IFE.ME 104

Informativo Eletrônico – Mobilidade Elétrica nº 104 – publicado em 04 de maio de 2022.

IFE: Informativo Eletrônico de Mobilidade Elétrica – GESEL-UFRJ <!–

l

IFE: nº 104 – 04 de maio de 2022
http://gesel.ie.ufrj.br/
gesel@gesel.ie.ufrj.br

Editor: Prof. Nivalde J. de Castro

Índice

Políticas Públicas e Regulatórias
1
Brasil/Santa Catarina: Polícia Militar adquire VE para policiamento ambiental
2 Brasil: Projeto em votação busca zerar imposto de importação para VEs
3 Rota 2030: Nova fase prevê ganhos econômicos e redução das emissões de GEE
4 EUA/Los Angeles: Departamento de Transporte lança programa piloto para Mobilidade Básica Universal
5 Tailândia: Toyota é mais uma montadora a aderir incentivo voltado para VEs
6 Holanda: Novos táxis e carros de aluguel deverão ter emissão zero a partir de 2025
7 Itália/Milão: Operadora Municipal de transporte encomenda ônibus elétricos
8 Hong Kong: Expansão da frota de ônibus elétricos
9 Arábia Saudita: Fundo Soberano pretende adquirir VEs para os próximos dez anos

Inovação e Tecnologia
1 Jaguar Land Rover: Criação de hub de inovação no Brasil
2 Copel: Ampliação de eletrovia para recarga de VEs
3 China: Empresas de componentes de baterias de VEs planejam mega investimento
4 Hyundai/We Drive Solar: Projeto prevê o uso de tecnologia V2G na Holanda
5 South 8 Technologies: Eletrólitos de gás liquefeito para baterias de íons de lítio de alto desempenho
6 NGen Canada: Financiamento de projetos de P&D voltados para veículos com zero emissão
7 FreeWire Technologies: Estações de carregamento ultrarrápidas integradas à bateria
8 ZipCharge: Lançamento de estações de recarga portáteis
9 General Motors: Bomba de calor recupera energia da bateria e aumenta autonomia dos VEs

10 NASA/Nissan: Parceria para o desenvolvimento de baterias de estado sólido
11 Theion: Nova tecnologia à base de enxofre pode triplicar autonomia das baterias

Indústria Automobilística
1 Santander/Webmotors: Financiamento especial para compra de VEs
2 Marcopolo: Produção de ônibus 100% elétrico no Brasil
3 BMW: Expansão do segmento de carregadores no Brasil

4 MINI: Projeção para as vendas de veículos eletrificados no Brasil

5 BYD: Estratégias de negócios e novos lançamentos de eletrificados no Brasil

6 UCorp: Cenário é favorável para a popularização dos veículos eletrificados

7 Porsche/Audi: Parceria visa a expansão de infraestrutura de carregamento

8 Ford: Produção anual de nova F-150 deve aumentar em 2023
9 Renault: Divisão da unidade responsável por VEs e abertura de capital
10 Volkswagen/bp: Parceria visa a construção de infraestrutura de carregamento rápido na Europa
11 MSI: Mercado indiano está longe das projeções do governo sobre VEs
12 Fiat: Produção de VEs na Sérvia
13 Lexus: Metas e estratégias para a eletromobilidade

Meio Ambiente
1 ESG: JBS criará empresa para locação de caminhões elétricos
2 ESG: Comércio e serviços movimentam locação de caminhões elétricos
3 ESG: Empresas de mobilidade criam aliança para democratizar VEs no Brasil
4 ESG: IVECO e Eni vão explorar cooperação em mobilidade sustentável de veículos comerciais

Eventos e Estudos
1 ABPlan 2022: 99, Audi e GWM defendem colaboração para acelerar resultados na difusão de VEs
2 VTO/DOE: Relatório evidencia o progresso tecnológico das baterias de VEs


 

 

Políticas Públicas e Regulatórias

1 Brasil/Santa Catarina: Polícia Militar adquire VE para policiamento ambiental

A Polícia Militar de Santa Catarina, por meio do Comando de Policiamento Militar Ambiental, recebeu a primeira viatura elétrica para a instituição no Estado e a primeira a ser utilizada pelo policiamento ambiental no país. A apresentação do automóvel para a sociedade catarinense aconteceu na última quinta-feira (28/4) durante a feira de veículos e equipamentos Elétricos/Híbridos da I Semana da Mobilidade da Grande Florianópolis. O veículo é um modelo Nissan Leaf, conta com motor totalmente elétrico e emissão zero. A nova viatura será usada nas atividades administrativas e operacionais. A viatura foi adquirida com recursos próprios da Polícia Militar Ambiental, custando R$ 269 mil, e mais oito estações de recarga elétrica, no valor de R$ 49,6 mil. (Correio de Santa Catarina – 29.04.2022)

<topo>

2 Brasil: Projeto em votação busca zerar imposto de importação para VEs

A Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado deve votar nos próximos dias o PL 403/2022, do senador Irajá (PSD-TO), que isenta veículos elétricos e híbridos do imposto de importação até 31 de dezembro de 2025. Se o projeto passar, a expectativa é que ele reduza em até 20% o preço final dos carros elétricos e híbridos no Brasil, segundo a agência EPBR. Atualmente, a Resolução nº 92, de 21 de setembro de 2020, do Comitê-Executivo de Gestão da Câmara de Comércio Exterior (GECEX) reduz ou diminui significativamente a alíquota do Imposto sobre Importação de veículos elétricos ou híbridos. O imposto que seria de 35% normalmente cai a zero na maioria dos casos ou fica entre 2% a 4% em situações específicas. (Automotive Business – 29.04.2022)

<topo>

3 Rota 2030: Nova fase prevê ganhos econômicos e redução das emissões de GEE

No que depender do principal programa da cadeia automotiva, o Brasil será pioneiro em eficiência energética e vai obter ganhos ambientais e econômicos robustos. Foi o que revelou o painel “Nova fase do Rota 2030” do evento digital #ABPlan – Planejamento Automotivo, promovido pela Automotive Business, que detalhou o que esperar da nova fase do projeto setorial, que pode resultar em uma economia de R$ 36 milhões em combustível não usado e menos 35 bilhões de toneladas de CO2 na atmosfera. A próxima etapa do Rota 2030 pode trazer metas de eficiência energética inovadoras no mundo. O grupo de trabalho do MME quer definir objetivos de caráter ambiental nesta segunda fase. Seria a eficiência medida em MJ/km (megajoules por quilômetro), como já ocorre hoje nas aferições do Inmetro, multiplicada pela intensidade de carbono de cada combustível. Na pauta do Rota, ainda existem, projetos de reciclagem veicular ligados à renovação de veículos pesados, “corredores verdes” – para trazer novas tecnologias para corredores logísticos -, promoção de exportações e redução do Custo Brasil, além de questões ligadas à eletromobilidade. (Automotive Business – 29.04.2022)

<topo>

4 EUA/Los Angeles: Departamento de Transporte lança programa piloto para Mobilidade Básica Universal

O Departamento de Transportes de Los Angeles (LADOT, na sigla em inglês) lançou seu Piloto de Mobilidade Básica Universal (UBM) no sul de Los Angeles – um dos maiores programas do gênero no país, aumentando o acesso a opções de transporte para milhares de moradores. O piloto trará e-bikes, VEs compartilhados e serviço de transporte com VEs sob demanda, além de uma parceria com a Autoridade de Transporte Metropolitano do Condado de Los Angeles (METRO, na sigla em inglês) para subsidiar tarifas de trânsito para 2.000 residentes da área piloto que historicamente não têm opções de transporte. O Piloto é atualmente apoiado por US$ 17,8 milhões em financiamento estadual e municipal. O California Air Resources Board anunciou recentemente que o LADOT receberia US$ 6,7 milhões em financiamento adicional da California Climate Investments (CCI) para seu piloto, complementando US$ 7 milhões em financiamento que o departamento recebeu do Conselho no ano passado. No início deste ano, o Conselho da Cidade de Los Angeles votou pela aprovação de US$ 4 milhões para expandir os subsídios de trânsito e outros elementos do programa. (Green Car Congress – 27.04.2022)

<topo>

5 Tailândia: Toyota é mais uma montadora a aderir incentivo voltado para VEs

O governo da Tailândia está fazendo acordos com empresas de veículos elétricos sobre incentivos, isenções fiscais e subsídios, com o objetivo de fortalecer sua posição como um importante centro asiático de fabricação de veículos elétricos. Mais recentemente, o governo assinou um acordo com a Toyota. O MOU recém-assinado pelo governo tailandês e pela Toyota, permite à fabricante – assim como outras operadoras do setor que participam do programa – subsídios e privilégios fiscais para produção de seus VEs. Com isso, a empresa está considerando lançar seu modelo bZ4X EV na Tailândia ainda neste ano. Acordos semelhantes também já foram assinados com a montadora chinesa Great Wall Motor e a unidade tailandesa da SAIC Motor, SAIC-CP Motor. O governo disse que pelo menos mais cinco montadoras devem aderir ao esquema de incentivo aos VEs neste ano. No mês passado, a Tailândia adotou novos incentivos governamentais para converter metade da produção total de carros do país em veículos elétricos até 2030. (Electrive – 01.05.2022)

<topo>

6 Holanda: Novos táxis e carros de aluguel deverão ter emissão zero a partir de 2025

A Holanda anunciou recentemente que todos os táxis e carros de aluguel recém-registrados nas principais cidades devem estar livres de emissões até 2025. Nas outras áreas, o prazo estipulado é até 2030. Cinco grandes municípios (Amsterdã, Roterdã, Haia, Eindhoven e Tilburg) e vários representantes da indústria de táxi e aluguel de carros (incluindo Uber, SchipholTaxi, Bolt e Leaseplan) assinaram o novo acordo. Segundo o comunicado, ficou claro que as cidades holandesas poderão introduzir zonas de emissão zero para caminhões e vans a partir de 2025 e, a partir deste acordo, estender esse regulamento aos táxis e veículos de aluguel. De acordo com o portal Taxi Times, apesar das regulamentações rígidas, nenhum subsídio especial está sendo previsto para táxis e carros de aluguel com emissão zero. O investimento em veículos novos deve, portanto, ser suportado pelas empresas. (Electrive – 27.04.2022)

<topo>

7 Itália/Milão: Operadora Municipal de transporte encomenda ônibus elétricos

A operadora de transporte público de Milão, ATM, continua a conversão de sua frota de ônibus para veículos elétricos. Recentemente, a ATM encomendou mais 75 ônibus elétricos da Solaris – modelo Urbino 12 – que devem chegar a Milão ainda este ano. O novo pedido faz parte de um pré-contrato firmado em 2019 para a aquisição de até 250 ônibus elétricos. As duas primeiras chamadas do contrato para um total de 140 Urbino elétricos sendo 100 unidades do segundo lote) já foram entregues, segundo a Solaris – e os 75 ônibus adicionais elevarão o número total para 215 veículos. Para Milão e ATM, o pedido é apenas mais um passo intermediário no caminho para converter toda a frota de ônibus e eliminar gradualmente todos os ônibus a diesel até 2030. Para isso, a prefeitura deu luz verde para um programa de renovação de frota de 249 milhões de euros. Com o dinheiro, a ATM poderá adquirir um total de 350 novos ônibus com emissão zero para o transporte público, assim como a infraestrutura de recarga, até junho de 2026. (Electrive – 01.05.2022)

<topo>

8 Hong Kong: Expansão da frota de ônibus elétricos

A Kowloon Motor Bus (KMB), a maior operadora de ônibus em Hong Kong, colocou recentemente 16 ônibus elétricos BYD em serviço e também encomendou 52 ônibus elétricos de dois andares da BYD-ADL (fruto da parceria da BYD com a Alexander Dennis Limited – ADL – para produção de ônibus elétricos) cuja entrega está prevista para o próximo ano. Embora a operadora de transporte público não tenha revelado qual modelo foi adquirido, especula-se que seja uma ramificação do Enviro EV400, que é amplamente utilizado no Reino Unido. O modelo possui alcance de até 300 quilômetros e é capaz de transportar até 120 passageiros. Os novos ônibus encomendados elevarão o número total de ônibus elétricos usados pela KMB para 82 em 2023. Depois disso, espera-se que o número aumente rapidamente: até 2025, a KMB deseja adquirir outros 500 ônibus elétricos. (Electrive – 27.04.2022)


<topo>

9 Arábia Saudita: Fundo Soberano pretende adquirir VEs para os próximos dez anos

O Fundo de Investimento Soberano da Arábia Saudita possui uma participação de 61% na fabricante de carros elétricos norte-americana Lucid Motors, e autoridades sauditas disseram que comprariam até 100.000 veículos elétricos da marca nos próximos dez anos. Eles serão produzidos não apenas em uma instalação no Arizona, mas também em uma instalação local na Arábia Saudita, que será construída no futuro. O acordo atual não prevê quaisquer benefícios sobre o preço de compra ou direitos aduaneiros. Além disso, o Fundo Soberano comprometeu-se a adquirir apenas 50.000 veículos elétricos, sendo que os 50.000 restantes serão adquiridos apenas se houver necessidade correspondente. (Avalanche Notícias – 27.04.2022)

<topo>

 

 

Inovação e Tecnologia

1 Jaguar Land Rover: Criação de hub de inovação no Brasil

A Jaguar Land Rover anunciou em um evento realizado, no Cubo Itaú, a criação de um hub de inovação no Brasil, o Open Innovation. A iniciativa global vai unir startups, empresas de tecnologia e sustentabilidade para definir territórios de inovação e traçar uma rota de implementação tecnológica para produtos e serviços. Além do Brasil, escolhido como primeiro hub da América Latina, o Open Innovation tem um braço no Reino Unido e terá, futuramente, outros na China, Estados Unidos, Israel e na Índia. A iniciativa, que contará com a parceria do Cubo Itaú e da Firjan, está baseada no desenvolvimento de trabalhos em seis pilares estratégicos. Além da área de eletrificação, serão consideradas conectividade, serviços digitais, empresa inteligente, manufatura, cadeia de suprimentos e sustentabilidade. O Brasil foi escolhido porque a companhia enxerga muitas oportunidades no mercado local. (O Estado de São Paulo – 04.2022)

<topo>

2 Copel: Ampliação de eletrovia para recarga de VEs

O programa de inovação aberta Copel Volt está ampliando a eletromobilidade ao longo da BR-376 e da BR-101, um circuito que vai até perto de Londrina, no Norte do Paraná, e Joinville, em Santa Catarina, interligando os dois estados. Inaugurada em 2018, hoje a eletrovia da Copel tem 12 postos de recarga rápida (com 13 equipamentos/estações) ao longo de 730 quilômetros da BR-277, ligando o extremo Leste ao extremo Oeste paranaense. Com a expansão do projeto, serão cinco novos postos de recarga disponíveis aos usuários de veículos elétricos, com dois equipamentos cada. Ou seja, serão 17 postos e 23 estações no total. O acréscimo de pontos é um teste que a companhia está desenvolvendo com a startup brasileira Move, especialista em soluções tecnológicas para gestão e controle de recargas de veículos elétricos. A startup é uma das cinco selecionadas durante a primeira fase do Copel Volt. O programa está criando soluções aos principais desafios de negócios da Companhia, que vão do atendimento ao cliente até novos modelos de negócios envolvendo novas matrizes energéticas e eletromobilidade. (Agência Estadual de Notícias – 27.04.2022)

<topo>

3 China: Empresas de componentes de baterias de VEs planejam mega investimento

Os principais fabricantes de materiais para baterias de veículos elétricos da China gastarão pelo menos 71 bilhões de yuans (US$ 10,8 bilhões) para aumentar a produção, em alguns casos triplicando a capacidade. Os investimentos planejados abrangem todos os principais componentes das baterias de íon de lítio, conforme mostram os planos de despesas de capital disponíveis publicamente divulgados por 13 fabricantes. Algumas empresas não divulgaram prazos para investimentos ou o volume de expansão da produção. Todas são áreas em que os fornecedores chineses aumentaram suas participações de mercado nos últimos anos, reduzindo os preços. (Valor Econômico – 27.04.2022)

<topo>

4 Hyundai/We Drive Solar: Projeto prevê o uso de tecnologia V2G na Holanda

A Hyundai e a We Drive Solar, operadora de mobilidade da cidade de Utrecht, na Holanda, lançaram um novo projeto local de compartilhamento de veículos elétricos que utiliza a tecnologia vehicle-to-grid (V2G). A Hyundai irá destacar 25 unidades do modelo IONIQ 5 equipados com o recurso V2G, que serão carregados por meio de um ponto de carregamento público desenvolvido pela We Drive Solar. No início deste mês, a Hyundai revelou seus planos de tornar o carregador de bordo do Ioniq 5 adequado para carregamento bidirecional, bem como planos para um novo modelo elétrico equipado com tecnologia V2G de fábrica. Utrecht, por sua vez, é a primeira cidade do mundo a implementar a tecnologia V2G em grande escala, progredindo na sua ambição de se tornar a primeira região do mundo com um ecossistema de energia bidirecional. (Electrive – 26.04.2022)

<topo>

5 South 8 Technologies: Eletrólitos de gás liquefeito para baterias de íons de lítio de alto desempenho

A South 8 Technologies, desenvolvedora de formulações de eletrólitos para baterias de lítio de última geração, levantou US$ 12 milhões em financiamento da Série A, liderado pela Anzu Partners com participação da LG Technology Ventures, Shell Ventures, Foothill Ventures e Taiyo Nippon Sanso Corporation (TNSC). A South 8 alavancará o financiamento para acelerar a comercialização de sua tecnologia patenteada de eletrólito de gás liquefeito (LiGas) para baterias de alto desempenho para veículos elétricos, armazenamento em rede, aeroespacial e aplicações de defesa. A tecnologia de eletrólito LiGas da South 8 oferece uma nova abordagem para baterias de lítio de última geração e aborda as deficiências de eletrólitos líquidos existentes e baterias de estado sólido que ainda estão em desenvolvimento. Ao contrário dos eletrólitos de bateria comuns que são líquidos à temperatura ambiente ou eletrólitos de estado sólido, a tecnologia LiGas não tóxica da South 8 usa solventes que normalmente são gasosos à pressão padrão e à temperatura ambiente, mas podem ser liquefeitos sob pressão e usados como eletrólito dentro da célula. (Green Car Congress – 27.04.2022)

<topo>

6 NGen Canada: Financiamento de projetos de P&D voltados para veículos com zero emissão

Em 2021, a Next Generation Manufacturing Canada (NGen) lançou uma chamada de propostas para apoiar projetos de P&D para fabricação, sistemas, componentes e baterias de veículos com emissão zero (ZEV, na sigla em inglês) no Canadá. A NGen anunciou agora US$ 76 milhões em financiamento para 15 novos consórcios liderados pelo setor que executarão projetos em áreas estratégicas, como minerais e metais críticos, baterias de tração e ganhos de eficiência, eletrônica de potência, células de combustível e materiais leves. Até o momento, a NGen aprovou 166 projetos com 374 parceiros do setor, investindo US$ 236 milhões em fundos Supercluster e alavancando US$ 371 milhões em novos investimentos em P&D por setor. Os investimentos da NGen criaram 18 novas empresas, apoiaram 45 novos produtos e serviços e geraram US$ 1,92 bilhão em receita e acordos de licenciamento para os parceiros participantes. (Green Car Congress – 30.04.2022)

<topo>

7 FreeWire Technologies: Estações de carregamento ultrarrápidas integradas à bateria

A FreeWire Technologies, desenvolvedora de soluções de gerenciamento de energia e carregamento ultrarrápidos de veículos elétricos, levantou US$ 125 milhões em novo capital. O financiamento consiste em uma Nota Conversível Sênior fornecida exclusivamente por fundos e contas administrados pela BlackRock Financial Management, Inc. e um aumento de capital simultâneo com investidores institucionais e estratégicos, como bp ventures, Riverstone Holdings, Octave Ventures, Gly Capital Management, Blue Bear Capital, e Daishin Private Equity entre outros. O novo capital será usado para apoiar os planos de crescimento da FreeWire à medida que a empresa acelera as implementações comerciais de sua tecnologia de carregamento ultrarrápido integrada à bateria e aumenta a capacidade de fabricação para atender à crescente demanda global dos clientes, incluindo mercados de alta prioridade como Reino Unido, Canadá, Japão, e Austrália/Nova Zelândia. (Green Car Congress – 29.04.2022)

<topo>

8 ZipCharge: Lançamento de estações de recarga portáteis

A ZipCharge, empresa que fabrica powerbanks portáteis para recarregamento de carros elétricos, anunciou o lançamento de estações de recarga públicas modulares e portáteis. Chamado de GoHub, o projeto permite que as estações de recarga, que geralmente são fixas em alguns pontos das cidades, sejam desmontadas e transportadas para outros lugares, onde podem ser remontadas e reativadas conforme a necessidade. As baterias portáteis da empresa são chamadas de Go e vêm no formato de maletas, as quais podem ser carregadas no porta-malas do carro e retiradas na hora de utilizar. O GoHub se assemelha a um quiosque que abriga quatro armários, cada um guardando uma dessas maletas Go. Trata-se, portanto, de uma evolução do produto original da empresa. Cada maleta Go tem capacidade entre 4 e 8 kWh, o que ainda é considerado um carregamento lento (uma tomada caseira tem cerca de 3,6 kWh e pode levar várias horas para carregar um veículo). Segundo a própria ZipCharge, uma maleta Go oferece uma recarga equivalente a 32 km de autonomia em cerca de 30 minutos. No entanto, para as maletas de 7,2 kWh, a empresa promete carga total em até 60 minutos, conforme o modelo do carro elétrico. (Automotive Business – 26.04.2022)

<topo>

9 General Motors: Bomba de calor recupera energia da bateria e aumenta autonomia dos VEs

A General Motors (GM) está introduzindo uma bomba de calor patenteada em seus VEs baseados em Ultium que captura e reaproveita a energia desperdiçada da bateria. Através do sistema de recuperação de energia da Ultium Platform, esta energia desperdiçada pode aumentar a autonomia de um veículo, reduzir a energia da bateria necessária para aquecimento, aumentar a velocidade de carregamento e até permitir uma condução mais desportiva. Coberto por 11 patentes e quatro publicações, o desenvolvimento da recuperação de energia Ultium remonta ao primeiro VE da GM, o EV1, no final da década de 1990, quando os engenheiros da GM desenvolveram uma bomba de calor. A recuperação de energia Ultium está disponível em todos os veículos Ultium atuais e planejada para futuros veículos Ultium. Baterias de VEs, eletrônica de potência e outros componentes de propulsão produzem calor. A Plataforma Ultium pode recuperar e armazenar esse calor residual do sistema de propulsão Ultium. Além disso, ele também pode capturar e usar a umidade interna e externa do veículo, incluindo o calor corporal dos passageiros. A plataforma Ultium pode então implantar a energia armazenada através do processo de recuperação para aquecer a cabine mais rapidamente em climas frios do que sistemas comparáveis encontrados em veículos com motor de combustão interna. (Green Car Congress – 26.04.2022)

<topo>

10 NASA/Nissan: Parceria para o desenvolvimento de baterias de estado sólido

A Nissan está trabalhando com a NASA para revolucionar as baterias de VEs no mundo. Segundo a montadora japonesa, o novo tipo de bateria de estado sólido promete carregar mais rapidamente os carros elétricos, ser mais leve, mais segura, além de estável o suficiente para ser usada em marcapassos. A colaboração com o programa espacial dos EUA, bem como com a Universidade da Califórnia em San Diego, envolve o teste de vários materiais, disse o vice-presidente corporativo Kazuhiro Doi aos repórteres. O objetivo é criar uma bateria menor e mais barata de estado sólido que substitua as baterias de íons de lítio usadas atualmente nos veículos elétricos da Nissan. Idealmente, a bateria resultante ignoraria o uso de materiais raros e caros que alimentam baterias de íons de lítio, incluindo cobalto e lítio em si. A segurança e a estabilidade das baterias também serão uma prioridade. Quando terminar, a bateria carregará totalmente em apenas 15 minutos. Esse potencial de velocidade pode mudar o cenário de carregamento, tornando a experiência de “reabastecimento” mais análoga à de um posto de gasolina tradicional. (Click Petróleo e Gás – 27.04.2022)

<topo>

11 Theion: Nova tecnologia à base de enxofre pode triplicar autonomia das baterias

Uma tecnologia à base de enxofre poderá proporcionar autonomia três vezes maior que a de baterias de ion-lítio convencionais. Desenvolvida pela Theion, fabricante com sede na Alemanha, a Crystal Battery substitui materiais mais caros, como o níquel e o cobalto, e exige 90% menos energia no processo de fabricação. Conforme a companhia, isso acontece em razão do enxofre ser uma matéria-prima disponível em abundância sem a necessidade de processos custosos de mineração. A Theion planeja iniciar o envio de produtos para clientes do setor aeroespacial ainda em 2022, como parte de uma etapa de qualificação. Depois, a empresa mira os segmentos de taxis aéreos, drones, telefones celulares e computadores, antes de chegar na mobilidade elétrica em 2024. (Portal Solar – 26.04.2022)

<topo>

 

 

Indústria Automobilística

1 Santander/Webmotors: Financiamento especial para compra de VEs

O Grupo Santander juntamente com seu braço automotivo, que é a Webmotors, está oferecendo uma condição diferenciada para seus consumidores. Para quem está pensando em parcelar a compra de um veículo híbrido ou elétrico, o momento pode ser agora. Recentemente, a Webmotors anunciou novo posicionamento e se colocou como presente em toda jornada de compra do consumidor. A empresa tem agora o compromisso de incentivar ainda mais as negociações referentes a veículos sustentáveis. Com o financiamento sendo feito via concessionárias parceiras da Webmotors, a CMO da empresa, Cris Rother, explica os benefícios do investimento. “Embora esse tipo de carro tenha um valor mais alto se comparado aos tradicionais, no longo prazo a recompensa aparece em forma de economia financeira e cuidado com o meio ambiente”. Em recente pesquisa realizada pela Webmotors, cerca de 1.300 entrevistados dispostos a trocar de carro ainda em 2022, afirmaram que pagariam mais caro por um veículo híbrido ou elétrico. (FDR – 30.04.2022)

<topo>

2 Marcopolo: Produção de ônibus 100% elétrico no Brasil

A Marcopolo já está preparando suas linhas para iniciar a produção em série, ainda este ano, do ônibus 100% elétrico, o Attivi, que foi homologado depois de passar por testes internos em campos de prova. Foi o que afirmou o presidente James Bellini, que lembrou que o modelo será ofertado ao mercado na versão integral, com chassi produzido pela própria Marcopolo, e na versão carroceria, com chassi de terceiros. O início de produção, com um lote piloto, para a validação do processo de manufatura e logística é aguardado para até o fim do ano, e a entrega das primeiras unidades está prevista para o início de 2023. Com 13,25 metros de comprimento e capacidade total para 89 passageiros sentados e em pé o Marcopolo Attivi elétrico possui autonomia de cerca de 250 quilômetros e recarrega baterias em até quatro horas. (Auto Data – 29.04.2022)

<topo>

3 BMW: Expansão do segmento de carregadores no Brasil

A BMW anunciou ter atingido a marca de 10.000 carregadores para veículos elétricos e híbridos plug-in no país. A ideia é que o futuro da mobilidade no segmento premium irá se apoiar em três tipos de infraestrutura de recarga: privada (nas residências), corporativa (instaladas em empresas) e também na rede pública compartilhada. Segundo a BMW, esse crescimento no número de carregadores indica que as previsões da marca de que pelo menos 50% do segmento premium será composto por veículos eletrificados até o final da década irá mesmo se concretizar. No caso da BMW, a marca aposta na venda de carregadores residenciais e também na instalação de estações de recarga públicas em pontos de interesse como postos, shoppings e locais de grande circulação. Segundo informações de telemetria dos próprios veículos, o Grupo BMW confirma que no segmento de VEs premium a preferência está em recarregar nas residências ou empresas – a marca destaca que todos os carros elétricos vendidos pelo grupo são entregues com dois carregadores: um carregador residencial do tipo Wallbox e um carregador portátil que vai no veículo. (Inside EVs – 27.04.2022)

<topo>

4 MINI: Projeção para as vendas de veículos eletrificados no Brasil

A Mini é uma das fabricantes que planeja virar a década apenas oferecendo veículos elétricos. Apesar das dificuldades de infraestrutura elétrica do Brasil, a marca espera chegar nesse objetivo sem muitas dificuldades, muito por conta da boa aceitação do público aos seus modelos eletrificados. A marca projeta que, ao final de 2022, 60% das vendas de Mini no mercado nacional seja de modelos híbridos plug-in ou 100% elétricos. (IG – 27.04.2022)

<topo>

5 BYD: Estratégias de negócios e novos lançamentos de eletrificados no Brasil

Em entrevista a Automotive Business, o diretor de vendas da BYD, Henrique Antunes fala sobre como fazer a empresa, mais conhecida pela produção de ônibus zero combustão e placas fotovoltaicas, vender (e convencer) com produtos de nicho, como o Tan, SUV de sete lugares, e o recém-lançado sedã grande Han. O executivo também traça as estratégias de negócios da BYD e adianta o lançamento de dois híbridos ainda para este ano – entre eles o SUV médio Song. Henrique afirma que, “temos na nossa estratégia de apoiar iniciativas sustentáveis ambientalmente e financeiramente, conectando do ponto A ao ponto B. Para investir em startup, virar um bom negócio e disseminar no Brasil, desde que sejam projetos que tenham visão de futuro. Montadora vive de vender carro e não de instalar carregador. Então, a gente vive esse momento de amadurecimento do mercado”. Para ler a entrevista na íntegra, clique aqui. (Automotive Business – 26.04.2022)

<topo>

6 UCorp: Cenário é favorável para a popularização dos veículos eletrificados

Desde que se iniciou o conflito entre Rússia e Ucrânia as previsões dos impactos gerados pela guerra já adiantavam aumento dos combustíveis, como gasolina e gás natural, bem como, o de automóveis. Para Guilherme Cavalcante, CEO e fundador da UCorp, startup referência em soluções para mobilidade elétrica, a alta no preço dos combustíveis, que já está sendo percebida há algum tempo, jogou novamente o foco para o tema da eletrificação de frotas no país. Ele afirma que quando um preço aumenta, o consumidor vai em busca de opções que possam compensar mais, e este é o caso dos veículos elétricos. Guilherme explica que o mercado de VEs, principalmente brasileiro passa pelo melhor momento para poder aumentar a popularização e mostrar os benefícios de ter um carro que não seja movido a combustíveis fósseis. O CEO ainda relata que nosso país, no entanto, conta com uma saída que pode ser fundamental para essa ajuda a popularização dos modelos eletrificados, os híbridos plug-in. Mais precisamente, aqueles que funcionam com baterias e com combustíveis, entre eles, o etanol. Mesmo que também sejam mais caros que o carro movido a combustível comum. Para ele, a jogada pode funcionar com os veículos híbridos como uma etapa anterior para a eletrificação total, tendo em vista que se trata de um produto fácil de ser desenvolvido no país, é amigável ao meio ambiente e dará tempo para a indústria elétrica investir em infraestrutura. (Garagem 360 – 26.04.2022)

<topo>

7 Porsche/Audi: Parceria visa a expansão de infraestrutura de carregamento

A Porsche Japan e a Audi Japan estão formando uma parceria de negócios Premium Charging Alliance para expandir a rede de estações de carregamento rápido de 150 kW em todo o Japão. As estações de carregamento rápido administradas por ambas as empresas estarão disponíveis para proprietários de Porsche e Audi a partir de julho de 2022. A Premium Charging Alliance é um projeto para expandir os serviços de carregamento no Japão, fundindo a rede de estações de carregamento rápido Porsche e Audi em concessionárias e redes urbanas para proprietários de veículos elétricos a bateria (BEV, na sigla em inglês) de ambas as marcas. Essa aliança permitirá que os proprietários da Porsche e da Audi usem as 50 unidades Porsche Turbocharger em 41 locais e as 52 unidades da Audi Japão em todo o país, para um total de 102 carregadores rápidos no final de 2022. (Green Car Congress – 24.04.2022)

<topo>

8 Ford: Produção anual de nova F-150 deve aumentar em 2023

A Ford iniciou a produção completa da picape elétrica F-150 Lightning no ultramoderno Centro de Veículos Elétricos Rouge dentro do histórico Complexo Rouge da Ford. A Ford tem 200.000 reservas para o Lightning e está expandindo o Rouge Electric Vehicle Center para aumentar a produção para uma taxa anual planejada de 150.000 em 2023. A empresa investiu um total de US$ 950 milhões e criou 750 empregos no Rouge Electric Vehicle Center. O investimento da Ford em Michigan para o F-150 Lightning sozinho agora totaliza mais de US$ 1 bilhão, com 1.700 empregos recém-criados espalhados por cinco fábricas da Ford no estado, incluindo o Van Dyke Electric Powertrain Center, onde os motores elétricos Lightning e as transmissões elétricas são montadas, e Rawsonville Fábrica de Componentes, onde são montadas as baterias Lightning. A Ford está a caminho de entregar mais de 2 milhões de veículos elétricos anualmente até 2026, o equivalente a cerca de um terço do volume global da empresa, a caminho de 50% até 2030. (Green Car Congress – 27.04.2022)

<topo>

9 Renault: Divisão da unidade responsável por VEs e abertura de capital

A Renault avalia possibilidade de separar os seus negócios ligados aos veículos elétricos, um movimento conhecido no mercado como spin-off. De acordo com a Reuters, ainda há a possibilidade de que esta nova empresa tenha capital aberto em bolsa de valores no segundo semestre de 2023. À agência de notícias, Thierry Piéton, chefe financeiro da montadora, disse que quaisquer planos estão sujeitos à aprovação da parceira de aliança, a Nissan, mas deixou claro que a montadora japonesa estava “no circuito” enquanto a Renault avalia suas opções. A Renault não é a primeira montadora que pretende separar sua divisão de veículos elétricos dos negócios envolvendo veículos com motores a combustão. No mês passado a Ford afirmou que administraria ambas as operações separadamente. (Automotive Business – 25.04.2022)

<topo>

10 Volkswagen/bp: Parceria visa a construção de infraestrutura de carregamento rápido na Europa

A Volkswagen e a bp lançaram uma parceria estratégica que irá impulsionar a adoção de veículos elétricos em toda a Europa, apresentando o seu primeiro carregador em Dusseldorf, na Alemanha. A parceria visa transformar o acesso ao carregamento de veículos elétricos nos principais mercados europeus, construindo rapidamente uma rede de carregamento rápido em toda a Europa até 2024 e oferecendo uma experiência perfeita para os motoristas de veículos elétricos. As unidades de carregamento Flexpole de 150 kW da Volkswagen, cada uma com dois pontos de carregamento, têm um sistema de armazenamento de bateria integrado, superando assim um dos maiores obstáculos para a rápida implantação da infraestrutura de carregamento rápido na Europa hoje – a necessidade de conexões de rede de alta potência. As unidades Flexpole podem ser conectadas diretamente a uma rede de baixa tensão que elimina a necessidade de uma subestação dedicada e trabalhos de construção dispendiosos, reduzindo significativamente os tempos de instalação e ainda fornecendo velocidades de carregamento rápidas de até 150kW. A primeira fase do lançamento terá até 4.000 pontos de carregamento adicionais nos sites de varejo da bp em Aral na Alemanha e nos sites de varejo da bp no Reino Unido nos próximos 24 meses. Até o final de 2024, até 8.000 pontos de carregamento poderão estar disponíveis na Alemanha, Reino Unido e outros países europeus. (Automotive Business – 29.04.2022)

<topo>

11 MSI: Mercado indiano está longe das projeções do governo sobre VEs

Maruti Suzuki India (MSI) anunciou que seu veículo elétrico estará disponível na Índia para venda até 2025. Ele também repetiu que a meta do governo de 30% de vendas de VEs até 2030 pode ser difícil de alcançar. A empresa espera penetração de VEs em um nível entre 8-10% até 2030 que parece realisticamente mais possível, de acordo com a GlobalData, uma empresa líder de dados e análise. A Suzuki Motors tem uma aliança global de veículos elétricos com a Toyota, no entanto, tem atrasos em relação à sua estratégia de BEVs (veículos movidos a bateria) na Índia. A empresa tem pesquisa e desenvolvimento em andamento para produtos de VEs. Ela tem uma joint venture de baterias com a Toshiba e a Denso em Gujarat e anunciou recentemente um investimento de US$ 1,3 bilhão para a fabricação local de veículos elétricos e baterias para veículos elétricos. No entanto, a MSI tem a ambição de alcançar a liderança no segmento na segunda metade da década. Mas, por enquanto, o foco maior para a empresa seriam os ICEs de combustível convencional e alternativo. (Green Car Congress – 30.04.2022)

<topo>

12 Fiat: Produção de VEs na Sérvia

A Fiat vai produzir carros elétricos na Sérvia. O diretor-executivo do Grupo Stellantis, Carlos Tavares, anunciou na última quinta-feira (28/04) o início da produção da nova geração de automóveis na cidade de Kragujevac. Para o presidente da Sérvia, Aleksandar Vucic, a decisão marca o início de uma nova era. O contrato prevê um período de transição até ao fim de 2023, para que a fábrica se adapte à produção do novo modelo. Os primeiros carros da nova gama, cujo modelo não foi divulgado, deverão sair em meados de 2024. O acordo assinado ajudará a empresa a atingir a meta de vender apenas carros elétricos na Europa até 2030, bem como atingir um nível zero de emissões até 2038. A Sérvia assumirá um papel fundamental na execução do plano estratégico do grupo, Dare Forward 2030. (Euro News – 28.04.2022)

<topo>

13 Lexus: Metas e estratégias para a eletromobilidade

A Lexus faz parte da Toyota e, assim como sua marca principal, não investiu tanto em veículos elétricos quanto outras montadoras. No entanto, de acordo com uma nova apuração, a marca tem a grande ambição de vender 1 milhão de elétricos por ano até o final da década. O fabricante criou uma nova divisão chamada Lexus Electrified, e encarregou-a especificamente de criar um plano para que a marca se tornasse 100% elétrica. A Lexus também está supostamente considerando construir novas fábricas para seus novos VEs, bem como construí-los nos mesmos locais onde já produz híbridos atualmente. Na segunda opção, a Lexus só precisaria adicionar uma linha separada onde uma grande bateria poderia se casar com o resto do carro, mas seria mais fácil do que converter uma instalação que ainda não constrói algum tipo de veículo eletrificado. (Inside EVs – 01.05.2022)

<topo>

 

 

Meio Ambiente

1 ESG: JBS criará empresa para locação de caminhões elétricos

A produtora de alimentos à base de proteína JBS anunciou recentemente o lançamento da No Carbon, empresa especializada em locação de caminhões elétricos. A companhia atuará, inicialmente, nas operações logísticas da própria JBS, atendendo o setor de distribuição de produtos das marcas Friboi, Seara e Swift, e será responsável pela gestão de uma frota de caminhões movidos à energia elétrica. O caminhão é equipado com baús frigoríficos que possibilitam o transporte de produtos resfriados e congelados, com capacidade de até quatro toneladas de carga. Os pontos de recarga dos veículos estarão disponíveis nos centros de distribuição das marcas. A autonomia do veículo (com o baú) é de até 150 quilômetros. Ainda de acordo com a JBS, o veículo não possui filtros de ar, óleo ou combustível, sistema de escapamento, correias, bico injetor, bomba de injeção e demais itens que constituem um veículo a combustão. (EPBR – 28.04.2022)

<topo>

2 ESG: Comércio e serviços movimentam locação de caminhões elétricos

Como parte das estratégias ESG, vemos varejistas, entre outros segmentos econômicos, começarem a exigir veículos movidos a energia limpa de seus operadores logísticos. Prevê-se que o mercado mundial de caminhões elétricos alcance 324 mil unidades até 2026, bem acima das 10 mil registradas em 2018, segundo a plataforma Statista. Claudio Zattar, CEO da Ouro Verde, que atua na gestão e terceirização de frotas, enxerga que ainda há muitos desafios pela frente, mas tem uma visão otimista deste cenário porque há um crescente interesse dos clientes pela eletrificação gradativa das suas frotas. Em abril, a empresa está entregando as primeiras unidades de uma centena de caminhões elétricos que vai compor a frota da Ouro Verde somente em 2022. É fato que os custos iniciais são a principal barreira aos investimentos em eletrificação de frotas. Entretanto, no caso da locação, a diminuição dos gastos com manutenção gera um equilíbrio nas contas no longo prazo. Além disso, as instituições bancárias e os incentivos fiscais fazem parte deste movimento para acelerar a adoção da mobilidade elétrica. A infraestrutura de carregamento é, também, um gargalo a ser superado, e que vem sendo tratado há anos pelos planejamentos urbanos e pelos projetos das companhias de energia elétrica. (Inside EVs – 29.04.2022)

<topo>

3 ESG: Empresas de mobilidade criam aliança para democratizar VEs no Brasil

Fundada pela 99, nove empresas de mobilidade urbana lançaram na segunda-feira, 26, a ‘’Aliança pela Mobilidade Sustentável’’ para democratizar os carros elétricos no Brasil. Entre os membros estão Caoa Chery, Ipiranga, Movida, Raízen, Tupinambá Energia, Unidas e Zletric. O objetivo da iniciativa é acelerar a adoção da mobilidade elétrica no país para que esses veículos sejam mais acessíveis aos motoristas parceiros da 99, em termos financeiros e de infraestrutura. Atualmente, são 750 mil motoristas no app. As empresas vão discutir estratégias para criar novos postos de recarga, diminuir as barreiras para a aquisição de carros elétricos e facilitar o seu aluguel entre os motoristas do aplicativo, a partir do apoio às montadoras e outras empresas da cadeia. (Automotive Business – 26.04.2022)

<topo>

4 ESG: IVECO e Eni vão explorar cooperação em mobilidade sustentável de veículos comerciais

A IVECO, uma marca do Iveco Group NV e a Eni assinaram uma Carta de Intenção (LoI) para explorar a potencial cooperação em iniciativas de mobilidade sustentável no setor de veículos comerciais na Europa e acelerar a descarbonização do transporte. A IVECO e a Eni pretendem definir uma plataforma integrada de mobilidade sustentável para frotas comerciais, oferecendo veículos inovadores movidos a biocombustíveis e vetores de energia sustentável – como biocombustível HVO (Óleo Vegetal Hidrotratado), biometano, hidrogênio e eletricidade – e a infraestrutura relacionada. As áreas de colaboração previstas pela LoI incluem a oferta da Eni de HVO 100% puro para caminhões pesados IVECO equipados com motores capazes de operar nele. (Green Car Congress – 29.04.2022)

<topo>

 

 

Eventos e Estudos

1 ABPlan 2022: 99, Audi e GWM defendem colaboração para acelerar resultados na difusão de VEs

Aconteceu na última quarta-feira, 27 de abril, como parte do evento online #ABPlan – Planejamento Automotivo 2022, o painel “Quais problemas os novos negócios da mobilidade precisam resolver?”, comandado pela editora Executiva da Automotive Business, Giovanna Riato. A mesa reuniu como convidados Gerold Pillekamp, responsável pelo gerenciamento de produto da Audi, Oswaldo Ramos, CCO da Great Wall Motors, e Thiago Hipólito, diretor da iniciativa DriverLab, da 99. Ao discutir as propostas de suas empresas relacionadas à mobilidade elétrica, os executivos concordaram que a solução ideal é criar um ecossistema corporativo que estimule o setor para o público final. “Já faz sentido convidar outras empresas para co-construir e trazer isso para a realidade. Estamos num momento que é justamente ‘como estabelecemos essa infraestrutura?’”, explicou Hipólito. “O grande aprendizado é que não existe ecossistema fechado”, afirmou Pillekamp. “Não adianta uma empresa querer trazer todas as soluções. O grande barato da startup é você estar com os melhores players do ecossistema, cada um cuidando de sua especialidade”. Para acessar ao conteúdo do evento, clique aqui. (Automotive Business – 28.04.2022)

<topo>

2 VTO/DOE: Relatório evidencia o progresso tecnológico das baterias de VEs

Um relatório do Escritório de Tecnologias de Veículos (VTO, na sigla em inglês), órgão ligado ao Departamento de Energia dos EUA, destacou recentemente como a densidade da energia volumétrica nas baterias dos carros elétricos melhorou no período de 2008 a 2020. De acordo com o estudo, o valor da densidade das baterias de íon-lítio, que era de 55 Wh por litro em 2008, subiu para 450 Wh por litro em 2020 — um aumento de oito vezes em 12 anos. A densidade descreve a quantidade de energia que pode ser armazenada em um determinado volume. Quanto maior a densidade, menor o tamanho da bateria, assumindo a mesma quantidade de energia. Para acessar o estudo na íntegra, clique aqui. (Olhar Digital – 29.04.2022)

<topo>


Equipe de Pesquisa UFRJ
Editor: Prof. Nivalde J. de Castro (nivalde@ufrj.br)
Subeditores: Fabiano Lacombe e Luiza Masseno
Pesquisadores: João Pedro Gomes, Leonardo Gonçalves e Vinicius José da Costa
Assistente de pesquisa: Sérgio Silva

As notícias divulgadas no IFE não refletem necessariamente os pontos da UFRJ. As informações que apresentam como fonte UFRJ são de responsabilidade da equipe de pesquisa sobre o Setor Elétrico do Instituto de Economia da UFRJ.

POLÍTICA DE PRIVACIDADE E SIGILO
Respeitamos sua privacidade. Caso você não deseje mais receber nossos e-mails,  Clique aqui e envie-nos uma mensagem solicitando o descadastrado do seu e-mail de nosso mailing.


Copyright UFRJ

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: