IFE.H2 72

Informativo Eletrônico – Geração de Energia com Hidrogênio nº 72 – publicado em 16 de março de 2022.

IFE: Informativo Eletrônico de Hidrogênio – GESEL-UFRJ <!–

l

IFE: nº 72 – 16 de março de 2022
http://gesel.ie.ufrj.br/
gesel@gesel.ie.ufrj.br

Editor: Prof. Nivalde J. de Castro

Índice

Políticas Públicas e Financiamentos
1
Austrália-Alemanha: Países abrem oficialmente nova estrutura de financiamentos de hidrogênio
2 Emirados Árabes Unidos-Áustria: Países assinam acordo para explorar tecnologias de hidrogênio
3 Espanha: País pede financiamento da UE para interligação de ‘gás verde’ para o resto da Europa
4 Estados Unidos: National Fuel junta-se ao consórcio US Clean Hydrogen Partnership
5 Estados Unidos: Vários estados competem em conjunto pelo financiamento do hub de hidrogênio
6 Europa: Fundo de 300 milhões de euros será disponibilizado para hidrogênio e células a combustível
7 Europa: UE elabora plano para aumentar a produção de hidrogênio
8 Índia: IH2A recomenda estabelecer cinco hubs em escala de GW nos próximos 18 meses
9 Reino Unido: Aliança pede ao governo que intensifique a produção de hidrogênio para diminuir a dependência do gás natural

Produção
1 Austrália: Planos de hub de hidrogênio em Newcastle revelados pela Origin e Orica
2 Austrália: Queensland e FFI fecham acordo de hidrogênio verde
3 Noruega: País construirá nova instalação que usa eletrolisadores para produzir e-combustíveis
4 EUA: Green Hydrogen International está prestes a desenvolver planta de H2V de 60 GW
5 África do Sul: Empresas visam estabelecer prova de conceito para produzir hidrogênio verde
6 França: Air Liquide recebe apoio francês para desenvolver planta de HV de 200 MW
7 Omã: Scatec e Acme realizam parceria para desenvolver projeto de H2V e amônia verde

Armazenamento e Transporte
1 Alemanha: RWE desenvolverá nova instalação de armazenamento de hidrogênio até 2027
2 Austrália: Tecnologia de bateria de hidrogênio australiana será testada no Reino Unido
3 Reino Unido: Parceria para injetar hidrogênio verde no Sistema Nacional de Transmissão

Uso Final
1 Canadá: Novo conceito de célula a combustível de alta potência para alimentar navios recebe aprovação
2 Coréia do sul: Inovação no catalisador de células a combustível usando semicondutores
3 EUA: Chevron e Iwatani irão desenvolver 30 estações de hidrogênio na Califórnia até 2026
4 Finlândia: Start-up se compromete com o desenvolvimento de 50 estações de hidrogênio até 2030

5 Países Baixos: Airbus testará motor a hidrogênio em passo para a aviação de emissão zero
6 Países Baixos/Austrália: Airbus e Fortescue Future Industries focam na indústria de aviação
7 Reino Unido: Sistema de aquecimento híbrido inteligente a hidrogênio testado com sucesso

Tecnologia e Inovação
1 Alemanha: Eletrolisador plug & play para produção de hidrogênio verde
2 Austrália: Produção de hidrogênio renovável a partir de água reciclada
3 EUA: Gold Hydrogen Program lança programa para biofabricação de hidrogênio em subsuperfície
4 EUA: Mote Hydrogen quer remover carbono nocivo do ar e usá-lo para produzir energia limpa

5 EUA: Novas membranas revestidas com catalisador para produção de hidrogênio verde
6 Índia: Hidrogênio verde indiano custará US$ 5/kg

Eventos
1 Hydrogen Insights: The UK Hydrogen Vision
2 Seminário: “Hydrogen Supply Chains Between Japan and Australia”
3 Webinar: “Biomass and Hydrogen opportunities in Canada”
4 Webinar: “Hydrogen and Fuel Cells- Technology and Market Perspective”

5 Webinar “Hidrogênio Renovável: Produção científica, patentes e projetos comerciais”
6 Webinar: “Marine Fuel Cells – where are we now?”
7 Webinar: “Public Sector Decarbonisation”

Artigos e Estudos
1 IRENA: Hidrogênio Verde para a Indústria – Um Guia para Elaboração de Políticas
2 Análise sobre os impactos climáticos da produção de hidrogênio azul
3 Nova pesquisa sobre a adoção de uma estrutura de crédito de hidrogênio verde para torná-lo competitivo
4 Novo estudo de revisão “Descarbonização da energia a partir da amônia ou hidrogênio verde?”

5 Potencial de produção de hidrogênio verde a partir de energia eólica na Turquia
6 Comparação crítica das tecnologias de produção de hidrogênio verde, turquesa, azul e cinza por avaliação de ciclo de vida



 

 

Políticas Públicas e Financiamentos

1 Austrália-Alemanha: Países abrem oficialmente nova estrutura de financiamentos de hidrogênio

No dia 8 de março, a Austrália e a Alemanha reforçaram seus compromissos com o hidrogênio a partir da abertura oficial da Incubadora de Inovação e Tecnologia, em uma rodada de financiamento ao longo da cadeia de fornecimento de hidrogênio. A iniciativa HyGate visa facilitar a colaboração entre parceiros australianos e alemães, apoiando projetos piloto, experimentais e de demonstração sob o âmbito do Programa Advancing Renewables (ARP). A Austrália e a Alemanha comprometeram, respectivamente, até US$ 50 milhões e € 50 milhões para estabelecer a Iniciativa HyGATE. Este novo programa pode fornecer ajuda crucial para empresas australianas e alemãs apoiarem umas às outras em seus objetivos e metas de hidrogênio. O financiamento servirá para projetos em fase de implantação relacionados a qualquer aspecto ao longo de toda a cadeia de valor do hidrogênio produzido a partir de fontes renováveis – desde a geração de hidrogênio a partir de fontes renováveis, processamento de derivados como combustíveis sintéticos ou amônia verde, até transporte, armazenamento, uso e desbloqueio de modelos comerciais ou de financiamento. (ARENA – 08.03.2022)

<topo>

2 Emirados Árabes Unidos-Áustria: Países assinam acordo para explorar tecnologias de hidrogênio

No dia 7 de março, a Áustria e os Emirados Árabes Unidos assinaram um memorando de entendimento (MoU) para apoiarem projetos de descarbonização e oportunidades de cooperação no âmbito do hidrogênio. A parceria estabelecida entre o Ministério da Indústria e Tecnologia Avançada (MoIAT) e o Ministério Federal das Finanças da República da Áustria tem o compromisso de ampliar as relações bilaterais e lançar uma nova era de cooperação para impulsionar o crescimento em seus respectivos países, especialmente em setores prioritários como o setor de energia. Ao garantir o acordo, os dois países estabelecem uma base para explorar a tecnologia e usar a experiência de ambos para reforçar a inovação no ecossistema de hidrogênio. O Dr. Sultan bin Ahmed Al Jaber, Ministro da Indústria e Tecnologia Avançada dos Emirados Árabes Unidos, disse: “O memorando de entendimento para uma cooperação abrangente no campo da tecnologia de hidrogênio entre os Emirados Árabes Unidos e a Áustria visa se beneficiar dos pontos fortes de ambos os lados e contribuir para fortalecer a posição do país como produtor líder mundial no setor de energia.” (Emirates News Agency – 07.03.2022)

<topo>

3 Espanha: País pede financiamento da UE para interligação de ‘gás verde’ para o resto da Europa

O primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, pediu à União Europeia que financie as interconexões de gás com o resto da Europa, afirmando que a nova infraestrutura também deve incluir gases verdes, como o hidrogênio. A invasão da Rússia à Ucrânia já causou um impacto na economia europeia, acarretando em um aumento exponencial nos preços da energia. O governo espanhol insiste que será um dos menos afetados pela crise do gás graças à sua extensa rede de terminais de GNL e pretende facilitar o transporte para outros países, através das interconexões que permitirão entregas fora da Espanha. No entanto, Sánchez afirma também que os custos necessários para construção da infraestrutura devem ser cobertos pelo orçamento da UE. O primeiro-ministro espanhol também apoia a ideia de que a nova infraestrutura deve ser projetada para gás verde e hidrogênio, sendo financiada por orçamentos europeus. A Espanha possui a maior rede de usinas de regaseificação da Europa, com infraestrutura capaz de transportar grandes carregamentos de gás natural liquefeito (GNL), o que traz uma grande vantagem em um momento em que o fornecimento da Rússia corre o risco de ser interrompido. A Comissão Europeia apoia a ideia de transformar a Espanha em um importante centro europeu de gás, porém, ainda há problemas em levar o gás da Espanha para a Europa. (Euractive – 09.03.2022)

<topo>

4 Estados Unidos: National Fuel junta-se ao consórcio US Clean Hydrogen Partnership

A National Fuel Gas Distribution, sediada nos EUA, juntou-se a um novo consórcio para construção da economia do hidrogênio limpo nos EUA, com o objetivo de dimensionar a tecnologia para descarbonizar setores difíceis de reduzir suas emissões. Os parceiros do consórcio Building the Clean Hydrogen Partnership, estão se preparando para executar pelo menos três projetos pilotos de hidrogênio: transporte pesado no sudoeste dos EUA, produção de amônia verde em Nova York e integração do hidrogênio azul e verde para aplicações industriais, usinas de pico e transporte pesado no Golfo. O consórcio, atualmente com cerca de 20 organizações, também se concentrará em projetos que ofereçam a capacidade de escalar e serem replicáveis para um impacto significativo na descarbonização nos EUA. Atualmente, aderiram ao consórcio. Donna L. DeCarolis, Presidente de Distribuição da National Fuel, disse: “Na National Fuel, estamos fortemente focados na incorporação de combustível de baixo e zero carbono em nossa infraestrutura de entrega, que acreditamos ser criticamente importante para a obtenção de economia líquida de zero carbono”. (National Fuel – 02.03.2022)

<topo>

5 Estados Unidos: Vários estados competem em conjunto pelo financiamento do hub de hidrogênio

Colorado, Utah, Novo México e Wyoming irão competir a uma parte dos US$ 8 bilhões alocados pelo Departamento de Energia dos EUA, para o desenvolvimento de centros regionais de hidrogênio limpo. Os governadores dos estados revelaram no dia 24 de fevereiro suas intenções de desenvolver um hub de hidrogênio para utilizar recursos naturais altamente disponíveis na região, como energia eólica, solar, biomassa, gás natural e outros recursos energéticos de alta qualidade. Um Memorando de Entendimento (MoU) assinado entre os estados solidifica ainda mais os esforços, com os quatro estados concordando em colaborar na coordenação e desenvolvimento dos potenciais centros de hidrogênio. A governadora do Novo México, Michelle Lujan Grisham, disse: “O Novo México está orgulhoso de fazer parte desta poderosa colaboração com outros governadores ocidentais durante este período crucial de expansão da energia limpa. O Colorado também prevê para estabelecer uma economia de hidrogênio. Tendo já assumido vários compromissos de descarbonização, as autoridades da região veem o hidrogênio como uma solução fundamental. (Página da governadora do Novo México – 02.2022)

<topo>

6 Europa: Fundo de 300 milhões de euros será disponibilizado para hidrogênio e células a combustível

Com as tecnologias de energia limpa ganhando mais espaço na Europa, a Clean Hydrogen Partnership está lançando sua primeira chamada de propostas para impulsionar o desenvolvimento de tecnologias de hidrogênio e células a combustível, no valor de € 300 milhões (US$ 334 milhões). O hidrogênio e as células a combustível oferecem uma oportunidade única para descarbonizar vários setores de difícil redução, ao mesmo tempo em que evitam indústrias de recorrerem à eletrificação. A apresentação de propostas à chamada terá como objetivo aumentar a produção de hidrogênio renovável, reduzir seus custos, desenvolver suas soluções de armazenamento e distribuição e estimular o uso de hidrogênio de baixo carbono em diferentes setores. Além disso, a chamada também ajudará a estabelecer uma base para a implantação de vales de hidrogênio em toda a UE, permitindo uma maior descarbonização da região. Bart Biebuyck, diretor executivo da Clean Hydrogen Partnership, disse que este investimento é essencial para garantir o desenvolvimento de uma economia dinâmica de hidrogênio de diversos inovadores, fabricantes, produtores e usuários finais em toda a UE para uma economia sustentável e próspera baseada em hidrogênio. Clique aqui para acessar o requerimento para o financiamento. (Clean Hydrogen Partnership – 28.02.2022)

<topo>

7 Europa: UE elabora plano para aumentar a produção de hidrogênio

A Comissão Europeia revelou no dia 8 de março um plano totalmente novo para eliminar gradualmente a dependência do gás russo e dos combustíveis fósseis, substituindo-os por hidrogênio. A Comissão nomeada de REPowerEU, declarou que a UE pretende diminuir a dependência energética da Rússia, à luz da invasão da Ucrânia, e acelerar os planos de adoção do hidrogênio em maior escala. As metas poderão também ser alcançadas antes de 2030, segundo o órgão. A produção de volumes maiores de hidrogênio renovável e importações auxiliará na eliminação gradual dos combustíveis fósseis em vários setores e será fundamental para o planejamento. Esta aceleração do uso do hidrogênio, de acordo com a Hydrogen Europe, deve se concentrar em vários pilares fundamentais para apoiar a economia, incluindo substituição, reaproveitamento e reinvestimento. A UE abriga seis dos dez maiores fabricantes de eletrolisadores do mundo e está na hora dos pioneiros da energia limpa serem apoiados adequadamente. O reaproveitamento incluirá ativos de gás natural e a construção de uma infraestrutura de hidrogênio que engloba armazenamento, terminais e ativos de importação. (European Comission – 08.03.2022)

<topo>

8 Índia: IH2A recomenda estabelecer cinco hubs em escala de GW nos próximos 18 meses

A Aliança Indiana de Hidrogênio (IH2A) revelou no dia 3 de março que a Índia deve procurar estabelecer uma força-tarefa para estabelecer centros de hidrogênio em todo o país. Com isso, o IH2A propõe a criação de uma Força-Tarefa Público-Privada, denominada H2Bharat, para a construção de um hub nacional de hidrogênio em escala de GW, apoiando a crescente economia de hidrogênio na Índia. Uma recomendação importante apresentada pelo IH2A é estabelecer pelo menos cinco hubs de hidrogênio verde no país nos próximos 18 meses, o que poderia fornecer um efeito dominó para diversos setores em todo o país. Ao fazer isso, o governo fornece uma base para dimensionar o uso do hidrogênio na Índia e ajuda a acelerar a adoção entre vários setores difíceis de descarbonizar. Entre as etapas seguintes que devem ser incorporadas à Índia foi sugerido que o país deve replicar as melhores práticas dos hubs globais em escala de GW com modelos de produção e consumo de hidrogênio verde, em um único cluster ou hub para comercializar hidrogênio verde. Além disso, a IH2A detalhou que os hubs devem ser designados como projetos nacionais ou projetos especiais de importância nacional com incentivos especiais e financiamento público para apoiar o desenvolvimento da cadeia de valor do hidrogênio. (Indian Hydrogen Alliance – 03.03.2022)


<topo>

9 Reino Unido: Aliança pede ao governo que intensifique a produção de hidrogênio para diminuir a dependência do gás natural

Com a Comissão da UE já destacando a necessidade de acelerar a economia do hidrogênio para romper com a dependência do gás natural russo, no dia 7 de março, a Energy and Utilities Alliance (EUA) pediu ao Reino Unido que siga os mesmos passos de outros países e faça o mesmo. Ao apoiar a inovação do hidrogênio e sua integração na sociedade britânica, o governo pode ajudar a quebrar o controle que a Rússia tem sobre os mercados europeus de gás e energia, apoiando a transição energética para o hidrogênio. O progresso das energias renováveis ajuda a UE e o Reino Unido não apenas a descentralizar o sistema energético, mas também a se tornarem independentes da Rússia. Mike Foster, CEO da Energy and Utilities Alliance, pediu pessoalmente ao governo do Reino Unido que apoie ainda mais o hidrogênio para conseguir isso. (Energy and Utilities Alliance – 07.03.2022)

<topo>

 

 

Produção

1 Austrália: Planos de hub de hidrogênio em Newcastle revelados pela Origin e Orica

Um eletrolisador de 55 MW fornecerá suprimento à cadeia de produção de hidrogênio verde em escala comercial na cidade de Newcastle, na Austrália. A Origin Energy e a Orica uniram forças para atuar no projeto do hub e esperam ver o hidrogênio verde produzido a partir da água e eletricidade renovável. O setor de transporte deve se beneficiar do hub, com vários operadores de veículos pesados e de transporte, como Red Bus Services e Aluminium Revolutionary Chassis Company (ARCC), se comprometendo a apoiar o projeto. A Austrália já fez grandes compromissos com a mobilidade elétrica usando hidrogênio e continua a florescer no mercado, buscando um futuro descarbonizado. Frank Calabria, CEO da Origin Energy, disse que a oportunidade é importante para explorar ainda mais como o hidrogênio verde pode ajudar a impulsionar um futuro mais limpo em sistemas de produção, transporte e outros clientes industriais na Austrália. (H2 View – 28.02.2022)

<topo>

2 Austrália: Queensland e FFI fecham acordo de hidrogênio verde

O estado de Queensland, na Austrália, está um passo mais perto de possuir uma usina de hidrogênio, tendo revelado planos de eletricidade renovável para alimentar projetos de hidrogênio propostos a serem desenvolvidos pela Fortescue Future Industries (FFI). Formalizado sob um acordo entre a FFI e a Powerlink and Economic Development Queensland, de propriedade pública, o esforço verá as instalações da FFI em Gibson Island, que devem produzir 50.000 toneladas de hidrogênio renovável anualmente, alimentadas por energia elétrica verde. Já focada em como apoiar este local, a Powerlink disse que construirá um novo switchyard de 275kV na subestação existente Murarrie e dois alimentadores de 275kV para Gibson Island. O vice-primeiro-ministro e ministro do Desenvolvimento do Estado, Steven Miles, disse: “A FFI está buscando construir uma instalação em Gibson Island para produzir cerca de 50.000 toneladas de hidrogênio renovável por ano. A conexão com a rede de transmissão é vital para permitir que a energia verde alimente esta instalação. (Queensland Government – 25.02.2022)

<topo>

3 Noruega: País construirá nova instalação que usa eletrolisadores para produzir e-combustíveis

A Noruega deve receber uma nova instalação de produção de combustíveis sintéticos renováveis, na qual os eletrolisadores transformarão o hidrogênio em combustível limpo para o mercado de aviação. Inaugurada no dia 28 de fevereiro, a Norsk e-Fuel será pioneira nesta planta e usará uma tecnologia inovadora de captura direta de ar para filtrar o dióxido de carbono da atmosfera. Este dióxido de carbono é mais tarde processado, juntamente com a água, para e-combustíveis com os eletrolisadores da Sunfire, críticos na criação do e-combustível com hidrogênio, um aspecto fundamental disso. Em um terreno de 24.000 metros quadrados, a Norsk e-Fuel converterá CO2 e água em e-combustíveis para a descarbonização dos setores de difícil eletrificação, como a indústria da aviação. Além disso, a usina usará eletricidade 100% renovável da região. Karl Hauptmeier, diretor administrativo da Norsk e-Fuel, disse: “Para nós, as condições em Mosjøen são muito atraentes. A região tem um excedente substancial de energia renovável a preços competitivos e estáveis. (H2 View – 28.02.2022)

<topo>

4 EUA: Green Hydrogen International está prestes a desenvolver planta de H2V de 60 GW

A Green Hydrogen International, a principal desenvolvedora de hidrogênio verde do mundo, está prestes a desenvolver um projeto denominado como “Hydrogen City” que visa a construção de uma planta de produção e diversos sistemas de armazenamento de hidrogênio no Texas, Estados Unidos (EUA). A planta de produção contará, em sua fase inicial, com eletrolisadores que somarão uma capacidade instalada de 2GW e está prevista que entre em operação no ano de 2026. Atrelada a planta de produção, espera-se que o projeto já possua 2 cavernas de armazenamento neste mesmo ano. Por fim, com o desenvolvimento do projeto, é esperado que, em sua fase final, a planta possua uma capacidade instalada de 60 GW e produza uma quantidade de 2,5 bilhões de quilos de H2V por ano, a fim de utilizá-lo para diversos fins, incluindo a produção de amônia. (Green Hydrogen International – 03.03.2022)

<topo>

5 África do Sul: Empresas visam estabelecer prova de conceito para produzir hidrogênio verde

A Sakhumnotho Power, uma empresa de investimentos, e a Keren Energy, uma empresa de energia renovável, vão estabelecer uma prova de conceito (POC) para desenvolverem um projeto de hidrogênio verde na África do Sul. O projeto visa o desenvolvimento de uma planta de H2V acoplada a um sistema solar fotovoltaico de 100 KW para então produzir o gás limpo. No que concerne ao uso final, o gás pode ser utilizado em diversos segmentos, principalmente no que tange aos setores de difícil eletrificação, sobretudo ao setor de transportes. Entretanto, é um projeto de pequena escala e terá, inicialmente, uma proposta de demonstração da viabilidade da produção do hidrogênio a partir da energia solar da África do Sul. (H2 View – 04.03.2022)

<topo>

6 França: Air Liquide recebe apoio francês para desenvolver planta de HV de 200 MW

A Air Liquide, uma empresa que atua no segmento de gases industriais, recebeu apoio do governo francês para desenvolver um projeto denominado como “Air Liquide Normand’Hy”. O projeto visa o desenvolvimento de uma planta de hidrogênio verde que será abastecida por energias renováveis e contará com uma capacidade instalada de 200 MW. Em termos de usos finais, o hidrogênio pode vir a ser utilizado como combustível no setor de transportes, sobretudo nos transportes pesados – ainda não foi decidido, pois o projeto precisa passar por um estudo de viabilidade. Este projeto contribuirá com o desenvolvimento de uma economia de hidrogênio de baixo carbono na França. (Air Liquide – 08.03.2022)

<topo>

7 Omã: Scatec e Acme realizam parceria para desenvolver projeto de H2V e amônia verde

A Scatec, uma empresa de energia renovável, e a ACME Group, uma empresa que atua no segmento de gases renováveis, realizaram uma parceria para desenvolver um projeto que vai construir uma usina de hidrogênio de grande escala em Omã. A usina contará com eletrolisadores que somarão uma capacidade instalada de 300 MW e será alimentada por 500 MW de energia solar, a fim de promover a produção de hidrogênio verde (H2V). Ademais, em termos de uso final, o gás será utilizado em uma planta de amônia verde que também será construída a partir deste projeto – produzindo então um total de 1,2 milhão de toneladas de amônia verde por ano. (Scatec – 07.03.2022)

<topo>

 

 

Armazenamento e Transporte

1 Alemanha: RWE desenvolverá nova instalação de armazenamento de hidrogênio até 2027

Uma nova iniciativa está programada para ser desenvolvida em Gronau, na Alemanha, já que a RWE Gas Storage West pretende desenvolver uma instalação de armazenamento de hidrogênio até 2027. A RWE reconheceu a importância que o hidrogênio pode ter no ecossistema europeu e, portanto, está buscando ativamente oportunidades para expandir sua presença neste mercado em ascensão. A maior parte da instalação será construída no local da RWE em Kottiger Hook e incorpora uma caverna de sal para armazenamento de hidrogênio em grande escala. A ligação da caverna à instalação acima do solo, bem como a ligação a uma futura rede de transporte de hidrogênio, será feita através de dutos fora do local de armazenamento. O projeto está sendo desenvolvido como parte da iniciativa GET H2. (RWE – 04.03.2022)

<topo>

2 Austrália: Tecnologia de bateria de hidrogênio australiana será testada no Reino Unido

O inovador sistema de armazenamento de energia da empresa de tecnologia australiana Lavo – baseado no armazenamento de hidrogênio verde em hidreto metálico foi patenteado. O sistema atraiu a atenção do governo do Reino Unido que forneceu apoio financeiro para uma instalação de demonstração no noroeste da Inglaterra. Desenvolvido em parceria com o Centro de Pesquisa de Energia de Hidrogênio da Universidade de Nova Gales do Sul, o sistema de armazenamento de energia da Lavo contém um purificador de água e um eletrolisador, usando energia solar para produzir hidrogênio e armazená-lo com segurança em um material sólido, o híbrido de metal patenteado. Quando a energia armazenada é necessária, o hidrogênio pode ser liberado através de uma redução na pressão e desviado para uma célula a combustível para produzir eletricidade utilizável. Para ler mais sobre o projeto da LAVO clique aqui. (PV Magazine – 24.02.2022)

<topo>

3 Reino Unido: Parceria para injetar hidrogênio verde no Sistema Nacional de Transmissão

A Centrica e a National Grid fizeram uma parceria para explorar a possibilidade de injetar hidrogênio verde no Sistema Nacional de Transmissão (NTS) do Reino Unido para descarbonizar as redes de gás. O projeto é a primeira de três fases que se baseia em pesquisas e desenvolvimentos que a National Grid realizou no passado. O projeto não apenas visa a injeção de hidrogênio, mas também sua produção e deve contar com incentivos financeiros apropriados, que apoiam a crescente indústria de hidrogênio no Reino Unido. Se for bem-sucedido, este projeto permitirá que o excesso de eletricidade renovável seja usado para criar hidrogênio, que pode ser injetado na rede de gás – um exemplo de abordagem de ‘sistema completo’ para atingir o zero líquido. (Centrica – 07.03.2022)

<topo>

 

 

Uso Final

1 Canadá: Novo conceito de célula a combustível de alta potência para alimentar navios recebe aprovação

A Ballard Power Systems e a ABB receberam uma aprovação em princípio (AiP) da principal sociedade de classificação DNV (uma sociedade de registro e classificação internacional credenciada) para um conceito de célula a combustível desenvolvido em conjunto. A unidade de célula de combustível de alta potência é capaz de gerar 3 megawatts, ou 4.000 HP, de energia elétrica e atenderá às necessidades de energia de embarcações. O AiP representa um marco importante no desenvolvimento de novas tecnologias, pois a avaliação independente do conceito confirma a viabilidade do projeto mostrando que não existem obstáculos significativos para impedir que o conceito seja realizado. O desenvolvimento bem-sucedido desse sistema se baseia em uma colaboração de três anos entre a ABB e a Ballard Power Systems. (Ballard Power Systems – 23.02.2022)

<topo>

2 Coréia do sul: Inovação no catalisador de células a combustível usando semicondutores

O Instituto de Ciência e Tecnologia da Coréia (KIST) anunciou que a equipe de pesquisa liderada pelo Dr. Sung Jong Yoo do Centro de Pesquisa de Células a Combustível Hidrogênio conseguiu sintetizar nanopartículas por um método físico usando tecnologia de pulverização. O método é uma tecnologia fina de deposição de filme metálico usada na fabricação de semicondutores. A equipe de pesquisa do KIST sintetizou um catalisador nanoparticulado formado por uma liga de platina-cobalto-vanádio usando a tecnologia e o aplicou para a reação de redução de oxigênio, em eletrodos de células a combustível para produção de hidrogênio. A atividade do catalisador resultante foi 7 e 3 vezes maior do que os catalisadores formados pela liga de platina e platina-cobalto, respectivamente, que são utilizados comercialmente nos dias de hoje como catalisadores em células a combustível. Um artigo sobre o trabalho foi publicado na revista Nano Today. Para ler o artigo na íntegra clique aqui. (KIST – 28.02.2022)

<topo>

3 EUA: Chevron e Iwatani irão desenvolver 30 estações de hidrogênio na Califórnia até 2026

A Chevron e a Iwatani confirmaram, no dia 24 de fevereiro, seu compromisso através de um novo acordo que aumentará a disponibilidade do combustível hidrogênio para veículos leves e pesados. As estações abastecerão inicialmente veículos leves, mantendo a flexibilidade de atender veículos pesados a longo prazo. A Chevron planeja fornecer uma parte dos locais de abastecimento com excesso de capacidade de produção de hidrogênio em sua refinaria de Richmond e futura produção de hidrogênio a partir de projetos piloto no norte da Califórnia. A Iwatani operará e manterá as estações de abastecimento de hidrogênio e fornecerá serviços e logística de transporte. A Chevron disse que financiará a construção de cada estação de reabastecimento. (Iwatani – 02.03.2022)

<topo>

4 Finlândia: Start-up se compromete com o desenvolvimento de 50 estações de hidrogênio até 2030

A startup finlandesa HydRe quer conquistar o mercado de mobilidade a hidrogênio e para isso possui planos para desenvolver 50 estações de hidrogênio em todo o país até 2030. Com foco no mercado de transporte pesado, as estações vão oferecer hidrogênio limpo em locais como centros logísticos e principais rodovias de transporte rodoviário. Helsinque, Turku e Tampere foram nomeados como os locais para as primeiras estações da HydRe, previstos para estarem totalmente operacionais até 2024. As estações de alta capacidade também estarão disponíveis para uso público e veículos leves. Apenas hidrogênio limpo produzido localmente será oferecido em cada um dos locais de reabastecimento, um movimento que deve beneficiar a economia local de hidrogênio. (H2 View – 04.03.2022)

<topo>

5 Países Baixos: Airbus testará motor a hidrogênio em passo para a aviação de emissão zero

A Airbus, maior fabricante de aviões do mundo, anunciou planos para testar um motor a jato movido a hidrogênio até meados dessa década, como parte dos esforços para cumprir sua meta de produzir aeronaves de emissão zero até 2035. A fabricante de aeronaves equipará um superjumbo A380 com um motor de propulsão a hidrogênio – um combustível totalmente neutro em carbono produzido com eletricidade verde. O motor a hidrogênio será instalado no corpo principal da aeronave, com quatro turbinas a jato sob as asas. A tecnologia de ponta será desenvolvida em parceria com a fabricante de turbinas CFM International, empresa de propriedade conjunta da General Electric e da francesa Safran Aircraft Engines. O teste está previsto para ocorrer em 2026. (Airbus – 22.02.2022)

<topo>

6 Países Baixos/Austrália: Airbus e Fortescue Future Industries focam na indústria de aviação

A Fortescue Future Industries (FFI) e a Airbus uniram forças, através de uma aliança de trabalho, para auxiliar a descarbonização da indústria da aviação por meio de hidrogênio verde, que deve alcançar emissões zero até 2035. A FFI e a Airbus, através de um MoU, irão analisar especificamente os desafios regulatórios para implementação do hidrogênio verde, infraestrutura e cadeias de suprimentos globais – desde a sua produção até a entrega em aeroportos e transferência para aeronaves. A FFI fornecerá perspectivas de custo e direcionadores de tecnologia nos vários elementos da cadeia de valor e criará cenários de implantação de infraestrutura para o fornecimento de hidrogênio verde aos aeroportos mais visados. A Airbus fornecerá características sobre o uso de energia da frota, cenários para demanda de hidrogênio na aviação, especificações de reabastecimento e estrutura regulatória da aviação. (Airbus – 10.03.2022)

<topo>

7 Reino Unido: Sistema de aquecimento híbrido inteligente a hidrogênio testado com sucesso

Um novo sistema de aquecimento híbrido inteligente a hidrogênio completou testes bem-sucedidos em Pembrokeshire, Reino Unido, um marco importante para a descarbonização do aquecimento doméstico. O teste foi realizado através de uma colaboração de parceiros, no maior porto de energia do Reino Unido, o Porto de Milford Haven. Considerada a primeira do mundo, a demonstração possui uma caldeira combinada a hidrogênio com uma bomba de calor elétrica e fonte de ar juntamente com tecnologia de controle inteligente. Em comparação com os sistemas de aquecimento convencionais, os sistemas de aquecimento híbridos alternam de forma flexível entre eletricidade renovável e gases verdes, como o hidrogênio. A caldeira de hidrogênio instalada do sistema híbrido foi desenvolvida por engenheiros da Worcester Bosch durante os últimos três anos a partir do projeto Hy4Heat financiado pelo BEIS, que visa ajudar o país a atingir sua meta de zero emissões líquidas até 2050. (Port of Milford Haven – 22.02.2022)

<topo>

 

 

Tecnologia e Inovação

1 Alemanha: Eletrolisador plug & play para produção de hidrogênio verde

A Enapter, fabricante de eletrolisadores com sede na Alemanha, apresentou um novo eletrolisador adequado para projetos de todos os tamanhos, por meio de operação “plug-and-play”. O eletrolisador EL 4.0 é baseado em uma tecnologia patenteada de membrana de troca aniônica (AEM). O novo produto da Enapter é mais leve e menor que os modelos anteriores, possui certificação ISO 22734 e é constituído por materiais mais baratos do que os eletrolisadores de membrana de troca de prótons (PEM) concorrentes. O eletrolisador AEM está disponível em quatro versões – AC, DC, refrigerado a ar ou refrigerado a água. O equipamento permite a produção de 1,0785 kg de hidrogênio de alta pureza por dia, com consumo máximo de energia de 3,0 kW e 0,4 litros de água por hora. Em resposta a uma consulta da revista pv sobre o custo do eletrolisador, a Enapter disse que o equipamento ainda não está em produção em massa, mas já pode oferecer uma redução de preço de até 35% em relação ao preço de seu módulo anterior.” A produção comercial está sendo preparada na fábrica italiana da empresa e os primeiros embarques devem ser feitos no verão europeu. (Enapter – 01.03.2022)

<topo>

2 Austrália: Produção de hidrogênio renovável a partir de água reciclada

Em um novo acordo, a Barwon Water trabalhará com a Viva Energy Australia para fornecer água reciclada para a produção de hidrogênio renovável, com o apoio de US $43,3 milhões. O hidrogênio gerado nesta instalação será processado para ampliar as capacidades australianas no mercado de mobilidade com os parceiros visando fornecer o hidrogênio para uma frota inicial de 15 veículos pesados. O projeto incorpora um eletrolisador de 2 MW e converterá a água reciclada em hidrogênio renovável. Para apoiá-lo, a Agência Australiana de Energia Renovável (ARENA) forneceu US$ 22,8 milhões em financiamento, enquanto o governo vitoriano também forneceu US$ 1 milhão. Lisa Neville MP, Ministra da Água do Governo de Victoria, disse que o governo do estado está incentivando um melhor uso de recursos hídricos alternativos, como água reciclada, para reduzir o impacto em rios e no meio ambiente. O uso de água reciclada para a produção de hidrogênio renovável no projeto é um passo importante para a reutilização produtiva de 100% da água reciclada produzida nas usinas de recuperação da empresa. (Barwon Water – 01.03.2022)

<topo>

3 EUA: Gold Hydrogen Program lança programa para biofabricação de hidrogênio em subsuperfície

O Gold Hydrogen Program, uma coalizão de organizações que buscam apoiar o uso de recursos de energia limpa, anunciou seu lançamento e a estreia de um projeto piloto, o Gold Hydrogen. O projeto é uma parceria conjunta da indústria para comercializar hidrogênio limpo e dourado, um recurso que é produzido biologicamente e no subsolo. Os membros fundadores do programa incluem a empresa de biologia sintética Cemvita Factory e Chart Industries, Inc. O hidrogênio de ouro tem um custo proibitivo e ainda não é comercialmente viável mas, os cientistas da Cemvita descobriram uma categoria de micróbios que vivem em reservatórios de petróleo subterrâneos e podem produzir hidrogênio. O processo realizado pela Cemvita aproveita esses micróbios para fermentar o óleo não recuperado em reservatórios e cavernas esgotadas para produzir hidrogênio. Com o potencial de revitalizar e remediar milhares de reservatórios de petróleo e gás esgotados e abandonados em todo o país, as técnicas de extração combinam infraestrutura existente com microbiologia para dimensionar soluções de energia limpa rapidamente, criando novos fluxos de receita para empresas da indústria pesada. (Cemvita Factory – 17.02.2022)

<topo>

4 EUA: Mote Hydrogen quer remover carbono nocivo do ar e usá-lo para produzir energia limpa

A Mote Hydrogen, com sede em Culver City, quer construir uma usina de gaseificação de US$ 100 milhões no condado de Kern que produziria gás hidrogênio limpo queimando resíduos de madeira. A usina não apenas produziria milhares de toneladas métricas de hidrogênio limpo anualmente, como também removeria efetivamente centenas de milhares de toneladas de dióxido de carbono da atmosfera. A Mote Hydrogen está de olho na biomassa florestal, em particular. Quando as plantas morrem, seu processo de decomposição libera CO2 de volta à atmosfera. Incêndios florestais – uma preocupação particular na Califórnia – podem acelerar consideravelmente esse processo. A estratégia de Mote, usando o processo de gaseificação, é colocar árvores mortas e resíduos em um forno a 1.500 graus Fahrenheit em um ambiente de baixo oxigênio, para produção do gás de síntese. O CO é então convertido em CO2 e o hidrogênio é extraído, no entanto, o CO2 não é liberado na atmosfera, mas armazenado no subsolo, onde não será capaz de atuar como gás de efeito estufa e contribuir para as mudanças climáticas. (dot. LA – 08.03.2022)

<topo>

5 EUA: Novas membranas revestidas com catalisador para produção de hidrogênio verde

A Honeywell desenvolveu uma nova tecnologia de membrana revestida com catalisador (CCMs) para eletrolisadores de membrana de troca de prótons (PEM) e eletrolisadores de membrana de troca de ânions (AEM). Com a finalidade de produzir hidrogênio verde, a empresa testará a tecnologia com fabricantes de eletrolisadores. Os mais recentes CCMs da Honeywell foram demonstrados em testes de laboratório para permitir maior eficiência do eletrolisador e maior densidade de corrente elétrica, habilitada por uma membrana patenteada de alta condutividade iônica e catalisador de alta atividade. O projeto fornece uma redução de 25% no custo da pilha do eletrolisador, com base em um sistema de eletrólise de água PEM usando energia renovável para produzir 2.300 Mt de H2/ano com 5.000 horas de operação/ano. (Honeywell – 02.03.2022)

<topo>

6 Índia: Hidrogênio verde indiano custará US$ 5/kg

A agência de classificação ICRA, de propriedade da Berkshire Hathaway, estimou que o hidrogênio verde indiano custará US$ 5/kg se for produzido em locais com capacidade de geração de energia limpa e eletrolisadores. Isso significa que será entre 50 centavos de dólar e um dólar por quilo mais barato do que em locais onde os dois sistemas não estão localizados, devido a uma redução nas tarifas de rede intra-estaduais de acesso aberto. Para minimizar o custo do hidrogênio verde, disse o ICRA, o armazenamento de energia da bateria e o banco de energia – um sistema que oferece aos geradores de eletricidade a chance de alimentar o excesso de eletricidade na rede e consumi-lo posteriormente – precisam ser acessíveis. O relatório disse que a política de hidrogênio verde recentemente notificada pelo Ministério da Energia da Índia impulsionaria uma grande demanda por capacidade de energia renovável no país, com cerca de 60 GW extras necessários para que o país obtenha apenas 30% de sua demanda de hidrogênio nesta década da forma verde por meio de armazenamento de energia. (PV Magazine – 08.03.2022)

<topo>

 

 

Eventos

1 Hydrogen Insights: The UK Hydrogen Vision

“Desenvolver um próspero setor de hidrogênio com baixo teor de carbono no Reino Unido é um ponto chave do plano do governo de reconstruir melhor com um sistema de energia mais limpo e verde” – Secretário de Estado de Negócios, Energia e Estratégia Industrial, Kwasi Kwarteng. Em evento organizado pelo Hydrogen Industry Leaders, foi discutida a Estratégia de Hidrogênio do Reino Unido e impulsionado o progresso necessário para entregar uma ambição de produção de 5 GW até 2030, além de posicionar o hidrogênio para ajudar a cumprir as metas nacionais. O evento ocorreu no dia 15 de março de 2022. (Hydrogen Industry Leaders – Março de 2022)

<topo>

2 Seminário: “Hydrogen Supply Chains Between Japan and Australia”

No dia 18 de março de 2022, ocorrerá um seminário organizado pela Asialink Business. O evento tem como objetivo explorar o status atual do desenvolvimento e políticas da tecnologia de hidrogênio no mercado interno e comparar esse progresso com o resto do mundo. Será destacada a cooperação necessária para expandir o uso geral de hidrogênio, particularmente no Sudeste Asiático, e as oportunidades de parceria para a Austrália e o Japão. Com participação de empresas e governos, o objeto de discussão é a criação de uma cadeia de fornecimento altamente viável entre o Japão e a Austrália, com foco em áreas-chave de desenvolvimento, incluindo estratégia de hidrogênio, tecnologia, produção, transporte, políticas de redução de custos, cadeias de suprimentos e parcerias. Para se inscrever, clique aqui. (Asialink Business – Março de 2022)

<topo>

3 Webinar: “Biomass and Hydrogen opportunities in Canada”

No dia 15 de março de 2022, a EU Techbridge organizou um Webinar destinado a todas as pequenas e médias empresas que operem nos domínios da biomassa e do hidrogênio. O objetivo é que tais se envolvam em colaboração com a Andion e a Xebec, dois grandes atores canadenses na produção de energia renovável e biogás para implementar novas tecnologias na aplicação de biometano, produção de hidrogênio e captura e reutilização de CO2. A colaboração será feita através de um programa financiado pela UE. Durante o webinar, organizado como parte do projeto EU Techbridge, as duas grandes empresas ilustraram suas tecnologias e plantas em funcionamento e, principalmente, suas necessidades em termos de novas tecnologias de ponta que possam ser integradas em suas plantas. (EU Techbridge – Março de 2022)

<topo>

4 Webinar: “Hydrogen and Fuel Cells- Technology and Market Perspective”

A Smart Energy Magazine organizou um webinar para discutir os aspectos técnicos e comerciais, armazenamento e transporte, aplicações emergentes na indústria de transporte e mobilidade, potenciais e oportunidades de crescimento do hidrogênio verde. O webinar também abordou os obstáculos e gargalos e como eles podem ser superados, além de ter sido uma oportunidade para networking, comunicação, colaboração e troca de ideias com todos os stakeholders. Alguns dos tópicos abordados foram: Missão Nacional de Hidrogênio da Índia; perspectivas sobre investimentos em hidrogênio, desenvolvimento de mercado e competitividade de custos; hidrogênio e célula de combustível. O evento ocorreu no dia 12 de março de 2022. (Smart Energy Magazine– Março de 2022)

<topo>

5 Webinar “Hidrogênio Renovável: Produção científica, patentes e projetos comerciais”

No dia 15 de março, às 10h, o Centro de Gestão e Estudos Estratégicos (CGEE) promove webinar Hidrogênio Renovável:Produção científica, patentes e projetos comerciais. Neste evento será lançado o primeiro Informativo de Inovação em Soluções Energéticas Sustentáveis. Clique aqui para se inscrever. (Associação Brasileira do Hidrogênio – Março de 2022)

<topo>

6 Webinar: “Marine Fuel Cells – where are we now?”

No dia 15 de março de 2022 a NCE Maritime CleanTech organizou um webinar a fim de buscar uma nova tecnologia de energia com zero emissões. Embora os motores de combustão ainda sejam os líderes de mercado, os fornecedores de células a combustível prometem maior eficiência e menor consumo de combustível. Os projetos europeus ShipFC e FLAGSHIPS estão demonstrando tecnologias de células de combustível para alcançar suas soluções de emissão zero para atividades marítimas. Sendo assim, foram reunidos representantes do ShipFC, FLAGSHIPS e outros atores importantes do ecossistema FC para tratar do estado atual de células de combustível para uso marítimo. Neste webinar, fornecedores, usuários e pesquisadores responderam perguntas sobre eficiências, desafios e até onde chegaram no caminho para a comercialização. (NCE Maritime CleanTech – Março de 2022)

<topo>

7 Webinar: “Public Sector Decarbonisation”

Em evento organizado pelo Public Sector Executive, no dia 17 de março de 2022, das 12:00 às 13:00, serão reunidos líderes e inovadores do setor público para debater como capacitar o setor público do Reino Unido a fim de atingir suas metas de descarbonização e as oportunidades que serão criadas. O governo do Reino Unido estabeleceu uma das metas de mudança climática mais ambiciosas do mundo para se tornar zero líquido até 2050. Sendo assim, qual seria o papel que o setor público desempenha na descarbonização e seu compromisso para chegar a zero líquido? Para se inscrever, clique aqui. (Public Sector Executive – Março de 2022)

<topo>

 

 

Artigos e Estudos

1 IRENA: Hidrogênio Verde para a Indústria – Um Guia para Elaboração de Políticas

O setor industrial é o principal consumidor de hidrogênio, com 87,1 milhões de toneladas de hidrogênio consumidas em 2020. O hidrogênio é usado em refinarias, indústria química e siderurgia, todos classificados como setores de difícil eletrificação. Entretanto, há diversas barreiras para a expansão do uso de hidrogênio, principalmente no que tange às políticas. Dessa forma, este relatório da Agência Internacional de Energia Renovável (IRENA) fornece uma base para a compreensão dos desafios e soluções políticas. Ele destaca a gama de opções de políticas disponíveis, incluindo mandatos, precificação de carbono, medidas de fuga de carbono, esquemas de apoio e medidas de criação de mercado e complementa essas políticas com exemplos de países. O relatório separa as recomendações de políticas em vários estágios para formular os caminhos de políticas apropriados mais adequados ao nível de implantação de hidrogênio verde de um país. Este é o terceiro guia de uma série de relatórios elaborados para explorar políticas de apoio ao hidrogênio verde. (IRENA – Março de.2022)

<topo>

2 Análise sobre os impactos climáticos da produção de hidrogênio azul

A produção de hidrogênio à base de gás natural com captura e armazenamento de carbono é chamada de hidrogênio azul. Se quantidades substanciais de CO2 da reforma do gás natural forem capturadas e armazenadas permanentemente, esse hidrogênio poderia ser um transportador de energia de baixo carbono. Esta análise aborda questões relevantes e fornece uma perspectiva equilibrada sobre os impactos das mudanças climáticas associadas ao hidrogênio azul. Sob diversas condições, o hidrogênio azul é compatível com economias de baixo carbono e apresenta impactos de mudanças climáticas na extremidade superior da faixa daqueles causados pela produção de hidrogênio a partir de eletricidade renovável. No entanto, nem as atuais vias de produção de hidrogênio azul nem verde produzem hidrogênio totalmente “zero líquido” sem remoção adicional de CO2, caso considere o ciclo de vida. (Sustainable Energy & Fuels –.2022)

<topo>

3 Nova pesquisa sobre a adoção de uma estrutura de crédito de hidrogênio verde para torná-lo competitivo

O ganho de escala é um dos principais desafios que limitam o crescimento da economia do hidrogênio. Em particular, o alto custo do transporte de hidrogênio verde está atrapalhando o comércio internacional e a adoção mais ampla do hidrogênio para os objetivos de descarbonização. A fim de explorar incentivos para a economia global de hidrogênio e desenvolver novos caminhos para o futuro neutro em carbono, o conceito de crédito de hidrogênio foi proposto por esta pesquisa, além de que, uma estrutura de comercialização de créditos de hidrogênio semelhante a créditos de carbono no mercado internacional também foi estabelecida. Estudos de caso são apresentados para demonstrar a viabilidade e eficiência da estrutura de crédito de hidrogênio proposta, bem como o grande potencial de um mercado global de crédito de hidrogênio. Esta pesquisa visa contribuir para a absorção global de hidrogênio verde financeiramente. (International Journal of Hydrogen Energy –.2022)

<topo>

4 Novo estudo de revisão “Descarbonização da energia a partir da amônia ou hidrogênio verde?”

Devido à necessidade global de descarbonização, está cada vez mais claro que o mundo está caminhando para uma nova era de geração massiva de energia renovável e utilização para substituir os combustíveis fósseis. No entanto, meios pragmáticos para armazenamento, transporte e utilização de energia renovável em grande escala ainda não estão totalmente desenvolvidos e requerem um exame cuidadoso. Nesta revisão, foi levado em consideração a termodinâmica, barreiras cinéticas, desafios materiais, prontidão científica e tecnológica atual e localizações geográficas para hidrogênio verde versus amônia verde como vetores de energia para a sustentabilidade adequada de nossa futura economia. (ACS Energy Lett – Fevereiro de 2022)

<topo>

5 Potencial de produção de hidrogênio verde a partir de energia eólica na Turquia

O presente estudo visa investigar o potencial de produção de hidrogênio baseado em energia renovável usando energia eólica onshore e offshore na Turquia. O potencial total de produção de hidrogênio para a Turquia é estimado em 248,56 milhões de toneladas. Os potenciais de produção de hidrogênio eólico onshore, offshore e submarino são de 233,38, 15,17 e 6,65 milhões de toneladas, respectivamente. Nesse sentido, Erzurum, Van, Konya e Sivas parecem ser as cidades com potenciais máximos de produção de hidrogênio de 13,83, 12,81, 12,05 e 11,82 milhões de toneladas, respectivamente. Os potenciais de geração de hidrogênio para todas as cidades turcas são fornecidos e discutidos para a plataforma de economia de hidrogênio. Pode ajudar a promover a Turquia a uma posição de liderança de hub de hidrogênio na região, criando empregos que apoiam o setor de energia e proporcionando um futuro sustentável, estabelecendo conexões e redes locais, nacionais e internacionais. (International Journal of Green Energy – Fevereiro de 2022)

<topo>

6 Comparação crítica das tecnologias de produção de hidrogênio verde, turquesa, azul e cinza por avaliação de ciclo de vida

Este artigo revisa o nível atual de desenvolvimento da tecnologia de produção de hidrogênio. Nove configurações baseadas em quatro tecnologias de processos diferentes foram consideradas, incluindo reforma a vapor de metano, reforma a vapor de metano com captura e armazenamento de carbono, pirólise de metano e eletrólise de membrana de eletrólito de polímero. O hidrogênio dessas tecnologias é frequentemente associado às respectivas cores cinza, azul, turquesa e verde. A comparação crítica das tecnologias é objetivada e quantificada com base na metodologia de avaliação do ciclo de vida. Para isso, são reunidos os impactos ambientais das tecnologias de produção de hidrogênio e identificadas as soluções mais promissoras no que diz respeito à transição energética em andamento, diferenciando as abordagens para seu benefício de curto, médio e longo prazo. (Progress in Energy and Combustion Science – Fevereiro de 2022)

<topo>


Equipe de Pesquisa UFRJ
Editor: Prof. Nivalde J. de Castro (nivalde@ufrj.br)
Subeditores: Fabiano Lacombe, Luiza Masseno e Sayonara Andrade Elizário
Pesquisadores: Allyson Thomas,
José Vinícius S. Freitas, Kalyne Silva Brito e Luana Oliveira 
Assistente de pesquisa: Sérgio Silva

As notícias divulgadas no IFE não refletem necessariamente os pontos da UFRJ. As informações que apresentam como fonte UFRJ são de responsabilidade da equipe de pesquisa sobre o Setor Elétrico do Instituto de Economia da UFRJ.

POLÍTICA DE PRIVACIDADE E SIGILO
Respeitamos sua privacidade. Caso você não deseje mais receber nossos e-mails,  Clique aqui e envie-nos uma mensagem solicitando o descadastrado do seu e-mail de nosso mailing.


Copyright UFRJ

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: