IFE.ME 67

Informativo Eletrônico – Mobilidade Elétrica nº 67 – publicado em 27 de julho de 2021.

IFE: Informativo Eletrônico de Mobilidade Elétrica – GESEL-UFRJ <!–

l

IFE: nº 67 – 27 de julho de 2021
http://gesel.ie.ufrj.br/
gesel@gesel.ie.ufrj.br

Editor: Prof. Nivalde J. de Castro

Índice

Políticas Públicas e Regulatórias
1
UE: imposições para a criação de estações de recarga no continente
2 UE: proposta de expansão da infraestrutura de recarga
3 Índia: metas e incentivos para a eletrificação
4 Espanha: mega investimento de operadores de postos de recarga até 2030
5 Espanha: novas motocicletas elétricas da Polícia Nacional

Inovação e Tecnologia
1 Electric Brands lança VE capaz de ser configurado de diversas maneiras
2 Carro neutralizador de agentes poluentes pode ser realidade em breve
3 L-Charge: o mais potente carregador móvel para VEs do mundo
4 Lightyear One iniciará produção na Finlândia em 2022
5 BMW: Tecnologia transforma híbridos em elétricos nas zonas de baixas emissões
6 Batalha de inovação de veículos elétricos alarga-se aos carros autônomos

Indústria Automobilística
1 Toyota: apostas para o mercado do Brasil
2 Toyota: células de hidrogênio a etanol ainda apresentam elevados custos
3 Taxa de participação de VEs na Europa dobra em um ano

4 UE: dinâmica de transição da indústria automobilística para os VEs

5 Mercedes-Benz vai desenvolver apenas VEs a partir de 2025

6 Suzuki entra no mercado dos VEs

7 Presença da Suzuki no mercado indiano

8 Suzuki e Daihatsu entram em joint venture de elétricos da Toyota
9 Espanha: vendas de carros elétricos subiram 290% em junho

Meio Ambiente
1 UPM: Estudo faz uma análise comparativa do ciclo de vida de diferentes veículos
2 ICCT: emissões de VEs são comprovadamente mais baixas em relação aos veículos à combustão interna
3 Pão de Açúcar anuncia entregas elétricas

Outros Artigos e Estudos
1 Fundador da WebMotors mira VEs
2 Bateria ainda representa o maior custo dos VEs, mas preços estão em queda
3 CPFL: Planos de investimentos na área da ME
4 CPFL: Parcerias nos projetos de ME

5 CPFL: Projeto de P&D Ônibus Elétrico
6 CPFL: Projeto de eletrificação das frotas em Indaiatuba
7 É possível carregar um carro eletrificado com painéis solares em casa?


 

 

Políticas Públicas e Regulatórias

1 UE: imposições para a criação de estações de recarga no continente

A Comissão Europeia quer que as estações de recarga para carros elétricos aumentem na Europa. O órgão deixou isso claro nos últimos dias, quando apresentou o pacote de reformas “Fit for 55”, com o qual pediu a suspensão dos novos registros de carros a gasolina e diesel a partir de 2035. O texto inclui também, entre outras coisas, a revisão do Dafi, uma diretiva relativa às infraestruturas para combustíveis alternativos, que estabelece novas obrigações para os Estados-membros da União Europeia. Para reforçar tudo, existe também o fato de as regras atualizadas poderem dar um “salto qualitativo”, dando vida a um verdadeiro regulamento europeu, que os Estados deveriam, portanto, implementar como for determinado. (Inside EVs – 19.07.2021)

<topo>

2 UE: proposta de expansão da infraestrutura de recarga

A proposta apresentada pelo executivo da UE exige que os Estados garantam, no final de cada ano e cumulativamente, um nível mínimo de aumento da potência disponível em seus territórios para recarga para cada carro totalmente elétrico ou híbrido plug-in vendido. Ao longo da rede central RTE-T (eixo das rodovias mais importantes do continente) deve haver, pelo menos a cada 60 km e em ambos os sentidos, ao menos uma estação de carregamento que, segundo o roteiro, deve ter essas características: pelo menos 300 kW de potência para automóveis (1.400 kW para caminhões), dos quais pelo menos 150 kW serão reservados para um único ponto de recarga (350 kW para caminhões), até o final de 2025; pelo menos 600 kW de potência para carros (3.500 kW para caminhões), dos quais pelo menos 150 kW serão reservados para dois pontos de recarga cada (350 kW para caminhões), até o final de 2030. A situação é semelhante para a rede RTE-T global (não central). A cada 60 km e em ambos os sentidos, deve haver pelo menos uma estação de carregamento com: pelo menos 300 kW de potência para automóveis (1.400 para caminhões), dos quais pelo menos 150 serão reservados para um único ponto de recarga (350 para caminhões), até o final de 2030; pelo menos 600 kW de potência para carros (3.500 para caminhões), dos quais pelo menos 150 serão reservados para dois pontos de recarga cada (350 para caminhões), até o final de 2035. Para veículos pesados também existem regras específicas sobre as estações instaladas na cidade e nos estacionamentos que ficam nas rodovias. Este último deve ser reconhecível por meio de sinais de trânsito específicos. (Inside EVs – 19.07.2021)

<topo>

3 Índia: metas e incentivos para a eletrificação

A Índia tem como meta que 30% dos carros vendidos sejam elétricos até 2030. Para isso, o governo ofereceu incentivos aos compradores, no valor total de 100 bilhões de rúpias (US$ 1,3 bilhão) em um período de três anos a partir de 2019 O governo indiano decidiu em junho estender as medidas de incentivo por mais dois anos. (Valor Econômico – 21.07.2021)

<topo>

4 Espanha: mega investimento de operadores de postos de recarga até 2030

As atuais infraestruturas de acesso público na Espanha somam cerca de 12.000 pontos de carregamento, 85% correspondem a pontos de carregamento alternados e 15% a contínuos, e envolveram investimentos já executados de cerca de 110 milhões de euros, aos quais são adicionados investimentos já empenhados de cerca de 45 milhões de euros em infraestruturas pendentes de conclusão dos demais procedimentos administrativos para sua instalação ou operação. Da mesma forma, em um cenário de forte impulso para a eletrificação da mobilidade, com o objetivo de atender 5 milhões de carros 100% elétricos até 2030, o número-alvo de pontos de carregamento de acesso público seria de 340 mil. Dessa forma, os investimentos por operadores de ponto de recarga subirão para mais de 3.000 milhões de euros até 2030, dado o aumento esperado na instalação de pontos de carregamento rápido e de alta potência, o que equilibrará a implantação de pontos de carregamento em AC e DC para aproximadamente 50%. (Movilidad Electrica – 16.07.2021)

<topo>

5 Espanha: novas motocicletas elétricas da Polícia Nacional

A Polícia Nacional da Espanha apresentou 22 novas motocicletas elétricas que incorporam a frota de veículos policiais, adquiridas no âmbito das diferentes ações que a Polícia Nacional lançou em 2020. Todas essas medidas “visam a modernização da frota de carros policiais em seu progresso em direção à transição ecológica e à progressiva descarbonização da frota”, segundo nota. As novas motocicletas serão distribuídas nos próximos dias entre as Unidades de Prevenção e Reação (UPR) de várias cidades espanholas: Santiago de Compostela, Granada, Las Palmas de Gran Canaria, Madrid, Oviedo, Palma de Mallorca, Santa Cruz de Tenerife, Sevilha, Valência e Zaragoza. Para eletrificar parte de sua frota de veículos, foi escolhido o La Zero DRS, um modo elétrico capaz de atingir 100 km/h a partir de um ponto de parada em apenas 3,3 segundos. O Zero DRS são motocicletas movidas por um motor elétrico que desenvolve potência nominal de 30 cv. A implantação dessa frota de motocicletas elétricas para a Polícia Nacional, além de ajudar a melhorar o ar nas cidades, deve contribuir para a conscientização do cidadão de um novo modelo de mobilidade mais sustentável, contribuindo com seu exemplo a Polícia Nacional, como parte da Administração Geral do Estado. (Movilidad Electrica – 05.07.2021)

<topo>

 

 

Inovação e Tecnologia

1 Electric Brands lança VE capaz de ser configurado de diversas maneiras

A startup alemã Electric Brands projetou um produto que deve agitar o mercado de veículos elétricos a partir de 2022. Trata-se do XBus, um veículo 100% elétrico e modular que pode ser configurado de diversas maneiras para atender a seus clientes, desde um simples automóvel de passeio até um motorhome completo com leitos e todo o conforto. Ainda que seja bem pequeno, ele pode levar até mil quilos de carga, o suficiente para o acoplamento de um trailer. Para carregar tamanho peso, o torque disponibilizado pelos motores elétricos do veículo impressiona: são 101,6 kgf/m. Com tamanha força, o XBus também pode ser configurado como um furgão simples para levar passageiros e cargas variadas, ou até mesmo uma picape. Nesse caso, os quatro motores elétricos podem atingir os 75cv, fazendo com que o passeio seja levado em uma velocidade de carro convencional, mas sempre com o torque imediato, o que traz uma sensação de dirigir bem ágil, como se pode ver em outros carros elétricos. Para alimentar toda essa versatilidade e força, o XBus será equipado, inicialmente, com uma bateria de 10 kWh, o que lhe garante uma autonomia de 200 km. Mas, segundo o portal Click Petróleo e Gás, a fabricante alemã promete versões com até 600 km de autonomia no futuro, independentemente da configuração escolhida pelo cliente. A Electric Brands já disponibilizou encomendas do XBus em seu site oficial para toda a Europa, com preços partindo de € 18.070 na configuração Freedom. Seu lançamento está marcado para 2022. (Canaltech – 19.07.2021)

<topo>

2 Carro neutralizador de agentes poluentes pode ser realidade em breve

Durante o Goodwood Festival of Speed, famoso evento automotivo do Reino Unido, foi mostrado um protótipo de carro elétrico chamado Airo, que além de apresentar zero emissão, funciona com um neutralizador de agentes poluentes. Ainda em desenvolvimento, mas já com lançamento marcado para 2023, o Airo será fabricado pela montadora chinesa IM Motors. De acordo com a BBC, além de o Airo ser 100% elétrico, sua contribuição para o meio ambiente será muito significativa por conta de seu filtro de ar frontal, que deve colher o equivalente a uma bola de tênis de poluentes por ano. De acordo com o designer, que vai trabalhar em conjunto com a IM Motors, a produção estimada é de um milhão de unidades somente na China, já que não há previsão para que o Airo migre para outros mercados. O veículo terá um preço estimado de cerca de £40.000, o equivalente a R$ 289 mil. (Canaltech – 13.07.2021)

<topo>

3 L-Charge: o mais potente carregador móvel para VEs do mundo

No início de julho, a empresa russa L-Charge lançou o carregador móvel para veículos elétricos mais potente do mundo. O proprietário do carro elétrico poderá carregá-lo sem sair de casa, chamando uma minivan da empresa com uma bateria interna. A tecnologia é promissora, já que os automóveis elétricos crescem rapidamente em quantidade pelo mundo afora, devendo chegar aos 400 milhões até o final da década. “Esta tendência impulsiona o desenvolvimento de infraestrutura. Hoje, no mundo todo, existem apenas carregadores fixos para carros elétricos, e não há outras empresas desenvolvendo carregadores móveis”, diz o diretor da L-Charge, Dmítri Láchin. O carregador fixo leva entre 8 e 24 horas para carregar totalmente um Tesla, enquanto seu carregador móvel precisa de apenas oito minutos. “A British Petroleum declarou que seria mais fácil comprar a tecnologia russa ou abrir um parque de carros nossos que criar sua própria tecnologia do zero. Os franceses também já estão interessados em criar um parque de minivans L-Charge”, diz Láchin. De acordo com ele, um quilowatt-hora custará entre US$ 0,4 e US$ 0,6. O cliente poderá solicitar a recarga por meio de um aplicativo para smartphone. “O aplicativo da L-Charge funcionará como o Uber. Você chama e a nossa minivan vem o quanto antes carregar seu carro elétrico”, acrescentou Láchin. Uma minivan com carregador da L-Charge custa cerca de US$ 150 mil. (Russia Beyond – 19.07.2021)

<topo>

4 Lightyear One iniciará produção na Finlândia em 2022

A startup holandesa Lightyear lançará seu primeiro carro movido a energia solar na Finlândia. Para esse fim, a empresa se fundiu com a Valmet Automotive. Em janeiro de 2022, o primeiro veículo elétrico Lightyear One deve sair da linha de produção na Finlândia. No verão do próximo ano, a Lightyear planeja produzir cerca de mil carros para os consumidores. O custo de um será de cerca de US $ 165 mil. A Valmet Automotive tem a experiência necessária para produzir veículos elétricos desta classe, disse Lightyear. Além disso, o fabricante possui sua própria linha de produção de baterias. A Lightyear está atualmente conduzindo os testes finais do One. Em testes práticos recentes, o carro percorreu uma distância de 710 km com uma única carga de uma bateria de 60 kWh. Durante o teste em um ciclo de direção completo, o protótipo se moveu a uma velocidade de 85 km/h. De acordo com Lightyear, o One será muito eficiente em termos de energia e será capaz de gerar cerca de 12 km por hora com seus painéis solares no telhado. Até o momento, a Lightyear levantou mais de US $ 100 milhões em investimentos. Ao mesmo tempo, três quartos desse financiamento caíram no primeiro semestre de 2021. Em abril, a empresa assinou um acordo com a fabricante japonesa de pneus Bridgestone e, no início de julho, publicou testes mostrando que a Lightyear está de fato estabelecendo metas ambiciosas para veículos movidos a energia solar. (Avalanche Notícias – 20.07.2021)

<topo>

5 BMW: Tecnologia transforma híbridos em elétricos nas zonas de baixas emissões

Em todo o mundo, cada vez mais cidades estão adotando zonas onde o trânsito é proibido na totalidade ou é permitido apenas de forma limitada. Neste contexto, a BMW desenvolveu o BMW eDriveZones, uma nova tecnologia que permite aos veículos híbridos plug-in passar automaticamente para o modo elétrico assim que entram numa zona de baixas emissões nas cidades. O sistema inovador tem como principal objetivo diminuir os níveis de emissões poluentes nas áreas urbanas. Esta inovação está sendo desenvolvida pela equipa da Critical TechWorks em Portugal, em coordenação com a equipa da BMW em Munique. A tecnologia já chegou a Portugal, de acordo com a nota de imprensa emitida pela marca alemã, este sistema inteligente já está disponível nas cidades de Braga, Porto e Lisboa. A nota da empresa refere ainda que o sistema está disponível nos modelos BMW 330e, BMW 745e, BMW X5 xDrive45e e BMW 530e. (Multinews – 13.07.2021)

<topo>

6 Batalha de inovação de veículos elétricos alarga-se aos carros autônomos

A indústria de automóveis desdobra-se em esforços e investimentos para garantir que os seus modelos elétricos são melhores do que os da concorrência, visando a atração de mais compradores. Contudo, tal aposta não é novidade, levando os fabricantes a concentrarem-se nas baterias, na concepção de sistemas com menores consumos e em veículos mais eficientes. Os construtores mais visionários já começaram a investir na próxima “moda”. A General Motors, por exemplo, revelou que os 27 mil milhões de dólares anunciados em novembro de 2020, como a verba preparada para investimentos na tecnologia ao serviço dos veículos elétricos e autônomos, iria ser revista em alta. Apenas sete meses depois, o construtor norte-americano está disposto a reforçar a verba anterior em 30%, preparando-se assim para investir 30 mil milhões de dólares, cerca de 25,1 mil milhões de euros. Mas a novidade é o destaque que a GM está a colocar na condução autônoma, consciente que, futuramente, será muito complexo circular dentro das grandes cidades. Isto vai acelerar as limitações à deslocação de veículos particulares, o que vai tornar fundamental a existência de carros que possam deixar os seus proprietários no local da reunião ou do almoço e, depois, seguirem sozinhos à procura de um local onde estacionar, para posteriormente voltarem atrás quando solicitados. A condução autônoma será igualmente necessária para meios de transporte públicos, a funcionar como autocarros ou shuttles, similares aos que a GM está a desenvolver. (Observador – 25.06.2021)

<topo>

 

 

Indústria Automobilística

1 Toyota: apostas para o mercado do Brasil

O presidente da Toyota da América Latina e Caribe, Masahiro Inoue, informou mais detalhes sobre os planos da montadora para a neutralidade em emissões de CO2 e também para a transição energética, que inclui veículos elétricos e hidrogênio, mas continua apostando nos híbridos e híbridos plug-in. Se direcionando especificamente ao Brasil, o presidente da Toyota afirmou que a propulsão híbrida é a melhor opção para eletrificar o mercado brasileiro. Graças ao carro híbrido flex desenvolvido pela montadora, é possível aproveitar os benefícios ambientais do etanol e ao mesmo tempo deixar de lado os investimentos em redes de recarga para VEs. O executivo, citou o exemplo da Índia, que tem um enorme interesse nesta tecnologia e não possui uma infraestrutura adequada para implantá-la, o que poderia trazer ao Brasil um leque de oportunidades. Em relação ao lançamento de um novo carro híbrido flex para o mercado brasileiro, o executivo afirmou que a Toyota, mundialmente, oferecerá elétricos, sejam híbridos, híbridos plug-in ou com células de hidrogênio. No mercado nacional, chegará um carro híbrido flex pequeno. Ainda é cedo para afirmar com total certeza qual seria o próximo compacto híbrido flex. Entretanto, considerando as opções da montadora, há uma grande possibilidade de ser o Toyota Yaris, que teria que passar por uma mudança na estrutura para se tornar híbrido. Além desse, outro que tem uma grande possibilidade de chegar é o Toyota Raize, que inicialmente seria importado e logo após produzido localmente. (Click Petróleo e Gás – 20.07.2021)

<topo>

2 Toyota: células de hidrogênio a etanol ainda apresentam elevados custos

Segundo o presidente da Toyota da América Latina e Caribe, Masahiro Inoue, em relação às células de hidrogênio a etanol, uma tecnologia que vem sido desenvolvida por outras montadoras, o executivo afirma que é algo atraente, mas os custos de seu desenvolvimento são elevados. Também afirmou que a previsão de ver o Brasil produzindo hidrogênio verde a um custo razoável é de 15 a 20 anos. (Click Petróleo e Gás – 20.07.2021)

<topo>

3 Taxa de participação de VEs na Europa dobra em um ano

A taxa de participação de mercado dos veículos elétricos dobrou na Europa nas vendas de carros novos no segundo trimestre do ano, anunciou nesta sexta-feira a Associação Europeia de Fabricantes de Automóveis (ACEA). Os carros totalmente elétricos representaram 7,5% das vendas de carros novos na Europa, contra 3,5% no segundo trimestre de 2020. As vendas superaram 210.000 (+231,6%), com forte alta na Alemanha, Espanha, Áustria e Bélgica. Fora da UE, Reino Unido e Noruega também registraram aumento expressivo das vendas de VEs. Os híbridos representam 19,3% do mercado, atrás dos carros a diesel (20,4%, contra quase 30% em 2020). Os híbridos plug-in representam 8,4% do mercado, impulsionados pelas fortes vendas na Itália. Muitas montadoras apostam nos elétricos e prometeram eliminar os motores a combustão de suas marcas até 2030, enquanto algumas marcas querem ser 100% elétricas a partir de 2030, como Volvo e Opel (Grupo Stellantis). (Isto É – 23.07.2021)

<topo>

4 UE: dinâmica de transição da indústria automobilística para os VEs

Diversos países europeus planejam proibir as vendas de novos veículos com motores de combustão interna até 2035. Dessa forma, as empresas da indústria automobilística estão cada vez mais percebendo que podem se tornar obsoletas, aumento, assim, os esforços em direção à uma mudança para veículos elétricos. A BMW Group estabeleceu uma meta relativamente baixa, com objetivo de ter pelo menos 50% das vendas a serem “eletrificadas” até 2030. A Daimler, empresa por trás da Mercedes-Benz, anunciou anteriormente que eliminaria gradualmente os carros da ICE até 2039. A Ford diz que até 2030, todos os seus veículos de passageiros vendidos na Europa serão totalmente elétricos. Também afirma que dois terços de seus veículos comerciais serão elétricos ou híbridos até o mesmo ano. A Honda e a Hyundai planejam a eletrificação completa até 2040. O conglomerado britânico Jaguar Land Rover anunciou que sua marca Jaguar ficaria totalmente elétrica até 2025, porém a mudança para a Land Rover será, bem, mais lenta. A Renault, revelou planos para que 90% de seus veículos sejam totalmente elétricos até 2030. A megacorp formada por uma fusão da Peugeot e da Fiat-Chrysler no início deste ano fez um grande anúncio de VE na semana passada. Sua marca alemã Opel ficará totalmente elétrica na Europa até 2028, disse a empresa, enquanto 98% de seus modelos na Europa e na América do Norte serão totalmente elétricos ou híbridos elétricos até 2025. Pioneira dos híbridos elétricos com o Prius, a Toyota diz que lançará 15 novos VEs movidos a bateria até 2025. Por fim, a Volkswagen disse que pretende que todos os seus carros sejam elétricos a bateria até 2035. (Euronews – 14.07.2021)

<topo>

5 Mercedes-Benz vai desenvolver apenas VEs a partir de 2025

A Mercedes-Benz anunciou nesta quinta-feira que vai acelerar seu plano de transição para carros elétricos. A montadora alemã anunciou investimentos de pelo menos 40 bilhões de euros entre 2022 e 2030 no segmento e que todos os veículos desenvolvidos a partir de 2025 serão elétricos. “A mudança para veículos elétricos está aumentando, especialmente no segmento de luxo, onde a Mercedes-Benz atua. O ponto de inflexão está chegando e vamos estar preparados para ser uma companhia somente elétrica ao fim desta década”, disse Ola Källenius, diretor-presidente da Daimler e da Mercedes, em nota. Para alcançar o feito, a montadora estima que vai precisar de 200 GWh em baterias e planeja construir oito fábricas para a produção de células de energia ao redor do mundo. A Mercedes agora estima que 50% dos carros produzidos pela companhia serão elétricos em 2025, ante projeção anterior de 25%. A alocação de recursos para carros movidos a combustíveis fósseis também deve cair 80% entre 2019 e 2026, diz a montadora, com a mudança de estratégia. (Valor Econômico – 22.07.2021)

<topo>

6 Suzuki entra no mercado dos VEs

A Suzuki Motor lançará seu primeiro veículo totalmente elétrico no ano fiscal de 2025, um movimento que provavelmente acelerará uma mudança na categoria de carros compactos. O novo veículo elétrico será lançado primeiro na Índia, seguido de lançamentos no Japão e na Europa. O primeiro modelo elétrico da marca será disponibilizado por 1,5 milhão de ienes (US$ 13.700) ou menos, após os subsídios do governo serem levados em consideração. As vendas têm sido lentas na Índia, o quinto maior mercado automotivo do mundo, com vendas anuais de 3 milhões de unidades. A Suzuki chegou mais tarde do que outras montadoras ao campo dos VEs, com as cinco principais montadoras do Japão, incluindo a Toyota, já oferecendo os veículos. A Subaru também está desenvolvendo junto com a Toyota, sua parceira de aliança de negócios. Outras montadoras japonesas, como Nissan, Mitsubishi e Honda, também estão trabalhando no desenvolvimento de veículos elétricos compactos. Os carros compactos são mais baratos. Os especialistas dizem que o desafio para os fabricantes de automóveis no futuro será manter o controle do espaço que as baterias ocupam nos EVs, sem sacrificar a autonomia que os motoristas esperam de seus carros. (Valor Econômico – 21.07.2021)

<topo>

7 Presença da Suzuki no mercado indiano

A Suzuki tem uma participação de mercado de cerca de 50% na Índia. Ao adicionar VEs à sua linha, a montadora espera manter sua vantagem competitiva no mercado. A investida nos elétricos da Suzuki ocorre depois que a empresa disse que iria investir 1 trilhão de ienes (US$ 9 bilhões) até março de 2026 para pesquisa e desenvolvimento na área de eletrificação automotiva. Como parte de uma mudança para veículos movidos a eletricidade, a Suzuki já oferece carros híbridos na Índia. A empresa também está construindo na Índia uma fábrica de baterias em parceria com a gigante de autopeças Denso e a Toshiba. Ela deve ser inaugurada em setembro para produzir baterias de íon de lítio para os carros híbridos da Suzuki. (Valor Econômico – 21.07.2021)

<topo>

8 Suzuki e Daihatsu entram em joint venture de elétricos da Toyota

Em anúncio divulgado na quarta-feira (21/07), a Suzuki e a Daihatsu informaram que estão se juntando à Commercial Japan Partnership (CJP), uma joint venture de veículos comerciais liderada pela Toyota que inclui as empresas japonesas Hino e Isuzu. Lançada em abril deste ano, a CJP tem como principal objetivo reforçar a vantagem competitiva dos japoneses em veículos comerciais elétricos e conectados. Trata-se uma joint venture que tem como objetivo promover a colaboração para o desenvolvimento de veículos comerciais conectados com propulsão elétrica e capacidade de condução autônoma, visando: i. Melhorar a eficiência logística através da construção de uma infraestrutura de tecnologia conectada que ligue as principais artérias da logística (logística de caminhões) com os capilares da logística (veículos mini-comerciais); ii. Expansão de veículos comerciais para miniveículos, com o uso de tecnologias de segurança avançadas que contribuem para a segurança e proteção; e iii. Cooperar no uso de tecnologias para a eletrificação de miniveículos de baixo custo e de alta qualidade que possam ser disseminados de forma sustentável. Pelo acordo, a Suzuki e a Daihatsu entram com 10% de participação na joint venture cada uma, a mesma fatia que cabe a Isuzu Motors e a Hino Motors, enquanto a Toyota lidera com uma participação de 60%. Segundo Soichiro Okudaira, presidente da Daihatsu, a adesão ao acordo e o lançamento de veículos comerciais compactos permitiria o compartilhamento de dados, uma grande vantagem para as empresas fornecerem melhores serviços aos clientes e melhorarem a eficiência logística. (Inside EVs – 24.07.2021)

<topo>

9 Espanha: vendas de carros elétricos subiram 290% em junho

As vendas de carros elétricos e híbridos plug-in aumentaram 290,8% em junho em relação às vendas no mesmo período de 2020. Os híbridos plug-in continuam liderando o caminho para os registros com 62,3%, mas é o Tesla Model 3 que lidera o ranking de elétricos com 583 registros, o segundo do mês foi da Dacia Spring com 149 registros, que já está entregando as primeiras unidades para as concessionárias, e que denota vendas extraordinárias graças ao seu excelente valor para o dinheiro. Na terceira posição já aparece o Fiat 500 E com 129 registros. No período em questão, foram vendidos 7.186 carros híbridos elétricos e plug-in. Dos carros mais vendidos de 2021, observa-se o Tesla Model 3 em primeiro lugar, seguido pelo Renault Zoe e Kia Niro. O mercado continua a expandir as vendas de carros híbridos plug-in, devido à ampla gama de veículos que as marcas estão oferecendo a partir de seus veículos a combustão. (Movilidad Electrica – 05.07.2021)

<topo>

 

 

Meio Ambiente

1 UPM: Estudo faz uma análise comparativa do ciclo de vida de diferentes veículos

Pesquisadores do ETSI de Minas e Energia da Universidade Politécnica de Madrid (UPM) estudaram o ciclo de vida completo de diferentes veículos, a fim de quantificar seus potenciais impactos ambientais e orientar políticas que possam mitigá-los. Os pesquisadores apontam que as projeções indicam que os veículos elétricos produzirão um aumento na formação de partículas finas (26%), na toxicidade carcinogênica (20%) e não carcinogênica para humanos (61%), das terrestres ecotoxicidade (31%), ecotoxicidade de água doce (39%) e ecotoxicidade marinha (41%) em relação aos veículos a gasolina. Todos esses impactos são devidos principalmente à fabricação do veículo e à bateria. Essa transferência dos encargos ambientais da fase de uso para as fases de extração e fabricação das matérias-primas supõe uma deslocalização dos impactos, o que constitui um novo desafio a nível ambiental, social e jurídico, apontaram os autores. Em contraste, os elétricos são os veículos que mais reduzem a pegada de carbono. Com o atual mix energético espanhol, a redução ronda os 48% em relação a um veículo similar a gasolina. A redução da pegada de carbono aumentará, atingindo 58% em 2030 e 62% em 2050 se 86% da eletricidade for gerada a partir de fontes não baseadas em combustíveis fósseis, como solar, eólica ou hidráulica. O trabalho dos pesquisadores da UPM é intitulado “Avaliação comparativa do ciclo de vida de veículos de passageiros convencionais, elétricos e híbridos na Espanha” e foi publicado no Journal of Cleaner Production. (Energías Renovables – 20.07.2021)

<topo>

2 ICCT: emissões de VEs são comprovadamente mais baixas em relação aos veículos à combustão interna

Segundo o novo estudo do International Council for Clean Transportation (ICCT), o qual estima as emissões globais de veículos elétricos de médio porte registrados nos Estados Unidos, China, Europa e Índia em 2021, VEs que se conectam a redes elétricas sujas emitem menos GEEs do que carros movidos a gás. Em todo o ciclo de vida de veículos elétricos, as emissões liberadas são inferiores aos veículos de combustão interna. O relatório em questão validou essa afirmativa, sendo um VE conectado a uma rede elétrica europeia, com maior parcela de renováveis, ou uma rede indiana majoritariamente formada por combustíveis fósseis. Como exemplos, a China e a Índia usam mais carvão na geração de eletricidade, mas os VEs nesses países ainda terão emissões globais mais baixas do que os carros à gasolina, de acordo com o estudo. É importante ressaltar que o estudo pressupõe que o veículo foi registrado em 2021 e ficará na estrada por cerca de 18 anos. Georg Bieker, um dos pesquisadores do estudo, espera que as descobertas do ICCT ajudem os formuladores de políticas a tomar decisões mais informadas sobre o futuro do transporte. (The Verge – 21.07.2021)

<topo>

3 Pão de Açúcar anuncia entregas elétricas

O Pão de Açúcar passará a fazer entregas por veículos elétricos para as compras feitas pelo e-commerce do grupo, seja no site ou no aplicativo, a partir deste mês. Em um primeiro momento, apenas as cidades de São Paulo e Rio de Janeiro vão contar com a circulação das vans e triciclos elétricos da empresa, que têm baterias com autonomia média de 300 km e que devem fazer de 15 a 30 entregas por dia. Os bairros escolhidos para a inauguração dos modais limpos foram Jardins, em São Paulo, e Leblon, no Rio. Até o final do ano, a empresa espera ter 10 elétricos em circulação, que juntos vão realizar cerca de 5% das entregas do e-commerce. Para o próximo ano, a intenção é expandir o serviço para outras regiões, segundo a empresa. A iniciativa faz parte de uma estratégia ESG um pouco mais ampla, e tem como objetivo contribuir com a redução de emissões de gás carbônico e no combate às mudanças climáticas, esforços que agora fazem parte da agenda do GPA. Além dos VEs, a operação do e-commerce também inclui 80 caminhões com sistema de refrigeração 100% elétricos que circulam na cidade de São Paulo. (EXAME – 22.07.2021)

<topo>

 

 

Outros Artigos e Estudos

1 Fundador da WebMotors mira VEs

O fundador da WebMotors, Sylvio de Barros, volta seus esforços para a disseminação de veículos elétricos no Brasil. O executivo está por trás do lançamento da ZMatch, que vai oferecer serviços de compartilhamento e conversão de veículos elétricos, tendo em vista a demanda, por consumidores, de soluções menos poluentes de locomoção. O investimento estimado é de R$ 550 milhões, dos quais R$ 500 milhões virão da ZFlow, startup com projetos de energia solar, e os outros R$ 50 milhões, de investidores-anjo. O projeto vai funcionar por meio de parcerias. Os primeiros elétricos disponíveis para compartilhamento virão de uma colaboração com a Movida, que vai disponibilizar 130 veículos para o projeto. A plataforma digital usada será a da startup Ucorp Mobilidade, que foi comprada pela ZFlow. Os usuários dos veículos poderão recarregá-los em estacionamentos do grupo GarageIn. Em paralelo, o grupo também pretende apostar na conversão de carros a combustão antigos em VEs. A ideia é fazer uma ponte entre clientes interessados na solução e os conversores, oferecendo também opções de financiamento para a conversão. “Queremos antecipar esse movimento no Brasil”, acrescenta Barros. Segundo o executivo, a expectativa é de um faturamento de R$ 50 milhões nos primeiros 12 meses de operação da ZMatch. A plataforma está disponível aos 200 sócios investidores desde o início do mês de julho e, segundo Barros, será aberta ao público “em breve”. (Valor Econômico – 23.07.2021)

<topo>

2 Bateria ainda representa o maior custo dos VEs, mas preços estão em queda

As baterias de íon-lítio que dão vida ao carro elétrico representam o componente de maior custo dos VEs. Dependendo do modelo, o preço da bateria pode representar de 35% a 60% do valor do veículo. Embora ainda seja considerado alto, o preço iniciou uma trajetória descendente na última década. Alexandre Szklo, professor do programa de planejamento energético da Coppe/UFRJ, lembra que o preço das baterias automotivas de íon-lítio saiu de um patamar de US$ 900 por quilowatt-hora, em 2009, para algo em torno de US$ 200 por quilowatt-hora atualmente. O head de Conectividade do BMW Group Brasil, Henrique Miranda, diz que se espera uma “explosão” das vendas de VEs quando o custo do quilowatt-hora chegar ao patamar de US$ 100, o que é previsto para 2023 a 2025. Segundo Szklo, a tendência do preço é de redução. Há uma expectativa grande de aprendizado tecnológico na bateria com a entrada da China na fabricação, o que reduz muito o custo de produção. A China representa mais de 50% da produção de baterias eletroquímicas do mundo. Além da redução de preço, as tendências apontam o segundo momento de vida útil das baterias de carros elétricos depois que sua atividade no veículo se esgotar. Szklo diz que atualmente, na Califórnia, nos Estados Unidos, em alguns países europeus e na China, há pesquisas com famílias de baterias dos carros de íon-lítio no setor elétrico. A partir desses projetos, vários modelos de negócios começam a ser desenhados. Deste modo, quando a bateria deixa de ser usada no veículo, ela será backup para sistemas elétricos baseados em fontes intermitentes. Essas fontes de energia podem se beneficiar de uma segunda vida das baterias, explica o professor. O head de Conectividade do BMW Group Brasil, Henrique Miranda, diz que se espera uma “explosão” das vendas de veículos elétricos quando o custo do quilowatt-hora chegar ao patamar de US$ 100, o que é previsto para 2023 a 2025. (Info Money – 24.07.2021)

<topo>

3 CPFL: Planos de investimentos na área da ME

De acordo com a CPFL, a mobilidade elétrica constitui uma alavanca para o crescimento dos negócios e para a diversificação do portfólio da companhia no médio e longo prazo. Os seus projetos de mobilidade elétrica estão entre os destaques da vertente chamada de projetos estruturantes da área de inovação, a fim de identificar tendências e caminhos para novos negócios em um cenário de mudanças do mercado. Esses investimentos também aumentam a eficiência operacional das distribuidoras do grupo e ajudam a empresa a manter seu protagonismo nas transformações no setor elétrico. As ações fazem parte do pilar Valor Compartilhado do plano de sustentabilidade da empresa, que prevê aplicar até 2024 mais de R$ 1,8 bilhão para impulsionar a transição para uma forma mais sustentável e inteligente de produzir e consumir energia, maximizando impactos positivos na comunidade e na cadeia de valor, além de reduzir os impactos gerados pela natureza do seu negócio. Até 2024, a empresa tem planos de aplicar mais de R$ 45 milhões em projetos para fomentar a mobilidade elétrica no Brasil, por meio de projetos de pesquisa e desenvolvimento. Atualmente há cinco projetos em andamento sobre o tema. (Automotive Business – 20.07.2021)

<topo>

4 CPFL: Parcerias nos projetos de ME

Com projetos de pesquisa e desenvolvimento, na área da mobilidade elétrica, a CPFL busca entender as oportunidades e desafios que a mobilidade elétrica traz para uma distribuidora de energia. Com isso, poderá avaliar itens como a viabilidade técnica e econômica da eletrificação total da frota da empresa, novos modelos de negócio da mobilidade elétrica e reaproveitamento de baterias, entre muitas outras opções. Esses projetos também reforçam o posicionamento da CPFL Energia no caminho de redução de emissão de CO2 na atmosfera, em linha com o seu plano de sustentabilidade. A CPFL Energia segue com o desenvolvimento de um ecossistema sustentável da mobilidade elétrica no País. A VW Caminhões e Ônibus, com o e-Delivery, é um dos parceiros no projeto de eletrificação da frota da companhia e tem colaborado de forma expressiva com informações e tecnologia. Dentro do programa de mobilidade elétrica, a CPFL Energia tem parcerias com diversas universidades e institutos de pesquisa, como o Gesel, Senai Cimatec, Siemens, VW Caminhões e Ônibus, BYD e JAC Motors, visando ao projeto de eletrificação de frota em Indaiatuba. No projeto de plataforma de mobilidade elétrica são parceiros o CPqD, Unicamp, Senai e Andrade Analytics. No projeto Second Life participam o CPqD e a BYD. UFPE, IATI, ITEMM e Moura são os parceiros executores do projeto Eletroposto Sustentável. São parceiros no projeto Ônibus Elétrico a Unicamp, a Time Energy e a Porake. (Automotive Business – 20.07.2021)

<topo>

5 CPFL: Projeto de P&D Ônibus Elétrico

A CPFL Energia encerrou em 2018 o projeto de P&D Aneel “Emotive”, que considera uma das mais completas avaliações dos impactos de mobilidade elétrica no Brasil. Ao longo de cinco anos, foi construído um estudo completo, baseado em living lab, experimentando na prática esta nova tecnologia para entender riscos e oportunidades para a distribuidora. Uma das principais conclusões desse projeto é que o setor elétrico brasileiro está preparado para absorver o crescimento gradual da demanda por energia com a expansão do número de VEs em operação no país. Originado do projeto Campus Sustentável, realizado em parceria com a Unicamp, a CPFL deu início ao projeto de P&D Ônibus Elétrico, para estudar a aplicação de frota elétrica para veículos de transporte público. O ônibus entrou em circulação em setembro de 2020 e conta também com sistema de monitoramento desenvolvido dentro do projeto, que inclui diversas informações essenciais para uma boa gestão de frota, do trânsito, de vias públicas e até o monitoramento da poluição. Ao final de 2019, a CPFL deu início a novos projetos de mobilidade elétrica, com destaque para o P&D Plataforma de Eletromobilidade. Essa iniciativa tem como objetivo desenvolver um sistema para soluções em eletromobilidade, fazendo o monitoramento dos dados dos usuários para avaliar o comportamento em cada local. O foco é que este sistema possibilite também a reserva de uso do eletroposto, a cobrança das recargas e até gestão dos recursos energéticos distribuídos (REDs). Seguindo o conceito de laboratório vivo (living lab), o projeto também contará com a instalação de eletropostos e operação de veículos elétricos para validar a plataforma em aplicação real. (Automotive Business – 20.07.2021)

<topo>

6 CPFL: Projeto de eletrificação das frotas em Indaiatuba

Em Indaiatuba, a CPFL iniciou em 2020 o projeto de eletrificar toda sua frota da cidade, atendida pela CPFL Piratininga. O projeto piloto prevê aporte de mais de R$ 20 milhões. A frota da CPFL Piratininga em Indaiatuba passará a contar com 11 carros elétricos e oito eletropostos em 2021. Serão disponibilizados no total 21 veículos entre operacionais e administrativos até o término do projeto. Esses veículos fazem todos os serviços diários da companhia, como manutenção das redes de distribuição, podas preventivas, troca de postes, consertos de lâmpadas e implantação de novos pontos de energia, entre outros serviços do dia a dia das cidades atendidas pela companhia. O projeto de eletrificação da frota conta com a atuação de seis engenheiros e mais sete profissionais formados em outros cursos na equipe da CPFL Energia. Além disso, nas equipes das entidades executoras há aproximadamente 60 profissionais qualificados. A ação é inédita no Brasil por se tratar de carros operacionais com implementos, totalmente adaptados para a operação de campo com furgão e picape com armários para serviços técnico-comerciais, caminhão com escada central e caminhão com cesto aéreo. A companhia também fará a implementação de novos eletropostos, totalizando 16 sistemas instalados na estação avançada para carregamento desses veículos. (Automotive Business – 20.07.2021)

<topo>

7 É possível carregar um carro eletrificado com painéis solares em casa?

De acordo com a Peugeot, milhares de motoristas já mudaram para um carro eletrificado na Espanha e há muitos outros que estão considerando a mudança. Da mesma forma, o autoconsumo com painéis solares também é uma tendência de alta. O consumo de energia elétrica triplicou em 2020, com 113,24 megawatts de painéis solares instalados no setor residencial (dados da UNEF, a União Fotovoltaica Espanhola). Para carregar um carro eletrificado com painéis solares a primeira coisa a considerar é a quantidade de energia necessária. A energia necessária varia dependendo do consumo de cada casa e da capacidade da bateria do veículo. Como exemplo, a Peugeot lembra o espectro de capacidades na gama eletrificada da Peugeot: 13,2 kWh das baterias de híbridos plug-in (3008 Hybrid e 508 Hybrid); 75 kWh da versão de longo alcance do Peugeot e-Traveller; 50 kWh de capacidade de bateria do Peugeot e-208 e Peugeot e-2008. Além disso, é necessário levar em conta a área geográfica de instalação: as horas de sol e a incidência do sol. Por fim, vale-se considerar o armazenamento para horários noturnos. (Movilidad Electrica – 16.07.2021)

<topo>


Equipe de Pesquisa UFRJ
Editor: Prof. Nivalde J. de Castro (nivalde@ufrj.br)
Subeditores: Fabiano Lacombe e Luiza Masseno
Pesquisadores: Brenda Corcino e Vinicius José da Costa
Assistente de pesquisa: Sérgio Silva

As notícias divulgadas no IFE não refletem necessariamente os pontos da UFRJ. As informações que apresentam como fonte UFRJ são de responsabilidade da equipe de pesquisa sobre o Setor Elétrico do Instituto de Economia da UFRJ.

POLÍTICA DE PRIVACIDADE E SIGILO
Respeitamos sua privacidade. Caso você não deseje mais receber nossos e-mails,  Clique aqui e envie-nos uma mensagem solicitando o descadastrado do seu e-mail de nosso mailing.


Copyright UFRJ

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: