IFE.H2 06

Informativo Eletrônico – Geração de Energia com Hidrogênio nº 06 – publicado em 22 de outubro de 2020.

IFE: Informativo Eletrônico de Mobilidade Elétrica – GESEL-UFRJ <!–

l

IFE: nº 06 – 22 de outubro de 2020
http://gesel.ie.ufrj.br/
gesel@gesel.ie.ufrj.br

Editor: Prof. Nivalde J. de Castro

Índice

Políticas Públicas
1
Portugal: Incentivos a Biocombustíveis avançados e hidrogênio verde
2 Japão lança comitê preparatório para a Associação de Hidrogênio do Japão (JH2A)
3 Brasil buscará mais cooperação com parceiros dos BRICS envolvendo hidrogênio
4 EUA: subsídio federal de US $ 10,5 milhões para projeto piloto de hidrogênio
5 Canadá: Hidrogênio lidera a diversificação do setor de gás natural

Mercado
1 Hidrogênio e biocombustíveis são a chave para descarbonização do transporte marítimo
2 Caminhões elétricos e hidrogênio verde: tecnologias “maduras para investimento”
3 McPhy arrecada € 180 milhões para financiar a expansão global do hidrogênio zero-carbono
4 MHI investe na pioneira norueguesa do hidrogênio
5 TechnipFMC e McPhy assinam colaboração para projetos de eletrólise
6 ArcelorMittal Europe produzirá “aço verde” a partir de 2020
7 PGNiG associa-se a European Clean Hydrogen Alliance
8 Hidrogênio é uma área de desenvolvimento para Mahle
9 Enapter: construção de planta para produção de eletrolisadores AEM na Alemanha

10 Ceres e Doosan vão construir instalação para fabricação de células a combustível
11 Principal centro de hidrogênio de Pilbara recebe aprovação ambiental
12 Indústrias de hidrogênio e células a combustível formam nova aliança

Tecnologia e Inovação
1 Pesquisadores convertem lixo plástico em gás hidrogênio
2 Agfa lança nova membrana que pode reduzir o custo do hidrogênio verde
3 Nova tecnologia para tornar hidrogênio mais barato

4 Ultracapacitores de alta energia para alimentar ônibus

5 Novos materiais de eletrodo para a oxidação da água

6 A petrolífera Repsol pretende transformar energia solar em hidrogênio

7 GE e parceiros adaptam usina a gás para funcionar com hidrogênio

Mobilidade
1 Airbus: aviões neutros em carbono, movidos a hidrogênio, até 2035
2 Siemens quer substituir 50% da frota alemã por trens movidos a hidrogênio
3 Começa a construção da primeira estação de abastecimento de hidrogênio na Antuérpia
4 Hyundai entra no mercado de caminhões à hidrogênio e começa a ocupar o mercado na Suíça

Eventos
1 Webinar Hidrogênio Branco: Solução para o Aproveitamento de Resíduos Plásticos e de Biomassa
2 HyPoint venceu o Ciclo II de 2020 NASA iTech
3 Workshop “O papel do hidrogênio na matriz energética”
4 Hyundai exibe digitalmente seu caminhão de célula a combustível XCIENT

Artigos e Estudos
1 Hidrogênio, uma descoberta importante do relatório de Transição, Transformação e Inovação
2 Hidrogênio tem potencial de armazenamento de energia sazonal
3 Os custos do transporte de hidrogênio irão variar caso a caso, diz indústria
4 Análise do crescimento e perspectivas para a oferta mundial de hidrogênio verde

5 Análise da demanda mundial de hidrogênio



 

 

Políticas Públicas

1 Portugal: Incentivos a Biocombustíveis avançados e hidrogênio verde

O Governo de Portugal vai isentar os biocombustíveis avançados e os gases de origem renovável, como o hidrogênio verde, do pagamento de imposto sobre produtos petrolíferos (ISP) desde que devidamente certificados. A medida insere-se no âmbito da estratégia para a descarbonização da economia e consta da versão final da proposta de Orçamento do Estado para 2021. (Dinheiro Vivo – 12.10.2020)

<topo>

2 Japão lança comitê preparatório para a Associação de Hidrogênio do Japão (JH2A)

Nove empresas privadas japonesas estão envolvidas na construção e expansão de uma sociedade de hidrogênio e anunciaram o lançamento de um novo comitê preparatório chamado Associação de Hidrogênio do Japão (JH2A). A JH2A buscará cultivar a indústria de hidrogênio e promover iniciativas para o seu desenvolvimento, bem como a formação de uma cadeia de fornecimento de hidrogênio e parcerias globais no setor. O comitê preparatório pretende estabelecer a nova organização no início de dezembro. (Green Car Congress – 14.10.2020)

<topo>

3 Brasil buscará mais cooperação com parceiros dos BRICS envolvendo hidrogênio

O Brasil quer se engajar ainda mais na cooperação energética com seus parceiros do BRICS – Rússia, Índia, China e África do Sul – em tecnologias envolvendo o hidrogênio e pequenos reatores modulares. O desejo foi apresentado nesta semana pelo Ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, que afirmou ainda que o país também busca parcerias em energias renováveis, eficiência energética e biocombustíveis. Albuquerque fez as declarações durante a reunião de ministros de energia do BRICS, realizada por videoconferência “Em termos de cooperação tecnológica, daremos especial atenção à captura e armazenamento de carbono (CSS) e ao hidrogênio, tecnologias ainda em fase de consolidação no Brasil”, afirmou o ministro em seu discurso. (Petronotícias – 15.10.2020)

<topo>

4 EUA: subsídio federal de US $ 10,5 milhões para projeto piloto de hidrogênio

A Xcel Energy construirá uma usina piloto de hidrogênio em uma de suas duas instalações nucleares em Minnesota, um esforço para reforçar a viabilidade de longo prazo da energia atômica e produzir hidrogênio sem o uso de combustíveis fósseis. A planta piloto usará o vapor de sua produção de energia nuclear para gerar uma corrente elétrica e separar a água em hidrogênio e oxigênio, no processo de eletrólise de “alta temperatura”. Se o piloto passar para a comercialização, a empresa será capaz de compensar o declínio da receita de eletricidade nuclear produzindo hidrogênio sem emitir gases de efeito estufa. Com a construção prevista para começar em 2022, espera-se que ela entre em operação em 2023. (Star Tribune – 15.10.2020)

<topo>

5 Canadá: Hidrogênio lidera a diversificação do setor de gás natural

A Visão e Estratégia de Gás Natural de Alberta, província do Canadá, apresenta um plano para que Alberta se torne um fornecedor global de gás natural limpo, de origem responsável, e produtos relacionados, incluindo hidrogênio, produtos petroquímicos e plásticos reciclados. A estratégia mostra ações do governo para apoiar o crescimento de longo prazo e a força da indústria em seu caminho para se tornar um competidor global em vários setores. O plano é que até 2030 tenha-se produção em larga escala de hidrogênio com captura, utilização e armazenamento de carbono (CCUS) e implantação em várias aplicações comerciais na economia do país. (Fuel Cell Works – 17.10.2020)

<topo>

 

 

Mercado

1 Hidrogênio e biocombustíveis são a chave para descarbonização do transporte marítimo

A Companhia Marítima Mediterrânea (MSC), líder global em transporte e logística, disse que está explorando ainda mais a viabilidade do hidrogênio e dos seus combustíveis derivados como uma possível fonte de combustível para o transporte de contêineres no futuro, tornando-se cada vez mais a pioneira no uso de biocombustíveis dentro da frota existente. O Vice-Presidente Executivo da Política Marítima e Assuntos Governamentais do Grupo MSC, destacou que não existe uma solução única para descarbonizar o transporte; é preciso uma gama de combustíveis alternativos em grande escala e com urgência. (Green Car Congress – 12.10.2020)

<topo>

2 Caminhões elétricos e hidrogênio verde: tecnologias “maduras para investimento”

A Capgemini Invent, unidade de inovação e transformação digital da Capgemini, analisou 200 projetos e escolheu 55 tecnologias como “maduras para investimento” que poderiam entregar resultados em escala e rapidamente, até 2030 e 2050. O uso do hidrogênio verde, combustível de baixo carbono, para aviação e caminhões elétricos estão entre as 55 tecnologias limpas que podem ajudar a União Europeia a alcançar sua meta, a chamada neutralidade climática. (Euractiv – 14.10.2020)

<topo>

3 McPhy arrecada € 180 milhões para financiar a expansão global do hidrogênio zero-carbono

A McPhy aumentou seu capital levantando, de investidores estratégicos, acionistas históricos e novas instituições um fundo de € 180 milhões, para atender às necessidades de descarbonização na Indústria, Mobilidade e Energia. O Memorando de entendimentos foi assinado concomitantemente com dois investidores estratégicos, estabelecendo estruturas de colaboração para desbloquear novas oportunidades comerciais globalmente em numerosos domínios de hidrogênio. Laurent Carme, CEO da McPhy agradece aos investidores que contribuíram para o notável aumento do capital que fará a empresa expandir suas capacidades industriais. (Hydrogen Europe – 14.10.2020)

<topo>

4 MHI investe na pioneira norueguesa do hidrogênio

A empresa japonesa Mitsubishi Heavy Industries (MHI) fez um investimento financeiro na empresa norueguesa HydrogenPro, que desenvolve e fabrica eletrolisadores para produzir hidrogênio. A parceria estratégica com HydrogenPro expandirá ainda mais o portfólio da MHI e fornecerá plantas de produção de hidrogênio verde para o mercado daqui para frente. A HydrogenPro, fundada em 2013, já desenvolveu um sistema de produção de hidrogênio de 9MW com capacidade de produção de 4,4 toneladas por dia, adotando a tecnologia de eletrólise de água incorporada a uma célula pressurizada com eletrólito alcalino. (Renewable Energy News – 14.10.2020)

<topo>

5 TechnipFMC e McPhy assinam colaboração para projetos de eletrólise

A TechnipFMC (Houston) assinou um Memorando de Entendimento (MoU) com a McPhy Energy SA (La Motte Fanjas, França), fabricante e fornecedora líder de equipamentos de produção e distribuição de hidrogênio livre de carbono, para que duas empresas trabalhem juntas em tecnologia, desenvolvimento e implementação de projetos. O MoU estabeleceu colaboração para a fabricação e comercialização de: sistemas de produção de hidrogênio por eletrólise para grandes indústrias, armazenamento de energia renovável e sistemas de distribuição de hidrogênio para grandes projetos de mobilidade. Arnaud Pieton, presidente da Technip Energies, afirmou: “A colaboração com a McPhy é um marco importante para o futuro da indústria do hidrogênio verde e demonstra nossa ambição em acelerar a jornada para uma sociedade de baixo carbono”. (Chemical Engineering – 15.10.2020)

<topo>

6 ArcelorMittal Europe produzirá “aço verde” a partir de 2020

A ArcelorMittal Europe forneceu alguns detalhes da estratégia de tecnologia de CO2 que a capacitarão a oferecer aos clientes, suas primeiras soluções para produção de aço verde. Eles pretendem produzir 30.000 toneladas este ano, ampliar a oferta nos próximos anos (atingir 120.000 toneladas em 2021 e 600.000 toneladas em 2022); cumprir sua meta de 30% de emissões de CO2 até 2030; atingir emissões líquidas zero até 2050. A estratégia está centrada em duas rotas principais de tecnologia, conforme apresentado no relatório de ação climática da ArcelorMittal Europe, publicado no início deste ano: (a) o uso de hidrogênio no processo DRI-EAF (Redução Direta do Ferro – Forno a Arco Elétrico) e, também, no alto-forno, (b) a expansão da rota Smart Carbon, também utilizando hidrogênio. (Green Car Congress – 15.10.2020)

<topo>

7 PGNiG associa-se a European Clean Hydrogen Alliance

A Comissão Europeia acredita que o hidrogênio é o combustível que levará a União Europeia (UE) ao alcance da tão buscada neutralidade climática. Para a PGNiG, uma empresa que busca construir uma gama completa de capacidades na produção e uso de hidrogênio, a associação oferece novas oportunidades para o avanço das tecnologias de hidrogênio verde e uma influência direta nas regulamentações desta área, na UE. (Fuel Cell Works – 16.10.2020)

<topo>

8 Hidrogênio é uma área de desenvolvimento para Mahle

As aplicações de hidrogênio são uma área-chave de desenvolvimento para a Mahle, pois fortalece ainda mais suas atividades de pesquisa e desenvolvimento ao expandir seus centros de competência global, incluindo os da Alemanha e China. O grupo segue uma estratégia dupla: eletrificação, desenvolvimento de células a combustível e o uso de hidrogênio e combustíveis alternativos em motores de combustão eletrificados de forma inteligente. A Mahle começou a instalar equipamentos de teste de hidrogênio em sua sede em Stuttgart. (H2 View – 16.10.2020)

<topo>

9 Enapter: construção de planta para produção de eletrolisadores AEM na Alemanha

A Enapter, líder em tecnologia de dispositivos de eletrólise com Membrana de Troca de Ânions (AEM), anunciou planos para construir sua primeira instalação para produção em grande escala, na Renânia do Norte-Vestfália, Alemanha. O ‘Campus Enapter’ será construído na comunidade de Saerbeck, incluindo um centro de produção e extensas instalações de P&D que permitirão a fabricação em escala de seus sistemas modulares para a produção de hidrogênio verde. (Chemical Engineering – 16.10.2020)

<topo>

10 Ceres e Doosan vão construir instalação para fabricação de células a combustível

A Ceres Power Holdings e a Doosan Fuel Cell, especialista em tecnologia de células a combustível, construirão uma instalação inicial para fabricação, em grande escala, de células a combustível empilhadas, de 50 MW. A empresa será construída na Coréia do Sul como parte de uma nova colaboração estratégica. O contrato também inclui uma licença global não exclusiva para fabricar células a combustível de óxido sólido da Ceres com transferência de tecnologia e desenvolvimento conjunto, bem como fluxos de royalties acordados no início da produção e venda comercial das células SteelCell® de 5 kW. (H2 View – 19.10.2020)

<topo>

11 Principal centro de hidrogênio de Pilbara recebe aprovação ambiental

Um grande centro de hidrogênio em Pilbara, na Austrália, deu um passo significativo na sexta-feira (16/10) obtendo do Governo da Austrália Ocidental sua aprovação ambiental. O projeto do Centro de Energia Renovável da Ásia, para produção de hidrogênio através de energia renovável híbrida, solar e eólica, em grande escala, será um dos maiores do mundo. A aprovação marca um grande passo para o projeto que planeja expandir de 15 GW para 26 GW, a geração de energia renovável eólica e solar, fornecendo energia para indústrias de serviços em Pilbara e abastecendo mercados na Ásia, com hidrogênio verde e amônia. (H2 View – 19.10.2020)

<topo>

12 Indústrias de hidrogênio e células a combustível formam nova aliança

Membros da indústria de hidrogênio e célula de combustível anunciaram formalmente uma nova aliança para efetuar a rápida implantação de caminhões elétricos ônibus, locomotivas, navios, aeronaves e equipamentos off-road de célula a combustível de hidrogênio com emissão zero, em todo o oeste dos Estados Unidos. A aliança, Western States Hydrogen Alliance (WSHA), foi formada por figuras importantes na indústria de células a combustível de hidrogênio e se concentrará em um rápido aumento no desenvolvimento e implantação de tecnologia de energia proveniente de célula a combustível, em vários setores comerciais, em 13 estados ocidentais. (Green Car Congress – 15.10.2020)

<topo>

 

 

Tecnologia e Inovação

1 Pesquisadores convertem lixo plástico em gás hidrogênio

Uma equipe de pesquisadores do Reino Unido, China e Arábia Saudita desenvolveu um processo para converter lixo plástico em gás hidrogênio e nanotubos de carbono. A dificuldade em descartar e reciclar plásticos fez com que pesquisadores buscassem uma maneira de realizar a reciclagem. No artigo, eles relataram que o processo de conversão durou apenas 30 a 90 segundos e resultou na recuperação de 97% do hidrogênio do plástico. Além disso, os nanotubos de carbono produzidos eram de excelente qualidade podendo ser usado em outras aplicações. (Universo Racionalista – 15.10.2020)

<topo>

2 Agfa lança nova membrana que pode reduzir o custo do hidrogênio verde

A Agfa revelou o desenvolvimento de uma nova membrana para eletrólise que, segundo a empresa de imagem digital, reduzirá o custo da produção de hidrogênio verde. A Agfa disse que seu novo produto, ZIRFON UTP 500+, permite um rendimento ainda 2,5% maior (medido a 10kA / m2) na produção de gás hidrogênio e define um novo padrão para eletrólise alcalina avançada. (H2 View – 15.10.2020)

<topo>

3 Nova tecnologia para tornar hidrogênio mais barato

Cientistas da Universidade Politécnica de Tomei, Rússia, desenvolveram um novo material a nova a base de carboneto de tungstênio de alta pureza, para substituir os catalisadores de platina. Os catalisadores são utilizados para a produção de hidrogênio em células de eletrólise e através do novo composto podem reduzir o custo do processo, uma vez que a platina é um metal nobre com custo elevado. (Fuel Cell Works – 15.10.2020)

<topo>

4 Ultracapacitores de alta energia para alimentar ônibus

A Skeleton Technologies realizou uma parceria com a Wrightbus para fornecer seus módulos ultracapacitores de alta energia para alimentar os ônibus de célula a combustível no Reino Unido. A densidade de energia dos ultracapacitores é duas vezes maior, possibilitada pela mais recente inovação em tecnologia de materiais da Skeleton, tornando-os uma adição valiosa às células a combustível de hidrogênio. Como que as células não são capazes de recuperar a energia de frenagem e reutilizá-la para aceleração, elas precisam de dispositivos de armazenamento de energia eficientes para melhorar a eficiência geral do sistema e o custo total de propriedade. (Green Car Congress – 16.10.2020)

<topo>

5 Novos materiais de eletrodo para a oxidação da água

Os pesquisadores do Instituto Max Planck, em colaboração com pesquisadores da Universidade Técnica de Berlim, da Universidade RWTH Aachen e do Instituto Federal de Pesquisa e Teste de Materiais em Berlim, desenvolveram novos materiais para eletrodos utilizados no processo de separação da água. Eletrodos de carbono são especialmente baratos, mas se desativam com o tempo, o que significa que são estáveis. Por esse motivo, os pesquisadores desenvolveram eletrodos de carbono contendo metais de transição, manganês e ferro, ambos os metais são baratos e abundantes na terra, que apresentam maior eficiência. (Fuel Cells Works – 19.10.2020)

<topo>

6 A petrolífera Repsol pretende transformar energia solar em hidrogênio

A Repsol está desenvolvendo uma tecnologia para converter energia solar e água diretamente em hidrogênio renovável, sem a etapa intermediária de eletrólise, em um projeto chamado “fotoeletrocatálise”. “Usando este sistema, podemos obter um hidrogênio renovável que é competitivo e usar menos energia”, disse Elena Verdú, cientista sênior de desenvolvimento de processos no Laboratório de Tecnologia da Repsol. A principal vantagem do processo, em comparação com a eletrólise, é que nenhuma eletricidade é usada e, portanto, não depende do preço da eletricidade, o que resulta em uma redução significativa do custo operacional. (Recharge – 19.10.2020)

<topo>

7 GE e parceiros adaptam usina a gás para funcionar com hidrogênio

Com a revolução da geração de energia através do hidrogênio podendo chegar em breve à indústria, a GE e parceiros farão a transição de sua usina de turbina a combustão. O grupo inclui operadores das usinas, New Fortress Energy e General Electric, que poderão queimar até 20% de hidrogênio inicialmente, com capacidade de transição completa na próxima década. “Estamos entusiasmados em trabalhar com as equipes de Long Ridge e New Fortress Energy neste projeto inovador que conduzirá a um futuro de energia mais limpa utilizando hidrogênio para produzir energia livre de carbono”, disse Scott Strazik, CEO da GE Gas Power. (Power Engineering International – 14.10.2020)

<topo>

 

 

Mobilidade

1 Airbus: aviões neutros em carbono, movidos a hidrogênio, até 2035

A Airbus aposta fortemente no hidrogênio como combustível do futuro. Ela acaba de revelar planos iniciais para três aviões comerciais “ZEROe”, cada um usando hidrogênio líquido para tomar o lugar dos atuais, abastecidos com combustível de aviação à base de hidrocarbonetos. A gigante aeroespacial diz que deve ajudar a combater as mudanças climáticas e o hidrogênio pode ser uma fonte de energia com emissão zero melhor do que baterias. Em um mundo em aquecimento, afirma a Airbus, o setor de aviação precisa seguir em frente. Uma pesquisa feita ano passado pela McKinsey & Company, mostrou que 62% dos clientes das companhias aéreas, concordam que a aviação definitivamente deveria se tornar neutra em carbono. “O hidrogênio está chegando”, diz Simpson, da Airbus. (Energywise – 12.10.2020)

<topo>

2 Siemens quer substituir 50% da frota alemã por trens movidos a hidrogênio

A Siemens Energy e a Siemens Mobility assinaram um Memorando de Entendimento para desenvolver e oferecer em conjunto de sistemas para trens movidos a hidrogênio. O projeto visa o desenvolvimento de um conjunto de soluções holísticas de hidrogênio para o transporte ferroviário, visando desenvolver a economia da Alemanha e na Europa e apoiar a descarbonização no setor de mobilidade. O acordo foi assinado por Albrecht Neumann, CEO da área de Rolling Stock da Siemens Mobility, e Armin Schnettler, vice-presidente executivo da New Energy Business da Siemens Energy. Armin afirma “o chamado acoplamento setorial desempenha um papel fundamental aqui, interconectando setores relevantes em termos de energia, anteriormente separados, como eletricidade e geração de calor ou mobilidade”. (Petronotícias – 13.10.2020)

<topo>

3 Começa a construção da primeira estação de abastecimento de hidrogênio na Antuérpia

Com previsão de conclusão para março de 2021, a CMB.Tech, braço da Compagnie Maritime Belge (CMB), disse que será a primeira a construir uma estação de abastecimento de hidrogênio do mundo, capaz de produzir e fornecer hidrogênio verde para carros, ônibus, caminhões e navios. “A ambição da CMB.Tech é se tornar a referência no campo da tecnologia de hidrogênio para aplicações da indústria em grande escala com foco na indústria marítima e de transporte”, disse Roy Campe, Diretor Executivo da CMB.Tech. (H2 View – 15.10.2020)

<topo>

4 Hyundai entra no mercado de caminhões à hidrogênio e começa a ocupar o mercado na Suíça

A busca por transportes de carga movidos a hidrogênio não será uma meta apenas do transporte ferroviário. O transporte de cargas rodoviárias também que entrar nesta lista. Dando mais um passo rumo à eliminação do uso de combustíveis fósseis na Europa, a Hyundai entregou às empresas suíças o primeiro de um lote de 50 caminhões de carga movidos a hidrogênio. Esses veículos, que podem ser utilizados em longa distância, têm uma vantagem em relação aos elétricos – uma autonomia maior. A empresa planeja que 1600 desses veículos estejam rodando na Suíça até 2025. (Petronotícias -17.10.2020)

<topo>

 

 

Eventos

1 Webinar Hidrogênio Branco: Solução para o Aproveitamento de Resíduos Plásticos e de Biomassa

O BW Talks reuniu no dia 15/10, respeitados nomes nacionalmente e internacionalmente para conversar sobre “Hidrogênio Branco: Solução para o Aproveitamento de Resíduos Plásticos e de Biomassa. O evento teve como finalidade definir o que é hidrogênio branco bem como apresentar as diversas formas de obtê-lo, mostrando como resíduos sólidos e biomassa podem ser convertidos em hidrogênio. O evento contou com a participação da Monica Saraiva Panik (Curadora do Núcleo Temático BW EXPO Transformação Energética Hidrogênio BW EXPO), MSc. Yuri Schmitke A. Belchior Tisi (Curador Núcleo Temático BW EXPOWaste-to-Energy) e Flávio Ramalho Ortigão (PhD em Química de Polímeros pela Universidade de Ulm, Alemanha). O webinar foi transmitido ao vivo através do canal do YouTube da SOBRATEMA e pra quem não conseguiu acompanhar a live ficará salva. (SOBRATEMA – 15.10.2020)

<topo>

2 HyPoint venceu o Ciclo II de 2020 NASA iTech

Um sistema de célula a combustível de hidrogênio inovador recebeu o prêmio de vencedor do Ciclo II do iTech da NASA 2020. Por meio do evento iTech, a agência espacial encontra e considera tecnologias inventivas que podem auxiliá-la a realizar os objetivos em uma futura exploração. O sistema de células a combustível da empresa com sede na Califórnia apresenta zero emissões de dióxido de carbono e melhor desempenho de energia para a indústria aeroespacial. “O objetivo da NASA iTech é ajudar a lançar as empresas e tecnologias que podem beneficiar a NASA por meio de seu sucesso comercial”, disse Maxwell Briggs, executivo interino do Programa iTech da NASA. (H2 View – 19.10.2020)

<topo>

3 Workshop “O papel do hidrogênio na matriz energética”

O ministério de Minas e Energia (MME) e a Fundação Konrad Adenauer (KAS) por meio de seu Programa Regional Segurança Energética e Mudança Climática na América Latina (EKLA) apresentaram nessa última segunda-feira, 19/10, o Workshop “O papel do hidrogênio na matriz energética”. O evento foi realizado através da plataforma Zoom e contou com a participação de figuras nacionais e internacionais que atuam no setor, dentre eles Giovani Machado (EPE), Alfonso Bonilla (OLADE), Paulo Emílio Valadão (ABH2) e Dr. Hubertus Bardt (Diretor de Pesquisa do Instituto Alemão de Economia). O evento mostrou o papel do hidrogênio na matriz energética, bem como as estratégias e desafios que diferentes países enfrentam para acelerar a inserção do combustível na matriz. (MME e KAS – 19.10.2020)

<topo>

4 Hyundai exibe digitalmente seu caminhão de célula a combustível XCIENT

Um evento digital realizado nesta última quarta-feira (14) celebrou o primeiro caminhão de carga com célula a combustível produzido em massa do mundo, o XCIENT Fuel Cell. O projeto multimilionário, que deve ser concluído ainda este ano, será integrado pelos cilindros de hidrogênio Luxfer em caminhões Xcient da Hyundai. Os caminhões da Hyundai irão transportar, com uma carga comparável a um caminhão a diesel, entregas de supermercados e outros produtos por toda a Suíça, com a ajuda de mais de 400 cilindros de hidrogênio Luxfer G-Stor ™ H2. (H2 View – 14.10.2020)

<topo>

 

 

Artigos e Estudos

1 Hidrogênio, uma descoberta importante do relatório de Transição, Transformação e Inovação

Um novo relatório divulgado hoje pela UK Petroleum Industry Association (UKPIA), diz que o setor de petróleo downstream ou jusante, responsável pelas atividades de transporte, refino e distribuição, pode utilizar seus extensos recursos para descarbonizar suas atividades e produtos e ajudar outros setores nesse processo, no abastecimento futuro de novos portadores de energia e tecnologias como o hidrogênio. O relatório apresenta três conclusões principais: uma abordagem sistêmica e uma política capacitadora são necessárias para produzir combustíveis líquidos com baixo teor de carbono; o hidrogênio é um componente crítico no processo de descarbonização e o setor downstream é o maior produtor de hidrogênio do mundo, podendo manter e aumentar seu papel na produção e distribuição de hidrogênio com emissão zero de carbono. (H2 View – 19.10.2020)

<topo>

2 Hidrogênio tem potencial de armazenamento de energia sazonal

Um artigo publicado por Brouwer, em 2013, analisando o potencial do uso de gás comprimido em grande escala para armazenar energia e solucionar a intermitência da energia eólica, voltou a ser discutido como estratégia. A capacidade de fornecer semanas – ou até meses – de armazenamento pode dar às tecnologias de geração de energia renováveis, uma vantagem. A ideia é usar o potencial hidrogênio, produzido a partir de energia renovável barata ou em excesso, para armazenar grandes quantidades de energia, e depois usá-lo nas células a combustível para convertê-lo de volta em eletricidade. “Se você precisar armazenar terawatts-hora de energia – que é o que a rede precisará se for 100% renovável – será muito mais barato armazená-la na forma de hidrogênio”, disse Brouwer, professor da Universidade da Califórnia, Irvine. (Utility Dive – 12.10.2020)

<topo>

3 Os custos do transporte de hidrogênio irão variar caso a caso, diz indústria

Embora o hidrogênio, em grande maioria seja produzido próximo de onde é usado, isso pode mudar no futuro, à medida que os volumes de produção e as distâncias de transporte aumentem, sendo necessário uma infraestrutura para o transporte do hidrogênio. A Gas Infrastructure Europe (GIE), está atualmente preparando um estudo de custo-benefício detalhado para publicação em outubro, que avaliará os prós e os contras das diferentes opções, seja o aproveitamento de infraestruturas já existentes ou a conversão de outros gases em hidrogênio nos terminais de importação de GNL. (Euractiv – 09.10.2020)

<topo>

4 Análise do crescimento e perspectivas para a oferta mundial de hidrogênio verde

No século passado, já se sabia sobre o potencial do hidrogênio, portanto, por causa do petróleo, não se investia tanto no H2, com o passar do tempo e as crises do petróleo, o hidrogênio com suas células a combustível cresceram significativamente e não param de crescer. Com a descarbonização e o mundo tendendo a se tornar verde, várias estratégias e metas foram e estão sendo criadas para produção de hidrogênio de verde em grandíssima escala. Com custos trilhiõnarios, países apostam no hidrogênio verde em longo prazo, pois, como disse a Alemanha “apenas o hidrogênio produzido com base em energias renováveis (hidrogênio ‘verde’) é sustentável a longo prazo”. Portanto, na próxima década, ainda ocorrerá uma disputa entre o H2 verde e H2 azul, além de que o H2 marrom também participará da disputa, contudo, as energias renováveis estão com preços cada vez menores e por isso, em um futuro próximo, o hidrogênio verde será o predominante. (BloombergNEF – 08.10.2020)

<topo>

5 Análise da demanda mundial de hidrogênio

O hidrogênio verde tem sido bastante citado quando se fala em transição energética e descabanonização, sendo apresentado como uma tecnologia promissora capaz de atender a demanda de energia. No entanto, a BloombergNEF analisa o mercado de hidrogênio mostrando uma visão diferente. Para que o hidrogênio se torne competitivo no mercado deverá superar todas as outras fontes de energias, algo que não será fácil de alcançar. O artigo analisa setor a setor, fazendo comparando o hidrogênio com outras fontes de energia, expondo as razões, pelas quais o uso do hidrogênio é ou não vantajoso. Expõe projeções do preço do hidrogênio por kg, demostra se a tecnologia será ou não competitiva até 2030 e 2050. (BloombergNEF – 16.10.2020)

<topo>


Equipe de Pesquisa UFRJ
Editor: Prof. Nivalde J. de Castro (nivalde@ufrj.br)
Subeditores: Diogo Salles, Fabiano Lacombe e Sayonara Andrade Elizário
Pesquisadores: Allyson Thomas
e Kalyne Silva Brito 
Assistente de pesquisa: Sérgio Silva

As notícias divulgadas no IFE não refletem necessariamente os pontos da UFRJ. As informações que apresentam como fonte UFRJ são de responsabilidade da equipe de pesquisa sobre o Setor Elétrico, vinculada ao NUCA do Instituto de Economia da UFRJ.

Para contato: ifes@race.nuca.ie.ufrj.br

POLÍTICA DE PRIVACIDADE E SIGILO
Respeitamos sua privacidade. Caso você não deseje mais receber nossos e-mails,  Clique aqui e envie-nos uma mensagem solicitando o descadastrado do seu e-mail de nosso mailing.


Copyright UFRJ

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: