IFE.TEX 11

Informativo Eletrônico – Tecnologias Exponenciais nº 11 – publicado em 11 de agosto de 2020.

IFE: Informativo Eletrônico de Tecnologias Exponenciais – GESEL-UFRJ <!–

l

IFE: nº 11 – 11 de agosto de 2020
http://gesel.ie.ufrj.br/
gesel@gesel.ie.ufrj.br

Editor: Prof. Nivalde J. de Castro

Índice

Transição Energética
1
Voltalia fecha contrato com Itaú Unibanco para RECs
2 Eólica compõe 84% das liberações de novas usinas em julho
3 Engie quer expandir geração renovável em 4 GW anuais
4 Demanda por energia limpa impulsiona projetos no Brasil
5 BYD inaugura usina fotovoltaica de P&D
6 Ilha de Berlenga, em Portugal, passa por “Descarbonização total”
7 GE usa supercomputador para estudar eólica offshore

Geração Distribuída
1 PL 232 traz favorece GD, avalia secretário do ME
2 Clientes esperam queda no preço de sistema solar
3 Isenção de imposto de importação impactará mais geração centralizada
4 Multiplan investe em energia solar
5 Minha Casa Minha Vida ganha GD solar no DF
6 Andrade Gutierrez investirá em GD

Armazenamento de Eletricidade
1 Petrodin aposta em armazenamento de energia térmica

Mobilidade Elétrica
1 AES Tietê firma parcerias em eletromobilidade
2 Galp testa tecnologia que permite que VEs forneçam energia à rede
3 Nissan aceita eletricidade como pagamento de estacionamento
4 Primeiro avião elétrico certificado começa a voar na Suíça

5 Parceria para adicionar mais de 2.700 plugues de carregamento rápido nos EUA
6 China volta a subsidiar veículos elétricos
7 Octillion Power Systems lança novo plano de locação de baterias de veículos elétricos
8 Indústria busca tornar o interior dos VEs mais sustentável

9 Equipe da UFSC é finalista internacional com carro elétrico de corrida

10 BP: meta de instalação de 70.000 estações de carregamento

11 São José dos Campos lança primeiro projeto de ônibus elétricos
12 Vendas de caminhões elétricos nos EUA devem aumentar exponencialmente até 2025

Digitalização do Setor Elétrico
1 Projeto de Copel antecipa risco de desligamentos
2 Shell Iniciativa Jovem seleciona Startups
3 Furnas implanta novo centro de dados
4 Furnas firma parceria para impulsionar startups

5 Taesa: projeto para comunicação entre subestações em fase de testes


Eventos
1 Webinar Siemens sobre portfólio para distribuição de energia
2 GESEL disponibiliza apresentações do Webinar “Visão da mobilidade elétrica no mundo”
3 Livro “O Futuro é das CHICS: Cidades Humanas, Inteligentes, Criativas e Sustentáveis”

Artigos e Estudos
1 Artigo de Paulo Alvarenga (ThyssenKrupp): “A vez do hidrogênio verde”
2 Artigo MME sobre modernização do setor elétrico para o Brasil pós pandemia
3 Artigo Cosan: “A matriz energética e nossa síndrome de vira-lata”
4 Artigo de Olivia Freitas: “Avaliação ambiental estratégica e desenvolvimento sustentável”

5 Artigo de advogados sobre isenção de ICMS por RJ e MG para a Geração Distribuída
6 Artigo de Rachel Andalaft (REA Consult) sobre pandemia e incentivo às fontes renováveis
7 Consultoria publica relatório sobre Smart Grids
8 Artigo da IEA: “Precificação de Carbono pode ajudar a colocar a energia limpa no centro da recuperação econômica”

9 Artigo de Angus McCrone, editor chefe da BloombergNEF: “Não fique eufórico – ainda há riscos para a transição da energia mundial”


 

 

 

Transição Energética

1 Voltalia fecha contrato com Itaú Unibanco para RECs

A Voltalia fechou contrato de 547 mil RECs Brazil para o Itaú Unibanco. Ao todo, sete usinas eólicas da companhia emitiram os certificados negociados na transação. Os certificados negociados são referentes à energia gerada em 2019 nos parques eólicos da Voltalia localizados no Rio Grande do Norte, onde a empresa desenvolveu o cluster Serra Branca, com potencial de até 2,4GW. Além dos sete parques eólicos envolvidos na transação, a companhia está certificando outros seis que também estarão aptos a emitir certificados. (Brasil Energia – 03.08.2020)

<topo>

2 Eólica compõe 84% das liberações de novas usinas em julho

A Aneel fechou o mês de julho com 119,97 MW liberados para operação comercial – sendo 84% deles em usinas eólicas. A inserção dessa fonte na matriz elétrica tem se destacado em 2020. Ao longo do ano, a fiscalização da Agência liberou 3.123,38 MW em 12 estados do País. (Aneel – 03.08.2020)

<topo>

3 Engie quer expandir geração renovável em 4 GW anuais

A Engie pretende acelerar o crescimento em geração de energias renováveis, ampliando o plano global de 3 GW por ano para 4 GW anuais de expansão. Esse e outros objetivos foram anunciados pela companhia na sexta-feira (31/7), em comunicado que reitera estratégia de liderar a transição energética e em sintonia com metas estabelecidas em maio, como chegar a 58% de renováveis até 2030. Capturar oportunidades para biogás e hidrogênio e acelerar o crescimento em ativos descentralizados de infraestrutura, como redes de refrigeração e aquecimento urbanos e geração de energia on-site também estão entre as iniciativas previstas. (Brasil Energia – 03.08.2020)

<topo>

4 Demanda por energia limpa impulsiona projetos no Brasil

Embora o Brasil caminhe para uma crise econômica devido aos impactos da pandemia, o apetite de investidores e empresas pelo mercado de contratos corporativos de energia parece seguir intenso. O crescente interesse de empresas por abastecer suas operações com energia limpa deve ser o principal fator a guiar investimentos em geração no país nos próximos anos, com a redução dos custos de construção de usinas eólicas e solares tornando esses negócios viáveis mesmo com a pandemia de coronavírus. O mercado de “contratos verdes de energia” no maior país da América Latina tem atraído pesos pesados da indústria global de eletricidade, como a francesa Engie e a norte-americana AES, além de fundos como o britânico Actis e até petroleiras, como a Shell. A forte movimentação vem em meio a baixas expectativas quanto aos leilões geralmente promovidos pelo governo no Brasil para viabilizar novas usinas de geração. (G1 – 04.08.2020)

<topo>

5 BYD inaugura usina fotovoltaica de P&D

A BYD inaugurou em Campinas (SP) sua primeira usina fotovoltaica voltada exclusivamente para pesquisa e desenvolvimento (P&D) no Brasil. Com um investimento de R$ 7 milhões em equipamentos, a usina foi construída dentro do conceito da indústria 4.0, em parceria com o grupo Royal FIC e o Instituto Eldorado. A usina tem capacidade de 500 kW, que serão gerados a partir de diversas tecnologias de módulos fotovoltaicos: monocristalino PERC e policristalino, convencional e vidro-vidro. O empreendimento conta com uma estação meteorológica completa e será dedicado ao estudo de diferentes tipos de painéis fotovoltaicos em solo tropical e a fazer a integração com sistemas de armazenamento de energia e inversores. Também está instalado na usina um estacionamento para veículos com telhado fotovoltaico para testar a capacidade de geração para o abastecimento de ônibus. (Brasil Energia – 07.08.2020)

<topo>

6 Ilha de Berlenga, em Portugal, passa por “Descarbonização total”

Toda produção de energia na ilha da Berlenga, classificada pela UNESCO como Reserva Mundial da Biosfera, era feita por três geradores a diesel. Eram necessários 15 mil litros de combustível por ano para alimentar toda ilha, mas os portugueses decidiram fazer uma “Descarbonização total” e em um investimento de 350 mil euros da EDP Distribuição, transformaram a ilha autossuficiente em energia solar. Numa rocha por cima do bairro dos Pescadores, cumprindo “critérios rigorosos de integração paisagística”, a EDP Distribuição instalou painéis fotovoltaicos, um sistema de armazenamento de energia e equipamentos que permitem controlar e monitorizar remotamente o sistema. (Petronotícias – 08.08.2020)

<topo>

7 GE usa supercomputador para estudar eólica offshore

O Departamento de Energia dos EUA (DOE) concedeu à GE Research acesso a um supercomputador para pesquisas destinadas a acelerar novos avanços em energia eólica offshore. O equipamento, chamado Summit, fica localizado no Laboratório Nacional de Oak Ridge (ORNL), no Tennessee. O objetivo do projeto é usar simulações conduzidas pelo supercomputador para realizar pesquisas que levem a eficiências aprimoradas na produção de energia eólica offshore. Simulações serão usadas para estudar e informar novas maneiras de controlar e operar turbinas offshore para otimizar melhor a produção eólica. (Petronotícias – 08.08.2020)

<topo>

 

 

Geração Distribuída

1 PL 232 traz favorece GD, avalia secretário do ME

O PL 232, que moderniza o setor elétrico e aguarda ser votado pelo Congresso Nacional, foi considerado pelo secretário de Desenvolvimento da Infraestrutura do ME Diogo Mac Cord, como o instrumento correto para que sem prejuízo se façam a alterações necessárias no setor. ” Vemos o PL 232 como uma iniciativa muito equilibrada. As discussões já vêm acontecendo desde 2016. É mais fácil com um instrumento único”, afirmou Mac Cord, que participou da quarta edição do Enase Talks evento online, na manhã desta quarta-feira, 5 de agosto e que teve como outro convidado Pedro Batista, sócio da 3G Radar. O secretário salientou que o PL 232 também traz os mecanismos para que a geração distribuída continue a ser competitiva nos ambientes em que naturalmente ela já é. (Agência CanalEnergia – 05.08.2020)

<topo>

2 Clientes esperam queda no preço de sistema solar

As novas medidas de redução das alíquotas de imposto de importação para equipamentos fotovoltaicos, publicadas na semana passada Câmara de Comércio Exterior (Camex), têm preocupado grande parte dos empresários e fabricantes locais do mercado nacional de energia solar, já que consumidores têm cancelado ou postergado investimentos à espera de uma redução dos preços dos kits solares. A afirmação é da consultora Bárbara Rubim, CEO da Bright Strategies. Para a especialista, a preocupação das empresas é que o anúncio da isenção faz o consumidor acreditar que todo produto vai ser isento, quando, na prática, só uma pequena parcela de módulos e inversores vai ser contemplada. (Agência CanalEnergia – 05.08.2020)

<topo>

3 Isenção de imposto de importação impactará mais geração centralizada

As resoluções Nº 69 e Nº 70, da Camex, incluíram cerca de 110 ex-tarifários relacionados a módulos solares, inversores, trackers e motobombas. A isenção tributária terá efeito a partir de 1° de agosto, com validade até o final de 2021. Os equipamentos fotovoltaicos vindos do exterior só pagavam imposto de importação e agora vai ser zerado. A maior parte dos itens fotovoltaicos isentos de impostos é utilizado nos projetos de geração centralizada, com forte impacto nos fabricantes locais que atuam com tais equipamentos. No caso dos pequenos sistemas de geração solar distribuída em residências, comércios e indústrias, o impacto da medida para a indústria nacional será menor, já que tais conexões utilizam, em boa parte, outros tipos de equipamentos. (Agência CanalEnergia – 05.08.2020)

<topo>

4 Multiplan investe em energia solar

A sede da Multiplan, em Paty dos Alferes, no Rio, passou a ser 100% abastecida por energia solar. A expectativa da empresa, que administra 19 shoppings pelo país, é que o investimento de R$ 4 milhões seja recuperado em cinco anos, com uma redução de 80% nas despesas com energia. Entre o planejamento e o início da operação da usina no mês passado, o projeto teve duração de menos de um ano. Com 2.460 módulos fotovoltaicos, o projeto vai evitar a emissão de 154 toneladas de CO2 por ano. O VillageMall, que pertence ao grupo, no Rio, foi o primeiro shopping da América Latina capaz de produzir 100% da energia que consome. (O Globo – 06.08.2020)

<topo>

5 Minha Casa Minha Vida ganha GD solar no DF

A Blue Sol instalou um sistema com 82 placas fotovoltaicas destinadas a produzir energia para as áreas comuns do condomínio Total Ville 402, do programa Minha Casa Minha Vida no Distrito Federal. A pequena usina possui 28,7kWp de potência e uma geração média de 3.850kWh/mês, o que pode conferir uma economia mensal de mais de R$ 3 mil, totalizando mais de R$ 37 mil a cada ano, conforme dados de Michel Blumenfeld, franqueado da empresa na região. (Agência CanalEnergia – 06.08.2020)

<topo>

6 Andrade Gutierrez investirá em GD

A Andrade Gutierrez, por meio do seu braço de participações societárias AG Participações, vai estrear no setor de energia solar. A empresa se uniu à francesa Green Yellow, do grupo Casino, e à BMPI Infra para entrar no mercado de geração distribuída. Batizada de Evolua, a empresa nasce com um plano de investir R$ 160 milhões numa primeira onda de projetos, em Minas Gerais, até o fim de 2021. Mas a ideia é expandir para outros Estados nos próximos anos. A Evolua se prepara para começar a operar em outubro a sua primeira usina fotovoltaica, em Pirapora (MG), com capacidade para 7,5 MWp. A meta é construir mais unidades e atingir, ao fim do ano que vem, 50 MWp e carteira da ordem de 3,6 mil clientes. O foco são pequenos e médios estabelecimentos comerciais e condomínios atendidos pela rede de baixa tensão. (Valor Econômico – 10.08.2020)

<topo>

 

 

Armazenamento de Eletricidade

1 Petrodin aposta em armazenamento de energia térmica

A Petrodin, empresa nacional de gerenciamento de embarcações, contratos, projetos e investimentos offshore, criou uma divisão de negócios sustentáveis e contratou a sueca Azelio, detentora de sistema de armazenamento de energia térmica que pode ser convertido em eletricidade, com planos de trazer a tecnologia ao Brasil. Os potenciais compradores são cooperativas e concessionárias que atendam localidades em sistemas isolados. Em entrevista ao EnergiaHoje, Mats Rosengren, diretor da Petrodin Energia Híbrida, explica que a energia térmica é armazenada em um recipiente contendo liga de alumínio reciclado, sendo aquecida a temperatura de 600 °C, e um motor tipo stirling, com zero emissões, alimentado por calor, gerando energia elétrica através de um gerador acoplado. (Brasil Energia – 07.08.2020)

<topo>

 

 

Mobilidade Elétrica

1 AES Tietê firma parcerias em eletromobilidade

A AES Tietê firmou parcerias para o desenvolvimento de plataforma de gerenciamento de eletropostos, bem como novos modelos de negócios no segmento da mobilidade elétrica. A plataforma, resultado de um projeto de P&D desenvolvido com a startup movE, apoia tanto o condutor do carro elétrico como o dono da estação de recarga. Com o aplicativo é possível encontrar um local para recarregar o veículo e obter dados estatísticos de cada recarga, como quantos quilos foram economizados em emissão de carbono, o consumo de energia e outras informações. Em atendimento à Chamada Estratégica 22 da Aneel, a empresa dá continuidade ao projeto, que tem duração de 30 meses e investimento de cerca de R$5,4 milhões. (Agência CanalEnergia – 03.08.2020)

<topo>

2 Galp testa tecnologia que permite que VEs forneçam energia à rede

A Galp está a liderar um projeto pioneiro nos Açores – Portugal para testar a tecnologia Vehicle-to-Grid (V2G), que permite que os veículos elétricos deixem de ser apenas consumidores de eletricidade e que possam também fornecer energia à rede elétrica. A tecnologia V2G permitirá aos utilizadores de veículos elétricos o acesso a uma poupança na sua fatura de energia e a uma receita associada à prestação de serviços à rede elétrica, posicionando os utilizadores como agentes ativos na prestação de serviços auxiliares ao sistema elétrico. O piloto em curso desde abril está a testar uma frota de 10 veículos elétricos da Eletricidade dos Açores e já permitiu injetar na rede cerca de 13,4 MWh, energia equivalente ao consumo médio de 15 casas por dia. (Automonitor – 03.08.2020)

<topo>

3 Nissan aceita eletricidade como pagamento de estacionamento

Por meio do modo de compartilhamento de carga, onde baterias do carro podem alimentar outros equipamentos, os donos de Leaf (e de outros veículos elétricos) poderão quitar seu estacionamento ao visitar o centro de exposições Nissan Pavilion, em Yokohama, Japão. Com 10 mil metros quadrados e zero emissão, o local é revestido com painéis solares e alimentado por energia hidrelétrica renovável. Em frente ao local, o Mobility Hub oferece uma série de serviços. Dentre eles, há compartilhamento de veículos elétricos (carsharing). (O Estado de São Paulo – 04.08.2020)

<topo>

4 Primeiro avião elétrico certificado começa a voar na Suíça

O primeiro avião elétrico certificado do mundo, fabricado pela empresa eslovena Pipistrel, efetuou o primeiro voo de teste em Friburgo, na Suíça, primeiro país a adquirir estes aparelhos e autorizar que operem no seu espaço aéreo. Segundo informou esta segunda-feira o Gabinete Federal de Aviação Civil da Suíça, o aparelho será utilizado principalmente como avião de treino para aspirantes a pilotos de voos ligeiros. O aparelho tem uma capacidade de carga de 172 quilos durante 50 minutos de voo e é capaz de alcançar uma velocidade máxima de 200 quilómetros por hora. (Automonitor – 03.08.2020)

<topo>

5 Parceria para adicionar mais de 2.700 plugues de carregamento rápido nos EUA

A General Motors e a EVgo planejam triplicar o tamanho da maior rede pública de recarga rápida dos EUA, adicionando mais de 2.700 novos carregadores rápidos nos próximos cinco anos. As duas empresas adicionarão estações de recarga rápida às cidades e subúrbios, com a intenção de desbloquear novos segmentos de clientes de veículos elétricos e fornecer maior acesso de recarga aos motoristas. As novas estações de carregamento rápido EVgo estarão disponíveis para clientes a partir do início de 2021. A maioria das estações poderão carregar pelo menos quatro veículos simultaneamente. Além disso, as estações apresentarão uma nova tecnologia de carregamento com recursos de 100-350kW para atender às necessidades de um conjunto cada vez mais poderoso de VEs que chegam ao mercado. Os novos carregadores rápidos EVgo serão alimentados com 100% de energia renovável. (Green Car Congress – 01.08.2020)

<topo>

6 China volta a subsidiar veículos elétricos

O órgão máximo de planificação económica da China anunciou esta quinta-feira várias medidas para incentivar o consumo interno no segundo semestre do ano, incluindo recuperar o programa de subsídios a veículos elétricos, informou a imprensa estatal. O número dois da Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma, Ning Jizhe, pediu ainda às cidades que aumentem a quota para a compra daquele tipo de veículos. (Automonitor – 06.08.2020)

<topo>

7 Octillion Power Systems lança novo plano de locação de baterias de veículos elétricos

A Octillion Power Systems, fornecedora global de sistemas avançados de armazenamento de íons de lítio para mobilidade elétrica, anunciou um novo programa demonstrativo de leasing de baterias que permite que as baterias sejam alugadas aos clientes da frota quando adquirem veículos. De acordo com o programa, os operadores de frota participantes poderão adquirir baterias através de um programa de cinco anos de “locação própria”, sem pagamento antecipado. O objetivo do programa demonstrador é coletar dados sobre a degradação das baterias, avaliar modelos de uso em operação da frota e avaliar a viabilidade da segunda vida útil das baterias usadas. Por fim, isso permitirá à Octillion criar casos de mercado para grupos de financiamento tradicionais, ansiosos por entrar no leasing de baterias, mas preocupados com a tecnologia. (Green Car Congress – 06.08.2020)

<topo>

8 Indústria busca tornar o interior dos VEs mais sustentável

A indústria automotiva está voltada para o futuro elétrico, e materiais recicláveis e sustentáveis revestirão o seu interior, se adequando ao interesse da indústria e dos clientes por opções que respeitam o meio ambiente. E as marcas de luxo estão abrindo o caminho. A Mercedes-Benz incorporou diversos materiais novos: um tecido de camurça feito de garrafas plásticas recicladas e fibras de roupa, reveste os assentos, enquanto um produto derivado da madeira comprimida feito de rattan colhido por métodos sustentáveis, é usado nos assoalhos e no revestimento do painel de controle. A Bentley está experimentando um couro vegano feito de cascas, sementes e talos de uva. E a Polestar usa tapetes feitos com redes de pesca recicladas. Max Missoni, diretor de design da Polestar afirma que a ideia de criar um novo paradigma de design é crucial para os fabricantes que tentam reinventar-se para o futuro movido a bateria. (O Estado de São Paulo – 10.08.2020)

<topo>

9 Equipe da UFSC é finalista internacional com carro elétrico de corrida

O protótipo de carro elétrico de corrida da Ampera Racing, formada por estudantes do Centro Tecnológico da Universidade Federal de Santa Catarina (CTC/UFSC), é finalista em duas categorias da Formula Student Online, competição internacional organizada pela universidade Széchenyi István, da Hungria. O protótipo AMP-220 é o único representante brasileiro nas finais e concorre nas categorias design de engenharia e apresentação de plano de negócios. A iniciativa foi classificada entre os três finalistas na categoria Engineering Design Event, disputando o primeiro lugar com as equipes da Universidade Aachen e da Universidade Técnica de Munique, ambas da Alemanha. (O Globo – 07.08.2020)

<topo>

10 BP: meta de instalação de 70.000 estações de carregamento

A BP, empresa multinacional sediada no Reino Unido que opera no setor de petróleo e gás, anuncia plano para migrar de uma companhia de petróleo para uma companhia de energia. A estratégia parte de uma mudança real de conotação da empresa, que acredita que a próxima década será decisiva para a luta contra as mudanças climáticas. Dentre os principais objetivos estabelecidos pela BP para se tornar uma empresa totalmente diferente em 2030, estão: investimentos de baixo carbono de 500 a 5 bilhões de dólares por ano; desenvolvimento de 2,5 a 50 GW de capacidade de geração renovável; construir mais de 70.000 pontos de carregamento para carros elétricos; reduzir a produção de petróleo e gás em 42%; reduzir as emissões das operações em 30-35%. (Inside EVs – 08.08.2020)

<topo>

11 São José dos Campos lança primeiro projeto de ônibus elétricos

Os ônibus elétricos devem corresponder à metade da frota do país em um prazo de cinco a dez anos. A previsão é de Rodrigo Pikussa, diretor do negócio ônibus da Marcopolo. No Brasil, circulam quase 380 mil ônibus, de acordo com estudo realizado com dados de 2018 do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran) e da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT). A prefeitura de São José dos Campos, município do interior de São Paulo, lançou hoje o primeiro projeto do país na modalidade “veículos leves sobre rodas 100% elétrico”, com 12 unidades — que começarão a ser produzidas em março e entregues até o fim de outubro de 2021. A Marcopolo participa do projeto junto com a chinesa BYD. “É um projeto de seis mãos, com a BYD e a prefeitura”, diz Pikussa. A prefeitura é quem fará o investimento, a compra dos ônibus propriamente, e a operação da frota será privada. Pikussa afirmou que, nesse sentido, tanto no Brasil como fora, em outros países, a expansão da frota transporte público elétrico pode contar com financiamento das companhias de distribuição de energia, interessadas em desenvolver esse mercado cativo. (Exame – 10.08.2020)

<topo>

12 Vendas de caminhões elétricos nos EUA devem aumentar exponencialmente até 2025

Embora a indústria de caminhões elétricos só recentemente tenha começado a receber apoio político e financeiro dos quais os setores de passageiros e transporte público têm se beneficiado, a ênfase colocada no cumprimento das metas de transição energética global impulsionará o crescimento desse setor nos próximos anos. Havia pouco mais de 2.000 caminhões elétricos nas estradas dos EUA no final de 2019. Esse estoque deve crescer para mais de 54.000 até 2025, de acordo com uma nova análise da Wood Mackenzie. “Comparado aos níveis de penetração de veículos elétricos de passageiros (EV) e ônibus elétricos, o mercado de caminhões elétricos ainda está em sua infância. Veículos médios e pesados são o segundo maior contribuinte para as emissões de transporte dos EUA, mas muitos dos esforços de redução de emissões até agora se concentraram em novas tecnologias de diesel e híbridos, em vez de eletrificação pura”, disse Kelly McCoy, analista de pesquisas da Wood Mackenzie. Durante o período de perspectiva da Wood Mackenzie, o número de unidades de carregamento elétrico adaptadas para caminhões conectadas à rede também deverá aumentar exponencialmente. (Wood Mackenzie – 10.08.2020)

<topo>

 

 

Digitalização do Setor Elétrico

1 Projeto de Copel antecipa risco de desligamentos

A Copel e o Simepar (Sistema de Tecnologia e Monitoramento Ambiental do Paraná) estão desenvolvendo um modelo matemático que estimará com antecedência os riscos de desligamentos de energia elétrica causados por eventos meteorológicos severos. A previsão de conclusão do projeto, que conta com recursos de P&D da Aneel, é de 30 meses. Com base em informações de previsão e monitoramento meteorológico de curto e médio prazos, alertas qualificados serão transmitidos à Copel em forma de mapa. O processo será automatizado e padronizado por meio de inteligência artificial que integrará informações provenientes de satélites, radares e estações hidrometeorológicas. Ao receber o alerta qualificado, a Copel poderá organizar toda a logística de atendimento e reparação. (Brasil Energia – 04.08.2020)

<topo>

2 Shell Iniciativa Jovem seleciona Startups

A terceira edição do Iniciativa de Energia – edital do programa Shell Iniciativa Jovem, da Shell Brasil, que é voltado exclusivamente para o setor energético – está com inscrições abertas para startups de todo o Brasil. O objetivo é o de promover a aceleração de empresas com soluções aplicáveis aos mercados de Energia, Infraestrutura para Cidades Inteligentes e tecnologias para doenças epidêmicas com foco na covid-19. (Agência CanalEnergia – 05.08.2020)

<topo>

3 Furnas implanta novo centro de dados

Furnas está em fase de implantação para abrigar um novo data center e modernizar a infraestrutura de TI da empresa. O projeto permitirá o aumento da capacidade de processamento e armazenamento, disponibilidade da infraestrutura física dos serviços, duplicação total dos dados e infraestrutura redundante de servidores em um centro secundário – para contingência em caso de indisponibilidade do site principal. O projeto, que segue na fase de cópia dos servidores de Furnas para o novo data center contratado, atende a meta de desocupação total do escritório central, ainda prevê redução de custos durante sua implantação e operação a longo prazo. (Brasil Energia – 06.08.2020)

<topo>

4 Furnas firma parceria para impulsionar startups

Furnas, Alvarez & Marsal e Finxi estão lançando um programa de venture builder para criar novas startups a partir de projetos de colaboradores. As três vão unir suas experiências em gestão de empresas, setor de energia e de tecnologia para dar mentoria e treinamento aos líderes de quatro projetos selecionados no Inova Furnas. As iniciativas selecionadas vão receber suporte para planejamento estratégico e tático para que, futuramente, possam desenvolver soluções para os desafios não só da companhia, mas do setor elétrico, e finalmente receber investimentos do mercado. O projeto tem prazo de duração de 30 meses. (Brasil Energia – 06.08.2020)

<topo>

5 Taesa: projeto para comunicação entre subestações em fase de testes

A Taesa desenvolve um projeto de P&D, atualmente em fase de testes, para comunicação entre subestações. O programa estuda o uso de redes definidas por SDN (Software-Defined Networks), que demonstraram capacidade de melhorar os processos de teleproteção, oferecendo aprimoramento do desempenho adequado aos sistemas elétricos. Para a empresa, o desenvolvimento de um controlador SDN de baixo custo permitirá uma grande flexibilidade na configuração dos equipamentos de comunicação, reduzindo o tempo de recuperação de falhas. A rede controlada por este equipamento poderá manter os tempos de transmissão conforme os requisitos estabelecidos pela norma e recuperar-se rapidamente de falhas, evitando que a atuação indevida dos equipamentos elétricos ocorra por atraso na comunicação. (Brasil Energia – 07.08.2020)

<topo>

 

 

Eventos

1 Webinar Siemens sobre portfólio para distribuição de energia

Acontece dia 11 de agosto o Webinar da Siemens sobre portfólio para distribuição de energia. Seráo Dois treinamentos (1º das 14h às 15h30 e 2º das 17h às 18h30) para ajudar em soluções para um sistema de distribuição de energia estável, disponível e customizável – com produtos de software e hardware, sistemas e soluções para todos os níveis de tensão. Para inscrição e outras informações acesse aqui. (GESEL-IE-UFRJ – 06.08.2020)

<topo>

2 GESEL disponibiliza apresentações do Webinar “Visão da mobilidade elétrica no mundo”

O GESEL está disponibilizando apresentações do Webinar “Visão da mobilidade elétrica no mundo”. O evento, que aconteceu no último dia 06/08, coordenado pelo prof. Nivalde de Castro e moderado pelo pesquisador André Alves, contou com apresentações de Ricardo Gorini (Head do Programa REmap da Agência Internacional para as Energias Renováveis – IRENA), Luís Barroso (CEO da Mobi-e de Portugal) e Ainhoa Garmendia Lope (representante da Iberdrola da Espanha na área de Operações de Mobilidade Inteligente). Acesse as apresentações aqui. (GESEL-IE-UFRJ – 07.08.2020)

<topo>

3 Livro “O Futuro é das CHICS: Cidades Humanas, Inteligentes, Criativas e Sustentáveis”

A Rede Brasileira de Cidades Inteligentes e Humanas lança o livro “O Futuro é das CHICS: Cidades Humanas, Inteligentes, Criativas e Sustentáveis”. Com alguns dos principais especialistas brasileiros e europeus das disciplinas que abrangem o assunto, o livro tem o objetivo de proporcionar às pessoas, em geral, entender o que são as CHICS e permitir aos prefeitos das cidades encontrar os caminhos corretos para desenvolvê-las nos desafios do século XXI. Além de uma estratégia muito bem definida nos três primeiros capítulos, o livro traz artigos de excelentes profissionais e uma plataforma de gestão de cidades pós-pandemia, inclusive com as estratégias para controle sanitário e reorganização das cidades nesse “novo mundo”. “O livro permite entender que os novos tempos exigem um novo conceito de cidade e que isto exige uma nova forma de gestão, não apenas no sentido de gerência, mas na concepção do mundo em tempo de inteligência artificial e funcionamento em rede. É uma feliz coincidência que ele seja lançado na véspera de um novo normal no mundo, e véspera de eleições municipais no Brasil.”, comenta Cristovam Buarque, ex-Ministro da Educação. Para ler o livro gratuitamente na íntegra, clique aqui. (GESEL-IE-UFRJ – 11.08.2020)

<topo>

 

 

Artigos e Estudos

1 Artigo de Paulo Alvarenga (ThyssenKrupp): “A vez do hidrogênio verde”

Em artigo publicado no jornal Valor Econômico, Paulo Alvarenga, CEO do Grupo ThyssenKrupp na América do Sul, fala sobre o potencial que o Brasil tem de utilizar o hidrogênio verde na produção de fertilizantes. Segundo o autor, “com ele, é possível, ao mesmo tempo capturar o carbono e gerar riqueza, progresso econômico e sustentabilidade caminhando juntos”. Ele conclui que “o agronegócio brasileiro, um dos setores mais pujantes da nossa economia, e a indústria química e de fertilizantes têm em suas mãos a chave para o futuro”. Para ler o texto na íntegra, clique aqui. (GESEL-IE-UFRJ – 05.08.2020)

<topo>

2 Artigo MME sobre modernização do setor elétrico para o Brasil pós pandemia

Em artigo publicado pela Agência CanalEnergia, Marisete Dadald Pereira, secretária executiva do MME e Agnes M. da Costa, chefe da Assessoria Especial em Assuntos Regulatórios do MME, falam sobre como a modernização do Setor Elétrico Brasileiro pode contribuir para a recuperação no pós pandemia. As autoras afirmam que é “importante lembrar que a Modernização do Setor Elétrico é uma reforma setorial que visa atualizar regras e práticas para acomodar, com eficiência alocativa e produtiva, a realidade tecnológica e os movimentos (mundiais) de digitalização, descentralização, descarbonização e diversificação do setor elétrico.” Para ler o texto na íntegra, clique aqui. (GESEL-IE-UFRJ – 06.08.2020)

<topo>

3 Artigo Cosan: “A matriz energética e nossa síndrome de vira-lata”

Em artigo publicado na revista Exame, Luís Henrique Guimarães, presidente da Cosan, faz uma apresentação da matriz energética brasileira, destacando a alta presença de energias renováveis. Segundo o autor, o Brasil não reivindica seu posto como um dos países com a matriz mais sustentável do mundo, sofrendo da chamada “síndrome de vira-lata”. Ele conclui que “não se trata de menosprezar nossos problemas, que são muitos, mas de constatar que não sabemos propagar para o resto do mundo o que temos de excelência”. Para ler o texto na íntegra, clique aqui. (GESEL-IE-UFRJ – 06.08.2020)

<topo>

4 Artigo de Olivia Freitas: “Avaliação ambiental estratégica e desenvolvimento sustentável”

Em artigo publicado no jornal O Estado de São Paulo, Olivia Freitas, especialista em energia do Franco Advogados, fala sobre a necessidade de o país adotar um modelo de avaliação de impacto ambiental estratégico para as usinas renováveis. Segundo a autora, “a instalação de usinas acaba por causar alguns impactos negativos ao meio ambiente. Nesse sentido é de suma importância que sejam realizadas avaliações a fim de mitigação de riscos”. Ela conclui que “a Avaliação Ambiental Estratégica torna-se crucial para o cumprimento das metas de desenvolvimento sustentável, tendo em vista sua característica informativa e participativa e de controle de tomada de decisões pelo poder público”. Para ler o texto na íntegra, clique aqui. (GESEL-IE-UFRJ – 06.08.2020)

<topo>

5 Artigo de advogados sobre isenção de ICMS por RJ e MG para a Geração Distribuída

Em artigo publicado pela Agência CanalEnergia, Einar Odin Rui Tribuci e Victor Hugo Heydi Toioda, sócio e advogado do Tribuci Advogados, respectivamente, falam sobre a isenção do ICMS concedida unilateralmente pelos Estados de Minas Gerais e Rio de Janeiro para a Geração Distribuída. Os advogados afirmam que, “apesar do ICMS ser um imposto de competência estadual, suas regras estão dispostas a nível federal no âmbito do sistema tributário nacional. Para bem interpretar seus efeitos, devem ser analisadas as disposições trazidas na Constituição Federal, leis complementares, convênios e os respectivos regulamentos estaduais.” Para ler o texto na íntegra, clique aqui. (GESEL-IE-UFRJ – 06.08.2020)

<topo>

6 Artigo de Rachel Andalaft (REA Consult) sobre pandemia e incentivo às fontes renováveis

Em artigo publicado no jornal O Estado de São Paulo, Rachel Andalaft, sócio-fundadora da REA Consult, fala sobre como a pandemia abre espaço para o incentivo às fontes renováveis de energia e à redução de emissões de carbono, mesmo por empresas que antes não tinham essa política. Segundo a autora, “conforme setores mais poluentes reduzem forçosamente as suas atividades e se adaptam, abre-se um enorme espaço para políticas que fomentem uma infraestrutura verde, com novas tecnologias e oportunidades de trabalho”. Contudo, Rachel salienta a importância do alinhamento entre os planos do mercado e a elaboração de políticas públicas condizentes, e conclui “sem mercado não basta haver boa política e, havendo mercado, contornam-se até más políticas”. Para ler o texto na íntegra, clique aqui. (GESEL-IE-UFRJ – 10.08.2020)

<topo>

7 Consultoria publica relatório sobre Smart Grids

Facts & Factors (FnF), uma empresa líder em pesquisa de mercado publicou recentemente um relatório de pesquisa sobre “Mercado de Smart Grid Analytics: Visão global da indústria, tamanho do mercado, inteligência de negócios, preferências do consumidor, pesquisas estatísticas, análise abrangente, desenvolvimentos históricos, tendências atuais e previsões , 2020-2026” em seu banco de dados de pesquisa. O relatório de pesquisa sobre o mercado de redes inteligentes fornece uma avaliação do cenário do mercado global. O estudo também fornece dados sobre a evolução de importantes players e stakeholders do mercado, juntamente com uma análise competitiva, compreensão dos pontos fortes, fracos, ameaças e oportunidades, junto com as tendências e restrições. Uma amostra do relatório pode ser solicitada gratuitamente aqui. (GESEL-IE-UFRJ – 11.08.2020)

<topo>

8 Artigo da IEA: “Precificação de Carbono pode ajudar a colocar a energia limpa no centro da recuperação econômica”

A Agência Internacional de Energia publicou um artigo onde destaca como a precificação de carbono pode auxiliar a retomada econômica sustentável. Segundo a Agência, “crise da Covid-19 provavelmente levará à maior queda nas emissões de CO2 relacionadas à energia desde a Segunda Guerra Mundial. Essa queda não ocorreu apenas com um enorme custo humano, mas também será temporária, a menos que os governos façam esforços estruturais sustentados para reduzir as emissões de CO2 a longo prazo. Esses esforços podem incluir um papel fundamental para a precificação do carbono – um custo aplicado às emissões de gases de efeito estufa para encorajar os poluidores a emitir menos”. Os autores concluem que “as ferramentas de precificação de carbono ajudam a orientar o investimento imediato e as decisões de gastos com o longo prazo em mente. Eles também são resilientes e flexíveis diante de choques externos, como os induzidos pela Covid-19”. Para ler o texto na íntegra, clique aqui. (GESEL-IE-UFRJ – 11.08.2020)

<topo>

9 Artigo de Angus McCrone, editor chefe da BloombergNEF: “Não fique eufórico – ainda há riscos para a transição da energia mundial”

Em artigo publicado na consultoria BloombergNEF, Angus McCrone, editor chefe da companhia, comenta os avanços em relação à transição energética feitos especialmente durante o enfrentamento dos efeitos causados pela pandemia do coronavírus, mas destaca 5 possíveis obstáculos no caminho para a transição energética mundial. São eles: O prolongamento da pandemia, que exaustaria governos e enfraqueceria negócios e decisões tomadas pré-crise; A falta de subsídios, segundo o autor, caso o preço da energia elétrica caia nos próximos anos, “alguns compradores corporativos podem se sentir pressionados a renegociar, ou até mesmo deixar de cumprir seus PPAs. Alguns podem até ir à falência, cancelando efetivamente acordos de compra de energia previamente acordados”; Capital mais caro, que o autor destaca como um potencial risco de longo prazo, que pode inviabilizar investimentos futuros; A geopolítica global, o autor afirma que as tensões entre países, especialmente China e Estados Unidos, tende a tornar os futuros acordos climáticos mais difíceis; e, por último, há a possibilidade de as expectativas em relação às novas tecnologias (como o hidrogênio verde) simplesmente não se realizarem. Para ler o texto na íntegra, clique aqui. (GESEL-IE-UFRJ – 11.08.2020)

<topo>


Equipe de Pesquisa UFRJ
Editor: Prof. Nivalde J. de Castro (nivalde@ufrj.br)
Subeditores: Diogo Salles, Fabiano Lacombe e Lorrane Câmara
Pesquisador: Matheus Amâncio
Assistente de pesquisa: Sérgio Silva

As notícias divulgadas no IFE não refletem necessariamente os pontos da UFRJ. As informações que apresentam como fonte UFRJ são de responsabilidade da equipe de pesquisa sobre o Setor Elétrico, vinculada ao NUCA do Instituto de Economia da UFRJ.

Para contato: ifes@race.nuca.ie.ufrj.br

POLÍTICA DE PRIVACIDADE E SIGILO
Respeitamos sua privacidade. Caso você não deseje mais receber nossos e-mails,  Clique aqui e envie-nos uma mensagem solicitando o descadastrado do seu e-mail de nosso mailing.


Copyright UFRJ

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: