IFE.TEX 58

Informativo Eletrônico – Tecnologias Exponenciais nº 58 – publicado em 08 de outubro de 2021.

IFE: Informativo Eletrônico de Tecnologias Exponenciais – GESEL-UFRJ <!–

l

IFE: nº 58 – 08 de outubro de 2021
http://gesel.ie.ufrj.br/
gesel@gesel.ie.ufrj.br

Editor: Prof. Nivalde J. de Castro

Índice

Transição Energética e ESG
1
BNEF: Dois terços dos maiores emissores estabelecem metas para zerar emissões liquidas em carbono
2 Brametal visa alcançar protagonismo no setor solar
3 Unigel aposta em energia renovável para exportar produto químico ‘limpo’
4 Elecnor vai construir linha de transmissão para 1,6 GW de energia solar no Brasil
5 Geração Solar bate três recordes
6 Enel pretende triplicar sua geração de energia renovável até 2030
7 Estados Unidos: Recorde de produção de energia renovável no 1º semestre de 2021
8 BEI apoia Ørsted com contrato de empréstimo que estimula a energia eólica
9 Gerdau inicia construção de parque solar no Texas
10 GWEC cria Africa WindPower como representante da indústria eólica
11 Reino Unido e Coreia do Sul se comprometem com a cooperação em energia limpa
12 Hydro realiza acordo de energia solar com a Universidade do Pará
13 Chile: A geração de energias renováveis aumenta em agosto
14 Rússia tem enorme potencial hidrelétrico e eólico
15 Enel Green Power lança iniciativa para acelerar a transição energética na Itália
16 JCP & L apresenta plano de sistema de transmissão eólica offshore
17 Shell apoia 800MW solar no Reino Unido
18 Austrália: Iberdrola irá construir fazenda solar em New South Wales
19 Transição energética: impulso de trabalho de energia limpa
20 SEIA pretende que a energia solar gere 30% da eletricidade dos EUA até 2030
21 Um olhar sobre o ecossistema de energia limpa das Filipinas
22 Eni e IRENA lançam uma parceria para acelerar a transição de energia

Geração Distribuída
1 Senado aprova projeto sobre inclusão de custos de energia solar no financiamento habitacional
2 Enel X vai construir nove usinas fotovoltaicas para atender agências do Bradesco
3 Operações do Itaú BBA em geração distribuída somaram R$ 1 bi
4 Geração própria de energia avança no campo brasileiro
5 Andaluzia distribuirá quase 100 milhões de euros em incentivo para autoconsumo e armazenamento de energias renováveis
6 O significado da baixa adoção do consumo de energia solar com armazenamento em Nova Jersey

Armazenamento de Energia
1 Reino Unido: Kajima Europe lança plataforma de energia renovável para desenvolver projetos de armazenamento solar e de bateria.
2 Mercado global de armazenamento de energia adicionará mais de 30 GW por ano até 2030, segundo IHS Markit
3 EUA têm mais de 14 GW de capacidade de armazenamento em bateria planejados para entrar em operação de 2021 a 2024

4 ESS acerta negócio com SB Energy por 2 GWh de baterias de longa duração

5 EUA: Armazenamento solar aumentará a maioria das novas capacidades de armazenamento em bateria nos próximos três anos

6 DEWA comanda armazenamento de bateria da Tesla no maior parque solar do mundo

Veículos Elétricos
1 Ford/SK Innovation: parceria vai estabelecer fábricas de baterias nos EUA
2 Jaraguá do Sul: Vereadores aprovam lei que prevê infraestrutura de recarga para VEs em condomínios
3 WEG é escolhida parceira da Peugeot para pontos de recarga de VEs
4 ABB lança carregador mais rápido do mundo para VEs

5 Hitachi cria tecnologia para aumentar autonomia de carros elétricos
6 Embraer fecha acordo para a fabricação de carros voadores até 2026
7 Espanha: Municípios receberão subsídios para avançar na descarbonização dos transportes
8 EUA: Utah terá plano de infraestrutura de carregamento de veículos elétricos

9 EUA: Programa de incentivo à eletrificação em escolas implementará mais sete ônibus elétricos em Oregon

Gestão e Resposta da Demanda
1 Massachusetts obteve sucesso inicial com seu programa de incentivo de armazenamento de energia atrás do medidor
2 Mercado de flexibilidade da USEF lançado na Grã-Bretanha

Eficiência Energética
1 A eficiência energética pode ajudar os EUA a oferecer uma transição de energia justa e acessível

Microrredes e VPP
1 A Florida International University terá microrrede no campus
2 AutoGrid fornecerá solução de ‘usina de energia virtual’ para a Clean Power Alliance da Califórnia
3 SDG&E Microgrids ajuda as comunidades a se tornarem mais resistentes ao clima

Tecnologias e Soluções Digitais
1 NYSERDA concede financiamento para apoiar projetos que visam melhorar o desempenho da rede elétrica
2 Turbo Energy apresentará, na Intersolar, novo produto capaz de gerar, armazenar e gerenciar energia solar
3 Programa computacional do Cepel permite avaliação de empreendimentos eólicos e solar fotovoltaicos em base horária
4 EUA: ComEd e parceiros do governo lançam tecnologia de supercondutor para aumentar a resiliência da rede

5 Computação quântica demonstra potencial para análise de falhas em sistemas de energia

Segurança Cibernética
1 Comissão de regulação de energia americana está reanalisando estratégias de segurança cibernética
2 3a Edição do Fórum de Segurança Cibernética para ameaças a concessionárias de eletricidade, gás e água
3 Podcast: Segurança cibernética e concessionárias – como resolver e prevenir ataques cibernéticos

Eventos
1 Webinar do Cepel abordará soluções tecnológicas para redução de perdas comerciais em distribuidoras de energia
2 Cepel fornece embasamento teórico para viabilizar tecnicamente e economicamente projetos eólicos

Artigos e Estudos
1 Artigo: “Crise energética nas empresas e a geração compartilhada de energia”
2 Artigo: “Direito do consumidor na Geração Compartilhada de Energia Elétrica”
3 Artigo: “Baterias e mobilidade elétrica: Brasil não pode ficar para trás”


 

 

Transição Energética e ESG

1 BNEF: Dois terços dos maiores emissores estabelecem metas para zerar emissões liquidas em carbono

Segundo a nova análise da Bloomberg New Energy Finance (BNEF), dois terços – 111 empresas – dos maiores emissores de gases de efeito estufa (GEE) do mundo estabeleceram metas com intuito de reduzir totalmente ou compensar suas emissões líquidas em carbono em um nível equivalente ao que emitem anualmente. Nesse caso, essas empresas foram consideradas as responsáveis por mais de 80% das emissões industriais de GEE. A BNEF estima que, em 2030, as metas definidas pelas empresas reduzirão as emissões em 3,7 bilhões de toneladas métricas de dióxido de carbono equivalente, anualmente. Isso aumenta para 9,8 bilhões de toneladas métricas até 2050 – um pouco abaixo das emissões anuais da China e equivalente a mais de um quarto das emissões globais de gases de efeito estufa hoje. Segundo Kyle Harrison, chefe de pesquisa de sustentabilidade da BNEF, à medida que mais metas líquidas são definidas pelas corporações, a conversa mudará de foco na quantidade para girar em torno da qualidade. (CanalEnergia – 27.09.2021)

<topo>

2 Brametal visa alcançar protagonismo no setor solar

Após a Brametal conquistar uma presença forte no mercado de fornecimento de torres de transmissão, a empresa se prepara para alçar novos voos. A empresa fez um investimento de R$ 7 milhões neste ano em sua fábrica, localizada em Linhares (ES), para construir uma linha de produção dedicada ao segmento fotovoltaico. Além disso, a empresa aplicou, recentemente, recursos no desenvolvimento de novos produtos. A expectativa da companhia brasileira é que este setor corresponda a 30% de seu faturamento nos próximos anos. Segundo Maurílio Hidalgo, gerente comercial e de marketing da Brametal, “o mercado vai demandar bastante os produtos que fornecemos para geração fotovoltaica. Estamos, de forma proativa, tomando algumas providências para que isso seja possível, com o desenvolvimento de equipes e capacitação dos nossos times de engenharia e produção.” (Petronotícias – 28.09.2021)

<topo>

3 Unigel aposta em energia renovável para exportar produto químico ‘limpo’

A Unigel, um dos maiores grupos petroquímicos do país, está apostando em recursos naturais renováveis abundantes no Brasil, como energia eólica e solar, além da reciclagem, para fabricar produtos químicos ‘limpos’. O foco de boa parte dos investimentos é o atendimento do mercado europeu, no qual a transição para uma economia de baixo carbono encontra-se em um estágio mais avançado. À medida que a descarbonização ganhar peso no mercado interno, o país entrará na rota de consumo dessa nova linha de produtos da empresa. A estratégia do grupo é aproveitar a particularidade da matriz energética brasileira e a existência de insumos menos poluentes tipicamente nacionais com o objetivo de atender a demanda externa. Com isso, a Unigel deseja antecipar à extinção definitiva dos combustíveis fósseis e participar, desde já, da transição, saindo na frente dos concorrentes. Nessa linha, um exemplo dos produtos da empresa é a construção de uma fábrica de amônia verde, substituta do óleo bunker de origem fóssil, utilizada em navios, no município de Camaçari (BA). (O Estado de São Paulo – 28.09.2021)

<topo>

4 Elecnor vai construir linha de transmissão para 1,6 GW de energia solar no Brasil

A empresa espanhola de infraestrutura Elecnor SA anunciou, no dia 29/09, a construção de uma linha de transmissão pela sua subsidiária brasileira, que permitirá a conexão de 1,6 GW de capacidade solar em Minas Gerais. Batizado de Solaris, o projeto de mais de 200 km (124,3 milhas) exigirá um investimento de 18,5 milhões de euros (21,6 milhões de dólares). O projeto está sendo promovido pela desenvolvedora indiana de transmissão de energia Sterlite Power Transmission Ltd. Com início da operação prevista para 2022, o projeto irá garantir a conexão das usinas solares localizadas no norte de Minas Gerais ao Sistema Interligado Nacional (SIN). Além disso, a Elecnor está construindo o ativo em duas seções: (I) uma linha de transmissão de duplo circuito de 93 km e 230 kV, estendendo-se até os municípios de Janaúba e Jaíba e (II) um trecho ligando as cidades de Pirapora e Três Marias por meio de uma linha de transmissão de circuito único de 345 kV com 112 km. (Renewables Now – 29.09.2021)

<topo>

5 Geração Solar bate três recordes

A geração solar bateu três recordes distintos de produção de energia no dia 28 de setembro, de acordo com o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS). O primeiro foi no Sistema Interligado Nacional (SIN), com um pico de geração instantânea no valor de 3.626 MW, às 10h52, representando 4,7% da demanda do Brasil. Ainda no período da manhã, no Nordeste, a geração solar instantânea alcançou 2.624 MW, às 10h52, montante suficiente para atender a 21,4% da carga desta região. Logo em seguida, às 12h08, no Sudeste/Centro-Oeste, foi registrada outra marca inédita para a geração instantânea fotovoltaica, a produção de 1.056 MW que representou 2,4% da demanda do subsistema. Atualmente, a fonte solar representa 2,1% da matriz elétrica brasileira e a expectativa é que atinja 2,6% até o fim do ano. (CanalEnergia – 29.09.2021)

<topo>

6 Enel pretende triplicar sua geração de energia renovável até 2030

Após participar de um evento global da ONU na última semana, a Enel anunciou que pretende triplicar sua geração global de energia renovável nos próximos nove anos, passando de cerca de 49 GW, em 2020, para 145 GW até 2030, e acelerar a eliminação gradual da geração a carvão mineral de 2030 para 2027. Os compromissos fazem parte do “Pacto de Energia” da empresa para o cumprimento do ODS 7 – Objetivo de Desenvolvimento Sustentável que prevê acesso universal às energias limpas até 2030 e para alcançar uma economia de emissão-líquida zero até 2050. Nesse caso, o pacto da companhia também inclui metas relacionadas ao alcance de 20 TWh de armazenamento de energia em bateria e 20 GW de resposta à demanda, bem como a expansão dos pontos de carregamento de veículos elétricos de 186 mil para mais de 4 milhões em 2030. Além disso, a Enel pretende atingir 5,6 milhões de beneficiários com novas conexões em áreas rurais e metropolitanas no período e reduzir suas emissões globais de gases de efeito estufa (GEE) em mais de 60%. (Brasil Energia – 29.09.2021)

<topo>

7 Estados Unidos: Recorde de produção de energia renovável no 1º semestre de 2021

O último relatório mensal de Energy Information Administration (EIA) (com dados até 30 de junho), revela que as fontes renováveis representaram 12,91% da energia produzida no país, e 12,71% da energia consumida, para eletricidade, transporte, aquecimento e para outros usos. A produção de energia renovável durante o primeiro semestre de 2021 foi de 6,160 trilhões de Btu (unidades térmicas britânicas, cada uma equivalente a 257 calorias), representando 3,03% a mais que no mesmo período do ano passado e 4,23% a mais que em 2019. A queda acentuada da energia hidrelétrica (12,59% a menos) e a menor queda na energia geotérmica (2,83% a menos) e biomassa (0,53% a menos) foram mais que compensados pelo crescimento da energia solar (24,02% a mais), eólica (9,96 % mais) e biocombustíveis (+ 6,46%). Nesse caso, o vento é hoje a maior fonte de energia renovável, representando 27,78% da produção total de energia renovável do país, seguido pela biomassa (21,28%), hidrelétrica (19,84%), biocombustíveis (17,11%), solar (12,32%) e geotérmica (1,67%). (Energías Renovables – 29.09.2021)

<topo>

8 BEI apoia Ørsted com contrato de empréstimo que estimula a energia eólica

O Banco Europeu de Investimento (BEI) liberou um empréstimo de 500 milhões de euros para a Ørsted a fim de apoiar o seu programa de aumento de investimentos em projetos de energia renovável e a conclusão dos parques eólicos Borssele 1 e 2 na costa holandesa. Os parques eólicos Borssele 1 e 2 de 752 MW contam com 94 turbinas eólicas que, por meio de cabos, transferem sua energia para uma subestação offshore antes de chegar à rede por meio de uma linha de alta tensão que o BEI já ajudou a financiar com a TSO TenneT. “Com este empréstimo, Ørsted garantiu um financiamento de longo prazo para o projeto, que é um capacitador fundamental para o sucesso em nossa aspiração de nos tornarmos líder mundial em energia verde”, disse o vice-presidente Kasper Kiim Jensen, chefe de Tesouraria e Planejamento de Capital da Ørsted. (REVE – 29.09.2021)


<topo>

9 Gerdau inicia construção de parque solar no Texas

A Gerdau, empresa brasileira produtora de aço, a 174 Global Power, empresa de energia solar, e a TotalEnergies, companhia de energia, firmaram parceria e iniciaram a instalação do parque fotovoltaico Gerdau Solar. O empreendimento será construído em uma área de 3 milhões de metros quadrados ao lado da fábrica da Gerdau em Midlothian, Texas (EUA) e contará com 230 mil painéis solares, totalizando uma capacidade de 80 MW. A empresa informou que o parque tem inauguração prevista para 2022 e será uma das maiores instalações do tipo behind-the-meter (BTM) nos Estados Unidos. Em suma, o projeto é fruto de um acordo de compra de energia com duração de 20 anos entre a 174 Global Power e a Gerdau na América do Norte. (CanalEnergia – 30.09.2021)

<topo>

10 GWEC cria Africa WindPower como representante da indústria eólica

O Conselho Global de Energia Eólica (GWEC) lançou o Africa WindPower (AWP) para atender a uma necessidade clara de um órgão regional que represente a indústria eólica. A AWP oferece uma plataforma para o diálogo entre a indústria eólica da África e as partes interessadas do governo, com o objetivo final de ampliar e acelerar o desenvolvimento e implantação de projetos eólicos em todo o continente africano. Com o apetite de investimento já estabelecido, o desenvolvimento de uma política governamental adequada e regulamentação para a transição energética é necessário para desbloquear o investimento privado dentro e fora do continente. Um relatório recente encomendado pela International Finance Corporation (IFC) mostra que a África tem 59 000 GW de potencial eólico técnico onshore e offshore, o suficiente para atender 250 vezes a demanda de energia do continente. A construção de parques eólicos que aproveitem os recursos eólicos abundantes da África impulsionará o investimento, criará empregos de energia limpa e infraestrutura crítica e ajudará a apoiar economias locais prósperas em linha com os objetivos de desenvolvimento sustentável da região. (Energy Global – 01.10.2021)

<topo>

11 Reino Unido e Coreia do Sul se comprometem com a cooperação em energia limpa

A secretária permanente do Departamento de Negócios, Energia e Estratégia do Reino Unido (BEIS), Sarah Munby, se reuniu com o vice-ministro do Ministério do Comércio, Indústria e Energia da Coreia do Sul (MOTIE), Jin-Kyu Park, para intensificar as discussões entre os dois países sobre energia, ciência, negócios e novas tecnologias, no dia 24 de setembro. Além disso, a Secretária Permanente e o Vice-Ministro discutiram oportunidades futuras de parceria em tecnologias de energia renovável, bem como outras áreas-chave. Com isso, o Diálogo BEIS-MOTIE Industry and Energy atuará como um conselho diretor para toda a colaboração bilateral existente entre o Reino Unido e a República da Coréia, incluindo a Parceria de Ciência, Tecnologia e Inovação e o Diálogo Nuclear Civil. Em suma, esse diálogo será realizado bienalmente e co-presidido por Sarah Munby e o vice-ministro Park, com a primeira reunião em 2022. (Renews – 01.10.2021)

<topo>

12 Hydro realiza acordo de energia solar com a Universidade do Pará

Em um cenário em que a busca por fontes de energia renovável tem sido um fator decisivo para operações mais limpas e sustentáveis, a Hydro, empresa de mineração, promoveu um importante passo e acaba de firmar uma parceria com a Universidade Federal do Pará (UFPA). O objetivo dessa parceria é a realização de estudos sobre o uso de placas solares na sua mina de bauxita em Paragominas (PA). A universidade irá realizar testes com um sistema fotovoltaico flutuante no reservatório de água da Hydro Paragominas para possibilitar a redução da evaporação da água dos reservatórios da planta, além de oferecer uma nova fonte de energia capaz de atender parte do consumo próprio da mina. O investimento inicial no projeto de pesquisa tem a duração de dois anos. Deste modo, o projeto auxilia no reaproveitamento de água, eliminando a necessidade de usar água nova na operação. Em suma, como as placas flutuariam nos reservatórios, a taxa de perdas por evaporação é reduzida, aproveitando assim a maior quantidade de água possível nas operações. (Petronotícias – 30.09.2021)

<topo>

13 Chile: A geração de energias renováveis aumenta em agosto

A geração de energias renováveis no Chile aumentou a produção de energia em 21,6% com relação ao ano anterior, atingindo 1.809 GWh bruto em agosto, disse a comissão chilena de energia (CNE), no último relatório mensal. A participação das chamadas renováveis não convencionais na produção total de eletricidade do país subiu para 25,7% em agosto, tendo em vista que a produção de energia renovável aumentou 12,9% em relação ao mês anterior. Todos os principais sistemas juntos geraram 7.047 GWh brutos em agosto, uma queda de 1,3% no comparativo mensal, mas um aumento de 9,1% em termos anuais. Quanto à capacidade instalada total de energia renovável não convencional, o Chile ultrapassou a marca de 8 GW em agosto e atingiu 8.028 MW, ultrapassando os 7.338 MW de julho. Quase 7.999 MW das energias renováveis estão localizadas no sistema de rede SEN, na qual a energia solar representa 55% da capacidade instalada, conforme o relatório da CNE. (Renewables Now – 01.10.2021)

<topo>

14 Rússia tem enorme potencial hidrelétrico e eólico

A energia eólica e hidrelétrica são as fontes de energia renováveis com a melhor chance de implantação bem-sucedida na Rússia, segundo artigo publicado na Energy Reports. De acordo com o estudo, o país possui um grande potencial para a geração de energias renováveis graças à extensão de seu território e à diversidade climática e de relevo. Além disso, a Rússia tem áreas de terras não ocupadas que poderiam ser usadas para a construção de parques eólicos em grande parte de seu território. A energia hidrelétrica é outro recurso promissor, que a Rússia já está utilizando em grande escala, com uma capacidade hidrelétrica instalada é de 45 GW, de acordo com a RusHydro – a concessionária estadual de água – com geração anual de 165 bilhões de kWh. Em suma, os autores do artigo observam, no entanto, que a implantação de mais capacidade de energia renovável tem demorado a decolar na Rússia por razões que são bastante óbvias: além da energia hidrelétrica, a Rússia também possui alguns dos recursos de petróleo e gás mais abundantes do mundo. Para ler o artigo na íntegra, clique aqui. (News Wise – 29.09.2021)

<topo>

15 Enel Green Power lança iniciativa para acelerar a transição energética na Itália

Enel Green Power lançou “Scelta Rinnovabile”, uma iniciativa de crowdfunding on-line. A iniciativa irá permitir que todos os cidadãos participem do investimento para construir novas usinas renováveis na Itália, a fim de apoiar a transição energética do país para fontes de energia mais sustentáveis, envolvendo diretamente as áreas locais que hospedam as plantas. Ao participar da iniciativa e contribuir para o crowdfunding on-line, é possível obter retorno financeiro ao longo do tempo. O objetivo da Enel Green Power é compartilhar os benefícios decorrentes de ter uma planta renovável na área com as comunidades locais. Com isso, os cidadãos residentes em municípios nos quais a usina Enel Green Power é construída terão um período em que, antes de mais ninguém, poderão ingressar na Scelta Rinnovabile e se beneficiar de uma taxa de retorno mais vantajosa sobre o financiamento. O programa foi lançado pela Enel Green Power pela primeira vez na Itália, com uma iniciativa de financiamento para a central solar fotovoltaica que será construída em Poggio Renatico, na província de Ferrara (Emilia-Romagna). (REVE – 01.10.2021)

<topo>

16 JCP & L apresenta plano de sistema de transmissão eólica offshore

Jersey Central Power and Light (JCP & L), subsidiária da FirstEnergy, apresentou uma proposta para conectar a energia limpa gerada pelos parques eólicos offshore de Nova Jersey à rede elétrica. Em sua proposta ao Conselho de Serviços Públicos de Nova Jersey e PJM Interconnection, a JCP & L delineou um programa abrangente de investimento em sistema de transmissão, que conectaria energia eólica offshore suficiente para abastecer quase 2,5 milhões de residências. A energia gerada a partir desses parques seria entregue à rede elétrica da JCP&L advindas de uma nova infraestrutura de transmissão offshore construída pela Mid-Atlantic Offshore Development, LLC, um novo ativo de transmissão de propriedade da Shell New Energies US, LLC e EDF Renewables North America. A JCP & L então transportaria a eletricidade para as subestações existentes, na qual acontecerá a entrada na rede. A proposta da Mid-Atlantic Offshore Development, feita em cooperação com o plano da JCP&L, é uma solução de acesso aberto que é escalonável para atender às crescentes demandas do mercado eólico offshore de Nova Jersey, de acordo com um comunicado de imprensa emitido pela FirstEnergy. (Power Grid – 30.09.2021)

<topo>

17 Shell apoia 800MW solar no Reino Unido

A Shell assinou um acordo com o desenvolvedor de energia renovável Island Green Power para desenvolver projetos solares com potencial de armazenamento de bateria co-localizado, com uma colaboração inicial em mais de 700 MW de capacidade total de geração. Além disso, outra parceria firmada foi com a Clearstone Energy para desenvolver vários projetos de energia solar fotovoltaica em grande escala de utilidade no sudeste da Inglaterra, com uma capacidade total de exportação combinada de 100 MW, também com potencial de armazenamento co-localizado. Com isso, ambos os negócios estariam sujeitos a uma futura decisão final de investimento. O presidente da Shell no Reino Unido, David Bunch, disse: “A Shell está construindo um negócio integrado de energia que abrange a geração renovável, comercialização e fornecimento de energia limpa para empresas e consumidores.” (Renews – 04.10.2021)

<topo>

18 Austrália: Iberdrola irá construir fazenda solar em New South Wales

A Iberdrola Australia se comprometeu a construir a fazenda solar Avonlie de 245 MW em New South Wales. Nesse caso, o objetivo é que o projeto gere cerca de 500 gigawatts-hora de eletricidade por ano, o equivalente a abastecer mais de 80.000 residências australianas e evitar mais de 157.000 toneladas de emissões de carbono por ano. O trabalho de construção incluirá a instalação de mais de 450.000 painéis solares e o restante da planta. Além disso, a obra está prevista para começar ainda este ano, com a energização inicial prevista para antes do final de 2022. O projeto criará mais de 230 empregos em tempo integral durante a construção e muitos empregos diretos e indiretos durante sua vida operacional, estimada de 35 anos. O Diretor Geral da Iberdrola Australia, Ross Rolfe, disse: “Na Iberdrola Australia, nossa estratégia é colocar os clientes no centro da transição energética. Estamos vendo um número crescente de clientes comerciais e industriais adotando metas para zerar as emissões líquidas de carbono e fazendo a transição para contratos de eletricidade 100% renovável.” (Renews – 29.09.2021)


<topo>

19 Transição energética: impulso de trabalho de energia limpa

A crise global da biodiversidade, as mudanças climáticas ou os conflitos pelo aumento dos resíduos evidenciam os impactos negativos que o desenvolvimento socioeconômico dos últimos dois séculos gerou em nosso planeta. Por consequência, esses fatores colocam em primeiro plano, nas agendas dos países desenvolvidos, a necessidade de modificar seus modelos de produção de energia para outros oriundos de energias alternativas, o que permitirá uma relação ambiental, econômica e social sustentável, sem comprometer o nosso atual nível de desenvolvimento e qualidade de vida, ou das gerações futuras. As energias posicionam-se como protagonistas desta mudança, que, além de benéfica para o nosso planeta, trará o crescimento do emprego a par da procura de perfis qualificados para liderar os projetos de desenvolvimento sustentável e planos para empresas, sociedade e economia em todo o mundo. Propostas nacionais e internacionais como o Plano Nacional Integrado de Energia e Clima 2021-2030, que propõe atingir 42% do consumo final de energia proveniente de fontes renováveis e 74% da eletricidade até 2030, e a descarbonização terão um impacto positivo na criação de empregos, com previsões que podem gerar cerca de meio milhão de novos empregos por ano até 2030, e 10 milhões em todo o mundo. (Energías Renovables – 05.10.2021)

<topo>

20 SEIA pretende que a energia solar gere 30% da eletricidade dos EUA até 2030

A Solar Energy Industries Association (SEIA) está aumentando a sua meta Solar + Decade, a fim de que a energia solar represente 30% da geração de eletricidade dos Estados Unidos (EUA) até 2030. Anteriormente, a SEIA havia estipulado uma meta de 20% até 2030. Mas elevou a marca para alinhar com as metas de energia limpa do governo Biden, que levam em conta os efeitos crescentes das mudanças climáticas. A SEIA combinou seus novos objetivos com um apelo à ação de outros. “Os impactos destrutivos das mudanças climáticas estão acontecendo agora, e é hora de reimaginar todo o nosso sistema elétrico”, disse Abigail Ross Hopper, presidente e CEO da SEIA. “A indústria solar está liderando o caminho na redução das emissões do setor elétrico, mas ficaremos muito aquém dos 850 gigawatts de que precisamos para atingir 30% da geração de eletricidade até 2030 sem ação política. É hora de os legisladores atenderem à urgência desse momento climático”, explicou Hopper. Em suma, o SEIA afirmou que a indústria solar precisa dobrar sua velocidade de implantação para cumprir sua nova meta de 30%, já que atualmente está a caminho de fornecer apenas 15% da eletricidade do país até 2030. (SEIA – 28.09.2021)

<topo>

21 Um olhar sobre o ecossistema de energia limpa das Filipinas

As Filipinas é um dos países mais vulneráveis do mundo às mudanças climáticas. Com isso, o aumento do nível do mar é três a quatro vezes mais rápido neste país insular do que a média global, e é atingido por uma média de 20 tufões por ano. A equidade energética também é uma grande preocupação, já que 10% da população filipina ainda vive em áreas rurais sem acesso à eletricidade, e aqueles que têm eletricidade enfrentam interrupções frequentes. Felizmente, um pequeno, mas poderoso grupo de startups está ajudando as Filipinas a forjar um futuro de energia limpa. De acordo com a pesquisa da New Energy Nexus (NEN), um parceiro fundador da Third Derivative, e RMI, 15 jovens empresas estão ajudando a transformar a crise climática – e fechar a lacuna de acesso à energia da região – com energia renovável e soluções de tecnologia limpa. A boa notícia é que essas startups não estão agindo sozinhas. Líderes públicos e privados nas Filipinas estão trabalhando para criar um sistema de energia mais limpo, acessível e confiável. A partir disso, os legisladores já anunciaram uma moratória sobre novos projetos de carvão e estão visando 35% de energia limpa até 2030. Todavia, será necessário muito mais inovação e investimento para atingir essa meta. (RMI – 01.10.2021)

<topo>

22 Eni e IRENA lançam uma parceria para acelerar a transição de energia

A Eni e a Agência Internacional de Energia Renovável (IRENA) firmaram um acordo de parceria de três anos para colaborar na promoção das energias renováveis e acelerar a transição energética, principalmente nos países que exportam combustíveis fósseis. O acordo foi assinado pelo CEO da Eni, Claudio Descalzi, e pelo Diretor Geral da IRENA, Francesco La Camera. Nos termos do acordo, a Eni e a IRENA trabalharão juntas para promover o diálogo e compartilhar suas experiências sobre a aceleração da transição energética e o desenvolvimento de energia renovável em países exportadores de combustíveis fósseis, bem como para identificar barreiras ao investimento do setor privado em energia renovável em países, nos quais a Eni opera e promove soluções em coordenação com os governos. Em particular, a Eni e a IRENA promoverão a integração do continente africano na cadeia de valor dos biocombustíveis por meio da capacitação institucional, agronegócios e iniciativas de desenvolvimento industrial voltadas para a produção de biocombustíveis avançados, ajudando na descarbonização do setor de transporte e promovendo oportunidades de desenvolvimento. (IRENA – 30.09.2021)

<topo>

 

 

Geração Distribuída

1 Senado aprova projeto sobre inclusão de custos de energia solar no financiamento habitacional

No dia 30/09, o Senado aprovou projeto de lei que permite ao comprador de um imóvel incluir o valor da instalação de sistema de geração de energia solar no financiamento no âmbito do Sistema Financeiro da Habitação (SFH). A regra poderá ser aplicada a operações de financiamento de imóveis de até R$ 1,5 milhão, limite de financiamento do SFH. Além disso, o texto define ainda que o financiamento da instalação do sistema de energia não poderá ultrapassar os 10% do valor do imóvel. “O objetivo desse limite é forçar o mercado a buscar soluções mais baratas de geração fotovoltaica, principalmente no caso de imóveis de menor valor, bem como evitar o desvirtuamento do objetivo principal do financiamento imobiliário, que é a aquisição do imóvel”, afirmou o senador Irajá (PSD-TO), no parecer o relator da proposta. (Folha de S.Paulo – 30.09.2021)

<topo>

2 Enel X vai construir nove usinas fotovoltaicas para atender agências do Bradesco

A Enel X e o Bradesco firmaram contrato para o desenvolvimento e construção de nove usinas fotovoltaicas de geração distribuída nos estados do Rio de Janeiro, Ceará e Goiás. Com capacidade instalada total de 11 MWpm, as plantas serão responsáveis por gerar energia limpa para mais de 300 agências do Bradesco nos três estados. O acordo foi estabelecido pelo prazo de 10 anos, com possibilidade de prorrogação do prazo contratual. Com isso, o projeto de geração distribuída da Enel X para o Bradesco vai evitar a emissão anual de cerca de 12 mil toneladas de CO2, correspondendo à neutralização que seria obtida a partir do plantio de cerca de 86 mil árvores. As plantas estão sendo instaladas nos municípios de Quixeré, no Ceará; Buriti Alegre, em Goiás; e Seropédica e Campos dos Goytacazes, no Rio de Janeiro. Ao todo, serão 18.550 painéis solares, distribuídos em uma área total de 246.431 metros quadrados. Em suma, a previsão é que as usinas iniciem as operações em junho de 2022. (Petronotícias – 28.09.2021)

<topo>

3 Operações do Itaú BBA em geração distribuída somaram R$ 1 bi

Após a aprovação do marco legal da geração distribuída (GD) na Câmara dos Deputados, em agosto, os negócios nesse mercado sinalizam que vão começar a ganhar velocidade. Antes da lei, o Itaú BBA já havia feito operações que somavam cerca de R$ 1 bilhão no último ano e meio. Segundo Allan Batista Gabriel, um dos responsáveis por energia na área de Project Finance do banco, embora as regras ainda não tenham sido aprovadas no Senado, a instituição tem visto a demanda crescer ainda mais. De acordo com ele, a demanda tem chegado ao Itaú BBA por meio de relacionamentos, já que esse não é o tipo de produto que o banco tenha em “prateleira” (jargão para ofertas prontas a serem feitas aos clientes) e necessita de garantia. Como a GD ainda é um negócio em desenvolvimento, é necessário que investidores e consumidores o entendam, para o segmento deslanchar. Gabriel diz que o Itaú BBA apoia a GD, mas que, com o marco legal definitivo será mais fácil apoiá-lo por conta da maior previsibilidade. (O Estado de São Paulo – 29.09.2021)

<topo>

4 Geração própria de energia avança no campo brasileiro

Em tempos de crise energética no Brasil, o meio rural atingiu a marca de 1 gigawatt de potência instalada em geração distribuída. Além de diminuir em cerca de 95% os custos com eletricidade na atividade rural, essa potência instalada seria suficiente para abastecer cerca de 1,5 milhão de habitantes, de acordo com a Associação Brasileira de Geração Distribuída (ABGD). Nesse cenário, a associação aponta que a adoção de geração distribuída está em ritmo acelerado no país e que o agronegócio tem aumentado sua participação nesse mercado, que está em 14% do total de 7,15 gigawatts. Com isso, estímulos como financiamentos com baixa taxa de juros e uma área ampla para a instalação de painéis ou outras usinas, como de biogás e biomassa, fazem a ABGD estimar que a capacidade instalada do setor alcance 2,5 gigawatts em 2022, o suficiente para atender 3,75 milhões de habitantes. Isso significa que o setor poderá ofertar ou evitar o uso de algo próximo a 50 megawatts por mês. (Valor Econômico – 30.09.2021)

<topo>

5 Andaluzia distribuirá quase 100 milhões de euros em incentivo para autoconsumo e armazenamento de energias renováveis

A Agência Andaluza de Energia destinará 66,2 milhões de euros ao autoconsumo renovável – recebendo ajuda para os primeiros 5.000 quilowatts (kW) de energia de cada instalação – e 14,37 milhões de euros ao armazenamento. Os 16,5 milhões de euros restantes serão dedicados à incorporação de equipamentos térmicos renováveis, embora esta última categoria se destine exclusivamente ao setor residencial, habitações públicas e entidades privadas sem fins lucrativos do setor terciário. Com a implementação deste programa, que visa facilitar que as empresas e famílias possam ter um maior controle sobre a gestão e consumo da sua energia, a Agência (ligada aos Departamentos da Presidência, Administração Pública e Interior e Finanças e Finanças Europeias) espera instalar uma capacidade de geração renovável de 126,6 megawatts com autoconsumo elétrico e energia térmica, com capacidade de armazenamento de 35,5 megawatts hora (MWh). (Energias Renovables – 01.10.2021)

<topo>

6 O significado da baixa adoção do consumo de energia solar com armazenamento em Nova Jersey

O armazenamento de baterias residenciais nos EUA está crescendo rapidamente à medida que mais clientes se familiarizam com as opções de energia solar mais armazenamento para energia de reserva. A Wood Mackenzie lançou recentemente uma nova série de insights de pesquisa que examinam os mercados estaduais individuais de energia solar com armazenamento. A visão inaugural tem como alvo Nova Jersey, um dos estados onde o mercado de energia solar com armazenamento ainda está em um estágio inicial. Nova Jersey é um exemplo de estado que carece do coquetel certo de incentivos e problemas de confiabilidade da rede para sair rapidamente da nascente, “adotante inicial”, na qual a maioria dos proprietários ainda não opta por instalar baterias em suas casas, e muitos instaladores solares não oferecem armazenamento. (Wood Mac – 04.10.2021)

<topo>

 

 

Armazenamento de Energia

1 Reino Unido: Kajima Europe lança plataforma de energia renovável para desenvolver projetos de armazenamento solar e de bateria

A empresa Taiyo Power & Storage, joint venture da Kajima Europe com a Low Carbon Alliance (LCA), desenvolverá inicialmente um portfólio de plantas solares e híbridas de bateria montadas no solo e unidades de armazenamento de bateria autônomas com um valor de construção de £150 milhões. Os projetos, que estão em estágio inicial de desenvolvimento, serão desenvolvidos na Inglaterra, Escócia e País de Gales, serão concebidos em parceria com a Low Carbon Alliance (LCA) que fornecerá serviços de gestão operacional, incluindo originação de sites, negociação de terras, consultoria de rede, planejamento e desenvolvimento de projetos. (Renews Biz – 05.10.2021)

<topo>

2 Mercado global de armazenamento de energia adicionará mais de 30 GW por ano até 2030, segundo IHS Markit

Segundo relatório do serviço de Tecnologia de Energia Limpa da IHS Markit, o mercado de armazenamento de energia terá um rápido crescimento em 2021, com instalações atingindo mais de 12 GW, um aumento de mais de 7 GW a partir de 2020. A empresa também afirma que isso marcará o início de um período de expansão contínua, com instalações globais anuais definidas para exceder 20 GW em 2024 e 30 GW em 2030. A perspectiva é sustentada por um número crescente de metas nacionais ambiciosas de armazenamento de energia vinculadas a compromissos de descarbonização reforçados em todo o mundo, declara o relatório. (Renews Biz – 04.10.2021)

<topo>

3 EUA têm mais de 14 GW de capacidade de armazenamento em bateria planejados para entrar em operação de 2021 a 2024

O braço estatístico do Department of Energy (DoE) – o US Energy Information Administration (EIA) afirmou em seu relatório ‘Annual Electric Generator’ que um total de 14,5 GW de capacidade de armazenamento em bateria deve ser instalado no período de 2021 a 2024. O relatório observou que 9,4 GW serão co-localizados em fazendas solares e 1,3 GW em fazendas eólicas ou geradores de combustível fóssil. Os 4 GW restantes de armazenamento em bateria planejados estarão localizados em locais autônomos, disse a EIA. (Renews Biz – 29.09.2021)

<topo>

4 ESS acerta negócio com SB Energy por 2 GWh de baterias de longa duração

A SB Energy implantará sistemas de bateria ESS adicionais para apoiar projetos de energia solar no Texas e na Califórnia. A ESS, sediada em Oregon, concordou em fornecer à SB Energy 2 GWh de baterias de longa duração, um negócio supostamente no valor de pelo menos US $ 300 milhões. O primeiro sistema ESS já foi entregue a um local da SB Energy na Califórnia como parte do negócio, que se estende até 2026. (Renewable Energy World – 30.09.2021)

<topo>

5 EUA: Armazenamento solar aumentará a maioria das novas capacidades de armazenamento em bateria nos próximos três anos

Mais da metade da capacidade de armazenamento de bateria adicionada nos Estados Unidos (EUA) nos próximos três anos será combinada com uma usina de energia solar fotovoltaica (PV), contrariando a tendência histórica da maioria dos locais autônomos. Dados da Energy Information Administration estimam que 9,4 de 14,5 GW, ou 63%, da capacidade de armazenamento da bateria planejada para entrar em operação até 2024 será co-localizada com energia solar fotovoltaica. As adições de capacidade restantes serão emparelhadas com geradores eólicos ou de combustível fóssil (1,3 GW) ou serão colocadas em locais independentes (4 GW). (Renewable Energy World – 29.09.2021)

<topo>

6 DEWA comanda armazenamento de bateria da Tesla no maior parque solar do mundo

A Dubai Electricity and Water Authority (DEWA) desenvolveu um sistema de armazenamento de energia de 1,21 MW / 8,61 MWh usando baterias de íon-lítio da Tesla no Parque Solar Mohammed bin Rashid Al Maktoum, o “maior” projeto de energia renovável do mundo, em Dubai, Emirados Árabes Unidos. O objetivo é testar como o armazenamento de energia pode ser usado para diversificar a matriz energética da concessionária em um momento em que as demandas para a descarbonização do setor de energia estão aumentando. Ao usar o armazenamento de energia, as concessionárias são capazes de expandir seu portfólio de energias renováveis e, assim, se afastar da geração de energia a partir de combustíveis fósseis. (Smart Energy – 04.10.2021)

<topo>

 

 

Veículos Elétricos

1 Ford/SK Innovation: parceria vai estabelecer fábricas de baterias nos EUA

A Ford fez um grande anúncio sobre a aceleração da produção de veículos elétricos com uma nova fábrica para produzir picapes elétricas no Tennessee e três novas gigafábricas de bateria. As fábricas de baterias serão instaladas em parceria com a SK Innovation. O novo projeto é chamado de ‘Blue Oval City’ e será um complexo construído em um local de quase 6 milhas quadradas no oeste do Tennessee para construir picapes elétricas F-Series de próxima geração. Enquanto as fábricas de baterias gêmeas serão construídas em Glendale, Kentucky. A Ford e a SK planejam investir mais de US $ 11 bilhões para implantar essa nova capacidade de produção e empregar 11.000 pessoas. Em suma, o objetivo é que as três fábricas de baterias produzam 129 GWh de células de bateria por ano, para a produção de veículos elétricos da Ford, e o início da produção da bateria e picapes elétricas de última geração ocorra em 2025. (Electrek – 27.09.2021)

<topo>

2 Jaraguá do Sul: Vereadores aprovam lei que prevê infraestrutura de recarga para VEs em condomínios

O vereador Onésimo Sell (MDB) propôs projeto de lei municipal que obriga a implantação de infraestrutura para estações de recarga de veículos elétricos e híbridos nas novas edificações multifamiliares em Jaraguá do Sul. A proposta só valeria para os novos condomínios que tiverem o projeto de construção protocolados na Prefeitura jaraguaense a partir da vigência da lei. De acordo com a lei, os residenciais com apartamentos de área menor do que 80m2 ficariam de fora da obrigatoriedade. O PL prevê que condomínios com unidades habitacionais com áreas entre 80 m2 e 110 m2 devem possuir pelo menos a infraestrutura parcial para estação de recarga exclusiva para cada garagem. Já os condomínios que tenham unidades com áreas superiores a 110m2 devem possuir a infraestrutura completa para as estações. Além disso, o PL também estabelece que as demais categorias de edificações que contenham 100 vagas de estacionamento ou mais devem possuir a infraestrutura completa dimensionada e instalada com as estações de recargas para no mínimo 5% do total de vagas, cabendo ao proprietário do empreendimento a definição sobre os critérios de uso e cobrança do serviço de recarga. No dia 28/09, o projeto foi aprovado em primeira votação na sessão da Câmara Municipal e ainda precisa passar pela segunda votação dos parlamentares para ser enviado à sanção do prefeito Antídio Lunelli. (OCP News – 28.09.2021)

<topo>

3 WEG é escolhida parceira da Peugeot para pontos de recarga de VEs

A WEG foi a escolhida, pela Peugeot, para ser a fornecedora certificada e qualificada para a venda e instalação de estações de recarga para veículos elétricos, por meio dos modelos o Wemob Wall e o Parking. Em nota, a empresa catarinense explicou que o modelo Wall de 7,4 kW permite uma recarga de 80% em até 6 horas, enquanto o Parking de 22 kW tem recarga de 80% em até 4 horas. O acordo entre as empresas prevê ainda o serviço de visita técnica e a instalação de estações de recarga aos clientes. (Broadcast Energia – 29.09.2021)

<topo>

4 ABB lança carregador mais rápido do mundo para VEs

A ABB lançou o chamado ‘carregador de VEs mais rápido mundo’, buscando aproveitar a forte demanda por veículos produzidos por empresas como Tesla. A empresa lançou o carregador Terra 360, antes de uma oferta de ações de sua unidade de carregadores de veículos elétricos, que pode ser avaliada em cerca de 3 bilhões de dólares. Segundo a ABB, o dispositivo pode carregar baterias de até quatro veículos de uma vez e é capaz de carregar totalmente qualquer carro elétrico em 15 minutos, tornando o aparelho atraente para consumidores preocupados com tempos de carga que podem durar várias horas. O Terra 360 pode dar carga suficiente para 100 km em menos de três minutos, e estará disponível na Europa até o fim do ano. Os Estados Unidos, América Latina e Ásia-Pacífico receberão o equipamento a partir de 2022. Em suma, a ABB não informou a faixa de preço do produto, voltado para clientes comerciais, como postos de combustível e lojas. (Isto É – 30.09.2021)

<topo>

5 Hitachi cria tecnologia para aumentar autonomia de carros elétricos

Os veículos elétricos podem, eventualmente, viajar cerca de 20% mais longe com o novo sistema de acionamento direto que integra o motor nas rodas. Um mecanismo de acionamento mais simples reduz a perda de energia em 30% em comparação com os veículos elétricos convencionais. Nenhum cronograma para produção em massa foi anunciado. No entanto, a empresa japonesa pretende desenvolver o sistema em uma opção de propulsão viável para a propulsão elétrica. Além disso, há mais espaço para a utilização de baterias maiores, podendo aumentar a autonomia. Vale destacar que os veículos elétricos com motores nas rodas tendem a ser mais pesados do que os elétricos convencionais. Por isso, a Hitachi preconiza seu novo sistema como compacto e leve. (Valor Econômico – 03.10.2021)

<topo>

6 Embraer fecha acordo para a fabricação de carros voadores até 2026

A Embraer já está tornando uma realidade os veículos voadores. A transnacional brasileira, por meio de sua subsidiária Eve Urban Air Mobility, fechou um acordo para a fabricação de 100 veículos voadores elétricos junto a Bristow Group, líder em soluções globais de voos verticais, até 2026. A ideia das duas companhias é produzir veículos aéreos (eVTOL) menos barulhentos que o helicóptero e sem emissão de gases prejudiciais ao meio ambiente. Diferentemente dos helicópteros, os carros voadores são movidos por energia elétrica e seu foco é em voos curtos, entre cidades ou pela própria cidade. Com isso, o objetivo é que o veículo sirva como uma espécie de táxi aéreo, barateando as viagens. Aparentemente, a Embraer não está sozinha na corrida pelos carros voadores. À frente, na oferta de carros voadores, estão também as companhias aéreas Gol e a Azul, que estão com acordos para oferecer os veículos aéreos a partir de 2025. (O Estado de São Paulo – 04.10.2021)

<topo>

7 Espanha: Municípios receberão subsídios para avançar na descarbonização dos transportes

Um total de 188 municípios espanhóis, solicitaram ao Ministério dos Transportes, Mobilidade e Agenda Urbana subsídios para a implementação de zonas de baixa emissão e para avançar na descarbonização das cidades. Os recursos para os subsídios virão de fundos europeus. Entre as medidas que pretendem implementar, destacam-se as relacionadas com a mobilidade com emissões zero. No dia 30 de setembro foi encerrada a chamada para obter os subsídios, que contam com um orçamento de 1 bilhão de euros. A iniciativa visa selecionar os projetos que melhor contribuem para a concretização dos objetivos fixados pela Comissão Europeia. Cerca de dois terços dos 188 municípios que apresentaram candidaturas, visam promover a mudança modal em ambientes urbanos e metropolitanos para modos de transporte mais sustentáveis, priorizando o transporte público coletivo e a mobilidade ativa. (Energias Renovables – 04/10/20210)

<topo>

8 EUA: Utah terá plano de infraestrutura de carregamento de veículos elétricos

A Rocky Mountain Power, empresa regulada de serviços públicos de eletricidade sediada em Utah, entrou com um pedido de US$ 50 milhões em um plano de investimento em infraestrutura de carregamento de veículos elétricos (VEs), que poderia levar até 100 carregadores extremamente rápidos para 20-25 locais em todo o estado. Esse investimento faz parte do novo Plano de Infraestrutura de Veículos Elétricos da empresa, agora nas mãos da Comissão de Serviço Público de Utah. Se aprovado, seriam cinco anos de transição da parte da Rocky Mountain Power, que já implementou mais de 70 carregadores rápidos em estradas na região. O programa também proporcionará investimento para infraestrutura de apoio, como transformadores, conduítes, valas e outros componentes críticos. (Daily Energy Insider – 30/09/2021)

<topo>

9 EUA: Programa de incentivo à eletrificação em escolas implementará mais sete ônibus elétricos em Oregon

A Portland General Electric (PGE), provedora de gás e eletricidade nos EUA, anunciou esta semana seis vencedores do 2021 Electric School Bus Fund, pavimentando o caminho para que sete ônibus escolares elétricos adicionais estejam na estrada atendendo a estudantes do Oregon em 2022. Utilizando o financiamento do Programa de Combustíveis Limpos do Oregon, os seis distritos escolares foram escolhidos com base em seus compromissos de atender às necessidades das comunidades carentes e incorporar os ônibus de forma mais ampla à educação dos alunos em torno da ciência do clima. Cada distrito receberá financiamento para comprar um ônibus escolar elétrico, instalar infraestrutura de recarga e receber suporte técnico e de treinamento. (Power Grid International – 01/10/2021)

<topo>

 

 

Gestão e Resposta da Demanda

1 Massachusetts obteve sucesso inicial com seu programa de incentivo de armazenamento de energia atrás do medidor

O programa ConnectedSolutions compensa clientes residenciais e comerciais por permitir que as concessionárias obtenham energia de suas baterias conectadas à rede e / ou reduzam o uso de energia por meio de termostatos inteligentes ou carregamento de veículos elétricos em horários de pico de demanda elétrica. O programa nasceu em 2019, e tinha cerca de 34.000 clientes participantes com 310 megawatts de capacidade inscritos até o final de 2020, de acordo com um relatório compilado pela Applied Economics Clinic para o Clean Energy Group. A ConnectedSolutions triplicou a meta de 2020 do Clean Peak Energy Standard de Massachusetts, mas ficou 27 MW abaixo do plano de três anos dos administradores do programa de eficiência energética de 2019-2021. (Power Grid – 04.10.2021)

<topo>

2 Mercado de flexibilidade da USEF lançado na Grã-Bretanha

O Projeto Fusion da operadora de rede da Grã-Bretanha, SP Energy Networks, lançou o primeiro mercado de flexibilidade totalmente funcional do país, o Universal Smart Energy Framework (USEF). O projeto iniciado em 2018 e de duração de cinco anos, orçado em £5,7 milhões (US$ 7,7 milhões), teve como objetivo criar uma rede de distribuição ativa e foi projetado para desbloquear o valor da flexibilidade do lado da demanda local no gerenciamento de congestionamento, tanto para a concessionária e seus clientes, quanto para os agregadores intermediários. (Smart Energy – 29.09.2021)

<topo>

 

 

Eficiência Energética

1 A eficiência energética pode ajudar os EUA a oferecer uma transição de energia justa e acessível

A eficiência energética tem o potencial de ajudar os Estados Unidos a realizar uma transição energética acessível, de acordo com o Conselho Americano para uma Economia Eficiente em Energia (ACEEE). Com isso, vários estados com objetivos climáticos robustos correm o risco de incorrer em custos mais altos para famílias e empresas, bem como ver resultados menos equitativos por terem planos limitados para usar a energia de forma mais eficiente, concluiu um novo relatório do ACEEE. O relatório afirma que a maioria das políticas climáticas estaduais, como padrões de eletricidade limpa e metas de redução de emissões, não articularam o importante papel da eficiência energética nos planos de descarbonização das redes e economias elétricas estaduais. Sem uma direção clara, as agências estaduais e os reguladores de serviços públicos podem não priorizar os esforços de economia de energia, perdendo uma oportunidade importante de ajudar a garantir que as metas de energia limpa e climática sejam alcançadas – e de forma equitativa e com custos mais baixos. (Smart Energy – 02.10.2021)

<topo>

 

 

Microrredes e VPP

1 A Florida International University terá microrrede no campus

A Florida International University (FIU) e a Florida Power & Light Company (FPL) desenvolveram uma microrrede de energia inovadora no campus. A microrrede FIU-FPL fornecerá energia de reserva para o centro de engenharia da FIU no caso de uma interrupção. Quando entrar em operação ainda este ano, a microrrede fornecerá energia por aproximadamente 24 horas, dependendo do uso de eletricidade. “Na FPL, estamos sempre ansiosos para olhar além do horizonte e romper o status quo para continuar a fornecer o melhor valor de energia da América – eletricidade que não é apenas limpa e confiável, mas também acessível”, disse Eric Silagy, presidente e CEO da FPL. “Esta microrrede de ponta não é apenas uma oportunidade para a FPL ajudar a moldar a próxima geração da força de trabalho da América, é uma oportunidade para os alunos e professores da FIU contribuírem diretamente para um futuro de energia mais brilhante para o Sunshine State – um futuro que inclui mais solar, mais armazenamento de energia e, com sorte, mais tecnologia de microrrede em maior escala”, explicou o mesmo. (Daily Energy Insider – 05.10.2021)

<topo>

2 AutoGrid fornecerá solução de ‘usina de energia virtual’ para a Clean Power Alliance da Califórnia

A AutoGrid Systems Inc., fornecedora de soluções de usinas virtuais de energia (VPP), anunciou que a Clean Power Alliance (CPA) da Califórnia utilizará as soluções VPP da empresa e utilizará os serviços do Operador de Sistema Independente da Califórnia (CAISO). A parceria fornece ao Programa de Resposta de Energia da CPA recursos avançados para ajudar a estabilizar a infraestrutura da rede elétrica da Califórnia, contribuir para uma energia mais limpa em todo o estado e gerar mudanças climáticas positivas. A estabilidade da rede da Califórnia está cada vez mais em foco – como é evidente pelo número cada vez maior de alertas FLEX emitidos pela CAISO. Cada concessionária no estado está enfrentando desafios para se preparar da melhor forma e contribuir para a estabilidade da rede elétrica. Agora, com o AutoGrid Flex, o CPA usará o que há de mais moderno em inteligência artificial de energia (IA) para gerenciar uma série de iniciativas, incluindo a implantação de uma grande frota de baterias residenciais, conectando carregadores de EV e maximizando o impacto de termostatos inteligentes. (AutoGrid – 27.09.2021)

<topo>

3 SDG&E Microgrids ajuda as comunidades a se tornarem mais resistentes ao clima

Esta semana, ao celebrar a Semana do Clima, a SDG&E Microgrids mostrou-se entusiasmada em destacar alguns dos projetos que estão contribuindo para reduzir a pegada de carbono, promover a inovação, a conservação de energia e incentivar seus funcionários e as comunidades a agirem diariamente para garantir um futuro sustentável para as gerações futuras. Em 2013, a empresa instalou a primeira microrrede de grande porte do país. Desde então, construiu mais quatro microrredes para ajudar a diminuir o impacto de cortes de energia para as comunidades localizadas em regiões sujeitas a incêndios florestais no condado de San Diego. As microrredes se tornaram uma ferramenta importante para aumentar a resiliência da comunidade, permitindo-nos manter o fluxo de energia para instalações críticas, como clínicas de saúde, escolas ou bases de defesa durante um PSPS. Além disso, uma das mais novas microrredes da SDG&E Microgrids está em Cameron Corners, uma comunidade remota de interesse localizada em um distrito com alto risco de incêndio no leste do condado de San Diego. (Electric Energy Online – 05.10.2021)

<topo>

 

 

Tecnologias e Soluções Digitais

1 NYSERDA concede financiamento para apoiar projetos que visam melhorar o desempenho da rede elétrica

A Autoridade de Pesquisa e Desenvolvimento Energético do Estado de Nova York (NYSERDA) concedeu quase US$ 11 milhões para apoiar projetos que promovem o desenvolvimento de uma rede elétrica inteligente de alto desempenho. A rede inteligente irá integrar recursos energéticos renováveis, garantindo o fornecimento de energia diversificado; melhorar o desempenho e a resiliência da rede, e permitir que os clientes reduzam seus custos de energia, consumo e impactos ambientais. A modernização da rede apoia a meta do estado de gerar 70% da eletricidade do estado a partir de recursos renováveis até 2030, conforme descrito na Lei de Liderança e Proteção Comunitária do Clima (Lei do Clima). Doreen M. Harris, presidente e CEO da NYSERDA disse: “O futuro da energia limpa de Nova York requer uma rede elétrica modernizada que seja capaz de fornecer a visão de liderança do estado para um sistema de eletricidade com emissão zero até 2040. Esses projetos inovadores estão ajudando a desenvolver, guiar e testar as tecnologias e soluções de rede inteligente que irão acelerar a transformação em direção a uma rede elétrica de alto desempenho, digitalmente aprimorada e gerida dinamicamente para o estado de Nova York.” (Electric Energy Online – 30.09.2021)

<topo>

2 Turbo Energy apresentará, na Intersolar, novo produto capaz de gerar, armazenar e gerenciar energia solar

Turbo Energy, apresentará na feira Intersolar Europe Restart 2021, o seu novo produto SunBox, uma solução multifuncional para a geração, armazenamento e gestão inteligente de energia solar energia. Diante disso, esse sistema, além de permitir o consumo de energia solar a qualquer hora do dia, possui softwares baseados em IA que otimizam a economia gerada por essa fonte renovável. Com isso, o SunBox tem a capacidade de otimizar a gestão de energia tendo em conta a tarifa elétrica contratada, a previsão inteligente da geração solar e os padrões de consumo da casa, sobre os quais aprende e toma decisões a respeito. Além disso, o novo produto possui recursos como redução de pico, modo de backup e proteção contra tempestades que fornecem valor adicional para o usuário. Deste modo, o sistema se conecta diretamente aos painéis solares da residência, é modular e permite o armazenamento de energia de até 10,2 kWh, fornecendo até 90% de energia solar para uma residência. (Energías Renovables – 28.09.2021)

<topo>

3 Programa computacional do Cepel permite avaliação de empreendimentos eólicos e solar fotovoltaicos em base horária

O ANAFIN, solução da Cepel voltada à análise da viabilidade econômico-financeira de empreendimentos de geração e transmissão de energia elétrica, conta agora com uma nova funcionalidade: a possibilidade de avaliação de empreendimentos eólicos e solar fotovoltaicos em base horária, considerando cenários de geração do empreendimento e de PLD (Preço de Liquidação das Diferenças) nesta mesma base temporal. A novidade foi apresentada na mais recente edição do treinamento no programa computacional, realizada nos dias 21 e 22 de setembro, de forma remota pelo Centro. O ANAFIN considera todos os aspectos comerciais e tributários do ambiente regulatório vigente no Brasil, proporcionando aos tomadores de decisão informações estatísticas sobre a viabilidade do projeto. Para tanto, são levadas em conta suas características técnicas, econômicas, financeiras e comerciais. A partir delas, o programa monta os cenários de fluxo de caixa do projeto e determina seus indicadores de viabilidade econômico-financeira. (Cepel – 01.10.2021)

<topo>

4 EUA: ComEd e parceiros do governo lançam tecnologia de supercondutor para aumentar a resiliência da rede

A ComEd, companhia do setor elétrico, junto com os Departamentos de Segurança Interna (DHS) e Energia (DOE) dos EUA, apresentou uma tecnologia de supercondutor de alta temperatura, considerada como um meio de aumentar a confiabilidade e resistir às ameaças à rede. O DHS ajudou a financiar o sistema Resilient Electric Grid (REG) desenvolvido pela American Superconductor Company (AMSC), enquanto o ComEd se tornou a primeira concessionária a implantar o sistema REG em sua rede. Esse sistema se diferencia por utilizar um fio supercondutor de alta temperatura capaz de suportar 200 vezes a voltagem do fio de cobre padrão, graças a um processo que injeta nitrogênio líquido na montagem do fio. A baixa temperatura permite eliminar a resistência elétrica e a perda de energia. (Daily Energy Insider – 04/10/2021)

<topo>

5 Computação quântica demonstra potencial para análise de falhas em sistemas de energia

Um framework relacionado a computação quântica e tecnologias de deep learning para diagnóstico de falhas em sistemas elétricos foi proposto por pesquisadores da universidade americana Cornell. A proposta traz uma abordagem de inteligência artificial combinando técnicas de modelagem de conjuntos de dados multidimensionais com outras técnicas de machine learning. Em um artigo, a ser publicado na Applied Energy em dezembro, os pesquisadores afirmam que a estrutura foi testada em um sistema de energia elétrica simulado com 30 ônibus, grandes variações de falhas em subestações e linhas de transmissão para testar sua aplicabilidade, eficiência e capacidades de generalização. Foi demonstrada alta eficiência computacional e qualidade de desempenho de diagnóstico em relação aos métodos de treinamento clássicos. Além disso, um desempenho superior e confiável de diagnóstico de falhas com tempo de resposta mais rápido foi alcançado em relação aos métodos de última geração. (Smart Energy – 01/10/2021)

<topo>

 

 

Segurança Cibernética

1 Comissão de regulação de energia americana está reanalisando estratégias de segurança cibernética

A Federal Energy Regulatory Commission (FERC), comissão de regulação americana, está reconsiderando a maneira a qual os requisitos de segurança cibernética são aplicados aos ativos do sistema elétrico, potencialmente modificando a atuação nas categorias pré-definidas de instalações: baixo, médio e alto impacto. Dado o crescimento dos recursos distribuídos e o risco de ataques cibernéticos nas cadeias de suprimentos, “há uma percepção crescente de que talvez não seja mais a abordagem certa”, disse o presidente da FERC, Richard Glick, na conferência técnica anual de confiabilidade da comissão. Em vez de aplicar automaticamente requisitos de segurança mais rígidos a instalações maiores, os especialistas do painel recomendaram o desenvolvimento de padrões com base em avaliações de risco e no impacto potencial que um ataque pode ter. O monitoramento constante é muito importante, assim como uma atenção maior a instalações menores, segundo o especialista Bem Miller do centro de pesquisa Dragos. (Utility Dive – 04/10/2021)

<topo>

2 3a Edição do Fórum de Segurança Cibernética para ameaças a concessionárias de eletricidade, gás e água

De acordo com uma análise recente da KPMG, empresa de auditoria, cerca de metade dos CEOs de concessionárias de energia e de empresas de serviços públicos entrevistados dizem que se tornar uma vítima de um ataque cibernético agora é um caso de ‘quando’, e não ‘se’. Apesar disso, apenas metade afirma que suas organizações estão bem-preparadas para lidar com um ataque. Ocorreu de 6 a 7 de outubro de 2021, em Chicago, o Utility Cyber Security Forum da Smart Grid Observer (SGO), evento que ofereceu um local no qual executivos de concessionárias podem compartilhar problemas semelhantes. Ocorreram apresentações dos principais “hackers do bem”, fornecedores, concessionárias e líderes de tecnologia, contribuindo para fornecer visão e orientação inestimáveis para tornar a rede segura contra ameaças cibernéticas. O formato interativo facilitou o compartilhamento de ideias e lições aprendidas. (Smart Grid Observer – 10/2021)

<topo>

3 Podcast: Segurança cibernética e concessionárias – como resolver e prevenir ataques cibernéticos

À medida que os sistemas elétricos em todo o mundo se digitalizam para fazer a transição para fontes de energia renováveis, eles se tornam cada vez mais vulneráveis a ataques cibernéticos. Como podem ser resolvidas essas vulnerabilidades? Especialistas da Networked Energy Services (NES), provedora de serviços de energia, OSGP Alliance, aliança global sem fins lucrativos, e da empresa dinamarquesa Cerius, concessionária de eletricidade, compartilham suas ideias no episódio 18 do podcast da Smart Energy International. Os legisladores e concessionárias estão elaborando estratégias para manter qualquer ameaça potencial longe de seus sistemas e clientes. Quais são as ameaças mais comuns e qual é o novo perfil do cibercriminoso? As concessionárias estão prontas para evitar um ataque cibernético? Essas e outras questões foram abordadas neste podcast. (Smart Energy – 01/10/2021)

<topo>

 

 

Eventos

1 Webinar do Cepel abordará soluções tecnológicas para redução de perdas comerciais em distribuidoras de energia

O combate às perdas comerciais ou não técnicas, resultantes de erros de medição, erros no processo de faturamento, furtos de energia e irregularidades nos equipamentos de medição, é um desafio para boa parte das distribuidoras no mundo inteiro. De acordo com a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), somente em 2019, essas perdas representavam cerca de R$ 7,4 bilhões no Brasil, com impacto direto nas tarifas cobradas aos consumidores finais. Para tratar o tema, que vem demandando cada vez mais atenção da Aneel e dos diversos agentes do setor elétrico brasileiro, o Cepel promoverá, no dia 14 de outubro, a partir das 10h30min, o webinar Transformadores e Fiscalizadores de Corrente Automonitorados – soluções para redução de perdas em distribuidoras de energia elétrica. (Cepel – 29.09.2021)

<topo>

2 Cepel fornece embasamento teórico para viabilizar tecnicamente e economicamente projetos eólicos

O Cepel realizou, entre 14 e 17 de setembro, de forma online, mais uma edição de seu tradicional Curso Básico de Energia Eólica. Com grande procura, o curso é referência para os profissionais que pretendem se capacitar na avaliação e administração de projetos de energia eólica, em especial em um cenário cada vez mais promissor para a fonte no Brasil. “A energia eólica tornou-se a segunda fonte de geração de energia no Brasil, respondendo, atualmente, por cerca de 20% da geração. Em um momento de escassez hídrica, se não existissem os parques eólicos, principalmente os do Nordeste, para economizar o uso da água dos reservatórios, o país já estaria em racionamento de energia”, ressalta a pesquisadora Vanessa Guedes, responsável pelo treinamento. (Cepel – 28.09.2021)

<topo>

 

 

Artigos e Estudos

1 Artigo: “Crise energética nas empresas e a geração compartilhada de energia”

Em artigo publicado no jornal O Estado de São Paulo, Mariana Philippi, Coordenadora do Departamento de Direito Ambiental Empresarial no Philippi & Milkiewicz Advocacia Sustentável, trata dos impactos da crise energética nas empresas e como estão lidando com esse novo cenário. Segundo a autora, “o objetivo é permitir a reunião de diversos consumidores que pretendem gerar energia renovável para utilização em locais diversos, desde que situados na mesma área de concessão.” Ela conclui que “àquelas empresas que pretendem tomar as rédeas de sua demanda energética e reduzir a preocupação com a atual crise instaurada, a geração compartilhada de energia renovável pode ser um excelente caminho a ser considerado.” Para ler o texto na íntegra, clique aqui. (GESEL-IE-UFRJ – 28.09.2021)

<topo>

2 Artigo: “Direito do consumidor na Geração Compartilhada de Energia Elétrica”

Em artigo publicado na Agência CanalEnergia, Einar Tribuci e Renata Pitta, advogados, tratam da relação entre a evolução da teoria finalista no campo da geração compartilhada de energia. Com a evolução da teoria finalista ao longo dos anos, passou-se a contar com o finalismo aprofundado, pelo qual o consumidor passou a ganhar uma interpretação ampliada, sendo considerado como todo aquele que apresenta algum tipo de vulnerabilidade perante o fornecedor. Dessa forma, os autores concluíram em sua análise que pode os consumidores de energia no âmbito da GD possuem vulnerabilidade técnica em face das empresas geradoras, tendo em vista que eles, na qualidade de clientes, desconhecem as particularidades técnicas da operação, muitas vezes atraídos tão somente pelo benefício econômico que poderão auferir com a redução na tarifa de energia elétrica. Para ler o texto na íntegra, clique aqui. (GESEL-IE-UFRJ – 29.09.2021)

<topo>

3 Artigo: “Baterias e mobilidade elétrica: Brasil não pode ficar para trás”

Em artigo publicado no jornal O Estado de São Paulo, Rodolfo Meyer, fundador e CEO da Portal Solar, apresenta uma reflexão acerca da posição do Brasil em relação aos avanços nas tecnologias de armazenamento e mobilidade elétrica. Segundo o executivo, “enquanto o armazenamento de energia e a mobilidade elétrica já são realidades em boa parte do mundo, o Brasil ainda discute a viabilidade econômica de sua aplicação.” Rodolfo acrescenta, “carecemos de visão estratégica, de uma correta priorização de tecnologias e de um certo senso de urgência. No que pesem as boas iniciativas, os sinais ainda são contraditórios. Tanto no transporte, quanto na energia, ainda testemunhamos políticas que vão na direção contrária da eletrificação e descarbonização da economia.” Por último o autor conclui que, “os investidores estão de olho. Mas é preciso a sinalização correta e a promoção com mais celeridade da modernização do setor. Pois esse potencial também deixa claro o tamanho do abismo a ser coberto.” Para ler o texto na íntegra, clique aqui. (GESEL-IE-UFRJ – 01.10.2021)

<topo>


Equipe de Pesquisa UFRJ
Editor: Prof. Nivalde J. de Castro (nivalde@ufrj.br)
Subeditores: Fabiano Lacombe, Lorrane Câmara e Luiza Masseno
Pesquisadores:
Cristina Rosa, Matheus Balmas e Pedro Barbosa
Assistente de pesquisa: Sérgio Silva

As notícias divulgadas no IFE não refletem necessariamente os pontos da UFRJ. As informações que apresentam como fonte UFRJ são de responsabilidade da equipe de pesquisa sobre o Setor Elétrico, vinculada ao NUCA do Instituto de Economia da UFRJ.

POLÍTICA DE PRIVACIDADE E SIGILO
Respeitamos sua privacidade. Caso você não deseje mais receber nossos e-mails,  Clique aqui e envie-nos uma mensagem solicitando o descadastrado do seu e-mail de nosso mailing.


Copyright UFRJ

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: