se encontra, tomando como base as propostas “Fit for 55” e metas da Comissão Europeia, que foram renovadas pelo plano da REPowerEu. Em seu documento, a Hydrogen Europe afirma que o cumprimento das metas “Fit for 55” exigirá um aumento significativo das capacidades de fabricação de equipamentos inovadores como eletrolisadores na EU. A organização disse que, além dos eletrolisadores, a infraestrutura para permitir o transporte, distribuição e armazenamento de hidrogênio precisará ser desenvolvida e adaptada rapidamente. Nesse sentido, a Hydrogen Europe construiu suas recomendações em três pilares principais: 1. É necessário aumentar a demanda do mercado de hidrogênio e fornecer visibilidade à indústria; 2. Um grande Investimento na fabricação europeia de eletrolisadores e componentes; 3. Dimensão internacional. (Hydrogen Europe – 16.05.2022)

<topo>

4 Reino Unido: Novo financiamento para pesquisa com hidrogênio na aviação sustentável

A universidade de Cranfield, no Reino Unido, recebeu £ 3,1 milhões (US $3,79 milhões) para avançar em sua pesquisa de aviação sustentável, o projeto Net Zero Research Airport, com foco principal no hidrogênio. O projeto investira no financiamento de novos equipamentos como: um eletrolisador de hidrogênio movido a energia solar, para manter pesquisas de aeronaves com células de combustíveis, , bem como motores de combustão interna de hidrogênio (ICE) e combustores de turbina a gás. Além disso, o projeto Net Zero Research Airport planeja fornecer um sistema móvel de compressão de hidrogênio e abastecimento de veículos para apoiar projetos de pesquisa em todo o campus de Cranfield. O financiamento da Research England também terá um impacto imediato na redução das emissões de gases de efeito estufa das operações aéreas e aéreas da Cranfield University, totalizando 305 toneladas de dióxido de carbono por ano. (Cranfield – 16.05.2022)

<topo>

5 Reino Unido: Reações do anúncio da conta de energia geram mais pedidos para ampliações do hidrogênio verde

Desde o anúncio da UK Energy Bill, surgiram novas reações da indústria de energia, com esperanças renovadas de que uma transição para o hidrogênio esteja cada vez mais próxima. Com isso o Dr. Nick Cooper, CEO da Storegga, disse: “O Reino Unido agora tem a oportunidade de liderar o mundo no estabelecimento de uma próspera indústria de descarbonização, que inclui a produção de fontes de energia mais verdes, como hidrogênio, e a captura e remoção de CO2 de indústria e a atmosfera”. Houve ênfase do hidrogênio estar a frente do projeto de lei, com documentos de apoiado pelo governo. Isso também incluiu ‘modelos de negócios de última geração’ para hidrogênio e permitiu ‘o primeiro teste de aquecimento de hidrogênio em larga escala, permitindo-nos informar o papel do hidrogênio na descarbonização do calor em 2026’. Além disso, a Associação de Captura e Armazenamento de Carbono (CCSA) e o órgão comercial para a indústria de captura, utilização e armazenamento de carbono (CCUS), saudaram o anúncio. (H2 View – 16.05.2022)

<topo>

 

 

Produção

1 Brasil: Shell assina MoU (Memorandum of Understanding) para desenvolver planta de hidrogênio verde no Porto de Açu

A Shell, um grupo global de energia, por meio da sua subsidiária Shell Brasil, assinou um Memorando de Entendimento (MoU) com o Porto do Açu para desenvolver um projeto que tem por intuito construir e operar uma planta piloto de hidrogênio verde (H2V) no próprio porto, Brasil. A planta contará com tecnologia de eletrólise com capacidade inicial de 10 MW que posteriormente pode chegar a 100 MW e será alimentada a partir da energia elétrica oriunda da rede nacional. Em termos de investimento, o projeto recebeu um fund da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). Sendo assim, em termos de uso final, o gás de hidrogênio será utilizado para desenvolver conhecimento, armazenamento, além de ser fornecido para potenciais consumidores e geração de amônia verde a partir do H2 remanescente. (Shell – 19.05.2022)

<topo>

2 Espanha: Novo eletrolizador de 20 MW é inaugurado

A instalação do eletrolisador da Nel ASA na fábrica de fertilizantes Fertiberia’s em Puertollano, Espanha, foi oficialmente inaugurada no dia 13 de maio pelo rei da Espanha, Felipe. A instalação de membrana eletrolítica de polímero (PEM) de 20 MW é a maior do gênero na Europa e produzirá hidrogênio verde para substituir os combustíveis fósseis, reduzindo quase 50.000 toneladas de emissões de dióxido de carbono. A instalação da Fertiberia usará hidrogênio verde dos novos eletrolisadores para produzir amônia, um ingrediente chave em fertilizantes agrícolas. A eletricidade necessária para a produção de hidrogênio será fornecida pela concessionária espanhola de energia elétrica Iberdrola, onde seu novo parque solar está localizado perto da fábrica de hidrogênio e fertilizantes em Puertollano, aproximadamente 250 km ao sul de Madri. (H2 View – 13.05.2022)

<topo>

3 Estados Unidos: Estado de Ohio desenvolverá usina de hidrogênio no local de antiga instalação de enriquecimento de urânio

O estado de Ohio, nos EUA, ganhará uma nova usina de hidrogênio com potencial para impulsionar a descarbonização no coração do estado. Conforme revelado pelo Columbus Dispatch, a Southern Ohio Diversification Initiative, um grupo de desenvolvimento econômico que trabalha com a Universidade de Ohio e a empresa do Texas Newpoint Gas, produzirá hidrogênio com baixo teor de carbono a partir do gás natural . O prazo estimado para entrar em vigor será em 2027, mas inicialmente gerará 300 MW de energia para gerar hidrogênio e amônia para várias indústrias. A usina será criada no local de uma antiga instalação de enriquecimento de urânio que foi fechada em 2001. (Columbus Dispatch – 17.05.2022)

<topo>

4 Estados Unidos: BP e Linde lançam projeto de captura de carbono para produzir hidrogênio de baixo carbono

A BP e a Linde anunciaram, no dia 17 de maio, planos para avançar um grande projeto de captura e armazenamento de carbono (CCS) no Texas, EUA, que permitiria a produção de hidrogênio com baixo teor de carbono nas instalações existentes da Linde. O projeto, que deve estar em ativo em 2026, capturará e armazenará dióxido de carbono das instalações de produção de hidrogênio da Linde em Houston, que espera abrir os caminhos para a descarbonização em larga escala do Corredor Industrial do Golfo do Texas. Isso complementará a planta de hidrogênio líquido da Linde em La Porte, Texas, que produz 30 toneladas de hidrogênio por dia. Utilizando a rede de gasodutos de hidrogénio da Linde, o hidrogênio com baixo teor de carbono será vendido a clientes com contratos a longo prazo. A bp revisará, desenvolverá e permitirá locais de armazenamento geológico para captura permanente do dióxido de carbono. View. (H2 View – 17.05.2022)

<topo>

5 Estados Unidos: FFI possui interesse em converter antiga mina de carvão em uma unidade de produção de H2V

A Fortescue Future Industries (FFI), uma empresa líder global em transição energética, possui interesse em desenvolver um novo projeto que visa construir e operar uma planta de hidrogênio em Washington, Estados Unidos (EUA). Esta planta será desenvolvida a partir de uma avaliação da infraestrutura da mina que será realizada pela FFI, isto é, a empresa vai converter uma antiga mina de carvão em uma unidade de produção de hidrogênio. A planta contará com tecnologia de eletrólise que será alimentada por energias renováveis, produzindo então o gás de maneira renovável, hidrogênio verde (H2V). É provável que o início da planta ocorra em 2025, pois será neste ano que a usina de carvão será fechada. Por fim, em termos de aplicabilidade, o gás será utilizado em setores de difícil eletrificação, a exemplo de caminhões, portos, aviação e indústria. (FFI – 13.05.2022)

<topo>

6 Holanda: RWE apresentou propostas para desenvolver planta de hidrogênio de 600 MW

A RWE, uma empresa de energia que está atuando de acordo com a transição energética, apresentou propostas para desenvolver uma unidade de produção de hidrogênio verde (H2V) na Holanda. A unidade, na qual contará com 600 MW de capacidade de produção, será construída em terra firme, enquanto a proposta se estende para também adicionar parques eólicos offshore localizados a 53 km da costa holandesa para servir como energia primária e alimentar a unidade de H2V. Em termos de uso final, o gás vai ser utilizado para regular a oferta de energia. O hidrogênio será produzido, armazenado e utilizado em uma célula a combustível no momento em que os parques não suprirem a demanda de energia. (RWE – 16.05.2022)

<topo>

7 Índia: GAIL está desenvolvendo planta de H2V de 10 MW

A GAIL Limited, Índia, uma empresa exploradora e produtora de gás natural, está desenvolvendo um projeto que tem por intuito produzir hidrogênio verde (H2V) no seu Complexo Vijaipur, distrito de Guna, Índia. A planta contará com um eletrolisador de capacidade de produção de 10 MW da tecnologia PEM, que será alimentada por energias renováveis. Em termos quantitativos, a planta prevista para 2023, será capaz de produzir cerca de 4,3 toneladas de H2V por dia. A GAIL está atuando de acordo com a transição energética, buscando se alinhar com o net-zero e cumprir com a Missão Nacional de Hidrogênio da Índia, onde o país busca uma produção de 5 milhões de toneladas de H2V até 2030. (Gail (Índia) Limited – 12.05.2022)

<topo>

 

 

Armazenamento e Transporte

1 Alemanha: HH2E arrecada fundos para apoiar oleoduto de hidrogênio no valor de € 500 milhões

O HH2E revelou um capital de investimento da HydrogenOne e Foresight para o direcionamento de projetos de hidrogênio da empresa alemã e apoiar o aumento da produção de hidrogênio verde. Com US$ 12,50 milhões sendo arrecadados no total para a rodada de financiamento, as empresas fornecerão uma parte substancial do capital de desenvolvimento e construção cobrindo cinco grandes projetos. Espera-se que esses projetos estejam em locais industriais em toda a Alemanha e custarão mais de US$ 520 milhões para serem totalmente desenvolvidos. Simon Hogan, presidente da HydrogenOne, disse: “A HH2E é o segundo investimento da HydrogenOne em uma empresa que desenvolve hidrogênio limpo. A HH2E está identificando projetos substanciais de hidrogênio limpo na Alemanha, que oferecem potencial para investimentos significativos para nossos acionistas.” (HH2E – 16.05.2022)

<topo>

2 República Tcheca: DNV explorará adequação de hidrogênio em gasodutos

A República Tcheca pode receber um impulso em sua economia de hidrogênio com a DNV revelando planos para avaliar a utilização de hidrogênio no gasoduto de gás natural do país. Trabalhando em conjunto com a NET4GAS, a DNV avaliará a adequação de hidrogênio de um gasoduto de transmissão de gás natural sob pressão DN 1400 existente e estações relacionadas. A DNV investigará diferentes cenários para misturas de hidrogênio e gás natural dentro de uma faixa de porcentagens que vão de 2% a 100%. Ao fazê-lo, e se a avaliação determinar que o hidrogênio pode ser utilizado no gasoduto, essa iniciativa ajudará a infraestrutura e criação de hidrogênio em grande escala na UE. Este seria um desenvolvimento crucial para o hidrogênio verde europeu e ajudaria a transportar grandes quantidades de hidrogênio em todo o continente. A iniciativa visa construir uma infraestrutura de hidrogênio, baseada principalmente no reaproveitamento das redes de gás existentes e conectar efetivamente os principais (potenciais) locais de produção e consumo de hidrogênio. (DNV – 17.05.2022)

<topo>

 

 

Uso Final

1 Austrália: Poseidon Marine H2 pretende garantir grandes contratos industriais para seu barco movido a hidrogênio

A Poseidon Marine H2 revelou que pretende garantir grandes contratos industriais para apoiar o desenvolvimento de seu barco movido a hidrogênio. O principal objetivo da Poseidon Marine H2 é facilitar a implementação de hidrogênio renovável entre as companhias de navegação em todo o mundo. Para alcançar essa aceleração das tecnologias de hidrogênio, uma cadeia de suprimentos será desenvolvida pela empresa, a Poseidon Marine H2 capitalizará rapidamente a crescente demanda por navios movidos a hidrogênio verde. De acordo com a empresa, seus diretores já estão conversando com os principais fabricantes de barcos, com os quais têm relacionamento, para formar acordos de offtakes, enquanto também têm planos de atingir contratos públicos com as forças de defesa, órgãos policiais e operadores de balsas em todo o mundo. (H2 View – 19.05.2022)

<topo>

2 Colômbia: Novo acordo para apoiar a mobilidade do hidrogênio

A Colômbia tem grandes promessas para uso de energia renovável e, com isso, a Sumitomo Corporation fará parceria com a Promigas para colaborar no desenvolvimento de soluções de mobilidade de hidrogênio. O objetivo deste acordo é estabelecer uma parceria entre as duas empresas para avaliar as oportunidades relacionadas à mobilidade a hidrogênio, no mercado colombiano. Isso inclui estudar e analisar o mercado para desenvolver uma prova de conceito e, em seguida, analisar o potencial de uma solução comercialmente viável para os setores de transporte e logística no país. Ao fazer isso, o hidrogênio poderia se tornar um combustível principal para veículos, além da amônia. (H2 View – 19.05.2022)

<topo>

3 Europa: Everfuel lança unidade móvel de abastecimento

A Everfuel lançou a unidade de reabastecimento, o Everfiller, que é uma solução de abastecimento de hidrogênio flexível e totalmente móvel voltada para frotas de veículos menores. A unidade permite que a Everfuel ofereça preços baixos de hidrogênio em volumes menores do que um posto de abastecimento convencional e não exige contrato de longo prazo com o cliente, o que normalmente é necessário para a construção de um posto fixo. Os planos pilotos são esperados no segundo semestre de 2023, com operação em grande escala em 2024. A unidade é totalmente móvel e pode ser simplesmente retirada quando o período de abastecimento terminar, permitindo que a Everfuel ofereça muito mais flexibilidade em termos de comprimento e tamanho do compromisso de abastecimento. A unidade possui três linhas de abastecimento integradas a bordo que podem ser abastecidas diretamente, o que oferece abastecimento para até três veículos em paralelo. A unidade será, em particular, benéfica em depósitos de ônibus. (H2 Bulletin – 18.05.2022)

<topo>

4 Reino Unido: Projetos de amônia verde financiados pelo governo do país esperam melhorar a distribuição de hidrogênio

A Supercritical Solutions anunciou no dia 19 de maio que liderará um projeto de amônia verde, financiado pelo governo do Reino Unido, com objetivo de melhorar o armazenamento e a distribuição de hidrogênio verde. O projeto GreenNH3 em parceria com ScottishPower e ProtonVentures garantiu aproximadamente £ 146.000 ($ 181.000), do Departamento de Negócios, Energia e Estratégia Industrial (BEIS), para a Fase Um do projeto. Alimentado por energia renovável, o eletrolisador de alta pressão da Supercritical, o hidrogênio será fornecido sem a necessidade de compressores de gás. A unidade NFuel da Proton Ventures usará o hidrogênio verde para combiná-lo com nitrogênio para produzir amônia. Espera-se que o uso da produção de amônia mais verde reduza a dependência do Reino Unido de combustíveis fósseis, bem como estabilize os custos de energia para a indústria. A ScottishPower, que já está explorando a exportação de hidrogênio verde e amônia através do Scot2Ger, deve executar a instalação do projeto piloto. (H2 View – 19.05.2022)

<topo>

 

 

Eventos

1 iH2Brasil apresenta startups e projetos de hidrogênio selecionados

O Programa de Inovação desenvolvido pela Aliança Brasil-Alemanha para o Hidrogênio Verde e apoiado pelo Projeto H2 Brasil da GIZ, em parceria com o Ministério de Minas e Energia, realizará um evento para apresentar os projetos e startups de hidrogênio mais inovadores. O evento acontece de forma online no dia 01 de julho, a partir das 10h. Para saber mais, clique aqui. (H2Brail – 24.06.2022)

<topo>

2 O potencial do hidrogênio como armazenamento de energia

O hidrogênio aplicado ao armazenamento de energia é promissor, pois pode ser utilizado para apoiar a instalação de energia renovável e permitir a integração das fontes de energias renováveis. Neste contexto, será realizado um webinar para debater as motivações para se armazenar energia, quais seriam as aplicações e os seus requisitos, bem como, a tecnologia atualmente disponível. O evento acontece no dia 30.06, às 7h no horário de Brasília. Inscreva-se aqui. (Jefferson Wells – 24.06.2022)

<topo>

3 O papel da amônia em um ecossistema livre de carbono

O evento online tem como objetivo explicar o ciclo de energia da amônia e como ela se encaixa em um cenário mais amplo da descarbonização do hidrogênio. Os participantes explorarão como a amônia limpa pode ajudar a reduzir a pegada de carbono da produção de alimentos em todo o mundo e fornecerão informação sobre o desenvolvimento de eletrolisadores e soluções de eletrólise para os segmentos de mercado de hidrogênio verde e amônia. O evento acontece no dia 7 de julho. (Linde – junho de 2022)

<topo>

 

 

Artigos e Estudos

1 Abordagem experimental e de modelagem para propriedades morfológica de células a combustível

No centro da economia do hidrogênio estão as células a combustível de eletrólito polimérico (PEFCs), dispositivos que convertem hidrogênio em eletricidade. Um dos componentes das células é denominado como camadas de difusão gasosa (GDLs), componentes que têm um papel integral nos PEFCs, pois são camadas porosas de carbono que transportam reagentes e produtos e também removem calor e conduzem eletricidade. Para melhorar o desempenho dos PEFCs e reduzir a degradação dos materiais, é necessária uma compreensão das propriedades morfológicas acopladas e fenômenos de transporte nos GDLs. Neste documento, foi enfatizado a integração de abordagens experimentais e de modelagem para alcançar a compreensão completa dos materiais e propriedades de transporte dos GDLs. (Accounts of Materials Research – 2022)

<topo>

2 Captura parcial de carbono e sua inserção nas instalações de produção de hidrogênio cinza para descarbonizar as refinarias

Como o hidrogênio está sendo reconhecido como um vetor energético essencial na transição energética, inserir a captura de CO2 das instalações de produção de H2 cinza existentes desempenha um papel significativo na descarbonização. Este documento ilustra o impacto das opções econômicas de tecnologia de captura parcial nas taxas de redução de emissão de dióxido de carbono (CO2). Emissões diretas e indiretas (ou seja, Escopos 1, 2 e 3) foram definidas para cada opção de tecnologia, juntamente com cenários para ambientes de baixa, média e alta captura de carbono. O artigo também explora um caminho de otimização na taxa de redução de emissões de CO2 usando uma configuração de rede dentro de uma refinaria. (International Journal of Greenhouse Gas Control – 2022)

<topo>

3 Geração de hidrogênio a partir da pirólise da biomassa

O processo combinado de pirólise da biomassa e reforma catalítica a vapor é uma alternativa promissora para a produção seletiva de hidrogênio a partir de fontes renováveis. Este documento fornece uma visão geral dos aspectos fundamentais que influenciam o potencial de produção de hidrogênio do processo. As pesquisas recentes e seus principais achados são destacados. São discutidos os atuais desafios e limitações do processo e formas de otimizar os produtos derivados da biomassa da reforma a vapor. Por fim, também foi avaliado o progresso em direção à escalabilidade industrial do processo. (Nature – 2022)

<topo>

4 Liquefação de hidrogênio: uso de materiais adequados para a técnica de refrigeração magnética

A refrigeração magnética (RM) é uma técnica chave para a liquefação do hidrogênio. Embora o RM tenha um desempenho idealmente mais alto do que a técnica convencional de compressão de gás em torno da temperatura de liquefação do hidrogênio, a falta de materiais RM com alta mudança de entropia magnética em uma ampla faixa de temperatura necessária para a liquefação do hidrogênio é um gargalo para aplicações práticas de resfriamento RM de sistemas. Diante disto, neste documento é demonstrado uma série de materiais com um efeito magnetocalórico gigante (MCE) na mudança de entropia magnética nos compostos à base de Er(Ho)Co2, adequados para operação em pleno faixa de temperatura necessária para liquefação de hidrogênio (20-77 K). Também foi demonstrado que o MCE gigante se torna reversível, permitindo o uso sustentável dos materiais RM, eliminando a transição de fase magneto-estrutural que leva à deterioração do MCE. (Nature – 2022)

<topo>

5 World Energy Council: percepções regionais do hidrogênio com baixo carbono

Esse documento tem por intuito fornecer perspectivas regionais e dinâmicas diferentes para a absorção de hidrogênio de baixo carbono. Embora cada região apresente seus próprios desafios e oportunidades distintas, esse documento revela que os “caminhos regionais” fornecem novas perspectivas sobre a expansão global do hidrogênio de baixo carbono nos próximos anos. Além disso, cada região possui seu próprio potencial único para alcançar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. (World Energy Council – 2022)

<topo>


Equipe de Pesquisa UFRJ
Editor: Prof. Nivalde J. de Castro (nivalde@ufrj.br)
Subeditores: Fabiano Lacombe, Luiza Masseno e Sayonara Andrade Elizário
Pesquisadores: Allyson Thomas,
José Vinícius S. Freitas, Kalyne Silva Brito e Luana Oliveira 
Assistente de pesquisa: Sérgio Silva

As notícias divulgadas no IFE não refletem necessariamente os pontos da UFRJ. As informações que apresentam como fonte UFRJ são de responsabilidade da equipe de pesquisa sobre o Setor Elétrico do Instituto de Economia da UFRJ.

POLÍTICA DE PRIVACIDADE E SIGILO
Respeitamos sua privacidade. Caso você não deseje mais receber nossos e-mails,  Clique aqui e envie-nos uma mensagem solicitando o descadastrado do seu e-mail de nosso mailing.


Copyright UFRJ

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: