IFE.ME 18

Informativo Eletrônico – Mobilidade Elétrica nº 18 – publicado em 20 de julho de 2020.

IFE: Informativo Eletrônico de Mobilidade Elétrica – GESEL-UFRJ <!–

l

IFE: nº 18 – 20 de julho de 2020
http://gesel.ie.ufrj.br/
gesel@gesel.ie.ufrj.br

Editor: Prof. Nivalde J. de Castro

Índice

Políticas Públicas e Regulatórias
1
PNUMA: Eletrificação do setor de transportes públicos na América Latina
2 Chile: A maior frota de ônibus elétricos da América Latina
3 Colômbia: Ônibus elétricos chineses chegam a três cidades
4 Uruguai: Primeiros passos em direção a transportes públicos mais limpos
5 Argentina: O papel dos ônibus elétricos no país ainda é limitado
6 México: Ainda não é viável comprar ônibus elétricos em maior escala
7 Europa: Subsídios diminuem custos de locação de veículos elétricos
8 Europa: Nem todos os países estão gastando mais para acelerar a adoção de veículos elétricos
9 EUA: Parceria entre estados para acelerar a eletrificação de ônibus e caminhões
10 Canadá: Investimento de US $ 770.000 em infraestrutura de recarga
11 Europa: Pressão para a instalação de estações de carregamento no estacionamento de caminhões

Inovação e Tecnologia
1 Sustainability: Uma estratégia de controle de carregamento bidirecional para veículos elétricos híbridos plug-in
2 Transport and Environment: Comparando caminhões elétricos a bateria e a célula de combustível a hidrogênio
3 Califórnia: US$ 2,9 mi para validar a aplicação de segunda vida de baterias
4 eSConnect: Software de gerenciamento de frota de ônibus elétricos
5 Hitachi ABB: Novo sistema de recarga de veículos pesados

Indústria Automobilística
1 PNUMA: Mobilidade elétrica pode aumentar empregos na América Latina e no Caribe
2 Brasil: Frotas de ônibus elétricos demoraram a crescer
3 América Latina: Mercado para ônibus elétricos está crescendo

4 Índia: Crescimento de vendas de veículos elétricos pós pandemia

5 Parsley Energy: Mobilidade vem sendo drasticamente repensada e haverá novas inovações

6 Aeronaves a bateria podem impulsionar indústria aeroespacial a desenvolver modelos mais leves

7 Tesla bate recorde e conquista 23% das vendas de carros elétricos na China

8 Hyundai e Kia venderão 1 milhão de veículos elétricos em 2025
9 Mullen Technologies: US $ 135 milhões para adquirir uma fábrica de VEs
10 Stellantis: A fusão Grupo FCA e PSA

11 Chineses têm mostrado preferência por LSVs elétricos
12 Embraer: Veículos elétricos de pouso e decolagem vertical são uma tendência irreversível
13 FNM produzirá caminhões elétricos no Brasil

Meio Ambiente
1 Transport & Environment: Infraestrutura de carregamento para caminhões elétricos pode reduzir as emissões de frete rodoviário em 22% em 10 anos
2 Caminhões e ônibus são responsáveis por quase 25% das emissões totais de gases de efeito estufa no setor de transporte
3 Dois carros elétricos adquiridos no Colorado podem reduzir 30 toneladas de CO2

Artigos e Estudos
1 Alemanha: Projetos para carregamento em terminais de ônibus
2 Portugal: Uber só aceita carros elétricos nas grandes cidades


 

 

Políticas Públicas e Regulatórias

1 PNUMA: Eletrificação do setor de transportes públicos na América Latina

Embora ainda seja um desenvolvimento recente, a eletrificação do setor de transportes públicos está ocorrendo em alta velocidade em vários países da América Latina, afirma o relatório do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA). O Chile se destaca pela maior frota de ônibus elétricos da região, com mais de 400 unidades, enquanto a Colômbia deve incorporar quase 500 ônibus elétricos em Bogotá, sua capital. Outras cidades colombianas, como Cali e Medellín, se juntaram a Guayaquil do Equador e São Paulo do Brasil na introdução de ônibus elétricos. Maior eficiência, menores custos de operação e manutenção de ônibus elétricos, bem como crescente preocupação pública em relação aos impactos das emissões relacionadas ao transporte rodoviário na saúde e no meio ambiente, são os principais fatores por trás dessa transição no transporte público, segundo o estudo. O relatório pede aos tomadores de decisão que priorizem a eletrificação do transporte público, especialmente ao atualizar as antigas frotas de ônibus que percorrem as grandes cidades da região. Há um receio de um “aprisionamento tecnológico” nos próximos 7 a 15 anos se as autoridades optarem por renovar frotas antigas com novos veículos de combustão interna que continuarão poluindo o ar. (UN Environment Programme – 02.07.2020)

<topo>

2 Chile: A maior frota de ônibus elétricos da América Latina

Com 410 ônibus atualmente em operação, Santiago possui a maior frota elétrica da América Latina e a maior de qualquer cidade fora da China. Transantiago, o sistema de transporte rápido de ônibus (BRT) da cidade, que transporta cerca de 60% da população da capital chilena, gerencia a frota. A BYD (285) e outros fabricantes chineses Yutong (100) e King Long (25) forneceram os veículos. Os primeiros 100 ônibus chegaram em dezembro de 2018, comprados diretamente pelo governo nacional como parte de sua estratégia de eletromobilidade, que pretende ter apenas ônibus elétricos até 2050. Mas isso causou problemas, segundo Franco Basso, professor da Universidade Católica de Valparaíso. Ele afirma que não houve processo de licitação, o que reduziria os custos da compra. O governo teve que compensar suas despesas mais altas e aumentar as tarifas de ônibus, o que em parte desencadeou conflitos sociais no Chile. Os 410 ônibus elétricos economizam 24.600 toneladas de emissões de CO2 por ano, segundo estimativas do governo. Eles são mais caros do que os ônibus a diesel, mas permanecem competitivos nos próximos 20 anos, uma vez que os custos operacionais são 76% mais baixos. Manutenção também é 25% mais barata. (Diálogo Chino – 29.06.2020)

<topo>

3 Colômbia: Ônibus elétricos chineses chegam a três cidades

Em setembro de 2019, Santiago de Cali adicionou um primeiro lote de 26 ônibus fabricados pelo Sunwin Bus da China ao seu sistema de transporte MIO. Medellín seguiu o exemplo em novembro com 64 ônibus da BYD para seu sistema Metroplus, uma compra 100% financiada pelo governo local. As medidas fizeram com que as cidades se tornassem as primeiras a avançar para o compromisso do Acordo de Paris da Colômbia de substituir 75% dos ônibus públicos por veículos de emissão zero em sete grandes cidades até 2040. A capital Bogotá, optou por ir com 379 ônibus que não farão parte do sistema BRT. Concedidos em um concurso público em novembro de 2019, eles pertencem a três operadores locais que trabalham com a BYD. A BYD também embarcou seus primeiros ônibus articulados de 18 metros para testes em Bogotá e na cidade de Pereira, no centro da Colômbia. Tornar-se elétrico tem um apelo adicional na Colômbia, que gera eletricidade a partir de uma rede de energia comparativamente mais limpa, já que 70% da eletricidade vem da energia hidrelétrica. (Diálogo Chino – 29.06.2020)

<topo>

4 Uruguai: Primeiros passos em direção a transportes públicos mais limpos

Em 30 de maio, o Uruguai deu seu primeiro grande passo em direção a transportes públicos mais limpos, lançando 30 ônibus elétricos na capital Montevidéu. As empresas locais compraram os ônibus, subsidiados por um esquema governamental que corresponde ao custo das variedades diesel e elétrica. Vinte dos ônibus foram comprados da BYD e outros 10 da Yutong. Cada um pode percorrer entre 250 e 280 quilômetros com uma carga. O objetivo é aumentar a frota para entre 120 e 150 ônibus em Montevidéu nos próximos anos, representando 4% da frota total da cidade. O transporte representa cerca de 70% do consumo total de petróleo do Uruguai, importado pelo país. O presidente Luis Lacalle Pou vê os ônibus elétricos como importantes não apenas para o meio ambiente, mas também para reduzir a dependência de petróleo estrangeiro. Juntamente com o subsídio, o Uruguai faz parte de um programa do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) chamado MOVES, que promove a transição para uma mobilidade eficiente e sustentável. (Diálogo Chino – 29.06.2020)

<topo>

5 Argentina: O papel dos ônibus elétricos no país ainda é limitado

Os ônibus elétricos são mais raros na Argentina, mas desenvolvimentos recentes podem abrir as portas para uma implantação mais ampla. O ministro da Produção, Matías Kulfas, está conversando com outros ministérios e fabricantes de veículos locais para avaliar a viabilidade de produzir ônibus elétricos no mercado interno, ao invés de importá-los. A capital Buenos Aires possui apenas oito ônibus elétricos, atualmente como parte de um esquema piloto em quatro linhas. Quatro fabricantes chineses: Zhongtong, Xiamen King, Higher Bus e Yutong, cada um com dois ônibus, financiaram o acordo. O governo da cidade instalou estações de carregamento. A cidade de Buenos Aires possui uma das maiores frotas de ônibus da região, com 18.000 unidades em operação todos os dias. O governo da cidade tem um plano de mobilidade limpa, que espera poder ajudar a reduzir 14% das emissões do setor de transportes até 2035. Enquanto isso, a cidade de Mendoza, no sopé dos Andes, também possui atualmente 18 ônibus BYD, todos comprados pelo governo local a um custo de US $ 400.000 cada. Mariano Jimena, chefe da Associação Argentina de Veículos Elétricos, disse que o papel dos ônibus elétricos no país ainda é limitado. Mas destacou as medidas legislativas tomadas nos últimos anos. Vai levar tempo, mas o processo já começou. (Diálogo Chino – 29.06.2020)

<topo>

6 México: Ainda não é viável comprar ônibus elétricos em maior escala

Na primeira semana de janeiro deste ano, 63 trólebus fabricados por Yutong começaram a circular na Cidade do México, ao longo da Eje Central, uma das principais ruas da cidade. Isso faz parte do projeto “Trolebici”, que inclui, dentre outros, novos trólebus, que envolveram investimentos de cerca de US $ 35 milhões. Os trólebus, que têm zero emissões, são alimentados por cabos aéreos duplos e possuem uma bateria que lhes permite operar independentemente dos fios por até 70 quilômetros. Os novos modelos consomem menos eletricidade que os anteriores. Na Cidade do México o transporte ainda gera 45% das emissões totais e a qualidade do ar diminuiu nos últimos anos. Embora a mudança para uma energia mais limpa ajudasse, sem dúvida, Rodrigo Diaz, subsecretário de planejamento de mobilidade da Cidade do México, disse que não há um modelo financeiro viável para comprar ônibus elétricos em maior escala no momento. (Diálogo Chino – 29.06.2020)

<topo>

7 Europa: Subsídios diminuem custos de locação de veículos elétricos

O apoio do Estado está permitindo que a Autohaus Koenig, uma rede de concessionárias com mais de 50 locais na Alemanha, anuncie um contrato de arrendamento para o elétrico Renault Zoe, totalmente coberto por subsídios. Nos 20 dias desde que a oferta foi publicada, cerca de 3.000 pessoas consultaram e cerca de 300 assinaram contratos. Os subsídios de até 9.000 euros por veículo elétrico do país aumentaram em dez vezes as vendas do Carfellows, um site alemão de negociação de automóveis, que aceitou uma oferta semelhante para o modelo Smart em junho, depois que a montadora não conseguiu fornecer carros com rapidez suficiente. Os motoristas particulares na Alemanha podem alugar um carro elétrico do local por apenas 39 euros por mês. Na França, onde o governo aumentou subsídios para 7.000 euros por carro este ano, os clientes podem alugar o Zoe de 79 euros por mês. (Automotive News Europe – 15.07.2020)

<topo>

8 Europa: Nem todos os países estão gastando mais para acelerar a adoção de veículos elétricos

Na França, as vendas do modelo Zoe da Renault estão prestes a dobrar este ano, mesmo com a demanda por veículos a gasolina subindo. Na Holanda, onde a cidade de Amsterdã bane carros não elétricos a partir de 2030, um fundo de 10 milhões de euros (US $ 11,4 milhões) para apoiar as compras de veículos elétricos foi usado em apenas oito dias este mês. Mas nem todos na Europa estão gastando mais para acelerar a adoção de veículos elétricos: o Reino Unido e a Bélgica cortaram recentemente a ajuda. Mesmo assim, em geral o cenário parece atraente para os compradores europeus, já que o continente abriga oito dos nove países com os maiores subsídios de compras nacionais, segundo o BNEF. Os governos terão que ponderar cuidadosamente quando deixar esses subsídios acabarem para evitar que as vendas caiam de um penhasco. Mas chegará um momento em que isso não será mais uma preocupação, disse Aleksandra O’Donovan, analista da BloombergNEF. Para ela, o preço decrescente das baterias sugere que os veículos elétricos devem ser mais baratos do que os carros a gasolina a partir de meados da década de 2020. (Automotive News Europe – 15.07.2020)


<topo>

9 EUA: Parceria entre estados para acelerar a eletrificação de ônibus e caminhões

Quinze estados dos EUA e o Distrito de Columbia anunciaram um memorando de entendimento conjunto (MOU), comprometendo-se a trabalhar em colaboração para avançar e acelerar o mercado de veículos elétricos médios e pesados. O objetivo é garantir que 100% de todas as novas vendas de veículos médios e pesados sejam veículos de emissão zero até 2050, com uma meta provisória de 30% das vendas de veículos com emissão zero até 2030. Os estados que assinam o MOU são: Califórnia, Connecticut, Colorado, Havaí, Maine, Maryland, Massachusetts, Nova Jersey, Nova York, Carolina do Norte, Oregon, Pensilvânia, Rhode Island, Vermont e Washington. O MOU chega a um ponto de transição importante para a indústria, à medida que o investimento em tecnologia de veículos com zero emissões para o setor de serviço médio e pesado continua aumentando. Ao promover e investir em caminhões e ônibus elétricos e na infraestrutura de carregamento necessária para atender a esses veículos, as jurisdições signatárias apoiarão a criação de empregos e ajudarão a construir uma economia limpa e resiliente. (Green Car Congress – 15.07.2020)

<topo>

10 Canadá: Investimento de US $ 770.000 em infraestrutura de recarga

Seamus O’Regan, ministro de Recursos Naturais do Canadá, anunciou um investimento de US $ 770.000 para ajudar a Terra Nova e a Labrador a construir 28 carregadores de veículos elétricos em toda a província. O financiamento federal, que se baseia em US $ 1.289.400 que o Governo de Terra Nova e Labrador está investindo no projeto, é fornecido através da Iniciativa de Implantação de Infraestrutura de Veículos Elétricos e Combustíveis Alternativos (EVAFIDI) e do Programa de Infraestrutura de Veículos de Emissão Zero. Esse investimento se apoia a meta do governo do Canadá de atingir 100% das vendas de veículos de passageiros com zero emissão até 2040. Para atingir esse objetivo, o governo do Canadá forneceu mais de US $ 300 milhões para apoiar o estabelecimento de uma rede nacional de costa a costa de abastecimento de combustíveis mais limpos, que incluem carregadores rápidos para veículos elétricos, que abrangem estações de carregamento em prédios residenciais, locais públicos e locais de trabalho. (Green Car Congress – 12.07.2020)

<topo>

11 Europa: Pressão para a instalação de estações de carregamento no estacionamento de caminhões

A aliança de fabricantes de caminhões, fornecedores, ONGs e o setor de energia exorta a Comissão Europeia a exigir estações de carregamento no estacionamento de caminhões, a fim de alinhá-los com os objetivos do Acordo Verde da Europa. Os grupos assinaram uma carta que declara que, para descarbonizar o setor de frete rodoviário e reduzir drasticamente a poluição do ar, os caminhões precisarão ser eletrificados, por meio de baterias ou células de combustível a hidrogênio. Portanto, a infraestrutura de carregamento e reabastecimento terá que ser desenvolvida ao longo das rodovias. Os signatários da carta exortam a Comissão a considerar duas coisas importantes: a instalação de estações de carregamento para caminhões refrigerados em todas as áreas de estacionamento novas ou atualizadas, o que pode economizar 69% de CO2, 93% de NOx e 96% das emissões de PM por hora líquida de operação; e o planejamento com antecedência a implantação futura de estações de recarga elétrica e reabastecimento para caminhões de emissão zero. Na prática, isso significa que, durante a atualização e construção de áreas de estacionamento, haveria um requisito para avaliar a capacidade de rede disponível. Ter essas informações facilitará a implantação da infraestrutura no futuro e limitará os custos (a atualização da rede elétrica em um estágio futuro pode ser muito dispendiosa). (Transport and Environment – 14.07.2020)

<topo>

 

 

Inovação e Tecnologia

1 Sustainability: Uma estratégia de controle de carregamento bidirecional para veículos elétricos híbridos plug-in

Os Veículos Elétricos Híbridos Plug-in (PHEVs) têm o potencial de fornecer regulação de frequência devido ao ajuste da carga de energia. Com base na natureza estocástica da quilometragem diária e no horário de chegada e partida de veículos elétricos (VEs), uma estratégia precisa de controle de recarga bidirecional de veículos elétricos híbridos plug-in, considerando o estado de carga (SoC) das baterias e regulação simultânea da tensão e frequência, é apresentada neste artigo. A estratégia proposta pode controlar a carga das baterias conectadas à rede e, simultaneamente, regular a tensão e a frequência da rede elétrica durante o tempo de carregamento, com base na energia disponível quando diferentes eventos ocorrem durante um período de 24 horas. Os resultados da simulação comprovam a validade da estratégia de controle proposta na coordenação das agregações de veículos elétricos híbridos plug-in e sua significativa contribuição para a redução de pico, bem como para a melhoria da qualidade de energia. O estudo de caso deste documento consiste em modelos detalhados de Recursos Distribuídos de Energia (DERs), gerador a diesel e parque eólico, uma agregação genérica de VEs com vários perfis de carga e cargas diferentes. O sistema de teste é simulado e analisado no software MATLAB / SIMULINK. (Multidisciplinary Digital Publishing Institute – 09.08.2019)

<topo>

2 Transport and Environment: Comparando caminhões elétricos a bateria e a célula de combustível a hidrogênio

Somente veículos isentos de emissões, que incluem caminhões elétricos a bateria (BEVs) e de células de combustível a hidrogênio (FCEVs), podem fornecer um caminho credível a longo prazo para a descarbonização total do setor de frete rodoviário. Este documento apresenta a metodologia e as premissas usadas para calcular o custo total de propriedade (TCO) das duas tecnologias de veículos para entrega regional e aplicações em caminhões de longo curso. Ele também discute outros critérios, como tempos de reabastecimento e recarga, bem como possíveis perdas de carga útil. (Transport and Environment – 02.07.2020)

<topo>

3 Califórnia: US$ 2,9 mi para validar a aplicação de segunda vida de baterias

A Comissão de Energia da Califórnia concedeu uma doação de aproximadamente US $ 2,9 milhões à CleanSpark, Inc., uma empresa diversificada de software e serviços, e à ReJoule, uma empresa de diagnóstico e otimização de baterias. Os fundos serão distribuídos para a parceria de vários grupos de empresas de energia limpa e tecnologia. A proposta de concessão da Comissão de Energia da Califórnia destinava-se à solicitação de validação da capacidade de baterias de segunda vida para integrar de maneira econômica e eficiente a energia solar em aplicações de pequenas e médias construções comerciais. O objetivo subjacente é implantar a segunda vida baterias de veículos elétricos para o uso em aplicações de micro-redes. À medida que os VEs atingem o fim da vida útil, as baterias geralmente retêm de 70 a 90% de sua capacidade original. Isso apresenta oportunidades para o reaproveitamento de baterias como armazenamento estacionário de baixo custo em uma aplicação de segunda vida. A extensão da vida útil das baterias torna as baterias como uma solução mais sustentável. (Green Car Congress – 10.07.2020)

<topo>

4 eSConnect: Software de gerenciamento de frota de ônibus elétricos

A Solaris Bus & Coach S.A. entregou dois ônibus elétricos Urbino 12 para a cidade de Würzburg, Alemanha. É a primeira entrega realizada para o operador NVG Omnibus-Betriebs-GmbH. A Solaris fornece a infraestrutura de carregamento – dois carregadores estacionários com uma potência máxima de 150 kW e um carregador móvel de 50 kW. A transportadora alemã também optou por encomendar o sistema de diagnóstico remoto eSConnect. Projetado por uma equipe interdisciplinar de especialistas em Solaris, o software permite o gerenciamento eficiente e o uso ideal de uma frota de ônibus elétricos. O sistema eSConnect fornece dados de rastreamento sobre a localização da frota de ônibus em determinados horários, incluindo o status atualizado da bateria. Além disso, permite a detecção remota de possíveis erros relatados pelo veículo no painel do motorista, o que possibilita responder rapidamente a possíveis defeitos. Até o momento, a Solaris entregou ou garantiu pedidos para quase 1000 ônibus elétricos em 80 cidades em 18 países. Somente na Alemanha, a Solaris forneceu ou contratou mais de 200 ônibus elétricos. (Green Car Congress – 11.07.2020)

<topo>

5 Hitachi ABB: Novo sistema de recarga de veículos pesados

A Hitachi ABB Power Grids lançou globalmente hoje (15/7) um sistema de recarga de veículos elétricos pesados – ônibus e caminhões – em corrente contínua, o que permite maior eficiência na operação de carregamento em comparação com os sistemas convencionais, em corrente alternada. Batizado de Grid-eMotion Fleet, o sistema se diferencia da tecnologia de recarga convencional, que demanda uma estação para cada veículo. Centralizado em apenas um contêiner para toda uma frota, que recebe a energia da rede e se conecta aos veículos via cabos de corrente contínua e plugs, o novo sistema, segundo a empresa, reduz o espaço necessário para carregamento em larga escala em 60% e o cabeamento na garagem em 40%. (Brasil Energia – 15.07.2020)

<topo>

 

 

Indústria Automobilística

1 PNUMA: Mobilidade elétrica pode aumentar empregos na América Latina e no Caribe

Um relatório do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) analisa os últimos desenvolvimentos em 20 países da região e destaca a crescente liderança de cidades, empresas e associações civis na promoção de novas tecnologias de mobilidade elétrica. Chile, Colômbia, Costa Rica e Panamá criaram estratégias nacionais de mobilidade elétrica, enquanto Argentina, República Dominicana, México e Paraguai estão finalizando seus próprios planos, de acordo com o relatório. É mostrado que mais de 6.000 novos veículos elétricos leves foram registrados na América Latina e no Caribe, entre janeiro de 2016 e setembro de 2019. A necessidade de infraestrutura de recarga impulsionou novos empreendimentos e serviços. Por exemplo, corredores elétricos, já em execução no Brasil, Chile, México e Uruguai, permitem que os usuários ampliem a autonomia de seus VEs. O desenvolvimento da infraestrutura de carregamento tem o potencial de promover novos investimentos e empregos, essenciais para os esforços de recuperação da crise do COVID-19 na região. O relatório apela aos governos para que desenvolvam um roteiro claro de médio e longo prazo que forneça segurança jurídica ao investimento privado e destaque o papel da mobilidade sustentável nos planos de expansão da rede elétrica. (UN Environment Programme – 02.07.2020)

<topo>

2 Brasil: Frotas de ônibus elétricos demoraram a crescer

Mais de 390.000 ônibus circulam pelo Brasil, mas apenas 247 são elétricos. Apenas oito cidades no Brasil possuem ônibus elétricos, com apenas um punhado em cada um. Mesmo as cidades mais entusiasmadas com a eletrificação, como São Paulo, onde uma lei recente estabeleceu uma meta de zero poluentes no transporte em 20 anos, demoraram a crescer frotas. Há décadas, São Paulo possui 200 trólebus elétricos como parte de sua frota, mas a prometida substituição de ônibus a diesel por elétricos tem sido lenta. Só comprou 15 até agora. Adalberto Maluf, da BYD, admite que o país demorou a crescer sua frota de ônibus verde. Mas argumenta que o Brasil levou quase dez anos para vender 11.000 carros elétricos híbridos, de 2009 a 2018, e agora, somente em 2019, vendeu 12.000 unidades. Isso mostra que o mercado está pronto. No entanto, a pandemia de Covid-19 desacelerou o boom e as esperanças de que o Brasil vendesse 27.000 carros híbridos este ano desapareceram. Ainda assim, Maluf diz que o futuro é brilhante e diz que a BYD planeja vender centenas de ônibus para São Paulo, Campinas e até Salvador, que ainda não possui ônibus elétricos. (Diálogo Chino – 29.06.2020)

<topo>

3 América Latina: Mercado para ônibus elétricos está crescendo

Os países da América Latina estão adotando um transporte público mais limpo nas cidades mais populosas. No processo, eles superaram as barreiras de entrada existentes à disseminação generalizada da tecnologia – impulsionada globalmente pela China – incluindo escassez de modelos de financiamento nacionais, pontos de recarga e pessoal treinado. Os fabricantes de ônibus elétricos chineses destacam-se como os maiores fornecedores da região. Adalberto Maluf, presidente da Associação Brasileira de Veículos Elétricos e diretor de marketing da fabricante chinesa BYD, afirma que a BYD vendeu 1045 ônibus no ano passado na América Latina. Isso mostra que o mercado está crescendo. Não é do tamanho do mercado europeu ou dos EUA, mas já está muito próximo. No total, a América Latina possui 1229 ônibus elétricos em operação em 10 países, incluindo 563 ônibus comuns, 624 trólebus e 41 ônibus urbanos médios, de acordo com o novo projeto E-Bus Radar liderado pelo Laboratório de Mobilidade Sustentável da Universidade Federal do Rio de janeiro. (Diálogo Chino – 29.06.2020)

<topo>

4 Índia: Crescimento de vendas de veículos elétricos pós pandemia

O ministro da União, Nitin Gadkari, disse que a Índia se tornará o centro de fabricação de veículos elétricos nos próximos cinco anos. Apenas 25% dos indianos possuem um veículo próprio. Desse, 76% dos veículos são de 2 rodas. Esses dados sugerem que, apesar de ser um mercado pouco penetrado, a Índia adiciona um número recorde de veículos anualmente. Todos os dias, são feitas cerca 8,3 milhões de viagens por dia em ônibus superlotados, trens locais e metrôs. Nesse cenário, após o bloqueio será um grande desafio manter o distanciamento físico no transporte público superlotado e a maioria dos viajantes de baixa renda pode preferir a mobilidade pessoal. A opção seria veículos de duas rodas eletrificados devido ao custo mais baixo, em relação a um veículo comum, e de operação, em relação aos veículos ICE. Assim, à medida que as vendas de veículos de duas rodas aumentam, as vendas de veículos elétricos também crescerão em conjunto ou até mais rapidamente do que veículos a combustão. De acordo com um estudo realizado por Frost e Sullivan – riquixás, automóveis e veículos de duas rodas são os segmentos mais promissores para eletrificação na Índia e devem representar mais de 4 milhões de vendas até 2025. (Financial Express – 07.07.2020)

<topo>

5 Parsley Energy: Mobilidade vem sendo drasticamente repensada e haverá novas inovações

A produção de petróleo nos Estados Unidos já deixou seu pico para trás, alertou um dos principais executivos do país no setor de xisto, depois do forte impacto da queda dos preços nos produtores. O executivo-chefe da Parsley Energy, Matt Gallagher, uma das maiores produtoras independentes de petróleo do Texas, disse que o recorde de produção alcançado neste ano não deverá voltar a ser superado. Por um breve período em abril, o petróleo chegou a ser negociado abaixo de zero nos Estados Unidos. Foi a pior queda dos preços do petróleo na história recente, segundo Gallagher, e o impacto no setor será duradouro. Para ele, sua indústria é a indústria da mobilidade e do conforto, referindo-se aos combustíveis para viagens de carro e aviões e para calefação e ar-condicionado, e a mobilidade vem sendo drasticamente repensada e haverá novas inovações quanto ao conforto. O chefe da Parsley Energy ganhou a reputação de ser uma voz progressista na indústria petrolífera do Texas. O executivo recentemente comprou um carro elétrico da Ford. Em sua entrevista ao Financial Times, ele falou sobre sua admiração pelas grandes europeias que recentemente anunciaram metas de neutralidade nas emissões de carbono. (Valor Econômico – 14.07.2020)

<topo>

6 Aeronaves a bateria podem impulsionar indústria aeroespacial a desenvolver modelos mais leves

O maior avião elétrico, o Cessna Caravan 208b adaptado completou seu voo inaugural de 30 minutos no final de maio, no estado de Washington (EUA). Desenvolvida pela magniX, a aeronave tem uma bateria com carga para um voo de até 160 quilômetros, podendo levar até nove passageiros. Sua velocidade máxima é de 180km/h. De acordo com o CEO da magniX, Roei Ganzarski, o grande avanço para a propulsão elétrica na aviação ocorre no momento em que as tendências de aeronaves menores, redução de custos e voos mais amigáveis ao meio ambiente estão coincidindo. A empresa destaca que o combustível para uma aeronave com motor a combustão custaria cerca de 350 euros. Já a eletricidade que o eCaravan consumo custa em torno de 6 euros. Embora ainda não seja capaz de realizar voos de longas distâncias, a companhia acredita na capacidade da aeronave realizar viagens locais por meio de voos de baixo custo livre de emissões. O executivo espera que o eCaravan possa voar comercialmente a partir de 2021. Ao demonstrar a viabilidade comercial do avião elétrico, a magniX espera inspirar fabricantes de bateras a projetar produtos para aviação. Em entrevista para BBC, Ganzarski declarou que acredita que baterias de aeronaves irá impulsionar a indústria aeroespacial a desenvolver modelos mais leves. (Portal Solar – 18.06.2020)

<topo>

7 Tesla bate recorde e conquista 23% das vendas de carros elétricos na China

A China, o maior mercado automotivo global e até pouco tempo atrás o mais promissor para carros elétricos foi duramente afetado pelo impacto do coronavírus e suas consequências econômicas. Nesse cenário, a Tesla se sobressaiu e conseguiu abocanhar uma participação recorde nas vendas de veículos elétricos no país. Essa ofensiva da montadora provavelmente irá provocar o desaparecimento de muitas empresas e startups chinesas de veículos elétricos: a primeira vítima foi a Byton. Um cenário que muitos especialistas afirmam se tratar de uma ‘bolha’, por não haver espaço no mercado e demanda para comportar tantas marcas juntas. Para citar um exemplo, das cerca de 100 startups chinesas que desenvolvem carros elétricos, um seleto grupo de apenas 11 conseguiu levantar fundos no ano passado. (Inside EVs – 10.07.2020)

<topo>

8 Hyundai e Kia venderão 1 milhão de veículos elétricos em 2025

O chefe do Hyundai Motor Group, Euisun Chung, disse na terça-feira que a Hyundai e a marca irmã Kia pretendem vender um milhão de veículos elétricos combinados em 2025, visando uma participação no mercado global de veículos elétricos de mais de 10%. Chung também disse que a Hyundai planeja lançar um veículo elétrico de próxima geração com um alcance de condução de 450 km (280 milhas) por carga e um tempo de carga de 20 minutos ou menos. (Automotive News Europe – 14.07.2020)

<topo>

9 Mullen Technologies: US $ 135 milhões para adquirir uma fábrica de VEs

A Mullen Technologies Inc., fabricante de veículos elétricos licenciada com sede no sul da Califórnia, executou uma LOI com a Axiom Financial por US $ 135 milhões em financiamento para adquirir e construir uma fábrica de veículos elétricos. Mullen espera começar a produção até 2022 e entrar no mercado de veículos utilitários esportivos (SUV) elétrico com o lançamento do MX-05, um SUV de luxo de médio porte a bateria. A Mullen propõe entrar no mercado de VE com plataforma inicial rápida para o mercado, altamente eficiente, pronta e comprovada, alavancando um veículo existente e projetada para as necessidades do mercado global (desenvolvimento reduzido de 4 anos para 24 meses) e complementado com um portfólio de veículos com preços competitivos no segmento de SUV elétrico em rápido crescimento. (Green Car Congress – 15.07.2020)

<topo>

10 Stellantis: A fusão Grupo FCA e PSA

A corporação que nasce com a fusão entre a FCA e a PSA, que ainda não está concretizada, foi batizada de Stellantis. A empresa reforça que, ao mesmo tempo que unem forças, a fusão irá preservar os valores de suas partes constituintes. Isso significa que a identidade das marcas deverá ser preservada. A conclusão da fusão deverá ocorrer no primeiro trimestre de 2021, e ainda está sujeita a várias condições, como aprovação pelos acionistas de ambas as empresas, além de análises antitruste e outros requisitos regulatórios. Uma vantagem do uso das plataformas grupo PSA é que elas foram pensadas desde o início para a eletrificação (100% elétrico ou híbridos) de versões. E esse é hoje o calcanhar de aquiles do Grupo FCA, já que suas plataformas são antigas e precisam de várias adaptações para conseguir receber tecnologia híbrida. E a marca não tem desenvolvimento sólido de carros elétricos. (O Estado de São Paulo – 15.07.2020)

<topo>

11 Chineses têm mostrado preferência por LSVs elétricos

Do ponto de vista de mobilidade, assim como no Brasil, a venda de carros desabou na China durante a pandemia: 89% de queda. Mas, com a retomada das atividades, muitas pessoas voltaram a comprar carros. O motivo é não querer usar o transporte público, um foco de contágio. Além das onipresentes bicicletas, quando o carro se faz necessário, os chineses estão preferindo os veículos LSV, ou Low Speed Vehicles. São carros parecidos aos de campos de golfe, totalmente elétricos, conectados e que se movem a, no máximo, 40 km/h. A sua autonomia varia entre 40 km e 90 km e seu tempo de carregamento é de apenas três horas. (O Estado de São Paulo – 13.07.2020)

<topo>

12 Embraer: Veículos elétricos de pouso e decolagem vertical são uma tendência irreversível

Os veículos elétricos de pouso e decolagem vertical deverão se popularizar no mundo, chegando aos grandes centros, entre 2025 e 2030, informou o vice-presidente de Inteligência de Mercado da Embraer, Rodrigo Souza. Ele considera a tendência irreversível, diante da demanda por meio de transportes com baixa emissão de poluentes e ruídos e das mudanças nos sistemas de mobilidade urbana aceleradas com os efeitos da atual pandemia. Sousa destacou que toda a parte de regulamentação do serviço precisará ser criada pelo governo. Em parceria com a Uber, a Embraer trabalha no desenvolvimento de um veículo dessa nova categoria, o eVTOL. (Valor Econômico – 13.07.2020)

<topo>

13 FNM produzirá caminhões elétricos no Brasil

Mais de quatro décadas após sua extinção no mercado brasileiro, a marca FNM, conhecida como Fenemê, vai batizar o nome de uma linha de caminhões elétricos que começará a ser produzida em novembro em Caxias do Sul (RS). Inicialmente a produção dos caminhões será feita nas instalações da Agrale, que também fabrica caminhões e ônibus. Boa parte dos componentes, como bateria, motor e sistema digital será importada dos Estados Unidos. A Agrale produzirá os veículos e a montagem final será feita pela Fábrica Nacional de Mobilidades. Segundo os responsáveis pelo projeto desenvolvido nos últimos quatro anos, o foco serão caminhões para transporte em centros urbanos, os chamados VUCs, com capacidade de carga de 13 e de 17 toneladas. O motor elétrico terá até 130 quilômetros de autonomia. Futuramente também serão produzidos ônibus elétricos. (O Estado de São Paulo – 16.07.2020)

<topo>

 

 

Meio Ambiente

1 Transport & Environment: Infraestrutura de carregamento para caminhões elétricos pode reduzir as emissões de frete rodoviário em 22% em 10 anos

A UE pode reduzir a poluição de carbono em caminhões em mais de um quinto (22%) em uma década, exigindo que suas principais cidades tenham infraestrutura de carregamento de caminhões elétricos, de acordo com um novo estudo divulgado pela ONG ambiental europeia Transport & Environment (T&E). A análise sobre dados de fluxos de caminhões identifica 173 cidades e áreas urbanas onde os carregadores são necessários em 2030 para colocar o frete rodoviário da Europa em um caminho para zero emissões. Metade da atividade total de caminhões da UE é conduzida por distâncias inferiores a 300 km. Hoje, essas viagens podem ser cobertas por caminhões elétricos, graças aos novos modelos que estão chegando ao mercado com alcance de cerca de 300 km. Mas a oferta limitada e a falta de estratégia de carregamento atualmente diminuem a aceitação. Espera-se que o alcance dos caminhões elétricos disponíveis aumente rapidamente para 500 km, cobrindo cerca de dois terços dos quilômetros e 19 viagens em 20. A análise conclui que visar as maiores áreas urbanas da UE é a melhor estratégia de frete com zero emissões para os próximos anos. Os 40.000 carregadores em centros de distribuição e locais públicos exigiriam um investimento de 28 bilhões de euros em 10 anos, ou 2,8 bilhões de euros por ano, em média, segundo a análise. Atualmente, são gastos anualmente 100 bilhões de euros em infraestrutura rodoviária na UE. (Green Car Congress – 09.07.2020)

<topo>

2 Caminhões e ônibus são responsáveis por quase 25% das emissões totais de gases de efeito estufa no setor de transporte

Enquanto caminhões e ônibus representam apenas 4% dos veículos nas estradas, eles são responsáveis por quase 25% das emissões totais de gases de efeito estufa no setor de transporte. As emissões de caminhões são a fonte de emissões que mais cresce, e o número de milhas de caminhão percorridas nas estradas do país deverá continuar a crescer significativamente. Hoje, pelo menos 70 modelos de caminhões e ônibus elétricos estão no mercado, e os fabricantes devem disponibilizar muitos mais novos modelos comercialmente na próxima década. A eletrificação de caminhões e ônibus também promete oferecer amplos benefícios à saúde, principalmente em comunidades com tráfego intenso de caminhões, sobrecarregadas com níveis mais altos de poluição do ar. Caminhões médios e pesados são uma das principais fontes de poluição do ar. As emissões impactam desproporcionalmente as comunidades de baixa renda, muitas vezes localizadas perto dos principais corredores de caminhões, portos e centros de distribuição. (Green Car Congress – 15.07.2020)

<topo>

3 Dois carros elétricos adquiridos no Colorado podem reduzir 30 toneladas de CO2

A Motiv Power Systems, uma empresa de tecnologia sustentável que fornece chassi totalmente elétrico com uma plataforma de software para a eletrificação de caminhões e ônibus médios, anunciou a implantação de seu primeiro carro elétrico na cidade de Estes Park, no Colorado, com mais um a caminho. A cidade opera um serviço de transporte gratuito durante a alta temporada de turismo de verão e para vários eventos anuais especiais. Com capacidade para 24 passageiros e projetados para manter carga de bateria suficiente para oito horas de serviço, os troles eletrificados pela Motiv são ideais para pessoas que movem serviços com rotas previsíveis. A prefeita da cidade, Wendy Koenig, observou que os dois carros economizariam 3.456 galões de combustível em uma temporada. Dado o uso anual de 10 mil milhas, passando de gasolina para elétrica, eles estimam uma redução de 30 toneladas de CO2. (Green Car Congress – 14.07.2020)

<topo>

 

 

Artigos e Estudos

1 Alemanha: Projetos para carregamento em terminais de ônibus

Na Alemanha a Siemens lançou dois projetos, um em Leipzig e outro em Nuremberg, baseados na instalação de torres especiais de recarga de alta potência e tetos com painéis solares nos terminais de ônibus. Nos dois projetos, a Siemens analisou um sistema de conexão à rede elétrica que permitiria contornar uma série de questões críticas. Entre eles, o fornecimento de uma quantidade correta de energia para recarregar os veículos e a definição de métodos eficientes para o gerenciamento de fluxos e picos de energia na demanda. Por esse motivo, decidiu-se conectar o depósito à rede elétrica por meio de uma série de sistemas elétricos de média tensão e distribuir a corrente para as torres individuais de baixa tensão, concentrando-se no uso de transformadores dentro das colunas para aumentar a potência de entrega. Em Leipzig, a Siemens cuidará da construção de uma infraestrutura capaz de recarregar 21 ônibus elétricos produzidos pela VDL. Isso será feito através de 21 torres UC 100 de 100 kW e 5 torres UC 600 de 450 kW. Os veículos serão recarregados durante a parada noturna ou durante as paradas. A solução de carregamento é interessante: os ônibus elétricos serão equipados com um pantógrafo e recarregarão as baterias levantando-as para entrar em contato com os cabos elétricos. Em Nuremberg, a empresa instalará 20 estações de carregamento UC 200 com potência de 150 kW no depósito da VAG. Cada coluna poderá recarregar 2 ônibus por vez, para um total de 39 assentos. Para fazer isso, ele usará apenas energia de fontes renováveis, incluindo a fornecida pelos painéis solares instalados no telhado. (Inisde EVs – 27.06.2020)

<topo>

2 Portugal: Uber só aceita carros elétricos nas grandes cidades

No dia 16 de julho, a Uber começou a aceitar apenas carros elétricos para se juntarem à plataforma de TVDE (transporte individual e remunerado de passageiros em veículos descaracterizados) e que venham a circular dentro das áreas metropolitanas de Lisboa e Porto, e nos distritos de Braga e Faro. Os parceiros vão poder continuar a adicionar veículos não elétricos no caso de substituição de um veículo já registado na plataforma ou para os serviços Uber Black ou UberXL. Em setembro a Uber iniciou uma parceria com a PowerDot, passando os motoristas a ter acesso exclusivo aos hubs de carregamento elétrico a preços mais competitivos. Este mês, a PowerDot irá expandir a sua rede de hubs com dois novos lançamentos em parceria com a Uber. No final, serão seis os hubs de energia em todo o país, com 14 pontos de carregamento que permitem mais de 1000 carregamentos diários. Desde 2016, a Uber disponibiliza a opção de viagem on-demand 100% elétrica, Uber Green. Em Portugal, a Uber estima que os veículos eléctricos disponíveis na aplicação já poupam 2080 toneladas de emissões CO2 anualmente. A associação Zero quer todos os TVDE 100% eléctricos até 2025. (Dinheiro Vivo – 02.07.2020)

<topo>


Equipe de Pesquisa UFRJ
Editor: Prof. Nivalde J. de Castro (nivalde@ufrj.br)
Subeditores: Diogo Salles e Fabiano Lacombe
Pesquisadoras: Lara Moscon e Luiza Masseno
Assistente de pesquisa: Sérgio Silva

As notícias divulgadas no IFE não refletem necessariamente os pontos da UFRJ. As informações que apresentam como fonte UFRJ são de responsabilidade da equipe de pesquisa sobre o Setor Elétrico, vinculada ao NUCA do Instituto de Economia da UFRJ.

Para contato: ifes@race.nuca.ie.ufrj.br

POLÍTICA DE PRIVACIDADE E SIGILO
Respeitamos sua privacidade. Caso você não deseje mais receber nossos e-mails,  Clique aqui e envie-nos uma mensagem solicitando o descadastrado do seu e-mail de nosso mailing.


Copyright UFRJ

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: