IFE.ME 09

Informativo Eletrônico – Mobilidade Elétrica nº 09 – publicado em 18 de maio de 2020.

IFE: Informativo Eletrônico do Setor Elétrico – GESEL-UFRJ <!–

l

IFE: nº 09 – 18 de maio de 2020
http://gesel.ie.ufrj.br/
gesel@gesel.ie.ufrj.br
lEditor: Prof. Nivalde J. de Castro

Índice

Políticas Públicas e Regulatórias
1
Escola de Negócios NTPC: Aumento da infraestrutura de carregamento para o crescimento de veículos elétricos na Índia
2 Universidade de Trieste: O caso econômico dos veículos elétricos nas frotas do setor público: um estudo de caso italiano
3 Journal of Environmental Economics and Management: Incentivos a VEs podem ser rentáveis quando combinados com uma rede elétrica de baixo carbono
4 Conselho da Cidade de Chicago: anúncio de exigências para que edifícios estejam prontos para VEs
5 Nova Lei em Nova Jersey estabelece descontos para compradores de VEs
6 TEP Smart EV Charging: Descontos para carregadores no Arizona
7 Pequim impulsiona VEs através de subsídios e cortes de impostos

Inovação e Tecnologia
1 Universidade de Ciências Aplicadas de Amsterdã: Impacto do carregamento inteligente para consumidores
2 EPE disponibiliza nova versão de ferramenta para avaliação de viabilidade de ônibus elétrico
3 Car Magazine: Baterias de estado sólido
4 Car Magazine: Baterias de estado sólido são foco de pesquisa de algumas montadoras
5 Novo conceito de carregamento de VEs, peer-to-peer

Indústria Automobilística
1 Universidade de Ciências Aplicadas de Roterdã: O setor automotivo será o futuro da mobilidade?
2 ACEA: vendas de veículos com carga elétrica cresce 100,7% na Europa
3 Connecticut quer pelo menos 10 vezes mais VEs nas estradas até 2025

4 Denver e o Plano de Ação para VEs

5 Forbes: Eletrificação de veículos é processo intermediário na transição aos autônomos

6 The Diplomat: China atrai fabricantes de VEs pelo potencial do mercado

7 BMW enxerga vantagem em trazer VEs para o Brasil

Meio Ambiente
1 Universidade de Nottingham Trent: VEs podem reduzir emissões de CO2 em quase 12% no Reino Unido
2 Nature Sustainability: Uma análise holística das intensidades de energia de viagens de passageiros e gases de efeito estufa

Outros Artigos e Estudos
1 MITEI: Atingir as metas de Paris exigirá inovação em VE
2 Promob-e: Como abastecer um carro elétrico? Instalação de equipamentos de recarga em casa


 

 

Políticas Públicas e Regulatórias

1 Escola de Negócios NTPC: Aumento da infraestrutura de carregamento para o crescimento de veículos elétricos na Índia

A Índia, uma das economias que mais crescem, foi pioneira no cumprimento de seus compromissos em prol de uma Terra mais limpa.?Nesta busca, pretende adotar veículos elétricos (VEs) na ordem de 30% até 2030. Os governos central e estadual da Índia lançaram vários incentivos financeiros para incentivar a adoção de VEs.?Embora se considere várias taxas de adoção de VEs, de 5% a 30%, são estimados os requisitos de quantidades adicionais de eletricidade e vários tipos de estações de carregamento para alimentar a energia dos VEs.?Com uma taxa de adoção de 30%, cerca de 140 milhões de VEs podem se tornar parte do sistema de transporte e, correspondentemente, precisam de cerca de 24.600 MWh de eletricidade diariamente.? (Inder Science – 20.12.2020)

<topo>

2 Universidade de Trieste: O caso econômico dos veículos elétricos nas frotas do setor público: um estudo de caso italiano

O artigo investiga se faz sentido econômico o uso de veículos elétricos (VEs) na frota do setor público.?Graças aos dados coletados em 2018 em 77 entidades do setor público em uma região italiana, Friuli Venezia Giulia, comparamos o custo total de propriedade de um veículo elétrico a bateria com o de um motor de combustão interna semelhante.?Fornecemos estimativas para quatro cenários (status quo, internalização de custos sociais, descontos de preços e uma combinação dos dois últimos) para três grupos de entidades públicas (autoridades locais de saúde, municípios e autoridades de propósito específico) em relação a carros de passeio e comerciais.?Concluímos que, com a atual estrutura de preços e custos, faz sentido econômico adotar VEs para uma porcentagem positiva, embora relativamente pequena, da frota do setor público.?(World Electric Vehicle Journal – 10.03.2020)

<topo>

3 Journal of Environmental Economics and Management: Incentivos a VEs podem ser rentáveis quando combinados com uma rede elétrica de baixo carbono

Enquanto os programas de incentivo financeiro para veículos elétricos a bateria (BEV) impulsionam a adoção desses carros, as redes regionais de eletricidade desempenham um papel importante ao determinar se esses programas são eficazes em termos de custo quando se trata de reduzir as emissões de carbono, de acordo com Bentley Clinton, associado de pós-doutorado no MIT Iniciativa de Energia e Centro de Pesquisa de Política de Energia e Política do MIT, e Daniel Steinberg, pesquisador sênior do Laboratório Nacional de Energia Renovável. As descobertas de Clinton e Steinberg aparecem na edição de novembro de 2019 do Journal of Environmental Economics and Management. (MIT Energy Initiative – 09.01.2020)

<topo>

4 Conselho da Cidade de Chicago: anúncio de exigências para que edifícios estejam prontos para VEs

O Conselho da Cidade de Chicago aprovou uma lei para garantir que mais empreendimentos residenciais e comerciais sejam equipados para apoiar veículos elétricos. Pelo menos 20% das vagas de estacionamento devem estar prontas para carregadores de VE em novos edifícios residenciais com cinco ou mais unidades de habitação e edifícios comerciais com 30 ou mais vagas de estacionamento. Um desses espaços precisa estar acessível para pessoas com deficiência. Chicago quer tornar sua frota de ônibus da Autoridade de Trânsito totalmente elétrica até 2040. (Electrek – 05.05.2020)

<topo>

5 Nova Lei em Nova Jersey estabelece descontos para compradores de VEs

Em janeiro, quando o governador de Nova Jersey Phil Murphy assinou a lei do Senado no 2252, iniciou-se a concessão de desconto de até US $ 5.000 para VEs pelos próximos 10 anos. O projeto de lei do Senado estabelece a meta de 330.000 VEs nas estradas estaduais até 2025, aumentando para 2.000.000 em 2035. Além disso, o projeto exige 400 carregadores rápidos de corrente contínua DC e 1.000 carregadores de nível 2 e concede ao Conselho de Serviços Públicos a autoridade para estabelecer um programa de incentivo para a compra e instalação de equipamentos de carregamento de VEs em casa, concedendo até US $ 500 por pessoa. (Electrek – 05.05.2020)

<topo>

6 TEP Smart EV Charging: Descontos para carregadores no Arizona

No Arizona, a Tucson Electric Power Co. agora cobre até 85% do custo da instalação de estações de carregamento de VEs para clientes corporativos e organizações sem fins lucrativos locais. O programa TEP Smart EV Charging oferece descontos de US $ 4.500 por carregador para carregadores de nível 2 instalados nos locais de trabalho e US $ 6.000 por porta para carregadores de Nível 2 instalados por complexos de apartamentos e condomínios ou por organizações sem fins lucrativos. As empresas que instalam carregadores rápidos DC são elegíveis para descontos de até US $ 24.000 por porta de carregamento, até 75% do custo do projeto. (Electrek – 05.05.2020)

<topo>

7 Pequim impulsiona VEs através de subsídios e cortes de impostos

Pequim priorizou o desenvolvimento da indústria NEV, investindo quase US $ 60 bilhões na indústria entre 2009 e 2017. Para esse fim, os governos central e local forneceram subsídios e cortes de impostos significativos para fabricantes e compradores de NEV, além de financiar pesquisa e desenvolvimento, compras estaduais de veículos e infraestrutura de carregamento. Até o momento, as políticas chinesas de NEV têm tido mais sucesso no aumento da oferta do que na geração de demanda. Ainda assim, é improvável que Pequim deixe a indústria iniciante se debater, especialmente devido à sua busca por proezas tecnológicas e reconhecimento internacional. (The Diplomat – 08.05.2020)

<topo>

 

 

Inovação e Tecnologia

1 Universidade de Ciências Aplicadas de Amsterdã: Impacto do carregamento inteligente para consumidores

Um perfil de carregamento inteligente foi implementado em 39 estações públicas de carregamento em Amsterdã, nas quais o nível atual disponível para carregamento de veículos elétricos (VE) era limitado durante o horário de pico na rede elétrica. O impacto desse perfil foi medido em três indicadores: carga média, quantidade de energia transferida e participação das sessões afetadas positiva e negativamente. Os resultados são diferenciados para diferentes categorias de veículos elétricos com diferentes características de carga (número de fases e corrente máxima). (World Electric Vehicle Journal – 06.03.2020)

<topo>

2 EPE disponibiliza nova versão de ferramenta para avaliação de viabilidade de ônibus elétrico

A Empresa de Pesquisa Energética (EPE) disponibiliza a nova versão da ferramenta para avaliação técnico-econômica de ônibus elétricos urbanos municipais lançada em 2019. Esta versão foi desenvolvida utilizando a linguagem de programação R e o pacote Shiny para construção de aplicações interativas para internet. Novas funcionalidades foram implementadas em relação à versão anterior, onde destacam-se a possiblidade de uso em Português, Inglês ou Espanhol e a possibilidade de realizar o download dos parâmetros da sua simulação em arquivos de planilha Excel (.xlsx). Além disso, não é mais necessário realizar download de arquivo nem possuir o Excel instalado. Acesse a nova versão da ferramenta?aqui. (EPE – 11.05.2020)

<topo>

3 Car Magazine: Baterias de estado sólido

Nos últimos anos, as montadoras começaram a mencionar as baterias de estado sólido, geralmente citando desempenho e alcance insanos ao mesmo tempo. Graças ao eletrólito sólido de menor tamanho, as baterias de estado sólido prometem cerca de duas a dez vezes a densidade de energia das baterias de íon de lítio do mesmo tamanho. Mas o desafio dessas baterias é que elas são muito difíceis de fabricar em escala. (Car Magazine – 10.05.2020)

<topo>

4 Car Magazine: Baterias de estado sólido são foco de pesquisa de algumas montadoras

O fascínio pelas baterias de estado sólido é claramente forte. Existem instituições acadêmicas, fabricantes de baterias e especialistas em materiais analisando como as baterias de estado sólido podem ser desenvolvidas como fontes de energia de última geração para uso em massa. A Toyota, Honda e Nissan se uniram para criar o consórcio Libtec para desenvolver esse tipo de bateria, a IBM e a Daimler estão trabalhando juntas para entender melhor a tecnologia da bateria. Por outro lado, a Toyota não espera gerenciar a produção em massa de baterias de estado sólido até meados da década. E outras montadoras como a Volkswagen não esperam ter baterias de estado sólido prontas para uso em carros até pelo menos 2025. (Car Magazine – 10.05.2020)

<topo>

5 Novo conceito de carregamento de VEs, peer-to-peer

Um novo conceito de carregamento peer-to-peer está a ser desenvolvido para os carros elétricos autônomos, que terão a possibilidade de se ligar uns aos outros e partilhar a carga. Quando um carro elétrico apresentar um excedente de energia, é disparado um alerta que indica a sua disponibilidade para partilhar. A partir daí um outro carro que precise de carregamento pode posicionar-se atrás deste e, através dos algoritmos dos carros autônomos, os dois conectam-se e a carga é transferida. Além deste sistema, os cientistas estão também a estudar a ideia de colocar nas estradas super estações de carregamento móveis que podem carregar os carros elétricos em andamento através do mesmo sistema descrito anteriormente. (Automonitor – 11.05.2020)

<topo>

 

 

Indústria Automobilística

1 Universidade de Ciências Aplicadas de Roterdã: O setor automotivo será o futuro da mobilidade?

O automóvel será o futuro da mobilidade ou a era dos automóveis chegará ao fim no século XXI? Hoje, a auto mobilidade ainda está crescendo, mas, no futuro, isso dependerá de sua capacidade de se adaptar às necessidades da sociedade moderna. Tecnologias disruptivas como eletrificação, automação e conectividade podem tornar o automóvel mais sustentável. Esse objetivo pode levar a uma nova economia com uso mais eficiente do tempo e dinheiro necessários para a mobilidade. Nesta futura estrutura de mobilidade, este artigo descreve a pesquisa orientada para a prática da Universidade de Ciências Aplicadas de Roterdã com seus parceiros regionais para atingir esses objetivos.?(World Electric Vehicle Journal – 10.01.2020)

<topo>

2 ACEA: vendas de veículos com carga elétrica cresce 100,7% na Europa

De acordo com a Associação Europeia de Fabricantes de Automóveis (ACEA), de janeiro a março de 2020, os veículos com carga elétrica (ECV) se beneficiaram substancialmente da queda na demanda de diesel e gasolina. As vendas de ECV mais que dobraram (+ 100,7%) nos três primeiros meses do ano, totalizando 167.132 carros registrados em toda a UE. Tanto o segmento de bateria elétrica (BEV) quanto o plug-in híbrido (PHEV) proporcionaram um forte impulso para esse crescimento (+68,4 e + 161,7%, respectivamente). Os veículos elétricos híbridos (HEV) continuaram sendo os mais vendidos no segmento de veículos com motor alternativo, representando 9,4% do mercado total de automóveis na UE. Foram registradas 232.525 unidades no primeiro trimestre do ano (+ 45,1% em relação a 2019). (Green Car Congress – 13.05.2020)

<topo>

3 Connecticut quer pelo menos 10 vezes mais VEs nas estradas até 2025

Connecticut divulgou um relatório em abril que estabelece um caminho para obter pelo menos 10 vezes mais VEs nas estradas de Connecticut até 2025. A legislação aprovada no ano passado estabeleceu um novo conselho de administração para o programa e US $ 3 milhões em financiamento anual de 2020 a 2025. Os VEs com pelo menos 200 milhas de alcance recebem um desconto de US $ 1.500, enquanto VEs de menor alcance recebem um desconto de US $ 500. A Coalizão EV de Connecticut, um grupo de defesa, apelou ao estado para aumentar o financiamento para o programa. A Autoridade Reguladora de Serviços Públicos Públicos está conduzindo simultaneamente uma importante revisão sobre a melhor forma de integrar VEs na rede. (Electrek – 05.05.2020)

<topo>

4 Denver e o Plano de Ação para VEs

Denver lançou este mês seu “Plano de Ação para Veículos Elétricos”. Até 2025, o governo de Denver quer ver os VEs representando 15% de todos os veículos registrados na cidade, com essa participação dobrando até 2030. Os legisladores estaduais aprovaram uma lei em 2016 que obriga as concessionárias a dobrar suas vendas de VEs até 2030 – de 2,6% para 6,2% das vendas em todo o estado. O novo plano de ação recomenda uma abordagem em camadas para descontos e incentivos para VEs, a fim de fornecer maior suporte aos residentes de baixa renda, com opções para optar por modos alternativos, como bicicletas eletrônicas ou incentivos para passes de trânsito. (Electrek – 05.05.2020)

<topo>

5 Forbes: Eletrificação de veículos é processo intermediário na transição aos autônomos

A mobilidade elétrica oferece aos projetistas de automóveis muito mais liberdade criativa com menos restrições do que os veículos tradicionais. A maioria dos analistas parece estar dizendo que essa mudança progressiva para a eletricidade é um estágio intermediário na transição para um modelo de mobilidade como um serviço baseado em veículos autônomos e eixos de robôs. Mas, a menos que você tenha uma garagem onde possa recarregá-lo, um VE não é uma proposta muito atraente. Além disso, a transição para a mobilidade elétrica afetará fortemente os revendedores de automóveis e suas redes de manutenção. Entretanto, com o crescente interesse de mais segmentos de mercado e mais marcas articulando vendas diretas ou gerenciando suas próprias frotas, a transição para VEs está acelerando, tornando-os uma alternativa cada vez mais razoável, o que é um resultado melhor para todos. (Forbes – 09.05.2020)

<topo>

6 The Diplomat: China atrai fabricantes de VEs pelo potencial do mercado

Estima-se que existam 450 fabricantes de NEV registrados na China, incluindo empresas estatais domésticas e startups. Empresas estrangeiras também investiram no mercado potencial de NEV na China, com montadoras estabelecidas firmando parcerias com contrapartes chinesas para produzir carros movidos a bateria. A razão para esse interesse é o enorme potencial do mercado NEV da China. Cidades como Shenzhen estão mudando seus sistemas de transporte público para ônibus elétricos. As frotas de táxi estão ficando cada vez mais verdes. A China espera que os NEVs representem 20% de todas as vendas de automóveis até 2025, com uma meta de 7 milhões de NEVs a serem vendidos anualmente até então. Mais de um milhão de NEVs foram vendidos na China em 2018, cerca de três vezes o número vendido nos Estados Unidos. (The Diplomat – 08.05.2020)

<topo>

7 BMW enxerga vantagem em trazer VEs para o Brasil

Para este ano o BMW Group manteve o plano de fazer 25 lançamentos no Brasil (incluindo modelos BMW e Mini). Segundo Roberto Carvalho, diretor comercial da BMW Brasil, perto de 30% deles já foram feitos com resultados acima do que era esperado, como a versão híbrida plug-in do Série 3, o 330e. Para o diretor, o consumidor brasileiro já enxergou as vantagens da tecnologia e abre oportunidade de explorar esse segmento. Por isso, a marca irá continuar com seu projeto de eletrificação, trazendo mais versões de híbridos e elétricos. Assim que possível, o executivo diz que irá trazer também o i4, modelo elétrico apresentado em março passado com lançamento na Europa previsto para 2021. (Automotive Business – 11.05.2020)

<topo>

 

 

Meio Ambiente

1 Universidade de Nottingham Trent: VEs podem reduzir emissões de CO2 em quase 12% no Reino Unido

A investigação, conduzida pela Universidade de Nottingham Trent, mostra que 42 milhões de toneladas de CO2 (MtCO2) serão removidos da atmosfera. Estes dados já prevêem a compensação do aumento das emissões de CO2 relativas à rede elétrica necessária para alimentar os 32 milhões de carros e táxis que seriam substituídos por VEs. Feitas as contas, o switch para os VEs faria descer as emissões de CO2 em 14%, mas se retirarmos os 2,1% resultantes da maior produção de eletricidade, chegamos aos tais 11,89%. O governo britânico planeia banir a venda de novos automóveis a gasolina e diesel em 2040 e chegar ao objetivo de zero emissão de gases de estufa em 2050. No entanto, as encomendas para carros elétricos continuam baixas. (Automonitor – 14.05.2020)

<topo>

2 Nature Sustainability: Uma análise holística das intensidades de energia de viagens de passageiros e gases de efeito estufa

O transporte é um importante consumidor de energia e emissor de gases de efeito estufa (GEE).?Explorar as oportunidades de economia de energia e redução de emissões de GEE requer a compreensão da intensidade de emissões de GEE. Este indicador agregado quantifica a quantidade de energia necessária ou GEE emitida para fornecer um serviço de transporte genérico.?Nessa análise, mostramos que a faixa de energia observada e as intensidades de GEE dos principais modos de transporte são notavelmente semelhantes e que a ocupação explica cerca de 70 a 90% da variação em torno da média;?apenas os 10 a 30% restantes são explicados por diferenças nas distâncias de viagem e outros fatores, como tecnologia e condições operacionais. (Nature Sustainability – 20.04.2020)

<topo>

 

 

Outros Artigos e Estudos

1 MITEI: Atingir as metas de Paris exigirá inovação em VE

Joanna Moody, gerente do programa de pesquisa do Centro de Sistemas de Mobilidade do MITEI, discute as descobertas do relatório “Insights sobre a mobilidade futura” sobre os fatores econômicos e as mudanças culturais que podem influenciar o futuro do transporte pessoal. (MIT Energy Initiative – 20.11.2019)

<topo>

2 Promob-e: Como abastecer um carro elétrico? Instalação de equipamentos de recarga em casa

O objetivo desta cartilha é orientar os usuários quanto a recarga segura de veículos elétricos leves e sobre a adequação das instalações elétricas residenciais para a recarga dentro das normas e legislações aplicáveis. O estudo foi desenvolvido no âmbito do PROMOB-e, projeto de cooperação técnica entre Brasil e Alemanha executado pelo Ministério da Economia em parceria com o Ministério Alemão de Cooperação Econômica e para Desenvolvimento por meio da Deutsche Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit (GIZ) GmbH. (Promob-e – Abril de 2020)

<topo>


Equipe de Pesquisa UFRJ
Editor: Prof. Nivalde J. de Castro (nivalde@ufrj.br)
Subeditores: Diogo Salles e Fabiano Lacombe
Pesquisadores: Lara Moscon e Luiza Masseno
Assistente de pesquisa: Sérgio Silva

As notícias divulgadas no IFE não refletem necessariamente os pontos da UFRJ. As informações que apresentam como fonte UFRJ são de responsabilidade da equipe de pesquisa sobre o Setor Elétrico, vinculada ao NUCA do Instituto de Economia da UFRJ.

Para contato: ifes@race.nuca.ie.ufrj.br

POLÍTICA DE PRIVACIDADE E SIGILO
Respeitamos sua privacidade. Caso você não deseje mais receber nossos e-mails,  Clique aqui e envie-nos uma mensagem solicitando o descadastrado do seu e-mail de nosso mailing.


Copyright UFRJ

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 



 

 

 

 

 

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: