IFE.H2 48

Informativo Eletrônico – Geração de Energia com Hidrogênio nº 48 – publicado em 14 de setembro de 2021.

IFE: Informativo Eletrônico de Hidrogênio – GESEL-UFRJ <!–

l

IFE: nº 48 – 14 de setembro de 2021
http://gesel.ie.ufrj.br/
gesel@gesel.ie.ufrj.br

Editor: Prof. Nivalde J. de Castro

Índice

Políticas Públicas e Financiamentos
1
Alemanha-Namíbia: Países unem forças para desenvolvimento do hidrogênio
2 Austrália-Japão: Países unem forças no hidrogênio
3 China: Pequim apoiará a adoção de veículos de célula a combustível
4 Estados Unidos: Bill Gates realizará investimento de US $ 1,5 bilhão em tecnologias limpas, incluindo hidrogênio
5 Estados Unidos: Investimento de US $ 6 bilhões para projetos de hidrogênio são anunciados no Texas
6 Polônia-Grécia-Hungria: Powerhouse Energy implantará hidrogênio com tecnologia de resíduos

Produção
1 Brasil: EDP vai construir a primeira usina de hidrogênio verde do país
2 Brasil: Furnas irá combinar plantas solares fixa e flutuante com produção de hidrogênio
3 Chile: Empresas se juntam para desenvolver usina de 10 MW de hidrogênio verde
4 Dinamarca: H2 Energy Europe revela planos para planta de hidrogênio verde
5 Dinamarca: Everfuel irá fornecer hidrogênio verde para células a combustível da TECO 2030
6 EUA: Raven SR se junta a projeto que produzirá hidrogênio a partir de resíduos
7 Japão: Obayashi conclui planta de hidrogênio verde
8 Linde diz que vai triplicar a quantidade de produção de hidrogênio limpo até 2028

9 Noruega: Stord Hydrogen inicia instalação que produzirá hidrogênio verde

Armazenamento e Transporte
1 Austrália: GEV avança no programa de transporte de hidrogênio
2 Gaussin: Soluções para transporte a hidrogênio

Uso Final
1 Alemanha: DLR e Deutz formam aliança para aplicações de hidrogênio
2 Austrália: empresas se comprometem com fabricação de ferro à base de hidrogênio.
3 Austrália: Estação de energia hidrogênio-gás é essencial para o Estado de Nova Gales do Sul
4 EUA: Toyota montará módulos de célula a combustível na fábrica de Kentucky

5 Irlanda testa ônibus a hidrogênio na frota de transporte
6 Octopus Hydrogen irá fornecer hidrogênio verde para a ZeroAvia
7 Reino Unido: Testes para a fabricação de vidro a hidrogênio estão em andamento

Tecnologia e Inovação
1 Alemanha: Pesquisadores querem reduzir custos de fabricação de eletrolisadores em mais de 25%
2 Austrália: Cientistas decidem pesquisar o uso de águas residuais para eletrólise de hidrogênio verde
3 Espanha: Consórcio quer simplificar produção de hidrogênio por fotoeletrocatálise

Eventos
1 AHK Brasil: Projeto H2 Brasil terá início em setembro
2 A AHK-Rio irá oferecer pela primeira vez em 2021um curso de extensão sobre o Hidrogênio como tecnologia do futuro e seu papel chave nas agendas de transição energética, o Curso Online Hidrogênio e Transição Energética
3 Evento: A Economia do Hidrogênio: Cenário Global e Nacional

4 Mesa redonda “Hidrogênio: oportunidades e desafios para o Brasil”

Artigos e Estudos
1 ACS Catalysts: Catalisador para converter amônia em H2
2 Relatório da Earthjustice: Recuperar hidrogênio para um futuro renovável
3 Overview: H2Mobility publica documento com visão sobre reabastecimento de hidrogênio para veículos pesados



 

 

Políticas Públicas e Financiamentos

1 Alemanha-Namíbia: Países unem forças para desenvolvimento do hidrogênio

Os dois países firmaram na quarta-feira (25 de agosto) uma parceria formal para o hidrogênio. Inédito na Namíbia, o acordo permitirá que os dois países realizem estudos de viabilidade para implementar um projeto piloto conjunto de hidrogênio e fortalecer a capacitação de profissionais. Comentando sobre os planos, a Ministra de Educação e Pesquisa, Anja Karliczek, disse: “Acreditamos que a Namíbia tem excelentes chances de sucesso nesta competição. Queremos aproveitar essa chance juntos. Tenho orgulho de que a Alemanha seja o primeiro país a formar oficialmente uma parceria de hidrogênio, com a Namíbia” O Ministério Federal da Pesquisa já se comprometeu a financiar até € 40 milhões do pacote de estímulo econômico à cooperação no âmbito da parceria. (H2 View – 27.08.2021)

<topo>

2 Austrália-Japão: Países unem forças no hidrogênio

A Austrália e o Japão estão se unindo no campo da sustentabilidade, tendo revelado planos ambiciosos para desenvolver uma cadeia de abastecimento de hidrogênio livre de emissões, entre os dois países. A ENEOS Corporation e a Origin Energy compartilharam essas ambições na segunda-feira (23 de agosto) como parte de um esforço que utilizará as instalações de produção de hidrogênio verde da Austrália, em Queensland. Para garantir uma cadeia de abastecimento de hidrogênio altamente eficaz, a dupla conduzirá um estudo colaborativo com uma empresa australiana local. O objetivo é desenvolver um plano para um fornecimento estável e acessível de hidrogênio produzido a partir de energia renovável. Para obter um apoio mais amplo para o estudo, a ENEOS e a Origin explorarão as oportunidades de acesso ao apoio governamental, incluindo o Fundo de Inovação Verde no Japão e o projeto do hub de hidrogênio na Austrália. (H2 View – 26.08.2021)

<topo>

3 China: Pequim apoiará a adoção de veículos de célula a combustível

Pequim, na China, foi escolhida como cidade de demonstração para veículos com célula a combustível hidrogênio (FCVs), já que contém um sistema de apoio financeiro mais desenvolvido para o setor. Com os veículos destinados à capital chinesa, a aceleração da adoção da mobilidade limpa pode aumentar a demanda por eles. Um total de 12 cidades e distritos, representados pelo distrito de Daxing de Pequim, Nova Área de Binhai de Tianjin e a cidade de Baoding de Hebei formaram o aglomerado de cidades de demonstração nesta região. O sistema único de apoio financeiro para FCVs começou a tomar forma em Pequim, com pesquisa e desenvolvimento para as tecnologias-chave. A construção de postos de abastecimento de hidrogênio também está acelerando, além de apoiar a compra de veículos. A capital agora irá intensificar seus esforços para otimizar o sistema de apoio financeiro e fazer uso adequado das permissões nacionais em uma tentativa de impulsionar o desenvolvimento da indústria de hidrogênio. (H2 View – 31.08.2021)

<topo>

4 Estados Unidos: Bill Gates realizará investimento de US $ 1,5 bilhão em tecnologias limpas, incluindo hidrogênio

Bill Gates pretende investir US $ 1,5 bilhão em tecnologias limpas, incluindo hidrogênio, por meio de uma nova parceria com o Departamento de Energia dos EUA (DOE). “O hidrogênio limpo é um grande exemplo de uma tecnologia muito promissora com um alto prêmio verde”, disse o fundador da Microsoft e da Breakthrough Energy ontem (31 de agosto), quando falou no Hydrogen Shot Summit do Departamento de Energia dos EUA. Ele explicou que embora o combustível limpo seja muito promissor, o preço deve ser justo, não apenas para os EUA, mas para o mundo inteiro. “Por meio do financiamento combinado, encontraremos uma maneira de diminuir os custos desses produtos e teremos como objetivo mobilizar US $ 0,5 bilhão aqui nos Estados Unidos para esses projetos nos próximos três anos”, disse Gates. (H2 View – 31.08.2021)

<topo>

5 Estados Unidos: Investimento de US $ 6 bilhões para projetos de hidrogênio são anunciados no Texas

A Big Hill Materials está fornecendo um impulso significativo para a economia do hidrogênio no Texas, EUA, desenvolvendo vários projetos que irão produzir, armazenar e distribuir combustível de hidrogênio. Espera-se que a empresa desenvolva os projetos de hidrogênio ao longo de cinco a sete anos, com um investimento de US $ 6 a US $ 8 bilhões. O combustível produzido a partir desses projetos será utilizado nas exportações, além de ser usado para alimentar turbinas para produzir eletricidade para a rede do Texas. Os projetos incluem: cinco usinas de gás natural para produção de combustível hidrogênio com tecnologia de captura de carbono implementada, dois eletrolisadores, uma unidade de mistura de hidrogênio e carbono e uma unidade de comercialização de combustível. Com iniciativas sendo apoiadas com investimentos significativos, várias fontes de receita para o hidrogênio serão garantidas para criar uma economia eficaz. (H2 View – 31.08.2021)

<topo>

6 Polônia-Grécia-Hungria: Powerhouse Energy implantará hidrogênio com tecnologia de resíduos

A Powerhouse Energy está prestes a implantar sua tecnologia de produção de hidrogênio na Polônia, Grécia e Hungria, com a assinatura de um acordo vinculativo com várias empresas. O contrato de exclusividade da PGH com a Hydrogen Utopia International (HUI) usará a tecnologia DMG® da Powerhouse para produzir hidrogênio a partir de resíduos plásticos. A conversão de resíduos de plástico em gás de síntese e hidrogênio; ajuda a reduzir a poluição do plástico e, ao mesmo tempo, aumenta a produção de hidrogênio nos países selecionados. James Greenstreet, presidente não executivo do Powerhouse Energy Group, disse: “A Powerhouse tem o prazer de assinar este acordo de exclusividade vinculativo com a HUI, que é uma campeã da tecnologia, buscando impulsionar sua implantação na Polônia, Grécia e Hungria. (H2 View – 31.08.2021)

<topo>

 

 

Produção

1 Brasil: EDP vai construir a primeira usina de hidrogênio verde do país

A EDP, empresa de distribuição de energia elétrica, apresentou recentemente um protótipo de usina de hidrogênio verde para ser construída no complexo do Pecém, Ceará. O protótipo vai além do desenvolvimento da usina, pois também desenvolverá a fonte de energia que a alimentará. A empresa planeja construir uma planta movida a energia solar de 3 MW e a mesma fornecerá energia a um eletrolisador que pertencerá a usina. Em termos da quantidade de produção do H2, o eletrolisador poderá produzir até 250 Nm3/h do combustível. No que tange ao investimento, a EDP estima gastar uma quantia de R$ 41,9 milhões. Com previsão para iniciar a operação no final de 2022, esta será a primeira unidade produtora de hidrogênio verde do Brasil. (Valor Econômico – 01.09.2021)

<topo>

2 Brasil: Furnas irá combinar plantas solares fixa e flutuante com produção de hidrogênio

No âmbito do projeto “Desenvolvimento de sinergia entre as fontes hidrelétricas e solar com armazenamento de energias sazonais e intermitentes em sistemas a hidrogênio eletroquímico”, Furnas irá unir a geração de energia solar fixa e flutuante com a produção de hidrogênio verde (H2V), a planta de geração solar terá capacidade de gerar 1 MW e deve ser entregue em novembro deste ano. A energia gerada pela planta será direcionada para o eletrolisador, onde ocorre a produção de H2V, que será armazenado em um cilindro. O H2 armazenado será então convertido novamente em energia elétrica através de uma célula a combustível. O principal objetivo do projeto é avaliar a utilização de H2 para armazenamento de energia no sistema elétrico brasileiro. O projeto também contempla o armazenamento de energia em baterias para comparação. Com esse estudo, a empresa busca respostas mais rápidas para o aumento de carga no sistema elétrico com armazenamento em hidrogênio, além de aumentar a confiabilidade do sistema elétrico com melhor regulação dos parâmetros elétricos. (Petronotícias – 27.08.2021)

<topo>

3 Chile: Empresas se juntam para desenvolver usina de 10 MW de hidrogênio verde

A Enagás, empresa espanhola que atua no setor de energia, a ACCIONA Energía, maior operadora global dedicada exclusivamente às energias renováveis, e a GNL Quintero, que atua no segmento do gás natural liquefeito, se juntaram para realizar um projeto que visa construir uma usina de hidrogênio no Chile. Denominado como “Hidrogênio Verde Bahía Quintero”, o projeto visa a descarbonização local, e, por esse fator, a usina será movida a energia renovável, produzindo então o hidrogênio verde (H2V). A usina terá uma potência nominal de 10 MW e vai produzir aproximadamente 500 toneladas de hidrogênio por ano. Para que o projeto chegue neste nível, o investimento será de 30 milhões de dólares. (H2 View – 27.08.2021)

<topo>

4 Dinamarca: H2 Energy Europe revela planos para planta de hidrogênio verde

A H2 Energy Europe, empresa que atua no segmento do hidrogênio verde (H2V), revelou que pretende desenvolver uma planta Power-to-X em Esbjerg, Dinamarca. A planta contará com eletrolisadores que serão alimentados por energia renovável. Como o H2V será o produto final, pode-se denominar o processo como Power-to-Hydrogen. A planta contará com uma capacidade eletrolítica de 1GW. Já, no que tange ao uso final, o combustível produzido será utilizado no transporte, mais especificamente em caminhões com células a combustível. Espera-se que o projeto esteja totalmente operacional no final de 2024. (H2 View – 31.08.2021)

<topo>

5 Dinamarca: Everfuel irá fornecer hidrogênio verde para células a combustível da TECO 2030

A Everfuel assinou um acordo de cooperação estratégica com a TECO 2030 para o fornecimento de hidrogênio verde às células a combustível e geradores de energia da TECO 2030 em áreas remotas. Como parte do acordo, as empresas desenvolverão soluções que permitirão à Everfuel distribuir e entregar H2V para locais onde os geradores de energia de célula a combustível da TECO 2030 estarão localizados, ou para navios, veículos ou equipamentos da TECO 2030. Pelo acordo, as empresas se concentrarão principalmente em explorar a possibilidade de fornecer energia de forma descentralizada, para projetos fora da rede, onde a Everfuel infraestrutura e capacidade de produzir hidrogênio disponíveis. A intenção é principalmente diminuir a pegada de carbono e reduzir suas emissões, mudando os geradores a diesel para geradores de célula a combustível hidrogênio com emissão zero. (Hydrogen Central – 31.08.2021)

<topo>

6 EUA: Raven SR se junta a projeto que produzirá hidrogênio a partir de resíduos

A Raven SR, empresa que transforma resíduos em combustíveis limpos, anunciou sua colaboração com o projeto da Republic Services, segundo maior fornecedor de serviços de coleta e de resíduos sólidos não perigosos nos Estados Unidos. O objetivo é desenvolver uma planta de hidrogênio totalmente limpo e livre de dióxido de carbono, obtido a partir da transformação de resíduos orgânicos pela tecnologia de reforma de vapor / CO2, na Califórnia. As empresas esperam produzir uma quantidade de 2.000 toneladas métricas de H2 por ano. Além disso, o combustível será utilizado para o âmbito da mobilidade, a fim de diminuir as emissões de dióxido de carbono nesse setor. (Fuel Cells Works – 25.08.2021)

<topo>

7 Japão: Obayashi conclui planta de hidrogênio verde

Obayashi, empresa do segmento de construção civil, concluiu a construção de uma planta de hidrogênio em Kusu-gun, Província de Oita, Japão. A fonte alimentadora da planta é a energia geotérmica, pela qual será produzido o denominado hidrogênio verde (H2V). A planta de demonstração, vai combinar um sistema binário de geração de energia geotérmica com uma potência de 125 kW (transmissão final 120 kW) e um sistema de produção de H2V com uma capacidade de produção de 10 normal metro cúbico (Nm3), dos quais 50 a 60kW serão utilizados para produzir o H2 por geração parcial de energia. O hidrogênio produzido não será apenas destinado à geração de eletricidade, também será utilizado no setor de transporte, para a Toyota, bem como será utilizado para pesquisas e testes de produtos de hidrogênio. (Fuel Cells Works – 26.08.2021)

<topo>

8 Linde diz que vai triplicar a quantidade de produção de hidrogênio limpo até 2028

A Linde investirá mais de US $ 1 bilhão em iniciativas de descarbonização e triplicará a quantidade de produção de hidrogênio limpo até 2028. A gigante do gás industrial estabeleceu em seu Relatório de Desenvolvimento Sustentável de 2020, que está investindo em toda a cadeia de valor do hidrogênio para acelerar a transição para a energia limpa. O hidrogênio cinza e azul são “etapas importantes no caminho para o hidrogênio verde”, afirma o membro do Conselho do Hidrogênio no relatório, pois “permitem o desenvolvimento das estruturas e infraestruturas necessárias enquanto o hidrogênio verde atinge a escala necessária”. A empresa afirma ter a maior capacidade de produção e sistema de distribuição de hidrogênio líquido do mundo e também opera a primeira caverna comercial de armazenamento de hidrogênio de alta pureza. (H2 View – 27.08.2021)

<topo>

9 Noruega: Stord Hydrogen inicia instalação que produzirá hidrogênio verde

Stord Hydrogen, uma nova empresa formada pela Greenstat, Alltec Services, Hydrogen Solutions (HYDS) e impulsionada pela Sustainable Energy Catapult Center, está iniciando uma instalação para produzir hidrogênio na Noruega. A instalação contará com eletrolisadores da Green Hydrogen Systems para a produção do hidrogênio verde (H2V). A partir do sistema inicial a Stord Hydrogen pode produzir 140 toneladas de hidrogênio verde, mas futuramente espera alcançar 400 kg de H2V por dia, uma quantidade suficiente para atender às necessidades de combustível de cerca de 800 automóveis. Além disso, a empresa espera tornar as instalações de teste mais acessíveis e sustentáveis possível e diminuir sua pegada de carbono. (H2 View – 27.08.2021)

<topo>

 

 

Armazenamento e Transporte

1 Austrália: GEV avança no programa de transporte de hidrogênio

A GEV irá aproveitar como modelo, um navio piloto de 430 toneladas a hidrogênio comprimido que a empresa desenvolveu para alavancar o projeto do seu primeiro navio de escala comercial. A empresa teve o prazer de informar aos acionistas que concluiu a engenharia de especificação do navio e um pacote de trabalho foi submetido à ABS (American Bureau of Shipping) para realização de uma AIP (Approval in Principle). A ABS foi formalmente contratada para fornecer um AIP para o navio-piloto, avaliando o projeto em relação aos códigos e padrões internacionais para garantir que não haja grandes problemas de engenharia, regulamentação ou segurança. A GEV está alavancando o programa AIP do navio de 2.000 toneladas, enquanto isso o do navio piloto deve sair até o final do terceiro trimestre de 2021 e, em última instância, ter como alvo as aprovações de classe completa até o final de 2022. (Fuel Cells Works – 25.08.2021)

<topo>

2 Gaussin: Soluções para transporte a hidrogênio

A Gaussin já havia apresentado seu novo veículo 100% autônomo movido a hidrogênio, com braço robótico, para transportes de carga e com emissão zero, neste ano. Esse mês de agosto, a empresa anunciou sua próxima participação na Monaco Yacht Show 2021, a maior feira de iates do mundo, que será realizada de 22 a 25 de setembro. A GAUSSIN escolheu este local, um evento imperdível para grandes construtores e especialistas do setor, para apresentar soluções de propulsão e potência limpas, ecológicas e inovadoras destinadas à indústria naval e náutica. A empresa está ampliando seu modelo de negócios com a assinatura de contratos de licença acelerando a difusão de tecnologia em todo o mundo. Com a aquisição da METALLIANCE, ela confirma o surgimento de um grupo internacional presente em todos os segmentos de veículos inteligentes e limpos. (Gaussin –31.08.2021)

<topo>

 

 

Uso Final

1 Alemanha: DLR e Deutz formam aliança para aplicações de hidrogênio

O Centro Aeroespacial Alemão (Deutsches Zentrum für Luft- und Raumfahrt, DLR) está trabalhando em conjunto com a Deutz para desenvolver soluções para equipamentos de construção e máquinas agrícolas utilizando hidrogênio. Cada equipamento é projetado para realizar tarefas específicas, isso implica que cada equipamento terá consumo de energia, potência, capacidade de combustível e tempo de operação próprio. Nesse contexto, os pesquisadores do DLR Institute of Vehicle Concepts irão trabalhar com a Deutz definindo os parâmetros necessários para tornar os veículos neutros em carbono, considerando aspectos técnicos e comerciais. Também serão levantadas informações, junto aos operadores dos equipamentos, no que se refere a dados do veículo, como: variante da máquina e perfis de carga e uso. Para a próxima fase do projeto, os parceiros irão comparar e avaliar diferentes soluções tecnológicas, com foco em particular na logística de energia para cenários de aplicação selecionados na agricultura e construção. A colaboração entre as duas empresas busca, principalmente, encontrar soluções que minimizem os desafios relacionados ao abastecimento de veículos. Sistemas de abastecimento móveis, inteligentes e conectados são uma abordagem potencial. (Deutz – 26.08.2021)

<topo>

2 Austrália: empresas se comprometem com fabricação de ferro à base de hidrogênio.

A Mitsubishi Heavy Industries (MHI) Australia e a Primetals Technologies, membro do Grupo Mitsubishi Heavy Industries (MHI), se uniram ao Centro de Pesquisa Cooperativa de Transição de Baixo Carbono da Indústria Pesadas (HILT CRC) da Austrália. A parceria das empresas com o centro de pesquisa visa desenvolver tecnologias para descarbonizar o setor industrial pesado da Austrália, alavancar as dotações naturais do país em recursos minerais e de energia limpa e aproveitar a oportunidade de mercados de exportação em crescimento para produtos de baixo carbono certificados. A MHI Australia e a Primetals Technologies irão contribuir financeira e tecnologicamente com este objetivo, concentrando esforços em pesquisa e desenvolvimento de redução direta de minério de ferro à base de hidrogênio. A implementação dessas tecnologias pode levar o país a se tornar um grande exportador de ferro com baixo teor de carbono e ajudar a cumprir as metas do Acordo de Paris. (Mitsubishi Heavy Industries – 25.08.2021)

<topo>

3 Austrália: Estação de energia hidrogênio-gás é essencial para o Estado de Nova Gales do Sul

O projeto de uma estação de energia hidrogênio-gás de US $1,3 bilhão, proposta para ser construída no Porto de Kembla, Austrália, foi declarada infraestrutura significativa de estado crítico. Isso significa que a usina de energia é um projeto de infraestrutura de alta prioridade, essencial para o estado, seja por razões econômicas, sociais ou ambientais. O Ministro do Planejamento e Espaços Públicos, Rob Stokes, declarou que a usina proposta será capaz de produzir até 635 MW de eletricidade sob demanda e criaria 700 empregos na sua construção. Se aprovado, o projeto terá uma contribuição relevante na matriz energética de Nova Gales do Sul e será vital para alcançar uma economia baseada em emissões de carbono. Segundo o Ministro de Energia e Meio Ambiente, Matt Kean, a usina se comprometeu a usar até 30% de hidrogênio verde (H2V) e se aprovada criará uma demanda precoce para descarbonizar a indústria pesada do estado. (NSW Government – 27.08.2021)

<topo>

4 EUA: Toyota montará módulos de célula a combustível na fábrica de Kentucky

A Toyota está se preparando para expandir seu portfólio de produtos. A partir de 2023, iniciará a montar módulos integrados de célula a combustível dupla, que podem fornecer até 160 kW de potência contínua na Toyota Motor Manufacturing Kentucky (TMMK). Os módulos serão destinados ao uso em caminhões pesados movidos a hidrogênio e permitirão aos fabricantes dos caminhões incorporar tecnologia elétrica de célula a combustível em plataformas existentes da Toyota. A empresa também oferecerá sua experiência em integração de trem de força, ajudando os fabricantes de caminhões a adaptar esses sistemas de transmissão sem emissões a uma ampla variedade de aplicações no setor de caminhões. (Toyota – 25.08.2021)

<topo>

5 Irlanda testa ônibus a hidrogênio na frota de transporte

O Departamento de Transporte da Irlanda, em conjunto com a Bus Éireann, Go-Ahead Ireland, BOC Gas, and Byrne Ó Cleirigh, está testando um ônibus a hidrogênio. Os testes serão a fase final do Teste de Ônibus de Baixa Emissão do Departamento de Transporte. Os testes estão sendo realizados em uma rota de ônibus modificada com objetivo de simular condições reais de direção e examinar as emissões e a eficiência energética do veículo. Também será realizada uma avaliação dos custos e requisitos de infraestrutura. Os testes irão fornecer uma visão prática sobre a operação e o impacto da tecnologia de hidrogênio e permitirão ao departamento avaliá-la juntamente com outras tecnologias de ônibus testadas anteriormente. Os resultados farão parte do processo de tomada de decisão para contribuir com a transição da frota de transporte público para combustíveis e tecnologias de baixa emissão. O relatório da primeira fase foi publicado em fevereiro de 2020, para acessá-lo, clique aqui. (gov.ie – 24.08.2021)

<topo>

6 Octopus Hydrogen irá fornecer hidrogênio verde para a ZeroAvia

A ZeroAvia lidera o projeto HyFlyer II, um programa apoiado pelo governo do Reino Unido para desenvolver um trem de força com célula a combustível elétrico-hidrogênio de 600 kW que irá alimentar uma aeronave de 19 assentos com 500 milhas náuticas de alcance. No âmbito do HyFlyer II, a ZeroAvia firmou uma parceria com a Octopus Hyrdrogen. A Octopus irá fornecer 100% de hidrogênio verde (H2V) para o centro de P&D da ZeroAvia no Aeroporto de Cotswold em Kemble durante os testes, certificação e primeiras operações comerciais do HyFlyer II. A empresa irá fornecer mais de 250 kg de H2 por dia em alta pressão para a unidade de abastecimento móvel da ZeroAvia. (Zero Avia – 26.08.2021)

<topo>

7 Reino Unido: Testes para a fabricação de vidro a hidrogênio estão em andamento

No Reino Unido, o setor industrial é responsável por cerca de 25% das emissões de gases do efeito estufa (GEE), indicando a necessidade de descarbonização. Porém, descarbonizar a indústria de uso intensivo de energia como a de vidro, é um dos desafios atuais mais difíceis. No entanto, no âmbito do projeto “HyNet Industrial Fuel Switching”, liderado pela Progressive Energy, estão ocorrendo testes para a fabricação de vidro 100% a hidrogênio, para substituir o uso do gás natural, contribuindo para minimizar as dificuldades de descarbonizar o setor industrial. Os testes estão sendo realizados nas instalações de St Helens da Pilkington. O projeto HyNet será capaz de remover 10 milhões de toneladas de carbono de todo o Noroeste da Inglaterra e Nordeste do País de Gales a cada ano. (HyNet – 25.08.2021)

<topo>

 

 

Tecnologia e Inovação

1 Alemanha: Pesquisadores querem reduzir custos de fabricação de eletrolisadores em mais de 25%

Pesquisadores da Fraunhofer Society (Fraunhofer-Gesellschaft) na Alemanha estão cooperando para melhorar os processos de produção de eletrolisadores e reduzir seus custos de produção. O projeto de quatro anos de duração pretende construir uma biblioteca digital de processos de fabricação de eletrolisadores. Espera-se que seja possível explicitar os custos de investimento e até mesmo o retorno de investimento com antecedência, dependendo do volume de produção planejado. Dessa forma, objetiva-se reduzir os custos de produção em mais de um quarto. O projeto está sendo realizado pelo Fraunhofer IWU contando com a contribuição do Fraunhofer Institute for Production Technology IPT in Aachen; Fraunhofer Institute for Manufacturing Engineering e Automation IPA. Além disso, o financiamento de € 22 milhões foi disponibilizado pelo governo federal por meio do projeto de hidrogênio H2Giga. (PV Magazine – 27.08.2021)

<topo>

2 Austrália: Cientistas decidem pesquisar o uso de águas residuais para eletrólise de hidrogênio verde

A Austrália tem sol, vento e espaço para se tornar uma das superpotências mundiais de exportação de hidrogênio verde nas próximas décadas. No entanto, a disponibilidade de água doce ainda é restrita. Por isso, pesquisadores da Monash University, em parceria com empresas nacionais de água, estão estudando formas de utilizar águas residuais para produzir hidrogênio verde, por meio da eletrólise, de forma ainda mais sustentável. “Ainda existe uma lacuna de conhecimento sobre como as impurezas afetam o projeto do eletrolisador de água e a operação do processo”, disse o Dr. Arash Zamyadi. “Por meio desta pesquisa, esperamos desenvolver uma compreensão aprofundada dos impactos das impurezas da água no desempenho e na durabilidade dos eletrolisadores e, posteriormente, desenvolver diretrizes para o projeto de eletrolisadores altamente duráveis e a operação e atualização de estações de tratamento de águas residuais existentes”. Os resultados deste projeto têm a capacidade de contribuir para o mercado global de exportação de hidrogênio. (Monash University – 18.08.2021)

<topo>

3 Espanha: Consórcio quer simplificar produção de hidrogênio por fotoeletrocatálise

Após quase uma década de trabalho, uma equipe de pesquisadores das empresas energéticas espanholas Repsol e Enagás conseguiu desenvolver uma tecnologia pioneira para a produção de hidrogênio renovável a partir de um processo denominado fotoeletrocatálise. O aparelho recebe radiação solar direta e com um material fotoativo gera as cargas elétricas que causam a separação da molécula de água em hidrogênio e oxigênio. O consórcio lançou a primeira prova de conceito de célula fotoeletroquímica em novembro de 2020 e já instalou uma planta piloto de 1 m2 no Laboratório de Tecnologia da Repsol, em Móstoles. O próximo passo será a construção de uma planta de demonstração no complexo industrial que a Repsol possui em Puertollano, no centro de Espanha. A tecnologia deve atingir a maturidade comercial antes de 2030. (Repsol)

<topo>

 

 

Eventos

1 AHK Brasil: Projeto H2 Brasil terá início em setembro

No dia 26 de agosto, a AHK (Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha) realizou o 1º dia do evento “Inovações em Energias Renováveis”. O evento teve como objetivo intensificar a parceria entre o Brasil e Alemanha, apresentando as principais atividades e tecnologias existentes, projetos alemães e brasileiros em desenvolvimento e apresentação de como empresas, institutos de pesquisa e órgãos governamentais brasileiros podem trabalhar em cooperação com instituições alemãs. Durante o evento, Bernd dos Santos Mayer, da Gesellschaft für Internationale Zusammenarbe (GIZ), apresentou o escopo do Projeto H2 Brasil que está sendo realizado em parceria com o Ministério de Minas e Energia e a GIZ. O objetivo principal do projeto é aprimorar as condições jurídicas, institucionais e tecnológicas para a criação de uma economia de hidrogênio verde (H2V) no Brasil. Os objetivos específicos do projeto incluem o apoio a estudos que abordam diferentes cenários de planejamento para a produção e uso final de hidrogênio; apoio a estudos de benchmarking internacional, elaboração de sistemas de certificação de H2; apoio ao Programa Nacional de Hidrogênio (PNH2); promoção de campanhas de sensibilização em meio de comunicação; promoção de uma competição em inovação de H2V; criação de hubs de educação em temas relacionados ao hidrogênio e criação de clusters de hidrogênio. Bernd também destacou que o início do Projeto H2 Brasil está previsto para iniciar em setembro deste ano. Para assistir ao evento, clique aqui. (GESEL – IE – UFRJ – 26.08.2021)

<topo>

2 A AHK-Rio irá oferecer pela primeira vez em 2021um curso de extensão sobre o Hidrogênio como tecnologia do futuro e seu papel chave nas agendas de transição energética, o Curso Online Hidrogênio e Transição Energética

O currículo do curso foi concebido por especialistas e pesquisadores da GESEL/UFRJ e PUC-RIO, e tem como objetivo oferecer conhecimentos técnicos, regulatórios, econômicos, financeiros e ambientais sobre a economia do hidrogênio, com o olhar voltado às oportunidades e tendências do mercado internacional e nacional. O curso síncrono ocorrerá através da plataforma Ms Teams, no período de 4 semanas, com encontros segundas-feiras e quartas-feiras de 18hrs às 20hrs, a partir do dia 20 de setembro. Para se inscrever, clique aqui. (AHK- agosto de 2021)

<topo>

3 Evento: A Economia do Hidrogênio: Cenário Global e Nacional

O hidrogênio verde é considerado a fonte de energia sustentável do futuro, o principal pilar da transição energética. Com aumento da aplicação das Energias Renováveis globalmente e a valorização de agentes que possuem metas de descarbonização, a Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha do Rio de Janeiro (AHK Rio), no âmbito da Aliança para o Hidrogênio Verde em associação com o Grupo de Estudos do Setor Elétrico (GESEL/ UFRJ) promove de forma gratuita o Evento: A Economia do Hidrogênio: Cenário Global e Nacional. O evento irá acontecer de forma online, no dia 14/09/21, as 10:00 na plataforma Zoom. Para participar, se inscreva aqui. (AHK- agosto de 2021)

<topo>

4 Mesa redonda “Hidrogênio: oportunidades e desafios para o Brasil”

No dia 01 de setembro ocorreu a mesa redonda da série “Hidrogênio: oportunidades e desafios para o Brasil”, promovida pelo PRH-3.1 EQ/PEQ-COPPE/UFRJ. O objetivo da mesa redonda foi discutir quais as iniciativas e motivações do governo, empresas e universidades para auxiliar no desenvolvimento do uso do hidrogênio no Brasil e demonstrar como esses três entes podem atuar para enfrentar os principais gargalos tecnológicos, logísticos e regulatórios. Além disso, foi discutido o potencial brasileiro para o uso não somente do hidrogênio verde, como também de outras cores, e como congregar o seu uso com outros biocombustíveis, para gerar produtos de maior valor agregado. A mesa redonda contou com a presença dos seguintes palestrantes: Profa. Mariana Mattos (EQ/UFRJ), Jurandir Picanço Jr. (CSRenováveis/CE), Ansgar Pinkowski (AHK-RIO), Prof. Nivalde de Castro (IE/UFRJ), Samira Sana Fernandes de Sousa Carmo (MME) e com a moderação de Alexandre Basto Oliveira (EPE). O evento está disponível no YouTube da Escola de Química. (Escola de Química – agosto de 2021)

<topo>

 

 

Artigos e Estudos

1 ACS Catalysts: Catalisador para converter amônia em H2

Em um estudo recente publicado na ACS Catalysts, uma equipe de pesquisadores da Tokyo Tech, liderada pelo professor associado Masaaki Kitano, descreveu uma solução para superar os problemas enfrentados pelos catalisadores baseados em Ni na conversão de H2. A equipe descobriu que a presença de CaNH auxilia na formação de vacâncias na superfície do catalisador. Essas espécies ativas resultaram na melhora do desempenho catalítico do Ni/CaNH em temperaturas de reação inferiores em 100 °C às necessárias para reações que ocorrem com catalisadores apenas à base de Ni. Os pesquisadores também desenvolveram modelos computacionais e estudos de determinação isotópica para entender o que está acontecendo na superfície do catalisador. Os cálculos propuseram um mecanismo de Mars-van Krevelen que envolveu a adsorção de amônia na superfície do CaNH, ativação nos sítios com formação de vacâncias de NH2-, formação de nitrogênio e gás hidrogênio e, finalmente, regeneração de sítios das vacâncias promovidos por nanopartículas de Ni. O catalisador Ni / CaNH é altamente ativo e durável, podendo ser implantado com sucesso para a geração de gás hidrogênio a partir da amônia. Para ler o artigo completo, clique aqui. (Gulf Energy – agosto de 2021)

<topo>

2 Relatório da Earthjustice: Recuperar hidrogênio para um futuro renovável

Um novo relatório denominado “Recuperando o hidrogênio para um futuro renovável”, produzido pela Earthjustice, estuda e aborda algumas questões sobre o hidrogênio. Primeiramente, foi observado que produzir o hidrogênio verde é essencial para a descarbonização e para a transição energética e que países como EUA necessitam bruscamente desse combustível produzido de forma renovável para substituir a produção do hidrogênio cinza. No entanto, também foi notado que a maior parte da produção do hidrogênio atual ocorre a partir de combustíveis fósseis, gerando gases de efeito estufa, o que vai totalmente contra a meta da transição energética. Apenas 1% do hidrogênio é atualmente produzido usando energia renovável. Por fim, o relatório destaca os setores que o hidrogênio não deve ser utilizado: na rede elétrica e em veículos. (Earthjustice – agosto de 2021)

<topo>

3 Overview: H2Mobility publica documento com visão sobre reabastecimento de hidrogênio para veículos pesados

A H2 MOBILITY publicou, este mês, documento baseado no know-how dos seus especialistas interno, destinado a iniciar uma discussão sobre as tecnologias de hidrogênio disponíveis para reabastecimento de veículos pesados. O documento foi anunciado em um webinar no dia 25 de agosto deste ano. O artigo pretende orientar empresas de logística que buscam mudar para alternativas de emissão zero, os fatores de consideração mais importantes para o hidrogênio são os horários convenientes de reabastecimento, a carga útil, o alcance e os custos relacionados aos seus casos de uso específicos. A H2 Mobility tem construído uma infraestrutura básica para veículos leves e médios na Alemanha e está se dedicando agora a discutir o uso de hidrogênio livre de emissões também no transporte de cargas pesadas. (H2 Mobility – agosto de 2021)

<topo>


Equipe de Pesquisa UFRJ
Editor: Prof. Nivalde J. de Castro (nivalde@ufrj.br)
Subeditores: Fabiano Lacombe, Luiza Masseno e Sayonara Andrade Elizário
Pesquisadores: Allyson Thomas,
José Vinícius S. Freitas, Kalyne Silva Brito e Luana Oliveira 
Assistente de pesquisa: Sérgio Silva

As notícias divulgadas no IFE não refletem necessariamente os pontos da UFRJ. As informações que apresentam como fonte UFRJ são de responsabilidade da equipe de pesquisa sobre o Setor Elétrico do Instituto de Economia da UFRJ.

POLÍTICA DE PRIVACIDADE E SIGILO
Respeitamos sua privacidade. Caso você não deseje mais receber nossos e-mails,  Clique aqui e envie-nos uma mensagem solicitando o descadastrado do seu e-mail de nosso mailing.


Copyright UFRJ

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: