IFE.H2 42

Informativo Eletrônico – Geração de Energia com Hidrogênio nº 42 – publicado em 23 de julho de 2021.

IFE: Informativo Eletrônico de Hidrogênio – GESEL-UFRJ <!–

l

IFE: nº 42 – 23 de julho de 2021
http://gesel.ie.ufrj.br/
gesel@gesel.ie.ufrj.br

Editor: Prof. Nivalde J. de Castro

Índice

Políticas Públicas e Financiamentos
1
Canadá: Air Products Canada junta-se à CHFCA
2 Europa: Hyundai e POSCO lançam iniciativa para impulsionar o desenvolvimento de hidrogênio
3 Reino Unido: Governo divulga plano de descarbonização do transporte
4 União Europeia: A implantação dos objetivos da Comissão Europeia para o “Fit for 55”
5 União Europeia: Hidrogênio como a chave para atender as demandas do Fit for 55

Produção
1 Escócia: BP e EnBW licitam energia eólica offshore para produzir H2V
2 EUA: Empresas construirão a maior planta de H2 movida a eólica onshore em todo o mundo
3 EUA: Linde inicia construção de nova planta de hidrogênio
4 Índia: Oil construirá a primeira usina de hidrogênio verde do país
5 Índia: Parque solar de 4,75 GW para produzir hidrogênio verde
6 Marrocos: Fusion Fuel lança projeto para produzir H2V e converter em amônia
7 Omã: Uniper se junta a projeto que visa construir usina de H2V

Armazenamento e Transporte
1 Reino Unido: Equinor e a SSE Thermal planejam construir planta de armazenamento de hidrogênio
2 União Europeia: ACER lança documento com as opções para o transporte de hidrogênio com dutos

Uso Final
1 Cummins testa motor de combustão interna alimentado a hidrogênio
2 Espanha: ArcelorMittal e governo espanhol anunciam plano de aço mais verde
3 Itália: Consórcio lança projeto para descarbonizar a indústria de vidro
4 Península Ibérica: Empresas desenvolverão trem movido a hidrogênio renovável

5 Reino Unido: Primeiras casas a hidrogênio abertas para demonstração pública
6 Universal Hydrogen assina carta de intenção para aeronaves movidas a hidrogênio

Tecnologia e Inovação
1 Brasil: Tupy, Westport e AVL se unem para desenvolver motor movido a hidrogênio
2 EUA: Tecnologia de produção de hidrogênio verde baseada em nanopartículas da SunHydrogen
3 Europa: Parceria no desenvolvimento de sistema offshore para produção de hidrogênio verde
4 Itália: Saipem lança plano de hidrogênio verde para energia offshore

Eventos
1 Webinar GESEL: “O papel da biomassa na economia do hidrogênio”
2 World Hydrogen Policy
3 Tóquio 2020 alimentará tocha olímpica com hidrogênio pela primeira vez

Artigos e Estudos
1 Artigo GESEL: “Economia circular: O papel do hidrogênio rumo à transição energética”
2 H2 Accelerate publica documento sobre o uso do hidrogênio no setor de transporte
3 Hidrogênio tenta se firmar como alternativa “limpa”
4 A construção da futura economia do hidrogênio: verde ou azul?

5 Novo relatório do Hydrogen Council aponta crescimento de linhas de H2 para US $ 500 bilhões



 

 

Políticas Públicas e Financiamentos

1 Canadá: Air Products Canada junta-se à CHFCA

A Air Products Canada reafirmou seu compromisso com o hidrogênio juntando-se à Canadian Hydrogen and Fuel Cell Association (CHFCA), como membro executivo. A gigante do gás industrial possui mais de 50 anos de experiência em hidrogênio, com tecnologias sendo utilizadas atualmente em 20 países, em mais de 1,5 milhão de operações de reabastecimento de hidrogênio, anualmente. Em conjunto com o Governo do Canadá e a Província de Alberts, a Air Products anunciou recentemente a primeira fase de um plano multibilionário para construir um novo complexo de energético focado no hidrogênio emissões líquidas zero em Edmonton, Alberta, Canadá. Agora membro da CHFCA, a empresa continuará a apoiar o Canadá e suas metas de descarbonização. (H2 View – 20.07.2021)

<topo>

2 Europa: Hyundai e POSCO lançam iniciativa para impulsionar o desenvolvimento de hidrogênio

A Hyundai uniu forças com a POSCO para lançar uma iniciativa para identificar os melhores projetos inovadores no âmbito empresarial, acadêmico e tecnológico, relacionados à aplicações e tecnologias de hidrogênio. Organizado e apoiado pela InnMind, o H2 Challenge é projetado para se tornar uma plataforma de inovação aberta para startups, academia e PMEs compartilharem soluções e oportunidades de colaboração com a Hyundai ou POSCO. Comentando sobre a iniciativa, Edvin Eriksen, chefe da Hyundai CRADLE Berlin, disse que o CRADLE Berlin está liderando a operação e tem a missão empolgante de identificar startups, universidades e parceiros estratégicos que se enquadram em ‘Inovação Disruptiva’, sendo desenvolvidas na região europeia. A partir de 5 de julho de 2021, a iniciativa está aberta para aplicativos de startups internacionais, desde os estágios Pré-Seed até a Série C +, equipes universitárias e parceiros estratégicos que desenvolvem soluções de hardware e software em vários usos e projetos dentro do valor do hidrogênio cadeia. (H2 View – 16.07.2021)

<topo>

3 Reino Unido: Governo divulga plano de descarbonização do transporte

O Governo do Reino Unido lançou um novo plano que visa a descarbonização de todos os modos de transporte domésticos, levando a maior adoção do hidrogênio na mobilidade. Os compromissos do governo e as ações necessárias para descarbonizar todo o sistema de transporte no Reino Unido estão sumarizados no plano, que inclui: o caminho para o transporte de emissão líquida zero no Reino Unido; os benefícios mais amplos que o transporte limpo pode oferecer; os princípios que sustentam a abordagem para fornecer transporte de emissão líquida zero. O plano vem na sequência das políticas ambiciosas de Descarbonização do Transporte, publicadas em março de 2020, que definiram a escala de reduções adicionais necessárias para integrar a contribuição do transporte nos orçamentos de carbono vinculativos e entregar emissões líquidas zero até 2050. Os compromissos estabelecidos hoje incluem vincular o financiamento de infraestrutura local a soluções que cortem as emissões, melhorando o transporte público, a rede ferroviária, a aviação e o transporte marítimo verde. Para ler o documento na íntegra clique aqui. (UK Government – 14.07.2021)

<topo>

4 União Europeia: A implantação dos objetivos da Comissão Europeia para o “Fit for 55”

Os objetivos da Comissão Europeia para o pacote “Fit for 55” serão alcançados através do aumento da implantação e absorção de hidrogênio limpo nos setores da indústria, energia e transporte. A Hydrogen Europe sugere que o desenvolvimento de uma economia de hidrogênio na UE e uma indústria de hidrogênio local é fundamental para cumprir os objetivos do Acordo Verde da UE. O pacote Fit for 55 dará um impulso significativo ao desenvolvimento da indústria europeia de hidrogênio por meio de várias medidas diferentes, incluindo 50% sobre a parcela do consumo de hidrogênio renovável. Metas concretas e ambiciosas para o hidrogênio e seus derivados na proposta de combustível marítimo e 2,6% para combustíveis renováveis de origem não biológica, foram estabelecidas. Além disso, uma estação de reabastecimento de hidrogênio deve estar disponível a cada 150 km ao longo da rede central da RTE-T. (H2 View – 15.07.2021)

<topo>

5 União Europeia: Hidrogênio como a chave para atender as demandas do Fit for 55

A Hydrogen Europe sugeriu que o “Fit for 55” deve possuir uma estrutura adequada para proporcionar a realização eficaz para o futuro das metas climáticas da UE. Discutindo o iminente pacote legislativo da Comissão Europeia, a Hydrogen Europe afirma que o desenvolvimento de uma economia de hidrogênio limpo será fundamental para torná-lo um sucesso, pois cria a base para uma mudança acelerada e econômica para tecnologias amigáveis ao clima, como o hidrogênio. A instituição acredita que o rápido desenvolvimento do hidrogênio é importante não só para cumprir os objetivos climáticos da UE, mas também para preservar e aumentar a competitividade industrial e econômica da UE. Jorgo Chatzimarkakis, Secretário Geral da Hydrogen Europe, disse que o pacote marca o início de uma nova era e o hidrogênio define o curso para um novo paradigma. (H2 View – 14.07.2021)

<topo>

 

 

Produção

1 Escócia: BP e EnBW licitam energia eólica offshore para produzir H2V

A BP, uma empresa multinacional que opera no setor de energia, se juntou com a EnBW, uma empresa de energia de capital aberto, para solicitar uma área de arrendamento na costa leste da Escócia. A empresa pode apoiar projetos eólicos offshore com capacidade de geração de 2,9 GW. Se a licitação ocorrer, a energia produzida por aerogeradores terá grande parte da capacidade destinada à produção de hidrogênio verde no país. Desta forma, a licitação tem como intuito apoiar a transição energética, desenvolvendo o uso de energias renováveis na matriz elétrica, bem como na matriz energética, a partir do momento que investe no hidrogênio. Por fim, a economia do país será enriquecida, gerando um desenvolvimento no setor de energia e criando diversos empregos. (H2 View – 19.07.2021)

<topo>

2 EUA: Empresas construirão a maior planta de H2 movida a eólica onshore em todo o mundo

Com o intuito de concretizar o potencial do hidrogênio verde na América do Norte, a Apex Clean Energy, uma empresa que tem seu foco principal na aceleração da transição energética, e a Plug Power, uma empresa americana que atua no desenvolvimento de sistemas de células a combustível de hidrogênio, anunciaram um contrato de serviços para desenvolver uma planta de hidrogênio verde (H2V) nos Estados Unidos (EUA). A planta será alimentada por energia eólica onshore, sendo então consolidado como o primeiro projeto alimentado por essa fonte no país, além de ser o maior em todo o mundo. Quando a usina estiver concluída, serão gerados 30 toneladas métricas de hidrogênio verde por dia, o suficiente para abastecer uma quantidade de 1.000 caminhões pesados classe 8. (Fuel Cells Works – 14.07.2021)

<topo>

3 EUA: Linde inicia construção de nova planta de hidrogênio

A Linde, uma empresa que já instalou 200 estações de abastecimento de hidrogênio e 80 plantas de eletrólise em todo o mundo, começou a construir sua quinta planta de hidrogênio nos Estados Unidos. A nova planta está sendo construída no estado do Texas, onde a empresa aproveitará o hidrogênio que provém do seu gasoduto da Costa do Golfo dos Estados Unidos de aproximadamente 600 km. Como uso final, o hidrogênio será utilizado em materiais, na mobilidade, na indústria e na eletricidade. A nova planta ajudará a empresa a atender à crescente demanda de clientes novos e existentes. (Green Car Congress – 15.07.2021)

<topo>

4 Índia: Oil construirá a primeira usina de hidrogênio verde do país

A Indian Oil Corporation (IOC), empresa petrolífera e de extração de gás, sendo a maior empresa da área no país, construirá a primeira usina de hidrogênio verde (H2V) na Índia. Para alimentar a usina de H2V, a empresa está planejando direcionar energia provinda de um parque eólico em Rajasthan. Como uso final, o combustível produzido será utilizado para descarbonizar a refinaria localizada em Mathura. O hidrogênio é uma opção de energia da IOC para contribuir com o meio ambiente, pois ele, quando produzido por meio de eletrólise alimentado por energia renovável, só emite oxigênio como subproduto. A empresa pretende instalar várias unidades de produção de hidrogênio para descarbonizar suas refinarias, contribuindo assim com as metas ambientais do país. (The Times Of Índia – 20.07.2021)

<topo>

5 Índia: Parque solar de 4,75 GW para produzir hidrogênio verde

A NTPC, uma concessionária de energia elétrica de propriedade do governo indiano, está desenvolvendo um parque de energia renovável com capacidade de 4,75 Gigawatts (GW) e utilizará parte desta capacidade para produzir o hidrogênio verde em Gujarat, Índia. Este parque será composto apenas de módulos fotovoltaicos, logo, terá apenas uma fonte primária, que será a energia solar. De acordo com a concessionária, é o maior centro solar do país. Ademais, a NTPC assinou um Memorando de Entendimento (MoU) com a UT, Ladakh e Ladakh Autonomous Hill Development Council (LAHDC), para que as empresas trabalhem especificamente na produção e no uso final do hidrogênio verde, que será destinado à mobilidade. (H2 View – 19.07.2021)

<topo>

6 Marrocos: Fusion Fuel lança projeto para produzir H2V e converter em amônia

A Fusion Fuel, uma empresa que trabalha no segmento do hidrogênio, está lançando um projeto denominado de “HEVO Ammonia Morocco”. O projeto que tem como objetivo produzir a amônia verde a partir do hidrogênio verde. A produção do hidrogênio terá como fonte de energia um parque solar de um outro projeto realizado pela própria empresa. Posteriormente, após a produção do hidrogênio, o vetor energético será rapidamente encaminhado para conversão em amônia. Com um investimento em torno de US $ 850 milhões, a empresa espera produzir anualmente, uma quantidade de 31.000 toneladas de hidrogênio verde e 183.000 toneladas de amônia verde. Este ambicioso projeto dará o pontapé inicial na estratégia de hidrogênio do Marrocos e estabelecerá o país como um grande exportador de amônia para os mercados internacionais. (Globe News Wire – 14.07.2021)

<topo>

7 Omã: Uniper se junta a projeto que visa construir usina de H2V

A HYPORT Duqm agora tem uma nova empresa parceira no seu projeto, a Uniper, uma empresa de energia sediada na Alemanha. A nova empresa atuará diretamente em serviços de engenharia, negociando um acordo exclusivo de compra de amônia verde, desenvolvendo assim ainda mais o projeto. O projeto visa desenvolver a infraestrutura de hidrogênio em Omã e então construir uma usina que vai conter 250 MW a 500 MW, de capacidade de produção. As fontes fornecidas à usina serão provindas de fontes primárias, como a energia solar e eólica. Dessa forma, o hidrogênio produzido será denominado hidrogênio verde. A nova empresa revelou que o planejamento é para que a instalação comece no ano de 2026. Por fim, em termos de destinação, o hidrogênio produzido será utilizado para produzir a amônia verde. (Renewables Now – 19.07.2021)

<topo>

 

 

Armazenamento e Transporte

1 Reino Unido: Equinor e a SSE Thermal planejam construir planta de armazenamento de hidrogênio

A Equinor e a SSE Thermal planejam construir uma planta de armazenamento de hidrogênio em grande escala, no Reino Unido. Em suas instalações existentes em Aldbrough, na costa de East Yorkshire, encontra-se um projeto em estágio de desenvolvimento e as decisões finais de investimento dependerão dos modelos de negócios necessários e da infraestrutura associada. A nova capacidade de armazenamento deve atingir cerca de 320 GWh, o que seria maior do que qualquer instalação de armazenamento de hidrogênio existente no mundo. A instalação de Aldbrough seria ideal para armazenar o hidrogênio de baixo carbono a ser produzido e usado na região de Humber. A atualização da instalação envolveria a conversão das cavernas existentes ou a criação de novas cavernas especialmente construídas para armazenar o hidrogênio de baixo teor de carbono e estaria pronta em 2028. A Equinor também planeja desenvolver 1,8 GW de produção de hidrogênio azul na região, começando com seu projeto de 0,6 GW H2H Saltend fornecendo hidrogênio localmente a partir de meados da década de 2020. (H2 Bulletin – 15.07.2021)

<topo>

2 União Europeia: ACER lança documento com as opções para o transporte de hidrogênio com dutos

A Agência da União Europeia para a Cooperação dos Reguladores de Energia (ACR) divulgou no dia 16 de julho um estudo que explora as duas principais opções para o transporte de hidrogênio por longas distâncias por dutos em toda a Europa. Com a estratégia da Comissão Europeia para o hidrogênio, reconhecendo a necessidade futura de transportar hidrogênio por longas distâncias, a construção de dutos de transporte de hidrogênio ou o reaproveitamento de dutos de gás natural existentes têm o maior potencial. O documento foi feito após a revisão de mais de 20 estudos dando foco aos aspectos técnicos e de custo de reaproveitar a infraestrutura de gás existente para hidrogênio puro com os resultados descritos no documento de resumo. A partir da investigação, os gasodutos devem ser avaliados quanto à viabilidade e preço, antes de construir redes de hidrogênio puro a partir do zero, mostrando seu potencial. Os estudos também chamam a atenção para a adequação das instalações da caverna de sal para o armazenamento de hidrogênio, observando que essas instalações estão geograficamente agrupadas em áreas selecionadas em alguns estados membros da UE. (H2 View – 16.07.2021)

<topo>

 

 

Uso Final

1 Cummins testa motor de combustão interna alimentado a hidrogênio

A empresa Cummins começou a testar um motor de combustão interna movido a hidrogênio. Após os testes de prova de conceito a empresa planeja avaliar o motor em uma variedade de aplicações dentro e fora da estrada, apoiando esforços da empresa para acelerar a descarbonização de veículos comerciais. Os motores podem utilizar hidrogênio verde, tendo emissões de CO2 quase nulas, o benefício da adaptabilidade. O investimento projetado para o setor de hidrogênio irá proporcionar uma crescente oportunidade para a implantação de frotas movidas a hidrogênio. Os motores a hidrogênio oferecem continuando a usar sistemas de transmissão mecânicos com integração de veículos e equipamentos que espelham os trens de força atuais, ao mesmo passo que continua a fornecer potência e capacidade para atender às necessidades da aplicação. (Cummins – 13.07.2021)

<topo>

2 Espanha: ArcelorMittal e governo espanhol anunciam plano de aço mais verde

A produtora de aço ArcelorMittal SA (AMS: MT) e o governo espanhol assinaram no dia 14/07 um memorando de entendimento (MoU) que apoiará um plano de 1 bilhão de euros (US $ 1,18 bilhão) para reduzir as emissões de uma usina siderúrgica na Espanha. O plano é usar o hidrogênio verde no processo de redução direta do ferro (DRI) e abastecer o EAF com energias renováveis, disse a ArcelorMittal. A produção de hidrogênio verde exigirá vários parques solares em grande escala, eletrolisadores e uma rede de dutos para transporte. A empresa disse que fornecerá o hidrogênio por meio de um consórcio de terceiros e espera obter apoio regulatório e financeiro dos governos central e regional da Espanha para impulsionar a iniciativa. O investimento será usado para construir uma unidade de DRI com hidrogênio verde de 2,3 milhões de toneladas e um forno a arco elétrico híbrido de 1,1 milhão de toneladas (EAF) na planta de ir Gijon. O DRI de Gijon será transportado para Sestao, a siderúrgica da ArcelorMittal no País Basco da Espanha que já opera dois EAFs. (Renewables Now – 14.07.2021)

<topo>

3 Itália: Consórcio lança projeto para descarbonizar a indústria de vidro

O processo de fabricação de vidro envolve o consumo elevado de energia e é um setor difícil de eletrificar. Por sua vez, a Itália é o segundo maior produtor de vidro da Europa. Assim, um grupo de trabalho coordenado pela Snam, RINA e Bormioli, com intenção de reduzir as emissões na fase de fusão do vidro elaborou um projeto denominado “Divina” (Decarbonisation of the Glass Industry: Hydrogen and New Equipment) que utilizará hidrogênio no processo. O uso de hidrogênio tem potencial tanto de reduzir as emissões quanto de otimizar o consumo de energia. O projeto complementa um outro projeto anunciado anteriormente pela Snam, que tem realizado testes com uma mistura de gás natural com 30% de hidrogênio para a produção de aço. A curto e médio prazo, será possível avaliar resultados da introdução crescente de hidrogênio ao gás natural em fornos de fusão, bem como, avaliar a compatibilidade da combustão do hidrogênio com o material do vidro em condições reais após a realização dos testes em escala laboratorial. (SNAM – 20.07.2021)

<topo>

4 Península Ibérica: Empresas desenvolverão trem movido a hidrogênio renovável

A Repsol e a Talgo firmaram parceria para desenvolver um conjunto de projetos para promover a criação de trens movidos a hidrogênio renovável e promover o transporte ferroviário livre de emissões, na Península Ibérica. A aliança das empresas oferece uma solução abrangente para tornar realidade os trens movidos a hidrogênio, produzido a partir do biogás gerado de resíduos orgânicos. A Talgo será responsável pelo projeto, fabricação e comissionamento dos novos trens, enquanto a Repsol utilizará a sua infraestrutura logística para fornecer hidrogênio à rede ferroviária. O trem, Vittal Ine, utilizará motores elétricos que obtêm energia através das células a combustível, convertendo hidrogênio em eletricidade. (Repsol – 19.07.2021)

<topo>

5 Reino Unido: Primeiras casas a hidrogênio abertas para demonstração pública

Na semana passada, a Ministro da Energia, Anne-Marie Trevelyan MP visitou as instalações de hidrogênio que foram construídas como parte do projeto HyDeploy em Low Thornley. O projeto HyDeploy em breve introduzirá uma mistura de até 20% de hidrogênio no fornecimento de gás natural para a comunidade próxima de Winlaton. O HyDeploy é um projeto importante em nossa jornada para a NetZero e parceiros incluem a Northern Gas Networks, Cadent Gas Limited, com o apoio do Departamento do Governo para Negócios, Energia e Estratégia Industrial (BEIS). Se o hidrogênio fosse misturado com gás natural em todo o Reino Unido em um nível semelhante, poderia economizar cerca de 6 milhões de toneladas de emissões de dióxido de carbono a cada ano, o equivalente a tirar 2,5 milhões de carros da estrada a cada ano. Espera-se que este local seja utilizado como uma oportunidade para fornecer ao público uma experiência de uma casa movida a gás de emissão zero do futuro. As visitas podem ser feitas por grupos de escolas, faculdades e universidades com o objetivo de educar crianças e jovens sobre as necessidades de energia das casas. (H2 View – 16.07.2021)

<topo>

6 Universal Hydrogen assina carta de intenção para aeronaves movidas a hidrogênio

A Universal Hydrogen assinou cartas de intenção (LOIs) com a Icelandair Group, Air Nostrum e Ravn Air. A Icelandair irá, em conjunto com a Universal Hydrogen, estudar a implementação de aeronaves com propulsão a hidrogênio verde. Já a Air Nostrum, comprará onze kits de conversão de turboélice da Universal Hydrogen para uso em sua frota existente e futura. Os kits incluem uma célula a combustível alimentada por hidrogênio e um motor elétrico que substitui o motor turboélice existente na aeronave. Sob a LOI, a Ravn está comprometida em comprar cinco dos kits que irão integrar a tecnologia de cápsula de hidrogênio modular da empresa. (Green Car Congress – 15.07.2021)

<topo>

 

 

Tecnologia e Inovação

1 Brasil: Tupy, Westport e AVL se unem para desenvolver motor movido a hidrogênio

A Tupy trabalha em parceria com a Westport Fuel Systems (líder global em combustíveis alternativos) e a AVL List, uma das maiores empresas independentes do mundo no desenvolvimento, simulação e teste na indústria automotiva. Juntas, as empresas estão trabalhando no desenvolvimento de um motor de combustão interna de alta eficiência, movido a hidrogênio. O projeto consta no desenvolvimento de um sistema de injeção direta de alta pressão, componente que requer materiais e tecnologias de fundição e de usinagem superiores. O objetivo é reduzir o consumo de combustível dos motores atuais que já utilizam hidrogênio e, consequentemente, aumentar sua eficiência. De acordo com a empresa brasileira, os primeiros resultados do trabalho em parceria são esperados para o início de 2022. (Petronotícias – 18.07.2021)

<topo>

2 EUA: Tecnologia de produção de hidrogênio verde baseada em nanopartículas da SunHydrogen

A SunHydrogen, em cooperação com o Schmid Group e InRedox, está desenvolvendo uma tecnologia capaz de produzir hidrogênio usando luz solar e água, em escala comercial. SunHydrogen compartilhou que a equipe da Universidade de Iowa, após testar vários surfactantes alternativos, identificou com sucesso um substituto biodegradável e ambientalmente benigno que pode ser adicionado ao banho de galvanização, sem comprometer a qualidade dos semicondutores. A equipe da pesquisa também continuou a aprimorar o processo eletroquímico para deposição de semicondutores. A densidade fotoeletroquímica atual alcançada em condições de laboratório (sem catalisadores) poderia resultar em uma eficiência máxima ligeiramente superior a 17%, usando energia solar para produção de hidrogênio. A SunHydrogen compartilhou que tem experimentado um progresso positivo no crescimento da escala da sua tecnologia do hidrogênio. Tim Young, CEO da SunHydrogen, disse: “Nosso processo está um passo mais perto de ser comercializável”. (H2 View – 19.07.2021)

<topo>

3 Europa: Parceria no desenvolvimento de sistema offshore para produção de hidrogênio verde

A EDP, TechnipFMC e outros parceiros estão unindo forças para desenvolver um estudo de engenharia conceitual e de viabilidade econômica de um novo sistema offshore de produção de hidrogênio verde a partir de energia eólica offshore, denominado projeto BEHYOND. O estudo incluirá integração inovadora de equipamentos para produção e condicionamento de hidrogênio verde e infraestrutura que permita seu transporte até o litoral. O objetivo é criar um conceito único que possa ser padronizado e implementado em todo o mundo, permitindo a produção de hidrogênio em larga escala. O projeto BEHYOND foi selecionado para ser apoiado pelo Programa de Crescimento Azul do Mecanismo Financeiro do Espaço Econômico Europeu (EEA Grants). (Energy Global – 13.07.2021)

<topo>

4 Itália: Saipem lança plano de hidrogênio verde para energia offshore

A Saipem lançou uma solução tecnológica para a produção offshore de hidrogênio verde e a conversão de instalações de petróleo e gás chamada Suiso. A Suiso combinará energia eólica e solar flutuante e maremotriz e será aplicada pela primeira vez ao projeto Agnes no Mar Adriático, desenvolvido em parceria com a QINT’X. O objetivo é alimentar, em conjunto ou individualmente, eletrolisadores instalados em plataformas offshore existentes para a produção de hidrogênio verde. A tecnologia responde à crescente demanda pela produção de hidrogênio verde e, ao mesmo tempo, permite a conversão de instalações offshore de petróleo e gás que já chegaram ao fim de seu ciclo de vida, disse a Saipem. O presidente-executivo da Saipem, Francesco Caio, disse: “A solução é adaptável às novas características dos locais marinhos e às diferentes necessidades de produção”. (Renews – 19.07.2021)

<topo>

 

 

Eventos

1 Webinar GESEL: “O papel da biomassa na economia do hidrogênio”

Acontece no próximo dia 27/07, às 10h30, o Webinar “O papel da biomassa na economia do hidrogênio”. O evento conta com a participação confirmada de Antonio Stuchi (Raízen), Daniel Lopes (Hytron), Eduardo Serra (ES+OS Consultoria) e Paulo Emílio (ABH2). Inscreva-se aqui. (GESEL-IE-UFRJ – julho de 2021).

<topo>

2 World Hydrogen Policy

O evento irá abordar de forma aprofundada o cenário político e o kit de ferramentas que estão sendo utilizadas e propostas por diferentes governos em todo o mundo. Os palestrantes irão debater sobre quais conjuntos de medidas foram ou serão mais eficazes para dimensionar o hidrogênio e reduzir sua curva de custo, também apresentará como a política para o setor continuará a evoluir em 2021. O evento será realizado no dia 28 de julho de forma online. (World Hydrogen Leaders – julho de 2021)

<topo>

3 Tóquio 2020 alimentará tocha olímpica com hidrogênio pela primeira vez

O hidrogênio será usado para alimentar a tocha olímpica em sua jornada por Fukushima e Aichi, além de partes de Tóquio e outras etapas do revezamento. O Comitê Organizador Tóquio 2020 disse que certas etapas do revezamento da tocha usarão hidrogênio, que não emite dióxido de carbono quando queimado. O elemento também abastecerá o Chama Olímpica apresentada nas cerimônias de abertura e encerramento dos Jogos. O revezamento da tocha começa em Fukushima em 26 de março e visitará todas as 47 prefeituras do Japão antes da cerimônia de abertura do dia 24 de julho. Cerca de 500 veículos movidos a hidrogênio também serão usados durante as Olimpíadas, que vão de 24 de julho a 9 de agosto. (Extra – 27 de julho de 2021)

<topo>

 

 

Artigos e Estudos

1 Artigo GESEL: “Economia circular: O papel do hidrogênio rumo à transição energética”

Em artigo publicado pelo GESEL, Sayonara Eliziário (Pesquisadora Associada do GESEL), Luana Oliveira (Pesquisadora Júnior do GESEL), José Vinícius (Pesquisador Júnior do GESEL), Marta Célia Dantas (Departamento de Engenharia de Energias Renováveis, Universidade Federal da Paraíba) e Nivalde de Castro (Coordenador do GESEL) tratam da economia circular como uma transição necessária, que opera em um sistema que substitui o modelo linear de “fim de vida” por reaproveitamento, reciclagem, recuperação e eliminação de resíduos que podem impactar o meio ambiente. A transição tem o hidrogênio como vetor essencial. Segundo os autores, “os fluxos circulares dos processos e produtos são melhores do ponto de vista ambiental, uma vez que apresentam o potencial de reduzir as necessidades de energia, evitando que recursos energéticos e resíduos sejam descartados”. Eles concluem que “o hidrogênio é um importante vetor para viabilizar a descarbonização, mediante soluções com o potencial para transformar a economia linear em uma economia circular do carbono, devendo avançar nos próximos anos”. Para ler o texto na íntegra, clique aqui. (GESEL-IE-UFRJ – 21.07.2021)

<topo>

2 H2 Accelerate publica documento sobre o uso do hidrogênio no setor de transporte

A H2 Accelerate, iniciativa que visa o uso do hidrogênio para descarbonizar o transporte de cargas pesadas de longa distância na Europa, publicou um whitepaper denominado “Need for Hydrogen Trucking”. O documento aborda o papel do hidrogênio como um facilitador para a implementação de energias renováveis. O documento também faz uma discussão em torno do uso do hidrogênio, visto como o único combustível com emissão zero no setor de caminhões de carga, capaz de fornecer um abastecimento rápido e alcançar longa distância. Os participantes da H2 Accelerate esperam trabalhar juntos em busca de financiamentos para projetos pré-comerciais durante a primeira fase de implantação. Além disso, também atuarão com formuladores de políticas e reguladores para contribuir com o apoio regulatório e o aumento na fabricação de caminhões a hidrogênio na Europa. Para ler o documento na íntegra clique aqui. (H2 View – 20.07.2021)

<topo>

3 Hidrogênio tenta se firmar como alternativa “limpa”

O hidrogênio tem sido anunciado como o combustível do futuro e tem sido visado por empresas de diferentes setores como uma solução para descarbonizar a economia. No entanto, o combustível já alimentou falsas ilusões, por isso especialistas em energia têm intensificado esforços para tornar real o uso do hidrogênio como um vetor energético, desta vez. Empresas de diferentes setores e países têm anunciado projetos e medidas voltadas para o uso do hidrogênio, seja na siderurgia, transporte ou indústria química. A Equinor, por exemplo, tem metas para descarbonizar o setor siderúrgico e até mesmo o setor do transporte marítimo e está investindo em três projetos de usinas de energia no Reino Unido. O hidrogênio já está sendo usado em transportes pesados, como os ônibus, onde é visto como uma alternativa mais barata quando comparado às baterias. (Valor Econômico – 17.07.2021)

<topo>

4 A construção da futura economia do hidrogênio: verde ou azul?

O hidrogênio limpo como combustível tem se tornado uma opção cada vez mais atraente para descarbonizar os segmentos industriais e difíceis de descarbonizar. Para a Índia, o hidrogênio surge também como uma forma de aumentar a segurança energética e a autossuficiência do país. O hidrogênio pode ser produzido por diferentes rotas e matérias-primas, ganhando maior destaque o hidrogênio verde (H2V) e o azul. O H2V cativou o mundo e a Índia, no entanto, ainda não é viável economicamente em grande escala. Por outro lado, o hidrogênio azul é produzido a um custo inferior ao do H2V, mas levantado discussões sobre o uso de combustíveis fósseis como matéria-prima e quanto à maturidade das tecnologias de captura de carbono. O artigo afirma que ambas as rotas são necessárias para impulsionar a expansão da economia do hidrogênio e que a Índia tem oportunidade de avançar sua trajetória com subsídios mínimos para desenvolver o ecossistema por meio do hidrogênio azul. (ETEnergyWorld – 19.07.2021)

<topo>

5 Novo relatório do Hydrogen Council aponta crescimento de linhas de H2 para US $ 500 bilhões

Um relatório atualizado “Hydrogen Insights” sugeriu que a linha de investimento em hidrogênio cresceu para US $ 500 bilhões em resposta aos compromissos do governo com a descarbonização. O relatório, publicado no dia 15 de julho pelo Hydrogen Council em colaboração com a McKinsey & Company, revelou que os investimentos em projetos de hidrogênio “maduros” dobraram desde fevereiro passado. O relatório sugere que globalmente 131 projetos de grande escala foram anunciados desde fevereiro de 2021, elevando o montante total para 359, com o investimento total estimado nesses projetos e em toda a cadeia de valor sendo estimado em US $ 500 bilhões até 2030. Com o investimento total, a capacidade de produção de hidrogênio de baixo carbono excederá 10 milhões de toneladas por ano até 2030, um aumento de mais de 60% em relação ao nível de projeto relatado em fevereiro anterior. Desse total, 70% da capacidade de produção virá de fontes renováveis de energia, enquanto os outros 30% são hidrogênio de baixo carbono gerado por combustíveis fósseis e armazenamento e captura de carbono (CCS). (H2 View – 15.07.2021)

<topo>


Equipe de Pesquisa UFRJ
Editor: Prof. Nivalde J. de Castro (nivalde@ufrj.br)
Subeditores: Fabiano Lacombe, Luiza Masseno e Sayonara Andrade Elizário
Pesquisadores: Allyson Thomas,
José Vinícius S. Freitas, Kalyne Silva Brito e Luana Oliveira 
Assistente de pesquisa: Sérgio Silva

As notícias divulgadas no IFE não refletem necessariamente os pontos da UFRJ. As informações que apresentam como fonte UFRJ são de responsabilidade da equipe de pesquisa sobre o Setor Elétrico do Instituto de Economia da UFRJ.

POLÍTICA DE PRIVACIDADE E SIGILO
Respeitamos sua privacidade. Caso você não deseje mais receber nossos e-mails,  Clique aqui e envie-nos uma mensagem solicitando o descadastrado do seu e-mail de nosso mailing.


Copyright UFRJ

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: