IFE.H2 61

Informativo Eletrônico – Geração de Energia com Hidrogênio nº 61 – publicado em 06 de dezembro de 2021.

IFE: Informativo Eletrônico de Hidrogênio – GESEL-UFRJ <!–

l

IFE: nº 61 – 06 de dezembro de 2021
http://gesel.ie.ufrj.br/
gesel@gesel.ie.ufrj.br

Editor: Prof. Nivalde J. de Castro

Índice

Políticas Públicas e Financiamentos
1
Austrália-Holanda: Austrália Ocidental e Porto de Rotterdam exploram oportunidades na exportação de hidrogênio
2 Europa: FCH JU lança a Parceria do Hidrogênio Limpo
3 Finlândia: Empresa receberá financiamento de € 5 milhões para apoiar turbinas a gás hidrogênio
4 Noruega: Dois navios movidos a hidrogênio a partir de financiamento estatal
5 Reino Unido: Hydrogen UK demanda apoio ao governo para expansão da economia do hidrogênio
6 Reino Unido: Veolia vai acelerar a adoção do hidrogênio com novo programa de infraestrutura

Produção
1 Canadá: SpectrumH2 visa construir planta de hidrogênio azul
2 EUA: BayoTech está desenvolvendo hub de hidrogênio no Novo México
3 Itália: Enel Green Power e McPhy irão produzir hidrogênio verde
4 Paquistão: Oracle Power e PowerChina avançam com projeto de hidrogênio verde
5 Península Ibérica: H2 Green Steel e Iberdrola definem projeto de 1 GW de hidrogênio verde
6 Reino Unido: BP visa desenvolver projeto de hidrogênio verde de 500MW

Armazenamento e Transporte
1 Alemanha: BMBF financia o projeto TransHyDe Helgoland para transporte de hidrogênio
2 Alemanha: ‘Primeira’ planta de armazenamento de hidrogênio usando a tecnologia LOHC em escala industrial
3 Escócia: Glasgow será lar de um projeto inédito de armazenamento de hidrogênio

Uso Final
1 Alemanha: DHL Express está pilotando o primeiro caminhão a hidrogênio do Deutsche Post DHL Group
2 Alemanha: Produção de vidro ecologicamente correta usando tecnologia do hidrogênio
3 Noruega: Projeto para construir navio de alta velocidade movido a hidrogênio para o porto de Narvik
4 República Tcheca: CZ LOKO desenvolve uma locomotiva movida a hidrogênio

5 Suécia: Apoio à produção de eMetanol a partir de hidrogênio verde

Tecnologia e Inovação
1 Alemanha: Centrica adquire participação minoritária na inovadora tecnologia de produção de hidrogênio
2 Alemanha: Pesquisa de catalisadores para uma produção mais sustentável de hidrogênio

Eventos
1 Webinar: Hidrogênio verde e de baixo carbono
2 Considerações sobre compressão de hidrogênio para o mercado de transição de energia
3 Hidrogênio – seu papel na transição energética
4 Webinar – Mercados de Transição de Energia: Hidrogênio, Captura de Carbono, etc

Artigos e Estudos
1 Análise do impacto de uma quota de hidrogênio renovável nos mercados europeus de eletricidade e gás natural
2 Reformadores de hidrogênio móveis como uma nova abordagem para descarbonizar o setor de transporte
3 Artigo “Produção de hidrogênio verde a partir da reação de deslocamento do gásde água”
4 Quantificação da degradação de células a combustível e análise técnico-econômica de uma rede residencial interativa à base de hidrogênio com compartilhamento de energia e veículos movidos a células a combustível

5 Artigo “Requisitos de monitoramento de hidrogênio no regulamento técnico global e veículos com células a combustível”
6 Hidrogênio e etanol: produção, armazenamento e transporte



 

 

Políticas Públicas e Financiamentos

1 Austrália-Holanda: Austrália Ocidental e Porto de Rotterdam exploram oportunidades na exportação de hidrogênio

A Austrália Ocidental e o Porto de Rotterdam estão estudando a viabilidade de uma cadeia de abastecimento internacional para o hidrogênio renovável através de um Memorando de Entendimento (MoU), assinado no dia 30 de novembro. O acordo representa um momento marcante para o mercado de exportação da Austrália, pois os países devem colaborar também em oportunidades relacionadas a políticas, regulamentos e desenvolvimentos tecnológicos, com o objetivo de atender ao mercado europeu de hidrogênio. Maior porto marítimo da Europa, o Porto de Rotterdam está atualmente trabalhando para se tornar um importante centro de importação de hidrogênio para a Europa. A Ministra da Indústria de Hidrogênio, Alannah MacTiernam, disse que o Governo McGowan está comprometido em garantir que a Austrália Ocidental alcance seu potencial e se torne um fornecedor global de energias renováveis. (Port of Rotterdam – 30.11.2021)

<topo>

2 Europa: FCH JU lança a Parceria do Hidrogênio Limpo

A segunda edição da Semana Europeia do Hidrogênio aconteceu em Bruxelas e contou com o discurso de abertura da Presidente da Comissão Europeia, Ursula Von der Leyen. Em seu discurso, a presidente Von der Leyen disse: “O hidrogênio limpo terá um lugar central na economia neutra para o clima, no futuro, e estou orgulhosa do papel da Europa como pioneira mundial. No início deste ano, mais de 200 novos projetos de hidrogênio foram anunciados globalmente, dos quais 55% deles estão na Europa”. Um dos destaques do evento foi o lançamento da Parceria do Hidrogênio Limpo, que assumirá todas as atividades existentes da FCH JU. O Conselho da UE adotou, no dia 19 de novembro, o regulamento que institui a Empresa Comum Clean Hydrogen (Clean Hydrogen Partnership), para acelerar o desenvolvimento e implantação de uma cadeia de valor europeia para tecnologias limpas de hidrogênio, contribuindo para sistemas de energia sustentáveis, descarbonizados e totalmente integrados. A UE apoiará a Empresa com € 1 bilhão de euros para o período 2021-2027, complementado por pelo menos um montante equivalente de investimento privado. (FCH Europe – 29.11.2021)

<topo>

3 Finlândia: Empresa receberá financiamento de € 5 milhões para apoiar turbinas a gás hidrogênio

A Finlândia continua a desenvolver seu ecossistema de hidrogênio. Recentemente, o Climate Fund anunciou o investimento de € 5 milhões ($ 5,66 milhões) em uma empresa fabricante de turbinas. A Aurelia Turbines produz, atualmente, as turbinas a gás mais eficientes do mundo. As turbinas foram projetadas para usar hidrogênio, biogás e gás sintético, além de outros combustíveis renováveis e não padronizados. No dia 2 de dezembro, a Aurelia revelou que receberá o financiamento que ajudará a dimensionar em maior escala sua tecnologia inovadora e a diversificar a economia do hidrogênio na Finlândia, criando novas oportunidades para o uso de energia limpa. A turbina Aurelia®A400, desenvolvida a partir de pesquisas conduzidas na LUT University na Finlândia nos últimos 35 anos, é ideal para geração combinada de calor e energia (CHP) em pequena escala em redes descentralizadas. Essas turbinas de 400 kWe podem ser até 20% mais eficientes em termos de energia do que outras microturbinas do mesmo tamanho atualmente no mercado. (Aurelia Turbines – 02.12.2021)

<topo>

4 Noruega: Dois navios movidos a hidrogênio a partir de financiamento estatal

O Órgão de Fiscalização da EFTA (ESA) aprovou um auxílio estatal norueguês de NOK 219 milhões (US $ 24 milhões) para a compra de dois navios a hidrogênio. Os navios foram desenvolvidos no âmbito do projeto Topeka Nattruten, liderado pelo grupo Wilhelmsen, sendo este acordo um marco importante na transição para um setor marítimo mais limpo e amigo do meio ambiente. Os dois navios estarão operacionais na costa oeste da Noruega a partir de 2024 e serão usados para transportar carga e hidrogênio líquido. Com potencial para transportar hidrogênio líquido para vários centros de armazenamento da costa oeste, as autoridades norueguesas preveem que a realização deste projeto abrirá o caminho para um setor marítimo livre de emissões. Para fornecer energia com zero emissão para os navios, uma combinação de uma bateria de 1.000 kWh e células a combustível especializadas foi implementada nos navios. (H2 View – 30.11.2021)

<topo>

5 Reino Unido: Hydrogen UK demanda apoio ao governo para expansão da economia do hidrogênio

No dia 25 de novembro, o Hydrogen UK pediu agilidade na estratégia para atender às metas de combate às mudanças climáticas e na criação de novos empregos para o Reino Unido, usando hidrogênio. A instituição identificou cinco áreas principais nas quais o apoio ao hidrogênio pode ser fundamental para o aumento da escala da nova tecnologia limpa. Dessa forma, o grupo pede ao governo que dimensione rapidamente a produção, disponibilizando Modelos de Negócios do Hidrogênio aos produtores, em meados de 2022. Além disso, o governo deve ajudar a estimular a demanda interna por hidrogênio, desenvolvendo uma política detalhada e distinta e uma estrutura regulatória para criar mercados nos setores de uso final do hidrogênio. O grupo também apela ao Governo do Reino Unido para ajudar no treinamento e apoio necessários, garantindo que o país tenha força de trabalho qualificada para cumprir suas ambições de hidrogênio. (H2 View – 25.11.2021)

<topo>

6 Reino Unido: Veolia vai acelerar a adoção do hidrogênio com novo programa de infraestrutura

A Veolia revelou, no dia 1 de dezembro, que está avançando em um programa para criação de infraestrutura de fornecimento do gás hidrogênio, permitindo a descarbonização do setor de energia do Reino Unido. A Veolia está gerenciando projetos que incorporam eletrolisadores ao sistema para serem alimentados com eletricidade de baixo carbono. A indústria de gás está testando maneiras de usar hidrogênio na rede de gás, e a Veolia já está preparando locais para poder usar esse hidrogênio em uma série de usinas de energia no local, com unidades combinadas de calor e energia e caldeiras industriais. A empresa também opera atualmente dez fábricas que pegam cerca de 2,3 milhões de toneladas de resíduos não recicláveis e os transformam em eletricidade para mais de 400.000 residências. Esta capacidade de geração combinada de 180MWe tira a pressão da rede elétrica do Reino Unido e evita efetivamente o uso de combustíveis fósseis para geração. (Veolia – 30.11.2021)

<topo>

 

 

Produção

1 Canadá: SpectrumH2 visa construir planta de hidrogênio azul

A SpectrumH2, produtora de hidrogênio, assinou um novo Memorando de Entendimento (MoU) com um produtor intermediário de gás natural, para desenvolver um projeto de construção de uma planta de hidrogênio em Alberta, no Canadá. A planta usará combustíveis fósseis e a tecnologia de captura de carbono para produzir hidrogênio de baixo carbono, também conhecido por hidrogênio azul. O projeto está alinhado com a transição energética, criando um mercado do hidrogênio de baixo carbono ao mesmo tempo que apoia iniciativas benéficas ao meio ambiente e desenvolve a economia, contribuindo para com o desenvolvimento de Alberta. (Cision – 30.11.2021)

<topo>

2 EUA: BayoTech está desenvolvendo hub de hidrogênio no Novo México

A BayoTech, que atua na produção, distribuição e soluções para o hidrogênio de baixo carbono, está desenvolvendo uma unidade de produção de hidrogênio no Novo México, nos Estados Unidos (EUA). Essa nova unidade irá produzir hidrogênio de baixo carbono a partir de combustíveis fósseis com a utilização da tecnologia de captura do carbono. A empresa espera que esta unidade produza uma quantidade de 1.000 kg de hidrogênio de baixo carbono. Além do novo hub a empresa irá explorar oportunidades futuras para o hidrogênio, como injeção na rede de gás natural, desenvolvimento de infraestrutura de abastecimento de hidrogênio e tecnologias piloto de captura e sequestro de carbono. (H2 View – 02.12.2021)

<topo>

3 Itália: Enel Green Power e McPhy irão produzir hidrogênio verde

A Enel Green Power, empresa de energia renovável, em conjunto com a McPhy,especializada em equipamentos de produção e distribuição de hidrogênio zero carbono, realizaram um Memorando de Entendimento (MoU). O acordo visa desenvolver um projeto de produção de hidrogênio na Itália. A McPhy irá fornecer um eletrolisador alcalino pressurizado de 4 MW da linha Augmented McLyzer que será conectado a um parque de energia renovável em Carlentini, na Sicília. Quando o hidrogênio for produzido, o mesmo será utilizado em um sistema de energia a gás e distribuído para setores de difícil eletrificação, indústria e transporte. (McPhy – 30.11.2021)

<topo>

4 Paquistão: Oracle Power e PowerChina avançam com projeto de hidrogênio verde

A Oracle Power, em conjunto com a PowerChina, concluiu mais uma fase do seu novo projeto, uma usina de hidrogênio no Paquistão. O estudo técnico preliminar foi concluído e as principais informações técnicas e comerciais para a entrega da instalação foram estabelecidas. A usina contará com uma capacidade de 400 MW e os eletrolisadores serão alimentados a partir de energia solar e eólica, para produzir hidrogênio verde (H2V). Com essa capacidade de produção as empresas visam obter aproximadamente 150.000 kg de H2V por dia. No que tange ao uso final do gás, ele será destinado ao setor industrial e o de transporte, dois setores de difícil eletrificação. (H2 View – 02.12.2021)

<topo>

5 Península Ibérica: H2 Green Steel e Iberdrola definem projeto de 1 GW de hidrogênio verde

A H2 Green Steel, que produz aço verde, e a Iberdrola, empresa que atua principalmente na distribuição de gás natural, definiram um novo projeto de uma planta de hidrogênio na Península Ibérica, situada em Portugal e Espanha. A planta contará com uma capacidade de produção de 1 GW e será alimentada por energias renováveis, para produzir o hidrogênio verde (H2V). No que concerne aos usos finais, o H2V será utilizado para a produção do aço verde, estimando-se uma produção de até 5 milhões de toneladas de aço verde anualmente. Neste projeto, a Iberdrola fornecerá a energia renovável, enquanto a H2 Green Steel irá produzir o seu aço verde. Por fim, o valor do investimento para o projeto acontecer será em torno de € 2,3 bilhões. (H2 Green Steel – 02.12.2021)

<topo>

6 Reino Unido: BP visa desenvolver projeto de hidrogênio verde de 500MW

A BP, empresa de energia limpa, está planejando construir uma planta de hidrogênio no Reino Unido. O projeto, denominado de “Hygreen Teeside”, visa a implantação de diversos eletrolisadores que somarão até 500 MW de capacidade usando energia renovável como fonte de alimentação. O projeto será definido em etapas, com a instalação inicial de 60 MW de capacidade de produção, entrando em fase de operação no ano de 2025. Juntamente com um outro denominado de “H2Teeside”, os dois projetos somariam 30% da meta do Reino Unido para 2030, em relação à produção do hidrogênio. (BP – 29.11.2021)

<topo>

 

 

Armazenamento e Transporte

1 Alemanha: BMBF financia o projeto TransHyDe Helgoland para transporte de hidrogênio

O trabalho de pesquisa e desenvolvimento no projeto TransHyDe Helgoland está entrando na fase ativa, após receber um financiamento de até 12,48 milhões de euros do Ministério Federal de Educação e Pesquisa (BMBF). O objetivo comum dos parceiros do projeto é o estabelecimento de uma cadeia de transporte de hidrogênio na ilha de Helgoland, localizada no Mar do Norte, que atualmente conta com uma área para serviços para offshores próximas a ilha. O projeto visa facilitar o transporte de hidrogênio através dos portos até os consumidores de hidrogênio no continente. Para que isso ocorra, estão sendo realizadas pesquisas de desenvolvimento de tecnologias para o armazenamento e transporte de hidrogênio verde, principalmente em líquidos orgânicos transportadores de hidrogênio, LOHC. (Fuel Cells Works – 26.11.2021)

<topo>

2 Alemanha: ‘Primeira’ planta de armazenamento de hidrogênio usando a tecnologia LOHC em escala industrial

Frames, Hydrogenious LOHC Technologies e Man Energy Solutions vão colaborar no projeto de uma planta de armazenamento de hidrogênio usando líquidos orgânicos como carregadores de hidrogênio (LOHC), com sistemas modulares. A planta, montada em skid, será a primeira planta usando LOHC em escala industrial na Europa. A instalação terá a capacidade de armazenar 5 toneladas de hidrogênio por dia, o suficiente para abastecer um carro movido a hidrogênio por meio milhão de quilômetros. Dentro da planta, o hidrogênio será quimicamente ligado ao carregador benziltolueno que será transportado em condições ambiente, infraestrutura de logística convencional e já existente. Além disso, o LOHC será levado em um caminhão por transporte rodoviário até os compradores de hidrogênio. (Frames – 23.11.2021)

<topo>

3 Escócia: Glasgow será lar de um projeto inédito de armazenamento de hidrogênio

O projeto Whitelee na Escócia buscará produzir hidrogênio para armazenar energia e fornecer combustível com zero carbono, à medida que o país muda para um futuro de energia limpa. O Governo do Reino Unido concedeu cerca de £ 9,4 milhões para o projeto, que será o primeiro no maior parque eólico terrestre do “Whitelee Windfarm”. O financiamento levará o projeto a desenvolver o maior eletrolisador alimentado por a energia renovável do Reino Unido. A instalação será capaz de produzir 2,5 a 4 toneladas de hidrogênio verde por dia, que, uma vez armazenado, poderia fornecer combustível suficiente para 225 ônibus que viajam o percurso Glasgow/ Edimburgo todos os dias. A parceria, formada pela ScottishPower, ITM Power e BOC, está atualmente em processo de planejamento para a nova instalação e tem como objetivo disponibilizar hidrogênio verde para o mercado comercial até 2023. (Fuel Cells Works – 26.11.2021)

<topo>

 

 

Uso Final

1 Alemanha: DHL Express está pilotando o primeiro caminhão a hidrogênio do Deutsche Post DHL Group

A DHL Express é a primeira dentro do grupo Deutsche Post DHL a testar caminhões movidos a hidrogênio para longas distâncias. Junto com seu cliente Apple, a DHL está pilotando o veículo pesado, equipado com um extensor de alcance de célula a combustível. O objetivo do programa é facilitar o desenvolvimento de veículos pesados movidos a hidrogênio de baixo carbono para aplicações logísticas e ganhar experiência prática em diferentes regiões. O projeto cria um laboratório vivo transnacional e a base para o desenvolvimento da indústria de veículos pesados com zero emissões. Além disso, traz a mensagem de que é possível alcançar uma logística verdadeiramente livre de emissões na Europa, se forças forem unidas e a construção poder se basear na experiência. (Deutsche Post DHL Group – 23.11.2021)

<topo>

2 Alemanha: Produção de vidro ecologicamente correta usando tecnologia do hidrogênio

A Schott irá desenvolver um projeto para tornar possível processos de fusão de vidro de forma sustentável. A empresa recebeu duas doações do Ministro do Meio Ambiente da Alemanha, Svenja Schulze, totalizando 4,5 milhões de euros, para apoiar o desenvolvimento de processos de fusão de vidro ecologicamente corretos. Os subsídios do governo serão usados para dois projetos de desenvolvimento que visam substituir no aquecimento, o gás natural obtido através de combustível fóssil por eletricidade proveniente de fontes renováveis de energia, nas unidades de fusão de vidro da empresa no futuro. Com as novas tecnologias, a Schott planeja fazer uma redução substancial em suas emissões de carbono. (SCHOTT – 24.11.2021)

<topo>

3 Noruega: Projeto para construir navio de alta velocidade movido a hidrogênio para o porto de Narvik

O Porto de Narvik, no norte da Noruega, precisa de um novo workboat, que deve ser rápido e livre de emissões. Junto com oito parceiros do projeto, está agora buscando financiamento público para construir uma das primeiras embarcações de alta velocidade movidas a hidrogênio do mundo. O barco será equipado com células a combustível da TECO 2030 e será construído pelo estaleiro Grovfjord Mekaniske Verksted (GMV), que fica próximo a Narvik. O barco que está planejado para ser concluído em 2030, e quando concluído, substituirá um dos navios a diesel do porto. Como resultado, o porto de Narvik será capaz de reduzir significativamente o consumo de diesel e as emissões de CO2. Outros usuários do porto também poderão usar o planejado posto de abastecimento de Narvik. (Green Car Congress – 26.11.2021)

<topo>

4 República Tcheca: CZ LOKO desenvolve uma locomotiva movida a hidrogênio

O fabricante tcheco de locomotivas CZ LOKO está desenvolvendo uma locomotiva movida a hidrogênio, que a empresa se refere como HydrogenShunter 1000. Por enquanto, o projeto está em fase de estudo de viabilidade, que determinará se será construído um protótipo. “Procuramos uma opção que não seja muito exigente em termos de construção de infraestruturas adicionais, que permita soluções modulares e uma base de manutenção comum com os nossos outros veículos”, comentou Jan Kutálek sobre o desafiante processo de desenvolvimento que acompanha. Isso também inclui fácil operação, manutenção e serviço. O objetivo inicial será certificação e acessibilidade em toda a UE, embora uma locomotiva “limpa” seja sempre significativamente mais cara do que um veículo convencional com motor diesel. (CZ LOKO – 23.11.2021)

<topo>

5 Suécia: Apoio à produção de eMetanol a partir de hidrogênio verde

A Liquid Wind, um consórcio de especialistas para estabelecer instalações de eMetanol em escala comercial, recebeu um investimento de € 15 milhões para o desenvolvimento de sua planta FlagshipONE. A planta irá produzir o combustível líquido neutro em carbono, eMetanol, a partir do dióxido de carbono capturado e hidrogênio verde. A FlagshipONE será conectada à usina de energia e calor combinados (CHP) da Övik Energi, Hörneborgsverket, em Örnsköldsvik, no norte da Suécia. O processo de construção está programado para começar na primavera de 2022. Uma vez operacional, a instalação deve produzir 50.000 toneladas de eMetanol a partir de 2024. (Liquid Wind – 25.11.2021)

<topo>

 

 

Tecnologia e Inovação

1 Alemanha: Centrica adquire participação minoritária na inovadora tecnologia de produção de hidrogênio

A Centrica anunciou no dia 29 de novembro sua participação minoritária na HiiROC, empresa que obteve um financiamento de £ 26 milhões com novos investidores. A tecnologia proprietária da empresa converte biometano, gás flare ou gás natural em hidrogênio limpo e negro de fumo, por meio de um processo de eletrólise inovador usando plasma térmico. Isso resulta no chamado “hidrogênio turquesa” com zero emissões a um custo comparável ao da reforma do metano a vapor, usando apenas um quinto da energia exigida pela eletrólise da água. Os projetos iniciais dessa tecnologia incluem a instalação de uma usina de hidrogênio com produção de 400 kg/dia na Alemanha, bem como uma planta piloto de biometano da EPi em Chelmsford. (Centrica – 29.11.2021)

<topo>

2 Alemanha: Pesquisa de catalisadores para uma produção mais sustentável de hidrogênio

A National Science Foundation recentemente forneceu uma bolsa de $ 379.998 para a Greenlee, para o desenvolvimento de estudos sobre o processo de eletrólise, em colaboração com pesquisadores do Instituto de Tecnologia de Karlsruhe. A colaboração tem como objetivo entender melhor e melhorar os métodos atuais de eletrólise, utilizando compostos contendo ferro como catalisadores para acelerar o processo de divisão da água. Para começar a investigação, Greenlee irá sintetizar o catalisador de ferro-níquel, juntamente com outros catalisadores contendo ferro, e testar em uma célula especializada projetada com eletrólito líquido. Com a bolsa de três anos, os pesquisadores esperam trabalhar no desenvolvimento e teste de um catalisador à base de ferro mais eficiente. A empresa almeja ainda que a pesquisa possibilite métodos mais robustos e variados de geração, conversão e armazenamento de energia, bem como aplicações em transporte. (Fuel Cells Works – 28.11.2021)

<topo>

 

 

Eventos

1 Webinar: Hidrogênio verde e de baixo carbono

O webinar será aberto a todas as pessoas e empresas que estiverem interessadas nas tecnologias mais recentes de produção de energia. O evento será realizado através de uma parceria da ENECHANGE Insight Renewables com Charley Rattan, premiado pelo World Hydrogen Leaders com mais de 25 anos de experiência em energia renovável e um vasto histórico de entrega de projetos importantes para Shell, SSE e EON. Charley Rattan é um conselheiro de negócios confiável para empresas globais de energia e um defensor, moderador e facilitador da economia do hidrogênio. O evento iniciará no dia 07 de dezembro, às 04h00. Inscreva-se aqui. (LinkedIn – dezembro de 2021)

<topo>

2 Considerações sobre compressão de hidrogênio para o mercado de transição de energia

A compressão é um componente essencial da cadeia de valor do hidrogênio, pois é necessária para mover, armazenar e utilizar o gás hidrogênio. Do ponto em que o hidrogênio é produzido até o ponto aquele no qual é consumido, diferentes tipos de compressão são apropriados. Neste webinar, a Siemens Energy irá percorrer as considerações necessárias ao avaliar os requisitos de compressão de hidrogênio. O portfólio da Siemens Energy oferece suporte a toda a cadeia de valor do hidrogênio. Este evento iniciará no dia 08 de dezembro, às 15h00. Inscreva-se aqui. (LinkedIn – dezembro de 2021)

<topo>

3 Hidrogênio – seu papel na transição energética

O evento, no formato de webinar, fornece uma visão sobre o hidrogênio, sua importância na transição energética e as oportunidades que isso cria para os indivíduos que trabalham nos setores de Petróleo e Gás e outros. Após a publicação das estratégias de hidrogênio do governo do Reino Unido e da Escócia, a apresentação fará uma introdução aos vários tipos de geração de hidrogênio relacionados às muitas cores e tentará fornecer uma comparação generalizada dos diferentes tipos em termos de transição de energia e comercialismo. Haverá uma rápida revisão das pesquisas que estão sendo realizadas sobre transmissão e armazenamento. A segunda parte da apresentação examinará as várias oportunidades de emprego que estão surgindo como resultado desta nova transição energética. A indústria de gás promoveu recentemente a produção de Hidrogênio Azul a partir do gás metano, que é o outro lado da equação adicionado à CCUS. Há muito mais oportunidades de carreira começando a surgir relacionadas à transição. O evento iniciará no dia 15 de dezembro, às 08h30. Inscreva-se aqui. (LinkedIn – dezembro de 2021)

<topo>

4 Webinar – Mercados de Transição de Energia: Hidrogênio, Captura de Carbono, etc

O Project Smart Explorer está apresentando seu webinar dedicado aos mercados de transição de energia. Este evento detalhará os números dos projetos premiados em 2021 e dará as perspectivas futuras desses mercados nos próximos anos. Serão discutidos produção de hidrogênio e amônia, captura e armazenamento de carbono, eletrificação, tratamento e dessalinização de água, energia solar e eólica, geração de energia, resíduos/reciclagem e armazenamento de energia. Também será discutido como entrar neste novo mercado e aproveitar as oportunidades de negócios. O evento iniciará no dia 14 de dezembro, às 10h00. Inscreva-se aqui. (LinkedIn – dezembro de 2021)

<topo>

 

 

Artigos e Estudos

1 Análise do impacto de uma quota de hidrogênio renovável nos mercados europeus de eletricidade e gás natural

O estudo compara um cenário utilizando a injeção de uma quantia de hidrogênio renovável imposta ao consumo final nas redes de gás, em setores da economia fora do sistema de comércio de emissões da EU, com o cenário de referência sem quota, como o atual. Foram avaliados os efeitos no preço, quantidade e bem-estar. Inicialmente, a introdução de uma quota de hidrogênio leva a uma expansão significativa na capacidade de geração de eletricidade renovável para produzir hidrogênio e/ou metano sintético a partir da tecnologia de captura de carbono. No mercado de eletricidade, o preço aumenta substancialmente em até 12%, principalmente devido ao aumento dos preços das licenças de emissão, levando a um custo excedente maior para os produtores de energia. Os principais beneficiários são os produtores de energia renovável que são os fornecedores exclusivos das centrais elétricas a gás. No mercado do gás, a inserção do hidrogênio renovável e metano sintético leva a uma pequena diminuição dos preços (no máximo -3%) e custos excedentes para o produtor de gás. Os consumidores de gás com quotas obrigatórias, principalmente residências, consumidores comerciais e industriais, arcam com a maior parte do ônus associado à obrigação e aquisição dos certificados de hidrogénio renovável. No geral, a obrigação da inserção leva à redistribuição do bem-estar desses consumidores para os maiores beneficiados, os produtores de eletricidade renovável e convencional e os produtores e operadores de energia a gás, resultando em um declínio significativo no bem-estar total. (ScienceDirect – 2021)

<topo>

2 Reformadores de hidrogênio móveis como uma nova abordagem para descarbonizar o setor de transporte

Com o avanço da transição energética e a necessidade de mitigar as emissões de gases de efeito estufa com urgência, o foco está sendo deixar de lado uma economia baseada em combustíveis fósseis e buscar maneiras de descarbonizar a matriz energética como um todo, inclusive os veículos. Desse modo, uma das maneiras de poder descarbonizar o transporte de maneira eficiente é com o hidrogênio verde. O otimismo com o hidrogênio é que ele pode ser utilizado a partir de uma série de fontes ou portadores de energia, como amônia ou portadores de hidrogênio orgânico líquido (LOHC), que por sua vez permite uma variedade de casos de uso específicos em várias áreas de aplicação. A reforma do hidrogênio a partir de portadores de hidrogênio requer o uso de processos catalíticos eficientes e engenharia de reator inteligente. Nos últimos anos, uma nova geração de reatores catalíticos impressos em 3D de metal ou cerâmica entrou no cenário de reatores químicos, mudando fundamentalmente a forma como os reatores são projetados e o manuseio do catalisador é realizado. Aqui, nos concentramos em avanços recentes usando esses sistemas de reator para reforma de hidrogênio em um ambiente móvel. (ScienceDirect – 2021)

<topo>

3 Artigo “Produção de hidrogênio verde a partir da reação de deslocamento do gásde água”

A busca por energias limpas, renováveis e eficientes para o hidrogênio traz uma um forte candidato a substituir os combustíveis fósseis, a reação de deslocamento gás-água (WGSR). Descoberta no ano de 1780, a WGSR exibe grande importância na indústria para produção de hidrogênio puro. Estudos têm sido realizados com a reação de WGSR, a fim de instituir novos catalisadores que demonstrem resistência, atividade, custo e estabilidade superiores aos catalisadores típicos manuseados na indústria. Na literatura são exibidos mecanismos redox e associativo para cada categoria que usualmente são os mais aceitos, como o HST e o LTS. Na catálise homogênea, emprega-se metais de transição aplicados em sistemas mononucleares tanto em soluções básicas como ácidas bem como sistemas bimetálicos. Portanto, essa revisão bibliográfica tem como propósito um maior entendimento com relação à produção de hidrogênio por intermédio da reação de deslocamento de gás-água. (Repositório UFU – 2021)

<topo>

4 Quantificação da degradação de células a combustível e análise técnico-econômica de uma rede residencial interativa à base de hidrogênio com compartilhamento de energia e veículos movidos a células a combustível

Redes de energia interativas baseadas em hidrogênio para edifícios e transportes fornecem novas soluções para a transição energética, flexibilidade energética regional e independência no consumo de combustível fóssil. As células a combustível dos veículos são componentes essenciais para a conversão de H2 em eletricidade e fornecimento de energia limpa. No entanto, devido à complexidade em ambientes de trabalho termodinâmicos e operações frequentes de liga/desliga, as células de combustível de membrana de troca de prótons (PEMFCs) sofrem degradação e perda de desempenho, dependendo do equilíbrio de calor da cabine e requisitos de energia. A ignorância da degradação pode levar à superestimação do desempenho. A fim de quantificar a degradação da célula a combustível em ambos os cruzamentos diários e interações veículo-rede (V2G), o estudo propõe um modelo térmico de cabine com dois espaços para quantificar a temperatura ambiente de PEMFCs de veículos e o fornecimento de energia para veículos de sistemas HVAC. (Repositório UFU – 2021)

<topo>

5 Artigo “Requisitos de monitoramento de hidrogênio no regulamento técnico global e veículos com células a combustível”

O Regulamento Técnico Global (GTR) número 13 da Comissão Econômica das Nações Unidas para a Europa é o documento que define a regulação dos requisitos de segurança em veículos a hidrogênio e, em particular, veículos elétricos com células a combustível (FCEVs). O GTR chamado de Regulamento Técnico Global para Veículos a Hidrogênio e Células a Combustível, define requisitos de segurança para veículos, incluindo especificações sobre os níveis de hidrogênio permitidos em compartimentos durante o uso e condições pós-colisão e sobre os níveis de emissões de hidrogênio permitidos no escapamento do automóvel durante modos de operação normal. No entanto, para serem incorporados aos regulamentos nacionais, métodos de verificação do cumprimento dos requisitos específicos devem existir. Em um programa colaborativo, os Laboratórios de Sensores do Laboratório Nacional de Energia Renovável dos Estados Unidos e o Centro de Pesquisa Conjunta, Instituto de Energia e Transporte da Holanda têm avaliado e desenvolvido métodos analíticos que podem ser usados para verificar a conformidade dos requisitos de liberação de hidrogênio, conforme especificado no GTR. (Web Of Science – 2021)

<topo>

6 Hidrogênio e etanol: produção, armazenamento e transporte

Com a busca por combustíveis livres de emissão de carbono, a fim de descarbonizar a matriz energética a nível global, novos estudos sobre produção e uso do hidrogênio como vetor energético têm surgido. Um deles é a reforma do etanol, bem como a mistura entre os dois combustíveis. O presente artigo fornece insights sobre a viabilidade do uso de misturas de hidrogênio e bioetanol como transportadores de energia no futuro próximo. Após discussões sobre as vantagens e desvantagens, o estudo aborda diversos panoramas. As visões gerais explicitadas abrangem desde a produção, armazenamento e transporte de hidrogênio e bioetanol e os problemas atuais. Além disso, soluções potenciais para os três estágios foram resumidos. Por fim, os pesquisadores concluem que as perspectivas para o hidrogênio e o bioetanol podem ser esperadas com otimismo. (Web Of Science – 2021)

<topo>


Equipe de Pesquisa UFRJ
Editor: Prof. Nivalde J. de Castro (nivalde@ufrj.br)
Subeditores: Fabiano Lacombe, Luiza Masseno e Sayonara Andrade Elizário
Pesquisadores: Allyson Thomas,
José Vinícius S. Freitas, Kalyne Silva Brito e Luana Oliveira 
Assistente de pesquisa: Sérgio Silva

As notícias divulgadas no IFE não refletem necessariamente os pontos da UFRJ. As informações que apresentam como fonte UFRJ são de responsabilidade da equipe de pesquisa sobre o Setor Elétrico do Instituto de Economia da UFRJ.

POLÍTICA DE PRIVACIDADE E SIGILO
Respeitamos sua privacidade. Caso você não deseje mais receber nossos e-mails,  Clique aqui e envie-nos uma mensagem solicitando o descadastrado do seu e-mail de nosso mailing.


Copyright UFRJ

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: