IFE.H2 71

Informativo Eletrônico – Geração de Energia com Hidrogênio nº 71 – publicado em 07 de março de 2022.

IFE: Informativo Eletrônico de Hidrogênio – GESEL-UFRJ <!–

l

IFE: nº 71 – 07 de março de 2022
http://gesel.ie.ufrj.br/
gesel@gesel.ie.ufrj.br

Editor: Prof. Nivalde J. de Castro

Índice

Políticas Públicas e Financiamentos
1
Austrália: Governo lança programa de financiamento multimilionário para veículos de emissão zero
2 Canadá: Rede de Inovação de Recursos Limpos investe US$ 6,8 milhões para projeto
3 Estados Unidos: DOE lança o H2 Matchmaker Map para acelerar o setor de hidrogênio
4 Estados Unidos: DOE pede opinião pública sobre planos de hub de hidrogênio
5 Estados Unidos: Programa Gold Hydrogen pretende extrair hidrogênio natural do subsolo
6 Índia: Governo estabelece nova política para acelerar ambições de hidrogênio
7 Noruega: UE investe US $3,4 milhões para desenvolver tecnologia de hidrogênio por meio do programa Horizon Europe
8 Portugal: Governo aprova regulamento de apoio à produção de hidrogênio renovável

Produção
1 Barbados: Rubis e HDF Energy realizam investimento inicial para desenvolver planta de H2V
2 Bélgica: Empresas assinam acordo para desenvolver planta de H2V de 100 MW
3 Coreia do Sul: Bloom Energy e SK concluem usina de hidrogênio
4 Espanha: Lançado o HyDeal España, maior hub integrado de hidrogênio renovável do mundo
5 Japão: Parque de Hidrogênio Takasago será desenvolvido pela Mitsubishi
6 Portugal: Fusion Fuel e KEME Energy para desenvolver usina de H2V de 1,22 MW
7 Turquia: País terá sua primeira planta de produção de hidrogênio verde

Armazenamento e Transporte
1 EUA: Pesquisa explora o potencial de armazenamento de hidrogênio através do efeito de rolha molecular

Uso Final
1 Alemanha: Empresa garante fornecimento de hidrogênio para ambições da siderurgia verde
2 Alemanha: Frankfurt aposta no transporte público movido a hidrogênio
3 Japão: País desenvolverá motor a hidrogênio de última geração para aeronaves
4 Noruega: Empresas parceiras apresentam estação flutuante de hidrogênio para barcos

5 Reino Unido: Infraestrutura de transporte usando soluções inovadoras de hidrogênio
6 Singapura: CAAS, Airbus, Cag e Linde estudam combustível hidrogênio na aviação sustentável
7 Suécia: Navio-tanque MR movido a hidrogênio pronto para transformar a indústria naval

Tecnologia e Inovação
1 EUA: O futuro da energia – H2 Energy Group apresenta hidrogênio verde acessível
2 EUA: Químicos desenvolvem composto de gálio-alumínio para geração rápida de hidrogênio
3 Finlândia: Dimensionamento da tecnologia de produção de hidrogênio a partir de metano se torna viável
4 Japão-China: Pesquisadores aumentam a estabilidade do eletrocatalisador de óxido de cobalto

Eventos
1 3º Workshop internacional sobre Códigos e Normas de Segurança do Hidrogênio
2 Seminário: “EnergyTransition: Missing links for successful implementation of renewables”
3 Hydrogen Online Workshop 2022
4 Webinar “Interim Findings from Hydrogen research ”

Artigos e Estudos
1 Artigo: “Quão verdes são as estratégias nacionais de hidrogênio?
2 Estudo do Ciclo de vida do metanol verde com hidrogênio verde x gás natural
3 EPE: Nota técnica do hidrogênio Azul
4 EPE: Nota técnica do hidrogênio cinza

5 Sustentabilidade ambiental de tecnologias alternativas de propulsão marítima a hidrogênio
6 Um estudo de avaliação sobre três métodos de produção de hidrogênio limpo



 

 

Políticas Públicas e Financiamentos

1 Austrália: Governo lança programa de financiamento multimilionário para veículos de emissão zero

A Austrália assumiu o compromisso de reduzir as emissões do setor de transporte e lançou um programa de financiamento de US$ 127,9 milhões para apoiar a mudança para veículos movidos a hidrogênio, nos próximos quatro anos. Revelado no dia 19 de fevereiro, pela Agência Australiana de Energia Renovável (ARENA) em nome do governo australiano, o Programa de Combustíveis do Futuro terá financiamento dedicado à implantação de veículos a células a combustível e à infraestrutura de apoio. Como um todo, o esforço funcionará como um programa competitivo, aberto e contínuo que apoiará os operadores de veículos e as várias metas de descarbonização estabelecidas pelo governo australiano. Darren Miller, CEO da ARENA, disse que ajudar os usuários da frota a migrar para veículos sem emissões significa colocar mais carros e caminhões nas estradas, levando o setor de transporte rodoviário a um futuro com zero emissões. Desde 2016, a ARENA comprometeu mais de US $78 milhões em tecnologias para veículos com zero emissões, como infraestrutura de hidrogênio e continua a apoiar a economia de hidrogênio em evolução da Austrália. O Programa de Combustíveis do Futuro marca a próxima etapa da Estratégia de Combustíveis e Veículos do Futuro lançada pelo governo australiano em novembro (2021). (ARENA – 19.02.2022)

<topo>

2 Canadá: Rede de Inovação de Recursos Limpos investe US$ 6,8 milhões para projeto

Um projeto de demonstração de captura de carbono da FuelCell Energy usando tecnologia de célula a combustível recebeu US $6,8 milhões da Rede de Inovação de Recursos Limpos (CRIN) do Canadá para apoiar a inovação em hidrogênio. O projeto de demonstração visa fornecer uma solução econômica para captura de carbono que a FuelCell Energy disse ser cara e consumir quantidades significativas de energia. A solução, usando células a combustível, é capaz de capturar carbono de usinas de energia ou gases de combustão de caldeiras enquanto produz energia elétrica limpa. Ao fazer isso, o projeto pretende reduzir o custo geral da manutenção da captura de carbono. De acordo com a empresa, a FuelCell Energy oferece a única plataforma conhecida que pode capturar dióxido de carbono de uma fonte externa ao mesmo tempo em que produz energia. (CRIN – 16.02.2022)

<topo>

3 Estados Unidos: DOE lança o H2 Matchmaker Map para acelerar o setor de hidrogênio

O Departamento de Energia dos EUA (DOE) revelou, no dia 17 de fevereiro, que seu inovador H2 Matchmaker Map foi lançado para apoiar o crescente setor de hidrogênio. O H2 Matchmaker é um recurso que ajuda produtores de hidrogênio limpo, usuários finais e outros, a encontrar oportunidades para desenvolver redes de produção, armazenamento e infraestrutura de transporte. Ele exibe um mapa usando as informações recebidas por meio de um formulário on-line que as partes interessadas podem usar para se conectar com outras pessoas próximas. Ao fazê-lo, o mapa ajuda empresas afins no setor de hidrogênio a trabalharem juntas para apoiar projetos e a comunidade geral de hidrogênio na América do Norte. De acordo com o DOE, o matchmaker irá aumentar a conscientização regional sobre o hidrogênio e as células a combustível, apoiar desenvolvedores e fornecedores de tecnologia, estimular o desenvolvimento do setor privado de produção de hidrogênio, armazenamento e infraestrutura de transporte, bem como a implantação de células a combustível nas regiões. As empresas podem incluir seus próprios projetos no mapa preenchendo um formulário H2 Matchmaker, para saber mais clique aqui. (DOE – 17.02.2022)

<topo>

4 Estados Unidos: DOE pede opinião pública sobre planos de hub de hidrogênio

O Departamento de Energia dos EUA (DOE) está procurando contribuições públicas sobre os US $8 bilhões anunciados anteriormente para hubs regionais de hidrogênio limpo. O financiamento foi estabelecido sob a nova Lei de Infraestrutura Bipartidária que visa apoiar a meta do presidente Joe Biden, de alcançar zero emissões de carbono líquidas até 2050. O Departamento de Energia dos EUA (DOE) divulgou, no dia 15 de fevereiro, a chamada que poderia ditar onde alguns dos maiores hubs de hidrogênio dos EUA poderiam estar localizados em todo o país. O país procura descarbonizar o setor industrial, que responde por um terço das emissões domésticas de carbono nos EUA e aumentar o uso de hidrogênio como transportador de energia. Acredita-se que o pedido de informações reunirá excelentes contribuições das partes interessadas, incluindo líderes regionais, grupos locais, membros da comunidade de justiça ambiental, pesquisadores, desenvolvedores de tecnologia, empresas e muitos outros para ajudar a desenvolver os programas de hidrogênio limpo. Já os estados como Califórnia, Georgia, Novo México, Nova Iorque, Ohio, manifestaram grande interesse em receber apoio governamental para desenvolver centros de hidrogênio. O DOE dos EUA disse que os US$ 8 milhões anunciados financiarão pelo menos quatro centros de hidrogênio no país. (DOE – 15.02.2022)

<topo>

5 Estados Unidos: Programa Gold Hydrogen pretende extrair hidrogênio natural do subsolo

Uma nova coalizão de organizações lançou um programa chamado Gold Hydrogen, que pretende extrair o hidrogênio do subsolo, apelidado de hidrogênio de ouro. O gás pode ser encontrado naturalmente nas profundezas da Terra e anteriormente era inatingível, mas novas técnicas de biofabricação de subsuperfície criadas pela Cemvita podem permitir a extração desse recurso. Com o potencial de revitalizar milhares de reservatórios de petróleo e gás esgotados e abandonados nos EUA, as técnicas de extração combinam infraestrutura existente com microbiologia de ponta para dimensionar soluções de energia limpa rapidamente, criando novos fluxos de receita para empresas da indústria pesada. O programa Gold Hydrogen contém participantes globais da indústria de hidrogênio, incluindo Cemvita Factory, Chart Industries, EXP e o Center for Houston’s Future. Por meio do Programa Gold Hydrogen, as empresas associadas colaboram para gerar hidrogênio dourado de forma limpa, eficiente e em escala para atender à crescente demanda global. (Cemvita – 17.02.2022)

<topo>

6 Índia: Governo estabelece nova política para acelerar ambições de hidrogênio

No dia 18 de fevereiro, o governo indiano realizou seu mais recente movimento para ajudar o país a se tornar um centro de hidrogênio verde e produzir cinco milhões de toneladas do transportador de energia até 2030. Os fabricantes de hidrogênio e amônia devem se beneficiar com a nova política anunciada, que foi descrita como um passo importante na transição da Índia para deixar os combustíveis fósseis. Sob a nova política, os fabricantes de hidrogênio verde e amônia podem comprar, trocar ou configurar capacidade de energia renovável por conta própria. Além disso, os geradores também poderão armazenar energia renovável não consumida por até 30 dias, negociando com uma empresa de distribuição, e recuperá-la quando necessário. “A implementação desta política fornecerá combustível limpo para as pessoas comuns do país”, disse o governo indiano em comunicado. Sobre o assunto de exportação, a política também permitirá que fabricantes de hidrogênio verde e amônia instalem bunkers próximos aos portos para armazenamento de amônia verde para exportação. (India Government – 17.02.2022)

<topo>

7 Noruega: UE investe US $3,4 milhões para desenvolver tecnologia de hidrogênio por meio do programa Horizon Europe

A Seid recebeu NOK 30 milhões (US $3,4 milhões) para desenvolver sua tecnologia de hidrogênio por meio do programa da EU Horizon Europe. A União Europeia quer cultivar a melhor tecnologia possível para a produção de hidrogênio, já que considera o hidrogênio uma peça importante para poder atingir o seu objetivo de reduzir as emissões de gases com efeito de estufa. O vetor energético pode, entre outras coisas, ser usado como combustível onde a bateria não funciona bem. Atualmente, a forma mais comum de produzir hidrogênio é a partir do gás natural, mas o método fornece o dióxido de carbono do gás de efeito estufa como resíduo. A Seid também pretende usar o gás natural, ou biogás, mas a empresa quer fazer isso de uma forma que se aproveite o carbono residual como um produto sólido, em vez de dióxido de carbono. (Hydrogen Central – 16.02.2022)

<topo>

8 Portugal: Governo aprova regulamento de apoio à produção de hidrogênio renovável

O Governo português aprovou o regulamento do sistema de incentivos para a produção de hidrogênio renovável e outros gases, no âmbito do Plano de Recuperação e Resiliência, pela Portaria n.º 98-A/2022. No âmbito deste Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), Portugal definiu um conjunto de investimentos e reformas que contribuem para as seguintes dimensões: resiliência, transição climática e transição digital. Os projetos abrangidos por este sistema dizem respeito à produção de gases de origem renovável, referentes ao desenvolvimento de novas tecnologias ou com tecnologias testadas e que não estejam ainda “suficientemente disseminadas”. Para usufruírem dos apoios, os beneficiários (pessoas coletivas públicas ou privadas) devem estar legalmente constituídos, ter a situação tributária e contributiva regularizada, poder desenvolver atividades no território, possuir os meios técnicos, físicos e financeiros para o desenvolvimento das operações e apresentar uma situação “econômico-financeira equilibrada”. Por outro lado, não podem ter salários em atraso, nem se enquadrar no conceito de “empresa em dificuldade” e têm que comprovar não se tratar de uma empresa “sujeita a uma injunção de recuperação ainda pendente”. (02.2022)


<topo>

 

 

Produção

1 Barbados: Rubis e HDF Energy realizam investimento inicial para desenvolver planta de H2V

A Rubis, empresa que atua no setor energético em conjunto com a HDF Energy, pioneira mundial na produção de hidrogênio, está realizando um investimento inicial para desenvolver um projeto de construção e operação de uma planta de hidrogênio em Barbados, país localizado no Caribe. Diante do potencial de produção de energia solar do país, as empresas irão desenvolver uma planta que utilizará eletrolisadores alimentados por 50 MW de energia solar, para produzir o hidrogênio verde (H2V). O projeto pretende desenvolver a infraestrutura local, além de ajudar Barbados a cumprir com a meta de 100% de energia renovável até o ano de 2030. (H2 View – 18.02.2022)

<topo>

2 Bélgica: Empresas assinam acordo para desenvolver planta de H2V de 100 MW

As empresas Hyoffwind, John Cockerill e BESIX assinaram um acordo para desenvolver um projeto de uma usina de hidrogênio em Zeebrugge, na Bélgica. A usina contará com duas fases: a primeira visa a produção do hidrogênio verde (H2V) a partir de um eletrolisador com uma capacidade instalada de 25 MW e a segunda visa escalonar a planta para 100 MW. Posterior ao processo de produção, o projeto pretende desenvolver experiência nas áreas de armazenamento e transporte de hidrogênio, sobretudo na infraestrutura da rede de gás natural. O desenvolvimento deste projeto será fundamental para a criação de uma economia do hidrogênio em toda a Bélgica e para o reforço da economia europeia. (John Cockerill – 15.02.2022)

<topo>

3 Coreia do Sul: Bloom Energy e SK concluem usina de hidrogênio

A Bloom Energy, empresa energética sustentável, e a SK Ecoplant, uma empresa que atua no setor energético, concluíram o desenvolvimento de uma usina de hidrogênio na Coreia do Sul. A usina conta com um eletrolisador de óxido sólido (SOEC) que produz o hidrogênio a alta temperatura. Atualmente, a planta demonstrativa já está com a produção do gás sendo estabelecida em uma fase teste, para que possa operar com toda sua capacidade de produção e posteriormente aumentar a sua escala. O projeto atua de maneira significativa na inovação e desenvolvimento da economia do hidrogênio da Coreia do Sul, possibilitando a descarbonização do país. (H2 View – 17.02.2022)

<topo>

4 Espanha: Lançado o HyDeal España, maior hub integrado de hidrogênio renovável do mundo

O HyDeal España é a primeira implementação industrial da plataforma HyDeal Ambition, que foi recentemente classificada pela Agência Internacional de Energia Renovável (IRENA) como o maior projeto de hidrogênio renovável em escala giga do mundo. A HyDeal España gerenciará o desenvolvimento, financiamento e construção de infraestruturas de produção e transmissão de hidrogênio renovável. Ele fornecerá hidrogênio renovável competitivo para um complexo industrial nas Astúrias a partir de instalações localizadas no norte da Espanha. A HyDeal España foi oficialmente constituída como uma joint venture industrial em novembro de 2021, após um estudo de pré-viabilidade de um ano. Os patrocinadores âncoras incluem ArcelorMittal, Enagás, Grupo Fertiberia e DH2 Energy. A produção está prevista para começar em 2025 e a capacidade total instalada deverá atingir 9,5 GW de energia solar e 7,4 GW de eletrolisadores até 2030. (DH2 Energy – 15.02.2022)

<topo>

5 Japão: Parque de Hidrogênio Takasago será desenvolvido pela Mitsubishi

Com as tecnologias de hidrogênio se tornando cada vez mais populares no Japão, a Mitsubishi Heavy Industries estabeleceu o Takasago Hydrogen Park para conter instalações de produção e armazenamento de hidrogênio. O novo parque permitirá que a empresa gere hidrogênio suficiente para o mercado de energia japonês, além de permitir que a Mitsubishi comercialize sua tecnologia de turbina a gás hidrogênio até 2025. A Mitsubishi pretende expandir a produção no parque de hidrogênio com produtos com 30% de co-queima para grandes turbinas a gás e 100% de queima dedicada para pequenas e médias turbinas em 2025. A construção e operação do parque está prevista para 2023 com a instalação de um eletrolisador para gerar hidrogênio verde e, adicionalmente, produção de hidrogênio a partir da decomposição térmica do metano. A tecnologia de combustão de hidrogênio será explorada em uma turbina a gás do tipo H-25. O parque de hidrogênio da Mitsubishi ajudará a demonstrar tecnologias inovadoras que podem contribuir significativamente para a descarbonização de várias indústrias japonesas. (Mitsubishi Power – 22.02.2022)

<topo>

6 Portugal: Fusion Fuel e KEME Energy para desenvolver usina de H2V de 1,22 MW

A Fusion Fuel, uma empresa que atua no fornecimento de soluções inovadoras para a produção de hidrogênio verde (H2V), pretende desenvolver uma planta de hidrogênio em Sines, Portugal, em conjunto com a KEME Energy, empresa do mercado de energias renováveis A planta produzirá H2V a partir de eletrolisadores alimentados por energia solar a partir da tecnologia HEVO-Solar da Fusion Fuel. O investimento total para o projeto é de 2,54 milhões de euros e a capacidade de produção de hidrogênio será de 1,22 MW, o que pode vir a produzir 77 toneladas por ano do gás renovável. Em seu uso final, o gás será utilizado no setor industrial e no setor de transportes. (Fusion Fuel – 22.02.2022)

<topo>

7 Turquia: País terá sua primeira planta de produção de hidrogênio verde

A Turquia deve construir sua primeira planta de produção de hidrogênio verde em Bandirma, Balikesir, com a Agência de Desenvolvimento de South Marmara liderando o desenvolvimento do projeto promissor. Além da agência, irão participar do projeto de hidrogênio verde também a Enerjisa Üretim Santralleri A.S, a Direção Geral de Operações Eti Maden, a TÜBITAK MAM e a ASPILSAN Enerji A.S. A usina ajudará a atender às crescentes demandas de energia na Turquia, sendo a região sul de Mármara uma das principais regiões do país com maiores demandas de eletricidade. Com os recursos de energia renovável disponíveis na área, esta usina será uma base para construir outras usinas de hidrogênio verde para descarbonizar grande parte das indústrias da Turquia. A Turquia também é uma promessa significativa na produção de grandes quantidades de hidrogênio verde e, devido a sua localização geográfica, possui grande possibilidade de exportar o transportador de energia limpa para a Europa, Ásia e Oriente Médio. (Hydrogen Central – 17.02.2022)

<topo>

 

 

Armazenamento e Transporte

1 EUA: Pesquisa explora o potencial de armazenamento de hidrogênio através do efeito de rolha molecular

O Dr. Scott Simpson recebeu da National Science Foundation (NSF) uma doação de US $544.892 que o ajudará a resolver um problema com grande impacto em todo o mundo e impulsionar a pesquisa científica na Universidade de St. Bonaventure. Sua proposta de pesquisa intitulada “Investigando o Efeito Molecular Corking para Potencial Armazenamento de Hidrogênio” estudará um fenômeno químico intrigante chamado “efeito de rolha molecular”, que pode ser útil como mecanismo de armazenamento de gás hidrogênio. O efeito de rolha molecular usa pressão química para armazenar hidrogênio em vez da pressão mecânica convencional. (Fuel Cells Works – 18.02.2022)

<topo>

 

 

Uso Final

1 Alemanha: Empresa garante fornecimento de hidrogênio para ambições da siderurgia verde

A empresa alemã Salzgitter está um passo mais perto de alcançar suas ambições do aço de baixo carbono, através de um novo acordo com a Uniper, que irá fornecer hidrogênio verde de sua fábrica de Wilhelmshaven na Alemanha. O projeto da Uniper Green Wilhelmshaven contará com duas usinas de hidrogênio desenvolvidas em paralelo. A primeira instalação contará com uma planta de eletrólise com capacidade de até 1.000 MW e a segunda converterá amônia verde de volta em hidrogênio. Sob os planos do acordo recém-assinado, a Uniper em breve fornecerá à Salzgitter o gás produzido e irá conduzi-lo através da rede de dutos de hidrogênio alemã. Além dos focos acima, a Salzgitter e a Uniper também cooperarão com parceiros adicionais para desenvolver instalações de armazenamento em cavernas subterrâneas. (Salzgitter – 21.02.2022)

<topo>

2 Alemanha: Frankfurt aposta no transporte público movido a hidrogênio

A Everfuel recebeu um pedido da In-der-City-Bus GmbH (ICB) para sua estação, bem como um contrato de fornecimento de hidrogênio por três anos. O hidrogênio verde dispensado na estação será entregue nos trailers de hidrogênio personalizados da Everfuel e mostrará como as emissões de gases de efeito estufa podem ser reduzidas com o gás. O pedido de estação da ICB para sua frota de ônibus movida a célula a combustível mostra o compromisso da empresa com o transporte com zero emissões. A empresa já encomendou seus primeiros 13 ônibus com células a combustível que circularão exclusivamente por bairros do centro da cidade e áreas próximas ao centro da cidade de Frankfurt. A nova estação de H2 estará pronta para abastecer pelo menos 22 ônibus com célula a combustível diariamente na cidade de Frankfurt, na Alemanha. (Everfuel – 18.02.2022)

<topo>

3 Japão: País desenvolverá motor a hidrogênio de última geração para aeronaves

O Ministério da Educação, Cultura, Esportes, Ciência e Tecnologia e a Agência de Exploração Aeroespacial do Japão (JAXA) iniciarão o desenvolvimento de um motor de aeronave de próxima geração que usa hidrogênio líquido como combustível, ainda no ano de 2022. A JAXA tem experiência no uso de hidrogênio líquido como combustível para foguetes. A agência continuará sua pesquisa e desenvolvimento de bombas para enviar o combustível para motores, câmaras de combustão e materiais para tanques até o ano de 2030, e as tecnologias desenvolvidas serão transferidas para fabricantes nacionais e outros. A indústria de aviação do Japão carece de tecnologia para projetar e fabricar aeronaves completas por conta própria. No entanto, a Mitsubishi Heavy Industries pretende desenvolver esses motores a hidrogênio. Como o hidrogênio líquido tem uma temperatura baixa de -253 ºC, também há planos para aproveitar essa capacidade de resfriamento e combiná-la com motores supercondutores. (The Japan News – 19.02.2022)

<topo>

4 Noruega: Empresas parceiras apresentam estação flutuante de hidrogênio para barcos

A Hynion e a Hyrex criaram no ano passado uma joint venture para o estabelecimento de estações de hidrogênio para reabastecimento de barcos de lazer com combustível de emissão zero. O estabelecimento de estações flutuantes de hidrogênio melhorará a disponibilidade de hidrogênio como combustível para o segmento de barcos de lazer e, assim, reduzirá significativamente as emissões de gases de efeito estufa desse mercado. A estação flutuante de hidrogênio permitirá que portos e marinas ofereçam combustíveis com emissão zero ao setor marítimo. A estação que emite apenas oxigênio puro oferecerá hidrogênio comprimido para uma frota crescente de barcos de lazer com transmissão elétrica a hidrogênio. A construção da estação piloto flutuante servirá ao protótipo Hyrex 28 durante os testes no verão de 2022. (Hynion – 18.02.2022)

<topo>

5 Reino Unido: Infraestrutura de transporte usando soluções inovadoras de hidrogênio

O governo do Reino Unido publicou várias estratégias nos últimos meses, dentre essas foi incluída a pauta da descarbonização do transporte, a partir de um setor de hidrogênio de baixo carbono no país. É evidente que o governo espera que o hidrogênio de baixo carbono desempenhe um papel fundamental na descarbonização do transporte. Embora apenas cerca de 2% da frota de ônibus da operadora local da Inglaterra esteja usando combustíveis alternativos, isso sem dúvida começará a aumentar, como resultado do apoio de financiamento adicional e da pressão acelerada para avançar para o zero líquido. No entanto, essa pressão pode fazer com que os interessados adotem soluções de curto prazo, sem a devida consideração de como as decisões tomadas agora afetarão o país a longo prazo, à medida que o mercado se desenvolve. Para ler um pouco mais sobre um dos projetos de hidrogênio para mobilidade do Reino Unido, clique aqui. (The Engineer – 25.02.2022)

<topo>

6 Singapura: CAAS, Airbus, Cag e Linde estudam combustível hidrogênio na aviação sustentável

A Autoridade de Aviação Civil de Cingapura (CAAS) assinou um acordo de cooperação com a Airbus, Changi Airport Group (CAG) e Linde para estudar o desenvolvimento do fornecimento de hidrogênio e infraestrutura para a aviação. O acordo resulta do MoU CAAS-Airbus Sustainable Aviation assinado em novembro de 2021 para trabalhar em conjunto em programas e iniciativas para apoiar o setor de aviação no cumprimento de suas metas de descarbonização. As quatro partes colaborarão para realizar análises de mercado sobre a demanda e fornecimento de hidrogênio projetados para a aviação, prontidão regional e viabilidade comercial e técnica da adoção do hidrogênio. O acordo também avaliará os requisitos de infraestrutura para um hub aeroportuário de hidrogênio e eletrificação das operações aeroportuárias com célula a combustível de hidrogênio. (CAAS – 15.02.2022)

<topo>

7 Suécia: Navio-tanque MR movido a hidrogênio pronto para transformar a indústria naval

A FKAB Marine Design está pronta para transformar o setor marítimo com seu MR Tanker, que permite o uso de hidrogênio como combustível sem a necessidade de abastecimento e armazenamento a bordo. Reconhecendo o avanço que tal inovação pode propor para a indústria, o RINA concedeu recentemente a Aprovação em Principal (AiP) para a tecnologia, marcando o que se acredita ser o primeiro AiP concedido a um projeto que atualmente usa tecnologias e combustíveis viáveis para alcançar o alvo da Organização Marítima Internacional em 2050. Com base na combinação de GNL com um reformador para dividir as moléculas de GNL em hidrogênio e dióxido de carbono, a solução visa reduzir as emissões de dióxido de carbono de um navio, o que deve garantir uma classificação competitiva do Índice de Intensidade de Carbono (CII). Antonios Trakakis, Diretor Técnico Marítimo da Grécia, disse: “Este novo design permite o uso de hidrogênio como combustível sem a necessidade de abastecimento e armazenamento a bordo e excede as metas IMO 2050 para redução de 70% da intensidade de carbono.” (FKAB – 17.02.2022)

<topo>

 

 

Tecnologia e Inovação

1 EUA: O futuro da energia – H2 Energy Group apresenta hidrogênio verde acessível

O H2 Energy Group, Inc. pretende ser um dos produtores de hidrogênio mais acessíveis, sustentáveis e renováveis do mundo. A tecnologia usada pela empresa é Pirólise Rápida de Alto Rendimento escalável e modular, que usa biomassa lenhosa sustentável e renovável para produzir gás de síntese rico em hidrogênio, a um custo competitivo de produção, quando comparado ao hidrogênio obtido a partir da reforma a vapor (SMR). O processo é ecologicamente correto, neutro em carbono e pequenas pegadas de água, trazendo energia de hidrogênio verde e acessível para o mundo. Dentre as principais características da tecnologia temos cerca de 25% do custo do hidrogênio derivado de energia solar ou eólica. (H2 Energy – 17.02.2022)

<topo>

2 EUA: Químicos desenvolvem composto de gálio-alumínio para geração rápida de hidrogênio

Durante anos, os pesquisadores tentaram encontrar maneiras eficientes e econômicas de usar a reatividade do alumínio para gerar hidrogênio limpo. Os químicos da UC Santa Cruz desenvolveram um composto facilmente produzido a partir de gálio e nanopartículas de alumínio que reagem rapidamente com a água à temperatura ambiente para produzir grandes quantidades de hidrogênio. A inovação funciona em condições ambientais e pH neutro para gerar rapidamente 130 mL (5,4 mmol) de hidrogênio por grama da liga. O gálio foi facilmente recuperado para reutilização após a reação, o que rende 90% do hidrogênio que teoricamente poderia ser produzido a partir da reação de todo o alumínio do compósito. Resta saber, no entanto, se o processo pode ser ampliado para ser utilizado comercialmente. Um pedido de patente dos EUA está pendente para a tecnologia e um artigo sobre o trabalho foi publicado na revista ACS Applied Nano Materials. Para ler a pesquisa na íntegra clique aqui. (UC Santa Cruz – 18.02.2022)

<topo>

3 Finlândia: Dimensionamento da tecnologia de produção de hidrogênio a partir de metano se torna viável

A Hycamite TCD Technologies garantiu US $3 milhões em uma rodada de investimentos, para que a empresa possa escalar sua tecnologia inovadora de produção de hidrogênio na Finlândia. A tecnologia fornece uma base para gerar hidrogênio verde através de um processo termocatalítico a partir do metano. Ao fazer isso, o hidrogênio de baixo carbono pode ser gerado a preços competitivos na Finlândia, melhorando tanto a economia do hidrogênio no país nórdico quanto na Europa. Com a demanda de hidrogênio aumentando constantemente em toda a Europa nos próximos anos, a tecnologia e o investimento da Hycamite podem colocá-los na vanguarda da economia de hidrogênio na Finlândia e apoiar as metas de emissão zero do país. (Hycamite – 16.02.2022)

<topo>

4 Japão-China: Pesquisadores aumentam a estabilidade do eletrocatalisador de óxido de cobalto

A produção de hidrogênio via eletrólise da água depende de duas reações – a reação de evolução de hidrogênio (HER) e a reação de evolução de oxigênio (OER). Cada uma delas requer catalisadores altamente eficazes – que geralmente usam metais nobres, com custo elevado. Por isso, uma equipe do RIKEN e do Dalian Institute of Chemical Physics tem se empenhado na busca por um catalisador mais eficiente e está analisando óxidos mistos a base de cobalto e manganês. Ao combiná-los, os pesquisadores esperam aproveitar suas propriedades complementares. A equipe descobriu um catalisador ativo e estável inserindo manganês na rede espinélio de Co3O4, produzindo o óxido misto de manganês e cobalto Co2MnO4. O material se mostrou um catalisador altamente ativo e estável proporcionando a produção de hidrogênio a partir de metais abundantes. O próximo passo em laboratório será encontrar formas de estender a vida útil do novo catalisador e aumentar ainda mais seus níveis de atividade. Para ler o estudo na íntegra clique aqui. (RIKEN – 15.02.2022)

<topo>

 

 

Eventos

1 3º Workshop internacional sobre Códigos e Normas de Segurança do Hidrogênio

No dia 02 e 03 de março ocorrerá outro workshop para continuar os debates relativos à segurança de hidrogênio, regulamentos, códigos e normas. Do ponto de vista da segurança, o foco será na inflamabilidade do hidrogênio, questões de compatibilidade de materiais, aprendizados de acidentes e quase acidentes. Na perspectiva do RCS será destaque o progresso feito nos Regulamentos, Códigos e Padrões do Hidrogênio. Especialistas internacionais e locais renomados apresentarão o conteúdo do workshop. Para se inscrever, clique aqui. (CSIR – Março de 2022)

<topo>

2 Seminário: “EnergyTransition: Missing links for successful implementation of renewables”

Em um seminário, no dia 02 de março, a Invest in Thuringia apresenta quais oportunidades relacionadas ao armazenamento de energia e tecnologias de hidrogênio, o mercado alemão oferece às empresas japonesas e como podem se beneficiar. Serão mostrados os elos que faltam para uma implementação bem-sucedida de 100% de energias renováveis. O evento online dará insights sobre o potencial do mercado e mostrará os primeiros passos essenciais e possíveis suportes para um investimento de sucesso. O seminário online é multilíngue, em japonês e alemão. Para se inscrever, clique aqui. (Invest in Thuringia – Março de 2022)

<topo>

3 Hydrogen Online Workshop 2022

A Mission Hydrogen GmbH organizou um workshop para o dia 03 de março de 2022. O evento fornece uma plataforma global para discutir as questões mais importantes da indústria de hidrogênio. Serão mais de 100 especialistas mundiais em palestras e workshops, com exposição virtual interativa e a presença de mais de 150 países. O acontecimento terá duração de 24 horas, iniciando às 20:00. Para se inscrever, clique aqui. (Mission Hydrogen GmbH – Março de 2022)

<topo>

4 Webinar “Interim Findings from Hydrogen research ”

No dia 25 de fevereiro ocorreu um Webinar realizado pela Net-zero-research network. A Rede, financiada pelo EPSRC, organiza conferências, seminários, workshops e chamadas de financiamento para promover o conhecimento e a compreensão do transporte movido a hidrogênio. Foram apresentados resultados provisórios de projetos de pesquisa financiados pela organização, em particular: “Desenvolvimento de um sistema de craqueamento de amônia a bordo compacto e altamente eficiente para produzir hidrogênio em um avião civil de longo curso movido a hidrogênio” e “Análise computacional de um motor térmico movido a hidrogênio com zero carbono para aplicações de transporte pesado”. (Net-zero-research network – Março de 2022)

<topo>

 

 

Artigos e Estudos

1 Artigo: “Quão verdes são as estratégias nacionais de hidrogênio?

Desde que o Japão promulgou a primeira estratégia nacional de hidrogênio do mundo em 2017, 28 estratégias nacionais (ou regionais, no caso da UE) foram emitidas pelas principais economias mundiais. Este artigo questiona o compromisso das estratégias nacionais de hidrogênio para atingir os objetivos de descarbonização, focando na questão “Quão verdes são as estratégias nacionais de hidrogênio?”. No estudo, foi criada uma tipologia de rigor regulatório para o hidrogênio verde nas estratégias nacionais de hidrogênio, analisando o texto dessas estratégias e suas políticas de apoio e avaliando seu rigor regulatório para a descarbonização. A tipologia inclui quatro parâmetros, penalidades de combustível fóssil, certificações de hidrogênio, habilitação de inovação e a dimensão temporal da eliminação gradual do carvão. Seguindo a tipologia, foram categorizadas as estratégias nacionais de hidrogênio em três grupos: restrição regulatória zero, “poluir primeiro, limpar depois” e hidrogênio verde agora. Por fim, foi observado que a maioria das estratégias nacionais são do tipo “poluir primeiro, limpar depois”, com uma ou mais medidas regulatórias em vigor. (Sustainability – 2022)

<topo>

2 Estudo do Ciclo de vida do metanol verde com hidrogênio verde x gás natural

O metanol verde pode desempenhar um papel importante na descarbonização dos setores químico e energético. Embora existam estudos técnico-econômicos e ambientais sobre metanol verde seguindo uma perspectiva de ciclo de vida, suas implicações sociais do ponto de vista da cadeia de suprimentos permanecem amplamente inexploradas. Para preencher essa lacuna, o trabalho apresenta a primeira avaliação do ciclo de vida do metanol verde produzido com CO2 capturado diretamente do ar e hidrogênio a partir da eletrólise da água usando energia eólica. Quando comparado ao metanol convencional proveniente de gás natural, os resultados sugerem um desempenho desfavorável do metanol verde sob indicadores sociais negativos (trabalho forçado, mulheres na força de trabalho setorial, gastos com saúde, promoção da responsabilidade social e salário justo) devido ao aumento da oferta e complexidade da cadeia do sistema verde. Em contrapartida, o metanol verde teria um desempenho superior ao convencional em termos de contribuição setorial para o desenvolvimento econômico, um indicador social positivo que se beneficiaria com o aumento da jornada de trabalho. (Science of The Total Environment – 2022)

<topo>

3 EPE: Nota técnica do hidrogênio Azul

O hidrogênio é um gás que vem ocupando relativa participação na matriz energética conforme o passar das décadas. A produção de hidrogênio através de combustíveis fósseis apresenta-se como o principal processo para obtenção deste energético principalmente devido ao seu baixo custo. O gás natural é a principal fonte utilizada, respondendo por aproximadamente 75% da produção mundial. Dessa maneira, a Empresa de Pesquisa Energética (EPE), lançou a primeira nota técnica voltada a produção do hidrogênio azul- produzido a partir da reforma a vapor do gás natural com posterior captura do carbono. O estudo da EPE aborda diversos segmentos, sendo eles: tecnologias de reforma a vapor do metano, reforma autotérmica do metano; tecnologias para captura do carbono, bem como potencial para armazenamento geológico do carbono capturado; aspectos econômicos da captura, transporte e armazenamento de carbono; aspectos logísticos da captura, utilização e armazenamento de carbono; extenso estudo de caso. (EPE- fevereiro de 2022)

<topo>

4 EPE: Nota técnica do hidrogênio cinza

O hidrogênio é um gás que está tendo uma maior participação na matriz energética conforme o passar das décadas. Ademais, a produção de hidrogênio através de combustíveis fósseis apresenta-se como o principal processo para obtenção deste energético. O gás natural é a principal fonte utilizada, respondendo por aproximadamente 75% da produção mundial. Dessa maneira, A Empresa de Pesquisa Energética (EPE), lançou a primeira nota técnica voltada a produção do hidrogênio cinza – hidrogênio produzido a partir da reforma do gás natural. O estudo da EPE aborda diversos segmentos, sendo eles: fontes para a produção do hidrogênio, sobretudo a reforma a vapor e outros processos térmicos com gás natural; tecnologias para consumo; aspectos econômicos; aspectos logísticos; prospecção tecnológica; estudo de caso. (EPE- fevereiro de 2022)

<topo>

5 Sustentabilidade ambiental de tecnologias alternativas de propulsão marítima a hidrogênio

Utilizar o hidrogênio como carreador energético é muito promissor para a transição energética e descarbonização no transporte marítimo é de suma viabilidade. Dessa forma, o objetivo deste estudo é desenvolver uma avaliação ambiental de duas tecnologias promissoras para a propulsão em navios, uma Célula a Combustível de Membrana Eletrolítica Polimérica H2 (PEMFC) e um Motor de Combustão Interna a H2 (ICE), a fim de determinar sua viabilidade e elegibilidade em relação ao motor tradicional, o ICE a diesel. A metodologia aplicada segue as diretrizes da Análise do Ciclo de Vida (ACV), considerando uma unidade funcional de 1 kWh de energia produzida. Os resultados da ACV revelam que ambas as alternativas têm grande potencial para promover a transição energética, principalmente o H2 ICE. No entanto, como o nível de prontidão das tecnologias é bastante baixo, concluiu-se que a avaliação foi realizada em um estágio muito inicial, de modo que sua sustentabilidade e desempenho ambiental podem mudar à medida que se tornam mais amplamente desenvolvidas e implantadas. Esse passo só pode ser alcançado com políticas públicas, envolvimento e colaboração das partes interessadas. (Science of The Total Environment – 2022)

<topo>

6 Um estudo de avaliação sobre três métodos de produção de hidrogênio limpo

Neste estudo foi realizada uma avaliação do impacto do ciclo de vida dos métodos de produção de hidrogênio e nuclear para implementação de projetos de energia de hidrogênio. Três métodos foram selecionados como métodos de produção de hidrogênio limpo: eletrólise alcalina, eletrólise de membrana de troca de prótons e o ciclo Cu-Cl. O próprio ciclo Cu-Cl fornece o resultado mais ecológico com 0,86 kg CO2 eq./kg H2 quando energia e calor são considerados commodities primárias de fontes de energia renováveis. No entanto, a eletrólise também apresentou melhores resultados do que a produção de hidrogênio convencional, em comparação com a produção convencional de hidrogênio, que resultou em 7,95 kg CO2 eq./kg H2. (Energy – 2022)

<topo>


Equipe de Pesquisa UFRJ
Editor: Prof. Nivalde J. de Castro (nivalde@ufrj.br)
Subeditores: Fabiano Lacombe, Luiza Masseno e Sayonara Andrade Elizário
Pesquisadores: Allyson Thomas,
José Vinícius S. Freitas, Kalyne Silva Brito e Luana Oliveira 
Assistente de pesquisa: Sérgio Silva

As notícias divulgadas no IFE não refletem necessariamente os pontos da UFRJ. As informações que apresentam como fonte UFRJ são de responsabilidade da equipe de pesquisa sobre o Setor Elétrico do Instituto de Economia da UFRJ.

POLÍTICA DE PRIVACIDADE E SIGILO
Respeitamos sua privacidade. Caso você não deseje mais receber nossos e-mails,  Clique aqui e envie-nos uma mensagem solicitando o descadastrado do seu e-mail de nosso mailing.


Copyright UFRJ

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: