IFE.H2 23

Informativo Eletrônico – Geração de Energia com Hidrogênio nº 23 – publicado em 12 de março de 2021.

l

IFE: nº 23 – 12 de março de 2021
http://gesel.ie.ufrj.br/
gesel@gesel.ie.ufrj.br

Editor: Prof. Nivalde J. de Castro

Índice

Políticas Públicas e Financiamentos
1
Renewable Hydrogen Coalition mapeia políticas europeias para assumir a liderança em hidrogênio renovável
2 A Estratégia Portuguesa do Hidrogénio para a Descarbonização da Economia

Mercado
1 Projeto de hidrogênio do Ceará no Brasil revela mais informações
2 Executivos da indústria de fertilizantes veem a amônia como uma “bateria de hidrogênio”
3 A Thyssenkrupp planeja usina de hidrogênio verde de 500 MW
4 Rússia busca exportar hidrogênio para a Espanha
5 Hydrogen Sussex para levar Greater Brighton à neutralidade de carbono
6 Evolugen e Gazifère anunciam projeto para injeção de hidrogênio verde no Canadá
7 “Hidrogênio verde barato seria um grande negócio para ajudar na transição energética” diz Bill Gates
8 O Reino Unido precisa de £ 350 bilhões para entregar carbono líquido zero
9 Usina elétrica em Utah pretende estudar o uso de hidrogênio em turbinas a gás

10 Siemens Energy vai estudar produção e armazenamento de H2
11 Coreia e Emirados Árabes Unidos cooperarão na economia do hidrogênio

12 Usina de hidrogênio verde no Ceará vai gerar centenas de empregos com altos salários
13 Hidrogênio verde pode substituir carvão e gás na indústria
14 ENGIE e Total vão criar maior fábrica de hidrogênio verde da França
15 Coreia do Sul deve comprar GNL saudita, extrair hidrogênio e retornar CO2
16 Nova fábrica pode reduzir os custos do hidrogênio verde em 20%
17 Escócia lança projeto Wind-to-Whisky offshore
18 SK Group investirá US$16,4B para criar infraestrutura para produção, distribuição e consumo de hidrogênio
19 Hensoldt fortalece seu negócio de soluções para hidrogênio
20 Emirados Árabes cada vez mais perto de ser um grande exportador de hidrogênio azul e verde
21 Hidrogênio: Hamburgo estabelece o ritmo para Europa

Tecnologia e Inovação
1 Hydrogenious constrói mega armazenamento de transportadores de hidrogênio orgânico líquido (LOHC)

Mobilidade
1 Hydrogen Europe e T&E apelam à Comissão Europeia para apoiar hidrogênio verde e amônia
2 O projeto de lei do senador Hawkins foi aprovado
3 Toyota começa a vender módulos avulsos de células a combustível hidrogênio
4 Empresa holandesa converterá embarcação da FPS em hidrogênio

5 Indústria e ambientalistas dizem à UE que o futuro da navegação é hidrogênio verde e amônia
6 Governo Canadense tem iniciativa para promover veículos movidos a hidrogênio



 

 

Políticas Públicas e Financiamentos

1 Renewable Hydrogen Coalition mapeia políticas europeias para assumir a liderança em hidrogênio renovável

A Renewable Hydrogen Coalition, lançada em novembro do ano passado, ganhou o apoio das empresas mais inovadoras e ambiciosas que abrangem toda a cadeia de valor de energia. O dia 3 de março deste ano foi marcado pelo lançamento da Carta de Política para integrar o hidrogênio renovável na Europa e colocar o continente na vanguarda da corrida global por soluções amigáveis ao meio ambiente. A Carta estabelece as bases políticas cruciais para permitir a ampliação e a absorção do mercado de hidrogênio renovável produzido por eletrólise e eletricidade renovável. A Comissária de Energia Kadri Simson reagiu à notícia afirmando que “o hidrogênio renovável terá um papel fundamental a desempenhar em um sistema de energia sustentável, eficiente e moderno da UE. Oferece uma grande oportunidade para a Europa estimular a recuperação verde, criar empregos e ser líder global em tecnologias de energia limpa”. (PV Magazine- 03.03.2021)

<topo>

2 A Estratégia Portuguesa do Hidrogénio para a Descarbonização da Economia

Portugal foi o primeiro país do mundo a assumir o objetivo de ser neutro em carbono em 2050. Trabalhando nesse sentido, a última central a carvão será encerrada este ano. Acredita-se que 2021 será decisivo para impulsionar a economia europeia para a recuperação e o crescimento, preparando o futuro, através de uma dupla transição – verde e digital – e do reforço da resiliência da sociedade. Na Presidência Portuguesa do Conselho da UE esperamos concluir a negociação da Lei Europeia do Clima com o Parlamento Europeu, consagrando a neutralidade climática e um ambicioso objetivo de redução de emissões para 2030 de pelo menos 55%, comparado aos níveis de 1990.O hidrogênio terá um papel muito importante na descarbonização. Portugal tem procurado manter o hidrogênio como uma prioridade central no setor de energia e pretende iniciar o mais rapidamente possível o projeto de produção de hidrogênio verde em escala industrial. (Diário do Nordeste- 22.02.2021)

<topo>

 

 

Mercado

1 Projeto de hidrogênio do Ceará no Brasil revela mais informações

A Enegix Energy Pte Ltd (start-up australiana), que assinou um memorando de entendimento com o Governo do Estado do Ceará, para construção de uma planta de produção de hidrogênio de US $ 5,4 bilhões, revelou mais informações sobre o projeto. O Boletim H2, que deu a notícia no mês passado sobre o negócio, agora apurou através do comunicado da empresa anunciado, no dia 1º de março, que o projeto vai produzir 600 mil toneladas de hidrogênio verde anualmente e levará até quatro anos para ser construído. Quinhentos hectares de terras comerciais foram avaliados no Porto de Pecém como um local potencial para o processo de eletrólise. A Enegix planeja que o projeto Base One seja expandido para mais 100 GW, para atender a demanda global no futuro. A Enegix disse que os 3,4 GW de energia eólica e solar combinados por meio de uma parceria com a Enerwind já estão funcionando. (H2 Bulletin – 01.03.2021)

<topo>

2 Executivos da indústria de fertilizantes veem a amônia como uma “bateria de hidrogênio”

A amônia, normalmente utilizada na fabricação de fertilizantes agrícolas, pode desempenhar um papel chave totalmente diferente do atual em um futuro próximo, já que pode servir como forma de armazenar e transportar o hidrogênio. Transportar e armazenar o hidrogênio em forma de amônia, seria economicamente mais viável, já que é possível liquefazê-la a uma temperatura de -33°C, enquanto o hidrogênio necessita de -253°C para liquefazê-lo. Por outro lado, para transportar é preciso formar o hidrogênio em amônia e depois reconvertê-lo novamente. Atualmente, 55% de todo o hidrogênio produzido na Europa vai para a produção de amônia e essa parcela deve aumentar, já que Tove Andersen, vice-presidente executivo da Yara, uma empresa de fertilizantes que recentemente anunciou recentemente que tem planos de produzir 500.000 toneladas de amônia verde anualmente na Noruega. No relatório da EURACTIV os autores ressaltam Que o apoio regulatório e financeiro será necessário crucial para reduzir os custos e limpar a produção de amônia. (Euractiv – 03.03.2021)

<topo>

3 A Thyssenkrupp planeja usina de hidrogênio verde de 500 MW

A gigante alemã Thyssenkrupp está planejando a construção de usina de eletrólise para produção de hidrogênio com capacidade de 500 MW, juntamente com a Steag, que será destinado à produção de aço. O projeto HydrOxy Hub Walsum deverá ser conectado à rede e produzir hidrogênio verde e renovável até 2025. Devido à proximidade com a usina de produção de aço de Duisburg da Thyssenkrupp, ele está previsto para ser construído em Walsum, evitando a construção de um elaborado sistema de abastecimento e permitindo que o projeto seja implementado muito mais rapidamente. O HydrOxy Hub Walsum pretende atuar como um caso de teste na descarbonização da produção de aço na Alemanha e posteriormente ser usado como modelo e ser expandido na Europa. A unidade de produção de aço da Thyssenkrupp em Duisburg é “a maior siderúrgica local da UE”, servirá como um exemplo promissor de neutralidade climática na produção de aço, de acordo com o Dr. Ralf Schiele, responsável pelas divisões de mercado e tecnologia da Steag. (Renew Economy – 02.03.2021)

<topo>

4 Rússia busca exportar hidrogênio para a Espanha

A Rússia propôs exportar hidrogênio para a Espanha, disse o vice-primeiro-ministro Alexander Novak em uma reunião de autoridades russas e espanholas. “A tendência na Europa de descarbonizar a União Europeia criou para a Rússia e a Espanha novas possibilidades de soluções inovadoras”, disse Novak em um comunicado oficial em uma reunião da comissão intergovernamental russo-espanhola. As duas partes na reunião trocaram informações sobre a situação econômica na Rússia e na Espanha e as tendências no desenvolvimento das relações comerciais e econômicas. A Rússia é um grande fornecedor de recursos energéticos para a Espanha e é o segundo maior fornecedor de gás natural liquefeito, atrás dos Estados Unidos. (Global Energy Prize – 02.03.2021)

<topo>

5 Hydrogen Sussex para levar Greater Brighton à neutralidade de carbono

Greater Brighton, localizada na região sul da Inglaterra, está investindo cada vez mais no hidrogênio e agora faz parte de um novo grupo, chamado Hydrogen Sussex, dedicado a colocar a região na vanguarda da revolução energética. O grupo, composto por empresas, autoridades locais e organizações de toda a região, visa posicionar o combustível limpo como o principal transportador de energia, para se tornar uma economia de carbono zero. O Hydrogen Sussex cresceu a partir do Greater Brighton Energy Plan lançado em 2020 e tem como principal objetivo levar a região a neutralidade de carbono, apoiar e estimular o desenvolvimento de alternativas limpas para os setores críticos da economia do Reino Unido, emissores de carbono e poluição do ar, aviões, navios, caminhões e ônibus. Para alcançar seu objetivo, a Hydrogen Sussex está apoiando grandes projetos inovadores, como por exemplo, a introdução de 54 ônibus movidos a hidrogênio, em Crawley. (Fuel Cells Works – 01.03.2021)

<topo>

6 Evolugen e Gazifère anunciam projeto para injeção de hidrogênio verde no Canadá

A Gazifère, uma subsidiária da Enbridge, e a Evolugen, o braço de operações canadense da Brookfield Renewable, anunciaram hoje planos para construir e operar um dos maiores projetos de injeção de hidrogênio verde do Canadá em Quebec. Para isso, as empresas anunciaram que irão construir e operar uma planta de produção de hidrogênio por eletrólise da água de aproximadamente 20 MW, com custo de aproximadamente $ 90 milhões. A energia será proveniente da hidrelétrica da Evolugen. Estima-se que uma capacidade de 425.000 GJ de hidrogênio verde será produzida para injetar na rede de distribuição de gás natural da Gazifère por meio de um novo gasoduto de 15 quilômetros e removerá cerca de 15.000 toneladas métricas de emissões de GEE por ano. (Fuel Cells Works – 01.03.2021)

<topo>

7 “Hidrogênio verde barato seria um grande negócio para ajudar na transição energética” diz Bill Gates

O investidor e filantropo Bill Gates disse, em uma conferência virtual no último dia 1, que o hidrogênio verde barato seria um “grande negócio” para ajudar na transição energética, mas acrescentou que seu prêmio verde irá influenciar seu uso. O prêmio verde é o custo extra que o consumidor paga para comprar um combustível ou tecnologia que emite menos gases de efeito estufa. É especialmente significativo em setores como combustível sustentável de aviação e cimento, disse Gates. O investidor, embora seja o maior cliente de biocombustíveis de aviação nos EUA, disse que este tem um custo três vezes maior que os combustíveis de aviação convencionais à base de petróleo. “Será interessante ver como podemos aumentar isso para poder obter prêmio verde abaixo do 300%, o que para indústria de aviação, significa que os preços teriam que ser um pouco mais altos”, disse gates. (Fuel Cell Works – 01.03.2021)

<topo>

8 O Reino Unido precisa de £ 350 bilhões para entregar carbono líquido zero

Um investimento total de £ 350 bilhões é necessário em tecnologia, incluindo redes de hidrogênio, energias renováveis e armazenamento em bateria ao longo dos próximos 30 anos, para completar a transição para o líquido zero do Reino Unido, de acordo com um novo relatório. O relatório, intitulado Alinhando as estrelas: proprietários de ativos e investimento em energia em direção ao líquido zero, publicado pela LCP. Além disso, estima que o setor de energia poderia aproveitar o capital privado inexplorado para desenvolver “ativos de investimento da ordem de £ 350 bilhões” nos próximos 30 anos, com o objetivo de descarbonizar a economia do Reino Unido. Essa escala de investimento equivale a £ 12 bilhões por ano, todos os anos até 2050. <a href= (Renews – 02.03.2021)

<topo>

9 Usina elétrica em Utah pretende estudar o uso de hidrogênio em turbinas a gás

A Siemens Energy se associou à Intermountain Power Agency para realizar um estudo de projeto conceitual sobre a integração de um sistema de armazenamento de energia de hidrogênio em uma usina de ciclo combinado de classe avançada. O projeto recebeu uma doação de US$ 200.000 do Departamento de Energia dos Estados Unidos, um dos quatro prêmios de financiamento recebidos pela Siemens Energy no final de 2020, para o avanço das aplicações de hidrogênio no setor de geração de energia dos Estados Unidos. O estudo está programado para começar em março deste ano na Estação Geradora Intermountain de 840 MW em Delta, Utah. O objetivo deste estudo é analisar a eficiência geral e a confiabilidade do fornecimento de energia, livre de CO2, envolvendo a produção em larga escala e o armazenamento de hidrogênio. Além disso, o estudo analisará aspectos da integração do sistema a uma usina existente e rede de transmissão, como a interação com subsistemas, dimensionamento e custos. (Power Engineering International – 04.03.2021)

<topo>

10 Siemens Energy vai estudar produção e armazenamento de H2

A Siemens Energy AG da Alemanha disse na segunda-feira que está se preparando para lançar um estudo sobre a produção e armazenamento de hidrogênio em grande escala para uso no fornecimento de energia na usina de ciclo combinado Intermountain de 840 MW em Utah. A usina Intermountain está atualmente mudando da queima de carvão para gás natural, com planos de integrar combustível de 30% de hidrogênio em 2025, aumentando a proporção para 100% até 2045. (Renewables Now – 02.03.2021)

<topo>

11 Coreia e Emirados Árabes Unidos cooperarão na economia do hidrogênio

A Coreia do Sul e os Emirados Árabes Unidos (EAU) concordaram nesta quinta-feira (4 de março) em fortalecer a cooperação para promover a economia do hidrogênio e outras tecnologias industriais. Ambos os países concordaram em promover o sistema de valor do hidrogênio e cooperar para promover o comércio do hidrogênio. O Dr. Sultan bin Ahmed Al Jaber, Ministro da Indústria e Tecnologia Avançada dos Emirados Árabes Unidos, e Sung Yun-mo, Ministro da Indústria da Coreia, realizaram uma reunião virtual e assinaram o memorando de entendimento (MoU) para cooperação na economia do hidrogênio. A Coreia do Sul estabeleceu um roteiro para o hidrogênio e promulga a primeira lei do hidrogênio do mundo. Os Emirados Árabes Unidos também estão trabalhando pela neutralidade do carbono, então a cooperação em novos campos de energia, como o hidrogênio, é essencial. (H2 Bulletin – 04.03.2021)

<topo>

12 Usina de hidrogênio verde no Ceará vai gerar centenas de empregos com altos salários

A construção da nova usina de hidrogênio verde no Ceará terá um impacto substancial no mercado de energias renováveis do Estado. Segundo Wesley Cooke, CEO da Enegix, empresa australiana que investirá US$ 5,4 bilhões na planta de produção a ser instalada no Pecém, o empreendimento deverá gerar cerca de mil empregos na fase de construção e “centenas de oportunidades” na fase de operação. As informações foram repassadas ao Diário do Nordeste em entrevista exclusiva. Além disso, o CEO da Enegix e o diretor de operações da empresa, Marco Stacke, destacaram que os empregos gerados na “Base One”, como é chamada a usina de hidrogênio verde, terão um alto padrão salarial por conta do alto perfil tecnológico da operação dos sistemas. “O projeto de construção deve ser um processo contínuo e acreditamos que devemos empregar cerca de mil pessoas nessa etapa, mas o mais importante é que, na fase de operação, nós iremos criar centenas de empregos com altos níveis de salário”, disse Marco Stacke. (The European Files – 03.03.2021)

<topo>

13 Hidrogênio verde pode substituir carvão e gás na indústria

O hidrogênio verde, entre outras funções, pode fornecer energia para aquecimento de prédios, substituir o carvão e o gás na indústria. “Há também os usos do hidrogênio em indústrias que consomem muita energia. Este é o caso, por exemplo, da mineração, das refinarias, da produção de aço, da produção de amoníaco”, afirma Olivier Delprat, gerente de desenvolvimento de negócios da área de Gás da ENGIE Brasil. O uso do hidrogênio na indústria de aço é importante, uma vez que, segundo o FCH JU o setor responde por 7% das emissões de CO2. O uso do hidrogênio verde para geração de calor pode servir a outros setores. É possível, por exemplo, usá-lo nas indústrias de cimento, químicos, refino de petróleo, e na produção de papel. (Além da Energia – fevereiro 2021)

<topo>

14 ENGIE e Total vão criar maior fábrica de hidrogênio verde da França

A ENGIE e a Total formaram uma parceria para desenvolver, construir e operar o maior projeto de fabricação de hidrogênio verde da França. O projeto, anunciado em janeiro, ficará na região sul da Provença-Alpes-Costa Azul, dentro de uma biorrefinaria da Total. O equipamento de eletrólise de 40 MW deve produzir cinco toneladas de hidrogênio verde por dia. O combustível vai suprir o processo de produção de biocombustível da refinaria da Total. Assim, será possível evitar a emissão de 15 mil toneladas de CO2 por ano. Como a fonte de energia para a eletrólise é a energia solar, a unidade terá também uma solução para gerenciar a produção e o armazenamento do hidrogênio. (Além da Energia – 05.03.2021)

<topo>

15 Coreia do Sul deve comprar GNL saudita, extrair hidrogênio e retornar CO2

Saudi Aramco e Hyundai Oilbank firmaram um acordo sobre o fornecimento de gás natural liquefeito (GNL) para a Coreia do Sul – para ser usado na extração de hidrogênio. O CO2 criado no processo deve então ser enviado de volta para a Arábia Saudita, disse a Hyundai Heavy Industries da Coréia do Sul. O hidrogênio obtido será usado pela Hyundai Oilbank. (Global Energy Prize – 05.03.2021)

<topo>

16 Nova fábrica pode reduzir os custos do hidrogênio verde em 20%

O fabricante dinamarquês de catalisadores Haldor Topsoe planeja construir uma instalação em grande escala para fabricar eletrolisadores que seriam usados para a produção de hidrogênio verde e potencialmente reduzir o custo do hidrogênio verde em 20 %. A Haldor Topsoe planeja ter sua nova instalação de produção de eletrolisadores de óxido sólido (SOEC) em operação até 2023, disse a empresa esta semana. Os eletrolisadores da fábrica poderiam reduzir os custos de produção de hidrogênio verde em até 20%. A Haldor Topsoe vai investir na fábrica de eletrolisadores de óxido sólido altamente eficientes com uma capacidade total de 500 MW por ano, com a opção de expansão para 5 GW por ano. (Oil Price – 05.03.2021)

<topo>

17 Escócia lança projeto Wind-to-Whisky offshore

Várias empresas escocesas lançaram um plano para produzir hidrogênio verde em Cromarty Firth usando energia eólica offshore, parte da qual seria usada para abastecer destilarias de uísque nas Highlands. O plano, envolvendo o Porto de Cromarty Firth, faz parte do Programa de Hidrogênio do Norte da Escócia, que visa produzir, armazenar e distribuir hidrogênio para a região, Escócia, e outras partes do Reino Unido e Europa. Um estudo de viabilidade para este projeto de destilarias kick-starter começará este mês e deve ser concluído em junho. O projeto está sendo financiado pela ScottishPower, gigantes do setor de bebidas Glenmorangie, Whyte e Mackay e Diageo e Pale Blue Dot Energy. O objetivo é que a energia seja fornecida através de parques eólicos atuais e futuros. (Offshore Wind – 05.03.2021)

<topo>

18 SK Group investirá US$16,4B para criar infraestrutura para produção, distribuição e consumo de hidrogênio

O SK Group, com sede na Coréia, investirá cerca de 18 trilhões de won (US $ 16,4 bilhões) nos próximos cinco anos para criar um ecossistema doméstico de hidrogênio – produção, distribuição e consumo – por meio da criação de infraestrutura de hidrogênio, bem como, através de parcerias com empresas globais. O projeto será dividido em duas fases: na primeira fase, a SK E&S investirá cerca de US$446M para construir uma planta de hidrogênio liquefeito (LH2), com capacidade de produzir 30000 toneladas de LH2. Na segunda fase, a SK investirá US$4,7B até 2025 em uma planta de produção de hidrogênio com capacidade de produção de 250.000 toneladas, a partir do gás natural liquefeito. A tecnologia de captura de carbono e de tratamento removerá 250.000 toneladas de dióxido de carbono. A SK irá operar 100 estações de recarga de hidrogênio em todo o país até 2025 para fornecer 80.000 toneladas de hidrogênio liquefeito por ano. (Green Car Congress – 05.03.2021)

<topo>

19 Hensoldt fortalece seu negócio de soluções para hidrogênio

Hensoldt, uma empresa de soluções em tecnologias está desenvolvendo gradativamente suas especialidades visando o hidrogênio, com soluções para produzir, armazenar e transportar energia regenerativa à base de hidrogênio. Para continuar enfrentando os principais desafios da energia do futuro para os seus clientes e poder se tornar a empresa número um em soluções em tecnologias de hidrogênio, a Hensoldt adquiriu a MAHYTEC, uma fabricante de tanques e sistemas de armazenamento de hidrogênio e de energia renovável. A principal função da MAHYTEC para complementar a oferta de produtos da Hensoldt, na área do hidrogênio, será a adição de tecnologias de armazenamento de hidrogênio de última geração, um segmento no qual a MAHYTEC é líder. (H2 View- 04.03.2021)

<topo>

20 Emirados Árabes cada vez mais perto de ser um grande exportador de hidrogênio azul e verde

Os Emirados árabes, um dos países que mais produzem petróleo e gás natural, está em busca de uma economia do hidrogênio, e essa busca pode se tornar um sucesso com o hidrogênio azul. O país utiliza a tecnologia CCUS, com captura de 90% do carbono, produzindo hidrogênio por meio de combustíveis fósseis. Para consolidar ainda mais a posição dos Emirados Árabes com o hidrogênio, o Ministério de Energia e Infraestrutura dos Emirados Árabes Unidos une-se à Aliança de Hidrogênio de Abu Dhabi. Os Emirados Árabes Unidos possuem os recursos naturais necessários, e agora irá estabelecer a posição de Abu Dhabi, capital dos Emirados Árabes Unidos, como exportador confiável de hidrogênio azul a curto e médio prazo, formando uma economia sólida de hidrogênio. Além do mais, também irá estabelecer a posição de Abu Dhabi como exportador confiável de hidrogênio verde, no curto, médio e longo prazo. (Fuel Cells Works – 06.03.2021)

<topo>

21 Hidrogênio: Hamburgo estabelece o ritmo para Europa

A União Europeia está acreditando no potencial do hidrogênio e, o norte da Alemanha, devido seus fortes recursos eólicos, tem sido chamado de “República do Hidrogênio da Alemanha”. Hamburgo, por sua vez, com sua forte infraestrutura e porto, está no centro. Recentemente, as empresas Shell, Mitsubishi Heavy Industries (MHI), Vattenfall e a empresa municipal Wärme Hamburg assinaram uma carta de intenções para produção, conjuntamente, de hidrogênio a partir da energia eólica e solar no local da usina de Hamburgo-Moorburg e utilizá-lo nas proximidades. Além da construção de um eletrolisador escalável com uma produção inicial de 100 megawatts, está planejado o desenvolvimento do chamado “Centro de Energia Verde”. Além do porto, a Hamburguer Hochbahn, pioneira entre as empresas de transporte municipal na conversão para motores livre de emissões, em uma primeira etapa, comprará até 50 ônibus a hidrogênio. Além disso, uma rede de dutos separada está sendo criada, para fornecer hidrogênio verde às indústrias de aço, cobre e alumínio de uso intensivo de energia, até 2030. (Fuel Cells Works – 06.03.2021)

<topo>

 

 

Tecnologia e Inovação

1 Hydrogenious constrói mega armazenamento de transportadores de hidrogênio orgânico líquido (LOHC)

A Hydrogenious LOHC Technologies, fornecedora alemã de soluções de infraestrutura de hidrogênio, planeja construir uma megaestrutura para armazenar transportadores de hidrogênio orgânico líquido (LOHC), em Chempark Dormagen. A empresa afirma que seria a maior planta de armazenamento LOHC do mundo. O projeto será desenvolvido pela subsidiária da empresa LOHC Industrial Solutions NRW GmbH. A planta deverá ter uma capacidade de armazenamento de LOHC planejada para cerca de 1.800 toneladas/ano. O comissionamento da usina está previsto para 2023. O estado da Renânia do Norte-Vestfália, onde a usina está sendo construída, também está apoiando o projeto com um financiamento de € 9 milhões (US $ 10,9 milhões). (H2 Bulletin- 03.03.2021)

<topo>

 

 

Mobilidade

1 Hydrogen Europe e T&E apelam à Comissão Europeia para apoiar hidrogênio verde e amônia

O hidrogênio e verde a amônia são soluções sustentáveis e escalonáveis para o transporte marítimo. Em uma carta conjunta enviada à Comissão Europeia, a Hydrogen Europe e a T&E disseram que a política de combustível marítimos da UE precisa enviar um “sinal claro de demanda” aos potenciais investidores, concentrando-se nesses combustíveis verdes e suas tecnologias de propulsão relevantes. Eles pediram que que a CE estimule, no âmbito da FuelEU Maritime, a implantação inicial de hidrogênio verde e amônia no transporte marítimo. Dirigida ao vice-presidente executivo Frans Timmermans, à comissária de transporte Adina Valean, à comissária de energia Kadri Simson e ao comissário Thierry Breton, a carta diz que, embora haja muitos combustíveis alternativos potenciais para o transporte marítimo, nem todos são tão promissores quanto o hidrogênio verde e a amônia. (H2 View- 04.03.2021)

<topo>

2 O projeto de lei do senador Hawkins foi aprovado

O senador Brad Hawkins quer acelerar a adoção de veículos elétricos movidos a célula a combustível hidrogênio no estado de Washington. No ano de 2020, ele preparou um projeto de lei para a sessão legislativa com o objetivo de estabelecer uma redução de imposto estadual, durante oito anos, sobre vendas, para quem adquirir veículos elétricos movidos a células a combustível hidrogênio. A sessão legislativa ocorreu no dia 04/03, e em unanimidade o Senado aprovou o projeto de lei 5000 do Senado. Com as primeiras estações de abastecimento de hidrogênio em Washington previstas para estarem operacionais em 2022, o projeto de lei permitiria que um total de 650 veículos recebesse uma isenção de imposto de vendas de 50% nos anos fiscais de 2023 a 2029. (H2 View- 04.03.2021)

<topo>

3 Toyota começa a vender módulos avulsos de células a combustível hidrogênio

Em breve a Toyota estará vendendo seus próprios módulos de célula de combustível. Assim como a Volkswagen vende sua plataforma elétrica MEB para outros fabricantes, sendo a Ford o primeiro cliente, a montadora japonesa disponibilizará sua tecnologia de propulsão a hidrogênio para qualquer pessoa interessada em comprar. Os módulos Toyota estarão à venda a partir de abril, inicialmente apenas no Japão. São compatíveis com diversas aplicações e podem ser montados em caminhões, carros e ônibus, mas também em trens ou navios. Além disso, eles também são compatíveis para outros usos não relacionados com o transporte, por exemplo, para geração de energia. A ideia por trás da iniciativa da Toyota é facilitar ao máximo a difusão da tecnologia de células a combustível, tanto para aumentar os volumes de produção (reduzindo custos) quanto para acelerar a criação de uma infraestrutura adequada. (Insideev’s – 04.03.2021)

<topo>

4 Empresa holandesa converterá embarcação da FPS em hidrogênio

Os navios emitem 2% do dióxido de carbono global e isso representa um número significativo para o aumento da temperatura do meio ambiente. A Future Proof Shipping (FPS) oferecerá serviços de transporte marítimo com emissões zero para permitir que os participantes da cadeia de valor façam a transição para as emissões zero. A operação começará no terceiro trimestre de 2021 e espera-se que até dezembro deste mesmo ano, o navio navegue com 100% energia de hidrogênio. (Fuel Cells Works- 04.03.2021)

<topo>

5 Indústria e ambientalistas dizem à UE que o futuro da navegação é hidrogênio verde e amônia

A UE deve promover o uso de hidrogênio verde e amônia em navios como parte de sua próxima lei de combustível marítimo, disseram os principais agentes da indústria naval e ambientalistas à Comissão Europeia. A FuelEU Maritime exigirá que os navios que transportam comércio mudem progressivamente para combustíveis alternativos sustentáveis. Em uma carta pública, as empresas de transporte DFDS, CMB e Viking Cruises, a Trafigura e o grupo Transport & Environment (T&E) afirmam que o hidrogênio verde e a amônia são sustentáveis e podem ser produzidos em quantidades suficientes para descarbonizar a indústria. Acrescentam ainda que os biocombustíveis não oferecem uma alternativa sustentável para o transporte marítimo. (Green Car Congress – 07.03.2021)

<topo>

6 Governo Canadense tem iniciativa para promover veículos movidos a hidrogênio

O Canadá desenvolverá uma economia doméstica de hidrogênio, proporcionando benefícios econômicos e ambientais em nível nacional, reduzindo as emissões em setores como transporte e posicionando o hidrogênio como um componente-chave de nosso futuro líquido zero. A Associação Canadense de Hidrogênio e Célula de Combustível (CHFCA) recebeu US $ 46.000 para promover os benefícios dos veículos elétricos a célula a combustível hidrogênio (FCEVs), com tempos de abastecimento curtos, tornando-os uma ótima opção para setores como ônibus e caminhões. O objetivo é acelerar a adoção de FCEVs em frotas do governo e do setor privado, aumentando a conscientização sobre os benefícios deles nas estradas canadenses. O financiamento federal é feito por meio da Iniciativa de Conscientização de Veículos com Emissão Zero do Departamento de Recursos Naturais do Canadá, apoiando a meta do governo de vendas de veículos de passageiros com emissão zero até 2040. A CHFCA também está investindo no projeto, elevando o financiamento total para US $ 121.000. (Fuel Cells Works – 03.03.2021)

<topo>


Equipe de Pesquisa UFRJ
Editor: Prof. Nivalde J. de Castro (nivalde@ufrj.br)
Subeditores: Fabiano Lacombe, Luiza Masseno e Sayonara Andrade Elizário
Pesquisadores: Allyson Thomas e Kalyne Silva Brito 
Assistente de pesquisa: Sérgio Silva

As notícias divulgadas no IFE não refletem necessariamente os pontos da UFRJ. As informações que apresentam como fonte UFRJ são de responsabilidade da equipe de pesquisa sobre o Setor Elétrico, vinculada ao NUCA do Instituto de Economia da UFRJ.

Para contato: ifes@race.nuca.ie.ufrj.br

POLÍTICA DE PRIVACIDADE E SIGILO
Respeitamos sua privacidade. Caso você não deseje mais receber nossos e-mails,  Clique aqui e envie-nos uma mensagem solicitando o descadastrado do seu e-mail de nosso mailing.


Copyright UFRJ

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: