IFE.H2 09

Informativo Eletrônico – Geração de Energia com Hidrogênio nº 09 – publicado em 11 de novembro de 2020.

IFE: Informativo Eletrônico de Mobilidade Elétrica – GESEL-UFRJ <!–

l

IFE: nº 09 – 11 de novembro de 2020
http://gesel.ie.ufrj.br/
gesel@gesel.ie.ufrj.br

Editor: Prof. Nivalde J. de Castro

Índice

Políticas Públicas
1
UE: Legisladores podem impulsionar o mercado de hidrogênio
2 Acordo Austrália-Alemanha pode impulsionar comércio de hidrogênio
3 Hidrogênio verde na Zona de Exclusão de Chernobyl

Mercado
1 UE e China estão em guerra pela liderança do mercado de hidrogênio
2 Hidrogênio russo ajudará a tornar economias líderes mais limpas
3 Vestas assume controle de empreendimento eólico offshore de olho no hidrogênio verde
4 Austrália: Setor de hidrogênio aumenta em toda a cadeia de abastecimento
5 União Europeia busca investidores privados para projeto de hidrogênio verde
6 Rússia busca se tornar exportadora de hidrogênio
7 Alemanha: Uso de amônia para fornecimento de hidrogênio
8 Snam promoverá o crescimento do hidrogênio verde na Índia

9 Projetos de hidrogênio verde da RWE

Tecnologia e Inovação
1 Empresas fazem parceria para transformar plásticos em hidrogênio branco
2 Armazenamento de hidrogênio será mais fácil e seguro com tecnologia criada na Rússia
3 Célula eletroquímica de ácido sólido produz hidrogênio a partir da amônia

4 Rhino Doors: novos produtos de segurança para estações de hidrogênio

5 First Graphene e Kainos Innovation: nova rota para obtenção de hidrogênio

Mobilidade
1 Tecnologia de hidrogênio para o setor do transporte na Rússia
2 Transport Canada contrata CNL para descarbonizar o transporte marinho
3 Snam, IVECO e FPT Industrial colaborando no transporte de hidrogênio
4 Green Team Twente: Carro movido a hidrogênio mais eficiente do mundo

5 Brigada de incêndio depende da célula combustível EFOY
6 Caminhão Kenworth movido a hidrogênio atinge marco histórico
7 EUA: Trem movido a hidrogênio terá cilindros fornecido pela Hexagon
8 Ulstein apresenta o segundo projeto de embarcação híbrida de hidrogênio

Eventos
1 BW Expo Summit Digital 2020 trará hidrogênio na pauta
2 Inscrições para a Semana Europeia de Hidrogênio estão abertas
3 Irlanda do Norte: Oportunidades de hidrogênio serão discutidas em webinar

Artigos e Estudos
1 O uso doméstico de hidrogênio é uma péssima ideia
2 Produção de H2 por eletrólise a vapor em SAECs em temperaturas intermediárias
3 Pesquisadores espanhóis desenvolvem eletrólise induzida por microondas



 

 

Políticas Públicas

1 UE: Legisladores podem impulsionar o mercado de hidrogênio

As políticas públicas desempenham um papel fundamental para acelerar a transição para o hidrogênio, bem como a cooperação internacional. Para que isso aconteça os legisladores europeus devem criar demanda em escala, ou seja, disponibilizar hidrogênio a um preço acessível de modo que justifique os investimentos no setor. Além disso, é necessário solucionar algumas lacunas ainda existentes no mercado, como o uso do hidrogênio como meio de armazenamento de energia renovável e a criação de uma infraestrutura para transporte, armazenamento e transporte do hidrogênio. Por outro lado, além de redes de transporte e produtos prontos para o mercado, a falta de padronização, certificação e regras consistentes é vista como barreira para a entrada no mercado e, com isso, para a expansão da economia do hidrogênio. (Euractiv – 29.10.2020)

<topo>

2 Acordo Austrália-Alemanha pode impulsionar comércio de hidrogênio

A Austrália pretende se tornar “uma potência na produção e exportação de hidrogênio” e assinou “um acordo histórico” com a Alemanha, no dia 11 de setembro. O acordo bilateral tem o objetivo de aumentar as importações alemãs de hidrogênio, que será produzido nas usinas de energia solar na Austrália, o que pode estabelecer um marco do mercado global de hidrogênio verde. Para tornar o acordo viável eles terão que superar o desafio dos custos do transporte a longas distâncias, o que exige temperaturas extremamente baixas com altos custos no processo de liquefação. Outro ponto analisado é a certificação do produto antes que ele possa ser comercializado internacionalmente. “ A Alemanha precisa saber com certeza que o hidrogênio que está comprando é renovável”, disse Finkel, cientista-chefe da Austrália. (Euractiv – 30.10.20)

<topo>

3 Hidrogênio verde na Zona de Exclusão de Chernobyl

O Ministro da Proteção Ambiental e Recursos Naturais da Ucrânia, Roman Abramovsky, acredita que a Zona de Exclusão de Chernobyl pode atrair investimentos na produção de hidrogênio verde e energia renovável, como parques eólicos. “Podemos oferecer condições favoráveis na zona de exclusão porque há um baixo custo de arrendamento de terras, um coeficiente de 0,15 do custo normal”, disse Abramovsky em entrevista divulgada nesta última semana. (Ukrinform – 07.11.2020)

<topo>

 

 

Mercado

1 UE e China estão em guerra pela liderança do mercado de hidrogênio

O hidrogênio, visto como meio de combater o problema das mudanças climáticas, desencadeou uma corrida global para construção de um negócio que pode valer bilhões de dólares. A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, colocou o Pacto Verde no centro de um ambicioso plano energético para o bloco, avaliado em 750 bilhões de euros (R$ 5 trilhões). Enquanto a Europa tem planos ambiciosos para reduzir suas emissões e entrar nesse mercado, a China não fica atrás. O presidente Xi Jinping anunciou recentemente que o país asiático se tornaria neutro em CO2 até 2060. Na região chinesa da Mongólia Interior, um gigantesco parque eólico e solar está sendo construído para produzir hidrogênio. (Sputinik Brasil – 02.11.2020)

<topo>

2 Hidrogênio russo ajudará a tornar economias líderes mais limpas

A transição para o uso do hidrogênio como combustível para transporte e geração de energia deve ter um papel significativo para uma economia de baixo carbono, também na Rússia. Com o planejamento de descarbonizar a economia, o governo russo busca diversificar seu “portfólio de energia” e impulsionar as exportações de hidrogênio. Atualmente, a Rússia produz hidrogênio para uso no setor industrial e doméstico, mas espera exportar 200.000 toneladas por ano até 2024 e aumentar as exportações em dez vezes até 2035. A Rússia, que planeja fornecer hidrogênio para o Japão, China, Coreia do Sul e até para a Europa, está apoiando projetos para desenvolver tecnologias para a produção, armazenamento e transporte de hidrogênio. (Avalanche Notícias – 04.11.2020)

<topo>

3 Vestas assume controle de empreendimento eólico offshore de olho no hidrogênio verde

A gigante dinamarquesa Vestas, maior companhia mundial produtora de turbinas de energia eólica, deve assumir a propriedade total do empreendimento eólico offshore que possui com a empresa japonesa Mitsubishi, com seus olhos direcionados para o futuro. A Vestas diz que uma das razões da compra da MHI Vestas, é a intenção de entregar uma “nova plataforma de turbina eólica offshore, que será introduzida em breve para melhorar a eficiência e reduzir ainda mais o custo da energia”. Além da demanda por energia eólica offshore ter acelerado nos últimos tempos, aumentando 47% desde janeiro, a a empresa fez referência à produção de hidrogênio verde, que provavelmente será impulsionado por grandes projetos eólicos offshore. (Renew Economy – 03.11.2020)

<topo>

4 Austrália: Setor de hidrogênio aumenta em toda a cadeia de abastecimento

Mais de cinquenta empresas australianas já se inscreveram no Australian Hydrogen Council (AHC), sinalizando um enorme crescimento e otimismo no setor, além de demonstrar confiança na expansão do mercado. “A gama de empresas – que inclui geradores de eletricidade, empresas de ônibus, fornecedores de tecnologia e equipamentos, engenheiros de construção, um banco, um produtor de gás verde, um consultor, uma empresa naval, um especialista em testes e certificação, uma empresa química e uma casa de investimento – demonstra o valor crescente do hidrogênio para a economia, à medida que entramos na transição energética”, diz a Dra. Fiona Simon, CEO do Australian Hydrogen Council. (Renew Economy – 03.11.2020)

<topo>

5 União Europeia busca investidores privados para projeto de hidrogênio verde

A Europa tem como alvo o hidrogênio verde como solução para reduzir as emissões no setor de transportes e em indústrias como a de aço, cimento e produtos químicos. A UE quer destinar 470 bilhões de euros para infraestrutura de hidrogênio até 2050. Investidores apoiados pela União Europeia também irão investimento privado, incluindo do fundo Breakthrough Energy Ventures de Bill Gates, para impulsionar a indústria de hidrogênio verde da região. A EIT InnoEnergy financiada pelo Instituto Europeu de Inovação e Tecnologia da UE, tem capacidade de investimento de 100 milhões de euros por ano e deseja aproveitar o interesse pelo hidrogênio para reunir produtores, consumidores e financiadores, bem como adquirir participações nos projetos. (Money Times – 04.11.2020)

<topo>

6 Rússia busca se tornar exportadora de hidrogênio

Rússia planeja se tornar fornecedora de hidrogênio e exportar tecnologia relacionada a produção de hidrogênio, disse o Ministro de Energia da Rússia, Alexander Novak, em uma entrevista. Embora esse plano ainda possua custo elevado, os preços deverão cair com o tempo e determinará o ritmo da adoção do hidrogênio, assim como aconteceu com as energias renováveis. A Rússia, no entanto, não tem intenção de reduzir a produção de hidrocarbonetos, pois acredita que o gás natural é uma fonte de energia ecológica e que a participação na matriz energética global ainda aumentará, associada a tecnologia de captura de dióxido de carbono. (The Global Energy Association – 03.11.2020)

<topo>

7 Alemanha: Uso de amônia para fornecimento de hidrogênio

O governo da Alemanha avalia formas de transportar hidrogênio e se concentra em dois componentes químicos, amônia e metanol, como possível solução. Segundo Stefan Kaufmann, membro do Parlamento alemão, hidrogênio pode ser convertido em amônia líquida e vice-versa, para transporte ao redor do mundo. “Opções de transporte seguro e econômico são cruciais para estabelecer uma economia global de hidrogênio”, disse Kaufmann em entrevista por telefone. “Temos a vantagem de poder aproveitar uma infraestrutura global existente que está em uso há décadas.”. O governo pretende investir 9 bilhões de euros para o desenvolvimento do hidrogênio como combustível verde. (Money Times – 05.11.2020)

<topo>

8 Snam promoverá o crescimento do hidrogênio verde na Índia

A Snam, empresa italiana de infraestrutura de energia, decidiu investir na cadeia de valor do hidrogênio na Índia. A empresa, que já havia anunciado acordo com a Greenko e a Adani Gas, duas empresas indianas, agora firmou acordo com o maior grupo no comércio de commodities da Índia, a Adani, onde irão explorar conjuntamente, de forma local e internacional, o mercado de hidrogênio. As duas empresas poderão colaborar no estudo de métodos de produção de hidrogênio a partir de fontes renováveis, no projeto de infraestrutura pronta para hidrogênio e em possíveis aplicações finais na indústria e no transporte, incluindo a mobilidade utilizando células a combustível. (H2 View – 06.11.2020)

<topo>

9 Projetos de hidrogênio verde da RWE

A RWE está desenvolvendo o Eemshydrogen, o projeto de um eletrolisador de 50 MW alimentado por seu parque eólico onshore, para produção de hidrogênio verde em Eemshaven, porto marítimo no norte da Holanda. Para demonstrar a viabilidade econômica de uma cadeia de valor de hidrogênio integrada com grande potencial de escala, a RWE assinou uma carta de intenções com a empresa química OCI, para fornecer hidrogênio verde para sua unidade de produção de metanol em Delfzijl, na Holanda. A RWE disse que o projeto Eemshydrogen pode levar a uma economia de mais de 250.000 toneladas de CO2 ao longo de sua vida útil. (S&P Global – 06.11.2020)

<topo>

 

 

Tecnologia e Inovação

1 Empresas fazem parceria para transformar plásticos em hidrogênio branco

A recém-formada Standard Hydrogen Company Inc. assinou um acordo de joint venture com a EnfraWaste, no qual cada uma terá 50% do acordo, com o objetivo de transformar grandes quantidades de plásticos não recicláveis em hidrogênio – o chamado hidrogênio branco. Este acordo histórico mantém grandes quantidades de plásticos não recicláveis fora dos aterros sanitários do Canadá e prepara o terreno para uma economia do hidrogênio no país. A quantidade que as empresas pretendem produzir será o suficiente para abastecer quatro milhões de carros por dia e prevê o fornecimento de hidrogênio a baixo custo. Além disso, quando a operação estiver em plena capacidade, as plantas vão converter cerca de 180.000 toneladas de resíduos em quase 25 milhões quilos de hidrogênio combustível, diariamente. (H2 View – 09.11.2020)

<topo>

2 Armazenamento de hidrogênio será mais fácil e seguro com tecnologia criada na Rússia

Os cientistas da Universidade Nacional de Pesquisa Nuclear MEPhI criaram uma instalação experimental para produzir dispositivos avançados de armazenamento de hidrogênio. O sistema, sem análogos no mundo, permitirá aperfeiçoar a tecnologia de fabricação de dispositivos em estado sólido, de armazenamento de hidrogênio mais seguros e eficientes. A maioria dos dispositivos atuais de armazenamento em estado sólido usa pós metálicos atomizados, porém, os especialistas da MEPhI apostam em uma solução mais promissora: cintas metálicas ultrafinas. O hidrogênio é emitido dentro do dispositivo por meio de termodessorção, ou seja, através do aquecimento do hidreto metálico. (Spunitik Brasil – 04.11.2020)

<topo>

3 Célula eletroquímica de ácido sólido produz hidrogênio a partir da amônia

Pesquisadores da Northwestern University, com seus colegas da SAFCell Inc, demonstraram a produção de hidrogênio de alta pureza por decomposição termoeletroquímica da amônia a uma temperatura intermediária, 250 °C. O processo é possibilitado pelo uso de uma célula eletroquímica à base de ácido sólido (SAEC) em combinação com um ânodo de duas camadas, compreendendo uma camada de catalisador da reação de craqueamento térmico e uma camada de catalisador de eletrooxidação do hidrogênio. (Green Car Congress – 03.11.2020)

<topo>

4 Rhino Doors: novos produtos de segurança para estações de hidrogênio

Um dos principais fatores para o crescimento do mercado de hidrogênio é a segurança para seu uso e manuseio, principalmente em estações de abastecimento. Por isso, a Rhino Doors, empresa com sede no Reino Unido, desenvolveu uma nova linha de produtos ultrarrápidos de alívio de explosão (UFER) para reduzir o risco de explosão em postos de abastecimento, com o objetivo de para impulsionar a economia de hidrogênio de forma segura. Além disso, a Rhino Doors informou que os novos produtos da UFER estarão disponíveis no mercado em 2021. (H2 View – 05.10.2020)

<topo>

5 First Graphene e Kainos Innovation: nova rota para obtenção de hidrogênio

A First Graphene UK e Kainos Innovation estão desenvolvendo uma tecnologia de processo única que converte matérias-primas de hidrocarbonetos de baixo custo em grafeno e gás hidrogênio verde. Em um comunicado, a equipe do projeto estimou que de cada tonelada de matéria-prima de petróleo, são produzidos 940 kg de grafeno/grafite e 60 kg de gás hidrogênio verde. “Este processo inovador oferece à nossa empresa a oportunidade de abrir a porta para materiais em cátodos de íon lítio e negócios na produção de hidrogênio” disse o diretor administrativo da First Graphene, Craig McGuckin. (H2 View – 05.11.2020)

<topo>

 

 

Mobilidade

1 Tecnologia de hidrogênio para o setor do transporte na Rússia

O plano “Desenvolvimento da energia do hidrogênio na Federação Russa” tem como objetivo elaborar uma tecnologia piloto para a produção de hidrogênio até 2024. O país realizará testes de produção de hidrogênio com baixo teor de carbono em refinarias de petróleo e gás, ao mesmo tempo que iniciará um projeto piloto para a produção de hidrogênio a partir de usinas nucleares. Também serão realizados testes relacionados ao uso do hidrogênio em motores e diferentes formas de transporte. A Rússia está trabalhando no desenvolvimento, aplicação e produção de tecnologia de hidrogênio no transporte ferroviário e rodoviário, assim como em outras áreas da indústria. (The Global Energy Association – 30.10.2020)

<topo>

2 Transport Canada contrata CNL para descarbonizar o transporte marinho

A Transport Canada assinou um contrato com o Canadian Nuclear Laboratories (CNL), principal organização de ciência e tecnologia nuclear do Canadá, para desenvolver uma ferramenta de avaliação de tecnologias limpas que podem reduzir as emissões de gases de efeito estufa e a liberação de outros poluentes em embarcações marítimas. O objetivo do projeto, com duração de 3 anos, é usar a Ferramenta de Avaliação de Combustível Zero Marinho (MaZeF) da CNL para ajudar o Canadá a fazer a transição das formas tradicionais de combustível que estão contribuindo para a poluição marinha e mudanças climáticas, e direcionar o uso de hidrogênio e outras tecnologias de energia limpa. (Green Car Congress – 04.11.2020)

<topo>

3 Snam, IVECO e FPT Industrial colaborando no transporte de hidrogênio

A empresa italiana de infraestrutura de energia, Snam, o fabricante de caminhões, IVECO, e o fabricante de trens de carga, FPT Industrial, estão colaborando na tecnologia de hidrogênio no setor de transporte, tanto na Itália como internacionalmente. Em um novo acordo, as três empresas desenvolverão soluções de hidrogênio para veículos comerciais leves e pesados, além de ônibus. A colaboração também se concentrará na compilação de estudos projetados para planejar e experimentar soluções de mobilidade sustentável baseadas em gás natural e hidrogênio, tecnologias e infraestrutura de reabastecimento inovadoras para frotas e clientes profissionais. (H2 View – 03.11.2020)

<topo>

4 Green Team Twente: Carro movido a hidrogênio mais eficiente do mundo

A Green tam Twente é uma equipe multidisciplinar formada por dezoito alunos e por engenheiros da universidade de Saxion University of Applied Sciences e da University of Twente, que trabalham juntos para construir o carro a hidrogênio mais eficiente e sustentável. A equipe está competindo para desenvolver um carro movido a hidrogênio com a maior eficiência do mundo. Ela desenvolve um novo carro a hidrogênio a cada ano, com base no design do ano anterior, e tenta melhorá-lo. No desenvolvimento deste ano uma das melhorias foi a construção de uma plataforma de teste de eficiência real, mais próximo da prática, com medidas obtidas por um sensor de torque e velocidade de rotação. A partir dos testes, um novo motor de cubo foi desenvolvido para obter a eficiência desejada. (Fuel Cells Worsk – 08.11.2020)

<topo>

5 Brigada de incêndio depende da célula combustível EFOY

A brigada de incêndio voluntária de Brunnthal está abrindo um novo caminho no que tange ao fornecimento de energia em seus locais de implantação. Os carros de bombeiros geralmente possuem equipamentos e dispositivos internos que necessitam de alimentação contínua e de estarem conectados a um carregador de uma bateria auxiliar. A partir de agora, uma célula a combustível assumirá a responsabilidade de abastecer toda a eletrônica de bordo. O presidente da brigada relata a melhoria com a utilização da célula a combustível, na qual a eletricidade é gerada de forma confiável e quase silenciosa. Além disso, não irá mais depender de estar conectado a um carregador, por um longo tempo. (Fuel Cells Works – 08.11.2020)

<topo>

6 Caminhão Kenworth movido a hidrogênio atinge marco histórico

Um caminhão Kenworth T680 movido a hidrogênio se tornou um dos primeiros veículos de emissão zero Classe 8 a dirigir até o cume de Pikes Peak, no Colorado, com 14.115 pés. O caminhão exibiu excelente potência e dirigibilidade nas 156 curvas e ziguezagues, com um alcance de 350 milhas e tempo de reabastecimento de 15 minutos. A Kenworth e Toyota Motor North America estão colaborando em um projeto para desenvolver 10 caminhões Kenworth T680 com emissão zero, movidos por motores elétricos de célula a combustível de hidrogênio da Toyota. (H2 View – 06.11.2020)

<topo>

7 EUA: Trem movido a hidrogênio terá cilindros fornecido pela Hexagon

Considerando os trens movidos a hidrogênio como uma solução inteligente para reduzir as emissões locais, sem incorrer no alto custo de eletrificação dos trilhos, a Hexagon Purus resolveu desenvolver seu novo sistema. A empresa fornecerá cilindros de alta pressão para o primeiro trem movido a hidrogênio dos Estados Unidos. O trem será construído e testado na Suíça e em outros locais europeus, antes de ser transferido para a Califórnia em 2023. (H2 View – 06.10.2020)

<topo>

8 Ulstein apresenta o segundo projeto de embarcação híbrida de hidrogênio

A Ulstein apresentou seu segundo projeto de embarcação híbrida, movida a hidrogênio, para a indústria offshore. O navio de instalação da turbina eólica ULSTEIN J102 (WTIV) pode operar 75% do tempo no modo de emissão zero. As principais características do projeto de emissão zero do J102 da ULSTEIN são: Redução de 4000 Mt de CO2 por ano; redução de emissão em 25% por ciclo de instalação; sistema de células a membrana polimérica trocadora de prótons; sistema de armazenamento com 7 containers de 40 pés de hidrogênio comprimido e armazenamento de energia com bateria. (Green Car Congress – 09.11.2020)

<topo>

 

 

Eventos

1 BW Expo Summit Digital 2020 trará hidrogênio na pauta

Nos dias 17, 18 e 19 de novembro de 2020, acontecerá virtualmente o “BW Expo Summit Digital 2020”. O evento tem o objetivo de reunir representantes de empresas, do governo, da academia e da sociedade para debater temas relacionados à sustentabilidade ambiental, conservação e preservação dos recursos naturais. A programação está dividida em três dias, com assuntos atuais e múltiplos atores, separados em Núcleos Temáticos. No primeiro dia o núcleo: Transformação Energética – Hidrogênio, contará com o uma sala específica sobre a temática, onde a curadora Monica Saraiva Panik coordenará debates, workshops e palestras específicas. (BW Expo – novembro 2020)

<topo>

2 Inscrições para a Semana Europeia de Hidrogênio estão abertas

A primeira edição da Semana Europeia de Hidrogênio irá ocorrer entre os dias 23 a 27 de novembro, deste ano. O evento, que terá como tema “Dar o pontapé inicial na indústria de hidrogênio da UE para alcançar os objetivos climáticos da UE”, será totalmente digital e está com suas inscrições abertas. Na conferência, as oportunidades de mercado das tecnologias de hidrogênio em toda a cadeia de valor, desde a produção, distribuição e aplicações nos setores de mobilidade, indústria, energia e residencial, serão exploradas. Juntamente com as autoridades políticas da UE, a indústria, a comunidade científica e as empresas, irão discutir o papel do hidrogénio verde como um facilitador para alcançar a transição da energia limpa na Europa e apresentar seus projetos. (Fuel Cell and Hydrogen Joint Undertaking – 06.11.2020)

<topo>

3 Irlanda do Norte: Oportunidades de hidrogênio serão discutidas em webinar

As oportunidades de hidrogênio na Irlanda do Norte serão discutidas na próxima semana por especialistas da indústria em toda a Europa, em um webinar organizado pela Belfast Met liderada pela GenComm. O webinar será realizado dia 11 de novembro, intitulado “Oportunidades de Exploração de Hidrogênio na Transição Energética da Irlanda do Norte”. Também serão discutidas as perspectivas da política de descarbonização dos setores de aquecimento e transporte. “Este webinar dará uma visão geral do que o hidrogênio pode oferecer para a Irlanda do Norte e como podemos nos posicionar melhor para maximizar os benefícios”, disse Meabh Cormacain, do Departamento de Economia. (H2 View – 06.11.2020)

<topo>

 

 

Artigos e Estudos

1 O uso doméstico de hidrogênio é uma péssima ideia

O plano de canalizar hidrogênio, em vez de gás natural, para milhões de lares no Reino Unido está sendo fortemente impulsionado pela indústria de combustíveis fósseis, já que o hidrogênio pode ser fabricado a partir do gás natural. No entanto, o Leeds Trades Union Council (TUC) lançou, no mês passado, uma campanha em favor da reforma de casas com isolamento de alta qualidade e bombas de calor, o que vai no sentido contrário. Se a rede de gás for trocada para hidrogênio, isso bloqueará a abordagem de eletrificação e isolamento, que aquece as casas. Segundo Gabriel Levy, autor do artigo publicado no portal The Ecologyst e no seu blog People and Nature, não há garantias de que a origem do hidrogênio será zero carbono, os custos da tecnologia para produção de hidrogênio azul e verde ainda são elevados e não são capazes de funcionar em larga escala. Levy aponta também outros fatores, pelos quais defende soluções mais viáveis e eficientes que podem ser utilizadas no momento atual, capazes de atender melhor aos interesses da sociedade. (The Ecologist – 03.11.2020)

<topo>

2 Produção de H2 por eletrólise a vapor em SAECs em temperaturas intermediárias

Uma equipe da Universidade de Tóquio demonstrou a reação de eletrólise a vapor utilizando uma célula de eletrólise de ácido sólido (SAEC) para a produção de hidrogênio. A célula é constituída de um eletrólito composto CsH2PO4/SiP2O7 e eletrodos de Pt/C. O artigo, publicado na revista ChemSusChem, demonstrou que a célula produziu hidrogênio, operando a 160-220 ° C, apresentando eficiência de Faraday em torno de 80%. (Green Car Congress – 09.11.2020)

<topo>

3 Pesquisadores espanhóis desenvolvem eletrólise induzida por microondas

Pesquisadores na Espanha desenvolveram um método de produção de hidrogênio sem eletrodos de contato, via eletrólise de água mediada pela ativação de materiais iônicos no estado sólido a baixas temperaturas (<250 ° C), utilizando microondas. A irradiação de microondas nos materiais a base de cério dopados com gadolínio induz sua redução e desencadeia a liberação de oxigênio gasoso, o que pode ser identificado por um aumento instantâneo da condutividade elétrica. O rendimento de H2 e a eficiência energética são dependentes do material e da quantidade de energia fornecida. (Green Car Congress – 04.11.2020)

<topo>


Equipe de Pesquisa UFRJ
Editor: Prof. Nivalde J. de Castro (nivalde@ufrj.br)
Subeditores: Diogo Salles, Fabiano Lacombe e Sayonara Andrade Elizário
Pesquisadores: Allyson Thomas
e Kalyne Silva Brito 
Assistente de pesquisa: Sérgio Silva

As notícias divulgadas no IFE não refletem necessariamente os pontos da UFRJ. As informações que apresentam como fonte UFRJ são de responsabilidade da equipe de pesquisa sobre o Setor Elétrico, vinculada ao NUCA do Instituto de Economia da UFRJ.

Para contato: ifes@race.nuca.ie.ufrj.br

POLÍTICA DE PRIVACIDADE E SIGILO
Respeitamos sua privacidade. Caso você não deseje mais receber nossos e-mails,  Clique aqui e envie-nos uma mensagem solicitando o descadastrado do seu e-mail de nosso mailing.


Copyright UFRJ

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: