IFE.H2 28

Informativo Eletrônico – Geração de Energia com Hidrogênio nº 28 – publicado em 16 de abril de 2021.

IFE: Informativo Eletrônico de Hidrogênio – GESEL-UFRJ <!–

l

IFE: nº 28 – 16 de abril de 2021
http://gesel.ie.ufrj.br/
gesel@gesel.ie.ufrj.br

Editor: Prof. Nivalde J. de Castro

Índice

Políticas Públicas e Financiamentos
1
Fundo FiveT Hydrogen terá apoio da Plug Power, Charts Industries e Baker Hughes
2 Portugal terá financiamento do BEI para avançar com o hidrogênio
3 Uzbequistão desenvolverá tecnologia e economia do hidrogênio
4 Canadá lança Comitê Diretor da Estratégia de Hidrogênio

Mercado
1 Altaaqa e AFC Energy firmam parceria
2 Valor de mercado do hidrogênio atingirá US $ 300 bilhões até 2027
3 Enbridge utilizará H2 para se tornar uma empresa verde
4 Empresas produzirão H2 azul com emissões líquidas negativas
5 Brasil: Eletrobras, Siemens Energy e Cepel firmam parceria para H2V
6 Brasil: Cegás estuda como a inserir de H2 na distribuição de gás natural
7 Índia lança aliança de hidrogênio
8 Thyssenkrupp quer ser protagonista no hidrogênio verde

9 Iniciativa EHB revela um novo plano

Tecnologia e Inovação
1 Novo catalisador produz hidrogênio durante o tratamento de águas residuais
2 Vattenfall JV inicia construção de instalação para armazenamento de H2
3 EWE explora armazenamento de hidrogênio subterrâneo

Mobilidade
1 Loop Energy e Bayo Tech se unem para impulsionar veículos e infraestrutura de hidrogênio
2 Holanda terá aeroporto verde
3 Everfuel pretende abastecer navio movido a hidrogênio
4 Gaussin projeta trator movido a H2 para descarbonizar logística

Eventos
1 Hydrogen Congress for Latin America & Caribbean (H2LAC)
2 Abiogás: hidrogênio verde a partir do biogás

Artigos e Estudos
1 EUA: Usinas nucleares podem ser salvas pelo hidrogênio
2 Hidrogênio verde: os 6 países que lideram a produção
3 Hydrogen Europe anuncia o Hydrogen Act


 

 

Políticas Públicas e Financiamentos

1 Fundo FiveT Hydrogen terá apoio da Plug Power, Charts Industries e Baker Hughes

As empresas Plug Power, Chart Industries e a Baker Hughes demonstraram a intenção de se tornarem investidores fundamentais na formação do fundo FiveT hydrogen. O fundo financiará projetos de produção, armazenamento e distribuição de hidrogênio limpo, com o objetivo obter retornos sólidos de infraestrutura e oferecer sustentabilidade verdadeira para um impacto duradouro no meio ambiente, na sociedade e nos negócios. Além disso, combinará os esforços de financiamento com a experiência estratégica e técnica das empresas associadas para ajudar no avanço do hidrogênio utilizando novos caminhos. Reconhecendo o valor da proposta para o mercado de hidrogênio, a Plug Power contribuirá com US$ 200 milhões e a Chart Industrie e Baker Hughes irão contribuir com US$ 60 milhões. (Energy Global – 07.04.2021)

<topo>

2 Portugal terá financiamento do BEI para avançar com o hidrogênio

O Banco Europeu do Investimento (BEI) e o Governo Português juntaram esforços para a promoção do desenvolvimento do setor do hidrogénio em Portugal. O governo português assinou um Memorando de Entendimento com o BEI, para que possa ter financiamento em seus projetos e avançar os investimentos do país. O acordo apoia as estratégias nacionais vertidas no Plano Nacional de Energia e Clima 2030 e no Roteiro para a Neutralidade Carbónica 2050 e está alinhado com a Estratégia Europeia para o Hidrogénio, promovendo o desenvolvimento de uma economia do hidrogénio. O setor do hidrogénio desempenhará um importante papel na aceleração da transição energética. Com o objetivo de estabelecer um ecossistema de hidrogénio para uma Europa climaticamente neutra, está prevista a instalação de uma capacidade de 40 GW de hidrogénio verde, até 2030. (Fuel Cells Works – 07.04.2021)

<topo>

3 Uzbequistão desenvolverá tecnologia e economia do hidrogênio

Desde 2018, o Uzbequistão se comprometeu fortemente com a descarbonização do seu país. Este mês, o Ministério da Energia do Uzbequistão anunciou a assinatura de um novo decreto presidencial destinado a impulsionar o desenvolvimento de uma economia de hidrogênio renovável. O decreto, “sobre medidas para o desenvolvimento de energias renováveis e de hidrogênio na República do Uzbequistão”, segue um acordo assinado no início deste ano entre o Ministério da Energia, ACWA Power (Arábia Saudita) e Air Products (EUA) para o desenvolvimento de hidrogênio e energia renovável no Uzbequistão. O decreto descreve medidas para: Apoiar a introdução generalizada de tecnologias inovadoras para desenvolver a energia do hidrogênio e fontes de energia renováveis; construir infraestrutura de energia de hidrogênio para promover eficiência e segurança energética; e permitir a transição do Uzbequistão para uma economia verde. (Power Engineering International – 12.04.2021)

<topo>

4 Canadá lança Comitê Diretor da Estratégia de Hidrogênio

O Canadá, no ano passado, lançou sua Estratégia Nacional de Hidrogênio. Nessa sexta-feira, 9 de abril, um Comitê Diretor da Estratégia de Hidrogênio foi lançado no país, para estabelecer prioridades, orientar ações, compartilhar conhecimentos e acompanhar os resultados para cumprir as recomendações delineadas na Estratégia de Hidrogênio do país. O Comitê faz parte de um esforço para acelerar o movimento do país para as emissões líquidas de zero e acelerar a economia do hidrogênio no país. Co-presidido pelo Natural Resources Canada e pela Canadian Hydrogen and Fuel Cell Association, o comitê é composto por líderes seniores de toda a indústria, parceiros provinciais e territoriais, organizações não governamentais e parceiros indígenas. (H2 View – 12.04.2021)

<topo>

 

 

Mercado

1 Altaaqa e AFC Energy firmam parceria

Na primeira rodada do Extreme E Championship, a Altaaqa e a AFC Energy assinaram um Memorando de Entendimento (MoU), o qual unirá a experiência das empresas para apoiar a transição energética da Arábia Saudita, utilizando a tecnologia de células a combustível da AFC Energy. O MoU fornece bases para uma parceria de longo prazo que abrangerá a região do Oriente Médio, com o objetivo de obter a liderança do mercado de soluções confiáveis e seguras de hidrogênio para energia para vários segmentos da indústria e aplicações. (Energy Global -06.04.2021)

<topo>

2 Valor de mercado do hidrogênio atingirá US $ 300 bilhões até 2027

Enquanto a transição energética se estabelece e o mundo está em busca de gerar energia com emissões líquidas negativas, o hidrogênio vem ganhando maturidade tecnológica. Diante dessa realidade, o mercado atual do hidrogênio deve crescer cada vez mais, e de acordo com o relatado no último estudo da Global Market Insights, a receita do mercado de hidrogênio deve ultrapassar US $ 300 bilhões até 2027. Novas adições de capacidade nas refinarias, juntamente com a utilização aprimorada na fabricação de produtos químicos e fertilizantes, contribuirão para a demanda existente de hidrogênio. Padrões e políticas governamentais rigorosos em vários países que regulam o uso de métodos convencionais estão sendo redefinidos para impulsionar a participação no mercado global de hidrogênio. (Intrado Globe Newswire 06.04.2021)

<topo>

3 Enbridge utilizará H2 para se tornar uma empresa verde

A Enbridge, uma grande empresa do setor de petróleo e gás, estabeleceu uma meta para que suas operações tenham emissões líquidas negativas até o ano de 2050, e para que isso aconteça, a utilização do hidrogênio será essencial. Dessa forma, em um de seus projetos, a Enbridge está produzindo o hidrogênio verde e misturando com o gás natural nos gasodutos, para que assim comece a acontecer a descarbonização nesse setor. (World Oil – 06.04.2021)

<topo>

4 Empresas produzirão H2 azul com emissões líquidas negativas

A Questerre Energy Corporation, uma companhia petrolífera e a ZEG Power, uma empresa privada norueguesa, anunciaram uma carta de intenções para avaliar sua tecnologia exclusiva de hidrogênio azul para o projeto Clean Tech Energy em Quebec. As empresas realizaram um acordo para tornar a produção do hidrogênio azul de emissões líquidas negativas, uma vez que o projeto irá capturar e armazenar o carbono, e, em seguida, recicla-lo na fabricação de produtos de baixa emissão, incluindo concreto, plásticos, fertilizantes e outras matérias-primas industriais. (Fuel Cells Works – 06.04.2021)

<topo>

5 Brasil: Eletrobras, Siemens Energy e Cepel firmam parceria para H2V

A Eletrobras, a Siemens Energy e a Cepel assinaram um memorando que estabelece um estudo conjunto para a obtenção do domínio do ciclo tecnológico completo do hidrogênio verde no Brasil, abordando da produção ao consumo. O objetivo é que com os dados obtidos pelo estudo, as empresas consigam avançar para a implantação de uma usina de produção de hidrogênio verde em escala comercial. A Eletrobras tem interesse em avaliar as variáveis críticas para o domínio do ciclo tecnológico do H2. A Cepel estuda a produção de hidrogênio através da eletrólise há duas décadas e vem aprofundando as pesquisas e Siemens estuda constantemente meios de aumentar a sua eficiência e capacidade instalada. (Agência Eletrobras de Notícias – 08.04.2021)

<topo>

6 Brasil: Cegás estuda como a inserir de H2 na distribuição de gás natural

Com o anúncio do desenvolvimento da cadeia produtiva de hidrogênio no Complexo de Pacém no Ceará, estudos para o desenvolvimento de tecnologias adaptadas ao hidrogênio verde (H2V) como combustível devem ser desenvolvidos com maior frequência no estado. Nesse sentido, a Companhia de Gás do Ceará (Cegás) está analisando cuidadosamente o percentual de H2V que pode ser injetado na rede de gás, na tentativa de se antecipar ao mercado. É necessário saber como cada um dos componentes das tubulações irá reagir ao hidrogênio. O governador do Estado, Camilo Santana, defende a participação da Cegás desde de que o presidente da companhia declarou que vê uma oportunidade, com a possibilidade de distribuir hidrogênio. (O POVO – 09.04.2021)

<topo>

7 Índia lança aliança de hidrogênio

A Índia H2 Allience (IH2A) é uma coalizão industrial de empresas globais e indianas que produzirá o hidrogênio para incluir no setor industrial do aço, refinarias, fertilizantes e cimentos, além de incluir o vetor energético nos transportes pesados e, por fim, estabelecerá padrões de armazenamento e transporte de hidrogênio líquido (LH2) e o hidrogênio pressurizado. Ademais, a aliança se juntou com o governo para desenvolver diversas áreas do hidrogênio no país, incluindo o desenvolvimento de uma Política Nacional de Hidrogênio e roteiro 2021-2030. (Fuel Cells Works – 12.04.2021)

<topo>

8 Thyssenkrupp quer ser protagonista no hidrogênio verde

A Thyssenkrupp abandonou de vez o setor de elevadores, no ano passado, a empresa vendeu a operação de elevadores por quase US$ 19 bilhões. A empresa agora está em busca de um novo empreendimento, o hidrogênio verde. Segundo o presidente da companhia da América do Sul, esse pode ser o combustível do futuro, a empresa já possui mais de 600 projetos na área, o que chega a uma potência total instalada de 10 GW. Paulo Alvarenga, presidente da Thyssenkrupp, acredita que o Brasil tem potencial para ser um grande “celeiro” mundial de energia e está no centro das atenções da companhia. (CNN – 13.04.2021)

<topo>

9 Iniciativa EHB revela um novo plano

A iniciativa European Hydrogen Backbone (EHB) é representada por um grupo de operadores de sistema de transmissão de gás. O novo plano da EHB é desenvolver uma rede de hidrogênio de 39700 km até 2040, conectando 21 países, aumentando a proposta anterior que sugeria uma rede de 23000 km cobrindo 10 países. Cerca de 69% da rede de hidrogênio será formada por redes de gás reaproveitadas e o restante será de dutos recém construídos. A iniciativa estima que o plano exigirá um investimento entre € 43 bilhões e € 81 bilhões (US$51 bilhões e US$96 bilhões). No entanto, o investimento por km de duto pode ser menor, se considerado o aproveitamento de dutos menores que são mais baratos. Assim, o transporte de H2 por mais de 1000km custaria em média entre € 0,11 e 0,21 / kg de hidrogênio, uma opção mais econômica. (H2 Bulletin – 13.04.2021)

<topo>

 

 

Tecnologia e Inovação

1 Novo catalisador produz hidrogênio durante o tratamento de águas residuais

Pesquisadores da ACS ES&T Engineering desenvolveram um catalisador capaz de produzir hidrogênio a partir da degradação de medicamentos e outros compostos presentes nas águas residuais. Na síntese do catalisador os pesquisadores revestiram partículas de dióxido de titânio em nanoescala com uma fina camada de óxido de cobalto. Testes iniciais mostraram que apenas o material sozinho não possui boa eficiência para a produção de hidrogênio, mas apresenta atividade quando adicionadas 1% em peso de nanopartículas de platina. Na presença de luz solar simulada, o catalisador impregnado com platina foi capaz de degradar dois antibióticos e produzir quantidades substanciais de hidrogênio. Em uma etapa posterior, os pesquisadores testaram o funcionamento do produto em águas residuais reais, obtendo resultados positivos em três amostras. (SciTechDaily – 04.04.2021)

<topo>

2 Vattenfall JV inicia construção de instalação para armazenamento de H2

A SSAB, LKAB e Vatterfall Hybritm, a Hybrit Development AB iniciaram a construção de uma instalação de armazenamento em caverna rochosa, para o gás hidrogênio, próximo à instalação do projeto piloto HYBRIT. A construção em Svartöberget, Suécia, foi anunciada no dia 7 de abril, e possuirá 100 metros cúbicos para ajudar com as exigências do processo de produção de aço por meio do desenvolvimento da tecnologia para o armazenamento de hidrogênio. A uma caverna rochosa fechada está a aproximadamente 30 metros abaixo do solo e será realizada por meio de uma técnica chamada LRC (Lined Rock Cavern), que significa que as paredes da caverna serão cobertas com um material cuidadosamente selecionado como uma camada de vedação. O projeto tem um custo de investimento de € 24,4 milhões e deverá ficar pronto e operacional entre 2022 e 2024. (Renews – 07.04.2021)

<topo>

3 EWE explora armazenamento de hidrogênio subterrâneo

O projeto HyCAVmobil desenvolvido pela EWE e o Centro Aeroespacial Alemão (DLR) deve testar o armazenamento de hidrogênio 100% puro em cavernas de sal subterrâneas. A caverna de sal está sendo construída em Rüdersdorf, Brandenburg, na Alemanha, e terá um custo de € 10 milhões ($11,9 milhões). A empresa atingiu seu primeiro marco: o projeto foi instalado com êxito e a empresa cimentou 160 tubos de aço até uma profundidade de 1.000 metros. Com o acesso ao hidrogênio armazenado no subsolo, a EWE disse que será capaz de atender às demandas de reabastecimento de hidrogênio a longo prazo, com veículos movidos a célula a combustível se tornando mais proeminentes na Europa. A caverna terá um profundidade de 600m se estendendo até 3200 m abaixo da superfície da terra e com um volume de 500m³. (H2 view – 09.04.2021)

<topo>

 

 

Mobilidade

1 Loop Energy e Bayo Tech se unem para impulsionar veículos e infraestrutura de hidrogênio

A Loop Energy e a Bayo Tech firmaram um acordo para impulsionar os veículos a hidrogênio e infraestrutura de abastecimento, como meio de acelerar a transição energética para tecnologias econômicas e de emissão zero. A ideia da parceria é simplificar a adoção de soluções elétricas de hidrogênio, desenvolvendo oportunidades de mercado para implantação de veículos fabricados por clientes OEM da Loop combinando com a infraestrutura de geração de hidrogênio no local fornecida pela Bayo Tech. A iniciativa faz parte a estratégias Total Customer Care da Loop que visa combinar um portfólio de células a combustível com um ecossistema de hidrogênio e apoia o objetivo da Bayo de oferecer aos operadores de frotas um caminho claro para o custo de propriedade líder de mercado com base na solução exclusiva de produção de hidrogênio no local da empresa. (Green Car Congress – 07.04.2021)

<topo>

2 Holanda terá aeroporto verde

O Aeroporto de Groningen, na Holanda, espera se tornar o primeiro aeroporto de vale de hidrogênio da Europa. O Aeroporto de Groningen Eelde e a New Energy Coalition devem tornar o aeroporto mais ambientalmente sustentável por meio de várias aplicações de hidrogênio verde em objetivos de linha definidos na região do Norte da Holanda. Lém disso, o Aeroporto de Groningen, junto com a iniciativa do Aeroporto NXT, deseja ser capaz de produzir hidrogênio verde no local e usá-lo em operações terrestres e aéreas para desenvolvimentos inovadores em um futuro próximo. Isso pode ser alcançado por meio de uma colaboração com a GroenLeven, que construiu um parque solar com capacidade de 21,9 MW entre a pista, pátio e taxiway, para produzir o combustível limpo. O hidrogênio verde produzido a partir do parque solar será então usado em vários aspectos diferentes das operações do aeroporto. (H2 View – 05.04.2021)

<topo>

3 Everfuel pretende abastecer navio movido a hidrogênio

A Everfuel assinou um Memorando de Entendimento (MoU) com uma empresa de navegação germano-norueguesa, ainda não revelada, para fornecer hidrogênio de sua instalação HySynergy a um navio com zero emissões e cobrir o planejamento, instalação e operação de soluções de abastecimento de combustível escaláveis. A empresa de navegação pretende estabelecer contratos de fornecimento e comercialização de hidrogênio a longo prazo para seus projetos de transporte com emissão zero. Inicialmente, está planejado para que as operações se iniciem em 2023 com um navio que deverá consumir cerca de 1000kg/dia de hidrogênio. As duas partes estão discutindo aspectos técnicos e comerciais do projeto. (H2 Bulletin – 08.04.2021)

<topo>

4 Gaussin projeta trator movido a H2 para descarbonizar logística

A Gaussin revelou no mês passado (23 de março), um novo veículo de automação de pátio movido a hidrogênio e zero emissão, equipado com um braço robótico projetado para os principais participantes em logística e comércio eletrônico. A inovação encontra a enorme demanda para criar e implementar logística veículos confiáveis que não são apenas de emissão zero, mas também capaz de lidar com a grande carga de trabalho que é muitas vezes associado a esta indústria. Para atender às necessidades dos atores logísticos por soluções automatizadas e ecologicamente corretas, a Gaussin desenvolveu a automação de pátios com emissão zero para a movimentação de reboques, semirreboques e caixas móveis entre os estacionamentos de equipamentos e o cais. (H2 View – 12.04.2021)

<topo>

 

 

Eventos

1 Hydrogen Congress for Latin America & Caribbean (H2LAC)

O evento virtual H2LAC foi realizado para promover a energia do hidrogênio na América Latina e Caribe. O evento foi co-organizado pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), que está agindo para apoiar a indústria emergente de hidrogênio na região. A iniciativa foi produto dos crescentes interesses e atividades no mercado de hidrogênio da América Latina e Caribe e contou com a participação de representantes brasileiros. O evento foi realizado nos dias 14 e 15 de abril de 2021, com início às 10 am (ET). (ABH2 – Abril 2021)

<topo>

2 Abiogás: hidrogênio verde a partir do biogás

A Associação Brasileira do Biogás irá discutir um dos vetores de energia promissores no país: o hidrogênio. Na próxima terça-feira, dia 20 de abril de 2021, às 11:00, ocorrerá um webinar para discutir sobre hidrogênio verde a partir do biogás e o biometano, com a participação de diversos convidados com expertise na área. A associação pretende concentrar esforços em estudar melhor o potencial da fonte, para produção, e entender sua atuação no Brasil, diante do interesse por parte do governo federal e também por empresas privadas que atuam no país. (ABiogas – Abril 2021)

<topo>

 

 

Artigos e Estudos

1 EUA: Usinas nucleares podem ser salvas pelo hidrogênio

Segundo especialistas, a produção de hidrogênio pode impedir que alguns reatores nucleares dos Estados Unidos (EUA) sejam desativados. A produção via eletricidade e vapor de uma usina nuclear, permitiria às concessionárias operarem as usinas em plena produção, sem a necessidade de reduzi-la quando a geração de energia limpa está disponível. Assim, o hidrogênio produzido poderia fornecer uma fonte de receita adicional, e, consequentemente, os reatores antigos poderiam operar por mais tempo. Os representantes e observadores da indústria de energia veem um forte papel potencial para a energia nuclear desempenhar no espaço do hidrogênio, principalmente nos EUA, onde a energia nuclear é responsável por fornecer mais da metade da eletricidade limpa do país e enfrenta dificuldades para competir com o gás natural. Mas, para tornar-se uma realidade, as estruturas regulatórias e impulsionadores do mercado que definirão a velocidade de expansão da produção. (S&P Global – 05.04.2021)

<topo>

2 Hidrogênio verde: os 6 países que lideram a produção

Para evitar os impactos das mudanças climáticas, muitos países têm buscado meios para suprir a demanda de energia de forma sustentável. Uma solução que tem sido muito considerada é o hidrogênio verde, que é 100% sustentável e pode ser essencial para “descarbonizar” o planeta. Embora seja uma solução inovadora, alguns obstáculos ainda precisam ser superados, como o transporte e armazenamento seguro do hidrogênio e a redução dos custos da tecnologia de eletrólise da água. Muitos acreditam que ele pode oferecer uma solução ecológica para algumas das indústrias mais poluentes, incluindo a de transportes, química, siderúrgica e de geração de energia. Os países que estão desenvolvendo os maiores projetos de produção de hidrogênio verde são: Austrália, Alemanha, Holanda, China, Arábia Saudita e Chile. (BBC News – 11.04.2021)

<topo>

3 Hydrogen Europe anuncia o Hydrogen Act

A União Europeia está desenvolvendo a economia do hidrogênio com o objetivo não só de cumprir com os acordos climáticos, mas também, de preservar e aumentar a competitividade industrial e econômica. Neste contexto, durante o evento “Hydrogen in Society – Bridging the Gaps”, a Hydrogen Europe anunciou a sua última publicação, o Hydrogen Act ou a “Lei do Hidrogênio- rumo a criação de uma economia europeia do hidrogênio”. A proposta do Hydrogen Act, não é ser apenas uma peça legislativa mas pretende ser uma visão para uma estrutura abrangente destinada harmonizar e integrar as ações e legislações relacionadas ao hidrogênio, concentrando-se na infraestrutura e nos aspectos de mercado, apresentando três fases de desenvolvimento: fase de partida, fase de ramp-up e a fase de crescimento de mercado. Para acessar o Hydrogen Act clique aqui. (Fuel Cell Works – 07.04.2021)

<topo>


Equipe de Pesquisa UFRJ
Editor: Prof. Nivalde J. de Castro (nivalde@ufrj.br)
Subeditores: Fabiano Lacombe, Luiza Masseno e Sayonara Andrade Elizário
Pesquisadores: Allyson Thomas e Kalyne Silva Brito
 
Assistente de pesquisa: Sérgio Silva

As notícias divulgadas no IFE não refletem necessariamente os pontos da UFRJ. As informações que apresentam como fonte UFRJ são de responsabilidade da equipe de pesquisa sobre o Setor Elétrico do Instituto de Economia da UFRJ.

POLÍTICA DE PRIVACIDADE E SIGILO
Respeitamos sua privacidade. Caso você não deseje mais receber nossos e-mails,  Clique aqui e envie-nos uma mensagem solicitando o descadastrado do seu e-mail de nosso mailing.


Copyright UFRJ

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: