IFE.ME 19

Informativo Eletrônico – Mobilidade Elétrica nº 19 – publicado em 27 de julho de 2020.

IFE: Informativo Eletrônico de Mobilidade Elétrica – GESEL-UFRJ <!–

l

IFE: nº 19 – 27 de julho de 2020
http://gesel.ie.ufrj.br/
gesel@gesel.ie.ufrj.br

Editor: Prof. Nivalde J. de Castro

Índice

Políticas Públicas e Regulatórias
1
World Economic Forum: Índia: Análise da cadeia de valor das políticas estaduais de VEs
2 World Economic Forum: Veículos elétricos para cidades mais inteligentes: o futuro da energia e da mobilidade
3 Guidehouse Insights: Mistura de investimentos públicos e privados na infraestrutura de recarga
4 Nova York: Programa para acelerar a eletrificação de transporte
5 EUA: US $ 139 milhões em financiamento para tecnologias inovadoras em veículos

Inovação e Tecnologia
1 Departamento de Energia dos EUA: Ferramenta de projeção de infraestrutura de veículo elétrico (EVI-Pro) Lite
2 Journal of Renewable and Sustainable Energy: Resíduos de baterias de íons de lítio usados na produção de biodiesel
3 LeydenJar Technologies: Ânodo de silício aumenta a energia da bateria de íons de lítio em 70%
4 Siemens: Plataforma para facilitar a gestão de eletropostos no Brasil

Indústria Automobilística
1 Data Bridge Market Research: Análise de Oportunidades Globais do Mercado de Mobilidade Elétrica e Previsão do Setor
2 Guidehouse Insights: Avaliando o impacto do coronavírus na eletrificação e automação de veículos
3 Guidehouse Insights: Vendas globais de veículos elétricos leves aumentaram quase 1 milhão de unidades de 2018 para 2019

4 Guidehouse Insights: Previsões globais para vendas de veículos elétricos leves de 2019-2030

5 Mobilidade elétrica avança no Brasil

6 Alemanha pressiona para modernizar suas principais exportadoras e diminuir vulnerabilidades

7 Renault tem queda em vendas globais, mas venda de elétricos aumenta

8 Volkswagen espera venda de 1 milhão de unidades de veículos movidos a novas energias
9 GM lançará 20 carros elétricos até 2023
10 Tesla: Vendas de créditos regulatórios amortece impacto do coronavírus

11 Tesla: Meta de entregar 500 mil veículos até o final do ano
12 Tesla tem lucro por quatro trimestres seguidos
13 Expansão global da Tesla acelera
14 Tesla quer tornar seus carros mais acessíveis

Meio Ambiente
1 UNISUL: Avaliação comparativa entre veículos elétricos e veículos convencionais no contexto de mitigação das mudanças climáticas
2 Universidade Tsinghua: Emissões de GEE no ciclo de vida de veículos elétricos na China

Artigos e Estudos
1 UNIFEI: Microrrede com veículos elétricos: O impacto na vida útil das baterias conectadas à rede


 

 

 

Políticas Públicas e Regulatórias

1 World Economic Forum: Índia: Análise da cadeia de valor das políticas estaduais de VEs

A Índia é apontada como um hotspot global para mobilidade elétrica. Nos últimos anos, o governo nacional criou impulso por meio de várias políticas que incentivam a adoção. Após o processo, dez Estados e Territórios da União (UT) publicaram seus projetos de políticas de VE ou notificaram suas políticas finais, detalhando outros incentivos fiscais e não fiscais, para acelerar uma cadeia de valor das atividades de mobilidade elétrica. Embora as diversas abordagens sejam compreensíveis, uma estrutura comum para medir a sustentabilidade e a longevidade das políticas de VEs em toda a Índia é necessária para os formuladores de políticas, empresas e profissionais. Este white paper usa uma estrutura de cadeia de valor para analisar as políticas de VE em 10 estados indianos, prestando atenção aos aspectos multissetoriais das políticas – separados em três cadeias de valor diferentes; a cadeia de valor de veículos elétricos, a cadeia de valor de recarga e a cadeia de valor da rede. (World Economic Forum – 03.10.2019)

<topo>

2 World Economic Forum: Veículos elétricos para cidades mais inteligentes: o futuro da energia e da mobilidade

Este relatório examina as principais tendências que afetam a transformação dos sistemas de energia e mobilidade, com foco especial nas cidades. Os tópicos abordados incluem: eletrificação, descentralização e digitalização do sistema de energia, juntamente com a mudança para a mobilidade elétrica, compartilhada e autônoma. (World Economic Forum – 13.02.2018)

<topo>

3 Guidehouse Insights: Mistura de investimentos públicos e privados na infraestrutura de recarga

Os investimentos em infraestrutura de recarga vêm de uma variedade de fontes, tanto nos guarda-chuvas privados quanto nos públicos. No ano passado, muitos governos se comprometeram a investir na infraestrutura de recarga para impulsionar o mercado de veículos elétricos plug-in (PEVs). Em julho de 2019, o governo canadense investiu CAD $ 4.6 milhões ($ 3.5 milhões) na instalação de 92 carregadores rápidos. O investimento criará uma rede de recarga costa a costa para o Canadá. O governo indiano também está se comprometendo com os PEVs e enviou uma chamada de propostas para estabelecer 1.000 carregadores no país. A Índia também vê compromissos de investimento privado na infraestrutura de recarga. Investimentos e incentivos em infraestrutura de recarga também são oferecidos por meio de empresas de energia elétrica, principalmente nos EUA. A mistura de investimentos públicos e privados entre os setores é um sinal promissor do potencial dos PEVs, mesmo em países em desenvolvimento como a Índia. No entanto, com qualquer compromisso, é possível que esses investimentos fracassem, principalmente no lado público, onde a política pode ditar o orçamento futuro. (Guidehouse Insights – 27.08.2019)

<topo>

4 Nova York: Programa para acelerar a eletrificação de transporte

O governador de Nova York, Andrew M. Cuomo, anunciou um pacote de grandes iniciativas de transporte limpo, incluindo um pedido de preparação (EV Make-Ready Program), aprovado pela Comissão de Serviço Público do Estado de Nova York (PSC), para avançar no compromisso de acelerar sua transição para uma mobilidade mais limpa. O EV Make-Ready Program será financiado por empresas de serviços públicos pertencentes a investidores no Estado de Nova York. Ele cria um programa de compartilhamento de custos que incentiva empresas de serviços públicos e desenvolvedores de estações de carregamento a instalar a infraestrutura de recarga para veículos elétricos em locais que proporcionem um benefício máximo aos consumidores. A ordem do PSC limita o orçamento total em US $ 701 milhões e será executada até 2025, com US $ 206 milhões alocados benefícios equitativos para comunidades socioeconomicamente menos favorecidas, que também serão elegíveis para um incentivo mais alto, apoiando até 100% dos custos para preparar um local para o carregamento do VE. (Green Car Congress – 17.07.2020)

<topo>

5 EUA: US $ 139 milhões em financiamento para tecnologias inovadoras em veículos

O secretário de energia dos EUA, Dan Brouillette, anunciou US $ 139 milhões em financiamento federal para 55 projetos em todo o país que apoiarão novas tecnologias de veículos. Financiados pelo Escritório de Eficiência Energética e Energia Renovável (EERE) do Departamento de Energia dos EUA (DOE), os projetos conduzirão pesquisas em baterias avançadas, eletrificação e fabricação em apoio ao Energy Storage Grand Challenge do DOE. Anunciado pela secretária Brouillette em janeiro de 2020, o Energy Storage Grand Challenge foi criado para criar e sustentar a liderança global dos EUA em tecnologia, utilização e exportação de armazenamento de energia. Os projetos selecionados sob esta oportunidade de financiamento serão gerenciados pelo Gabinete de Tecnologias de Veículos (VTO). Os caminhos de pesquisa da VTO concentram-se na diversificação de combustível, eficiência do veículo, armazenamento de energia, materiais leves e novas tecnologias de mobilidade para melhorar a eficiência energética geral e a acessibilidade do sistema de transporte. (Green Car Congress – 17.07.2020)

<topo>

 

 

Inovação e Tecnologia

1 Departamento de Energia dos EUA: Ferramenta de projeção de infraestrutura de veículo elétrico (EVI-Pro) Lite

O EVI-Pro Lite é uma ferramenta para projetar a demanda do consumidor por infraestrutura de carregamento de veículos elétricos. É uma versão simplificada da Ferramenta de Projeção de Infraestrutura de Veículos Elétricos (EVI-Pro). O EVI-Pro foi desenvolvido por meio de uma colaboração entre o Laboratório Nacional de Energia Renovável e a Comissão de Energia da Califórnia, com suporte adicional do Escritório de Tecnologias de Veículos do Departamento de Energia dos EUA. O EVI-Pro usa dados detalhados sobre padrões de viagem de veículos pessoais, atributos de veículos elétricos e características da estação de carregamento em simulações para estimar a quantidade e o tipo de infraestrutura de carregamento necessária para apoiar a adoção regional de veículos elétricos. O EVI-Pro foi usado para estudos detalhados de planejamento em Massachusetts, Columbus, Califórnia, Maryland e para uma Análise Nacional das comunidades e corredores dos EUA. (Alternative Fuels Data Center)

<topo>

2 Journal of Renewable and Sustainable Energy: Resíduos de baterias de íons de lítio usados na produção de biodiesel

Pesquisadores brasileiros demonstraram uma nova abordagem química para a produção de biodiesel a partir de resíduos de óleo de cozinha doméstico, usando hidróxido de lítio misturado com hidróxidos de sódio ou hidróxidos de potássio como catalisadores. Seu trabalho, publicado no Journal of Renewable and Sustainable Energy, poderia permitir estudos futuros relacionados ao uso de lítio a partir de resíduos de baterias de íons de lítio. A obra marca uma das primeiras vezes que o lítio foi usado para tais fins. O autor Gilberto Maia de Brito disse que a engenharia verde pode gerar soluções para uma variedade de problemas ao mesmo tempo. (Green Car Congress – 22.07.2020)

<topo>

3 LeydenJar Technologies: Ânodo de silício aumenta a energia da bateria de íons de lítio em 70%

A LeydenJar Technologies, uma empresa holandesa do instituto de pesquisa aplicada TNO, desenvolveu um novo ânodo 100% de silício para baterias de íons de lítio. Essa inovação oferece dois benefícios principais: baterias com uma densidade de energia 70% maior (1350 Wh/L) e 62% menos emissões de CO2. O ânodo está pronto para produção e a LeydenJar está se preparando para ampliar sua capacidade de produção nos próximos anos. A nova tecnologia não aumenta os custos de produção. Uma densidade energética 70% maior terá impacto em vários setores, dentre eles o de veículos elétricos. Como material anódico, o silício tem dez vezes a capacidade de carbono. No entanto, até agora, só foi possível produzir ânodos com uma pequena quantidade de silício, porque seu foi dificultado pelas limitações mecânicas do material. O ânodo de silício puro da LeydenJar é poroso, permitindo absorver o inchaço do silício durante a iluminação e, portanto, usa a capacidade máxima de silício, mantendo-se mecanicamente estável. (Green Car Congress – 21.07.2020)

<topo>

4 Siemens: Plataforma para facilitar a gestão de eletropostos no Brasil

Mario Henrique Sanchez, desenvolvedor de negócios na área de Digital Grids da Siemens, diz entender que a mobilidade elétrica é algo que vai crescer muito nos próximos anos e a gestão disso vai ser fundamental. No entanto, o veículo elétrico desafia a atual infraestrutura elétrica. As distribuidoras precisarão dispor cada vez mais de tecnologia para fazer a gestão desses fluxos de cargas. Sanchez disse que a Siemens acabou de trazer para o mercado brasileiro uma plataforma flexível com objetivo facilitar a gestão do setor. Inicialmente disponível para distribuidoras de energia e operadores de eletroposto, o E-Car OC faz o gerenciamento detalhado de cargas, bem como realizada também o faturamento da energia. Algumas das informações fornecidas pela plataforma: Questões como saber o potencial de energia elétrica para a instalação de pontos de recarga ultrarrápidos em uma determinada região; que empresa opera cada eletroposto nas vias; tempo necessário para recarregar a bateria do veículo em diferentes locais durante uma viagem; e o custo a ser pago pela eletricidade em diferentes regiões. (CanalEnergia – 21.07.2020)

<topo>

 

 

Indústria Automobilística

1 Data Bridge Market Research: Análise de Oportunidades Globais do Mercado de Mobilidade Elétrica e Previsão do Setor

O mercado de mobilidade elétrica alcançará uma estimativa de US $ 735,80 bilhões em 2027, registrando esse crescimento a uma taxa de 23,15% para o período previsto de 2020 a 2027. O relatório do mercado de mobilidade elétrica tenta profundamente determinar o impacto de compradores, substitutos, novos entrantes, concorrentes e fornecedores no mercado. O relatório explicou insights aprofundados do mercado sobre tamanho, tendências mais recentes, ameaças e principais motivadores do mercado. Este relatório de pesquisa de mercado global também ajuda a garantir economias na distribuição de produtos. O relatório do estudo é avaliado principalmente em dois segmentos, a saber, tipos e aplicações que cobrem todos os dados analíticos dos mercados atuais e futuros. (3rd Watch News – 24.07.2020)

<topo>

2 Guidehouse Insights: Avaliando o impacto do coronavírus na eletrificação e automação de veículos

Para o setor automotivo, espera-se que os impactos do coronavírus sejam amplos. É provável que não apenas leve a más condições econômicas para a venda de veículos, mas também tenha impactos nas tendências do home office e do varejo online, que podem aumentar as tendências do consumidor para abandonar a propriedade individual de veículos. Com o caixa apertado, os preços do petróleo baixos e os governos que desejam recuperar a capacidade produtiva, o mercado provavelmente voltará às opções familiares inicialmente. No entanto, à medida que a economia se recupera, é provável que os governos aumentem a pressão sobre os regulamentos de veículos a combustão, melhorando as condições dos veículos elétricos a longo prazo. Este relatório da Guidehouse Insights discute o impacto potencial do COVID-19 no mercado automotivo global, fornecendo análises de previsão sobre as vendas gerais de veículos, vendas de veículos elétricos e autônomos de nível 4. Ele também fornece recomendações para as partes interessadas do setor automotivo. (Guidehouse Insights – 2020)

<topo>

3 Guidehouse Insights: Vendas globais de veículos elétricos leves aumentaram quase 1 milhão de unidades de 2018 para 2019

As vendas globais de veículos elétricos leves aumentaram quase 1 milhão de unidades de 2018 para 2019, um crescimento de vendas de quase 25%. Esse sucesso, aliado ao forte crescimento das vendas de veículos híbridos (HEV), levou a um crescimento positivo no mercado de VE em 2019 – embora algumas áreas do mercado estejam desacelerando, como as vendas de veículos elétricos plug-in (PEV) na América do Norte. Em 2020, a introdução de vários novos modelos SUV e crossover PEV na América do Norte, bem como veículos híbridos leves adicionais que chegam ao mercado na Europa, deve impulsionar o crescimento. O mercado de picapes elétricas provavelmente continuará aumentando as vendas de PEV na América do Norte, à medida que esses modelos chegarem ao mercado em 2021. (Guidehouse Insights – 2020)

<topo>

4 Guidehouse Insights: Previsões globais para vendas de veículos elétricos leves de 2019-2030

Um relatório da Guidehouse Insights mostra futuras melhorias na tecnologia de veículos elétricos para impulsionar o crescimento das vendas. Essas melhorias incluem inovações em baterias e políticas de transporte do governo que incentivam a adoção de veículos de baixa emissão. O crescente interesse no preço do carbono e o aumento dos investimentos em infraestrutura de recarga também devem melhorar a economia dos veículos elétricos plug-in. Este relatório fornece uma visão das vendas de veículos elétricos leves até 2030 e inclui carros de passeio e caminhões leves entre os seguintes grupos: veículos híbridos (HEVs), híbridos plug-in (PHEVs), de bateria (BEVs) e de célula de combustível (FCVs). As previsões são produzidas para três cenários, diferenciados por suposições variadas (conservadoras, básicas e agressivas) em relação aos custos futuros de componentes de veículos, incentivos governamentais e disponibilidade de veículos. (Guidehouse Insights – 2020)

<topo>

5 Mobilidade elétrica avança no Brasil

Lentamente a mobilidade elétrica avança no Brasil. Em 2019, as vendas e emplacamento de veículos elétricos e híbridos bateram todos os recordes, com 11.858 unidades, o triplo do que foi em 2018, segundo dados da Associação Brasileira do Veículo Elétrico (ABVE). O país tem um estoque de 22.524 veículos elétricos, número ainda pequeno quando comparado às dezenas de milhões de veículos a combustão que estão em circulação. Segundo Rodolfo Pinto, CEO da Araxá Energia, um veículo elétrico pode promover uma economia de custo de até 30% quando comparado aos veículos a combustão. Quando essa tecnologia é somada ao painel solar residencial, essa economia pode chegar a 70%. Com os incentivos da Aneel, será crescente o número de empresas e investidores que passarão a atuar em um mercado que saltará de 3,9 mil unidades vendidas, em 2018, para cerca de 180 mil ao ano até 2030, segundo projeção da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), do Ministério das Minas e Energia (MME). (CanalEnergia – 21.07.2020)

<topo>

6 Alemanha pressiona para modernizar suas principais exportadoras e diminuir vulnerabilidades

Como a Alemanha entrou na pandemia com superávit orçamentário, foi possível apoiar economia durante a quarentena com o pacote de resgate mais generoso do mundo. Mas a Alemanha não está deixando de lado o compromisso com o equilíbrio orçamentário. Como boa parte dos seus gastos vai partir da poupança, o endividamento público da Alemanha deve aumentar, mas chegará a apenas 82% do PIB. Os críticos dirão que a Alemanha depende perigosamente de exportações industriais, destinadas principalmente à China, em um momento de desaceleração do comércio global. Ciente dessas vulnerabilidades, a Alemanha pressiona para modernizar suas principais exportadoras, as grandes empresas automobilísticas. Por meio de regulação e constrangimento público, o país pressiona suas montadoras a abandonarem o motor de combustão, altamente lucrativo, para adotarem os carros elétricos do futuro. Stuttgart, lar da Porsche e da Mercedes-Benz, proibiu a circulação de motores mais antigos a diesel dentro dos limites da cidade. (O Estado de São Paulo – 21.07.2020)

<topo>

7 Renault tem queda em vendas globais, mas venda de elétricos aumenta

Com o fim do primeiro semestre, o Grupo Renault computou queda de 35% em suas vendas globais em comparação ao mesmo período do ano passado, ao emplacar pouco mais de 1,25 milhão de veículos, considerando a soma de automóveis e utilitários leves. O conglomerado, que além da Renault reúne as marcas Dacia e Lada (Avtovaz) atribui o resultado ao forte impacto da pandemia de coronavírus nos mercados em que atua. No mercado de veículos elétricos, os volumes de vendas alcançaram 42 mil unidades, em alta de 38% sobre a primeira metade de 2019. Para o segundo semestre deste ano, a companhia prevê o lançamento da linha de motorizações Híbrida E-Tech e do Renault Twingo 100% elétrico na Europa. (Automotive Business – 20.07.2020)

<topo>

8 Volkswagen espera venda de 1 milhão de unidades de veículos movidos a novas energias

O Grupo Volkswagen anunciou na sexta-feira que espera que suas vendas na China caiam um dígito por cento este ano, uma vez que novos SUVs e modelos premium a ajudam a se recuperar de uma queda nas vendas no maior mercado automotivo do mundo. A empresa espera que as vendas no mercado de veículos movidos a novas energias, que incluem veículos totalmente elétricos, além de veículos híbridos plug-in e células de combustível de hidrogênio, atinjam 1 milhão de unidades este ano, disse Woellenstein em um briefing. A Volkswagen possui joint ventures locais com a SAIC Motor, o China FAW Group e o Anhui Jianghuai Automobile Group, e está construindo fábricas com base em sua plataforma MEB, que, segundo ela, permite a produção eficiente de vários modelos de veículos elétricos. A empresa informou que investirá 2,1 bilhões de euros (US $ 2,39 bilhões) na parceira JAC e na fabricante de baterias Guoxuan. Woellenstein disse que em 2025 a VW planeja ter 15 modelos elétricos baseados em MEB de diferentes marcas na China. Está construindo sua própria infraestrutura de carregamento de veículos elétricos nas cidades chinesas. (Automotive News Europe – 17.07.2020)

<topo>

9 GM lançará 20 carros elétricos até 2023

A GM confirmou que um dos 20 carros elétricos que lançará até 2023 será uma picape grande da Chevrolet. Revelado no relatório de sustentabilidade da empresa, o carro terá autonomia de 640 quilômetros e poderá substituir a Silverado. A marca está apostando forte em novos SUVs e picapes elétricos. É o caso do novo Hummer, da GMC, que será oferecido nas duas versões. No mesmo relatório, há esboços de um futuro SUV elétrico da Cadillac. O Chevrolet Bolt EV também terá, em breve, um novo rosto e um novo interior. O primeiro Cadillac elétrico (o SUV Lyriq) chega às revendas em meados de 2021 e a promessa é não mexer no estilão característico da marca. Até o fim do ano que vem, o Hummer EV SUT deve estar no mercado. (O Estado de São Paulo – 20.07.2020)

<topo>

10 Tesla: Vendas de créditos regulatórios amortece impacto do coronavírus

As vendas de créditos regulatórios da Tesla a outras montadoras subiram para um recorde de US$ 428 milhões. Isso contribuiu para sua ampla margem bruta automotiva de 25,4% e amorteceu o impacto negativo do coronavírus, que interrompeu a produção e entregas complicadas. A empresa, se beneficiou dos decretos exigindo que as montadoras vendam veículos elétricos e outros não poluentes na proporção de sua participação de mercado, ou compensem qualquer deficiência comprando créditos de outras montadoras. A Fiat Chrysler Automobiles NV disse no ano passado que uniria sua frota à Tesla para cumprir com os novos e rigorosos regulamentos ambientais na Europa. O valor dessas vendas a crédito tem aumentado, passando de US$ 354 milhões no primeiro trimestre e US$ 133 milhões nos últimos três meses do ano passado. O diretor financeiro, Zachary Kirkhorn, disse que espera que a receita com créditos regulatórios duplique este ano a partir de 2019, mas, eventualmente, o negócio diminuirá à medida que outras montadoras aumentarem a produção de seus próprios veículos movidos a bateria. (O Estado de São Paulo – 24.07.2020)

<topo>

11 Tesla: Meta de entregar 500 mil veículos até o final do ano

Em chamada com investidores na tarde desta quarta-feira, A Tesla revelou planos para construção de uma nova fábrica da empresa em Austin, no Texas, capaz de criar 5 mil empregos. A nova fábrica vai produzir os veículos atuais da empresa, o Model 3 e o Model Y, além de um utilitário chamado Tesla Semi e o futurista Cybertruck, que parece saído de um filme de ficção científica. A empresa reafirmou ainda sua meta de entregar pelo menos 500 mil veículos até o final do ano, mesmo com a interrupção de atividade nas fábricas da Califórnia por cerca de seis semanas por conta da crise do novo coronavírus. Analistas afirmam que, no futuro, a empresa pode ter problemas com a concorrência de outras montadoras de olho no mercado elétrico. No entanto, isso não é uma realidade no curto prazo. (O Estado de São Paulo – 22.07.2020)

<topo>

12 Tesla tem lucro por quatro trimestres seguidos

A fabricante de carros elétricos Tesla conseguiu um feito inédito em sua recente história: conseguiu dar lucro por quatro trimestres seguidos. A empresa divulgou nesta quarta-feira, 22, que foi capaz de ganhar US$ 104 milhões entre abril e junho deste ano, mesmo com fábricas fechadas por conta da pandemia do novo coronavírus. As boas notícias levaram as ações da companhia a subirem 6% após o fechamento do pregão, fazendo a empresa ultrapassar a marca de US$ 300 bilhões em valor de mercado. De quebra, a Tesla também abriu caminho para passar a fazer parte do índice S&P 500, que reúne as maiores empresas americanas. Ao longo do segundo trimestre, a empresa faturou US$ 6,04 bilhões, contra US$ 6,35 bilhões um ano antes. O número, porém, ficou acima da expectativa de Wall Street, que imaginava que a empresa iria faturar US$ 5,37 bilhões. (O Estado de São Paulo – 22.07.2020)

<topo>

13 Expansão global da Tesla acelera

A Tesla está rapidamente mudando para um fabricante global, tendo adicionado uma nova fábrica em Xangai, abrindo caminho para outra na Alemanha no início deste ano e agora expandindo a capacidade dos EUA com a fábrica no Texas. Musk disse que a demanda por modelos da Tesla excede a oferta e que o maior problema da empresa é resolver os problemas da cadeia de suprimentos. Enquanto as vendas de veículos elétricos ainda representam apenas uma fração das vendas de carros novos, a Tesla construiu uma liderança no mercado em rápido crescimento. A fábrica do Texas permitirá à Tesla expandir a produção nos EUA – ainda seu maior mercado – à medida que aumenta sua linha de produtos e busca manter sua vantagem sobre as montadoras rivais. (O Estado de São Paulo – 24.07.2020)

<topo>

14 Tesla quer tornar seus carros mais acessíveis

A Tesla conseguiu se manter lucrativa mesmo em meio a uma pandemia global, mas algo ainda incomoda a fabricante: ela não está crescendo rápido o suficiente. Os ganhos trimestrais positivos que a Tesla divulgou na quarta-feira, 22, foram o quarto consecutivo. Mas a empresa não está disposta a tirar o pé do acelerador, anunciando que construirá outra nova fábrica de montagem de veículos no Texas e continuará reduzindo o custo de seus modelos. Elon Musk, CEO da Tesla, afirma que o que mais se incomoda é que seus carros não são acessíveis o suficiente e é preciso consertar isso. Ele diz que a empresa busca ser um pouco lucrativa, maximizar o crescimento e tornar os carros o mais acessível possível. (O Estado de São Paulo – 24.07.2020)

<topo>

 

 

Meio Ambiente

1 UNISUL: Avaliação comparativa entre veículos elétricos e veículos convencionais no contexto de mitigação das mudanças climáticas

Atualmente, os veículos elétricos (VE) têm sido apontados como tendência futura da indústria automotiva por reduzir a dependência de petróleo e seus derivados, promover o uso mais eficiente de energia e causar menores impactos ambientais, em especial os correlatos à emissão de Gases de Efeito Estufa (GEE). Neste artigo, espera-se contribuir com informações acerca de características do desempenho ambiental de VE em relação aos veículos convencionais movidos à combustão interna (MCI), analisando quais suas vantagens e desvantagens, quais os impactos ambientais causados em todo o ciclo de vida e como essa tecnologia poderia contribuir para a mitigação das mudanças climáticas. Além disso, também se discute quais os impactos da expansão dos VE na demanda de energia final. Para tanto, empreendeu-se revisão da literatura sistêmica com base em pesquisas recentes e naquelas basilares focadas nos VE. Um dos resultados principais indicou que, quanto maior a participação de energias renováveis na oferta de energia elétrica, maior será a redução das emissões de GEE pelos VE, sendo que em alguns casos pode haver um aumento das emissões no balanço total do ciclo de vida desta tecnologia comparada à convencional. (Portal de Periódicos UNISUL – Março de 2019)

<topo>

2 Universidade Tsinghua: Emissões de GEE no ciclo de vida de veículos elétricos na China

As emissões de GEE de VEs já foram estimadas para cada fase de seu ciclo de vida. No entanto, as estimativas dedicadas na China não são completas o suficiente para revelar os impactos sistemáticos de tecnologias de fabricação reais, ciclo de condução e processos de reciclagem. Este estudo analisou as emissões de GEE das fases Cradle-to-Gate (CTG), Well-to-Wheel (WTW) e Gate-to-Cradle (GTC) para diferentes veículos em diferentes momentos para descobrir os principais fatores e oportunidades de redução, que são baseadas no modelo de sedã compacto A0-A bem vendido atualmente na China. Os resultados indicam que as emissões de GEE do ciclo de vida de um VE será de 34,1 t CO2eq em 2020. As emissões de GEE da fase WTW de um VE estão diminuindo rapidamente, mas a fase CTG não será aprimorada na mesma velocidade, o que pode se tornar uma barreira para aproveitar plenamente os benefícios ambientais de um VE. Existem duas grandes oportunidades de redução em todo o ciclo de vida, além do desenvolvimento da economia de combustível. Uma é a reciclagem de VE que pode reduzir as emissões de GEE da fase CTG em cerca de metade. A outra é a melhoria da rede elétrica limpa, que pode reduzir ainda mais as emissões de GEE da fase WTW. (Science Direct – Abril de 2019)

<topo>

 

 

Artigos e Estudos

1 UNIFEI: Microrrede com veículos elétricos: O impacto na vida útil das baterias conectadas à rede

A geração de energia elétrica de forma distribuída possibilita a demarcação de microrredes (microgrids). O contínuo desenvolvimento em direção a sistemas de distribuição ativa vem provendo as condições necessárias para a operação de microrredes na condição ilhada. Deste modo, é esperada da região ilhada a manutenção da operação do sistema, assumindo localmente várias tarefas de controle que eram antes assumidas pela rede principal. Entre estes controles, a garantia do balanço energético entre geração/demanda é um dos aspectos mais críticos que, devido a uma capacidade de geração limitada, pode levar a um massivo corte de carga. Nesta perspectiva, este trabalho busca avaliar o efeito da inclusão de veículos elétricos plug-in (PEVs) na melhoria do gerenciamento da microrrede. Para as simulações, foi utilizado o sistema teste IEEE de 34 barras, no qual modificações foram implementadas, de tal modo a representar o ambiente de microrrede desejado. Os resultados indicam que o uso dos PEVs como um recurso flexível pode facilitar significantemente a gestão do balanço geração/demanda, reduzindo substancialmente o corte de carga quando a microrrede opera ilhada. Entretanto, a melhora da gestão do balanço energético vem à custa de um alto grau de deterioração da capacidade de carga das baterias dos PEVs. (Repositório UNIFEI – 26.09.2019)

<topo>


Equipe de Pesquisa UFRJ
Editor: Prof. Nivalde J. de Castro (nivalde@ufrj.br)
Subeditores: Diogo Salles e Fabiano Lacombe
Pesquisadoras: Lara Moscon e Luiza Masseno
Assistente de pesquisa: Sérgio Silva

As notícias divulgadas no IFE não refletem necessariamente os pontos da UFRJ. As informações que apresentam como fonte UFRJ são de responsabilidade da equipe de pesquisa sobre o Setor Elétrico, vinculada ao NUCA do Instituto de Economia da UFRJ.

Para contato: ifes@race.nuca.ie.ufrj.br

POLÍTICA DE PRIVACIDADE E SIGILO
Respeitamos sua privacidade. Caso você não deseje mais receber nossos e-mails,  Clique aqui e envie-nos uma mensagem solicitando o descadastrado do seu e-mail de nosso mailing.


Copyright UFRJ

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: