IFE.TEX 70

Informativo Eletrônico – Tecnologias Exponenciais nº 70 – publicado em 17 de janeiro de 2022.

IFE: Informativo Eletrônico de Tecnologias Exponenciais – GESEL-UFRJ <!–

l

IFE: nº 70 – 17 de janeiro de 2022
http://gesel.ie.ufrj.br/
gesel@gesel.ie.ufrj.br

Editor: Prof. Nivalde J. de Castro

Índice

Transição Energética e ESG
1
A energia solar precisa entrar no planejamento energético brasileiro
2 Podcast da Energy Gang: O que os EUA podem aprender com a Austrália com energias renováveis?
3 2021: um bom ano para a bioenergia
4 Índia: Financiamento verde pode impulsionar a transição energética
5 Espanha: Financiamento para energia renovável é prejudicado pela instabilidade regulatória
6 DOE concede US$ 35 milhões a empresas que desenvolvem tecnologias de energia limpa

Geração Distribuída
1 Os Consumidores que produzem a própria energia passarão a pagar tarifa sobre a distribuição
2 Abradee: O Marco da GD permitirá desenvolvimento do setor com menor impacto ao consumidor
3 Idec critica manutenção de subsídios no marco legal da geração distribuída
4 Absolar prevê aceleração de investimentos com lei da GD
5 Rio Grande do Sul atinge 1 GW em geração distribuída
6 Nova-iorquinos financiam 4 GW de energia solar a baixo custo
7 PosiGen recebe US$ 100 milhões de financiamento
8 GAF Energy anuncia novas telhas solares residenciais

Armazenamento de Energia
1 Armazenamento: O grande aliado das renováveis
2 Cooperativas elétricas da Carolina do Norte implementarão 10 projetos de armazenamento
3 Sistema de armazenamento de bateria subaquática será testado nos EUA

4 Nova York dobra a meta de implementação de armazenamento de energia até 2030

5 Voltalia inicia operação da bateria de 32 MW no Reino Unido

Veículos Elétricos
1 EUA: Carolina do Norte estabelece meta para que 50% das vendas de veículos sejam de modelos com emissão zero até 2030
2 EUA: Espera-se um aumento de VEs autônomos para serviços de entrega
3 Os VEs plug-in estão ganhando cada vez mais popularidade na América do Norte, segundo relatório
4 Panasonic comprará insumos reciclados da Redwood Materials para produção de células de bateria

5 China: Preço de matéria-prima para baterias de veículos elétricos atinge recorde
6 Shell converte postos de gasolina em estações de carregamento

Eficiência Energética
1 Projeto de Eficiência Energética regulado pela Aneel atende população atingida por chuvas na Bahia
2 Comissão Europeia irá priorizar a eficiência energética
3 Connecticut visa reduzir emissões de edifícios e atingir a equidade energética

Microrredes e VPP
1 Startup dos EUA lança sistema que transforma residências em microrredes

Tecnologias e Soluções Digitais
1 Rede inteligente da EPB Chattanooga recebe certificação PEER Gold
2 Digien: Plataforma digital de autoconsumo
3 EUA: NREL adquire sistema de computação de alto desempenho de última geração
4 2021 foi um ano recorde para a implantação de medidores inteligentes britânicos, segundo a DCC

5 Módulo de coleta de energia Sigfox está em desenvolvimento

Segurança Cibernética
1 EUA: Indústria de infraestrutura crítica se une para proteger as cadeias de suprimentos por meio do novo Comitê de Governança A2V

Eventos
1 DTE Energy anuncia sessão pública virtual para discutir planejamento de energia limpa o

Artigos e Estudos
1 Artigo de Anna Paula Pacheco: “Medição Inteligente”
2 Relatório: “United States Power Market Outlook to 2030, Update 2021 – Market Trends, Regulations, and Competitive Landscape”
3 Relatório: “Black & Veatch Asia Electric Report”


 

 

Transição Energética e ESG

1 A energia solar precisa entrar no planejamento energético brasileiro

A produção acumulada de eletricidade dos aquecedores solares de água instalados no Brasil é de 13,5 GW, equivalendo à quase totalidade da de Itaipu, de 14 GW. O montante é exatamente igual ao déficit em relação ao que foi programado para o aumento da geração no país nos últimos dez anos, apontado pela Empresa de Pesquisa Energética (EPE). Apesar desses números, esta tecnologia não é reconhecida nos planos anuais. Sendo assim, é fundamental a incorporação dos aquecedores solares de água no planejamento da matriz energética nacional, sua ampliação e diversificação. Isso porque a tecnologia pode contribuir para as necessárias soluções acerca de apagões, equilíbrio da demanda e redução do valor da conta de luz para pessoas físicas e jurídicas. (O Estado de São Paulo – 05.01.2022)

<topo>

2 Podcast da Energy Gang: O que os EUA podem aprender com a Austrália com energias renováveis?

Para um país do tamanho da Austrália, 24% da eletricidade proveniente de fontes renováveis é uma grande conquista. A Austrália tem duas grandes redes de energia interconectadas, o Mercado Nacional de Eletricidade ao longo da Costa Leste e o Mercado de Eletricidade da Austrália Ocidental. Ambas as redes estão recebendo uma grande atualização de energia solar distribuída, resultando em um constante aumento da quantidade de energia gerada por fontes renováveis. Tendo isso em vista, no episódio do podcast da Energy Gang, o Ed Crooks, vice-presidente das Américas na Wood Mackenzie, se juntou a dois representantes importantes da Hitachi Energy para discutir seu trabalho na Austrália e examinar algumas das lições que outros países podem aprender com a experiência da Austrália. (Wood Mackenzie – 04.01.2022)

<topo>

3 2021: um bom ano para a bioenergia

Em 2021, muitas residências e indústrias na Espanha e na União Europeia (UE) dependeram da bioenergia para aquecer ou obter energia para seus processos. Sendo assim, os fabricantes de equipamentos, produtores de biocombustíveis, empresas de instalação e empresas de serviços de energia tiveram um ano realmente bom. Esse período também foi favorável para os usuários finais, que superaram o aumento do custo dos combustíveis fósseis. O parque europeu de equipamentos de biomassa já ultrapassa os 7 milhões de unidades e na Espanha, de acordo com as estimativas do Observatório da Biomassa, ultrapassará as 440 mil unidades até ao final do ano. (Energías Renovables – 05.01.2022)

<topo>

4 Índia: Financiamento verde pode impulsionar a transição energética

O Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente prevê que as temperaturas globais podem subir mais de 3 °C neste século, se o cenário business as usual for mantido. Esse aumento da temperatura tem a capacidade de paralisar as economias, interromper o comércio e o desenvolvimento, bem como empurrar mais pessoas para a pobreza. O Swiss Re Institute estima uma perda em cerca de 10% do valor econômico total e até 18% do PIB global até 2050, devido à mudança climática. A magnitude de perda de valor econômico não é um bom presságio para um país como a Índia, onde o governo pretende quase quadruplicar o tamanho da economia até 2030. Nesse contexto, é importante que as instituições financeiras reforcem a transição energética por meio de esforços contínuos no financiamento da infraestrutura verde no país. (World Economic Forum – 05.01.2022)

<topo>

5 Espanha: Financiamento para energia renovável é prejudicado pela instabilidade regulatória

O ano de 2020 foi um ano atípico em termos de financiamento de projetos de energias renováveis. A paralisação global da energia devido às restrições causadas pela pandemia COVID-19 sobrecarregou as cadeias de suprimento de novas instalações de geração de eletricidade e causou atrasos nos projetos em construção. Esta situação alertou investidores e instituições financeiras que, embora demonstrassem interesse em investir e financiar novos projetos, estavam muito mais cautelosos. Em seguida, o ano de 2021 representou um alívio tendo a recuperação do ritmo nos últimos meses de 2020, quando novos projetos foram anunciados. No entanto, em setembro de 2021, o governo da Espanha aprovou o Real Decreto-Lei 17/2021 (RDL). O RDL incluiu o mecanismo de redução do excesso de remuneração dos altos preços do gás, o que trouxe grande sensação de insegurança jurídica ao setor de energia e praticamente paralisou o financiamento de projetos. (REVE – 07.01.2022)

<topo>

6 DOE concede US$ 35 milhões a empresas que desenvolvem tecnologias de energia limpa

O Departamento de Energia dos EUA (DOE) está concedendo US$ 35 milhões a empresas, visando o desenvolvimento de tecnologias de energia limpa. O financiamento apoiará 158 projetos, que vão desde ferramentas de pesquisa climática até baterias aprimoradas para veículos elétricos. Além disso, o investimento apoiará a meta do presidente Joe Biden de neutralizar as emissões de carbono até 2050. O financiamento vem através dos programas Small Business Innovation Research (SBIR) e Small Business Technology Transfer (STTR) do DOE. ( Daily Energy Insider – 10.01.2022)

<topo>

 

 

Geração Distribuída

1 Os Consumidores que produzem a própria energia passarão a pagar tarifa sobre a distribuição

A Lei n° 14.300/22, que institui o marco legal da geração própria de energia, microgeração e minigeração distribuída, foi sancionada. A sanção foi publicada na edição do Diário Oficial da União. Pela nova lei, os consumidores que produzem a própria energia renovável passarão, a partir de um modelo de transição gradual, a pagar tarifa sobre a distribuição dessa energia: a Tarifa de Uso do Sistema de Distribuição, ou TUSD Fio B. O texto garante que sistemas de geração própria em funcionamento e novas solicitações de acesso até 500 kW (quilowatts), feitas em até 12 meses da publicação da lei, ainda se beneficiarão das regras atuais até o fim de 2045. A lei estabelece um aumento anual da porcentagem paga. Consumidores que solicitarem acesso entre o 13° e o 18° mês da publicação da lei terão um prazo de transição maior, de oito anos, até o pagamento da TUSD Fio B. (Valor Econômico – 07.01.2022)

<topo>

2 Abradee: O Marco da GD permitirá desenvolvimento do setor com menor impacto ao consumidor

A Associação Brasileira de Distribuidores de Energia Elétrica (Abradee) afirmou que a Lei 14.300/2022 é um avanço importante para o segmento de geração distribuída (GD) no país. Segundo as distribuidoras de energia, o marco legal da GD é fundamental para que o segmento continue a se desenvolver, mas num processo de transição com menos impacto aos consumidores de energia do mercado regulado. A entidade lembrou que participou ativamente dos três anos de discussões para formulação da nova legislação, com importantes contribuições técnicas e muito diálogo, em busca do crescimento sustentável e adequado da GD. (Broadcast Energia – 07.01.2022)

<topo>

3 Idec critica manutenção de subsídios no marco legal da geração distribuída

Embora as associações de empresas do segmento de geração solar fotovoltaica e de geração distribuída (GD) comemorem a aprovação da Lei 14.300/2022, o Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) criticou a nova legislação por prorrogar até 2045 os subsídios aos sistemas já existentes e àqueles instalados nos últimos 12 meses. Segundo o Idec, há preocupação com os efeitos que estes subsídios têm sobre as tarifas dos consumidores que não adotam a energia solar. Para o Idec, o impacto ocorre de maneira mais significativa entre as famílias mais pobres, uma vez que a conta de luz impacta seu orçamento, em média, cinco vezes mais do que o das famílias mais ricas. Além disso, o Idec lembra, também, que a presença de projetos de GD entre os mais pobres ainda é uma exceção. (Broadcast Energia – 07.01.2022)

<topo>

4 Absolar prevê aceleração de investimentos com lei da GD

A legislação que cria o novo marco da micro e minigeração distribuída vai trazer segurança jurídica e acelerar os investimentos em novos projetos pelo território nacional, na avaliação do presidente executivo da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica, Rodrigo Sauaia. A quase totalidade dos empreendimentos de GD do país são de fonte solar. Sauaia disse em nota divulgada pela associação que a geração própria de energia fotovoltaica é uma das melhores alternativas para fugir das bandeiras tarifárias nesse período de escassez hídrica. (CanalEnergia – 07.01.2022)

<topo>

5 Rio Grande do Sul atinge 1 GW em geração distribuída

O Rio Grande do Sul atingiu 1 GW de potência instalada em geração distribuída (GD), tornando-se o terceiro estado brasileiro a superar o patamar, junto a Minas Gerais e São Paulo, informa a Associação Brasileira de Geração Distribuída (ABGD). A GD está presente em 497 municípios gaúchos, sendo Caxias do Sul a cidade com maior participação, cerca de 36,56 MW, seguida por Santa Maria e a capital Porto Alegre, com 24,95 MW e 24,85 MW respectivamente. Segundo a ABGD, a expansão da modalidade em solo gaúcho segue um ritmo impressionante, partindo de 0,5 GW para 1 GW em apenas 15 meses, enquanto o primeiro 0,5 GW foi instalado entre novembro de 2013 e outubro de 2020, totalizando 83 meses. Ou seja, a velocidade de crescimento no estado foi 5,5 vezes maior no último 0,5 GW. (CanalEnergia – 04.01.2022)

<topo>

6 Nova-iorquinos financiam 4 GW de energia solar a baixo custo

O estado de Nova York divulgou um conjunto de recomendações de políticas que impulsionarão os próximos 4 GW (dc) de energia solar distribuída. O estado pretende atingir 10 GW de capacidade instalada até 2030. As recomendações podem ser encontradas em um relatório intitulado “New York’s 10 GW Distributed Solar Roadmap: Policy Options for Continued Growth in Distributed Solar”. O relatório descreve a lógica nas recomendações específicas da seção para a expansão do programa expandido de NY-Sun MW Block. (PV Magazine – 10.01.2022)

<topo>

7 PosiGen recebe US$ 100 milhões de financiamento

A PosiGen, que visa fornecer energia renovável e eficiente para famílias de renda baixa a moderada (LMI), fechou um acordo de financiamento de US$ 100 milhões, tendo grupo Energy & Infrastructure da Magnetar Capital como principal investidor. O financiamento fornecerá capital para a PosiGen continuar melhorando sistemas residenciais de energia solar, armazenamento e eficiência energética para clientes da LMI. A PosiGen disse que atendeu mais de 19 mil clientes até o momento, com cerca de 50% desse número em comunidades étnicas. (Renewable Energy World– 05.01.2022)

<topo>

8 GAF Energy anuncia novas telhas solares residenciais

A GAF Energy, fabricante de módulos solares, anunciou o lançamento de um sistema de telhado solar que incorpora telhas pregáveis, chamado de Timberline Solar. A empresa disse que as telhas são instaladas como um telhado tradicional. A companhia diz que a Timberline combina a tecnologia solar com os processos tradicionais de cobertura, permitindo uma instalação mais rápida. A GAF planeja uma rápida expansão do produto em 2022, pois acredita que sua influência na indústria de telhados e o acesso a empreiteiros a ajudarão a colocar energia solar em mais telhados. (Renewable Energy World– 04.01.2022)

<topo>

 

 

Armazenamento de Energia

1 Armazenamento: O grande aliado das renováveis

Não há dúvida de que o armazenamento é um elemento-chave na transição energética. Isso porque, se apresenta como elo que une geração e consumo, sendo possível que o consumidor armazene e depois consuma sua própria energia. Além disso, o armazenamento de energia representa um grande benefício mostrando-se como o passo definitivo para que os cidadãos façam um verdadeiro autoconsumo de energia. Em suma, o armazenamento de energia é essencial se queremos alcançar e desenvolver a eletricidade renovável em grande escala. Mas, para isso, são necessárias iniciativas que estimulem o seu uso. Por exemplo, o Plano Nacional Integrado de Energia e Clima (PNIEC) considera o armazenamento uma das principais ferramentas para o processo de transição energética. (Energías Renovables – 07.01.2022)

<topo>

2 Cooperativas elétricas da Carolina do Norte implementarão 10 projetos de armazenamento

A empresa de tecnologia FlexGen foi selecionada pelas cooperativas elétricas da Carolina do Norte como fornecedora de soluções para cerca de dez projetos de armazenamento de energia. Os projetos serão implementados em comunidades rurais do estado e fornecerão 40 MW de capacidade flexível para ajudar as cooperativas a garantir a confiabilidade e a resiliência da rede. A instalação dos projetos serão adjacentes às subestações das concessionárias. Os projetos serão usados como recursos energéticos distribuídos que podem fornecer resiliência às comunidades locais de energia. (Smart Energy– 08.01.2022)

<topo>

3 Sistema de armazenamento de bateria subaquática será testado nos EUA

Um sistema de armazenamento de energia de bateria de íon de lítio (BESS), projetado para ser instalado debaixo d’água, será combinado com conversores de energia de ondas de pequena escala em um teste apoiado pelo Departamento de Energia dos EUA (DoE). A empresa EC-OG é a responsável por fabricar o BESS submarino, chamado Halo, que será testado no Local de Teste de Energia das Ondas da Marinha dos EUA, no Havaí. A partir deste trimestre, o Halo será integrado a um teste do Autonomous Offshore Power System (AOPS), que usará equipamentos de energia das ondas fabricados pela Columbia Power Technologies (C-Power). De acordo com a C-Power, o sistema de armazenamento de energia será de 2kW / 55kWh e usado para alimentar um veículo submarino autônomo fabricado pela Saab em um teste de seis meses. (Energy Storage News – 10. 01.2022)

<topo>

4 Nova York dobra a meta de implementação de armazenamento de energia até 2030

A governadora de Nova York, Kathy Hochul, anunciou planos para dobrar a meta de implantação de armazenamento de energia do estado de 3 GW para pelo menos 6 GW até 2030. A nova meta, detalhada no livro State of the State de Hochul, será acompanhada por “reformas de mercado necessárias e mecanismos de aquisição econômicos”, bem como incentivos para que clientes privados instalem armazenamento. (Utility Dive– 06.01.2022)

<topo>

5 Voltalia inicia operação da bateria de 32 MW no Reino Unido

A Voltalia comissionou o esquema de armazenamento de energia de bateria Hallen de 32 MW / 32 megawatts-hora perto de Bristol, no sudoeste da Inglaterra. Hallen é uma instalação de armazenamento de bateria de íon-lítio composta por 16 módulos, cada um com uma capacidade de 2 MWh por unidade. A planta armazenou e depois liberou seus primeiros quilowatts-hora em 23 de dezembro, inicialmente programado para o primeiro trimestre de 2022. A planta operará em vários mercados, fornecendo gerenciamento de frequência, balanceamento e outros serviços ancilares na rede do Reino Unido, local e nacionalmente. (Renews – 05.01.2022)

<topo>

 

 

Veículos Elétricos

1 EUA: Carolina do Norte estabelece meta para que 50% das vendas de veículos sejam de modelos com emissão zero até 2030

O governador da Carolina do Norte (EUA), Roy Cooper, emitiu uma ordem executiva que descreve os próximos passos do estado em direção à meta de reduzir pela metade as emissões de carbono até 2030 e neutralizar as emissões até 2050. A ordem exige que os veículos de emissão zero (ZEVs) representem 50% das vendas de automóveis no estado até 2030 e que várias agências governamentais incorporem questões de equidade e justiça econômica em futuros processos de tomada de decisão. A ordem foi elogiada por vários grupos de advogados de defesa, que pediram ao governador para integrar transporte e equidade aos objetivos climáticos do estado. (Utility Dive – 10.01.2022)

<topo>

2 EUA: Espera-se um aumento de VEs autônomos para serviços de entrega

Milhares de novos veículos elétricos (VEs) de entrega estarão pelas ruas das cidades dos EUA, de acordo com anúncios feitos no Consumer Electronics Show (CES) – um evento de tecnologia e inovação. A GM lançou o BrightDrop, serviço para auxiliar na logística de empresas para fornecer veículos comerciais de emissão zero, contêineres inteligentes e software para gerenciamento de frotas e ativos móveis. A FedEx anunciou uma adição de 2 mil vans BrightDrop, além das 500 que a empresa encomendou da subsidiária da General Motors no ano passado. Já a Walmart terá uma adição de 5 mil VEs do mesmo modelo. (Utility Dive – 07.01.2022)

<topo>

3 Os VEs plug-in estão ganhando cada vez mais popularidade na América do Norte, segundo relatório

De acordo com o relatório da Guidehouse Insights (empresa de inteligência de mercado), a adoção de veículos elétricos (VEs) plug-in (PEV) nos EUA e Canadá atingiu números recordes de crescimento em 2019, com previsão de crescimento significativo até 2030. O relatório destaca uma variedade de fatores que contribuem para as tendências aceleradas de eletrificação na indústria automotiva norte-americana. Esses fatores incluem: um avanço relacionado à COVID-19 na aceitação do consumidor de VEs; mudança do ambiente político que favorece agressivamente os PEVs sobre os veículos movidos a gás; a introdução de vários modelos populares de VEs; o aumento do investimento das montadoras e priorização de tecnologias de VEs. O relatório sugere que as vendas anuais de PEV na América do Norte irão crescer a uma taxa de crescimento anual composta de 30% (CAGR) até 2030. (Smart Energy– 05.01.2022)

<topo>

4 Panasonic comprará insumos reciclados da Redwood Materials para produção de células de bateria

A Panasonic anunciou que vai comprar folha de cobre produzida a partir de materiais reciclados pela Redwood Materials, para a produção de células de bateria na “gigafábrica” de Nevada. Esta folha de cobre anódica de material reciclado vai para a produção de células de bateria da Panasonic que será utilizada nos VEs da Tesla. A Redwood Materials confirmou em um comunicado à Electrek que a empresa planeja iniciar a produção de folha de cobre para ânodo no primeiro semestre do ano. (Electrek – 04.01.2022)

<topo>

5 China: Preço de matéria-prima para baterias de veículos elétricos atinge recorde

Os preços do carbonato de lítio na China dispararam, batendo o recorde de 41.925 dólares a tonelada em dezembro. Isso foi resultado da forte demanda de baterias para veículos elétricos, segundo dados do Benchmark Mineral Intelligence (BMI). O carbonato de lítio é usado na produção de baterias de fosfato de ferro-lítio (LFP). As vendas de veículos elétricos que usam este tipo de bateria têm acelerado na China. Os dados da BMI indicam que o ponto médio dos preços do carbonato de lítio na China em dezembro de 2020 foi de 39.250 dólares a tonelada, uma alta de 485,8% em relação ao mesmo período do ano anterior. A variação foi de entre 36.575 e 41.925 dólares a tonelada. (Yahoo! Notícias – 05.01.2022)

<topo>

6 Shell converte postos de gasolina em estações de carregamento

As companhias petrolíferas europeias estão entrando no ramo de carregamento de veículos elétricos em grande escala. Nesse contexto, a Shell converteu um posto de gasolina existente em Fulham (Londres) em um hub de carregamento de VEs que possui dez estações de carregamento rápido de 175 kW. As estações foram construídas pelo fabricante australiano, Tritium. O hub oferecerá uma área de assentos confortável para motoristas de carros elétricos à espera, juntamente com uma loja da Costa Coffee e uma loja Little Waitrose & Partners. Além disso, o hub possui painéis solares no teto e a Shell diz que os carregadores serão alimentados por eletricidade renovável. A Shell pretende instalar 50 mil postos de carregamento nas ruas em todo o Reino Unido até 2025, e está colaborando com a rede de supermercados Waitrose para instalar 800 pontos de carregamento nas lojas até 2025. (Inside EVs – 09.01.2022)

<topo>

 

 

Eficiência Energética

1 Projeto de Eficiência Energética regulado pela Aneel atende população atingida por chuvas na Bahia

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou o Projeto de Eficiência Energética da Neoenergia Coelba, que tem a finalidade de fornecer refrigeradores e lâmpadas eficientes para unidades consumidoras atingidas pelas fortes chuvas na Bahia. Submetida à Aneel em 18 de dezembro de 2021, a proposta foi autorizada sob o critério de grande relevância pela excepcionalidade quanto à viabilidade econômica das ações propostas. Com um custo previsto de R$ 3,6 milhões, serão entregues 1.500 refrigeradores de 300L e 5 mil lâmpadas LED a consumidores de baixa renda atingidos pelas fortes chuvas na Bahia. As ações, já iniciadas pela distribuidora, também contemplam a logística de entrega e demais ações de gerenciamento do projeto. (Aneel – 04.01.2022)

<topo>

2 Comissão Europeia irá priorizar a eficiência energética

No final de setembro, a Comissão Europeia emitiu um comunicado em que pede aos Estados-Membros a colocarem a eficiência energética como prioridade e pede-lhes que também sejam priorizados os investimentos públicos e privados nesta área. Caso o pedido seja colocado em prática, ultrapassaria o objetivo estabelecido no PNIEC, da Espanha ser 39,5% mais eficiente até 2030. (Energías Renovables – 05.01.2022)

<topo>

3 Connecticut visa reduzir emissões de edifícios e atingir a equidade energética

Connecticut (EUA) terá como alvo as emissões do setor de construção e fontes industriais e explorará políticas para tornar a transição energética mais equitativa. A iniciativa faz parte de uma reformulação da Estratégia de Energia Abrangente (CES) do estado. Dentro desse panorama, o Departamento de Energia e Proteção Ambiental anunciou o lançamento de um processo para desenvolver a CES 2022, um documento que avalia as necessidades futuras de energia do estado e examina questões de custo e confiabilidade. A CES 2022 se concentrará em parte na descarbonização de edifícios novos e existentes, seguindo uma ordem executiva do governador Ned Lamont. Em meados de dezembro, Lamont assinou a Ordem Executiva 21-3, instruindo as agências estaduais a reescrever os códigos de construção para reduzir as emissões de gases de efeito estufa do estado e revisar todos os prédios públicos para melhorias na eficiência energética. (Utility Dive – 10.01.2022)

<topo>

 

 

Microrredes e VPP

1 Startup dos EUA lança sistema que transforma residências em microrredes

A Franklin Whole Home, uma empresa de tecnologia limpa com financiamento privado, lançará seu primeiro produto: uma solução de armazenamento residencial na Intersolar North America, na Califórnia. O sistema foi projetado nos Estados Unidos pela Franklin Whole Home com fábricas em Shenzhen, na China. O sistema FranklinWH integra uma bateria “aPower” de fosfato de ferro e lítio com inteligência artificial, que faz parte do sistema de controle inteligente aGate. O sistema totaliza 204 KWh de capacidade. Em caso de falha de energia, seu recurso de partida cria uma microrrede para a casa. (PV Magazine – 07.01.2022)

<topo>

 

 

Tecnologias e Soluções Digitais

1 Rede inteligente da EPB Chattanooga recebe certificação PEER Gold

A rede inteligente de Chattanooga, operado pela EPB, foi reconhecido pela Green Business Certification Inc. (GBCI), o principal organismo de certificação e credenciamento de sustentabilidade e saúde do mundo. A rede inteligente obteve a recertificação PEER Gold (Excelência em Desempenho em Renovação de Eletricidade). O PEER é o primeiro programa de certificação do mundo que mede e melhora o desempenho do sistema de energia e a infraestrutura de eletricidade e promove sistemas de energia sustentáveis, resilientes e confiáveis. (EE Online – 10.01.2022)

<topo>

2 Digien: Plataforma digital de autoconsumo

A Digien é uma plataforma tecnológica de origem espanhola, que conecta diretamente entusiastas da consciência ambiental, criando um ecossistema digital de consumidores e produtores responsáveis. A plataforma fornece informações e ferramentas para controlar e melhorar seu impacto ecológico. A Digien criou um mercado independente para a troca de energia e serviços sustentáveis. Com a criação deste marketplace de energia solar fotovoltaica, a empresa está focada no mercado residencial peer to peer. O objetivo central da plataforma é criar um ecossistema digital em que todas as partes envolvidas no processo de autoconsumo de energia estejam conectadas. (Energias Renovables – 10.01.2022)

<topo>

3 EUA: NREL adquire sistema de computação de alto desempenho de última geração

O National Renewable Energy Laboratory (NREL) selecionou a Hewlett Packard Enterprise (HPE), companhia global especializada em serviços de tecnologia, para construir seu sistema de computação de alto desempenho (HPC) de terceira geração, chamado Kestrel. A missão do Kestrel é avançar rapidamente os esforços de pesquisa e desenvolvimento (P&D) de energia do DOE para fornecer soluções energéticas transformadoras para todo o país. A instalação do novo sistema começará em 2022, e quando concluído o Kestrel acelerará a eficiência energética e a pesquisa de energia renovável em um ritmo e escala cinco vezes maior que o atual sistema de computação que está sendo utilizado. (Electric Energy Online– 10.01.2022)

<topo>

4 2021 foi um ano recorde para a implantação de medidores inteligentes britânicos, segundo a DCC

O número de medidores inteligentes instalados em toda a Grã-Bretanha e conectados à rede da Data Communications Company (DCC) – companhia britânica com serviços de rede relacionados a medidores inteligentes – aumentou 8 milhões em 2021. O aumento representa um crescimento de 87% em relação a 2020, segundo a DCC. O sistema da DCC, a rede nacional usada para conectividade de medidores inteligentes e telemetria de dados na Grã-Bretanha, tem mais de 17 milhões de unidades conectadas. Em 2021, o número de medidores inteligentes conectados à rede cresceu de 9,2 milhões em janeiro para 17 milhões no final de 2021. (Smart Energy– 10.01.2022)

<topo>

5 Módulo de coleta de energia Sigfox está em desenvolvimento

A Sigfox, companhia global focada em desenvolver serviços relacionados a IoT (internet das coisas, está desenvolvendo um módulo para coletar energia. A iniciativa está sendo realizada em parceria com o provedor brasileiro de soluções de semicondutores HT Micron e o especialista em semicondutores de colheita de energia Nowi. O objetivo da parceria é integrar suas respectivas soluções, bem como marcar o primeiro passo para a disponibilidade comercial de dispositivos IoT equipados com coleta de energia na Sigfox. Espera-se que os principais casos de uso sejam aplicações em medição inteligente, sensoriamento industrial, rastreamento de ativos e monitoramento da qualidade do ar com seus baixos requisitos de energia. (Smart Energy– 06.01.2022)

<topo>

 

 

Segurança Cibernética

1 EUA: Indústria de infraestrutura crítica se une para proteger as cadeias de suprimentos por meio do novo Comitê de Governança A2V

Um novo comitê destinado a lidar com a segurança cibernética da cadeia de suprimentos nos EUA foi anunciado pela Fortress Information Security e pela Asset to Vendor Network (A2V). A A2V é um grupo de organizações de infraestrutura crítica que colaboram em avaliações e riscos de segurança cibernética para proteger a energia elétrica em massa e outros sistemas importantes. O novo comitê destina-se a fornecer um ponto central de supervisão e recomendações para abordar os riscos da cadeia de suprimentos e proteger a infraestrutura crítica. Neste fórum, fornecedores e proprietários de ativos poderão compartilhar suas preocupações de segurança e trabalhar em busca de soluções comuns. (Daily Energy Insider– 05.01.2022)

<topo>

 

 

Eventos

1 DTE Energy anuncia sessão pública virtual para discutir planejamento de energia limpa

A DTE Energy anunciou uma sessão pública virtual, que acontecerá dia 18 de janeiro, como um meio de lançar e educar a população sobre seu plano de energia limpa para o Michigan – o Plano de Visão Limpa. Durante a sessão a comunidade poderá realizar perguntas e comentários sobre o tema. A reunião representou a primeira de uma série de sessões públicas do Plano de Recursos Integrados (IRP) para discutir as mudanças rumo à transição energética. As sessões estão programadas antes do envio real do IRP da empresa à Comissão de Serviço Público de Michigan, previsto para outubro de 2022. (Daily Energy Insider – 07.01.2022)

<topo>

 

 

Artigos e Estudos

1 Artigo de Anna Paula Pacheco: “Medição Inteligente”

Em artigo publicado pela Agência Canal Energia, a Head de Regulação da Enel Brasil, Anna Paula Pacheco, destaca a adoção de medição inteligente no âmbito da prestação do serviço de distribuição de energia elétrica no Brasil. Segundo a autora, “com a adoção de medidores inteligentes passa a ser possível a realização de serviços de forma remota, com a possibilidade de rápida identificação de falhas na rede, melhorando, cada vez mais, a qualidade do serviço de distribuição e a satisfação do cliente final”. Anna conclui que, é necessário “colocar em prática tudo que aprendemos, com discussões tempestivas e aprofundadas, de forma a alcançar um setor elétrico cada vez mais robusto, renovável, seguro e atrativo para novos investimentos”. Para ler o texto na íntegra, clique aqui. (GESEL-IE-UFRJ – 06.01.2021)

<topo>

2 Relatório: “United States Power Market Outlook to 2030, Update 2021 – Market Trends, Regulations, and Competitive Landscape”

De acordo com o relatório da GlobalData, a capacidade instalada de energia renovável aumentou de 16,5 GW em 2000 para 239,2 GW em 2020, crescendo a uma taxa de crescimento anual composta (CAGR) de 14,3%. Em 2030, a capacidade renovável acumulada deve aumentar para 884,6 GW, crescendo a um CAGR de 14% de 2020 a 2030. Apesar de um aumento nos preços de equipamentos renováveis em 2021, o setor renovável dos EUA apresentará um forte crescimento durante o período de 2021 a 2030, uma vez que este aumento nos preços dos equipamentos é de curto prazo e devido a interrupções na cadeia de abastecimento causadas pela pandemia COVID-19. Para ter acesso ao relatório na íntegra, clique aqui. (REVE – 08.01.2022)

<topo>

3 Relatório: “Black & Veatch Asia Electric Report”

Para atingir as metas de descarbonização e transição energética, as concessionárias e as partes interessadas no setor de energia na Ásia precisam enfrentar o maior desafio da indústria: a integração da energia renovável com a rede, de acordo com um novo relatório divulgado pela consultoria Black & Veatch. O relatório concluiu que conectar as energias renováveis aos sistemas de rede é um desafio maior do que simplesmente instalar ativos de geração de energia renovável à medida que a região intensifica sua substituição de ativos de carvão por recursos de energia de baixo carbono. Para ler o texto na íntegra, clique aqui. (Smart Energy – 05.01.2022) (Smart Energy – 05.01.2022)

<topo>


Equipe de Pesquisa UFRJ
Editor: Prof. Nivalde J. de Castro (nivalde@ufrj.br)
Subeditores: Fabiano Lacombe, Lorrane Câmara e Luiza Masseno
Pesquisadores:
Cristina Rosa, Matheus Balmas e Pedro Barbosa
Assistente de pesquisa: Sérgio Silva

As notícias divulgadas no IFE não refletem necessariamente os pontos da UFRJ. As informações que apresentam como fonte UFRJ são de responsabilidade da equipe de pesquisa sobre o Setor Elétrico, vinculada ao NUCA do Instituto de Economia da UFRJ.

POLÍTICA DE PRIVACIDADE E SIGILO
Respeitamos sua privacidade. Caso você não deseje mais receber nossos e-mails,  Clique aqui e envie-nos uma mensagem solicitando o descadastrado do seu e-mail de nosso mailing.


Copyright UFRJ

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: