IFE.H2 26

Informativo Eletrônico – Geração de Energia com Hidrogênio nº 26 – publicado em 07 de abril de 2021.

IFE: Informativo Eletrônico de Mobilidade Elétrica – GESEL-UFRJ <!–

l

IFE: nº 26 – 07 de abril de 2021
http://gesel.ie.ufrj.br/
gesel@gesel.ie.ufrj.br

Editor: Prof. Nivalde J. de Castro

Índice

Políticas Públicas e Financiamentos
1
Nova coalizão pede papel significativo para o hidrogênio limpo nos EUA

Mercado
1 Siemens Energy tem meta hidrogênio com custo de US$ 1,50/kg até 2025
2 Suriname terá usina de hidrogênio verde
3 Projetos de hidrogênio verde na Índia
4 Porto de Açu pode produzir H2V com planta de 300 MW
5 Sul da Austrália terá a maior usina de hidrogênio verde
6 ENEA faz aposta no “Vale de hidrogênio” italiano
7 Noruega: Glomfjord ressurgirá como produtor de hidrogênio
8 Hidrogênio azul para salvar empregos no Mar do Norte
9 Chile: CSH e Paul Wurth Italia Spa fazem parceria para produzir aço verde

10 Índia: ACME planeja construir planta de H2V e amônia
11 África tem potencial para exportar H2V

12 Everfuel começa a trabalhar em estações de abastecimento de hidrogênio em Copenhague
13 Projeto de US$ 1,5 bilhão irá introduzir uma cadeia de H2V no noroeste da Alemanha
14 Projetos dinamarqueses pré-qualificados para o IPCEI
15 Nova Zelândia tem planos para descarbonizar gasodutos até 2050
16 Primeiro centro de hidrogênio de baixo carbono na grande Manchester

Tecnologia e Inovação
1 Powerhouse transforma resíduos em hidrogênio
2 Dinamarca construirá ilha artificial para geração de energia
3 Reino Unido desenvolve calibração de fluxo de H2

Mobilidade
1 Hyundai faz parceria com a Forze Hydrogen Racing
2 Glasgow terá frota de caminhões de lixo movido a hidrogênio
3 Sistemas de célula a combustível para tratores

Eventos
1 Governo alemão abre chamada para projetos de hidrogênio verde
2 O Ceará na vanguarda da geração de energias renováveis

Artigos e Estudos
1 Artigo: hidrogênio como oportunidade para descentralização energética e regulatória
2 O potencial do hidrogênio na agenda sustentável da América Latina
3 Austrália lança relatório sobre a mistura gás natural e H2


 

 

Políticas Públicas e Financiamentos

1 Nova coalizão pede papel significativo para o hidrogênio limpo nos EUA

Uma coalizão recém-formada nos Estados Unidos está pedindo as autoridades políticas que garantam que o hidrogênio limpo desempenhe um papel “significativo” no avanço de uma estratégia nacional de energia e clima, alinhado com o plano do presidente Biden de ‘Reconstruir melhor’. Composta por um grupo diverso de partes interessadas, a Hydrogen Limpo Futuro Coalition (CHFC) foi anunciada na segunda-feira, 22 de Março, com uma visão compartilhada para apoiar as políticas federais de hidrogênio limpo que promovem a produção de carbono zero como uma via fundamental para alcançar os objetivos globais de descarbonização, ao mesmo tempo que aumenta a competitividade global dos EUA. (H2 View – 23.03.2021)

<topo>

 

 

Mercado

1 Siemens Energy tem meta hidrogênio com custo de US$ 1,50/kg até 2025

A Siemens Energy tem como meta reduzir os custos de hidrogênio para US$ 1,50/kg com base no custo de energia de US$ 16/MWh e no funcionamento de um eletrolisador de 100MW. Segundo Christian Brunch, CEO da Siemens Energy, “a energia verde precisa viajar das regiões de custo mais baixo para descarbonizar os centros de alta demanda”. Além dessa nova meta, a empresa tem desenvolvido vários projetos de hidrogênio e parcerias com outros países com a finalidade de tornar o hidrogênio renovável competitivo. Vastas quantidades de energia renovável de baixo custo seriam necessárias para tornar os e-combustíveis competitivos com o hidrogênio convencional até 2025. (S&P Global Platts – 22.03.2021)</font

<topo>

2 Suriname terá usina de hidrogênio verde

O governo do Suriname assinou um acordo com o Hybrid Power System Group (HPSG) da Dinamarca para a construção de uma ‘central elétrica a hidrogênio’, onde serão produzidos 100 megawatts de energia. A água do rio Commewijne será usada para produzir hidrogênio, oxigênio industrial e água limpa. A energia necessária para este processo virá de energia solar e turbinas eólicas. Mas, de acordo com um comunicado da própria HPSG, ela produzirá 719 megawatts de energia com a usina. A energia também será exportada para a Guiana Francesa. O complexo ficará localizado na propriedade de Breedevoort em Commewijne e deve estar “pronto e funcionando” até 2023. A HPSG é a primeira a fazer um ‘investimento estrangeiro direto’ no Suriname, com um investimento de US$ 1,2 bilhão. (Fuel Cells Works – 22.03.2021)</font

<topo>

3 Projetos de hidrogênio verde na Índia

O Maire Tecnimont Group e a Adani Enterprises (AEL) assinaram um MoU para desenvolver, em conjunto, projetos de hidrogênio verde na Índia. O acordo, assinado por meio das subsidiárias NextChem, Stamicarbon e MET Development (MET DEV) da Maire Tecnimont, ajudará a explorar o desenvolvimento de vários projetos industriais usando as tecnologias NextChem e Stamicarbon e as capacidades de desenvolvimento de projetos do MET DEV. “A Índia, nossa segunda casa, está desempenhando um papel cada vez mais estratégico no roteiro de aceleração verde que o Maire Tecnimont Group vem implementando até agora”, disse Pierroberto Folgiero, da Maire Tecnimont Group e CEO da NextChem. (H2 View – 22.03.2021)

<topo>

4 Porto de Açu pode produzir H2V com planta de 300 MW

O porto de Açu assinou um Memorando de Entendimento (MoU) com a Fortescue Future Industries para realizar um estudo da viabilidade de uma planta de hidrogênio verde (H2V) de 300 MW no Porto de Açu. O MoU estabelece bases para o desenvolvimento de projetos de energia solar local e eólica offshore no Rio de Janeiro e Espírito Santo. A proposta de instalação da planta no maior complexo industrial de portos de águas profundas, de propriedade privada da América Latina, é a produção de 250.000 toneladas métricas de amônia verde. O objetivo do acordo é que a disponibilidade de hidrogênio verde e energia renovável impulsione a industrialização sustentável no Porto, como a produção de aço verde, fertilizantes e produtos químicos, combustíveis e outros produtos industriais manufaturados de forma sustentável. (Power Engineering International – 24.03.2021)</font

<topo>

5 Sul da Austrália terá a maior usina de hidrogênio verde

O governo trabalhista Malinauskas quer desenvolver, no Sul da Austrália baeado no seu Plano de Trabalho do hidrogênio, uma estação de energia de hidrogênio de 200 MW, eletrolisadores com capacidade de 250 MW e uma instalação de armazenamento de hidrogênio. Se eleito em março de 2022, os planos do Partido Trabalhista se tornarão realidade e criarão enormes oportunidades para a indústria de energia limpa do estado, em um momento em que a Austrália do Sul tem a pior taxa de emprego do país. Com um plano que pode impulsionar significativamente o futuro de energia limpa da Austrália, a proposta visa desenvolver a maior instalação de produção de hidrogênio e usina de energia do mundo. Dessa forma, o governo de Malinauskas espera criar 300 empregos durante a construção da usina, pelo menos 10.000 empregos nos projetos de energia renovável e 900 empregos na indústria de exportação de hidrogênio. (H2 Viewl – 23.03.2021)</font

<topo>

6 ENEA faz aposta no “Vale de hidrogênio” italiano

A ENEA, uma agência do governo italiano destinada à pesquisa e desenvolvimento, idealizou a criação do primeiro Vale do Hidrogênio italiano para desenvolver uma cadeia de abastecimento nacional de produção, transporte, armazenamento e uso de hidrogênio, com foco na pesquisa, tecnologias, infraestruturas e serviços inovadores. O projecto que conseguiu um investimento de 14 milhões de euros (através da Mission Innovation) prevê a criação da primeira incubadora tecnológica italiana e a construção – no ENEA Casaccia Research Centre, na periferia de Roma – de um conjunto de infraestruturas de alta tecnologia, em colaboração com universidades, institutos de investigação, associações e empresas, para impulsionar a transição energética e a descarbonização. Dentro da incubadora, a eletricidade será gerada usando hidrogênio puro e misturas de gás natural/hidrogênio; que serão estudadas para serem injetadas na rede interna de distribuição de gás, e construído um “duto de hidrogênio” local para transmitir hidrogênio puro sob pressão, com distribuição capilar de acordo com a demanda dos usuários finais. (Fuel Cells Works – 23.03.2021)

<topo>

7 Noruega: Glomfjord ressurgirá como produtor de hidrogênio

Glomfjord já foi a maior usina de eletrólise de água do mundo de produção de hidrogênio, estando em operação de 1943 até 1993. No dia 23 de Març, a empresa hidrelétrica norueguesa Troms Kraft anunciou que se juntou a Glomfjord hidrogênio em um compartilhamento de 15,3%, marcando o primeiro empreendimento da empresa em hidrogênio, juntamente com Greenstat, NEL combustível e Meløy Energi. O Glomfjord Hydrogen é um grupo que busca introduzir hidrogênio no Parque Industrial de Glomfjord com o objetivo de ser capaz de produzir hidrogênio verde e liquefazê-lo no local. O hidrogênio é uma parte importante dos planos futuros de energia do grupo, que vê o investimento como parte da estratégia de longo prazo para transformar o norte da Noruega em um centro de energia renovável. Vegard Frihammer, CEO da Greenstat, disse: “Com a Air Liquide, a NEL Fuel e agora a Troms Kraft a bordo, estamos começando a nos aproximar de uma parceria completa”. (H2 View – 24.03 2021)

<topo>

8 Hidrogênio azul para salvar empregos no Mar do Norte

Os trabalhadores altamente qualificados do setor de petróleo e gás e a cadeia de suprimentos não serão deixados para trás na transição para um futuro de baixo carbono, prometeu o governo do Reino Unido enquanto busca explorar tecnologias novas e emergentes, como o hidrogênio. O movimento atual é sem dúvida o setor de petróleo e gás exercer um papel menos importante na produção de combustíveis líquidos livre de carbono, colocando muitos postos de trabalho em risco no setor. Para evitar essas perdas, o governo e os sindicatos trabalharão com o setor de petróleo e gás para fornecer as habilidades, a inovação e as novas infraestruturas necessárias para descarbonizar a produção do Mar do Norte. Por meio do pacote de medidas, o acordo deve reduzir a poluição em até 60 milhões de toneladas até 2030, incluindo 15 milhões de toneladas da produção de petróleo e gás na plataforma continental do Reino Unido – o equivalente às emissões anuais de 90% das residências do Reino Unido – enquanto apoiará até 40.000 empregos em toda a cadeia de abastecimento. (H2 View – 24.03 2021)

<topo>

9 Chile: CSH e Paul Wurth Italia Spa fazem parceria para produzir aço verde

A Compañia Siderúrgica Huachipato Sa (CSH) e Paul Wurth Italia Spa fizeram uma parceria para explorar a viabilidade de transição das operações de produção de aço de baixo carbono no Chile ao longo de toda a cadeia de valor. Os parceiros conduzirão um estudo de viabilidade para um roadmap tecnológico para a matéria-prima de aço de baixo carbono. O objetivo é preparar um plano imediato que reduza a pegada de carbono das operações da CSH usando energia renovável e hidrogênio, combinados com tecnologias altamente eficientes. Essa mudança na produção de aço levará a um portfólio de produtos para tipos de aço verdes. Thomas Hansmann, Diretor de Tecnologia e Operações da Paul Wurth, disse: “É provável que o Chile ofereça condições perfeitas para o uso de energia renovável e hidrogênio a serem introduzidos na cadeia de valor das operações de mineração e siderurgia”. (H2 Bulletin – 25.03.2021)

<topo>

10 Índia: ACME planeja construir planta de H2V e amônia

A produtora de energia solar da Índia, a ACME Solar Holdings Ltd, assinou um pacto para investir US$ 2,5 bilhões na fabricação de amônia verde e hidrogênio verde, com uma empresa de Omã, a Tatweer. Esta fábrica ficará em Duqm, Omã, e fornecerá amônia verde para a região da Europa, América e Ásia. Um memorando de entendimento (MoU) faz um acordo de uma instalação em grande escala para produzir 2.200 toneladas métricas (mt) de amônia verde por dia foi assinado com a The Oman Company para o Desenvolvimento da Zona Econômica Especial em Duqm, de acordo com a uma declaração do Grupo ACME. A empresa optou por Omã para seu primeiro projeto comercial de amônia verde considerando a localização estratégica e o apoio recebido de órgãos governamentais, além da alta irradiação solar no país. (Fuel Cell Works – 25.03.2021)

<topo>

11 África tem potencial para exportar H2V

Instituições comerciais, a Associação da Indústria Solar da África e a Parceria de Hidrogênio Africano organizaram uma conferência virtual de dois dias para discutir o papel que o hidrogênio verde (H2V) pode desempenhar no crescimento econômico no continente africano e como a dessalinização da água poderia levar água doce a regiões afetadas pela seca. Na conferência foi discutida a viabilidade econômica da dessalinização da água do mar associada com o processo de produção de H2V, bem como o potencial de geração de energia solar e eólica. Segundo Thomas Russ, engenheiro de pesquisa do Conselho de Pesquisa Científica e Industrial (CSIR), o custo de dessalinizar a água do mar, considerado muito proibitivo para uso agrícola ou industrial, para produção de H2, é na ordem de meio a centavos de dólar por quilograma, o que seria mínimo comparado ao custo de alimentar o hidrogênio verde de fontes renováveis. (PV Magazine – 29.03.2021)

<topo>

12 Everfuel começa a trabalhar em estações de abastecimento de hidrogênio em Copenhague

A Everfuel da Dinamarca, anunciou no dia 29 de março, que iniciou os trabalhos de instalação em sua estação de abastecimento de hidrogênio verde perto da Central Elétrica HC Orsted Dinamarca. A estação de abastecimento de hidrogênio terá sua segunda maior capacidade em Copenhague. A capacidade será totalmente expandida em seu nível médio inicial assim que a demanda aumentar. A Everfuel também solicitou licenças para instalar a estação. Depois que tudo correr de acordo com o plano, a estação deverá entrar em operação no final do segundo trimestre de 2021. Em janeiro de 2021, a Everfuel assinou um contrato com a Orsted para a retirada e distribuição de hidrogênio verde de uma instalação de produção em Avedore. O acordo foi assinado quando a Orsted anunciou sua decisão final de investimento para a instalação do eletrolisador do projeto H2RES com uma capacidade de 2 MW, produzindo até cerca de 1.000 kg/dia de hidrogênio renovável. (H2 Bulletin – 29.03.2021)

<topo>

13 Projeto de US$ 1,5 bilhão irá introduzir uma cadeia de H2V no noroeste da Alemanha

Várias das maiores empresas industriais do norte da Alemanha fizeram parceria em um projeto denominado Clean Hydrogen Coastline, de US$ 1,5 bilhão que visa integrar o hidrogênio na costa noroeste da Alemanha. Os parceiros desejam integrar uma capacidade de até 400 MW para eletrólise com o armazenamento correspondente de hidrogênio a ser adicionado à rede de energia até 2026. O projeto contém empresas de toda a cadeia da rede de hidrogênio alemã, o que significa que cada uma terá suas próprias responsabilidades, garantindo que o hidrogênio seja incorporado com sucesso na área. A base do projeto é a criação de hidrogênio verde que será exportado para o resto da Europa, contribuindo para a crescente economia europeia do hidrogênio com um foco maior na aplicação industrial. (H2 View – 24.03.2021)

<topo>

14 Projetos dinamarqueses pré-qualificados para o IPCEI

O governo dinamarquês decidiu participar de um Programa Importante de Interesse Comum Europeu (IPCEI) voltado para hidrogênio e pré-qualificou 5 projetos Ramboll, os quais abrangem desde um corredor de navegação verde leste-oeste através do Mar Báltico, junto com o Porto de Roenne, até o armazenamento de hidrogênio em cavernas de sal. “Esses projetos são, de fato, de grande importância para acelerar a transição verde e permitir grandes projetos Power-to-X”, disse Eva Ravn Nielsen, Consultora-chefe de Power-to-X na Ramboll. (Ramboll – 26.03.2021)

<topo>

15 Nova Zelândia tem planos para descarbonizar gasodutos até 2050

A Nova Zelândia está em busca de reduzir suas emissões de gases de efeito estufa (GEE), tendo emissões líquidas de carbono zeradas até 2050. Dessa forma, desde 2019 o governo introduziu a Lei de Alteração da Resposta as Mudanças Climáticas, e foi nesse sentido que estabeleceu a meta da Nova Zelândia para alcançar líquidas de carbono zeradas até 2050, reduzindo as emissões de metano de 24 para 47 por cento. A meta é que já em 2030 se comece a ter grandes concentrações de hidrogênio misturado ao gás natural, com uma mistura de 20% de H2, pois essa quantidade já reduz as emissões e é economicamente favorável, uma vez que não será necessário adaptar os dutos, podendo fazer a utilização dos que já estão ativos. Além disso, o biogás e o bioGLP surgem como alternativa ao gás natural. (Fuel Cells Works – 29.03.2021)

<topo>

16 Primeiro centro de hidrogênio de baixo carbono na grande Manchester

Uma nova parceria visa apoiar as ambições de que a Grande Manchester se torne a primeira região Net Zero do mundo até 2040, com a instalação planejada do primeiro centro de hidrogênio de baixo carbono da cidade. Pela primeira vez, o combustível de hidrogênio sustentável será produzido em grande escala na região, criando oportunidades para as empresas na área fazerem planos Net Zero com o hidrogênio em mente. A colaboração ocorreu depois que o governo do Reino Unido definiu seu plano de 10 pontos para uma revolução verde e incluiu o hidrogênio e a tecnologia de células a combustível como uma de suas principais ambições. (Fuel Cells Works – 29.03.2021)

<topo>

 

 

Tecnologia e Inovação

1 Powerhouse transforma resíduos em hidrogênio

A Powerhouse Energy desenvolveu uma tecnologia (DMG®) capaz de transformar resíduos plásticos em gás de síntese e/ou hidrogênio e, segundo o presidente executivo da Powerhouse Energy, Tim Yeo, tem feito bons progressos na Polônia. Um acordo com a Hydrogen Utopia International Limited (HUI) concedeu uma licença exclusiva e intransferível para a aplicação da tecnologia DMG®. As plantas podem ser comissionadas dentro de um prazo semelhante ao do Reino Unido e tendo em vista o progresso, a Powerhouse pretende analisar o mercado em outros países europeus e buscar parcerias com os mesmos para adotar um modelo de negócios semelhante ao idealizado com o Peel NRE na Grã-Bretanha e HUI na Polônia. (H2 View – 24.03.2021)

<topo>

2 Dinamarca construirá ilha artificial para geração de energia

A Dinamarca está realizando um novo empreendimento de US$34 bilhões, um novo projeto de construção de uma ilha artificial no Mar Norte com uma capacidade inicial de 3GW, que deverá ser aumentada gradativamente, a medida que construção for sendo concluída, até 2033. O “hub de energia” é uma iniciativa público-privada que tem como objetivo coletar e armazenar energia de turbinas eólicas e distribuí-la para países vizinhos. O país também planeja, em 30 anos, instalar equipamentos para a produção de hidrogênio a partir da água do mar, o qual deverá ser utilizado como combustível para transporte. (Global Energy Prize – 24.03.2021)</font

<topo>

3 Reino Unido desenvolve calibração de fluxo de H2

O Laboratório de Engenharia Nacional TÜV SÜD lançou a primeira instalação de calibração de fluxo de hidrogênio do Reino Unido, para medidores de gás doméstico. A nova instalação ajudará os fabricantes de medidores a determinar se o estoque existente de medidores e as novas tecnologias em desenvolvimento estão medindo corretamente as taxas de fluxo de hidrogênio. Esta é uma etapa crucial para garantir que os medidores de gás hidrogênio implantados no mercado no futuro forneçam medições precisas para fins de cobrança e tributação do cliente. Financiado pelo Departamento de Negócios, Energia e Estratégia Industrial (BEIS), através do mecanismo do Sistema de Medição Nacional, a nova instalação apoiará inicialmente a viabilidade do hidrogênio e a pesquisa metrológica em andamento, no Reino Unido e vários projetos de demonstração que buscam fazer a transição da rede de gás para o hidrogênio. (Fuel Cell Works – 25.03.2021)

<topo>

 

 

Mobilidade

1 Hyundai faz parceria com a Forze Hydrogen Racing

A Hyundai Motor, multinacional sul-coreana de automóveis, está em parceria com a bem-sucedida equipe de estudantes ‘Forze Hydrogen Racing’ da Delft University of Technology para ajudar a desenvolver seu mais recente carro de corrida Forze com chassi Adess LMP3, o Forze IX. A equipe holandesa está envolvida no desenvolvimento de pilotos de hidrogêni /elétrico desde 2007, começando com karts e, em 2012, pilotos de tamanho real. Em 2019, o carro anterior, o obviamente nomeado Forze VIII, terminou em segundo na classe no Gamma Racing Days em Assen. O carro mais novo, porém, deve dar um grande passo em frente e a assistência técnica da Hyundai irá fornecer um grande passo à frente para a equipe, composta por cerca de 60 alunos e seus tutores enquanto eles continuam seus esforços para competir frente a frente com o convencional pilotos motorizados. (Daily Sports Car – 26.03.2021)

<topo>

2 Glasgow terá frota de caminhões de lixo movido a hidrogênio

Enquanto grande parte do mundo está preocupado em descarbonizar o seu setor de transportes, focando apenas nos veículos leves, Glasgow, maior cidade da Escócia, visa o transporte como um todo, abrangendo desde veículos leves até os pesados. Por isso, fez um investimento de £ 7 milhões para contratar a maior frota mundial de caminhões de lixo movido a hidrogênio, um total de 19 veículos. Com esse novo investimento e todo o trabalho antigo que a cidade já vem realizando, espera-se que a redução das emissões de carbono incentive outros operadores de frota a reduzir sua própria pegada de carbono e contribuir para uma zona livre de carbono. (H2 View – 29.03.2021)

<topo>

3 Sistemas de célula a combustível para tratores

O desenvolvedor de células de combustível sediado na Suécia, PowerCell, recebeu no dia 1º de abril, um pedido subsequente para mais dois sistemas de células a combustível de 100 kW de um fabricante global de equipamentos agrícolas. Os sistemas serão utilizados para a realização de novos testes de eletrificação em tratores com células a combustível hidrogênio, com entrega prevista para o quarto trimestre de 2021. O sistema de célula a combustível foi desenvolvido para a eletrificação de, entre outras coisas, veículos dentro do segmento off-road, tais como, equipamentos de movimentação de materiais, equipamentos de construção e vários outros tipos de veículos, como equipamentos agrícolas. Junto com isso, o segmento off-road requer operação confiável, alta potência e flexibilidade, mas também uma boa capacidade de resistir a choques e vibrações. (H2 View – 02.04.2021)

<topo>

 

 

Eventos

1 Governo alemão abre chamada para projetos de hidrogênio verde

O Ministério de Educação e Pesquisa (BMBF) abriu chamada internacional para interessados em pesquisar sobre o hidrogênio verde no país. Com a nova diretriz de financiamento “Internationale Zukunftslabore Grüner Wasserstoff“, o BMBF tem como objetivo reunir os melhores pesquisadores de todo o mundo na Alemanha para avançar ainda mais as pesquisas sobre tecnologias de hidrogênio no país. Os projetos receberão um financiamento de até 5 milhões de euros cada, durante um período de 3 anos. Cada laboratório consistirá de uma equipe de nove a doze cientistas da Alemanha e pelo menos dois de países parceiros. O objetivo é reunir a experiência internacional. Embora a América Latina não esteja entre as regiões contempladas neste primeiro momento, cientistas brasileiros que já pesquisam sobre o tema e tenham parceiros na Alemanha devem entrar em contato participarem da chamada. O prazo para solicitar financiamento do projeto é 22 de abril de 2021. (DWIH São Paulo – março de 2021)</font

<topo>

2 O Ceará na vanguarda da geração de energias renováveis

Em fevereiro, o Governo do Ceará anunciou o projeto de instalação de um hub de hidrogênio verde no Complexo de Pecém, em parceria com a empresa australiana Energyx Energy, e com investimento inicial de US$ 5,4 bilhões. O estado que já exporta energia para outros países poderá expandir ainda mais o seu potencial com a implantação do projeto. Para impulsionar o debate na sociedade O POVO realizou lives nos dias 25/03 e 26/03 sobre o tema nas redes sociais do O POVO online (Facebook e YouTube do O POVO). As lives foram destinadas a todos os interessados em compreender as principais vantagens sociais e econômicas do hub, cuja usina será construída no Complexo do Pecém e deve gerar mais de quatro mil empregos diretos. (O Povo – 25.03.2021)

<topo>

 

 

Artigos e Estudos

1 Artigo: hidrogênio como oportunidade para descentralização energética e regulatória

Em artigo publicado no Broadcast Energia, Maria João Rolim, sócia do Rolim, Viotti, Goulart Cardoso Advogados e PhD em Energia pelo Centro de Dundee, e Alice Khouri, coordenadora da área de Energia do mesmo escritório e PhD Candidate em Direito e Economia na Universidade de Lisboa, falam sobre o papel do hidrogênio na descentralização energética e regulatória. Segundo as autoras, diante de tantos benefícios, incluindo a disruptiva mudança para melhor forma de geração de energia, é hora de juntarmos esforços para superação dos desafios que ainda travam a exploração do H2. É preciso que se inicie a sua incorporação nas políticas energéticas e diretrizes políticas que depois se tornam regulatórias: definição de metas para o desenvolvimento do mercado e sua integração com a infraestrutura elétrica e de gás natural existentes. Para ler o texto na íntegra, clique aqui. (GESEL-IE-UFRJ – 24.03.2021)

<topo>

2 O potencial do hidrogênio na agenda sustentável da América Latina

Em artigo publicado pela Editora Brasil Energia, Andreas Eisfelder, Head de New Energy Business Latin America da Siemens Energy, analisa o potencial do hidrogênio na agenda sustentável da América Latina. Segundo o autor, hoje, a maior parte desse gás é consumida perto de onde ele é produzido, mas é possível transportá-lo para que seja consumido em outros lugares do mundo. Tanto para o Brasil quanto para a América Latina tecnologia traz consigo uma chance de cumprir as metas estabelecidas pelos países no Acordo do Clima de Paris e pode colocar o país e o continente como líderes da transição energética para uma economia de baixo carbono. Para ler o texto na íntegra, clique aqui. (GESEL-IE-UFRJ – 24.03.2021)

<topo>

3 Austrália lança relatório sobre a mistura gás natural e H2

A Austrália está e planejando para conseguir se tornar um hub de hidrogênio, e visando o crescimento do mercado no país a Future Fuels CRC criou um relatório que aborda como a atual regulação de gás, no âmbito da segurança e regulamentação técnica, do ponto de vista econômico e do planejamento do uso da terra e meio ambiente, pode contribuir para a utilização do hidrogênio e outros combustíveis não fósseis. O gás poderá servir como uma ponte para estabelecer a economia do hidrogênio, uma vez que a produção do hidrogênio pode ser feita através da mistura, com custo menor do que a criação de infraestrutura nova, e os dois gases poderão usufruir igualmente de certas tecnologias de transporte, como os gasodutos. (H2 View – 29.03.2021)

<topo>


Equipe de Pesquisa UFRJ
Editor: Prof. Nivalde J. de Castro (nivalde@ufrj.br)
Subeditores: Fabiano Lacombe, Luiza Masseno e Sayonara Andrade Elizário
Pesquisadores: Allyson Thomas e Kalyne Silva Brito 
Assistente de pesquisa: Sérgio Silva

As notícias divulgadas no IFE não refletem necessariamente os pontos da UFRJ. As informações que apresentam como fonte UFRJ são de responsabilidade da equipe de pesquisa sobre o Setor Elétrico, vinculada ao NUCA do Instituto de Economia da UFRJ.

Para contato: ifes@race.nuca.ie.ufrj.br

POLÍTICA DE PRIVACIDADE E SIGILO
Respeitamos sua privacidade. Caso você não deseje mais receber nossos e-mails,  Clique aqui e envie-nos uma mensagem solicitando o descadastrado do seu e-mail de nosso mailing.


Copyright UFRJ

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: