IFE.TEX 80

Informativo Eletrônico – Tecnologias Exponenciais nº 80 – publicado em 04 de abril de 2022.

IFE: Informativo Eletrônico de Tecnologias Exponenciais – GESEL-UFRJ <!–

l

IFE: nº 80 – 04 de abril de 2022
http://gesel.ie.ufrj.br/
gesel@gesel.ie.ufrj.br

Editor: Prof. Nivalde J. de Castro

Índice

Transição Energética e ESG
1
Dinamarca apoia transição energética da China com novo acordo de parceria
2 Quantos empregos a transição para a energia limpa poderia criar?
3 IRENA anuncia cooperação em materiais críticos para transição energética
4 IEA: Identificar as barreiras para o progresso das tecnologias de energia limpa é fundamental
5 Medidas para combater o aumento dos preços devem impulsionar a transição energética
6 IEA: Transição energética pode conter aumento dos preços de energia
7 Países membros da IEA expandem apoio à transição energética
8 Santander lança plataforma de investimento em energias renováveis
9 Plano de Ação do sistema de distribuição fornece o próximo passo no caminho da transição energética
10 EUA: Plano de energia renovável favorecerá futuros projetos de energia solar

Geração Distribuída
1 GreenYellow investirá em GD solar e eficiência no Brasil em 2022
2 Nova York atinge 1GW de energia solar comunitária

Armazenamento de Energia
1 Capacidade de bateria de lítio pode subir 5x no mundo até 2030
2 CSIC apresenta projeto de armazenamento de energia em grande escala
3 Endesa planeja maior usina híbrida eólica-solar com armazenamento da Europa

4 Projetos de energia solar e armazenamento se unem às fazendas comunitárias da Nexamp

5 Tesla fornecerá baterias para projetos de armazenamento de energia na Austrália

6 A RedFlow firma parceria com a SoCal para projeto de armazenamento

7 Jamaica recorre ao armazenamento hidrelétrico bombeado movido a energia solar

8 Instalações de armazenamento de energia estabelecem novos recordes nos EUA
9 Espanha: Refrigeração líquida pode ser a solução para atingir a meta de armazenamento de energia em 2030
10 Vattenfall energiza usina híbrida de armazenamento eólico-solar na Holanda

Veículos Elétricos
1 Preço do níquel e seus impactos nos custos de baterias e veículos elétricos
2 Hyundai Sonata híbrido é equipado com teto solar
3 Brasil: Reciclagem de baterias será realidade em poucos anos
4 IBS desenvolve bateria quântica que permitirá recarga em 9 segundos

5 StoreDot: Baterias que suportam 1.200 recargas são testadas com sucesso
6 Fornecimento de baterias pode permanecer limitado no próximo ano
7 Reino Unido: bp pulse investirá em carregamento de veículos elétricos
8 Tesla abre gigafábrica na Alemanha

9 Itron trabalhará em novo programa de carregamento de veículos elétricos da Duke Energy Florida

Eficiência Energética
1 EPE: Estudo sobre demanda de energia e eficiência energética para condicionamento de ar
2 Como melhorar a eficiência energética das residências?
3 A proteção solar inteligente pode reduzir o consumo de energia dos edifícios em até 60%
4 EUA: Legisladores de Maryland estabelecem meta de economia de energia para famílias de baixa renda

5 Baker Hughes trabalhará em soluções de eficiência energética

Microrredes e VPP
1 EUA: Comunidades tribais implementam microrredes para aumentar a segurança energética

Tecnologias e Soluções Digitais
1 DEWA lança programa de aprendizado de automação de processos robóticos
2 Mais de 115 milhões de edifícios inteligentes serão implantados até 2026
3 Mercado de medidores inteligentes de eletricidade atingirá US$ 15,2 bilhões até 2026

Segurança Cibernética
1 Agências federais alertam que operações cibernéticas russas representam ameaça contínua à infraestrutura de energia dos EUA

Eventos
1 Wood Mackenzie: Conferência Europeia de Energia e Renováveis

Artigos e Estudos
1 Artigo GESEL: “Inovação no setor elétrico brasileiro”
2 Artigo de Pedro Okuhara: “Como a evolução digital pode contribuir para a eficiência energética?”
3 GESEL publica Observatório de Tecnologias Exponenciais Nº 04
4 Artigo de José Virgílio Lopes Enei: “O Brasil precisa de energia limpa?”

5 Relatório EIA: “Annual Energy Outlook 2022”
6 Relatório: “Future Facing Mined Commodities Forum”
7 Relatório: “Accelerated Energy Transition (AET) 1.5 – Degree scenario”


 

 

Transição Energética e ESG

1 Dinamarca apoia transição energética da China com novo acordo de parceria

A operadora do sistema de transmissão dinamarquesa Energinet firmou um acordo de cooperação de 3 anos com a State Grid Corporation of China, empresa estatal fornecedora de energia, para apoiar a meta da China de atingir mais de 1.000 GW de energia renovável até 2030. O novo acordo se concentra no compartilhamento de experiências sobre a transição energética, contribuindo para que a State Grid atinja a neutralidade das emissões até 2050. Para que isto seja possível, a parceria irá focar no desenvolvimento dos mercados de energia e de serviços ancilares chinês. Segundo Thomas Egebo, CEO da Energinet, a estreita colaboração continuará e espera-se que ambas experiências e insights possam fornecer aos parceiros ferramentas para alcançar o objetivo em comum de acelerar a transição energética. (Smart Energy – 23.03.2022)

<topo>

2 Quantos empregos a transição para a energia limpa poderia criar?

Com muitos países e empresas comprometidos a reduzir as emissões, a transição energética parece ser inevitável. Esta transição terá, sem dúvida, um impacto no mercado de trabalho, gerando novos empregos. Isso porque, novas fontes de energia não exigem apenas equipamentos novos e atualizados, mas também pessoas para os operar. Nesse cenário, como a demanda por combustíveis mais limpos desvia a atenção dos combustíveis fósseis, é provável que nem todos os setores vejam um ganho líquido de empregos. No total, a transição energética deverá gerar 10,3 milhões de empregos líquidos em todo o mundo até 2030. Embora a geração de combustível seja definitivamente afetada pela transição energética, o maior impacto será sentido na modernização da infraestrutura energética. Em suma, para utilizar adequadamente as novas fontes de energia, os maiores ganhos de emprego esperados são em eficiência elétrica, em geração de energia e no setor automotivo. (World Economic Forum – 25.03.2022)

<topo>

3 IRENA anuncia cooperação em materiais críticos para transição energética

Os membros da Agência Internacional de Energia Renovável (IRENA) lançaram a Collaborative Framework on Critical Materials for the Energy Transition, uma plataforma que facilitará a troca de conhecimentos, de melhores práticas e a coordenação de ações para garantir que a escassez de minerais e materiais não ameace a inserção acelerada de energia renovável. A plataforma faz parte do esforço da IRENA em compreender os desafios e oportunidades dos materiais críticos para apoiar a transição energética. Sob a iniciativa, grupos de trabalho irão desenvolver estratégias para minimizar os riscos de fornecimento de materiais críticos, melhorar a compreensão da situação e perspectivas do mercado, assim como aumentar a aceitação de projetos de mineração mais sustentáveis. (IRENA – 22.03.2022)

<topo>

4 IEA: Identificar as barreiras para o progresso das tecnologias de energia limpa é fundamental

Atingir a neutralidade das emissões de gases do efeito estufa (GEE) até 2050 requer a rápida implantação de soluções de energia limpa existentes (como solar e eólica) e avanços em tecnologias de baixo carbono. No entanto, a implantação bem-sucedida dessas tecnologias enfrenta várias barreiras, que vão além da questão do custo. Dentro deste panorama, um evento organizado pela Agência Internacional de Energia (IEA) reuniu ministros, líderes empresariais e organizações internacionais para discutir como adaptar melhor as políticas, os marcos regulatórios e legislativos visando acelerar a implantação das tecnologias de energia limpa. Durante o evento, os participantes enfatizaram a necessidade do trabalho conjunto entre o setor público e o privado para eliminar barreiras objetivando a construção de cadeias e economias de energia limpa, inclusivas e resilientes. Além disso, almeja-se a criação de empregos sustentáveis e o impulsionamento de investimentos que visam reduzir as emissões de GEE. (IEA – 23.03.2022)

<topo>

5 Medidas para combater o aumento dos preços devem impulsionar a transição energética

Tendo em vista que o conflito na Ucrânia evidenciou mais uma vez a dependência da União Europeia (UE) de importações de energia, o Comitê Econômico e Social Europeu (CESE) defende que a adoção de medidas coordenadas para enfrentar a crise dos preços da energia não devem prejudicar os esforços da política climática. Além disso, as medidas além de serem uma resposta de emergência deve ser pensada de modo a evitar consequências sociais graves. O CESE aconselhou que a UE acompanhe de perto o mercado de energia e intensifique o investimento em energias renováveis. As medidas para combater o aumento dos preços da energia devem ser coordenadas e fornecer a cada Estado-Membro espaço suficiente para responder da melhor forma à situação do seu país. Em suma, para evitar consequências sociais drásticas, o CESE apoia a adoção de medidas de emergência, mas também apresentou propostas para abordar a questão numa perspectiva de longo prazo. Segundo Thomas Kattnig, membro do CESE, nesse caso, o apoio financeiro direto e os instrumentos fiscais são as medidas mais eficazes. (Renews Biz – 21.03.2022)

<topo>

6 IEA: Transição energética pode conter aumento dos preços de energia

A Agência Internacional de Energia (IEA) anunciou que o compromisso de acelerar transições energéticas pode ser uma solução duradoura para evitar o aumento nos preços de energia. A declaração, feita após reunião ministerial da IEA, também pediu por mercados de energia competitivos e transparentes, a fim de minimizar o impacto negativo da volatilidade de preços sobre os consumidores. Em geral, a IEA defende o papel da transição para uma energia limpa e a transformação no setor energético como um motor importante para o crescimento econômico, a geração de empregos e o barateamento do acesso à energia. Além disso, a agência pediu passos práticos e concretos para essa transição, lembrando que esse processo ocorre em meio ao trabalho dos países para atingir a neutralidade das emissões dos gases do efeito estufa até 2050. (Broadcast Energia – 24.03.2022)

<topo>

7 Países membros da IEA expandem apoio à transição energética

A Agência Internacional de Energia (IEA) recebeu um grande impulso de financiamento dos países membros, ampliando significativamente o trabalho da agência de apoio à transição energética em economias emergentes. O aumento do financiamento para o Programa de Transições de Energia Limpa (CETP) da IEA foi anunciado durante a Reunião Ministerial da agência, na qual foi discutido como acelerar a inserção de energia limpa e reforçar a segurança energética. O novo fluxo de financiamento apoiará os esforços para alcançar um maior investimento em energia limpa nas economias emergentes e fornecerá um forte apoio dos governos ao papel da IEA em ajudar a transição do sistema energético global. (IEA – 24.03.2022)

<topo>

8 Santander lança plataforma de investimento em energias renováveis

O banco Santander lançou uma nova plataforma dedicada ao investimento em projetos de energia renovável em desenvolvimento e construção. A iniciativa da plataforma Santander Green Investment é liderada pela divisão de banco corporativo e de investimento do credor. O banco já investiu em nove projetos solares e eólicos na Espanha, com capacidade combinada de cerca de 500 MW, como parte da iniciativa. De acordo com o banco, a iniciativa ajudará a consolidar a liderança da instituição no financiamento de energia renovável e seu compromisso com a transição para uma economia de baixo carbono. (Renews Biz – 24.03.2022)


<topo>

9 Plano de Ação do sistema de distribuição fornece o próximo passo no caminho da transição energética

A Scottish and Southern Electricity Networks (SSEN), empresa de transmissão e distribuição de eletricidade do Reino Unido, publicou seu 1° Plano de Ação do Operador do Sistema de Distribuição (DSO). O documento define os produtos de flexibilidade, mercados e conexões, que ajudarão os clientes a construir sua compreensão sobre as oportunidades. Desta forma, a SSEN poderá acelerar a entrega de serviços do sistema de distribuição para beneficiar clientes, comunidades e participantes do mercado. Isto possibilita que as partes interessadas construam um perfil personalizado de como as ofertas do DSO da SSEN podem apoiar os seus objetivos. Ao desenvolver esta funcionalidade, a SSEN espera entregar mais de £ 460 milhões de benefícios por meio de reforço à rede adiado e gastos de capital evitados no próximo período de controle de preços. (EE Online – 25.03.2022)

<topo>

10 EUA: Plano de energia renovável favorecerá futuros projetos de energia solar

A Illinois Power Agency, agência que supervisiona os processos de planejamento de aquisição de eletricidade, divulgou uma proposta de plano de aquisição de energia renovável de longo prazo que inclui novas regras relacionadas à equidade e que estão de acordo com os requisitos da nova Lei de Trabalhos Equitativos e Climáticos do estado. O plano proposto estabelece requisitos para a solicitação de subsídios e fundos estaduais para energia renovável, revisa o modelo de precificação de créditos de energia renovável e afrouxa as restrições ao uso de fundos destinados a aumentar o acesso à energia solar entre comunidades de baixa renda. Os defensores ambientais de Illinois elogiaram o plano geral, que deve ser aprovado pela Comissão de Comércio de Illinois, tribunal quase judicial que regula os serviços de utilidade pública de Illinois. (Utility Dive – 24.03.2022)

<topo>

 

 

Geração Distribuída

1 GreenYellow investirá em GD solar e eficiência no Brasil em 2022

GreenYellow (GY), multinacional francesa, anunciou que irá investir R$ 500 milhões em projetos de geração solar distribuída e de eficiência energética no Brasil em 2022. Além disso, a multinacional começará a entrar de fato no mercado de armazenamento de energia e mobilidade elétrica. Em coletiva à imprensa, Roberto Zerkowski, presidente da GY no Brasil, destacou que a empresa trabalha para entregar mais de 50 MWp neste ano e cerca de 375 MWp de GD solar de forma progressiva até 2025. Segundo o presidente da GY, o mercado fotovoltaico está acelerando muito rápido e deve liderar nossos investimentos em 2023. Inicialmente, a multinacional explorará em 2022 a geração distribuída nas regras atuais e possivelmente estruturará novos modelos de negócio a partir da nova lei. (CanalEnergia – 23.03.2022)

<topo>

2 Nova York atinge 1GW de energia solar comunitária

A inauguração do novo projeto solar comunitário em Schenectady (Nova York) com capacidade de 7,5 MW foi recebida com muito animo após o estado atingir mais de 1 GW de energia solar comunitária instalada e operacional. De acordo com o Institute for Local Self-Reliance, este marco coloca o estado como o principal mercado solar comunitário nos Estados Unidos, superando Minnesota, que instalou 830 MW de capacidade solar comunitária operacional em fevereiro de 2022. O domínio do mercado solar comunitário deve continuar crescendo, já que o portfólio solar distribuído de Nova York agora é composto por mais de 708 instalações, todas em busca de atingir a meta de obter 70% da eletricidade do estado a partir de fontes renováveis até 2030 e a meta do governador de atingir 10 GW de energia solar até 2030. (PV Magazine – 18.03.2022)

<topo>

 

 

Armazenamento de Energia

1 Capacidade de bateria de lítio pode subir 5x no mundo até 2030

Segundo a consultoria Wood Mackenzie, a capacidade global de baterias de íons de lítio pode atingir 5500 GWh até 2030, o que representa um aumento de mais de cinco vezes. Jiayue Zheng, consultor da Wood Mackenzie, explicou que o mercado de veículos elétricos responde por quase 80% da demanda por baterias de íons de lítio e que os altos preços do petróleo estão incentivando a implementação de políticas de transporte neutro, aumentando a demanda por baterias do tipo. Nesse contexto, a GM (multinacional produtora de automóveis) firmou uma parceria com a Posco (produtora de aço da Coreia do Sul), que busca instalar uma nova fábrica no Canadá para a fabricação de materiais para baterias. As duas empresas estão reagindo à demanda crescente com grandes planos de expansão, mas não conseguirão atender a demanda até 2023. (O Estado de São Paulo – 22.03.2022)

<topo>

2 CSIC apresenta projeto de armazenamento de energia em grande escala

Uma equipe de pesquisadores do Conselho Superior de Pesquisa Científica (CSIC), agência estatal ligada ao Ministério da Ciência e Inovação da Espanha, desenvolveu um protótipo de bateria de vanádio de 10 kW. O objetivo do protótipo é demonstrar sua viabilidade como um sistema de armazenamento de energia elétrica de larga escala, especialmente voltado para energias renováveis. Deste modo, o projeto permite o acúmulo de energia elétrica para aplicações estacionárias, como armazenamento de energia em residências ou pequenas empresas. Esta tecnologia, segundo o CSIC, constitui o primeiro marco no caminho para obter uma bateria de 50 kW, que permitirá estender o uso desta tecnologia ao setor industrial. (Energías Renovables – 25.03.2022)

<topo>

3 Endesa planeja maior usina híbrida eólica-solar com armazenamento da Europa

A fornecedora de energia espanhola Endesa anunciou que venceu o concurso de transição justa do Pego em Portugal para a construção de um projeto que combina a hibridização de fontes renováveis e seu armazenamento com iniciativas de desenvolvimento social e econômico. O concurso consistiu na disputa pela oportunidade de conversão de uma central termoelétrica em central geradora renovável, com iniciativas de desenvolvimento econômico e social. De acordo com a Endesa, o projeto exigirá um investimento de aproximadamente € 600 milhões e consistirá em uma unidade fotovoltaica de 365 MW, um parque eólico de 264 MW e 168 MW de armazenamento em bateria. O projeto também será conectado a um eletrolisador de 500kW que será alimentado com a energia excedente que não pode ser armazenada pelas baterias. (PV Magazine – 28.03.2022)

<topo>

4 Projetos de energia solar e armazenamento se unem às fazendas comunitárias da Nexamp

Nexamp (fornecedora de soluções para a implantação e operação de ativos de energia solar) e Borrego (empresa que desenvolve projetos de energia solar com armazenamento) inauguraram dois projetos de energia solar mais armazenamento no território ISO da Nova Inglaterra. Os projetos foram nomeados de fazendas solares da comunidade Nexamp em Massachusetts, EUA. Cada um dos projetos combina a geração de energia e armazenamento solar, com o objetivo de criar impulso para uma rede elétrica regional mais limpa e resiliente. Mark Frigo, vice-presidente de armazenamento de energia da Nexamp, comentou que “o armazenamento de energia é fundamental para nossa capacidade de implantar energia renovável para resolver amplamente questões de segurança energética e mudanças climáticas”. (Smart Energy – 28.03.2022)

<topo>

5 Tesla fornecerá baterias para projetos de armazenamento de energia na Austrália

Em New South Wales (NSW), Austrália, a Edify Energy assinou um contrato EPC, ou seja, um contrato que compreende o projeto, a construção, a compra de equipamentos e montagem para um projeto. O contrato foi assinado com Tesla Motors Australia e visa o fornecimento do Tesla Megapack (bateria em larga escala) para sua combinação em projetos de armazenamento de energia, que combinados totalizam 150MW/300MWh. O projeto é composto pelo Sistema de Armazenamento de Energia Riverina 1, pelo Sistema de Armazenamento de Energia 1 Riverina Energy Storage System 2 e pelo Darlington Point Energy Storage System. A iniciativa busca utilizar os sistemas Megapack da Tesla para fornecer capacidade flexível e despachável para o mercado de NSW e complementar a geração renovável da região. (PVMagazine.28.03.2022)

<topo>

6 A RedFlow firma parceria com a SoCal para projeto de armazenamento

A Redflow, fabricante de baterias de fluxo de zinco-bromo, anunciou que assinou uma carta de intenção (LOI) não vinculativa com a subsidiária da Anaergia, SoCal Biomethane. O acordo tem como objetivo colaborar para a instalação de uma solução de armazenamento em bateria solar de 5,5-6,0 MWh na planta de biometano da SoCal na Califórnia. Segundo a Redflow, o novo projeto solar e de armazenamento foi projetado para reduzir os custos de energia da usina ao longo da vida útil do sistema e reduzir a pegada de carbono de seus processos industriais. O CEO da Redflow, Tim Harris, disse que a as baterias da empresa oferecem vantagens únicas, incluindo gerenciamento remoto seguro, profundidade de descarga diária de 100%, tolerância a altas temperaturas ambientes e fornecimento de energia sustentado durante toda a vida útil. (PVMagazine.28.03.2022)

<topo>

7 Jamaica recorre ao armazenamento hidrelétrico bombeado movido a energia solar

O governo da Jamaica revelou que um consórcio internacional está planejando construir um projeto de armazenamento de energia em hidrelétrica reversível, que já obteve aprovação preliminar. O projeto, que também incluirá a dessalinização em alto mar, fará o bombeamento de água do reservatório inferior para o reservatório superior utilizando energia solar. “A água doce será então alimentada por gravidade através de turbinas hidrelétricas, gerando eletricidade. A água será então canalizada para reservatórios a jusante para uso doméstico e irrigação”, disse Andrew Holness, primeiro-ministro da Jamaica. (PVMagazine.28.03.2022)

<topo>

8 Instalações de armazenamento de energia estabelecem novos recordes nos EUA

Apesar de não atingir os números previstos, o mercado de armazenamento de energia dos EUA estabeleceu um novo recorde no quarto trimestre de 2021, com novas instalações de sistemas totalizando 4.727MWh, de acordo com a Wood Mackenzie e o mais recente US Energy Storage Monitor da American Clean Power Association (ACP). Se não fosse pelos desafios da cadeia de suprimentos, que resultou no adiamento do início das operações de projetos, a capacidade de armazenamento do país teria sido maior. As implantações anuais em larga quase triplicaram, atingindo 3 GW / 9,2 GWh. O armazenamento residencial teve seu trimestre mais forte até o momento com 123MW instalados. Até 2026, as instalações anuais no segmento residencial devem atingir 2 GW / 5,4 GWh, com a Califórnia, o Porto Rico, o Texas e a Flórida liderando. (PVMagazine.28.03.2022)

<topo>

9 Espanha: Refrigeração líquida pode ser a solução para atingir a meta de armazenamento de energia em 2030

O Ministério da Transição Ecológica e do Desafio Demográfico (Miteco) publicou a Estratégia de Armazenamento de Energia com o objetivo de atingir a meta de 20 GW de armazenamento em 2030. Para atingi-la, seria necessário instalar mais de 1 GW por ano de armazenamento. Para atender às estratégias de armazenamento e se adaptar às demandas do mercado, a Sungrow lançou o Power Titan- Sungrow ST2752UX, sistema de armazenamento de energia refrigerado a líquido. O resfriamento líquido reduz significativamente a perda do sistema auxiliar em comparação com a tecnologia de resfriamento a ar. Este novo sistema também garante maior vida útil da bateria, pois possui controle de temperatura otimizado. (Energias Renobables 28.03.2022)

<topo>

10 Vattenfall energiza usina híbrida de armazenamento eólico-solar na Holanda

A empresa de energia sueca Vattenfall comissionou seu primeiro projeto híbrido, que integra armazenamento em baterias, um parque eólico e uma usina fotovoltaica de grande escala na província holandesa de Holanda do Sul. O parque de energia Haringvliet se beneficia de efeitos de sinergia entre as energias renováveis que levam a custos de desenvolvimento mais baixos e reduzem o impacto no meio ambiente, de acordo com Vattenfall. As usinas de geração se complementam, com o sistema fotovoltaico fornecendo bastante eletricidade durante o dia e da primavera ao outono, enquanto as turbinas eólicas produzem uma quantidade de energia particularmente grande nos meses de inverno. Ao mesmo tempo, o armazenamento da bateria garante que a rede permaneça estável e serve como uma instalação de armazenamento temporário para a eletricidade gerada. (PVMagazine.28.03.2022)

<topo>

 

 

Veículos Elétricos

1 Preço do níquel e seus impactos nos custos de baterias e veículos elétricos

Diante do conflito entre Rússia e Ucrânia, os fabricantes de automóveis e outras empresas que utilizam níquel, lítio ou cobalto – matérias-primas para baterias – começaram a procurar maneiras de se protegerem dos atuais e futuros aumentos de preços. O preço do níquel, que variava entre 10 mil e 15 mil dólares a tonelada, chegou a bater em 100 mil dólares por tonelada no dia 8 de março, levando a Bolsa de Metais de Londres a congelar as negociações. Segundo Markus Duesmann, CEO da divisão Audi da montadora, reagindo a esta crise, a Volkswagen, por exemplo, começou a explorar a compra de níquel diretamente de mineradoras. Em suma, a perspectiva de tensões geopolíticas duradouras tende a acelerar as ações dos Estados Unidos e Europa para o desenvolvimento de suprimentos domésticos de commodities, que geralmente vêm da Rússia. (Mobilize – 21.03.2022)

<topo>

2 Hyundai Sonata híbrido é equipado com teto solar

O mais novo modelo do Hyundai Sonata híbrido está equipado com um painel solar fotovoltaico de 205W que carrega diretamente a bateria do carro. Estima-se que o sistema fotovoltaico adicionará cerca de 2,5 milhas de alcance por dia. Os painéis solares apresentam 22,8% de eficiência, embora esse número possa não ser tão impressionante, a energia solar fotovoltaica marca uma melhoria na eficiência do veículo que pode ser significativa. Duas milhas e meia por dia durante um ano equivale a 912,5 milhas “gratuitas”. Com base na quilometragem anual de um viajante médio de 10 mil milhas, isso representa uma melhoria de mais de 9% na eficiência do combustível. A Hyundai disse que seu sistema de painéis solares vem com vantagens de design eficientes em relação aos carros concorrentes, como o Toyota Prius com teto solar. (PV Magazine – 18.03.2022)

<topo>

3 Brasil: Reciclagem de baterias será realidade em poucos anos

Em um cenário no qual a reciclagem de baterias é um dos temas principais com o avanço da mobilidade elétrica, a BMW, fabricante de automóveis e motocicletas, anunciou uma parceria com a Tupy e o Senai Paraná para desenvolver um processo de reciclagem mais sustentável. O principal objetivo é garantir a recuperação dos compostos químicos das baterias de veículos elétricos em fim de vida. O projeto irá desenvolver um processo de reciclagem por hidrometalurgia, que é mais sustentável que o processo tradicional e envolve menos emissões de gases de efeito estufa, bem como menor necessidade de atividades de mineração para obtenção da matéria-prima. O projeto terá investimento de R$ 3,4 milhões e duração de 24 meses, com resultados preliminares que poderão ser apurados até o fim do ano de 2022. Com a iniciativa, abre-se uma nova rota para o uso de minerais reciclados na fabricação de baterias novas, o que diminuirá a dependência da matéria-prima mineral primária. (Agência FIEP – 24.03.2022)

<topo>

4 IBS desenvolve bateria quântica que permitirá recarga em 9 segundos

Um dos aspectos que mais afetam negativamente a disseminação em larga escala da mobilidade elétrica é o tempo de carregamento e, para resolver este problema, alguns cientistas recorreram à física quântica. O novo estudo conduzido por pesquisadores do Centro de Física Teórica de Sistemas Complexos do Instituto de Ciência Básica (IBS) mostra que o carregamento quântico poderia reduzir o tempo de carregamento dos veículos elétricos para 3 minutos em casa e 9 segundos em uma estação de carregamento ultrarrápida. Como demonstrado pelo estudo, uma das principais vantagens das baterias que exploram a tecnologia quântica é que todas as células são capazes de se comunicar simultaneamente, levando à chamada “vantagem da carga quântica”. Isso porque, em baterias com tecnologia quântica as células são recarregadas ao mesmo tempo, reduzindo significativamente os tempos de carregamento. (Iside EVs – 26.03.2022)

<topo>

5 StoreDot: Baterias que suportam 1.200 recargas são testadas com sucesso

A StoreDot, desenvolvedor de baterias de íons de lítio para veículos elétricos, conseguiu completar 1.200 ciclos de carregamento rápido para suas revolucionárias células de silício XFC (Extreme Fast Charging) para veículos elétricos, um feito sem precedentes para a durabilidade das baterias. O sucesso, no entanto, não depende apenas desse número. A verdadeira revolução reside, em vez disso, na capacidade residual que as baterias mantiveram depois de tantas recargas, que foi igual a 80%. Como muitos sabem, de fato, todos os acumuladores se degradam ao longo do tempo, perdendo a capacidade de armazenar energia gradualmente, mas a StoreDot criou baterias com uma vida útil muito mais longa. (Iside EVs – 27.03.2022)

<topo>

6 Fornecimento de baterias pode permanecer limitado no próximo ano

Segundo a Wood Mackenzie, as baterias de fosfato de ferro-lítio remodelarão os dispositivos de níquel-cobalto-manganês (NCM) em 2028 e a demanda por baterias de veículos elétricos (VE) continuará superando a oferta até o próximo ano. Apontando para a escassez de baterias de VE no ano passado, motivada pela demanda desenfreada e custos crescentes de matérias-primas, Jiayue Zheng, consultor da WoodMac, previu que o mercado de veículos chegará a 3TWh da capacidade de armazenamento até o final da década. Além disso, o analista prevê que os fabricantes europeus de baterias revisarão seus rivais norte-americanos este ano, já que as empresas globais de armazenamento planejam desenvolver 300 locais com um total de mais de 5,5 TWh de capacidade de fabricação anual até 2030. (PV Magazine – 22.03.2022)

<topo>

7 Reino Unido: bp pulse investirá em carregamento de veículos elétricos

A bp pulse, negócio de carregamento de veículos elétricos da bp, anunciou um investimento de US$ 1,2 bilhão em carregamento de veículos elétricos (VE) no Reino Unido. O investimento visa atender à crescente demanda da região por serviços de carregamento de VE, assim como apoiar a eletrificação do transporte no país. Deste modo, o investimento permitirá que o bp pulse forneça carregadores mais rápidos e ultrarrápidos em locais importantes. Nesse caso, os produtos e serviços da frota serão expandidos e novos produtos e serviços digitais de cobrança domiciliar serão lançados, também se espera que a iniciativa crie centenas de novos empregos no Reino Unido. (Samrt Energy – 28.03.2022)

<topo>

8 Tesla abre gigafábrica na Alemanha

A Tesla instalou uma gigafábrica para a produção de veículos elétricos (VE) na Alemanha, a qual já produziu no total 30 carros do modelo TESLA Model Y, que foram entregues aos seus proprietários. De acordo com o primeiro-ministro de Brandemburgo, Dietmar Woidke (SPD), a primeira gigafábrica europeia atrai muita atenção em todos os lugares e garante que o país seja ainda mais conhecido como um local de alta tecnologia. A Tesla também tem planos para a produção de baterias de íon-lítio em Brandemburgo, podendo surgir uma cadeia de valor para a eletromobilidade. (PV Magazine – 22.03.2022)

<topo>

9 Itron trabalhará em novo programa de carregamento de veículos elétricos da Duke Energy Florida

A Duke Energy Florida implantará a solução DER Optimizer da Itron para executar seu novo programa de carregamento de veículos elétricos gerenciados (VE), a tecnologia permitirá que as concessionárias gerenciem o programa. O DER Optimizer fornecerá créditos para os proprietários de VEs carregarem seus veículos fora do horário de pico. A Itron está se integrando a uma plataforma abrangente de telemática para veículos elétricos fornecida pela Rolling Energy Resources, que se conecta aos carros por meio de suas APIs nativas (Application Programming Interfaces). A conexão com a API permite a integração fácil para clientes e seus veículos no programa sem a necessidade de instalar hardware adicional ou estações de carregamento comunicantes. (Daily Energy Insider – 23.03.2022)

<topo>

 

 

Eficiência Energética

1 EPE: Estudo sobre demanda de energia e eficiência energética para condicionamento de ar

A Empresa de Pesquisa Energética (EPE) desenvolveu um novo estudo para avaliar a demanda de energia para condicionamento de ar nas residências brasileiras e a eficiência energética alcançada. Em parceria com a Universidade Federal do ABC (UFABC) e apoio da FAPESP, a proposta desta pesquisa é analisar posses e hábitos dos equipamentos elétricos utilizados em domicílios, em conjunto ao cálculo de energia evitada, de forma a projetar a demanda de eletricidade dos condicionadores até 2036 e a eficiência de energia dos aparelhos em uso. Para realizar as projeções de demanda de energia das residências nos estudos de planejamento, a EPE utiliza o Modelo de Projeção de Energia do Setor Residencial (MSR), que adota uma metodologia baseada na abordagem bottom-up, para os serviços energéticos relacionados à eletricidade. Somado a uma abordagem top-down para as demais fontes de energia usadas nos domicílios nacionais. (EPE – 22.03.2022)

<topo>

2 Como melhorar a eficiência energética das residências?

Por ocasião do Dia Mundial do Clima, a Solarwatt, empresa líder no mercado europeu na produção de módulos solares, ofereceu uma série de dicas para melhorar a sustentabilidade de uma casa, com o objetivo de ajudar os consumidores residenciais a melhorar sua eficiência energética. Inicialmente a empresa sugeriu que os consumidores calculassem os gastos com o consumo de energia da residência para identificar se seria possível reduzir o consumo ou não, outras sugestões incluíram a medição do isolamento térmico, a redução do consumo de água, o uso de eletrodomésticos mais eficientes e a instalação sistemas residenciais de energias renováveis, como a solar. Estima-se que uma casa de 120 metros quadrados pode evitar a emissão de 1.100 kg de CO2 se instalar painéis fotovoltaicos para mudar seu consumo para energia limpa. (Energías Renovables – 25.03.2022)

<topo>

3 A proteção solar inteligente pode reduzir o consumo de energia dos edifícios em até 60%

O sombreamento solar automatizado, que facilita a regulação da quantidade de energia solar que entra no interior do edifício, pode reduzir o consumo de energia para resfriamento em edifícios europeus em até 60% até 2050, evitando 100 milhões de toneladas de emissões de CO2 e economizando 285 bilhões de euros. Estes são os principais resultados de um estudo realizado pela consultoria Guidehouse, que comparou o impacto da proteção solar com o uso de ar-condicionado em edifícios. Segundo a ES-SO, organização que reúne o setor europeu de proteção solar, este estudo demonstra a existência de uma necessidade urgente de automatizar a proteção solar para que os edifícios sejam mais resistentes ao clima e mais eficientes energeticamente, induzindo assim os agentes políticos da União Europeia (UE) a tornar obrigatória a proteção solar inteligente ao abrigo da Diretiva Europeia de Eficiência Energética dos Edifícios. (Energías Renovables – 24.03.2022)

<topo>

4 EUA: Legisladores de Maryland estabelecem meta de economia de energia para famílias de baixa renda

Os legisladores de Maryland aprovaram uma legislação, que estipula uma meta 1% de economia energia anualmente para famílias de baixa renda até 2026. Para atingi-la, o estado precisará realizar os investimentos necessários por meio de seu Departamento de Habitação e Desenvolvimento Comunitário (DHCD). O estado já possui um programa de eficiência energética chamado EmPOWER, que foi lançado há mais de uma década e atualmente tem uma meta de economizar anualmente 2%, mas os esforços direcionados às famílias de baixa renda foram delegados ao DHCD, que historicamente não tem uma meta. Segundo análise da Gabel Associates, empresa de consultoria em energia, meio ambiente e serviços públicos, atingir a meta de cinco anos pode custar mais de US$ 377 milhões, mas o investimento deve gerar economia para todos os clientes do estado. (Utility Dive – 23.03.2022)

<topo>

5 Baker Hughes trabalhará em soluções de eficiência energética

A empresa de tecnologia de energia Baker Hughes está colaborando com a C3 AI, Accenture e Microsoft em soluções de gerenciamento de ativos industriais (IAM) para clientes nos setores de energia e industrial. A colaboração se concentrará na criação e implantação de soluções de IAM da Baker Hughes, que usam tecnologias digitais para ajudar a melhorar a segurança, a eficiência e o perfil de emissões dos equipamentos industriais e de campo, bem como outros ativos físicos. As soluções IAM ajudam a otimizar os equipamentos da planta, os processos operacionais e as operações de negócios, por meio de tempo de atividade aprimorado, maior flexibilidade operacional, planejamento de capital e gerenciamento de eficiência energética. (EE Online – 23.03.2022)

<topo>

 

 

Microrredes e VPP

1 EUA: Comunidades tribais implementam microrredes para aumentar a segurança energética

EUA: Comunidades tribais implementam microrredes para aumentar a segurança energética Comunidades tribais nos EUA estão procurando aumentar sua segurança e resiliência energética por meio de microrredes. Na Califórnia, por exemplo, o conselho tribal do Blue Lake Rancheria começou a desenvolver sua microrrede em 2011 em um esforço para apoiar sua comunidade durante emergências e falta de eletricidade. A resiliência fornecida pela microrrede tribal tem sido fundamental para a comunidade e a área ao redor, pois fornece energia durante os recentes desligamentos de segurança das concessionárias de energia. Outras comunidades indígenas seguiram o exemplo no desenvolvimento de microrredes e outras fontes resilientes de eletricidade. Agora, os esforços de segurança energética de 13 comunidades indígenas americanas e nativas do Alasca estão recebendo um apoio de US$ 9 milhões em financiamento do Departamento de Energia (DOE) para 14 projetos que usarão armazenamento solar e bateria, recursos hídricos e geotérmicos e outras energias limpas. (Microgrid Knowledge– 28.03.2022)

<topo>

 

 

Tecnologias e Soluções Digitais

1 DEWA lança programa de aprendizado de automação de processos robóticos

A Autoridade de Eletricidade e Água de Dubai (DEWA) lançou o Programa de Treinamento em Automação de Processos Robóticos (RPA) visando qualificar os funcionários da DEWA. Isto aumentará sua contribuição para melhorar a produtividade e o ritmo das operações da companhia. O programa incluiu mais de 10 oficinas de treinamento, com a participação de 24 funcionários de diferentes divisões. Os funcionários participantes irão receber certificados credenciados globalmente. Por meio da Digital DEWA, o braço digital da DEWA, a companhia trabalha para revolucionar o conceito de concessionária, e se tornar a primeira concessionária digital do mundo com sistemas autônomos de energia renovável e armazenamento, ao mesmo tempo em que expande seu uso de Inteligência Artificial (IA) e serviços digitais, segundo o CEO Mohammed Al Tayer. (Eletric Energy Online – 25.03.2022)

<topo>

2 Mais de 115 milhões de edifícios inteligentes serão implantados até 2026

Um novo estudo da Juniper Research, companhia especializada em mercados digitais de grande potencial, descobriu que o número global de edifícios implantando tecnologias de construção inteligente chegará a 115 milhões em 2026, ante aos 45 milhões em 2022. Este crescimento de mais de 150% reflete a crescente demanda por eficiência energética de empresas e edifícios residenciais. As remessas globais de sensores usados em edifícios inteligentes excederão 1 bilhão anualmente em 2026, de 360 milhões em 2022. Os sensores, quando combinados com plataformas de gerenciamento inteligente, permitem flexibilidade aos edifícios inteligentes. Elementos como iluminação, aquecimento e ventilação são, assim, adaptados às necessidades de vida. O relatório recomenda que os fornecedores de edifícios inteligentes façam parceria com fornecedores de IA para maximizar os benefícios da automação. (Smart Energy – 28.03.2022)

<topo>

3 Mercado de medidores inteligentes de eletricidade atingirá US$ 15,2 bilhões até 2026

Um novo estudo de mercado da Global Industry Analysts Inc. (GIA), companhia de pesquisa de mercados no setor industrial, mostra que o mercado global de medidores inteligentes de eletricidade deve atingir US$ 15,2 bilhões até 2026. Em meio à crise do COVID-19, o mercado global de medidores, atualmente estimado em US$ 11,4 bilhões, está projetado para crescer a uma taxa de crescimento anual composta (CAGR) de 6,7% durante o período de análise. O estudo descobriu que o crescimento do mercado será impulsionado por vários fatores, como o aumento da necessidade de produtos e serviços que possibilitem a conservação de energia; iniciativas governamentais para instalar medidores elétricos inteligentes; capacidade dos medidores elétricos inteligentes de reduzir os custos de coleta manual de dados e evitar perdas de energia devido a roubo e fraude; aumento dos investimentos em estabelecimentos de redes inteligentes; entre outros. (Smart Energy – 24.03.2022)

<topo>

 

 

Segurança Cibernética

1 Agências federais alertam que operações cibernéticas russas representam ameaça contínua à infraestrutura de energia dos EUA

A Agência de Segurança Cibernética e Infraestrutura (CISA), o FBI e o Departamento de Energia dos Estados Unidos (DOE) avaliaram que as operações cibernéticas russas patrocinadas pelo governo continuam sendo uma grande ameaça ao setor de energia dos EUA. Segundo o relatório, são apresentados detalhes de várias campanhas que atingiram organizações do setor de energia dos EUA e internacionais entre 2011 e 2018. O relatório também mostra que os ataques de hackers patrocinados pelo Estado russo não cessaram. As agências federais apontaram três ações que as indústrias privadas e suas redes poderiam tomar para mitigar as ameaças cibernéticas percebidas: implementação de uma forte segmentação de rede entre redes de TI e sistemas de controle industrial (ICS); exigência de autenticação multifator para acesso ao sistema; e gerenciar a criação, modificação, uso e permissões para contas privilegiadas. (Daily Energy Insider – 28.03.2022)

<topo>

 

 

Eventos

1 Wood Mackenzie: Conferência Europeia de Energia e Renováveis

O ano de 2022 será marcante para o setor europeu de energia, uma vez que o mercado enfrenta preços perigosamente voláteis, temores de “greenflation” e crescentes riscos geopolíticos. Com este panorama, os reguladores de energia europeus e nacionais, empresas de serviços públicos, desenvolvedores de energia solar e eólica, assim como investidores institucionais e privados determinarão como o setor de energias renováveis pode evoluir na próxima década para atingir as metas ambiciosas de redução de emissões. Deste modo, a Wood Mackenzie receberá líderes da indústria de energia europeia na Conferência Europeia de Energia e Renováveis, nos dias 25 a 26 de abril. A conferência, que ocorrerá no formato híbrido, tem como objetivo examinar os melhores modelos de negócios, mudanças regulatórias, novas tecnologias e estratégias de investimento para o setor. (Wood Mackenzie – 24.03.2022)

<topo>

 

 

Artigos e Estudos

1 Artigo GESEL: “Inovação no setor elétrico brasileiro”

Em artigo publicado pelo Broadcast Energia, Nivalde de Castro, professor do Instituto de Economia da UFRJ e coordenador do Grupo de Estudos do Setor Elétrico (GESEL-UFRJ), em coautoria com Fernando de Almeida Prado Júnior, professor de Pós-graduação da Escola Politécnica da USP, e Lorrane Câmara, pesquisadora plena do GESEL-UFRJ, analisam o paradigma de inovações no setor elétrico brasileiro. Segundo os autores, “muitas indústrias, como a financeira, de varejo e do entretenimento, a economia compartilhada e os sistemas de comunicação, especialmente a telefonia, sofreram alterações fundamentais e tiveram que se reinventar. O aumento do poder do consumidor, a entrada de novos players, desafiando os tradicionais incumbentes, a necessidade de respostas urgentes a problemas decorrentes da crise climática e a crescente exposição a tecnologias digitais são vetores que têm desafiado e impulsionado a inovação nessas indústrias e que também acometem o setor elétrico”. Para ler o artigo na íntegra, clique aqui. (GESEL-IE-UFRJ – 25.03.2022)

<topo>

2 Artigo de Pedro Okuhara: “Como a evolução digital pode contribuir para a eficiência energética?”

Em artigo publicado pela Agência CanalEnergia, Pedro Okuhara, especialista de produto e aplicação da Mitsubishi Electric, aborda os desafios do gerenciamento de energia para as indústrias brasileiras. Segundo Pedro, “não existe uma solução única para o gerenciamento de energia, essa é uma medida que precisa ser estudada caso a caso, iniciando sempre pelo mapeamento de consumos e cargas de uma empresa ou indústria. A decisão mais oportuna neste sentido é o rateio de energia nos centros de custos, muito apropriado para customizar um plano eficiente de gestão de energia, baseado em alocação real dos dados de consumo”. Porém, o autor sublinha o papel das novas tecnologias nesse novo cenário: “um passo fundamental rumo a este caminho está na digitalização dos processos, um dos principais elementos da Indústria 4.0. Com a utilização de diversas tecnologias, é possível fazer o monitoramento contínuo dos custos com energia elétrica e utilidades, em tempo real e online, realizando o rateio do consumo total da empresa ou indústria em suas respectivas áreas de negócios, departamentos ou unidades consumidoras, ou até mesmo por unidade produzida”. Para ler o texto na íntegra, clique aqui. (GESEL-IE-UFRJ – 24.03.2022)

<topo>

3 GESEL publica Observatório de Tecnologias Exponenciais Nº 04

O GESEL está lançando o relatório Observatório de Tecnologias Exponenciais número quatro. O documento visa contribuir com a sistematização e a divulgação do conhecimento, identificando, com base no Informativo Eletrônico Tecnologia, o papel das tecnologias exponenciais no processo de transição energética, bem como as estratégias e iniciativas para a sua aplicação que estão sendo adotadas nos setores elétricos nacional e internacional. Se referindo ao mês de dezembro e janeiro, o documento mostra o destaque da eficiência energética e das tecnologias e soluções digitais inseridas no contexto dos 3 D’s da transição energética: descarbonização, descentralização e digitalização. Para ler o artigo na íntegra, acesse aqui. (GESEL-IE-UFRJ – 25.03.2022)

<topo>

4 Artigo de José Virgílio Lopes Enei: “O Brasil precisa de energia limpa?”

Em artigo publicado pelo Estadão, José Virgílio Lopes Enei (sócio de infraestrutura do Machado Meyer Advogados) examina o potencial de eólica do Brasil. Segundo o autor, “aponta-se para um cenário incerto. Mas ainda é possível viabilizar as eólicas offshore no médio prazo, e não para as calendas, desde que o Decreto, que não deveria inovar, mas consolidar a legislação vigente, seja interpretado e aplicado de forma coerente e com segurança jurídica. Em grande medida, basta que as normas complementares recepcionem e consolidem a legislação vigente, a qual já oferece resposta adequada a praticamente todos os pontos pendentes. Sejamos então otimistas de que a regulamentação seguirá tal caminho e que a burocracia será vencida. Afinal, o Brasil não pode prescindir por mais uma ou duas décadas dessa fantástica fonte de energia.” Para ler o texto na íntegra, clique aqui. (GESEL-IE-UFRJ – 25.03.2022)

<topo>

5 Relatório EIA: “Annual Energy Outlook 2022”

Até o ano de 2050, 44% da geração de energia dos Estados Unidos será proveniente de geração renovável, em grande parte graças ao aumento da implantação de energia eólica e solar, de acordo com as últimas expectativas da Energy Information Administration (EIA). Em seu Annual Energy Outlook 2022, o EIA fez uma projeção de caso de referência com base nas leis e regulamentos atuais. Este relatório estimou que a energia solar será a preferência para atingir um sistema de energia cada vez mais limpo, superando a geração eólica no início da próxima década. Ao mesmo tempo, a participação total da geração de energia por combustível fóssil dos EUA provavelmente diminuirá 16%, para 44%, devido ao recuo contínuo do carvão e às previsões de crescimento mais lento para a geração a gás natural. Para ler o texto na íntegra, clique aqui. (Daily Energy Insider – 22.03.2022)

<topo>

6 Relatório: “Future Facing Mined Commodities Forum”

Elementos de terras raras são parte integrante de inúmeras aplicações que usamos na vida cotidiana, desde o fósforo em telas de televisão até os pós de polimento usados para produzir microchips. Historicamente, a indústria de terras raras tem sido dominada pelos elementos de alto volume e baixo valor usados nessas áreas – mas a transição energética está oferecendo oportunidades importantes de crescimento. No recente Future Facing Mined Commodities Forum, estudo realizado pela Wood Mackenzie, explora-se como as principais indústrias dependem de terras raras para atingir as metas de eficiência e emissões e o que isso significa para preços e demanda. Para ter acesso ao estudo na íntegra, clique aqui. (Wood Mackenzie – 23.03.2022)

<topo>

7 Relatório: “Accelerated Energy Transition (AET) 1.5 – Degree scenario”

A Wood Mackenzie, uma empresa da Verisk, revelou em seu mais recente relatório, que o mundo precisa dobrar os planos para atingir a meta de limitar o aumento das temperaturas globais a 1,5 °C até 2050. Ao longo do último ano, a forte recuperação da demanda e a falta de investimento na oferta fizeram com que os preços subissem em todos os setores. A segurança energética e as tensões geopolíticas adicionaram uma incerteza sem precedentes aos mercados em todo o mundo. Além disso, países e empresas ainda enfrentam o enorme desafio de limitar o aquecimento global a 1,5 °C. Para ter acesso ao estudo na íntegra, clique aqui. (Wood Mackenzie – 23.03.2022)

<topo>


Equipe de Pesquisa UFRJ
Editor: Prof. Nivalde J. de Castro (nivalde@ufrj.br)
Subeditores: Fabiano Lacombe, Lorrane Câmara e Luiza Masseno
Pesquisadores:
Cristina Rosa, Matheus Balmas e Pedro Barbosa
Assistente de pesquisa: Sérgio Silva

As notícias divulgadas no IFE não refletem necessariamente os pontos da UFRJ. As informações que apresentam como fonte UFRJ são de responsabilidade da equipe de pesquisa sobre o Setor Elétrico, vinculada ao NUCA do Instituto de Economia da UFRJ.

POLÍTICA DE PRIVACIDADE E SIGILO
Respeitamos sua privacidade. Caso você não deseje mais receber nossos e-mails,  Clique aqui e envie-nos uma mensagem solicitando o descadastrado do seu e-mail de nosso mailing.


Copyright UFRJ

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: