IFE.ME 101

Informativo Eletrônico – Mobilidade Elétrica nº 101 – publicado em 13 de abril de 2022.

IFE: Informativo Eletrônico de Mobilidade Elétrica – GESEL-UFRJ <!–

l

IFE: nº 101 – 13 de abril de 2022
http://gesel.ie.ufrj.br/
gesel@gesel.ie.ufrj.br

Editor: Prof. Nivalde J. de Castro

Índice

Políticas Públicas e Regulatórias
1
Canadá: Orçamento do ano de 2022 inclui investimento na difusão da ME
2 Alemanha: Eletrificação do transporte público rodoviário em Hamburgo
3 Itália: Novos subsídios para compra de VEs

Inovação e Tecnologia
1 BMW/Tupy/Senai: Desenvolvimento de projeto de reciclagem de baterias
2 BMW/WEG/Energy Source: Projeto de estação de recarga inovadora no Brasil
3 GreenV/Indigo Brasil: Parceria para instalação de pontos de recarga no Sul e no Sudeste
4 IVECO/Enel X: Desenvolvimento da eletromobilidade para veículos comerciais na Europa
5 Zeem: Soluções e serviços para frotas comerciais em depósito de transporte
6 Nissan: Unidade de produção de baterias de estado sólido
7 Nio: Baterias intercambiáveis para montadoras europeias

Indústria Automobilística
1 ABVE: Vendas de VEs crescem no 1º trimestre de 2022
2 Voltz Motors: Ampliação do mercado e nova fábrica de motos elétricas em Manaus
3 iFood/Voltz: Parceria para instalação de postos de trocas de baterias para motos elétricas

4 Cadeia de valor da mobilidade elétrica, atores e novas tendências

5 BNEF: Mercado de carros elétricos dobra de tamanho na América Latina em 2021

6 GM: Investimentos na produção de vans elétricas no Canadá

7 GM/Honda: Nova parceria para o desenvolvimento de VEs

8 Hyundai: Primeiro VE de nova plataforma global de eletrificados
9 Tesla: Panorama de vendas mundiais no primeiro trimestre
10 Volkswagen: Metas de eletrificação para a Europa
11 Ford: Metas de eletrificação e redução de emissões
12 Mercedes-Benz: Metas de liderança na fabricação de vans elétricas
13 Volvo Trucks: Encomenda recorde de caminhões elétricos nos EUA

14 BYD: Encerrada a produção de veículos movidos apenas com motor a combustão

Meio Ambiente
1 Comissão Europeia: Avaliação do ciclo de vida de VEs e intensidade de carbono da rede elétrica
2 Boston deve eletrificar toda a frota de ônibus escolares até 2030
3 Quebec deve eletrificar 65% da frota de ônibus escolares até 2025
4 ESG: FedEx e Amazon apresentam compromissos para eletrificação de suas frotas comerciais

Eventos e Estudos
1 Ensaio Energético: Artigo – “O desafio dos materiais para a transição energética”
2 EUA: Mercado de VEs oferece oportunidades aos investidores privados
3 The Motley Fool: Mercado de ações para a indústria automobilística de VEs
4 Koch Industries: Desenvolvimento do mercado de baterias para VEs

5 CATL: Produção de baterias na Europa


 

 

Políticas Públicas e Regulatórias

1 Canadá: Orçamento do ano de 2022 inclui investimento na difusão da ME

O governo canadense anunciou recentemente seu orçamento para 2022, que inclui investimentos abrangentes no campo da mobilidade elétrica (ME). Isso envolve não apenas incentivos de compra e expansão de infraestrutura de recarga, mas também da cadeia de fornecimento de matérias-primas. No total, 3,8 bilhões de dólares canadenses serão destinados à implementação da primeira estratégia do Canadá para minerais críticos para uso em carros elétricos. O governo também destinará mais de 3 bilhões de dólares canadenses para tornar os veículos elétricos “mais acessíveis” e construir uma rede nacional de estações de carregamento. Esta última parcela inclui US$ 1,7 bilhão ao longo de cinco anos para estender o programa de descontos de incentivos para veículos de emissão zero até março de 2025 e US$ 547,5 milhões ao longo de quatro anos para lançar um novo programa de incentivo de compra para veículos de médio e grande porte. (Electrive – 09.04.2022)

<topo>

2 Alemanha: Eletrificação do transporte público rodoviário em Hamburgo

O Bundesministerium für Digitales und Verkehr (BMDV) da Alemanha concedeu cerca de 160 milhões de euros para apoiar a eletrificação do transporte público em Hamburgo e arredores. Os beneficiários do financiamento são a Hamburger Hochbahn AG e a Verkehrsbetriebe Hamburg-Holstein GmbH (VHH). Estes são os primeiros editais de financiamento a serem atribuídos a empresas de transporte ao abrigo da diretiva relativa à promoção de unidades alternativas no transporte de passageiros. A Hamburger Hochbahn AG estabeleceu a meta de converter toda a sua frota de ônibus – atualmente cerca de 1.000 veículos – para unidades alternativas até 2030. A empresa está recebendo aproximadamente € 97 milhões pela aquisição de 289 ônibus elétricos e 486 unidades de infraestrutura de carregamento. O BMDV já apoiou a operadora com 12 milhões de euros para a compra de 60 ônibus elétricos e 20 unidades de infraestrutura de carregamento e com 6,4 milhões de euros para a nova construção do depósito de Gleisdreieck. ( – 03.04.2022)

<topo>

3 Itália: Novos subsídios para compra de VEs

O governo italiano está alocando 650 milhões de euros anuais para os próximos 3 anos visando incentivar a compra de veículos eletrificados e de baixa emissão. Os cidadãos poderão receber um subsídio de 3.000 euros para a compra de novos carros elétricos. As pequenas e médias empresas também serão apoiadas pelo programa governamental. A medida é baseada em um decreto proposto pelo ministro do Desenvolvimento Econômico, Giancarlo Giorgetti. O decreto, que o primeiro-ministro Mario Draghi já assinou, reformula os incentivos para a compra de motos e carros elétricos, híbridos e de baixa emissão e fornece o financiamento correspondente. O dinheiro faz parte da dotação do governo para o Fundo Automóvel, que tem um orçamento total de 8,7 bilhões de euros até 2030. (Electrive – 08.04.2022)

<topo>

 

 

Inovação e Tecnologia

1 BMW/Tupy/Senai: Desenvolvimento de projeto de reciclagem de baterias

Em um cenário no qual a reciclagem de baterias é um dos temas principais com o avanço da mobilidade elétrica, a BMW, fabricante de automóveis e motocicletas, anunciou uma parceria com a Tupy e o Senai Paraná para desenvolver um processo de reciclagem mais sustentável. O principal objetivo é garantir a recuperação dos compostos químicos das baterias de veículos elétricos em fim de vida. O projeto irá desenvolver um processo de reciclagem por hidrometalurgia, que é mais sustentável que o processo tradicional e envolve menos emissões de gases de efeito estufa, bem como menor necessidade de atividades de mineração para obtenção da matéria-prima. O projeto terá investimento de R$ 3,4 milhões e duração de 24 meses, com resultados preliminares que poderão ser apurados até o fim do ano de 2022. Com a iniciativa, abre-se uma nova rota para o uso de minerais reciclados na fabricação de baterias novas, o que diminuirá a dependência da matéria-prima mineral primária. (Agência Finep – 24.03.2022)

<topo>

2 BMW/WEG/Energy Source: Projeto de estação de recarga inovadora no Brasil

A BMW anunciou uma nova parceria que envolve a Energy Source, WEG e BMW Group Brasil para o desenvolvimento de uma inovadora estação de recarga para o mercado brasileiro. Após os resultados obtidos no protótipo utilizando baterias usadas conectadas a painéis solares, foi criada uma estação de carregamento rápido que utiliza 18 módulos de painéis solares instalados na cobertura de uma garagem (Solar Carport) e 24 módulos de baterias usadas do BMW i3. O programa chamado “Back to life to take you further and faster” (“De volta à vida para levá-lo além e mais rápido”, em português), conta com um protótipo em testes ainda sem previsão de lançamento comercial e que foi instalado na fábrica do BMW Group Brasil em Araquari, SC. A Energy Source aplicou um algoritmo que otimiza a seleção correta dos módulos das baterias usadas dos VEs. O algoritmo analisa e seleciona os módulos aptos a serem enviados para o processo de reuso “Second Life”, permitindo assim prolongar a vida útil destes em até dez anos. O banco de energia “Power Bank” da Energy Source armazena e monitora o estado dos módulos de baterias e está conectado a um gerenciador de energias WEG, que abastece uma estação de recarga rápida de 60kW, modelo WEMOB Station. Além disso, o gerenciador de energia WEG conecta 18 painéis solares e a rede elétrica ao banco de baterias, possibilitando o abastecimento do Power Bank 24 horas por dia e 7 dias por semana. Quando o banco de baterias está 100% abastecido, o excedente energético dos painéis solares é devolvido à rede elétrica. (Inside EVs – 08.04.2022)

<topo>

3 GreenV/Indigo Brasil: Parceria para instalação de pontos de recarga no Sul e no Sudeste

A GreenV, startup especializada em soluções para eletromobilidade, fechou uma parceria com a rede de estacionamentos Indigo Brasil. O objetivo do acordo é implementar toda a rede de recarga de veículos elétricos da operadora de estacionamentos. A partir do primeiro semestre de 2022, e ao longo de 36 meses, serão instalados mais de 350 pontos de recarga para carros elétricos em espaços com gestão da Indigo. A maior parte das estações de recarga estará nas regiões Sul e Sudeste, em cidades como São Paulo e Porto Alegre, mas há expectativa também de levar o serviço para outras regiões. A Indigo tem mais de 200 estacionamentos no país e forte presença em segmentos como saúde, shoppings e centros de eventos. Fundada em 2021, a GreenV tem sua origem na AZ Energy, empresa referência em eletromobilidade no Brasil. Depois de receber um aporte de US$ 22 milhões de um fundo norte-americano, a companhia passou a focar exclusivamente em soluções para mobilidade elétrica e já instalou mais de 2 mil pontos de recarga em 24 estados brasileiros. (Automotive Business – 05.04.2022)

<topo>

4 IVECO/Enel X: Desenvolvimento da eletromobilidade para veículos comerciais na Europa

A IVECO assinou um Memorando de Entendimento (MoU) com a Enel X, empresa do Grupo Enel dedicada ao desenvolvimento e comercialização de serviços e soluções energéticas inovadoras para eletrificação de consumos e mobilidade. Sob os termos do MoU não vinculativo, a IVECO e a Enel X planejam explorar uma possível colaboração que desbloqueará o potencial da e-mobilidade para veículos comerciais na Europa, com foco em veículos comerciais leves, veículos pesados e ônibus. As duas empresas avaliarão como os caminhões elétricos da IVECO podem apoiar a transição da frota da Enel para veículos de emissão zero, enquanto examinam novas oportunidades conjuntas em outros segmentos de transporte. A colaboração também visa desenvolver uma oferta conjunta abordando a mobilidade eletrônica de frotas comerciais, incluindo, mas não se limitando a infraestrutura de recarga para veículos comerciais leves e pesados. (Green Car Congress – 04.04.2022)

<topo>

5 Zeem: Soluções e serviços para frotas comerciais em depósito de transporte

A fornecedora de soluções de eletrificação de frotas Zeem Solutions abriu seu primeiro depósito comercial de transporte como serviço de VEs em Inglewood, Califórnia, perto do Aeroporto Internacional de Los Angeles. O depósito, um centro para serviços de veículos de emissão zero, é a maior instalação comercial de carregamento de veículos elétricos nos EUA que suporta frotas de veículos elétricos médios e pesados. O depósito da área de Los Angeles é o primeiro de uma série que a Zeem planeja construir nos Estados Unidos para permitir que os proprietários de frotas médias e pesadas se eletrifiquem. A Zeem possui e mantém caminhões elétricos, vans, ônibus e outros veículos que são alugados para empresas que pagam um aluguel mensal para usar os veículos. A Zeem trabalha com concessionárias locais e fornecedores de energia renovável para garantir que os veículos sejam carregados com energia limpa, confiável e de baixo custo. Os clientes têm acesso aos veículos, além de recarga diária e estacionamento em depósitos convenientemente localizados que a Zeem constrói e opera por um aluguel mensal que custa menos do que possuir e operar uma frota movida a gasolina ou diesel. O depósito de frota elétrica LAX da Zeem tem 77 portas de carregamento rápido, 53 carregadores de nível 2, uma sala confortável onde os motoristas podem descansar e recarregar entre as rotas e capacidade para carregar e armazenar mais de 200 veículos médios e pesados no local e suporte centenas mais para cobrança de oportunidade. (Green Car Congress – 04.04.2022)

<topo>

6 Nissan: Unidade de produção de baterias de estado sólido

A Nissan revelou sua instalação de produção de protótipos para células de bateria de estado sólido, que a empresa planeja lançar em 2028. O objetivo é que em 2024 uma linha de produção piloto seja montada na fábrica da Nissan em Yokohama. Os materiais, design e processos de fabricação para a produção de protótipos serão examinados lá. Ao fazê-lo, a Nissan espera que o custo de todas as baterias de estado sólido possa ser reduzido para US$ 75 por kWh no ano de 2028 e US$ 65 por kWh posteriormente, colocando os VEs no mesmo nível de custo dos veículos movidos a gasolina. Como parte de sua visão de longo prazo ‘Nissan Ambition 2030’, que a Nissan apresentou em novembro de 2021, a fabricante pretende lançar um veículo elétrico com baterias de estado sólido desenvolvidas internamente até 2028. “No futuro, nossas divisões de P&D e fabricação continuarão trabalhando juntas para utilizar esta instalação de produção de protótipos e acelerar a aplicação prática de baterias de estado sólido”, disse Kunio Nakaguro, vice-presidente executivo de pesquisa e desenvolvimento da Nissan. (Electrive – 08.04.2022)

<topo>

7 Nio: Baterias intercambiáveis para montadoras europeias

Quanto mais os carros elétricos se consolidam, mais se fortalece a discussão em torno de tecnologias relacionadas. As baterias intercambiáveis, que podem ser retiradas do veículo e trocadas por outra em uma estação, em vez de parar para recarregar estão entre esses tópicos inovadores. A Nio, montadora chinesa que tem um modelo bem-sucedido de baterias intercambiáveis para carros, avança o debate ao anunciar que está em conversas com outras montadoras para licenciar sua tecnologia. A declaração foi dada pelo presidente da companhia, Hui Zhang, ao jornal “Financial Times”. A ideia seria “conquistar motoristas de carros a combustão na Europa”, acelerando a transição elétrica. Hoje, a maioria das estações de recarga existentes está na China e há algumas na Noruega, o primeiro e único mercado europeu atendido pela Nio. Mas a empresa já anunciou que quer expandir sua rede de 888 estações de recarga para 5 mil até o fim desta década, expandindo principalmente para a Europa. O objetivo é ter, pelo menos, 1 mil estações de recarga fora da China até 2025. Os nomes das montadoras em questão não foram revelados, o que indica que nenhum negócio foi fechado ainda. Mas, se as conversas avançarem, elas podem representar um grande salto para as fabricantes que operam na Europa. (Automotive Business – 07.04.2022)

<topo>

 

 

Indústria Automobilística

1 ABVE: Vendas de VEs crescem no 1º trimestre de 2022

A Associação Brasileira do Veículo Elétrico (ABVE) divulgou os resultados do 1º trimestre de 2022, com crescimento de 115% nas vendas de veículos eletrificados leves no Brasil, chegando a 9.844 unidades, contra 4.582 no mesmo período de 2021. De acordo com a entidade, os VEs e híbridos seguem uma tendência inversa à do mercado total de vendas domésticas de automóveis e comerciais leves, que caiu 25% na comparação entre os primeiros trimestres de 2022 e 2021. Os 3.851 emplacamentos de eletrificados do mês passado representam aumento de 106% sobre março do ano anterior e de 12% sobre fevereiro de 2022. Março foi também o terceiro melhor mês da série histórica, só superado por dezembro e agosto de 2021. (Portal Solar – 06.04.2022)

<topo>

2 Voltz Motors: Ampliação do mercado e nova fábrica de motos elétricas em Manaus

A Voltz Motors anuncia que está prestes a inaugurar sua fábrica no Brasil. A startup sediada em Recife (PE) está fazendo os ajustes finais em sua linha de montagem que ficará em Manaus (AM). Fruto de um investimento de R$ 100 milhões, a fábrica da Voltz Motors em Manaus tem como objetivo consolidar a participação da startup de mobilidade elétrica no país e superar os gargalos de demanda e longas filas de espera pelos modelos Voltz EV1 e Voltz EVS. A meta é de 15.000 motos elétricas produzidas por mês, o que dá um total de 180.000 unidades de motos e scooters por ano, um bom número para quem quer se consolidar no mercado e mostra o peso que a mobilidade de duas rodas está ganhando. A Voltz Motors já cresce de forma acelerada no país, avançando da 10ª colocação entre as marcas mais vendidas no país em janeiro para o 7º lugar em fevereiro, de acordo com os dados da Fenabrave. A startup ainda irá ampliar a sua linha com um modelo voltado para o trabalho com a EVS Work, que já está sendo testada em um projeto piloto com o iFood. (Inside EVs – 04.04.2022)

<topo>

3 iFood/Voltz: Parceria para instalação de postos de trocas de baterias para motos elétricas

O iFood anunciou que havia começado a cadastrar entregadores de sua plataforma que estivessem interessados em comprar um modelo exclusivo de moto elétrica da fabricante Voltz. Agora, as empresas divulgaram mais detalhes sobre o veículo, que é exclusivo para os entregadores do iFood. A EVS Work é uma versão mais simples e menos potente da moto EVS – o motor e a bateria são os mesmos, mas há menos acessórios e a velocidade máxima é de 85 km/h. Custa R$ 9.999, o que é quase metade do preço da EVS normal, e os entregadores que quiserem fazer a compra ainda têm benefícios como juros reduzidos. Além disso, por R$ 129, o entregador pode assinar o plano de troca de baterias da Voltz, interessante para quem roda até 2 mil km por mês. As estações de troca de bateria estão sendo instaladas pela Voltz nos postos da rede Ipiranga – por enquanto, apenas nas unidades da capital paulista. “Inicialmente, focaremos somente em São Paulo, mas sabemos do potencial do projeto em outras capitais, e seguimos estudando a possibilidade de expansão para outras localidades”, afirmou Fernando Martins, head de logística do iFood. (Automotive Business – 06.04.2022)

<topo>

4 Cadeia de valor da mobilidade elétrica, atores e novas tendências

A crescente demanda por carros, vans e caminhões elétricos está impulsionando investimentos que estão reformulando o cenário do setor automotivo, à medida que fabricantes e empresas de tecnologia consolidam um mercado fragmentado em um ecossistema conectado. As principais fabricantes esperam investir mais de meio trilhão de dólares em veículos elétricos e baterias até 2030. Os OEMs de veículos comerciais e os operadores de frotas estão procurando maneiras de reduzir suas emissões e tornar a eletrificação do transporte um objetivo sustentável e alcançável para o gerenciamento de frotas. Este novo cenário do setor é marcado por investimentos em serviços digitais e empresas de análise de dados. Além disso, para apoiar e acelerar a adoção de VEs, políticas e regulamentos de eletrificação mais bem definidos são importantes. Por fim, destaca-se a tendência de aceleração nos investimentos das fabricantes na cadeia de produção de baterias. A indústria automotiva foi duramente atingida pela escassez de componentes e gargalos de fornecimento nos últimos 18-24 meses – particularmente a disponibilidade de microchips. À medida que o mercado começa a se normalizar, fabricantes, operadores de frotas e outras partes interessadas desejam fortalecer a cadeia de valor para evitar que esses problemas ocorram novamente. Essas tendências podem estimular processos de fusões e aquisições dentro do setor automotivo. As transações de fusões e aquisições estão criando cadeias de valor conectadas que usam insights e inovação de dados para aumentar a acessibilidade e a infraestrutura em torno dos veículos elétricos, permitindo que os operadores de frotas entendam mais sobre seus veículos e construam a reputação do cliente por meio de tecnologia sustentável. (Fleet Point – 05.04.2022)

<topo>

5 BNEF: Mercado de carros elétricos dobra de tamanho na América Latina em 2021

A América Latina mais do que dobrou as vendas de veículos elétricos em 2021, com quase 25 mil unidades comercializadas no período, indica relatório da BloombergNEF (BNEF). O segmento representou 0,7% do total das vendas de automóveis na região no ano passado. Os carros híbridos plug-in responderam por dois terços dos elétricos vendidos na América Latina no ano passado, possivelmente refletindo uma ansiedade em relação à autonomia por parte dos consumidores, em razão da infraestrutura de recarga ainda ser limitada. O Brasil registrou o maior número de unidades emplacadas, com 13 mil, e a Costa Rica liderou em termos de porcentagem, com 2,7% do mercado total do país. Já o México é a única nação latino-americana que fábrica VEs que também são exportados para os Estados Unidos. A BNEF prevê que os dois maiores mercados do continente, Brasil e México, verão as vendas de VEs crescerem, chegando a 2% a 4% até 2024. Para obter mais informações sobre o relatório, clique aqui. (Portal Solar – 06.04.2022)

<topo>

6 GM: Investimentos na produção de vans elétricas no Canadá

A General Motors começará a produzir vans elétricas em sua fábrica em Ingersoll, Canadá, ainda este ano. A produção de picapes leves e um terceiro turno serão introduzidos na fábrica de montagem de Oshawa. A fábrica de Ingersoll na província de Ontário é a primeira fábrica canadense de veículos elétricos da GM. No início do ano passado, a fabricante anunciou sua intenção de transformar a fábrica em uma grande unidade de produção de veículos elétricos para transporte de cargas. A empresa destinou um investimento de cerca de 800 milhões de dólares para isso. No Canadá, a GM está investindo um total de dois bilhões de dólares para transformar as instalações de produção em Ingersoll e Oshawa. (Electrive – 05.04.2022)

<topo>

7 GM/Honda: Nova parceria para o desenvolvimento de VEs

A GM e a Honda anunciaram que irão se unir para produzir, a partir de 2027, uma nova “família de veículos elétricos”. Ela incluirá SUVs compactos, o modelo mais popular do mundo hoje. O acordo prevê também a uniformização de componentes e processos para o estabelecimento de um padrão internacional de qualidade, além de maior produtividade e otimização dos custos. Os carros terão como base uma nova arquitetura global e serão equipados com baterias Ultium, as quais são desenvolvidas pela Ultium Cells, joint-venture entre a GM e a LG. Também leva o nome de “Ultium” a plataforma proprietária da GM para veículos elétricos, a qual a Honda já havia usado para desenvolver o Prologue a SUV Acura, dois modelos para o mercado americano que chegam em 2024. A GM atualmente trabalha em baterias de estado sólido e de íon-lítio com silício, juntamente com esquemas de produção que possam ser aplicados para aperfeiçoar e atualizar os processos de fabricação de células de bateria. Já a Honda está progredindo com suas baterias sólidas, as quais a companhia enxerga como elemento central dos futuros VEs. A tecnologia vem sendo demonstrada no Japão pela companhia, que está fazendo avanços rumo à produção em massa. Há especulação de que a parceria sinalize uma possível fusão das duas montadoras, uma vez que é estranho para a Honda, famosa pelos seus motores, adotar tão facilmente os motores de uma concorrente para planos futuros. (Automotive Business – 06.04.2022)

<topo>

8 Hyundai: Primeiro VE de nova plataforma global de eletrificados

A Hyundai acaba de lançar o novo Ioniq 5, um crossover SUV, mas é essencialmente um hatchback mais alto com tração nas quatro rodas disponível. Seus alvos no mercado são o Tesla Model Y, Ford Mustang Mach-E, Volkswagen ID.4 e Nissan Ariya. O Ioniq é o primeiro de até 23 modelos globais na nova Plataforma Modular Global Elétrica da Hyundai até 2025. O carregamento público ultrarrápido pode ser o maior golpe técnico, tornando esses modelos Hyundai sérios viajantes. Na melhor das hipóteses, o Ioniq 5 pode encher sua bateria de 10 a 80% em apenas 18 minutos – não muito rápido, mas bastante para saques rápidos interestaduais. Uma carga de cinco minutos adiciona até 68 milhas. Atualmente, a Hyundai Motor é a quinta maior montadora dos EUA, com suas marcas Hyundai e Kia juntas superando a Honda pela primeira vez. A empresa agora planeja investir US$ 7,4 bilhões, principalmente para expandir fábricas e construir veículos elétricos nos Estados Unidos. (New York Times – 07.04.2022)

<topo>

9 Tesla: Panorama de vendas mundiais no primeiro trimestre

A Tesla, a principal empresa de carros elétricos do mundo, divulgou um aumento acentuado nas vendas mundiais nos primeiros três meses do ano, à medida que superou os problemas da cadeia de suprimentos e se aproximou dos níveis de produção em pé de igualdade com montadoras de luxo estabelecidas como BMW e Mercedes- Benz. A Tesla disse que entregou 310.000 veículos de janeiro a março, acima dos 185.000 carros no mesmo período de 2021, aproximadamente em linha com as expectativas de Wall Street. O aumento de quase 70% contrastou com grandes montadoras como General Motors e Toyota, que relataram grandes quedas nas vendas devido à escassez de componentes-chave. O aumento no primeiro trimestre se baseia no impulso da Tesla em relação ao ano passado, quando quase dobrou as vendas, para pouco menos de 1 milhão de carros, e ultrapassou a Volvo e a Subaru. A Tesla lidou melhor com a escassez de chips de computador em todo o setor porque seu domínio do software permitiu que ela substituísse os chips que estavam disponíveis por outros escassos. A Tesla disse que conseguiu aumentar as vendas “apesar dos desafios contínuos da cadeia de suprimentos e das paralisações de fábricas”. As vendas do primeiro trimestre da Tesla ficaram quase inalteradas em relação ao quarto trimestre de 2021, quando entregou 309.000 veículos. O sedã Tesla Model 3 e o utilitário esportivo Model Y representaram quase todo o volume de vendas. (New York Times – 02.04.2022)

<topo>

10 Volkswagen: Metas de eletrificação para a Europa

O CFO da Volkswagen, Arno Antiltz, declarou ao jornal Financial Times que a montadora irá extinguir 60% de seus modelos a combustão na Europa até 2030. O atual portfólio conta com cerca de 100 modelos desse tipo espalhados por diversas marcas. A Volkswagen tem voltado suas atenções aos carros elétricos. Em 2021, a empresa vendeu 263 mil veículos desse tipo globalmente, um salto de 97% em relação a 2020. Em junho do ano passado, o CEO Klaus Zellmer declarou que a montadora pretende parar de vender totalmente os modelos a combustão na Europa até 2035, com os mercados americanos e chinês seguindo essa medida posteriormente. “O objetivo-chave não é o crescimento”, disse Antlitz ao jornal. “Estamos mais focados na qualidade e em margens de lucro do que em volume e market share”, afirmou. Isso pode significar um distanciamento dos modelos populares e o foco em carros mais caros e premium. Com a tendência mundial a diminuir o acesso de carros a ambientes urbanos, essa pode ser uma estratégia coerente. (Automotive Business – 06.04.2022)

<topo>

11 Ford: Metas de eletrificação e redução de emissões

A Ford divulgou os resultados do seu relatório de sustentabilidade, que contém as principais realizações da companhia no âmbito social em 2021. Dentre as principais realizações está a entrada da montadora no RouteZero, uma coalizão para conter o aquecimento global. Entre os compromissos da marca, vender apenas carros e vans novos com emissões zero até 2040 globalmente – e até 2035 nos principais mercados. A empresa também introduziu uma estrutura de financiamento sustentável para orientar os investimentos em projetos sociais e ambientais, abrindo caminho para o título verde inaugural da Ford, que levantou US$ 2,5 bilhões por meio de uma emissão de 10 anos para ajudar a financiar o novo portfólio de veículos elétricos da empresa. Outro fato relevante foi a parceria com a SK Innovation. Ambas empresas anunciaram um investimento conjunto planejado de US$ 11,4 bilhões na BlueOval City e em três fábricas de baterias nos Estados Unidos. A Ford também informou no relatório que colabora com a Redwood Materials, uma fornecedora de materiais para baterias, para tornar os veículos elétricos mais sustentáveis e acessíveis para os consumidores norte-americanos. A empresa ainda aderiu ao Better Climate Challenge, do Departamento de Energia dos EUA, com a promessa de reduzir, pela metade, as emissões de gases de efeito estufa de suas instalações até 2030 – em linha com o compromisso da Ford de fornecer eletricidade 100% livre de carbono em suas instalações até 2035. Por fim, a Ford reduziu seu consumo anual de água em mais de 78% em relação aos níveis de 2000 e estabeleceu 89 locais de zero resíduos para aterros em todo o mundo. (Automotive Business – 05.04.2022)

<topo>

12 Mercedes-Benz: Metas de liderança na fabricação de vans elétricas

A Mercedes-Benz Vans já produziu mais de 25.000 vans totalmente elétricas. O mais vendido para vans elétricas é o eVito, seguido pelo eSprinter e EQV. “Temos um objetivo claro, queremos ser o fabricante líder na área de vans elétricas a longo prazo. E para isso temos um excelente ponto de partida: no final de 2021, voltamos a ser líderes de mercado em eVans de médio e grande porte na Europa. Alinhamos claramente nossa estratégia para expandir ainda mais essa posição. Com o eCitan e, futuramente, o EQT, completamos este ano nossa linha de produtos, oferecendo eVans em todos os segmentos”, disse Mathias Geisen, chefe da Mercedes-Benz Vans. Até o final da década, a Mercedes-Benz Vans estará pronta para se tornar totalmente elétrica sempre que as condições do mercado permitirem. A partir de meados da década, todas as vans recém-desenvolvidas serão exclusivamente elétricas. Eles são baseados na arquitetura de veículo van fundamentalmente nova, modular e totalmente elétrica VAN.EA. (Green Car Congress – 06.04.2022)

<topo>

13 Volvo Trucks: Encomenda recorde de caminhões elétricos nos EUA

A Volvo acelera a transição energética com a divisão Volvo Trucks, que anunciou duas grandes encomendas de caminhões elétricos nos Estados Unidos para um número que supera as 100 unidades pela primeira vez dos modelos Volvo VNR Electric, em sua versão mais recente significativamente atualizada. O primeiro pedido é para 50 unidades, realizado pela WattEV startup, que pretende oferecer os veículos aos clientes da frota no modelo Truck-as-a-Service (TaaS). O segundo pedido, anunciada recentemente, trata-se de um novo recorde. A Maersk encomendou 110 unidades do Volvo VNR Electric (além de 16 veículos encomendados anteriormente para um total de 126) para uso nos Estados Unidos – especificamente na Califórnia. Os primeiros veículos devem ser entregues no segundo trimestre de 2022, enquanto que a conclusão de todo o pedido está programada para o primeiro trimestre de 2023. (Inside EVs – 03.04.2022)

<topo>

14 BYD: Encerrada a produção de veículos movidos apenas com motor a combustão

A BYD anuncia que não está mais produzindo carros com motores exclusivamente a combustão. Desde o mês passado, a marca chinesa fabrica apenas modelos eletrificados, ou seja, carros elétricos e híbridos plug-in. Esse movimento é parte de uma agressiva estratégia de transição energética. Naturalmente, os motores a gasolina ainda continuarão a ser produzidos, mas apenas como parte de conjuntos de propulsão híbridos plug-in. A BYD está alinhada com o plano estratégico chinês para reduzir significativamente as emissões de poluentes até 2030. Em março, a BYD bateu um novo recorde e vendeu 104.878 veículos eletrificados, incluindo 53.664 carros totalmente elétricos. (Inside EVs – 04.04.2022)

<topo>

 

 

Meio Ambiente

1 Comissão Europeia: Avaliação do ciclo de vida de VEs e intensidade de carbono da rede elétrica

O setor de transportes é responsável por um quarto das emissões totais de gases de efeito estufa da União Europeia (UE). Neste sentido, os veículos elétricos são fundamentais para a transição de baixo carbono. Nas avaliações do ciclo de vida – que visam refletir os recursos consumidos pelos produtos e processos e seus impactos ambientais – a eletricidade é um contribuinte dominante para os impactos dos VEs, tanto em seu uso quanto na produção de materiais. No caso dos VEs, por exemplo, suas emissões de gases de efeito estufa serão maiores quando carregados a partir de uma mistura com alto teor de fósseis. Além disso, a intensidade real de emissão do uso de veículos elétricos está diretamente ligada à intensidade de emissão da eletricidade consumida durante o carregamento, que varia substancialmente em função do tempo e do local. Uma nova análise realizada pela Comissão Europeia sugere que avaliações precisas exigem dados novos e atualizados de emissões de eletricidade. Dessa forma será possível disponibilizar informações transparentes sobre a intensidade de carbono na recarga de veículos elétricos e incentivar o consumo de eletricidade durante o período de disponibilidade de eletricidade de baixo carbono. (Comissão Europeia – 01.03.2022)

<topo>

2 Boston deve eletrificar toda a frota de ônibus escolares até 2030

A cidade de Boston, nos EUA, quer substituir toda a sua frota de mais de 700 ônibus escolares por veículos elétricos até 2030, começando com 20 ônibus levando as crianças à escola durante o próximo ano letivo. A mudança faz parte do Green New Deal da cidade, que inclui a conversão de grande parte de sua frota de veículos, não apenas ônibus escolares. “O transporte representa a segunda maior fonte de emissões em nossa cidade e a primeira e maior fonte de emissões se você olhar para todo o estado”, disse a prefeita de Boston, Michelle Wu, ao anunciar a medida. De acordo com o gabinete da prefeita, as escolas públicas de Boston têm atualmente 739 ônibus, que constituem onze por cento das emissões municipais da cidade. As autoridades estimam que os primeiros 20 ônibus custarão 7 milhões de dólares e serão pagos com fundos do orçamento operacional do departamento escolar e fundos federais de combate à pandemia do coronavírus. (Electrive – 07.04.2022)

<topo>

3 Quebec deve eletrificar 65% da frota de ônibus escolares até 2025

A Lion Electric recebeu um pedido de 50 ônibus escolares modelo LionC totalmente elétricos da operadora Autobus Campeau, na província de Quebec. As entregas devem começar no primeiro trimestre de 2023. Os novos ônibus serão usados em rotas escolares nas regiões de Brownsburg-Chatham, Gatineau e Rigaud, que ficam perto de Montreal. “Estamos muito satisfeitos em continuar nossa colaboração com a Autobus Campeau. Este novo pedido é a prova de que o futuro do transporte escolar é elétrico e estamos orgulhosos de continuar nossa colaboração com um importante fornecedor de transporte como o Autobus Campeau”, disse Benoit Morin, vice-presidente de vendas da Lion Electric no Canadá. Em maio do ano passado, a província canadense de Québec revelou a meta de eletrificar a maioria dos ônibus escolares até 2030. O primeiro-ministro François Legault disse que o governo investiria 250 milhões de dólares canadenses (cerca de 169,5 milhões de euros) nos próximos três anos para eletrificar 65% da frota de ônibus escolares da província. (Electrive – 05.04.2022)

<topo>

4 ESG: FedEx e Amazon apresentam compromissos para eletrificação de suas frotas comerciais

Embora 2021 tenha sido um ano difícil para o setor automotivo, os veículos elétricos contrariaram a tendência. Muitos operadores de frotas lançaram novos compromissos com a eletrificação, a FedEx comprou 200 e-Vans e anunciou que substituirá sua frota de coleta e entrega por veículos de zero emissão até 2040. Enquanto isso, a Amazon pretende ter 10.000 vans de elétricas personalizadas na estrada este ano e 100.000 em serviço até 2030. (Fleet Point – 05.04.2022)

<topo>

 

 

Eventos e Estudos

1 Ensaio Energético: Artigo – “O desafio dos materiais para a transição energética”

Em artigo publicado pela plataforma digital Ensaio Energético, Letícia Lorentz, Consultora na Escopo Energia e mestranda em Planejamento Energético pela COPPE/UFRJ, aborda a exploração de matéria prima na transição energética. Segundo Letícia, “na última década, o crescimento das fontes renováveis resultou em um aumento de 50% na quantidade média de minerais por unidade de capacidade instalada. Um aumento semelhante é percebido com os veículos elétricos, uma vez que esses utilizam seis vezes mais minerais que os carros convencionais”. A autora conclui que, “é fundamental que se reinventem os modos de produção e utilização de materiais. Da exploração e processamento ao design dos produtos, os esforços de pesquisa e inovação podem aliviar as pressões sobre a cadeia de suprimento primário, permitir substituições de materiais para determinadas aplicações e reduzir a intensidade de uso em outras”. Para ler o artigo na íntegra, clique aqui.

<topo>

2 EUA: Mercado de VEs oferece oportunidades aos investidores privados

Em meados de 2021, o governo do presidente dos EUA, Joe Biden, anunciou uma meta de 50% de participação nas vendas de veículos elétricos (VEs) até 2030. A fabricação de VEs, no entanto, é apenas um passo para a eletrificação das redes de transporte. Para fazer os VEs funcionarem, são necessários pontos de carregamento e a construção de uma rede nacional. O financiamento da infraestrutura de recarga de VEs é certamente o segmento que mais atrai investidores privados e institucionais, que já perceberam as sinergias que o plano do governo federal pode criar entre eles e as montadoras. Já em 2018, grandes investidores institucionais, como o fundo soberano de Cingapura GIC e o Canada Pension Plan Investment Board estavam entre os investidores que contribuíram para o esquema de captação de recursos de US$ 240 milhões da ChargePoint, uma empresa americana de infraestrutura de veículos elétricos. Mais recentemente, a Daimler, a NextEra e a BlackRock anunciaram uma parceria para implantar uma rede nacional de caminhões elétricos nos EUA. A fabricação de veículos elétricos também depende muito de minerais e elementos de terras raras – como cobre e lítio – que são usados para fazer os chips dos veículos. De acordo com Michael Likosky, especialista em infraestrutura e energia e sócio do escritório de advocacia Results, isso cria um ponto de entrada perfeito no mercado de veículos elétricos dos EUA para investidores institucionais estrangeiros. (InvestmentMonitor – 22.03.2022)

<topo>

3 The Motley Fool: Mercado de ações para a indústria automobilística de VEs

A indústria de carros elétricos difere da indústria automotiva tradicional por ser uma indústria nova. Até recentemente, poucas empresas fabricavam qualquer tipo de veículo elétrico, mas agora todas as grandes montadoras do mundo estão desenvolvendo ou produzindo VEs. Como o grande interesse por VEs é recente, até o momento a única fabricante líder estabelecida do setor é a Tesla. Dessa forma, as fabricantes menores de VEs podem competir com as fabricantes de automóveis tradicionais pela participação no mercado de eletrificados, tornando difícil discernir quais empresas dominarão o mercado no futuro. Muitas empresas que participam do setor de VEs estão abrindo o capital, enquanto as montadoras tradicionais planejam lançar uma infinidade de veículos elétricos nos próximos cinco anos. Investir neste setor altamente competitivo e de rápido crescimento, portanto, provavelmente será lucrativo. (The Motley Fool – 09.03.2022)

<topo>

4 Koch Industries: Desenvolvimento do mercado de baterias para VEs

Koch tem sido um grande investidor em baterias – uma tecnologia chave no esforço global para reduzir as emissões de carbono. Um braço da Koch Industries tem apostado que a indústria de veículos elétricos em rápido crescimento gerará uma grande demanda por baterias melhores. Sua lista de investimentos inclui Aspen Aerogels, Eos Energy Enterprises, Standard Lithium e, agora, Blue Current, uma start-up liderada por um dos cientistas favoritos do Vale do Silício, Joseph DeSimone. A Koch Strategic Platforms está investindo US$ 30 milhões na Blue Current, que será usada para construir um piloto e levá-lo à produção, segundo o DealBook. A Blue Current trabalha em modo furtivo desde 2016, quando DeSimone a fundou com Nitash Balsara, professor da U.C. Berkeley. A empresa aposta no silício em estado sólido como tecnologia superior às baterias que dependem de lítio e eletrólitos líquidos, que são altamente inflamáveis. Incêndios em baterias são um problema real para veículos elétricos. Baterias de estado sólido usando lítio ou silício são a próxima grande novidade para os investidores. A Blue Current diz que suas baterias à base de silício são mais seguras e têm uma densidade de energia particularmente alta, o que significa mais carga em um espaço menor. A Wood Mackenzie estima que 18% dos carros novos vendidos serão elétricos até 2030, superando em muito a produção atual de baterias. (New York Times – 06.04.2022)

<topo>

5 CATL: Produção de baterias na Europa

A CATL expande seus negócios na Europa e, após inaugurar a fábrica de tecnologia Contemporary Amperex Technology Thuringia GmbH (CATT) (CATT) na Alemanha em 2019, conseguiu o sinal verde para o início da produção de baterias no Velho Continente. Durante uma cerimônia realizada na fábrica da CATT, a primeira da CATL fora da China, na zona industrial de Erfurter Kreuz, o Ministro do Meio Ambiente e Energia da Turíngia, Anja Siegesmund, e o Ministro da Economia da Turíngia, Wolfgang Tiefensee, entregaram ao presidente da CATL na Europa, Matthias Zentgraf, aprovação para o início da produção de baterias para uma capacidade inicial de 8 GWh por ano. A construção da fábrica está na fase final, e a instalação das máquinas está a todo vapor. A CATL, na verdade, planeja concluir a obra até o início do segundo semestre para que as primeiras células possam sair da linha de produção até o final do ano. A nova fábrica de baterias faz parte de um investimento de 1,8 bilhão de euros com o qual a gigante chinesa planeja atingir uma capacidade de produção de 24 GWh por ano e criar mais de 2.000 empregos na Alemanha. (Inside EVs – 10.04.2022)

<topo>


Equipe de Pesquisa UFRJ
Editor: Prof. Nivalde J. de Castro (nivalde@ufrj.br)
Subeditores: Fabiano Lacombe e Luiza Masseno
Pesquisadores: João Pedro Gomes, Leonardo Gonçalves e Vinicius José da Costa
Assistente de pesquisa: Sérgio Silva

As notícias divulgadas no IFE não refletem necessariamente os pontos da UFRJ. As informações que apresentam como fonte UFRJ são de responsabilidade da equipe de pesquisa sobre o Setor Elétrico do Instituto de Economia da UFRJ.

POLÍTICA DE PRIVACIDADE E SIGILO
Respeitamos sua privacidade. Caso você não deseje mais receber nossos e-mails,  Clique aqui e envie-nos uma mensagem solicitando o descadastrado do seu e-mail de nosso mailing.


Copyright UFRJ

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: