IFE.H2 55

Informativo Eletrônico – Geração de Energia com Hidrogênio nº 55 – publicado em 27 de outubro de 2021.

IFE: Informativo Eletrônico de Hidrogênio – GESEL-UFRJ <!–

l

IFE: nº 55 – 27 de outubro de 2021
http://gesel.ie.ufrj.br/
gesel@gesel.ie.ufrj.br

Editor: Prof. Nivalde J. de Castro

Índice

Políticas Públicas e Financiamentos
1
Alemanha-Noruega: INEOS investe mais de €2 bilhões em unidades de produção de hidrogênio
2 Canadá- França: Ballard e Forsee Power assinam acordo para impulsionar a mobilidade do hidrogênio
3 Brasil: ENGIE firma acordo com Governo do Ceará para projeto de hidrogênio verde no Porto de Pecém
4 Estados Unidos: US$ 62 milhões para apoiar o primeiro voo de teste de aeronave movida a hidrogênio
5 Estados Unidos: Plug Power e Airbus participam de acordo histórico para introduzir hidrogênio verde em aeroportos
6 Reino Unido: Campanha Road to COP26 lançada pelo UK HFCA
7 Reino Unido: Nova parceria de £ 400 milhões entre a Breakthrough Energy e o governo inglês
8 Reino Unido: Governo consegue investimento privado de quase 10 bilhões de euros
9 Reino Unido: Novo consórcio implementará uma rodovia de hidrogênio composta por terra, mar e portos
10 Reino Unido: Octopus Energy e RES investirão £ 3 bilhões em hidrogênio até 2030

Produção
1 Alemanha: INEOS planeja desenvolver usina de 100 MW de hidrogênio verde
2 Austrália: B&W e Port Anthony se unem para produzir hidrogênio a partir da biomassa
3 EUA: Plug Power inicia construção de usina de hidrogênio verde
4 EUA: Energy Habor e DOE planejam desenvolver usina de hidrogênio rosa
5 França: Hynamics inagura planta de hidrogênio verde
6 Reino Unido: Empresas planejam produzir hidrogênio por meio de energia das ondas e eólica offshore

Armazenamento e Transporte
1 Alemanha: Transportando hidrogênio com segurança e eficiência
2 EUA: Consórcio demonstrará viabilidade do armazenamento de hidrogênio líquido em larga escala
3 EUA: GKN Hydrogen e NREL desenvolverão um subsistema de armazenamento de hidrogênio inovador

4 EUA: Hy Stor Energy desenvolvendo o primeiro centro de armazenamento de H2V com zero carbono

5 Índia: Welspun Corp se junta ao projeto industrial conjunto H2Pipe de dutos de hidrogênio

Uso Final
1 BHP e POSCO pesquisam em conjunto redução direta na produção de aço utilizando hidrogênio
2 EUA: Califórnia pode alcançar a primeira rede mundial de abastecimento de hidrogênio sustentável
3 Holanda: Hyzon Motors é capaz de produzir veículos elétricos movidos a hidrogênio em grande escala
4 Reino Unido: Novo acordo entre empresas pretende promover uma economia de transportes a hidrogênio

5 Rolls-Royce fará geradores 100% de hidrogênio a partir de 2023

Tecnologia e Inovação
1 Canadá: Cummins HyLYZER é o maior eletrolisador PEM em operação
2 EUA: Sistema de energia solar concentrada da Heliogen é capaz de produzir H2V

Eventos
1 II Congresso Brasil-Alemanha de Hidrogênio Verde
2 3° Dia de Energia Brasil – Alemanha
3 Senai abre inscrições para segunda turma do curso de Introdução ao Hidrogênio Verde
4 Webinar: “Accelerating a Sustainable Recovery: Hydrogen Technologies”

5 Webinar: “End-to-end hydrogen refueling solutions”
6 Webinar GESEL/ICT RESEL: “Hidrogénio verde na reconversão da matriz energética de Portugal: estudos de caso”
7 Webinar: “Symposium on Fuel Cell and Hydrogen Technology 2021 (SFCHT2021)”
8 Workshop: Tecnologias e soluções de ponta para descarbonização de refinarias e plantas petroquímicas

Artigos e Estudos
1 Análise econômica dos cenários de desenvolvimento da rede de estações de abastecimento de hidrogênio
2 Artigo Valor “Crise expõe dificuldade para ‘limpar’ matriz”
3 IEA: Uma nova economia de energia está surgindo
4 Hidrogênio verde no México: O potencial da transformação

5 Índice que apresenta a viabilidade de investimento em projeto de hidrogênio é lançado
6 IRENA: A Pathway to Decarbonise the Shipping Sector by 2050
7 Plano de transição para a economia do hidrogênio: um estudo de caso em Ontário
8 Relatório Final PNE 2050


 

 

Políticas Públicas e Financiamentos

1 Alemanha-Noruega: INEOS investe mais de €2 bilhões em unidades de produção de hidrogênio

A INEOS declarou no dia 18 de outubro um investimento de mais de € 2 bilhões que espera transformar a produção de hidrogênio zero carbono em toda a Europa. A empresa planeja construir uma planta de eletrolisador de 20 MW na Noruega e outra de 100 MW na Alemanha. Considerada a maior operadora de eletrólise da Europa, embora seja sua subsidiária INOVYN, a INEOS também revelou planos para outros projetos na Bélgica, Reino Unido e França, enquanto busca colaborar com outras empresas envolvidas na economia do hidrogênio em evolução. Ao lado de outras empresas no mercado, a INEOS também pretende trabalhar em estreita colaboração com os governos europeus para garantir que a infraestrutura necessária seja implementada para facilitar o papel do hidrogênio em todo o continente. (INEOS – 18.10.2021)

<topo>

2 Canadá- França: Ballard e Forsee Power assinam acordo para impulsionar a mobilidade do hidrogênio

A Ballard Power Systems e a Forsee Power uniram forças para impulsionar aplicações de mobilidade com hidrogênio em veículos de serviço pesado. Como parte do relacionamento estratégico, a Ballard está se comprometendo a participar como um investidor líder (até €40 milhões) em conexão com o IPO proposto da Forsee. Através de um Memorando de Entendimento, a dupla aplicar soluções de bateria e célula a combustível em ônibus, caminhões, ferrovias, marítimas e off-road com emissão zero. Marcando o estado de uma colaboração de longo prazo, a parceria estratégica promoverá o co-design e co-desenvolvimento, visando o mercado de produção e as vendas de soluções de bateria e célula a combustível totalmente integradas, otimizadas para desempenho, custo e instalação. (Ballard – 18.10.2021)

<topo>

3 Brasil: ENGIE firma acordo com Governo do Ceará para projeto de hidrogênio verde no Porto de Pecém

A ENGIE e o Estado do Ceará assinaram no dia 15 de outubro, na sede do governo cearense, um Memorando de Entendimentos (MoU) para desenvolver um projeto de hidrogênio verde de grande escala no Porto de Pecém. O foco principal do projeto é a exportação do vetor energético, no entanto também está sendo considerando seu uso em mobilidade pesada, na indústria do aço, produção de químicos e mistura para as redes de transporte de gases. A primeira etapa tem como objetivo produzir entre 100 e 150 MW em um prazo de até cinco anos e em seguida desenvolver outras fases até chegar a uma escala maior, acompanhando a expansão dos mercados locais e internacionais. A empresa declarou que está aberta a colaborar com vários stakeholders, de forma a permitir que esta ação seja acelerada. O Hidrogênio Verde é apontado como uma das grandes apostas na transição energética para um mundo neutro em carbono, já que é obtido por meio do processo de eletrólise, a partir de fontes renováveis e pode substituir o uso de combustíveis fósseis em indústrias intensivas em carbono. (ENGIE – 15.10.2021)

<topo>

4 Estados Unidos: US$ 62 milhões para apoiar o primeiro voo de teste de aeronave movida a hidrogênio

O setor de aviação deverá receber um grande impulso para a incorporação de tecnologias de hidrogênio com a Universal Hydrogen (UH) garantindo US$ 62 milhões em capital para o avanço do primeiro voo de teste de aeronaves regionais movidas a hidrogênio, em 2022. A empresa que lidera a luta para descarbonizar a aviação por meio da adoção do hidrogênio, anunciou hoje uma rodada de financiamento que tem como novos investidores: Mitsubishi HC Capital, Tencent, Stratos, GE Aviation, Waltzing Matilda Aviation, Fourth Realm, Hawktail, Marc Benioff’s Time Ventures, Jeff Wilke e Spencer Rascoff’75 e Sunny Ventures. Espera-se que este financiamento apoie o voo de teste que contará com um trem de força e uma célula a combustível implementados em um avião regional para mais de 40 passageiros em Moses Lake em Washington, EUA. A empresa prevê a entrada em serviço comercial em 2025 com um kit de conversão retrofit para os aviões regionais ATR 72 e De Havilland Canada Dash-8 existentes e uma oferta de serviços de combustível de hidrogênio verde. (Business Wire – 14.10.2021)

<topo>

5 Estados Unidos: Plug Power e Airbus participam de acordo histórico para introduzir hidrogênio verde em aeroportos

Com aeroportos considerados como o próximo ponto estratégico uma parceria irá investigar a viabilidade de trazer hidrogênio verde para aeroportos e operações de aeronaves em todo o mundo. Como parte de um acordo firmado entre a Airbus e a Plug Power um aeroporto dos EUA servirá como o primeiro aeroporto piloto para o “Hub de Hidrogênio” na América do Norte. O projeto pioneiro deve servir como um estudo de caso para expansão da infraestrutura de hidrogênio em outros aeroportos. A Airbus, uma das maiores empresas da indústria da aviação, reconhece o potencial do hidrogênio em vôos como uma das opções de emissão zero mais promissoras e agora trabalhará em estreita colaboração com a Plug Power para integrar a transportadora de energia limpa ao ecossistema do aeroporto nos próximos anos. (H2 View – 13.10.2021)

<topo>

6 Reino Unido: Campanha Road to COP26 lançada pelo UK HFCA

A Associação de Hidrogênio e Células a Combustível do Reino Unido (UK HFCA, em inglês) lançou no dia 14 de outubro a ‘Road to COP26’, para mostrar o papel de liderança que o hidrogênio e as células a combustível podem desempenhar no caminho para a descarbonização. Apoiada pelo Departamento de Comércio Internacional do governo do Reino Unido, a campanha também iluminará a indústria doméstica e de célula a combustível na perspectiva da COP26. Para isso, os membros do UK HFCA deverão destacar seu papel na economia do hidrogênio por meio do site Road to COP26 do UK HFCA. Vários membros também receberão visitas de atores políticos para mostrar seu trabalho. Para ver o anúncio da campanha, clique aqui. (H2 View – 14.10.2021)

<topo>

7 Reino Unido: Nova parceria de £ 400 milhões entre a Breakthrough Energy e o governo inglês

Um novo acordo, anunciado no dia 19 de outubro, entre o governo do Reino Unido e a Breakthrough Energy Catalyst, fundada por Bill Gates, terá £ 400 milhões (US$ 465 milhões) investidos ao longo de 10 anos para impulsionar tecnologias de energia limpa, incluindo hidrogênio. Revelada no Global Investment Summit, a parceria se concentrará em várias tecnologias de ponta que podem estimular o crescimento necessário para atingir a emissão líquida zero até 2050. Com isso, espera-se que as tecnologias e a produção relacionadas ao hidrogênio verde sejam bastante aprimoradas no futuro para uso doméstico, enquanto também se explora as oportunidades de exportação para mergulhar no lucrativo mercado de hidrogênio. O empresário comentou sobre o preço de Green Premium, que é a redução do custo das tecnologias limpas para que elas possam competir e substituir produtos atuais de alta emissão. (UK Government – 19.10.2021)

<topo>

8 Reino Unido: Governo consegue investimento privado de quase 10 bilhões de euros

O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, revelou no dia 19 de outubro que novos acordos comerciais e investimentos no valor de £ 9,7 bilhões (US$ 11,30 bilhões) foram garantidos na Cúpula de Investimento Global com hidrogênio definido como benefício. O pacote de 18 novos negócios apoia o crescimento em vários setores vitais da economia verde do Reino Unido, incluindo hidrogênio, energia eólica, casas sustentáveis e captura e armazenamento de carbono. Com o comércio e investimentos significativos sendo anunciados para o setor verde um grande impulso pode ser dado, para a transição energética na região. Um dos projetos do pacote inclui o Budweiser Brewing Group, braço britânico da cervejaria global AB InBev, e a Protium, empresa líder em serviços de energia de hidrogênio verde, que se uniram para implantar hidrogênio verde na cervejaria Magor em South Wales, uma das maiores cervejarias do Reino Unido. Os dois grupos vão investir mais de £ 100 milhões (US$ 116 milhões) para um sistema de geração de hidrogênio que irá abastecer a produção da cervejaria e também seus principais ativos de logística, incluindo veículos de mercadorias pesadas e empilhadeiras. (UK Government – 19.10.2021)


<topo>

9 Reino Unido: Novo consórcio implementará uma rodovia de hidrogênio composta por terra, mar e portos

A Autoridade do Porto de Londres (PLA, em inglês) está liderando um novo consórcio com o objetivo de desenvolver uma rede de rodovias de hidrogênio no Reino Unido que integram terra, mar e portos. No âmbito do Smart Maritime Land Operations Call, uma iniciativa de Pesquisa e Inovação Marítima do Reino Unido (MarRI-UK) apoiada pelo Departamento de Transporte (DfT), o projeto de dois anos se beneficiará de £ 1,3 milhões direcionados do custo total de £ 2,1 milhões. Os parceiros do projeto, que incluem OS Energy, University of Strathclyde, University of Kent, Soluções de HSE, ORE Catapult, University of Birmingham e Newcastle Marine Services, estão fornecendo o saldo dos fundos, de acordo com as regras de contrapartida do MarRI-UK. O MarRI-UK lançou sua chamada inicial de propostas de projetos em novembro de 2020. O projeto da Rodovia do Hidrogênio foi o único selecionado para financiamento, entre 19 inscrições. O pacote de financiamento visa apoiar o desenvolvimento de inovação tecnológica que integre as necessidades terrestres e marítimas que possibilitem o uso de combustíveis alternativos mais limpos. (Port of London Authority – 13.10.2021)

<topo>

10 Reino Unido: Octopus Energy e RES investirão £ 3 bilhões em hidrogênio até 2030

O Reino Unido deve receber um grande impulso para o setor de hidrogênio com a Octopus Energy e RES revelando sua intenção de investir £ 3 bilhões ($ 4,12 bilhões) em usinas de hidrogênio verde até 2030. Os dois grupos trabalharão juntos não apenas para desenvolver plantas de produção, mas também para aumentar as capacidades de armazenamento que as acompanharão. O projeto foi identificado como um empreendimento significativo necessário para desbloquear o verdadeiro potencial do hidrogênio, fornecendo o transportador de energia limpa integrada a geração de energia intermitente. A própria Octopus Renewables gerencia mais de 300 parques solares, eólicos onshore e de biomassa, que possuem o potencial para serem usados como fonte de geração de hidrogênio verde para impulsionar a transição energética no Reino Unido. (CITY A.M. – 14.10.2021)

<topo>

 

 

Produção

1 Alemanha: INEOS planeja desenvolver usina de 100 MW de hidrogênio verde

A INEOS, empresa multinacional voltada à indústria química britânica, anunciou que está desenvolvendo um projeto de construção de uma usina de hidrogênio em Koln, Alemanha. A usina contará com eletrolisadores que somam uma capacidade eletrolítica de 100 MW e que serão alimentados por energia renovável. Como uso final, o H2V será utilizado para produzir amônia verde a partir da síntese de Haber-Bosch e também destinado para o desenvolvimento de combustíveis sintéticos, por meio da tecnologia Power-to-Methanol. O projeto faz parte de um investimento de mais de € 2 bilhões e visa reduzir as emissões de carbono, levando sustentabilidade para as operações da empresa. (INEOS – 19.10.2021)

<topo>

2 Austrália: B&W e Port Anthony se unem para produzir hidrogênio a partir da biomassa

A Babcook & Wilcox (B&W), fornecedora de serviços e tecnologias de energia renovável, assinou um contrato com o Port Anthony. O contrato estabelece o desenvolvimento conjunto de uma planta de hidrogênio no próprio porto, localizado em Victoria, na Austrália. A planta contará com um gaseificador BrightLoop TM da B&W que transformará biomassa em hidrogênio limpo. Estima-se produzir em torno de três toneladas do H2 limpo por dia. O projeto, que fará parte do maior hub de hidrogênio verde no sudeste da Austrália, tem como intuito promover a descarbonização da economia vitoriana e australiana. (Babcook & Wilcox – 18.10.2021)

<topo>

3 EUA: Plug Power inicia construção de usina de hidrogênio verde

A Plug Power, empresa líder no desenvolvimento de células a combustível, iniciou a construção de uma usina de hidrogênio no Condado de Genesee, Estados Unidos (EUA). A usina será alimentada por 10 megawatts (MW) de energia hidrelétrica do Niagara Power Project, produzindo hidrogênio verde (H2V). Quando a planta for concluída, serão produzidas 45 toneladas métricas de hidrogênio líquido por dia. O combustível será destinado ao setor de transporte, com preços competitivos ao diesel. Essa será a maior instalação de produção de H2V da América do Norte e tem como intuito promover a descarbonização da economia. (New York State – 20.10.2021)

<topo>

4 EUA: Energy Habor e DOE planejam desenvolver usina de hidrogênio rosa

A Energy Harbor, empresa de energia renovável, e o Departamento de Energia dos Estado Unidos (DOE), realizaram um acordo para continuar desenvolvendo um projeto de produção de hidrogênio em Davis–Besse, nos Estados Unidos (EUA). A usina vai conter um eletrolisador PEM que será alimentado por energia nuclear, produzindo hidrogênio rosa a partir da eletrólise de baixa temperatura. A localização foi escolhida em Davis-Besse, pois, a cidade está situada nas proximidades dos principais consumidores de hidrogênio nos setores de manufatura e transporte do mercado, além de ser uma grande área de produção de energia nuclear. (Energy Habor – 19.10.2021)

<topo>

5 França: Hynamics inagura planta de hidrogênio verde

A Hynamics, subsidiária da EDF e produtora de hidrogênio de baixo carbono, inaugurou uma planta de hidrogênio em Auxerois, na França. A planta contém um eletrolisador com uma capacidade eletrolítica de 1 MW alimentado exclusivamente por energia renovável. A usina produzirá uma quantidade de 400 quilos de hidrogênio verde (H2V) por dia e, a partir desta quantidade, evitará emitir 2.200 toneladas de dióxido de carbono por ano. O gás deverá ser utilizado para abastecer 5 ônibus movidos a célula a combustível em seu uso final. A empresa possui planos mais ambiciosos, planeja triplicar a capacidade eletrolítica da planta até o ano de 2025. (Fuel Cells Works – 20.10.2021)

<topo>

6 Reino Unido: Empresas planejam produzir hidrogênio por meio de energia das ondas e eólica offshore

A Marine2o, empresa que atua no segmento da descarbonização de transportes marítimos, e a Marine Power Systems, empresa de energia eólica offshore, realizaram uma parceria para desenvolver uma planta de hidrogênio no Reino Unido. A planta contará com eletrolisadores que serão alimentados por energia eólica offshore e por energias das ondas, produzindo então o hidrogênio verde (H2V). As tecnologias utilizadas para produção primária de energia são da própria empresa Marine Power Systems. Enquanto a energia eólica offshore é uma tecnologia promissora para a produção do H2V, a energia das ondas ainda é uma tecnologia inovadora. Em termos de uso final, o gás produzido será utilizado para descarbonizar portos e hidrovias em todo o Reino Unido. (Marine Power Systems – 19.10.2021)

<topo>

 

 

Armazenamento e Transporte

1 Alemanha: Transportando hidrogênio com segurança e eficiência

Uma parceria estratégica composta pela Bilfinger, empresa líder internacional provedora de serviços industriais, e a Hydrogenious LOHC, pioneira no mercado de tecnologias de transporte usando LOHC, pretende tornar o hidrogênio verde disponível comercialmente em grande escala na Europa. A parceria pretende oferecer uma infraestrutura para líquidos orgânicos transportadores de hidrogênio (LOHC) pronta para uso, baseada na tecnologia proprietária da Hydrogenious. A tecnologia da Hydrogenious LOHC é uma solução eficiente e segura para o transporte flexível de hidrogênio. O início da construção em escala industrial da LOHC StoragePLANT está planejado para 2023/2024 em CHEMPARK Dormagen – será a maior instalação do mundo do seu tipo (armazenamento de hidrogênio em LOHC) com a previsão de aproximadamente 1.800 toneladas por ano. (Hydrogenious – 13.10.2021)

<topo>

2 EUA: Consórcio demonstrará viabilidade do armazenamento de hidrogênio líquido em larga escala

Um consórcio liderado pela Shell foi selecionado pelo Departamento de Energia dos Estados Unidos (DOE) para demonstrar que um tanque de hidrogênio líquido, com capacidade variando de 20.000 a 100.000 metros cúbicos, é viável e possui custo competitivo em terminais de importação e exportação. O projeto tem um fundo total de US $ 12 milhões, financiado pelo DOE, Shell e CB&I Storage Solutions. Inaugurado no dia 13 de outubro, o consórcio vai colaborar para o desenvolvimento de um projeto de conceito tecnicamente inovador e economicamente viável. Um tanque de demonstração será desenvolvido e usado para testar e validar a viabilidade do projeto e do modelo térmico para projeto em escala comercial. Espera-se que o projeto avance nos Estados Unidos e que o país ocupe a posição de líder no desenvolvimento da cadeia de abastecimento internacional à base de hidrogênio líquido, facilitando a comercialização da exportação de hidrogênio azul e verde. (Fuel Cells Works – 13.10.2021)

<topo>

3 EUA: GKN Hydrogen e NREL desenvolverão um subsistema de armazenamento de hidrogênio inovador

A GKN Hydrogen foi selecionada para receber parte de US$ 8 milhões para um projeto inovador de subsistema de armazenamento de hidrogênio que está sendo desenvolvido com o Laboratório Nacional de Energia Renovável (NREL). O projeto tem como objetivo validar e demonstrar a operação dinâmica de um subsistema de armazenamento de 520 kg de hidrogênio como hidreto metálico integrado com as capacidades em escala de megawatt. O financiamento permitirá que dois tanques de armazenamento de hidrogênio como hidreto metálico HY2MEGA sejam adicionados aos ativos de hidrogênio nas instalações de Pesquisa Avançada em Sistemas Integrados de Energia (ARIES) no Campus Flatirons do NREL, perto de Boulder, Colorado, EUA. O desempenho da instalação HY2MEGA será avaliado em uma gama de condições operacionais e casos de uso simulados usando os recursos da instalação ARIES. Com isso, a GKN Hydrogen afirmou que o projeto estará concluído até setembro de 2022. (H2 View – 15.10.2021)

<topo>

4 EUA: Hy Stor Energy desenvolvendo o primeiro centro de armazenamento de H2V com zero carbono

A Hy Stor Energy LP anunciou sua missão de produzir, armazenar e entregar hidrogênio verde em escala, nos Estados Unidos. O primeiro grande projeto, o Mississippi Clean Hydrogen Hub, está em desenvolvimento ativo e tem vários locais permitidos para armazenamento de hidrogênio. Hy Stor Energy selecionou Mississippi porque a região possui várias formações de sal subterrâneas naturais que podem apoiar o desenvolvimento de grandes cavernas, permitindo o armazenamento seguro e eficaz de hidrogênio verde por vários anos. Durante sua primeira fase, o Mississippi Clean Hydrogen Hub deve produzir cerca de 110 milhões de quilos (kg) de hidrogênio verde anualmente e armazenar mais de 70 milhões de quilos em suas cavernas de sal subterrâneas. Pendente de aprovações regulatórias e disponibilidade de equipamento, a primeira fase do hub está planejada para entrar em serviço comercial em 2025. (Hystor Energy – 19.10.2021)

<topo>

5 Índia: Welspun Corp se junta ao projeto industrial conjunto H2Pipe de dutos de hidrogênio

A Welspun Corp (WCL) se juntou ao H2Pipe Joint Industry Project (JIP) no projeto e operação de dutos de hidrogênio lançados pela DNV AS Energy Systems Pipeline Technology. A Welspun Corp ajudará a desenvolver uma prática recomendada (RP) para projeto, requalificação, construção e operação de dutos para transporte de gás hidrogênio em dutos offshore e complementará os padrões existentes, como DNVGL ST F101 (sistemas de dutos submarinos). Este projeto pioneiro na indústria fornecerá orientação para o setor de energia global à medida que muda para uma energia limpa usando fontes alternativas, com o hidrogênio emergindo como um pilar importante para a transição energética. (Fuel Cells Works – 19.10.2021)

<topo>

 

 

Uso Final

1 BHP e POSCO pesquisam em conjunto redução direta na produção de aço utilizando hidrogênio

A BHP e a POSCO assinaram um novo acordo para descarbonizar a indústria siderúrgica, por meio de compartilhamento de pesquisas em várias tecnologias de carbono zero, como o hidrogênio. A BHP investirá até US $10 milhões nos próximos cinco anos para o progresso das tecnologias de produção de aço com carbono zero, podendo haver um impulso significativo neste setor para o hidrogênio, o que poderia ajudar a acelerar a adoção do transportador de energia limpa. Vandita Pant, Diretora Comercial da BHP, disse que a empresa anunciou recentemente uma meta de emissões líquidas zero do Escopo 3 até 2050 e que está comprometida em trabalhar com os líderes da indústria de produção de aço para lidar com esse setor difícil de reduzir emissões. (Posco Newsroom – 20.10.2021)

<topo>

2 EUA: Califórnia pode alcançar a primeira rede mundial de abastecimento de hidrogênio sustentável

O California Air Resources Board concluiu um estudo da economia de estações de abastecimento de hidrogênio para serviços leves, de acordo com o texto do Assembly Bill 8. O projeto de lei 8 pede ao CARB e à Comissão de Energia da Califórnia que avaliem o desenvolvimento e a operação da estação de abastecimento de hidrogênio em relação a um padrão de autossuficiência financeira. Este relatório é o culminar de uma pesquisa de vários anos e esforço de avaliação que começou com uma extensa pesquisa da indústria e processo de entrevista, concluído em colaboração com a Comissão de Energia da Califórnia. O relatório conclui que a autossuficiência da rede de abastecimento de hidrogênio pode provavelmente ser alcançada dentro de uma década. Para ler o relatório na íntegra, em inglês, clique aqui. Para ler o texto da Assembly Bill 8, clique aqui. (California Air Resources Board – 19.10.2021)

<topo>

3 Holanda: Hyzon Motors é capaz de produzir veículos elétricos movidos a hidrogênio em grande escala

A fábrica da Hyzon Motors Europe localizada na Holanda foi inaugurada em março de 2021 e tem capacidade para até 500 caminhões por ano. Em 2022, a empresa espera aumentar a capacidade para até 1.000 caminhões por ano por meio de atualizações operacionais e adição de um segundo turno. A instalação será o centro europeu para a montagem de veículos, bem como para o desenvolvimento de novas tecnologias de veículos, como o sistema de armazenamento de hidrogênio leve e fácil de montar. (Hyzon Motors – 15.10.2021)

<topo>

4 Reino Unido: Novo acordo entre empresas pretende promover uma economia de transportes a hidrogênio

A INOVYN e a Wrightbus pretendem colaborar no desenvolvimento de uma economia de transportes a hidrogênio, aumentando a quantidade de frotas de veículos pesados movidos a hidrogênio no Reino Unido. Revelada no dia 18 de outubro, a parceria formada pelo memorando de entendimento (MoU) buscará aumentar o número de ônibus, veículos de construção e caminhões em operação em todo o Reino Unido, com os grupos investigando oportunidades para implantar hidrogênio. Para conseguir isso, os grupos trabalharão em conjunto com o governo do Reino Unido para apoiar a implementação de infraestrutura, legislação e investimentos necessários antes da adoção mais ampla de tecnologias de hidrogênio em todo o país. (H2 View – 18.10.2021)

<topo>

5 Rolls-Royce fará geradores 100% de hidrogênio a partir de 2023

A Rolls-Royce está desenvolvendo seu portfólio de motores MTU (marca produto pertencente à Rolls Royce) a gás, para geração e cogeração de energia utilizando hidrogênio como combustível, dentro de seu programa de proteção climática ‘Net Zero at Power Systems’. A empresa anunciou o lançamento das séries 500 e 4000 da MTU, prontas para utilizar 25% de hidrogênio a partir de 2022, antes de converter 100% de hidrogênio a partir de 2023. Atualmente, os modelos podem ser operados com uma mistura de gás com 10% de hidrogênio e, o que deve aumentar para 25% a partir de 2022. Inicialmente, o grupo espera que o gás natural seja o combustível principal no desenvolvimento do ecossistema de hidrogênio, mas enxerga o vetor energético do futuro como técnica e economicamente possível. (MTU Solutions – 15.10.2021)

<topo>

 

 

Tecnologia e Inovação

1 Canadá: Cummins HyLYZER é o maior eletrolisador PEM em operação

O maior eletrolisador do tipo PEM (membrana de troca de prótons) em operação no mundo está localizado no Canadá. Um novo estudo de caso em vídeo destaca as inovadoras capacidades de produção de hidrogênio verde do Cummins HyLYZER e da instalação, tornando-a um farol para um futuro zero carbono. Comissionado em janeiro nas instalações de produção de hidrogênio da Air Liquide em Quebec, este sistema eletrolisador de 20 MW apresenta tecnologia líder do setor. Por meio de um aumento gradual, o sistema Cummins HyLYZER está agora em plena operação e pode produzir até 3.000 toneladas de hidrogênio anualmente. É alimentado pela rede elétrica da região, que é em grande parte fornecida por energia hidrelétrica renovável. Por meio dessa produção de hidrogênio verde, a instalação está evitando aproximadamente 27.000 toneladas de emissões de CO2 por ano. Para assistir o vídeo na íntegra clique aqui. (Cummins – 04.10.2021)

<topo>

2 EUA: Sistema de energia solar concentrada da Heliogen é capaz de produzir H2V

O exclusivo sistema de energia solar concentrada habilitado da Heliogen, para produção de hidrogênio verde, deve ser aprimorado por meio de uma parceria com a Woodside Petroleum. O acordo concede à Woodside uma Notificação Limitada para Proceder (LNTP) que permitirá a aquisição de equipamentos essenciais para uma instalação de demonstração em escala comercial de 5 MW na Califórnia, EUA. A Heliogen disse que a instalação usará o sistema de energia solar concentrada, que visa fornecer energia limpa com disponibilidade de 24 horas por dia, 7 dias por semana. A instalação também utilizará um software de visão computacional avançado que alinha com precisão uma série de espelhos para refletir a luz do sol para um único alvo no topo de uma torre solar, permitindo assim o armazenamento de energia térmica de alta temperatura a baixo custo. (Heliogen – 18.10.2021)

<topo>

 

 

Eventos

1 II Congresso Brasil-Alemanha de Hidrogênio Verde

Após 1 ano do lançamento da estratégia alemã para o Hidrogênio Verde, a segunda edição do Congresso Brasil-Alemanha de Hidrogênio Verde acontecerá no dia 28/10. O 2º Congresso Brasil-Alemanha de Hidrogênio Verde (evento 100% online e gratuito) apresentará o contexto e progresso das atividades bilaterais e locais, o que esperar do futuro, bem como os principais desafios e oportunidades já identificados a partir de projetos pilotos– recursos humanos, tecnologias, infraestrutura, cadeia local. Outro tema a ser abordado no evento são os critérios de sustentabilidade e certificações para o Hidrogênio Verde, além das principais inovações que podem potencializar a sua competitividade. O Congresso será palco também do lançamento de importantes iniciativas, como uma chamada do BMWi (Ministério da Economia e Energia da Alemanha) para projetos do setor privado e um programa de inovação para alavancar o ecossistema local de hidrogênio verde. O evento será transmitido ao vivo pelo canal oficial no YouTube da AHK Brasil, das 09h00 às 12h00 horas. Para inscrever-se, clique aqui. (AHK Brasil – 11.10.2021)

<topo>

2 3° Dia de Energia Brasil – Alemanha

O evento ocorrerá no dia 27/10 das 9h30 às 12h, com o objetivo possibilitar o intercâmbio profissional a respeito das boas práticas e lições aprendidas sobre a transição energética na Alemanha e no Brasil. No Brasil o evento irá marcar oficialmente o lançamento do projeto H2 Brasil. O H2 Brasil é um projeto da Cooperação Alemã para auxiliar na expansão do mercado nacional de hidrogênio verde, melhorando as condições legais, institucionais e tecnológicas para o desenvolvimento de uma economia verde de combustível no Brasil. O MME é o principal parceiro político do projeto, que conta ainda com a EPE, ANEEL, ONS, ANP, SENAI, empresas, universidades federais de todo o país e a Câmara de Comércio Brasil-Alemanha (AHK) como parceiros implementadores. O encontro reunirá especialistas e agentes governamentais de ambos países para que a cooperação energética entre Brasil e Alemanha seja entregue ao público presente. O Energy Day procurará reunir agentes do setor público e privado, assim como a academia, pesquisadores e sociedade civil. Inscreva-se aqui. (AHK Brasil – Outubro de 2021)

<topo>

3 Senai abre inscrições para segunda turma do curso de Introdução ao Hidrogênio Verde

O Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) Ceará iniciou, no mês de setembro, as aulas do curso “Introdução ao Hidrogênio Verde” de 40h, online e gratuito. Atualmente, o Senai abriu as inscrições para a segunda turma do curso, a qual deve iniciar no dia 18 de outubro. Para se inscrever, clique aqui. (OPovo – 11.10.2021)

<topo>

4 Webinar: “Accelerating a Sustainable Recovery: Hydrogen Technologies”

A Shell Catalysts & Technologies apresentará um evento para demonstrar o impacto da pandemia da COVID-19 no desenvolvimento de tecnologias de hidrogênio. É o segundo webinar da série de recuperação sustentável e explicará como o hidrogênio pode mitigar as emissões em setores estratégicos durante a recuperação no curto prazo e apoiar um futuro de energia mais sustentável. Este webinar irá destacar as implicações do COVID-19 na economia do hidrogênio, o crescente apoio do governo do Reino Unido, tecnologias atuais e tendências. Os palestrantes participarão de um painel e, em seguida, da discussão com base nas perguntas dos participantes. Os arquivos da apresentação e a gravação do vídeo será disponibilizada sob demanda posteriormente. O webinar ocorrerá no dia 1º de novembro, das 11h30 às 12h30. Inscreva-se aqui. (Shell Catalysts – 10.2021)

<topo>

5 Webinar: “End-to-end hydrogen refueling solutions”

Melhor qualidade do ar e níveis mais baixos de emissões nocivas, são vitais para o futuro de nossas cidades. A corrida começou e já possui olhos firmemente postos no transporte público de emissão zero. Esta sessão on-line interativa realizará uma análise concreta de como as tecnologias inovadoras da Linde estão ajudando a construir sistematicamente a infraestrutura H2 e levar o hidrogênio a um ponto de ruptura no caminho para a mobilidade sustentável. O evento ocorrerá no dia 28 de outubro, das 05h às 06h. Inscreva-se aqui. (Linde Engineering – 10.2021)

<topo>

6 Webinar GESEL/ICT RESEL: “Hidrogénio verde na reconversão da matriz energética de Portugal: estudos de caso”

O GESEL (Grupo de Estudos do Setor Elétrico) do Instituto de Economia da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), em parceria com o Instituto ICT RESEL, irá promover um webinar no dia 28 de outubro de 2021, às 14h30 (hora de Portugal) / 10h30 (hora do Brasil) com o tema “Hidrogénio verde na reconversão da matriz energética de Portugal: estudos de caso”. O Hidrogênio é um vetor de descarbonização da economia mundial e com a liderança da União Europeia, vem ganhando espaço em vários fóruns internacionais, que discutem os desafios econômicos e tecnológicos para torna-lo a nova commodity energética. O evento pretende apresentar três estudos de caso de referência relativos à experiência portuguesa do hidrogénio verde: 1) O Green Pipeline Project, liderado pela Galp Gás Natural Distribuição, em parceria com várias empresas, com o objetivo de testar o blending de gás natural e hidrogénio verde; 2) A HyChem (ex-Solvay) que está desenvolvendo vários projetos na cadeia de valor do hidrogénio verde; 3) A Secil S.A. que participa de projeto sobre a tecnologia de otimização da Combustão Contínua em Unidades Industriais. Os palestrantes serão: Carlos Abreu (Administrador da SECIL) e Arlindo Carvalho (Diretor de Produção da HyChem) e Nuno Nascimento (Diretor de Transição Energética da GGND). O webinar terá coordenação do Prof. Vitor Santos (Universidade de Lisboa) e moderação de Jorge Esteves (diretor da ERSE). Inscreva-se aqui. (GESEL-IE-UFRJ – 20.10.2021)

<topo>

7 Webinar: “Symposium on Fuel Cell and Hydrogen Technology 2021 (SFCHT2021)”

O Simpósio sobre Célula a Combustível e Tecnologia de Hidrogênio 2021 (SFCHT2021) reunirá acadêmicos, pesquisadores, cientistas, profissionais e estudantes para compartilhar novas ideias em campos relacionados, fortalecendo assim a rede entre as partes interessadas nesta área. O evento também reunirá como palestrantes, atores da indústria em nível nacional e internacional. Com isso, espera-se que tecnologias de hidrogênio e células a combustível se tornem vital para a promoção de uma vida melhor da comunidade. (Linkedin –10.2021)

<topo>

8 Workshop: Tecnologias e soluções de ponta para descarbonização de refinarias e plantas petroquímicas

O impulso global para a descarbonização acelerou vários desenvolvimentos de projetos interessados na transição energética, para um futuro energético sustentável. Nesse sentido, a Air Liquide apresentou, por meio dos especialistas da empresa, as soluções de tecnologia mais recentes para produção de hidrogênio com baixo teor de carbono, captura de carbono e biocombustíveis avançados disponíveis para as indústrias de refino e petroquímica. O evento ocorreu de forma online no dia 21 de outubro, das 05h00 às 07h30. Para assistir à gravação, se inscreva clicando aqui. (Asian Downstream Insights – 10.2021)

<topo>

 

 

Artigos e Estudos

1 Análise econômica dos cenários de desenvolvimento da rede de estações de abastecimento de hidrogênio

O California Air Resources Board (CARB) realizou uma análise econômica de estações de abastecimento de hidrogênio para serviços leves. O estudo avalia o desenvolvimento e a operação da estação de abastecimento de hidrogênio em relação a um padrão de autossuficiência financeira, levando em conta o texto do Assembly Bill 8 (2013). Uma rede autossuficiente demonstra a capacidade de continuar as operações e crescimento sem mais apoio financeiro do Estado. O estudo avalia possíveis cenários futuros para o crescimento da rede de postos de abastecimento de hidrogênio da Califórnia. Além disso, analisa a quantidade de apoio estadual que poderia manter o crescimento e a operação da rede até que a rede demonstre autossuficiência e estima o tempo para alcançá-la. O relatório conclui que a autossuficiência da rede de abastecimento de hidrogênio pode ser alcançada dentro de uma década com apoio estatal e adicional do AB 8. O tempo para alcançar a autossuficiência e a quantidade de apoio estatal necessária varia significativamente dependendo de uma série de fatores. Para acessar o artigo na íntegra, clique aqui. (CARB – Outubro de 2021)

<topo>

2 Artigo Valor “Crise expõe dificuldade para ‘limpar’ matriz”

O artigo, publicado no Valor Econômico, analisa as dificuldades da transição energética evidenciada pelo choque nos preços internacionais da energia. Tal cenário expôs a fragilidade dos suprimentos mundiais à medida que os países se empenham em trocar os combustíveis fósseis por fontes de energia mais limpas, uma mudança que muitos investidores e governos tentam acelerar diante das preocupações com a mudança climática. Os problemas na cadeia de suprimentos restringem a rapidez com que o mundo pode expandir a geração de energia eólica e solar. Segundo executivos e analistas do setor, a transição dá sinais de que continuará sendo uma tarefa desafiadora nos próximos anos, em razão de uma dura realidade: embora o investimento em combustíveis fósseis esteja em queda, eles ainda representam a maior parte das fontes de energia – e os investimentos em fontes “verdes” não crescem rápido o suficiente para preencher a lacuna. Para ler o artigo na íntegra, clique aqui. (GESEL – IE – UFRJ – 20.10.2021)

<topo>

3 IEA: Uma nova economia de energia está surgindo

Uma nova economia de energia está surgindo, impulsionada por ações políticas, inovação tecnológica e a crescente urgência da necessidade de enfrentar as mudanças climáticas. A eletricidade está cada vez mais assumindo um papel central no processo de transição energética, tendo a sua participação aumentado no consumo final de energia. A tendência é que a participação da eletricidade no consumo final cresça ainda mais nos próximos anos, estima-se que em 2050 seja responsável por 50% do uso final, considerando um cenário de zero emissões líquidas (NZE) de carbono. A nova economia de energia envolve interações variadas e frequentemente complexas entre eletricidade, combustíveis e mercados de armazenamento, criando novos desafios para a regulamentação e o desenho do mercado. Alcançar emissões líquidas zero requer um aumento sem paralelo no investimento em energia limpa. No NZE, o investimento anual em energia limpa aumenta para US$ 4 trilhões até 2030. Além disso, o tamanho combinado do mercado de turbinas eólicas, painéis solares, baterias de íon-lítio, eletrolisadores e células a combustível representa uma oportunidade de mercado cumulativa para 2050 no valor de US$ 27 trilhões. (IEA – Outubro de 2021)

<topo>

4 Hidrogênio verde no México: O potencial da transformação

A German-Mexican Energy Partnership (EP) publicou um relatório, intitulado “Hidrógeno verde en México: el potencial de la transformación”, que analisa o potencial do México para produzir este gás. Segundo o relatório, a América Latina tem potencial para produzir hidrogênio verde (H2V) a baixo custo. O Chile apresenta maior potencial, seguido do Brasil, Peru, Argentina e México. O estudo apresenta o mercado de H2 atual do México, apontando a demanda atual de 220 mil toneladas/ano, das quais 98,6% é consumido pela PEMEX, empresa estatal de petróleo e gás. A produção de H2 é de aproximadamente 2650 toneladas por ano, a maioria produzida pela Air Liquide. Segundo o relatório, o México está em posição privilegiada para se tornar um líder no desenvolvimento de H2V, devido ao potencial de energia solar ser distribuído adequadamente, infraestrutura energética bem desenvolvida e marco regulatório energético que permite o uso do hidrogênio como vetor energético. Apesar das vantagens existentes no país, ainda há desafios a serem superados, dentre os quais, destaca-se a política energética atual, que gera um ecossistema adverso de investimento em projetos renováveis e a falta de regulamentações destinada ao cumprimento das metas do Acordo de Paris. (Alianza Energética Energiepartnerschaft – Outubro de 2021)

<topo>

5 Índice que apresenta a viabilidade de investimento em projeto de hidrogênio é lançado

As consultoras, Cranmore Partners e a Energy Estate, uniram forças para lançar um índice que apresenta a viabilidade de investimento em projeto de hidrogênio de baixo carbono. A plataforma, H2i, foi projetada para fornecer aos investidores e interessados um guia abrangente para o potencial de investimento – e cenário atual – de projetos de hidrogênio de baixo carbono em 40 países. A H2i inclui fatores que provavelmente influenciarão os fluxos de investimento e os cronogramas de desenvolvimento de projetos de acordo com a Cranmore Partners e a Energy Estate. Os países analisados foram classificados de acordo com a capacidade de investimento, suporte regulatório, disponibilidade de recursos renováveis, infraestrutura de transporte e armazenamento, demanda local e segurança energética. A Alemanha está no topo da tabela de investimentos, seguida por Espanha e Estados Unidos, de acordo com a ferramenta online. (IJ Global – 19.10.2021)

<topo>

6 IRENA: A Pathway to Decarbonise the Shipping Sector by 2050

A International Renewable Energy Agency (IRENA) publicou um relatório com objetivo de analisar as tecnologias dos combustíveis renováveis adequados para o transporte marítimo internacional, um setor chave para a economia, uma vez que 90% do comércio mundial é realizado por meio de navios. Segundo a IRENA, se o transporte marítimo internacional fosse um país, seria o sexto ou sétimo maior emissor de CO2, isso mostra a importância de reduzir as emissões do setor. Nesse contexto, o relatório explora as opções e ações necessárias para descarbonizar o setor marítimo até 2050 e conclui que os combustíveis verdes à base de hidrogênio verde e biocombustíveis avançados devem ser a espinha dorsal das descarbonização do setor. Isso se deve ao fato de que uma rápida substituição de combustíveis fósseis pode permitir a redução de até 80% das emissões de CO2 atribuídas ao setor marítimo. No médio e longo prazo, os combustíveis verdes à base de hidrogênio serão fundamentais, totalizando 60% da matriz energética em 2050. E-metanol e e-amônia são os combustíveis mais promissores à base de hidrogênio, com a e-amônia definida para ser a espinha dorsal da descarbonização do setor até 2050. Para acessar o relatório na íntegra, clique aqui. (IRENA – 13.10.2021)

<topo>

7 Plano de transição para a economia do hidrogênio: um estudo de caso em Ontário

A implantação de tecnologias de hidrogênio promete contribuições importantes para atender às necessidades energéticas significativas da economia, ao mesmo tempo que reduz as emissões de poluição urbana e a pegada de carbono geral, avançando em direção a uma economia circular. Nesse contexto, o artigo fornece recomendações para ações políticas de curto prazo, estabelecendo o cenário para o progresso de longo prazo afim de atingir a meta de emissões zero até 2050. O artigo realiza um estudo de caso em Ontário, Canadá. Além disso, recomenda que para lançar tecnologias de hidrogênio em Ontário é necessário canalizar esforços na implantação de várias estratégias de curto, médio e longo prazo. A infraestrutura de abastecimento de hidrogênio, eletrólise para o setor industrial, infraestrutura ferroviária, locomotivas a hidrogênio e infraestrutura para centros de energia e microrredes estão incluídas nas estratégias de curto prazo. Com essa infraestrutura, mais veículos grandes e pesados da Classe 8 estarão prontos para serem convertidos em veículos de célula a combustível hidrogênio no médio prazo. Ações de longo prazo, como power-to-gas, gás natural enriquecido com hidrogênio, hidrogênio como matéria-prima para produtos (por exemplo, amônia e metanol) e armazenamento sazonal e subterrâneo de hidrogênio exigirão apoio financeiro e político imediato para pesquisa e desenvolvimento de tecnologia. (AIMS Energy – 2021)

<topo>

8 Relatório Final PNE 2050

Após consulta pública, a Empresa de Pesquisa Energética (EPE) publicou o Relatório Final do Plano Nacional de Energia 2050. O PNE 2050 destaca o hidrogênio (H2) como uma tecnologia disruptiva, ou seja, capaz de alterar significativamente o mercado de energia. O relatório apresenta as características gerais do gás, bem como as suas potencialidades, que incluem o acoplamento de setores e a descarbonização dos setores difíceis de se descarbonizar. O PNE 2050 aponta o H2 como uma possibilidade de ser utilizado como provimento de flexibilidade e afirma que o uso das tecnologias do gás em larga escala só seria possível com a adoção de políticas públicas adequadas e redução de custos dos eletrolisadores para viabilizar a produção de hidrogênio verde. Segundo o documento, o principal desafio será a elaboração de normatização para uso, transporte e armazenamento do gás. Para tentar contornar os desafios acerca da implementação da economia do hidrogênio, o PNE 2050 recomenda o desenho de aprimoramentos regulatórios relacionados à qualidade, segurança, infraestrutura de transporte, armazenamento, abastecimento, incentivo e utilização de novas tecnologias, bem como a articulação com instituições internacionais que possuem iniciativas na área de hidrogênio. Para ler o PNE 2050 na íntegra, clique aqui. (EPE – 2021)

<topo>


Equipe de Pesquisa UFRJ
Editor: Prof. Nivalde J. de Castro (nivalde@ufrj.br)
Subeditores: Fabiano Lacombe, Luiza Masseno e Sayonara Andrade Elizário
Pesquisadores: Allyson Thomas,
José Vinícius S. Freitas, Kalyne Silva Brito e Luana Oliveira 
Assistente de pesquisa: Sérgio Silva

As notícias divulgadas no IFE não refletem necessariamente os pontos da UFRJ. As informações que apresentam como fonte UFRJ são de responsabilidade da equipe de pesquisa sobre o Setor Elétrico do Instituto de Economia da UFRJ.

POLÍTICA DE PRIVACIDADE E SIGILO
Respeitamos sua privacidade. Caso você não deseje mais receber nossos e-mails,  Clique aqui e envie-nos uma mensagem solicitando o descadastrado do seu e-mail de nosso mailing.


Copyright UFRJ

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: