IFE.ME 97

Informativo Eletrônico – Mobilidade Elétrica nº 97 – publicado em 15 de março de 2022.

IFE: Informativo Eletrônico de Mobilidade Elétrica – GESEL-UFRJ <!–

l

IFE: nº 97 – 15 de março de 2022
http://gesel.ie.ufrj.br/
gesel@gesel.ie.ufrj.br

Editor: Prof. Nivalde J. de Castro

Índice

Políticas Públicas e Regulatórias
1
Brasil: Senado aprova frente parlamentar pela eletromobilidade
2 Brasil/Minas Gerais: Proposta legislativa de programa de incentivo à eletromobilidade
3 EUA: Subsídios para substituição de frotas de ônibus
4 EUA: Pacote de mobilidade aprovado em Washington prevê 100% de vendas de veículos elétricos até 2030
5 Itália: Novos incentivos para compra de veículos elétricos
6 Tailândia: Novos incentivos para importação e compra de veículos elétricos
7 Áustria: Financiamento para veículos comerciais de emissão zero
8 Espanha: Saragoça inicia eletrificação de sua rede de transportes

Inovação e Tecnologia
1 General Motors: Nova tecnologia de carregamento bidirecional para veículos elétricos
2 PG&E e Ford: Nova tecnologia de carregamento bidirecional para veículos elétricos
3 Gogoro: Primeira bateria de estado sólido intercambiável
4 Ford: Novas soluções de carregamento
5 Bosch/Mitsubishi: Parceria em projetos de troca de baterias
6 Mercedes: Reciclagem de baterias nos EUA e na China
7 Romeo Power e Wrightspeed: Eletrificação no mercado de ônibus e caminhões médios e pesados
8 EUA/California: Sistema de carregamento autônomo no Porto de Oakland

Indústria Automobilística
1 Brasil: Veículos eletrificados batem recorde de vendas pelo terceiro mês consecutivo
2 GM: Brasil tem potencial para ser polo de veículos elétricos
3 GM: Fábrica no Canadá produzirá material para baterias de veículos elétricos

4 Stellantis: Redução de custos com fornecedores é essencial para eletrificação

5 Hyundai/Iveco: Cooperação para desenvolvimento de VEs comerciais

6 DOE: Caminhões elétricos serão mais baratos que os movidos a diesel até 2035

7 Renault: Dois novos modelos de caminhões elétricos até 2023

Meio Ambiente
1 ESG: Aurora Coop investe em caminhões elétricos nas frotas de SP e RS
2 ESG: Startup brasileira de mobilidade terá frota 100% elétrica em 2030
3 ESG: Uber investe £ 5 milhões na instalação de 700 carregadores em Londres
4 ESG: Serviço de ambulância de Londres adiciona VEs à frota

Eventos e Estudos
1 ICCT: Estudo analisa impacto de o^nibus zero emissa~o na frota de operador na cidade de Sa~o Paulo
2 Benchmark Minerals: Capacidade de gigafactorys na Europa crescerá 6 vezes até 2030
3 NREL: Estudo aponta que ZEVs atingirão paridade de custos com veículos a diesel até 2035


 

 

Políticas Públicas e Regulatórias

1 Brasil: Senado aprova frente parlamentar pela eletromobilidade

O Senado aprovou projeto de resolução que cria a Frente Parlamentar Mista pela Eletromobilidade. A matéria foi votada em plenário no dia 10 de março, e segue agora para promulgação pelo presidente da casa, Rodrigo Pacheco (DEM-MG). O grupo será composto por senadores e deputados e terá como finalidade promover debates e iniciativas de políticas públicas para estimular a inserção de veículos elétricos no Brasil. A proposta de criação da frente foi apresentada pelo senador Rodrigo Cunha (PSDB-AL), que destacou os impactos da eletrificação da frota de veículos na redução das doenças respiratórias nas grandes cidades brasileiras. O parlamentar apresentou dados do Ministério da Saúde mostrando que essas doenças aumentaram mais de 14% nos últimos dez anos e consumiram mais de R$1,5 bilhão do orçamento da União por ano. O relator do projeto, Izalci Lucas (PSDB-DF), disse que o Brasil deve encontrar soluções para substituir os motores a combustão atuais que permitam o uso eficiente das fontes de energia disponíveis. Ele lembrou ainda que o país precisa começar a discutir a tecnologia que vai desenvolver ou utilizar, padrões a serem adotados ou como preparar as distribuidoras de energia para o atendimento dessa nova demanda. (Canal Energia – 10.03.2022)

<topo>

2 Brasil/Minas Gerais: Proposta legislativa de programa de incentivo à eletromobilidade

O deputado Zé Silva, do Solidariedade de Minas Gerais, apresentou no dia 10 de março um projeto de lei para estimular o mercado de VEs no Brasil. A proposta começou a tramitar no mesmo dia em que o Senado aprovou o auxílio-gasolina e fixou o valor do ICMS dos combustíveis, em meio à disparada no preço do petróleo provocada pela guerra na Ucrânia. O texto do deputado prevê a criação do Programa Mobilidade Elétrica (Mobe). Empresas da cadeia do transporte elétrico teriam isenção de impostos e facilidade para obter financiamentos. O incentivo valeria tanto para produzir veículos elétricos quanto para converter os automóveis de combustão em elétricos ou híbridos. (Metrópoles – 11.03.2022)

<topo>

3 EUA: Subsídios para substituição de frotas de ônibus

O governo dos EUA está concedendo quase US$ 1,5 bilhão em subsídios em 2022 para modernizar frotas e instalações de ônibus em todo o país. Do dinheiro alocado, US$ 1,1 bilhão irá para o programa Low or No Emission (Low-No, na sigla em inglês) somente este ano. O montante do pacote de infraestrutura ajudará as agências de trânsito a comprar ou alugar veículos de baixa ou zero emissão construídos nos EUA – incluindo equipamentos ou instalações associadas. Ao longo de cinco anos, US$ 5,5 bilhões serão alocados ao programa. De acordo com o Departamento de Transportes dos EUA, isso é “dez vezes o financiamento nos cinco anos anteriores”, um aparente golpe nas políticas de financiamento do ex-presidente republicano Donald Trump. (Electrive – 08.03.2022)

<topo>

4 EUA: Pacote de mobilidade aprovado em Washington prevê 100% de vendas de veículos elétricos até 2030

A Assembleia Legislativa do Estado de Washington aprovou o pacote de transporte de US$ 16,9 bilhões e 16 anos, denominado “Move Ahead Washington”. O pacote faz investimentos significativos na redução das emissões de carbono, preservação e manutenção, ampliação das opções multimodais, transporte público e segurança de pedestres. O pacote de receita adotou uma mudança nas fontes de financiamento depois que um imposto de combustível de exportação projetado para fornecer US $ 2 bilhões em financiamento foi removido do plenário da Câmara. Para compensar a maior parte desse déficit, US$ 57 milhões por ano do orçamento operacional e US$ 57 milhões por ano da Conta de Assistência a Obras Públicas serão transferidos para o transporte para fornecer mais US$ 1,7 bilhão em 16 anos. Dentro do pacote aprovado, está uma nova legislação, intitulada “Clean Cars 2030”. A Clean Cars 2030 estabelece uma meta para que todos os novos veículos leves vendidos no estado sejam elétricos até 2030. (Green Car Congress – 14.03.2022)

<topo>

5 Itália: Novos incentivos para compra de veículos elétricos

A Itália planeja subsidiar até 6 mil euros do preço de compra de veículos elétricos novos, como parte de um plano de apoio à indústria automotiva do país, disse uma fonte do governo. Foram reservados 8,7 bilhões de euros até 2030, incluindo cerca de 700 milhões de euros para este ano, voltados ao suporte à indústria automotiva. A subvenção de até 6 mil euros está condicionada à aquisição de veículos novos de até 35 mil euros e inclui uma contribuição de 2 mil euros a quem trocar um carro com motor a combustão por um VE. A compra de veículos elétricos híbridos em até 45 mil euros será subsidiada em até 2.500 euros. (UOL – 08.03.2022)

<topo>

6 Tailândia: Novos incentivos para importação e compra de veículos elétricos

O governo da Tailândia adotou novos incentivos governamentais para acelerar a transição para veículos elétricos. Os incentivos fazem parte do plano do governo tailandês de converter metade da produção total de carros do país em veículos elétricos até 2030. Em abril do ano passado, o governo tailandês já acelerou seus planos de transição do setor automotivo do país para a mobilidade elétrica. O novo pacote de incentivos inclui uma redução nas taxas de importação este ano e no próximo em até 40% para veículos elétricos prontos com preço de até 2 milhões de baht e 20% para aqueles com preço entre 2 milhões e 7 milhões de baht (55.000 – 192.000 euros). O governo também reduzirá os impostos sobre o consumo de veículos elétricos importados de oito por cento para dois por cento. Os fabricantes elegíveis também receberão subsídios entre 70.000 baht (1.922 euros) e 150.000 baht (4.119 euros) para cada carro elétrico e 18.000 baht (494 euros) para motocicletas elétricas. Os programas de subsídios são financiados por 3 bilhões de baht (82,6 milhões de euros) do orçamento central do país para 2022 e o investimento de longo prazo de 40 bilhões de baht (1,1 bilhão de euros) na indústria de veículos elétricos entre 2023 e 2025. (Electrive – 12.03.2022)

<topo>

7 Áustria: Financiamento para veículos comerciais de emissão zero

A Agência Austríaca de Promoção da Pesquisa (FFG, na sigla em alemão) publicou um novo programa de financiamento para veículos comerciais e infraestrutura de emissão zero, denominado ENIN. O orçamento do programa, que irá vigorar até o final de 2025, gira em torno de 275 milhões de euros e os primeiros editais estão previstos para serem publicados em meados deste ano. O projeto irá apoiar as empresas do país na conversão de suas frotas em veículos comerciais livres de combustíveis fósseis e na criação da infraestrutura de carregamento ou reabastecimento necessária para estes veículos. A construção das respectivas infraestruturas será subsidiada em 40% dos custos totais. Segundo a agência, as empresas poderão formar consórcios para compartilhar a infraestrutura de carregamento e receber financiamento para isso. (Electrive – 14.03.2022)

<topo>

8 Espanha: Saragoça inicia eletrificação de sua rede de transportes

A Câmara Municipal de Saragoça, Avanza e Endesa X apresentaram o início das obras do “projeto de eletrificação dos transportes públicos mais importante de Espanha”, apenas antecedido por Madrid, ambos pela dimensão da eletrificação da sua frota, com 68 novos ônibus elétricos que se juntarão aos 4 já em serviço, como instalações de garagem. A ação faz parte do objetivo de transformar a capital aragonesa em uma cidade sustentável e neutra em termos de mobilidade urbana no ano de 2030, segundo a Endesa. O investimento associado à construção e adaptação de infraestruturas elétricas ultrapassa os 8 milhões de euros; um investimento incluído no Plano de Recuperação, Transformação e Resiliência, financiado pela União Europeia – NextGenerationEU. Estima-se que quando toda a frota for substituída por veículos elétricos, Saragoça economizará mais de 621.000 toneladas de emissões de CO2, segundo a Endesa. (Energías Renovables – 11.03.2022)


<topo>

 

 

Inovação e Tecnologia

1 General Motors: Nova tecnologia de carregamento bidirecional para veículos elétricos

A GM anunciou uma parceria com a Pacific Gas and Electric Company da Califórnia para conduzir o uso de seus VEs como fontes de energia sob demanda para residências na área de serviço da PG&E. As duas empresas testarão veículos com tecnologia de carregamento bidirecional que possam ajudar a alimentar com segurança as necessidades essenciais de uma casa devidamente equipada em caso de emergências ou para estabilizar a rede. A PG&E e a GM planejam testar o primeiro protótipo de VE com o carregador residencial até meados de 2022, com o protótipo usando um hardware bidirecional acoplado a protocolos de comunicação definidos por software. Isto permitirá que a energia flua de um VE carregado para a casa de um cliente, sendo gerida automaticamente entre o VE, a residência e o fornecimento elétrico da PG&E. Após testes de laboratório, a PG&E e a GM planejam testar a interconexão entre veículos e casas, permitindo que um pequeno grupo de casas de clientes receba energia de veículos elétricos quando a rede elétrica suspender o fornecimento. Ambas as equipes estão atualmente trabalhando para escalonar o projeto com o objetivo de iniciar testes mais amplos até o final de 2022. Por enquanto, a GM não diz com qual empresa está trabalhando para instalar o hardware bidirecional, mas Rick Spina, vice-presidente de infraestrutura EV da GM, disse durante um briefing de imprensa que a montadora quer que todos os seus veículos elétricos ofereçam capacidade de carregamento bidirecional no futuro. (Inside EVs – 10.03.2022)

<topo>

2 PG&E e Ford: Nova tecnologia de carregamento bidirecional para veículos elétricos

A Pacific Gas and Electric Company (PG&E) e a Ford Motor Company anunciaram uma colaboração explorando como o novo veículo elétrico F-150 Lightning da Ford – o primeiro caminhão leve comercialmente disponível com tecnologia de carregamento bidirecional – pode interagir com o rede elétrica e fornecer benefícios de confiabilidade elétrica aos clientes da PG&E. Um em cada cinco VEs no país está na estrada na área de serviço da PG&E no norte e centro da Califórnia, onde os clientes costumam adotar as novas tecnologias de energia limpa. A PG&E e a Ford testarão o F-150 Lightning e seus recursos de carregamento bidirecional Intelligent Backup Power para fornecer energia de backup para as residências dos clientes na área de serviço da PG&E. O Intelligent Backup Power, fazendo sua estreia no F-150 Lightning, oferece aos clientes a capacidade de usar a tecnologia de energia bidirecional de seu caminhão totalmente elétrico para fornecer até 10 dias de energia para suas casas durante uma interrupção, dependendo do uso de energia doméstica. As primeiras instalações do Intelligent Backup Power são apoiadas pela Sunrun, parceiro de instalação preferido da Ford. (Green Car Congress – 11.03.2022)

<topo>

3 Gogoro: Primeira bateria de estado sólido intercambiável

A Gogoro anunciou o lançamento das primeiras baterias intercambiáveis de estado sólido. O novo modelo, desenvolvido em parceria com a ProLogium Technology, promete aumentar a capacidade de armazenamento das baterias da empresa de 1,7 kWh para 2,5 kWh, ou seja, um salto de 40%. Por enquanto, o item ainda é um protótipo, sem previsão de aplicação comercial. A bateria desenvolvida é chamada de LCB (sigla para Lithium Ceramic Battery). Ela possui uma fina camada de cerâmica que impede que os dendritos perfurem o plástico separador, diminuindo drasticamente a chance de um incêndio. Por causa disso, as LCB também conseguem ser carregadas mais rapidamente, de acordo com a ProLogium. O único problema das baterias de estado sólido é que a tecnologia é cara demais para uso em escala industrial. Talvez seja por isso que a Gogoro tenha anunciado a LCB apenas como um protótipo por enquanto. (Automotive Business – 08.03.2022)

<topo>

4 Ford: Novas soluções de carregamento

Nos EUA, a Ford Pro lançou seis novos carregadores domésticos e de depósito, sendo o último direcionado aos operadores de frotas de veículos elétricos comerciais. As diferentes soluções de carregamento variam desde a estação de carregamento Ford Pro CA de 11,5 kW até os sistemas modulares de carregamento rápido CC de 180 kW. O hardware Ford Pro Charging foi inaugurado juntamente com o E-Transit 2022 que a Ford está atualmente enviando para os revendedores. A gama de carregadores também é oportuna, já que o F-150 Lightning Pro está programado para começar a chegar neste segundo trimestre. “Estamos investindo pesadamente em produtos e serviços para ajudar os clientes comerciais a acelerarem para um futuro elétrico, o que significa ajudar a garantir que nosso hardware e software possam se conectar e funcionar com outros fabricantes, pois sabemos que muitos clientes operam frotas mistas”, disse Ted Cannis, CEO da Ford Pro. (Electrive – 09.03.2022)

<topo>

5 Bosch/Mitsubishi: Parceria em projetos de troca de baterias

A Bosch, a Mitsubishi e a Blue Park uniram forças para oferecer aos operadores de frotas um modelo de negócios de baterias como serviço (BaaS, na sigla em inglês) baseado em uma plataforma de troca de baterias da Blue Park. A cooperação está inicialmente focada na China, mas pretende ser global no longo prazo. Os três sócios assinaram um memorando de entendimento no início deste mês. Segundo o acordo, a Blue Park contribuirá com a plataforma de troca de baterias como elemento central da cooperação, a Bosch irá contribuir com sua tecnologia de bateria na nuvem e a Mitsubishi com a capacidade de comercialização. Segundo a Mitsubishi, a procura de veículos eletrificados está a crescer, mas os custos de investimento inicial, o “tempo de inatividade” durante o carregamento e a “insegurança da bateria” são fatores que impedem a eletrificação das frotas comerciais. O Battery-in-the-Cloud da Bosch monitora e analisa continuamente a bateria. Isso visa otimizar a vida útil da bateria e o desempenho das frotas de VEs. As empresas, agora, querem aplicar essa tecnologia à plataforma de substituição de baterias – e assim reduzir os fatores que supostamente impedem a mudança para frotas de veículos elétricos. (Electrive – 14.03.2022)

<topo>

6 Mercedes: Reciclagem de baterias nos EUA e na China

A Mercedes-Benz apresentou sua estratégia global para a reciclagem de sistemas de baterias de veículos elétricos. Isso inclui inicialmente a construção da própria fábrica piloto de reciclagem de baterias da empresa em Kuppenheim, na Alemanha, e fábricas na China e nos EUA. A fábrica de reciclagem em Kuppenheim, Baden, na Alemanha, já havia sido confirmada pelo Grupo em novembro de 2021, quando o início previsto da produção foi declarado como 2023. A usina usará e testará um processo hidrometalúrgico que corresponde a uma taxa de reciclagem de 96%. A subsidiária da Mercedes, a Licular, fundada no ano passado para construir a usina de reciclagem de Kuppenheim, cooperará com a Primobius como parceira de tecnologia. A Primobius, por sua vez, é uma joint venture da empresa alemã de engenharia mecânica SMS Group e da desenvolvedora de projetos australiana Neometals e, segundo a Mercedes, contribuirá “com o know-how tecnológico necessário, incluindo investigações preliminares apropriadas, para o projeto”. (Electrive – 11.03.2022)

<topo>

7 Romeo Power e Wrightspeed: Eletrificação no mercado de ônibus e caminhões médios e pesados

A Romeo Power e a Wrightspeed estão trabalhando juntas para alavancar a tecnologia de módulo e embalagem de bateria de alta capacidade da Romeo Power, juntamente com o sistema de trem de força de alto torque e alta eficiência da Wrightspeed para acelerar a eletrificação no mercado de ônibus e caminhões médios e pesados. A Wrightspeed está desenvolvendo kits “Powertrain in a Crate” que são específicos do chassi e podem ser instalados localmente onde as frotas operam, criando empregos e novas oportunidades de tecnologia para aqueles que apoiam ônibus escolares, caminhões de trabalho e outras frotas. Ao usar a tecnologia de acionamento de tração Route da Wrightspeed, os veículos repotenciados serão mais eficientes e fornecerão maior torque do que veículos novos baseados em sistemas de montagem remota de velocidade única. Juntas, as empresas pretendem desenvolver e vender kits de repotenciação para o mercado endereçável. As baterias serão fabricadas nas novas instalações da Romeo Power em Cypress, Califórnia, onde a produção está programada para começar no final de 2022. (Green Car Congress – 12.03.2022)

<topo>

8 EUA/California: Sistema de carregamento autônomo no Porto de Oakland

A especialista em carregamento robótico Rocsys assinou um contrato com a operadora de terminal marítimo SSA Marine para fornecer sistemas de carregamento autônomo ROC-1. Os sistemas carregarão de forma autônoma parte da frota de tratores de pátio elétrico da SSA Marine no Terminal Internacional de Contêineres no Porto de Oakland. O projeto é parcialmente financiado por uma doação de US$ 50 milhões do California Air Resources Board para o Porto de Long Beach para financiar equipamentos e embarcações livres de emissões em três portos da Califórnia, incluindo os portos de Long Beach, Stockton e Oakland. De acordo com os organizadores, o projeto Sustainable Terminals Accelerating Regional Transformation (START, na sigla em inglês) vai implantar mais de 100 equipamentos nos portos. (Electrive – 09.03.2022)

<topo>

 

 

Indústria Automobilística

1 Brasil: Veículos eletrificados batem recorde de vendas pelo terceiro mês consecutivo

A venda de veículos elétricos e híbridos aumentou 147% no mês de fevereiro deste ano em comparação com o mesmo período de 2021. De acordo com a Associação Brasileira de Veículos Elétricos (ABVE), ao todo foram 3.435 emplacamentos e o melhor mês de fevereiro da série histórica da instituição. O número de vendas equivale a 2,8% das vendas domésticas totais de automóveis e comerciais leves no Brasil, que foram de 120.192, segundo a Fenabrave. Essa evolução indica que os eletrificados conquistam gradativamente mais participação no mercado doméstico total. O presidente da ABVE, Adalberto Maluf, explica que o aumento dos combustíveis é um dos fatores que geram uma maior procura pelos veículos elétricos e híbridos no Brasil. Apesar de ser o terceiro mês consecutivo de recorde nas vendas desses veículos, o presidente ressalta que os incentivos à eletromobilidade são fundamentais para esse crescimento. (CNN Brasil – 08.03.2022)

<topo>

2 GM: Brasil tem potencial para ser polo de veículos elétricos

A General Motors (GM) já encara o Brasil como potencial polo de produção e desenvolvimento de veículos elétricos. Durante congresso realizado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), a vice-presidente de comunicação, relações públicas e ESG, Mariana Willisch, afirmou que o quadro para fabricação desses carros por aqui é favorável. “O Brasil e os países vizinhos possuem as maiores reservas de matéria-prima utilizada na produção de baterias para veículos elétricos, como o Lítio. Isso, aliado ao fato de que tem um parque industrial automotivo desenvolvido e um grande mercado consumidor, mostra que temos capacidade para ocupar um lugar de destaque no desenvolvimento, produção e comercialização internacional de veículos elétricos dentro de alguns anos”, disse a executiva. No ano passado a companhia anunciou que se compromete a atingir a neutralidade das emissões de carbono até 2040, e que, a partir de 2035, só lançará veículos elétricos no mercado global. Há também planejamento que envolve aporte de US$ 35 bilhões em modelos elétricos e autônomos que serão apresentados até 2025. (Automotive Business – 11.03.2022)

<topo>

3 GM: Fábrica no Canadá produzirá material para baterias de veículos elétricos

A General Motors (GM) e a Posco Chemical Company, da Coreia do Sul, construirão fábrica no Canadá para produção de catódico ativo (CAM). O material é indicado para aumentar o desempenho das baterias de carros elétricos. Em dezembro, as empresas concordaram em estabelecer uma joint venture de processamento de material CAM, sendo a Posco acionista majoritária do negócio. Serão investidos US$ 400 milhões para construir a instalação em Becancour, na província de Quebec. O objetivo é produzir e fornecer cátodos para a Ultium Cells, outra parceria da GM para fabricação de baterias com a LG Energy Solution, também da Coreia do Sul. Segundo a GM, a construção da nova fábrica deve começar imediatamente e vai empregar, inicialmente, 200 pessoas – com espaço para expansão posterior. “Com esta nova instalação de processamento, a GM ajudará a liderar a cadeia de suprimentos de baterias para veículos elétricos, além de lançar a primeira fábrica completa de VEs do Canadá em Ingersoll, Ontário, ainda este ano”, disse o diretor-gerente da GM Canadá, Scott Bell, em comunicado à imprensa. (Automotive Business – 09.03.2022)

<topo>

4 Stellantis: Redução de custos com fornecedores é essencial para eletrificação

O caminho para a eletrificação é inevitável, mas a Stellantis quer dividir a conta. Quem deixou isso bem claro foi Carlos Tavares, CEO da empresa. Depois do recente anúncio do plano estratégico global Dare Forward 2030, o chefão do quarto maior grupo automotivo do mundo avisou que os fornecedores terão de fazer um esforço para ajudar a tornar o carro elétrico acessível. Em entrevista à Automotive Information, Tavares afirmou que, ao mesmo tempo em que a Stellantis investe bilhões de dólares em projetos de eletrificação, os fornecedores devem “absorver esses preços adicionais com a mesma eficácia”. Segundo o executivo, a Stellantis e seus fornecedores vão caminhar juntos nessa jornada de eletrificação. Ao mesmo tempo em que busca a redução de custos para a produção dos futuros veículos elétricos, a montadora também espera que a cadeia de valor faça o mesmo. (Automotive Business – 08.03.2022)

<topo>

5 Hyundai/Iveco: Cooperação para desenvolvimento de VEs comerciais

A Hyundai Motor Company e o Grupo Iveco concordaram em explorar uma possível cooperação em tecnologia compartilhada de veículos comerciais, aquisição conjunta e fornecimento mútuo. Possíveis áreas de cooperação incluem powertrains e plataformas elétricas, bem como sistemas de células de combustível de hidrogênio. A Hyundai anunciou que um memorando de entendimento já foi assinado. Este é “um passo preliminar na avaliação do potencial de cooperação dos dois grupos nas áreas de tecnologia e plataformas, que incluem componentes e sistemas”, segundo consta no documento. Isso inclui especificamente as áreas de powertrains e plataformas elétricas, incluindo sistemas de células de combustível, automação de veículos e conectividade para veículos comerciais que são de potencial interesse mútuo. (Electrive – 07.03.2022)

<topo>

6 DOE: Caminhões elétricos serão mais baratos que os movidos a diesel até 2035

Estudo do Departamento de Energia (DOE, sigla em inglês) afirma que, até 2030, quase metade dos caminhões médios e pesados serão mais baratos de comprar, operar e manter, como veículos de emissão zero, do que os tradicionais movidos a diesel. O estudo conclui que avanços em tecnologias de células a combustível e produção de hidrogênio limpo vão baratear o custo de caminhões de zero emissão, aumentando também a oferta no mercado na próxima década. A secretária de Energia dos EUA, Jennifer M. Granholm, diz que a pesquisa aponta um caminho para as empresas de transporte rodoviário mudarem do diesel para o elétrico. “A abordagem abrangente da administração Biden está trabalhando para tornar o transporte limpo uma realidade – reduzindo a exposição aos preços voláteis dos combustíveis, investindo na fabricação americana e criando uma rede nacional de recarga para dar suporte a mais veículos elétricos nas estradas”, afirmou Jennifer. De acordo com o documento, até 2035 será possível alcançar ampla competitividade de custos de veículos médios e pesados de emissão zero. Além disso, os custos de caminhões médios e pesados elétricos de emissão zero serão iguais ou inferiores aos dos caminhões a diesel. Para acessar o estudo na íntegra, clique aqui. (EPBR – 09.03.2022)

<topo>

7 Renault: Dois novos modelos de caminhões elétricos até 2023

A Renault Trucks está expandindo seu portfólio elétrico e anunciou o lançamento no mercado de dois novos modelos de 44 toneladas para o primeiro trimestre de 2023: o Renault Trucks T E-Tech para transporte de longa distância e o Renault Trucks C E-Tech para canteiros de obras. Também estão em andamento planos para outro caminhão elétrico de transporte de carga. Os novos modelos serão produzidos na fábrica da Renault Trucks em Bourg-en-Bresse, na França. Os Renault Trucks T e C E-Tech terão dois e três motores elétricos, respectivamente, com uma potência total de até 490 kW e estarão também equipados com uma transmissão Optidriver. Dependendo dos requisitos do cliente, os veículos terão de duas a seis baterias de íons de lítio com capacidade de 180 a 540 kWh. Uma carga completa das baterias do veículo poderá ser completada em 9,5 horas em CA (até 43 kW) ou 2,5 horas em CC (até 250 kW), segundo a empresa francesa. A autonomia com uma única carga é de até 300 quilômetros e com uma carga rápida adicional de 1 hora (250 kW), pode ser estendido para 500 quilômetros, diz a Renault Trucks. (Electrive – 09.03.2022)

<topo>

 

 

Meio Ambiente

1 ESG: Aurora Coop investe em caminhões elétricos nas frotas de SP e RS

Sempre de olho nas tendências de mercado e focada no cuidado com o meio ambiente, a Cooperativa Central Aurora Alimentos (Aurora Coop) iniciou o ano com um investimento que traz inovação e sustentabilidade para o processo logístico. A partir de 2022, a Aurora Coop inclui a utilização de VEs em sua frota de entrega de produtos refrigerados. A iniciativa surgiu como parte dos projetos de Inovação da Aurora Coop e foi implementada pela área de Logística, em função da insegurança de quem opera com veículos a diesel em decorrência dos aumentos do custo do litro do combustível, aliado à preocupação com a poluição do meio ambiente e aquecimento global. A projeção para os próximos anos é utilizar 45 veículos elétricos, distribuídos em todo o Brasil. O primeiro veículo já está realizando entregas na Grande São Paulo/SP e, o segundo, deverá rodar na região metropolitana de Porto Alegre/RS. Os caminhões são modelo VUC (veículo urbano de carga), indicados para circular em áreas urbanas, para atender entregas de varejo que realizam mais de 600 entregas por mês. (O Presente Rural – 14.03.2022)

<topo>

2 ESG: Startup brasileira de mobilidade terá frota 100% elétrica em 2030

A startup brasileira de transporte compartilhado Letz fez o importante anúncio nesta semana de que até 2030 toda a sua frota de serviço será composta por VEs. A Letz, que já captou R$ 30 milhões junto a investidores como Endeavor Brasil, Caravela Capital e Redpoint Eventures, foi criada no início de 2020 com o objetivo de oferecer serviços de mobilidade urbana, especificamente o transporte compartilhado para funcionários, da porta de suas casas até o trabalho, e do trabalho para as suas residências por meio de rotas otimizadas. Este anúncio rumo à mobilidade elétrica faz parte das práticas de governança ambiental, social e corporativa da startup, que compõem a agenda ESG. O objetivo é reduzir custos com o alto preço dos combustíveis e minimizar os impactos da operação no meio ambiente, reduzindo as emissões de carbono. Rumo à meta 100% de carros elétricos até o fim da década, já em 2022 a startup começará a colocar à disposição dos motoristas parceiros os primeiros carros elétricos para que façam suas linhas com mais economia e com menos emissão de poluentes. (Inside EVs – 09.03.2022)

<topo>

3 ESG: Uber investe £ 5 milhões na instalação de 700 carregadores em Londres

Em Londres, os bairros de Brent, Newham e Redbridge estão cooperando com a Uber para instalar 700 carregadores para carros elétricos nas ruas de Londres. A Uber está investindo £ 5 milhões nos carregadores, que serão da marca Uber, mas disponíveis para todos os motoristas. O objetivo é que os novos pontos de carregamento na rua melhorem o acesso para quem não tem calçadas ou carregadores domésticos. A Uber diz que trabalhará com os bairros para determinar onde os carregadores devem ser instalados. Até agora, em Londres, a maioria dos carregadores de VEs da cidade está instalada no centro e oeste de Londres, com mais de um quarto dos carregadores em Westminster, Kensington, Chelsea, Hammersmith e Fulham. Os novos carregadores devem permitir um melhor acesso para os motoristas de veículos elétricos de uso privado no norte e leste de Londres. A Uber diz que a estrutura política de apoio em Londres permitiu que a Uber acelerasse seus esforços de eletrificação na cidade. A empresa de carona diz que mais de 5.000 VEs estão atualmente no aplicativo Uber em Londres e diz que está a caminho de mais que dobrar esse número até o final do ano. A Uber quer se tornar uma plataforma totalmente elétrica em Londres até 2025. (Electrive – 11.03.2022)

<topo>

4 ESG: Serviço de ambulância de Londres adiciona VEs à frota

O London Ambulance Service (LAS, na sigla em inglês) está comprando 42 Ford Mustang Mach-E para usar como veículos de resposta rápida, juntamente com três motocicletas elétricas. A LAS disse que cerca de 100 de seus veículos de linha de frente e “back office” serão elétricos ou híbridos até o final do ano. A compra total foi de 225 veículos novos, a maioria dos quais serão veículos com motor de combustão. 19 deles são a nova ambulância “leve” de 3,5 toneladas da Ford, baseada no chassi Ford Transit, e 21 novas ambulâncias convencionais, que a LAS diz serem mais eficientes em termos de combustível do que as atualmente em operação. Segundo o órgão, essas novas ambulâncias leves têm potencial para serem convertidas em elétricas. Embora já existam ambulâncias elétricas em desenvolvimento, a LAS diz que, atualmente, a quantidade de energia exigida pelo equipamento médico de bordo é um problema. Em agosto do ano passado, o NHS do Reino Unido anunciou que cooperaria com a Ford para desenvolver ambulâncias totalmente elétricas do E-transit com o Venari Group, após o Serviço Nacional de Saúde britânico anunciar que planejava adquirir uma frota de veículos. (Electrive – 10.03.2022)

<topo>

 

 

Eventos e Estudos

1 ICCT: Estudo analisa impacto de o^nibus zero emissa~o na frota de operador na cidade de Sa~o Paulo

Um estudo realizado por pesquisadores do International Council on Clean Transportation (ICCT) abordou o impacto nas emisso~es de gases de efeito estufa e poluentes atmosfe´ricos, da transic¸a~o de uma frota de o^nibus a diesel para ônibus ele´tricos a bateria na cidade de São Paulo. A análise foi realizada a partir da avaliação da Transwolff, uma das 26 empresas privadas que operam o sistema de transporte coletivo por o^nibus da cidade. O documento concluiu que os ônibus a diesel e ele´tricos têm custos de propriedade estimados muito semelhantes, atualmente, com diferenc¸a de 1,1% a 4,9%. Esse cálculo incorpora previso~es de reduc¸a~o do prec¸o de o^nibus ele´tricos devido ao desenvolvimento desse mercado e projec¸o~es de aumento no prec¸o do combusti´vel. No entanto, os cena´rios alternativos simulados indicam que há ainda mais espaço para os o^nibus ele´tricos melhorarem sua competitividade perante a alternativa a diesel. Em particular, a reduc¸a~o do prec¸o de aquisic¸a~o dos vei´culos ele´tricos e do aluguel das baterias tem potencial de aumentar a viabilidade financeira dessa tecnologia. Para ler o estudo na íntegra, clique aqui. (ICCT – 07.03.2022)

<topo>

2 Benchmark Minerals: Capacidade de gigafactorys na Europa crescerá 6 vezes até 2030

A Europa tornou-se a região de crescimento mais rápido para a capacidade de novas baterias de íons de lítio para veículos elétricos fora da China, de acordo com a Benchmark Minerals. Em 2018, a avaliação da Gigafactory de baterias de íons de lítio da Benchmark relatou que a capacidade das células de bateria da Europa seria de 120 GWh até 2030 – células suficientes para 2,2 milhões de EVs. Agora, esse número de capacidade anual planejada é de 789,2 GWh em 2030 – um aumento de mais de 6 vezes e suficiente para produzir quase 15 milhões de VEs puros. No entanto, observa a Benchmark, a questão permanece quanto dessa capacidade realmente entrará em operação e com que qualidade. A Benchmark explorará esse tópico em sua próxima Battery Megafactories Europe 2022, de 22 a 23 de março, em Berlim, Alemanha. Para saber mais sobre o evento, clique aqui. (Green Car Congress – 12.03.2022)

<topo>

3 NREL: Estudo aponta que ZEVs atingirão paridade de custos com veículos a diesel até 2035

Um novo estudo do Laboratório Nacional de Energia Renovável (NREL, sigla em inglês) do Departamento de Energia dos EUA (DOE, sigla em inglês) descobriu que, com melhorias contínuas nas tecnologias de veículos e combustíveis (em linha com as metas do DOE e aprovadas pela indústria), os veículos de emissão zero (ZEVs, sigla em inglÊs) podem atingir paridade de custo total de condução com veículos convencionais a diesel até 2035 para todas as classes de veículos médios e pesados (MD/HD) (sem incentivos). Além disso, supondo que a economia impulsione a adoção, o estudo conclui que as vendas de ZEV podem atingir 42% de todos os caminhões MD/HD até 2030, refletindo menores custos combinados de compra e operação de veículos (usando períodos de retorno do mundo real). Nesse cenário, as vendas de ZEV atingem mais de 99% até 2045 e 80% do estoque de MD/HD transita para ZEVs até 2050, reduzindo as emissões de CO2 em 69% a partir de 2019. Para ler o estudo na íntegra, clique aqui. (Green Car Congress – 08.03.2022)

<topo>


Equipe de Pesquisa UFRJ
Editor: Prof. Nivalde J. de Castro (nivalde@ufrj.br)
Subeditores: Fabiano Lacombe e Luiza Masseno
Pesquisadores: João Pedro Gomes, Leonardo Gonçalves e Vinicius José da Costa
Assistente de pesquisa: Sérgio Silva

As notícias divulgadas no IFE não refletem necessariamente os pontos da UFRJ. As informações que apresentam como fonte UFRJ são de responsabilidade da equipe de pesquisa sobre o Setor Elétrico do Instituto de Economia da UFRJ.

POLÍTICA DE PRIVACIDADE E SIGILO
Respeitamos sua privacidade. Caso você não deseje mais receber nossos e-mails,  Clique aqui e envie-nos uma mensagem solicitando o descadastrado do seu e-mail de nosso mailing.


Copyright UFRJ

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: