IFE.H2 52

Informativo Eletrônico – Geração de Energia com Hidrogênio nº 52 – publicado em 1º de outubro de 2021.

IFE: Informativo Eletrônico de Hidrogênio – GESEL-UFRJ <!–

l

IFE: nº 52 – 01 de outubro de 2021
http://gesel.ie.ufrj.br/
gesel@gesel.ie.ufrj.br

Editor: Prof. Nivalde J. de Castro

Índice

Políticas Públicas e Financiamentos
1
Austrália: Conselho Australiano de Hidrogênio faz proposta de fundo net zero que pode desbloquear o desenvolvimento da tecnologia no país
2 Coreia do Sul: Investimento em bondes a hidrogênio a partir de 2023
3 Índia: Estado de Karnataka pretende se tornar líder em energia do hidrogênio
4 Luxemburgo: Governo divulga Estratégia de Hidrogênio
5 Noruega: Consórcio norueguês impulsiona hub de hidrogênio para transporte marítimo
6 Países Baixos: Hidrogênio nos planos do orçamento neerlandês
7 Reino Unido: Hidrogênio na pauta internacional do país
8 Reino Unido: Hidrogênio é a peça que faltava no quebra-cabeça da energia verde britânica

Produção
1 Alemanha: Trianel e Stadtwerke planejam desenvolver planta de hidrogênio verde
2 Caribe: Valecom e Ways2H pretendem desenvolver projeto que visa produzir hidrogênio branco
3 Escócia: SGN adquire eletrolisador e avança com projeto H100 Fife
4 Mar do Norte: McDermott se junta a projeto que visa produção de 10 GW de hidrogênio verde
5 Mauritânia: Chariot e governo da Mauritânia realizam MoU para projeto de H2V
6 Omã: Projeto liderado pela Hyport Duqm desenvolverá planta de hidrogênio verde
7 Snam e IRENA realizam acordo para promover projetos de hidrogênio verde em todo o mundo

Armazenamento e Transporte
1 Eslováquia: Novo projeto para transportar hidrogênio para a Alemanha por meio de oleodutos

Uso Final
1 Espanha: Viscofan substituirá gás natural por hidrogênio verde em suas caldeiras
2 ATI: Hidrogênio líquido tem mais potencial do que bateria e amônia na aviação
3 Raízen fecha com Yara 1ª venda de biometano de longo prazo
4 Reino Unido: Tevva revela novo caminhão com célula a combustível de 7,5 toneladas

5 Woods e Honeywell usarão tecnologia de hidrogênio para produzir combustível de aviação sustentável

Tecnologia e Inovação
1 Acordo de colaboração para codesenvolvimento de uma nova célula eletroquímica para produção de H2V
2 Austrália: Novo catalisador melhora a conversão de águas residuais em energia limpa de hidrogênio
3 Coreia: Pesquisadores do KIST desenvolvem sistema de avaliação semiautomático para desidrogenação LOHC
4 UK: Parceria firmada para um conceito pioneiro de produção de plataforma autoelevatória de hidrogênio verde offshore

Eventos
1 Hydrogen Online Conference
2 Webinar: “Normandy: the future of hydrogen”
3 Webinar: “Hydrogen buses. Their time is… now?”
4 Reunião: “Hydrogen Energy Ministerial Meeting 2021”

5 Webinar: “Hidrogênio Energético – PNH2, cases e oportunidades”
6 Debate Público:”Hidrogênio verde em Minas Gerais: a trilha do hidrogênio verde no estado das minas e energias gerais”

Artigos e Estudos
1 Barreiras técnicas para o aproveitamento do hidrogênio verde: uma perspectiva do sistema de energia
2 Aplicações do hidrogênio verde na Mongólia
3 Pesquisadores usam abordagens computacionais para desenvolver ligas com propriedades atrativas para armazenamento de hidrogênio
4 Desenvolvimento de um sistema automatizado para geração de hidrogênio através de uma fonte renovável



 

 

Políticas Públicas e Financiamentos

1 Austrália: Conselho Australiano de Hidrogênio faz proposta de fundo net zero que pode desbloquear o desenvolvimento da tecnologia no país

De acordo com o documento Unlocking Australia’s Hydrogen Opportunity, publicado pelo Australian Hydrogen Council na segunda-feira (27), a indústria emergente do hidrogênio exigirá uma abordagem regulatória adequada para se desenvolver, com a flexibilidade para trabalhar em todos os setores e jurisdições. A tarefa, portanto, precisará de um planejamento de toda a economia que trate da produção, distribuição e vários usos de hidrogênio e estabeleça a base para desenvolvimentos regulatórios e envolvimento da comunidade. Até que a indústria alcance escala comercial, os financiamentos são essenciais. O investimento público vai desbloquear uma proporção muito maior comparado ao valor do setor privado. Segundo Molly Burgess, jornalista da H2 View, “o primeiro white paper do Conselho sugere que o governo australiano aloque US$10 bilhões para o fundo net zero, que apoiaria a descarbonização de indústrias em grande escala. Esse fundo seria administrado por uma autoridade, criada para esse fim e cobriria uma ampla gama de atores, da pesquisa à comercialização, através de doações em financiamento”. (Australian Hydrogen Council – 27.09.2021)

<topo>

2 Coreia do Sul: Investimento em bondes a hidrogênio a partir de 2023

O Ministério do Comércio, Indústria e Energia da Coreia do Sul comunicou, na quinta-feira (23), que planeja investir US$35,8 milhões em bondes movidos a hidrogênio até 2023. O orçamento também será gasto para encontrar maneiras de modificar as células a combustível de hidrogênio usadas pelos SUVs Nexo da Hyundai Motor e usá-las nos bondes, de acordo com o governo. Os bondes a hidrogênio, que irão funcionar com células a combustível, são considerados mais competitivos em termos de preço do que o transporte público convencional, como o metrô, pois não precisam de uma infraestrutura de energia massiva. O mercado global de trens movidos a hidrogênio deve atingir US$15 bilhões em 2050, um aumento significativo em relação aos US$59 milhões estimados para 2025, de acordo com o ministério. A Coreia do Sul tem promovido a chamada economia do hidrogênio, com o governo ampliando esforços para aplicar recursos em vários campos, desde transporte até armazenamento de energia, alinhado à sua meta de se tornar neutra em carbono até 2050. (Korea Times – 23.09.2021)

<topo>

3 Índia: Estado de Karnataka pretende se tornar líder em energia do hidrogênio

O Governo do Estado de Karnataka está trabalhando com a energia do hidrogênio verde como uma fonte de energia alternativa e ecologicamente correta e tem como objetivo ser líder no setor, assim como em energia solar. O conceito é novo e o governo foi influenciado pelo discurso recente do Primeiro-Ministro Narendra Modi de que a energia do hidrogênio é o futuro. Enquanto o departamento de energia do Estado está procurando fontes de energia de hidrogênio, ele também tem trabalhado para gerar sua própria energia verde. O departamento agora está considerando a possibilidade de incluir esta tecnologia como um capítulo em sua futura política de energia renovável ou apresentá-la como um tópico separado. As autoridades estão abordando especialistas dos setores hídrico, químico e energético para obter conselhos, bem como laboratórios, fábricas de produtos químicos, para avaliar outras fontes de onde o hidrogênio pode ser extraído. (The New Indian Express – 25.09.2021)

<topo>

4 Luxemburgo: Governo divulga Estratégia de Hidrogênio

O governo de Luxemburgo apresentou a sua Estratégia para o Hidrogênio visando a descarbonização de setores difíceis de descarbonizar e apostando na eficiência energética para reduzir a demanda de energia. Luxemburgo tem um consumo anual de hidrogênio fóssil de cerca de 450 toneladas. O objetivo imediato da estratégia é substituir o hidrogênio fóssil por hidrogênio de baixo carbono para reduzir mais de 5 mil toneladas de emissões de gases do efeito estufa. A etapa seguinte será utilizar o hidrogênio para a descarbonização gradual de setores difíceis de eletrificar. A estratégia propõe medidas para promover a produção, importação e uso de hidrogênio renovável, as quais incluem: i) contribuir para a definição do quadro jurídico regulamentar a nível de União Europeia (UE); ii) cooperar com os estados membro da UE; iii) identificar oportunidades de pesquisa e inovação; iv) priorizar ações para a descarbonização utilizando hidrogênio renovável, entres outras. Para acessar a estratégia na íntegra, clique aqui. (H2 Bulletin – 27.09.2021)

<topo>

5 Noruega: Consórcio norueguês impulsiona hub de hidrogênio para transporte marítimo

Um consórcio norueguês tem trabalhado para produzir hidrogênio a partir de energia renovável para o setor marítimo e desenvolver um hub nacional de hidrogênio em Moskøen, na Noruega. A equipe recebeu da Enova International novos recursos, um aumento de US$115 mil, para apoiar o projeto. A empresa Gen2 Energy foi uma das 15 proponentes a receber financiamento e agora entrará em sua fase piloto para estudar a futura demonstração e planta piloto da tecnologia de hidrogênio para uso final no setor marítimo. O apoio do pré-projeto dará aos players tempo para trabalhar com a base de mercado, bem como estudar soluções técnicas e financeiras que disponibilizem hidrogênio verde no setor marítimo, afirma Nils Kristian Nakstad, CEO da Enova. Ele enfatiza a importância da Noruega estabelecer um centro de produção de hidrogênio ao longo da costa. Acredita-se que a Enova anunciará ainda este ano uma grande competição para o apoio ao investimento em centros futuros. (H2 View – 28.09.2021)

<topo>

6 Países Baixos: Hidrogênio nos planos do orçamento neerlandês

A Gasunie, empresa neerlandesa de gás natural e transportes, indicou que as novas propostas de infraestrutura reveladas pelo Gabinete dos Países Baixos dão um impulso forte e positivo à transição energética, especialmente ao hidrogênio. Apresentado nos planos orçamentários do governo para 2022, o apoio ao hidrogênio foi bem-vindo, com a Gasunie definida para estar no centro do desenvolvimento da tecnologia no país. Em nome do Secretário de Estado para Assuntos Econômicos e Política Climática, a Gasunie deve desenvolver uma infraestrutura nacional para o transporte de hidrogênio e, recentemente, obteve graus de sucesso no armazenamento subterrâneo. Ao desenvolver um backbone de hidrogênio, a rede nacional conectará Cinco clusters industriais ligados entre si, a países estrangeiros e a instalações de armazenamento de hidrogênio. (H2 View – 23.09.2021)

<topo>

7 Reino Unido: Hidrogênio na pauta internacional do país

Em um discurso recente à Assembleia Geral das Nações Unidas (AGNU), o Primeiro-Ministro do Reino Unido, Boris Johnson, reiterou que o país está fazendo uma grande aposta no hidrogênio. Espera-se que esta menção defina o cenário para a COP26 com a transportadora de energia que deve aparecer no evento global. Prevê-se, por exemplo, a presença de trens a hidrogênio no evento, que ocorrerá entre os dias 31 de outubro a 12 de novembro, em Glasgow, Escócia, Reino Unido. Além disso, o recém-nomeado Vice-Primeiro-Ministro, Dominic Raab, ecoou que a Estratégia de Hidrogênio do Reino Unido é referência mundial e apoiará a nação em sua transição para um futuro mais verde. Com duas das principais figuras da política britânica falando abertamente sobre o hidrogênio, está claro que este novo gabinete está comprometido com o desenvolvimento da tecnologia no Reino Unido e, com a COP26 se aproximando, espera-se que a temática esteja presente em toda parte. Para assistir ao discurso de Johnson na AGNU, clique aqui. (H2 View – 24.09.2021)

<topo>

8 Reino Unido: Hidrogênio é a peça que faltava no quebra-cabeça da energia verde britânica

O governo do Reino Unido revelou planos para liderar uma revolução industrial verde que visa criar centenas de milhares de empregos e tornar a Grã-Bretanha uma economia de hidrogênio líder mundial. A Estratégia de Hidrogênio do Reino Unido apresenta os planos do governo para atrair investimentos em 5 GW de produção de hidrogênio até 2030. Ela sugere que o hidrogênio poderia cobrir 20-35% do consumo de energia do país até 2050, fornecendo uma alternativa limpa ao petróleo e gás em indústrias de uso intensivo de energia e transporte. A Grã-Bretanha investirá mais de US$134 milhões em indústrias que produzem e transportam hidrogênio, permitindo ao país iniciar projetos de liderança mundial nos próximos anos e desbloquear um investimento de US$5,39 bilhões até 2050. (H2 View – 28.09.2021)


<topo>

 

 

Produção

1 Alemanha: Trianel e Stadtwerke planejam desenvolver planta de hidrogênio verde

Trianel, empresa que atua no mercado de energia, e a Stadtwerke, empresa sustentável que também atua no setor de energia, anunciaram planos para o desenvolvimento de uma planta de hidrogênio em Hamm, Alemanha. A planta contará com diversos eletrolisadores, que, em conjunto, terão uma capacidade eletrolítica de 20 MW e serão alimentados por energia renovável, produzindo assim o hidrogênio verde (H2V). No âmbito da destinação, o combustível será utilizado no segmento da mobilidade, apoiando a descarbonização do transporte público local. As empresas esperam que a planta esteja operacional a partir do ano de 2024. Por fim, vale salientar que este é um projeto pioneiro que tem como intuito promover o desenvolvimento da infraestrutura do H2 na cidade de Hamm. (Trianel – 23.09.2021)

<topo>

2 Caribe: Valecom e Ways2H pretendem desenvolver projeto que visa produzir hidrogênio branco

A Valecom, fornecedora de soluções ecológicas e de energia do Caribe, e a Ways2H, joint venture que atua na produção do hidrogênio renovável, firmaram uma parceria na qual pretendem desenvolver um projeto com o intuito de produzir hidrogênio branco na Martinica, uma ilha do caribe pertencente à França. A Martinica possui uma extensa área de plásticos que poluem o meio ambiente. Logo, para removê-lo ao mesmo tempo em que produz energia, o projeto vai transformar os resíduos em hidrogênio limpo. Inicialmente, a planta processará uma quantia de 24 toneladas de resíduos por dia, tendo como expectativa alcançar um processamento de 9.000 toneladas por ano. (Ways2H- 28.09.2021)

<topo>

3 Escócia: SGN adquire eletrolisador e avança com projeto H100 Fife

A SGN, empresa de gás, está realizando um projeto que vai fornecer hidrogênio para uma rede de aquecimento residencial na costa leste da Escócia. O projeto denominado como H100 Fife já está em andamento e recentemente avançou mais uma etapa: comprou um eletrolisador para a produção do H2. O eletrolisador contém uma capacidade eletrolítica de 5MW e vai fornecer uma quantia de até 2.093 kg do combustível para ser transformado em aquecimento para as casas que optarem pelo H100 Fife. Espera-se que o projeto esteja em operação no ano de 2023, quando a rede de distribuição estiver concluída. E, nesta fase inicial, estima-se uma quantidade de 300 residências pioneiras. (SGN – 24.09.2021)

<topo>

4 Mar do Norte: McDermott se junta a projeto que visa produção de 10 GW de hidrogênio verde

McDermott, uma fornecedora global de soluções de engenharia, se juntou a um consórcio de empresas denominado como “AquaVentus”. Este consórcio tem como objetivo principal um projeto para produzir hidrogênio verde (H2V) no Mar do Norte. O projeto visa combinar a produção do H2V, por meio de eletrolisadores com capacidade eletrolítica de 10 GW, com a fonte de energia eólica offshore proveniente do Mar do Norte. A McDermott foi denominada como uma peça importantíssima para o desenvolvimento do AquaVentus, já que a empresa conta com uma vasta experiência em engenharia e no mercado de energia eólica offshore. O combustível produzido por este mega projeto terá destinação ao arquipélago Helgoland, e, posteriormente, transportado para terras por meio de dutos. (McDermott – 29.09.2021)

<topo>

5 Mauritânia: Chariot e governo da Mauritânia realizam MoU para projeto de H2V

Chariot, empresa de energia que tem compromisso com a transição energética, realizou um memorando de entendimento (MoU) com o Governo da Mauritânia, para que em conjunto possam desenvolver um projeto de hidrogênio verde (H2V), em grande escala no país. O projeto, que é denominado como “Projeto Nour”, tem como intuito analisar uma grande extensão de área para o desenvolvimento de plantas solares e eólicas e produzir o hidrogênio verde pelo preço mais barato de toda África. Em termos de destinação, o hidrogênio terá fins internos e para exportação. Por fim, este projeto tem como intuito explorar o potencial do país e torná-lo líder na produção do H2V. (Fuel Cells Works – 27.09.2021)

<topo>

6 Omã: Projeto liderado pela Hyport Duqm desenvolverá planta de hidrogênio verde

A Hyport Duqm Company, está liderando um projeto que tem como intuito promover o desenvolvimento de uma planta de energia renovável em conjunto com uma planta de hidrogênio, a fim de produzir o H2 de forma renovável. O projeto, que já está em desenvolvimento, vem avançando rapidamente e recentemente realizou um acordo de terra para que possa construir um parque de energia solar e eólico com capacidade de 1,3 MW e que será utilizado como fonte alimentadora da planta de hidrogênio verde (H2V). Em termos de destinação, o hidrogênio será utilizado para a indústria de fertilizantes, a fim de produzir amônia verde a partir da síntese de Haber-Bosch. (H2 View – 27.09.2021)

<topo>

7 Snam e IRENA realizam acordo para promover projetos de hidrogênio verde em todo o mundo

A Snam, empresa italiana de infraestrutura de energia, e a Agência Internacional de Energias Renováveis (IRENA), realizaram um acordo com o intuito de promover estudos para verificar possibilidades de desenvolvimento de projetos de hidrogênio verde (H2V) por todo o mundo. Ao lado de outros parceiros, as entidades vão desenvolver diversos projetos de H2V. Ademais, as entidades planejam incentivar parcerias público-privadas e realizar diversas cooperações para desenvolver toda a infraestrutura no que tange ao combustível; desde a produção até o uso final. O acordo tem como intuito acelerar a adoção do hidrogênio a nível global, pois o vetor energético está sendo considerado um pilar fundamental para a descarbonização energética. (IRENA – 29.09.2021)

<topo>

 

 

Armazenamento e Transporte

1 Eslováquia: Novo projeto para transportar hidrogênio para a Alemanha por meio de oleodutos

Empresas como EP Infrastructure, Eustream, NAFTA e RWE assinaram um memorando de ação conjunta para explorar o desenvolvimento da instalação que poderia apoiar as importações de hidrogênio azul para a Europa Ocidental através de um sistema de dutos. Previsto para ser transportado para a Alemanha por meio de um gasoduto reaproveitado da Eustream, o projeto apoiará o desenvolvimento do hidrogênio na Alemanha e na Eslováquia e impulsionará a economia na Europa. As empresas estão criando um grupo de trabalho conjunto, com um roteiro para a implementação do projeto e manterão diálogos com as partes interessadas relevantes para permitir a implementação do projeto, principalmente na Ucrânia, República Tcheca e Áustria nos próximos meses. (Eustream – 24.09.2021)

<topo>

 

 

Uso Final

1 Espanha: Viscofan substituirá gás natural por hidrogênio verde em suas caldeiras

A Viscofan, com sede na Espanha, revelou que realizou testes bem sucedidos que devem abrir caminho para a substituição do gás natural por hidrogênio verde em uma de suas caldeiras em uma unidade de produção em Cáseda, Espanha. Para o teste, uma instalação temporal de dois semirreboques a hidrogênio, cada um com capacidade em torno de 4.000 Nm3 de hidrogênio comprimido a 200 bar, permitiu a substituição parcial do gás natural pelo hidrogênio. Além de cumprir os requisitos de segurança para o teste, o desempenho da caldeira a vapor de 20 Tn foi testado e, com um fornecimento confiável ao longo da duração do teste, a capacidade máxima de hidrogênio foi atingida na caldeira. Isso significa que um fluxo de hidrogênio de até 900 Nm3 foi alcançado durante o teste. No âmbito da sua estratégia de descarbonização, a Viscofan investiu 4,2 M € na compra de novos motores e caldeiras de cogeração com capacidade para a utilização de hidrogénio verde como combustível. (H2 View – 24.09.2021)

<topo>

2 ATI: Hidrogênio líquido tem mais potencial do que bateria e amônia na aviação

Junto a revelação de novas aeronaves de emissão zero pela ATI, o hidrogênio líquido foi identificado como tendo o maior potencial no setor de aviação, frente a bateria e amônia. Isso se deve principalmente pela alta quantidade de energia por peso e às credenciais de emissão zero de carbono. Com isso, o projeto apoiado pelo governo do Reino Unido revelou novas aeronaves comerciais como parte de seu estudo FlyZero com o grupo, utilizando hidrogênio líquido. Uma gama de tecnologias de hidrogênio tem sido explorada, incluindo células a combustível hidrogênio, turbinas de combustão de hidrogênio, sistemas criogênicos, além de vários outros projetos que incluem baterias elétricas e térmicas. Tendo avaliado fontes de energia com emissão zero, o hidrogênio líquido prevaleceu como tendo o maior potencial sobre bateria e amônia. (H2 View – 24.09.2021)

<topo>

3 Raízen fecha com Yara 1ª venda de biometano de longo prazo

A Raízen anunciou sua primeira venda de longo prazo para gás natural renovável, ou biometano, com a Yara Brasil Fertilizantes, em um contrato de cinco anos, conforme comunicado divulgado nesta segunda-feira. O volume envolvido na transação é de 20 mil metros cúbicos por dia, acrescentou a companhia, que é controlada pela Cosan. “O fornecimento do Biometano será efetuado por meio do portfólio da Raízen, utilizando os resíduos do processo de produção de etanol, vinhaça e torta de filtro, nos parques de bioenergia do grupo”, disse a empresa em nota. O produto será utilizado pela Yara para a produção de hidrogênio e amônia verde em seus parques industriais. (ÉPOCA – 20.09.2021)

<topo>

4 Reino Unido: Tevva revela novo caminhão com célula a combustível de 7,5 toneladas

Um novo caminhão movido a hidrogênio de 7,5 toneladas foi apresentado pela britânica Tevva no dia 28 de setembro. O novo Tevva Truck deve ter um alcance de até 250 quilômetros no modo de tração elétrica e um alcance de até 500 quilômetros com o extensor de alcance FC ativado. O caminhão pode ainda transportar até 16 paletes europeus e mais de duas toneladas de carga útil com 7,5 toneladas de peso bruto do veículo. A produção do caminhão Tevva está programada para começar em julho de 2022. (Electrive – 28.09.2021)

<topo>

5 Woods e Honeywell usarão tecnologia de hidrogênio para produzir combustível de aviação sustentável

A Woods usará sua tecnologia de hidrogênio em colaboração com a Honeywell para criar um verdadeiro combustível de aviação sustentável e neutro em carbono. A colaboração, revelada no dia 23 de setembro, apoiará a criação de combustível de aviação sustentável, incorporando uma gama de tecnologias de processo UOP Ecofining da Honeywell. A tecnologia de hidrogênio da Wood produzirá hidrogênio renovável a partir de subprodutos do processo UOP Ecofining. O hidrogênio é então injetado de volta no processo Ecofining para remover impurezas da alimentação e criar um combustível renovável de queima mais limpa. Para garantir que o hidrogênio seja neutro em carbono, o carbono gerado no processo de produção será capturado e encaminhado para sequestro subterrâneo permanente. Isso reduzirá o ciclo de vida das emissões de gases de efeito estufa em mais 10%, em comparação com a gasolina. (H2 View – 23.09.2021)

<topo>

 

 

Tecnologia e Inovação

1 Acordo de colaboração para codesenvolvimento de uma nova célula eletroquímica para produção de H2V

Verdagy e Permascand se uniram e, sob acordo, desenvolverão e comercializarão em conjunto uma nova célula de eletrólise de grande proporção que é capaz de gerenciar o calor e o estresse melhor do que o sistema de eletrólise de água disponível atualmente. Ao conseguir isso, o custo da célula e do sistema diminuirá drasticamente. A célula de quase três metros quadrados e a arquitetura da membrana serão combinadas com células muito grandes que podem operar em altas densidades de corrente, para produzir hidrogênio que custa muito menos. Isso poderia apoiar a transição energética, tornando o hidrogênio mais acessível e competitivo em relação a outras energias alternativas. (Permascand – 23.09.2021)

<topo>

2 Austrália: Novo catalisador melhora a conversão de águas residuais em energia limpa de hidrogênio

Uma equipe liderada por cientistas da Universidade de Adelaide desenvolveu uma nova geração de catalisadores de alto desempenho que irão melhorar a eficiência do uso de águas residuais carregadas com ureia para gerar energia limpa. A eficiência das tecnologias modernas de conversão de energia que usam ureia é determinada pela reação de oxidação eletroquímica da ureia (UOR). O projeto e a síntese de novos catalisadores desempenham um papel fundamental para o desenvolvimento das tecnologias. O professor Shizhang Qiao, parte da equipe, afirma que eles procuram melhorar os catalisadores UOR existentes, que tendem a ter um desempenho ruim. (Fuel Cells Works – 22.09.2021)

<topo>

3 Coreia: Pesquisadores do KIST desenvolvem sistema de avaliação semiautomático para desidrogenação LOHC

A equipe de pesquisa KIST LOHC no Centro de Pesquisa de Células de Hidrogênio e Combustível liderada pelo Dr. Yongmin Kim desenvolveu um sistema de avaliação semiautomático para desidrogenação LOHC (alternativamente, extração de hidrogênio com LOHC). LOHC são transportadores orgânicos líquidos de hidrogênio. Um exemplo de LOHC nas análises é o metilciclohexano (MCH) com alta disponibilidade tecnológica. O monobenziltolueno (MBT) é outro candidato promissor porque produzido em massa como um produto químico seguro, ao mesmo tempo que extrai o hidrogênio rapidamente. O sistema proposto para a triagem rápida de materiais e catalisadores de LOHC também será útil para colaboradores de pesquisas nacionais e internacionais na indústria e na academia. (Fuel Cells Works – 26.09.2021)

<topo>

4 UK: Parceria firmada para um conceito pioneiro de produção de plataforma autoelevatória de hidrogênio verde offshore

A empresa de engenharia offshore Aquaterra Energy fez parceria com o produtor e fornecedor de hidrogênio verde Lhyfe e a empreiteira de perfuração offshore Borr Drilling para desenvolver um novo conceito de produção de hidrogênio verde offshore em escala industrial, por meio da implantação de um sistema eletrolisador em uma plataforma autoelevatória convertida. Este conceito oferece uma implantação alternativa de ativos existentes que fornecem uma fonte de hidrogênio verde e aumenta a viabilidade comercial de projetos eólicos offshore remotos, de acordo com a declaração da Aquaterra Energy. (Aquaterra Energy – 21.09.2021)

<topo>

 

 

Eventos

1 Hydrogen Online Conference

A Hydrogen Online Conference é o maior evento online de hidrogênio do mundo. Haverá uma discussão com os líderes da indústria e os principais tomadores de decisão. Mais de 30 apresentadores de classe mundial, 58 expositores, mais de 10.000 profissionais de hidrogênio ao vivo, mais de 150 países. O evento iniciará às 19:00 do dia 07/09/2021 e terminará no mesmo horário do dia seguinte. Inscreva-se aqui. (Mission: Hydrogen – 26.09.2021)

<topo>

2 Webinar: “Normandy: the future of hydrogen”

A Normandia possui diversos ativos para o desenvolvimento de projetos de hidrogênio (indústrias, portos, logística e produção de energias renováveis / 4 parques eólicos MRE), e tem a ambição de desenvolver o “Vale H2” ao longo do vale do Sena, de Le Havre a Paris. As prioridades são a produção de hidrogênio renovável que poderia suprir as necessidades de consumo da Normandia e da região de Paris e projetos de mobilidade pesada de hidrogênio (em particular mobilidade marítima). O evento ocorrerá de forma online, no dia 13 de outubro, das 05:00 às 06:15. Inscreva-se aqui. (AD Normandie – 10.09.2021)

<topo>

3 Webinar: “Hydrogen buses. Their time is… now?”

Atualmente, existem mais de 120 ônibus a hidrogênio operando na Europa com planos para chegar a mais de 1.200 até 2025. As oportunidades, desafios e perspectivas relacionadas à adoção do ônibus com célula acombustível serão colocados em destaque no próximo webinar do Sustainable Bus Tour 2021, que será transmitido ao vivo no dia 14 de outubro, das 10:00 às 12:00, intitulado: ‘Ônibus de hidrogênio. A hora deles é … agora? ‘. Inscreva-se aqui. (Fuel Cell Buses – 30.09.2021)

<topo>

4 Reunião: “Hydrogen Energy Ministerial Meeting 2021”

O Ministério da Economia, Comércio e Indústria do Japão (METI) apresentará a Reunião Ministerial de Energia do Hidrogênio 2021. Ouça as apresentações inovadoras de governos locais e empresas na Sessão Ministerial e Industrial. Mais de 30 líderes e ministros globais falarão sobre sua perspectiva em relação a uma economia baseada no hidrogênio. O evento acontecerá puramente virtual. A Sessão Ministerial pretende manter e expandir o ímpeto dos esforços globais em direção à economia baseada no hidrogênio como parte da estratégia de descarbonização. O HEM terá início em 4 de outubro às 07:00. Inscreva-se aqui. (H2EM – 26.09.2021)

<topo>

5 Webinar: “Hidrogênio Energético – PNH2, cases e oportunidades”

O Brasil vem apresentando estratégias para a economia de hidrogênio, um gás que pode ter um papel relevante na resolução de desafios energéticos do país, além de ser uma oportunidade para liderarmos esse mercado em escala global. Diante desse cenário, o Lactec promoverá o Webinar Energy Tech Talks no dia 06 de outubro, às 10h, com o tema “Hidrogênio Energético – PNH2, cases e oportunidades”. Inscreva-se aqui. (CanalEnergia – 26.09.2021)

<topo>

6 Debate Público:”Hidrogênio verde em Minas Gerais: a trilha do hidrogênio verde no estado das minas e energias gerais”

Sob a organização da Comissão das Energias Renováveis e dos Recursos Hídricos, presidida pelo deputado estadual Gil Pereira, vai acontecer no dia 5 de outubro, das 14 às 18 horas, o debate público “Hidrogênio verde em Minas Gerais”, no plenário da ALMG. Gil Pereira tem se dedicado com afinco ao tema das energias, focando com insistência na tentativa de alocação, no Norte de Minas e no Médio São Francisco, de projetos de geração de energia solar. Participe aqui ao vivo. (O TEMPO – 30.09.2021)

<topo>

 

 

Artigos e Estudos

1 Barreiras técnicas para o aproveitamento do hidrogênio verde: uma perspectiva do sistema de energia

Extrair hidrogênio verde de fontes de energia renováveis é um novo conceito na indústria de energia. Como transportador de energia, o hidrogênio é capaz de facilitar o acoplamento entre vários setores de energia, bem como a integração de fontes de energia renováveis. Este artigo investiga os fatores técnicos de todo o sistema que podem limitar a quantidade de hidrogênio produzida em um determinado sistema de energia. Para isso foi elaborada uma programação não-linear com o objetivo de quantificar o impacto das restrições de segurança de tensão, a localização e o tamanho da rede de energia para as instalações de hidrogênio e, finalmente, a capacidade de penetração da energia eólica com a produção de hidrogênio verde. A aplicabilidade da estrutura proposta é demonstrada no sistema de barramento IEEE 39. (Renewable Energy – janeiro de 2021)

<topo>

2 Aplicações do hidrogênio verde na Mongólia

O New Climate Institute for Climate Policy and Global Sustainability divulgou um relatório, o qual investiga o potencial e as aplicações do hidrogênio verde (H2V) na Mongólia. O estudo avalia o uso do H2V em três setores: transporte pesado no setor de mineração, transporte público e seu uso descentralizado para aquecimento residencial. Além disso, estima a redução de gases do efeito estufa (GEE) e analisa as políticas públicas para promover a inserção do H2V no país. Segundo o relatório, o transporte pesado na mineração é a aplicação considerada mais promissora ambientalmente e economicamente. Os caminhões a células a combustível seriam apenas 12% mais caros comparado aos caminhões a diesel. No caso do transporte público, os ônibus a células a combustível teriam custo 15% maior comparado aos movido a diesel. O uso do H2V para aquecimento, no entanto, não seria competitivo apresentando um custo 148% maior do que o gás liquefeito de petróleo, portanto não é considerada um opção viável no curto prazo. (New Climate Institute – 24.09.2021)

<topo>

3 Pesquisadores usam abordagens computacionais para desenvolver ligas com propriedades atrativas para armazenamento de hidrogênio

Pesquisadores do Sandia National Laboratories em conjunto com colaboradores internacionais desenvolveram novas ligas que demonstraram como Machine Learning pode contribuir para acelerar o futuro da energia do hidrogênio e facilitar a criação de infraestrutura para os consumidores. A equipe de pesquisa utilizou o Machine Learning para modelar. Em um artigo publicado na revista Chemistry of Materials foi detalhado a abordagem adotada. A equipe utilizou um banco de dados que descreve a interação do hidrogênio com outros materiais, associados com ferramentas computacionais para modelar a física e a química de fenômenos complexos. Essa abordagem permite prever propriedades termodinâmicas. A equipe também encontrou resultados que têm implicações para geração do hidrogênio em pequena escala em posto de abastecimento de células a combustível de hidrogênio. Segundo a pesquisa, os hidretos de ligas de alta entropia podem permitir uma compressão em cascata natural do hidrogênio à medida que se move através dos diferentes materiais. Para ler o artigo na íntegra clique aqui. (Sandia National Laboratories – 20.09.2021)

<topo>

4 Desenvolvimento de um sistema automatizado para geração de hidrogênio através de uma fonte renovável

O artigo publicado na Revista Caleidoscópio, teve como principal objetivo o desenvolvimento de um sistema limpo de energia baseado na tecnologia do gás hidrogênio. Com bases em estudos e experimentos feitos em laboratório, foi desenvolvido um sistema de geração de hidrogênio através do processo de eletrólise da água, além disso, foi automatizada e implementada uma placa fotovoltaica no protótipo. O projeto inicial foi composto por uma placa fotovoltaica, controladores, reator de eletrólise, deionizador de água, compressor e cilindro para o armazenamento de gás hidrogênio. A automatização foi elaborada com o microcontrolador Atmel, no qual foram conectados sensores de monitoramento de gás hidrogênio, corrente elétrica, pressão e um drive de PWM para fazer o controle de corrente do reator. As informações obtidas por meio dos sensores serão fundamentais para o aprimoramento e otimização do processo de produção de gás hidrogênio. O estudo concluiu que o reator de hidrogênio funcionou corretamente com a implementação do sistema de controle e a utilização de hidróxido de potássio como meio condutor iônico resultou em uma alta produção de gás hidrogênio. (Revista Caleidoscópio – 2021)

<topo>


Equipe de Pesquisa UFRJ
Editor: Prof. Nivalde J. de Castro (nivalde@ufrj.br)
Subeditores: Fabiano Lacombe, Luiza Masseno e Sayonara Andrade Elizário
Pesquisadores: Allyson Thomas,
José Vinícius S. Freitas, Kalyne Silva Brito e Luana Oliveira 
Assistente de pesquisa: Sérgio Silva

As notícias divulgadas no IFE não refletem necessariamente os pontos da UFRJ. As informações que apresentam como fonte UFRJ são de responsabilidade da equipe de pesquisa sobre o Setor Elétrico do Instituto de Economia da UFRJ.

POLÍTICA DE PRIVACIDADE E SIGILO
Respeitamos sua privacidade. Caso você não deseje mais receber nossos e-mails,  Clique aqui e envie-nos uma mensagem solicitando o descadastrado do seu e-mail de nosso mailing.


Copyright UFRJ

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: